Archive for November, 2006

Estadio

November 30, 2006

Confesso que fiquei empolgado com essa história de novo estádio. Sei que ainda é uma fase preliminar, de estudos e de projeto, e pouquíssimas informações foram passadas ao público, mas é baseado somente nisso que cheguei à algumas conclusões:

Mudança de Lugar: O gremio não pode sair da Azenha, isso é sempre muito arriscado. O Benfica contrui um novo estadio da luz ao lado do antigo , O arsenal mudou para um estadio novo a poucas quadras do antigo. Sei que o gremio ja mudou uma vez, mas se mudar é sempre risco, ainda mais pra uma área “industrial” perto do aeroporto.

– Criação da Grêmio Patrimônio: Não sei se essa divisão do Clube é realmente necessária ao Projeto, mas não me parece uma boa ideia. Creio que essa esquizofrenia do clube pra escapar de imposto e credores tende a não dar muito certo.

– CT de Eldorado do Sul: Esse parece que não tem mais volta, mas não gosto da ideia, e parece que com o novo estadio o Futebol profissional vai de uma vez por todas pra lá. Pra começo de conversa o nome do time é Gremio Foot-Ball Portoalegrense e não Gremio Eldoradense. Acho lamentavel afastar o dia-dia do time da sua torcida. Sei que um CT é fundamental, mas alguns dos melhores CTs do brasil são em regioes mais centrais de suas respectivas cidades, como São Paulo, Palmeiras e Cruzeiro.

Advertisements

Mais uma pesquisa

November 28, 2006

Pesquisa da Datafolha
– No Brasil: Grêmio (4%) x Inter (3%)
– No Sul: Grêmio ( 21%) x Inter (19%)

Ainda que sejam favoraveis ao gremio, gostaria dizer que não gosto muito dessas pesquisas. Acho que entrevistar menos de 10.000 pessoas em 10 dias é muito pouco pra sair fazendo analise sobre comportamento de torcedor.

Creio eu que é muito mais válido este comentário que “roubei” de um blog colorado:

rafael severo disse…

Quanto à questão das torcidas, eu tenho uma posição polêmica para nós colorados. Eu percebo que a torcida do rival cresceu enormemente nos últimos 15 anos. É nítido isso aqui no estado. Cidades de colonização germânica são compostas por pelo menos 70% de torcedores gremistas. Fora os adolescentes que são esmagadoramente gremistas. Mas a notícia boa é que a tendência começa a se inverter entre as crianças, nas escolas. As próprias comemorações gremistas em Porto Alegre são bem mais barulhentas, nessas ocasiões parece que só existem gremistas na cidade. Já a festa da Libertadores nossa foi bem mais tímida, pelo menos eu achei… Até bem pouco tempo atrás, encontrar uma criança com a camiseta colorada era como procurar agulha no palheiro, hoje já é bem comum crianças e adolescentes com camisetas coloradas. É o efeito Libertadores… Precisaremos, acho, mais uns dez anos de domínio pra emparelhar as torcidas novamente. Eu lembro que em 1990 foi encomendada uma pesquisa pelo Correio do Povo, dividida por regiões, para apontar a maior torcida do estado e tinha dado Inter com 51% contra 49% pro rival. Engraçado é que 7 anos depois a RBS divulgou uma pesquisa Top Of Mind que tinha dado quase 70% pro rival e apenas 28% pro Colorado. Como pode ter virado tanto apenas 7 anos depois??? Tá certo que eles possam ter nos passaado nesse tempo, mas uma inversão desse tamanho eu só posso imputar à tendência azul da RBS..
.”

Tirando a parte em que ele acusa a RBS de ser gremista, esse comentário diz bem mais do que a pesquisa da datafolha.

Grêmio 3 x 0 Flamengo

November 27, 2006

O que se viu ontem foi a atuação de um time maduro, superou um primeiro tempo ruim e fez o resultado no segundo tempo. O Flamengo tentou neutralizar a força do Gremio usando 6 no meio campo. Não deu muito certo, o Gremio dominava o setor e chegava com certo facilidade até a intermediaria, mas aí começavam os problemas tricolores. A bola raramente chegava na área , Rômulo estava muito isolado, verdade que teve uma boa chance onde foi travado pelo zagueiro. Contudo as melhores chances no primeiro tempo foram do Flamengo, Obina chutou uma pra fora e em outras situação Gallato salvou a bola nos pés de Renato.

O Grêmio voltou melhor para o segundo tempo, Ramon entrou no lugar de Alessandro e o Gremio passou a ter mais presença na área. Bruno vinha salvando o flamengo e estava se transformando no nome do jogo, todas as chances do gremio paravam nele. O gremio continuou pressionando, Fernando foi expulso e facilitou as coisas. Hugo cruzou e Ramon (como centroavante) tocou pra fundo das redes. 1 x 0. Flamengo não jogou no segundo tempo. Jogada pelo lado direito, Tcheco recebe e dá um toque magistral de calcanhar, Patrício chuta e Rômulo faz no rebote. O gremio passou a tocar a bola e a torcida a gritar “olé”. No fim Tcheco cruzou de dentro da área, Bruno Telles não alcançou mas Rafinha fez um golaço de voleio. Poderia ter sido mais, Romulo perdeu duas boas chances, mas o 3 x 0 valeu pela vaga direta.

O ruim do partida foi o juiz, sem critério nenhum. Ainda no primeiro tempo, Maidana cabeceou e o zagueiro interceptou com a mão, nada foi marcado. Fernando parou com falta por trás lucas e não levou amarelo. Renato deu um cotovelaço em Jeovânio e Leo Moura deu um tapa em Tcheco e ficou por isso mesmo, por muito menos Romulo levou um amarelo.

Tcheco foi disparado o melhor em campo. Não bastasse as duas assistências pro gols, toques de calcanhar e outros passes que não foram melhor aproveitados, Tcheco fez a melhor jogada do partida quando entrou a dribles na área flamenguista e só parou na defesa arrojada de Bruno.

Grêmio 3 X 0 Flamengo

GRÊMIO: Galatto; Patrício, William, Maidana e Bruno Teles; Jeovânio, Lucas (Sandro 38´ do 2°t), Alessandro (Ramón 11´do 2°t), Hugo (Rafinha 36´do 2°t) e Tcheco; Rômulo.
Técnico: Mano Menezes

FLAMENGO: Bruno; Fernando, Rodrigo Arroz e Ronaldo Angelim; Leonardo Moura, Marcinho (Rômulo), Léo Medeiros, Renato, Renato Augusto (Fellype Gabriel) e Juan; Obina (Fabiano Oliveira).
Técnico: Ney Franco

Campeonato Brasileiro 2006 – 37ª rodada
Data: 26/11/2006 (domingo)
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Renda: R$ 399.710
Público: 32.035 (total)
Árbitro: Paulo Henrique de Godoy Bezerra (SC)
Assistentes: Carlos Berkenbrock (SC) e Claudemir Mafessoni (SC)
Cartões amarelos: Jeovânio, Alessandro, Maidana, Rômulo, Ramón (GRÊ), Obina, Juan, Léo Medeiros, Fernando (FLA)
Cartão vermelho: Fernando (FLA)
Gols: Ramón (GRÊ), aos 18 minutos do primeiro tempo; Rômulo (GRÊ), aos 35 minutos do segundo tempo; e Rafinha (GRÊ) aos 43 minutos do segundo tempo.

Concordância?

November 24, 2006


seria a invasão colorada ou a invasão do colorada? falem o que quiser mas nem mesmo no idioma o Inter combina com o mundial.

Contratações

November 24, 2006

Acho que há muito exagero quando se fala em quantos contrataçoes o gremio precisa fazer pro ano que vem. Fala-se em um goleiro, dois laterais, um zagueiro, um meia e um atacante. Não concordo.

Precisar o Gremio só precisa mesmo de um Lateral-esquerdo, nem que seja pra não queimar o Bruno Telles. Se renovar como todos os atuais jogadores acho que só se faz necessário um jogador nessa posição. Nas outras seriam reforços.

Contratar por contratar não faz sentido, sem contar que se gasta muito dinheiro dessa forma. Qual destes goleiro que foram oferecidos ao Gremio é superior ao Marcelo? o Rômulo não agrada a todos, mas tem algum centroavante disponivel no mercado? e assim vai.

Trazer pra fazer numero não é bom, não se pode embarcar nessa história que é preciso ter grupo. É preciso ter um time, e isso o Grêmio tem. Pensando bem não é preciso nem ter 11 jogadores bons. Em 2005 o São Paulo foi campeão da libertadores e do mundial com Edcarlos na zaga.

"Nostradamus"

November 23, 2006

Libertadores
1983 – Gremio Campeão –
12 anos depois
1995 – Gremio campeão
12 anos depois
2007 – ????

Mundial
– em 82 a Itália ganhou a Copa – em 83 o Gremio foi campeao Mundial
– em 94 a Itália perdeu a Copa nos penaltis – em 95 o Gremio perdeu o Mundial nos penaltis
– em 06 a Itália ganhou a copa – em 07 ???????????

Ps: Antes de ficarem brabos comigo, culpem a falta de assunto por este post de merda. Melhores posts virão, eu prometo

Grêmio 3 x 1 Santa Cruz

November 20, 2006
O Santa Cruz começou o jogo solto, se aproveitando da sonolência do Gremio, levou algum perigo, mas parou nas suas limitações. O gremio começou a dominar, mas concluía pouco, até que Bruno Telles arriscou da intermediária, a bola bateu no zagueiro e só parou dentro do gol: 1 x 0. Logo depois, pressão na área do Santa Cruz, Hugo chutou uma vez na zaga, na segunda vez no travessão, no rebote Patrício cabeceou pro gol vazio: 2 x 0. No final do primeiro tempo, Jeovânio puxou o contra-ataque, driblou um zagueiro e passou pra Hugo, que por sua vez invadiu a área e mandou um foguete: 3 x 0. E o Gremio, naturalmente, parou aí.

Segundo tempo de desinteresse e de má-arbitragem. Arbitragem que errou escandalosamente no penalti não marcado para o Santa. Errou ainda em vários impedimentos, ora favorecendo o gremio, ora favorecendo o santa. O gremio estava muito bagunçado. Jeovânio tentou incessantemente fazer o seu gol. Patrício abandonou a defesa e virou ponta. Alessandro jogava mais adiantado do que o Hugo. Compreensivel o desinteresse, principalmente depois que o placar já estava feito.

– Ramon entrou no lugar do Rômulo, mas infelizmente não se posicionou como centro-avante
– Aloísio repetiu o que fez em outros jogos, se jogou no chão tentando cavar faltas. uma pena.

GRÊMIO 3 X 1 SANTA CRUZ

GRÊMIO: Galatto; Patrício, Evaldo, William e Bruno Teles; Jeovânio, Sandro, Alessandro (Rudinei), Hugo (Aloísio) e Tcheco; Rômulo (Ramón).
Técnico: Mano Menezes

SANTA CRUZ:Anderson; Sidraílson, Wilson Surubim e Hugo (Fabrício Ceará); Osmar, Bruno Lança, Júnior Maranhão, Jairo (Jameson) e Reginaldo Araújo; Jorge Henrique e Nenê.
Técnico: Fito Neves

Campeonato Brasileiro 2006 – 36ª rodada
Data: 18/11/2006 (sábado)
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 28.476 (25.506 pagantes)
Renda: R$ 201.355
Árbitro: Antônio Denival de Morais (PR)
Assistentes: Roberto Braatz (Fifa/PR) e Aparecido Donizetti Santana (PR)
Cartões amarelos: Nenê (STA)
Gols: Bruno Teles (G), aos 30 minutos do primeiro tempo, Patrício (G), aos 35 minutos do primeiro tempo, e Hugo (G), aos 42 minutos do primeiro tempo; Fabrício Ceará, aos 15 minutos do segundo tempo (S)

Estrelas

November 17, 2006

A imagem acima circula(va) em um e-mail, uma hipótetica ilustração de como ficaria o símbolo do Gremio caso se resolvesse seguir o critério colorado de colocação de estrelas. Engraçado talvez, mas sem dúvida e algo que tinha parar por ali, na flauta, nao poderia ser levado a sério.

O problema começa quando essa “mudança” é cogitada no conselho do Grêmio. Conforme a coluna do Hiltor Mombach, no jornal Correio do Povo:
Grêmio pretende colocar mais duas estrelas na sua camiseta.

Hoje são três: uma de ouro, que homenageia Everaldo (campeão do mundo pelo Brasil) e o título mundial; uma de prata simbolizando os títulos continentais, e uma de bronze, os nacionais.

Seriam cinco: uma de ouro homenageando Everaldo (campeão do mundo) e o Mundial; duas de prata representando as Libertadores e duas de bronze, os Brasileiros.”

Na mesma coluna, nos dias 16 e 17 as manifestações dos conselheiros Sergio de M. Ilha Moreira e Flavio Ernesto Jacobus:

“A respeito da proposição que fiz em nome da comissão que presidi, venho te prestar, e a todos os teus leitores, o seguinte esclarecimento:

A colocação de cinco estrelas tem a seguinte explicação: duas de bronze significando os dois títulos do Brasileiro; duas de prata, os dois títulos da Libertadores e uma de ouro, o de campeão do mundo. A proposição não visa imitar nenhum clube, mas somente definir, pela sua grandiosidade, os títulos que merecem ser destacados com expressão na gloriosa camiseta de nosso clube. A estrela de ouro, repito, significa o maior de todos os títulos: campeão do mundo. Afinal, poucos clubes no Brasil a ostentam, e no RS, somente nós.

A proposição está sendo examinada para ver se não colide com o estatuto. Caso não haja nenhum problema, os conselheiros já manifestaram seu apoio. Um abraço do leitor e amigo, Sérgio Ilha Moreira.”

——————–_-_——————————

‘As estrelas da camiseta foram instituídas por mim em 1985 quando estava no cargo de vice-presidente de marketing da gestão Irany Sant’Anna. A razão de serem três e de cores diferentes (bronze, prata e ouro), era exatamente criar um símbolo genérico e definitivo das maiores conquistas do Grêmio sem a necessidade a cada novo título implementar-se uma nova estrela, o que viria a banalizar o significado.

Além disso, tratava-se de uma sutil flauta no tradicional rival que tinha três estrelas de ouro em sua camiseta, simbolizando títulos nacionais.

O significado das estrelas é: bronze, simbolizaria todas as conquistas nacionais; prata, todas as conquistas continentais; e ouro, as conquistas mundiais. Portanto, aquilo que para o tradicional rival valia ouro, para nós, gremistas, era bronze – o terceiro lugar na ordem de importância das conquistas. Flavio Jacobus.’

A manifestãção do conselheiro Flavio Jacobus me parece bem mais sensata. No Brasil, cada clube adota o critério que bem entender para colocar estrelas na sua camisa. O critério atual do Grêmio é bem razoavel: abrange todos títulos importantes, colocando em seu devido patamar e não é necessário mudar a camiseta a cada título conquistado.

Mudar agora, e principalmente mudar pra isso aí que está sendo proposto é tão somente dar uma resposta para o Inter. E uma resposta mal dada. Se o Inter não tem critério para estampar sua própria camisa, azar o deles. No passado recente, os piores momentos tricolores aconteceram quando o gremio se preocupou excessivamente com colorados. Deixem eles curtir a passgem do cometa. E deixem a camiseta tricolor como ela é. Creio que o conselho deliberativo do gremio deveria ter preocupações mais manobres. Me cheira a “factoide” essa proposta.

Wianey

November 15, 2006


Num exercício de masoquismo, eu as vezes tento ler a coluna do Wianey Carlet na zero hora. Hoje ele passa dos limites: deu voz a uma mentira que vem sendo repetida pelas mais burras e recalcadas cabeças coloradas – “o Hamburgo não teria levado reservas ao japão -” . Ora essa afirmativa é por si só de uma imbecilidade pouco vista, de qualquer forma com a internet o fenomeno do “não conheço o assunto mas vou opinar mesmo assim” ganhou força de maneira assustadora. Até aí tudo bem, e o preço que se paga pela “liberdade na Web”. O problema começa quando um “jornalista” repete essa baita mentira como se fosse verdade, para piorar muito provavelmente Wianey trabalhou nesse jogo e sabe do tamanho da besteira que está repetindo, mesmo assim ele repete.

Quando se trata de desmerecer vitórias do adversário, não existem torcedores mais criativos do que gremistas e colorados. O último capítulo da série Vocês Fazem, Nós Desfazemos coloca o Japão no mapa das duas torcidas. Gremistas atravessaram a Libertadores inteira depreciando os adversários do Inter e agora desmerecem o Barcelona pelo enfraquecimento do time catalão com as lesões de Eto’o, Saviola e Messi. A resposta dos colorados não é menos corrosiva: lembram que o Grêmio ganhou o Mundial do Japão contra o Hamburgo que, sequer, fora campeão da Europa, tendo jogado em Tóquio com meio time de reservas e apenas dois jogadores no banco de reservas. A verdade está nas duas trincheiras, provavelmente, mas a vitória não estará em nenhuma delas. Trata-se de uma disputa canibalesca em que os dois lados se diminuem até quase não sobreviverem méritos nas suas conquistas. E, no entanto, há quem considere esta rivalidade linda, maravilhosa, inigualável.

Sequer vou discutir se o Hamburgo era ou não campeão europeu. Quanto ao banco de reservas, a foto acima fala por si. Lembrando que na época só eram permitdas 2 substituiçoes, e normalmente 5 jogadores ficavam no banco de reservas. Na foto, da esquerda para a direita vemos, com o cigarro na mão, o técnico Ernst Happel; os outros tres na sequencia são membros da comissão técnica. Em seguida vemos três homens de cabelos loiros e encaracolados: estes aí são alguns dos reservas do hamburgo.

Atlético Paranaense 2 x 3 Grêmio

November 13, 2006
O Grêmio iniciou bem o jogo, a volta de Hugo era natural e a manutenção do Alessandro foi coerente. Logo de inicio Rômulo, que vinha sendo criticado injustamente, fez um golaço, se livrando de um zagueiro e dando uma bomba. Depois do gremio passou dominar o jogo após o gol. Hugo perdeu uma boa chance num contra-ataque puxado por ele mesmo. O “furacão” melhorou um pouco e passou a ameçar. Numa falta na intermediaria, junto a lateral, Dagoberto jogou na área, a defesa falhou e o atletico conseguiu o empate. Sem muitas modificaçoes o Gremio voltou pro segundo tempo buscando o gol, numa jogada pela ponta esquerda, Hugo ( de atuação discreta) cruzou na cabeça de Maidana: 1 x 2. O atlético voltou a pressionar, com bolas áreas, numa delas o juiz marcou um penalti que ninguem viu. Dagoberto cobrou e empatou. O gremio não se abalou, novamente pela ponta esquerda, Alessandro cruzou e Ramon desempatou. 2 x 3. Vitória merecida.

Maidana foi o melhor em campo, ele simplesmente ganha todas de cabeça. Bruno Telles tá sendo eficiente na lateral esquerda, atuando bem defensivamente, conforme o próprio Mano pediu. Ramon tem tudo pra ser um bom centro avante: Tamanho, cabeceio, presença na área, boa conclusão e sabe prender a bola. Parece que cada vez mais ele joga como atacante. Ontem ele entrou pra jogar dentro da área e o resultado foi positivo.

Atlético-PR 2 x 3 Grêmio

ATLÉTICO PARANAENSE: Cléber; Evanilson, Gustavo, César e Ivan; Marcelo Silva, Válber (Chico), Willian e Dagoberto (Herrera); Paulo Rink (Ewandro) e Pedro Oldoni.
Técnico: Vadão.

GRÊMIO: Galatto, Patrício, Maidana, Pereira e Bruno Telles; Jeovânio, Lucas, Alessandro, Hugo (Ramon) e Tcheco (Sandro); Rômulo (Herrera).
Técnico: Mano Menezes.

Campeonato Brasileiro 2006 – 35ª rodada
Data: 12/11/06 (domingo) – 18h10min
Local: Estádio Kyocera Arena, em Curitiba
Público: 9.893
Renda: R$ 149.432,50
Árbitro: Álvaro Azeredo Quelhas (MG)
Assistentes: Helberth Costa Andrade e Guilherme Dias Camilo (MG)
Cartão amarelo: Lucas (GRE)
Gols: Rômulo, aos 4min, Marcelo Silva, aos 27min do primeiro tempo; Maidana, aos 6min, Dagoberto, aos 28min, Ramón, aos 37min do segundo tempo.