Archive for November, 2006

Placar

November 10, 2006

Antes de “descer a lenha” na Placar vou fazer um elogio: ao menos a revista se “obriga” a fazer uma reportagem a cada edição sob a dupla gre-nal. agora vai o problema vem depois, como ja mostrei neste, a placar não conhece muito sobre os times do sul, especialmente o Grêmio.

Nesta edição, uma reportagem sob qual torcedor, Gremista ou Colorado, é mais feliz. Primeiro se ignora que a Felicidade é subjetiva, não poderia, nem deveria tentar se medir quanto uma pessoa é ou está feliz. Muitos diriam que a reportagem é uma brincadeira, mas nem pra isso ela serve.

A reportagem levanta 7 quesitos, e da notas de 0 a 5 para cada clube. Os quesitos são: -1) Qual é a melhor história de superação? -2) Qual do rivais tem ídolos mais fortes? -3)Quem conta com o melhor time? -4) Quem possui a torcida mais fiel e companheira? -5)A psiquiatria ajuda as comparar as felicidades -6) O grenal nos DVDs -7) Qual clube está mais bem preparado para o futuro?

O resultado final é um empate digno de um Ruy Carlos Ostermann de tão em cima do muro que é.
Alguns aspectos chamam a atenção nos quesitos:
– Fernando Carvalho é colocado como ídolo, acho meio forçação de barra. Presidentes não são ídolos.
– Nos DVDs o Gremio ganha por um ponto apenas, tão somente porque tem dois dvds lançados. Ignora-se o fato de que o DVD do inter foi feito pela Placar e os próprios colorados o consideram uma merda.

Em outras ocasiões a Placar também errou no sul, como na vez que disse que Olímpico e Beira-rio recebiam a mesma quantidade e qualidade de público feminino.

Além disso tudo, a revista buscou opiniao de torcedores “ilustres” para ilustrar (redundância?) a reportagem, no Grêmio Zé Pedro Goular; no Inter Zé Victor Castiel e Kenny Braga.

Advertisements

Juventude 1 x 2 Grêmio

November 9, 2006

De volta ao 4-5-1, de volta as vitórias. Tcheco e Lucas voltaram a jogar bem, muita da vitória do Grêmio se explica por aí. O jogo começou nervoso, com os dois times jogando sério, chutando pro mato. Antes mesmo do jogo entrar na sua normalidade Tcheco lançou do meio de campo e achou Alessandro entrando livre entre os zagueiros, Alessandro “apenas” tocou por cima do André: 0 x 1. O Juventude foi em busca do empate, mas o Grêmio era melhor, principalmente pelo lado direito, Patrício, Lucas e Tcheco apareciam bem por ali. O Juventude voltou para o segundo tempo com 3-5-2, mas não melhorou muito. Pressionou é verdade, mas sem real perigo. O time do Ivo Wortmann insistia em bate escanteios fechados na pequena área, no mínimo não levavam fé no(s) goleiro(s) gremista(s). O Grêmio começou a sair um pouco mais pro jogo e num escanteio Antonio Carlos fez um penalti de zagueiro de pelada. Tcheco bateu com a categoria de sempre: 0 x 2. Dái em diante só se viu o Grêmio, Herrera entrou no lugar de Rômulo, e provou que é melhor quando entra no decorrer da partida. O Grêmio teve vários contra ataques para matar o jogo, em um deles Wagner Tardelli sonegou um penalti claríssimo em Ramon. Depois disso o jogo quase se complicou, “nego” Christian fez um gol numa baita cabeçada, a “papada” se animou mas o time do juventude não tinha mais forças no gramado.

Ontem deu pra ver claramente que para ter mais um jogador no ataque Mano não precisa mudar o esquema do time: Ramon jogou como segundo atacante, o que obrigou o Juventude a colocar mais uma zagueiro no intervalo. Alessandro jogando por todo meio campo, e não só pelo lado direito, foi o melhor em campo.

Não vou fazer julgamento sobre a “atitude” do Antônio Carlos, pra mim ele é um dos melhores zagueiros do campeoanto, ontem fez uma partida horrorosa. o que eu quero falar sobre aquele lance (foto abaixo) é que Lucas tem que se dar conta que daqui pra frente vai enfrentar este tipo de coisa, e não pode hipótese alguma amarelar. Ontem ele não se abalou.

Juventude 1 x 2 Grêmio

JUVENTUDE: André; Wellington, Fabrício, Antônio Carlos e Márcio Azevedo (Igor, int); Renan, Lauro, Alexandre e Fernando (Raulen, 16’/2º t); Bruno (Leandrinho, 19’/2º t) e Christian.
Técnico: Ivo Wortmann

GRÊMIO: Marcelo Grohe (Galatto, 14’/1º t); Patrício, William, Evaldo e Bruno Teles; Jeovânio, Lucas, Tcheco (Sandro,41’/2º t) Alessandro e Ramon; Rômulo (Herrera, 37’/2° t)
Técnico: Mano Menezes

Campeonato Brasileiro 2006 – 34ª rodada
Data: 08/11/2006 (quarta-feira) – 19h30min
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul-RS
Público: 9.508
Renda: R$ 97.515,00
Árbitro: Wagner Tardelli Azevedo (Fifa/RJ)
Assistentes: Altemir Hausmann (Fifa/RS) e Sérgio Buttes Cordeiro Filho (RS)
Cartões Amarelos: Jeovânio, Patrício, Tcheco, Evaldo, William, Alessandro, Sandro Goiano Lauro, Antônio Carlos
Gols: Alessandro(G) aos 10 minutos do primeiro tempo; Tcheco (G) aos 27 minutos e Christian, aos 42 min do 2;º tempo.

duas coisas

November 7, 2006

me esqueci de mencionar duas coisas no post anterior:

– Desde o jogo contra o Grêmio não aproveita as bolas paradas. Tirando o gol do Rafinha, que foi meio estranho, contra o Fluminense, nenhuma opurtunidade foi criado a partir da bola parada. Foram três jogos em casa e nada. Contra o São Paulo e no Gre-nal foram vários escanteios, sem sequer um cabeçada efetiva que levasse perigo ao gol adversário. Sem falar no rebote que o gremio tambem não pegou um nesses jogos.

– O São Paulo foi novamente beneficiado pela arbitragem. Um gol mal anulado e um cotovelaço que não mereceu sequer amarelo. Fica dificil, é como se o São Paulo começasse cada jogo com um pênalti a favor.

Grêmio 0 x 1 Internacional

November 6, 2006

Não da pra disfarçar um certo desanimo com o time, ultimos 3 jogos no olímpíco apenas um ponto. Ontem o Grêmio fez um bom primeiro tempo, e o segundo foi desastroso.

Acho que o Mano errou ao mudar o esquema e colocar o Herrera desde o início, talvez ele pretendia surpreender de novo ou colocar alguem em cima do Fabiano Eller, sei que não deu muito certo. Herrera é um jogador útil quando entra “novo” no segundo tempo, pegando a zaga cansada e com bastante espaço pra correr. Pra pegar a bola de costas e ir pra cima do zagueiro ele não é muito bom. Sem contar que com essa opção o Grêmio fica sem muita opção no segundo tempo, e acaba tendo que voltar pra “formação” original. Pro meu gosto as mudanças e ousadias devem ficar pro segundo tempo, no primeiro tempo mantenha-se a formação que vem jogando sempre.

Ainda assim o Grêmio foi melhor no 1° tempo. Herrera perdeu um gol feito depois da bela jogada do Bruno Telles. Romulo chutou duas vezes de esquerda, uma delas levando certo perigo. O inter não teve nenhuma opurtunidade na etapa inicial. Abel tirou Perdigão (que estava pedindo pra ser expulso) e colocou Adriano Gabiru. O Grêmio voltou mal. Tcheco e Lucas ficaram ainda mais apagados. Durante todo jogo era oferecido espaços pelas laterais pro tricolor atacar, Bruno Telles até que aproveitou no 1° tempo, mas Patrício nada produziu mesmo tendo liberdade. O inter começou a, despretensiosamente, a jogar a bola na área e passou a levar perigo ao gol tricolor. Numa delas, Luiz Adriano raspou no 1°pau, Gabiru ganhou denovo e Iarley bateu de virada: 0 x 1! Marcelo poderia ter defendido, mas se redimiu ao fazer uma grande defesa em novo chute de Iarley (que fez falta na origem do lance). Depois do gol o gremio foi um desastre, a torcida sentiu o golpe e infelizmente ficou quieta. Aí sim o Inter foi superior, antes disso foi um jogo igual, com o Grêmio foi levemente superior no 1°tempo.

Mesmo com o resultado, gostei do desempenho de alguns jogadores: Jeovânio foi um guerreiro, muito bem na cobertura. William e Evaldo foram bem tambem, Evaldo me pareceu um pouco enfeitado, mas não comprometeu. Gostei do Hugo também, se não foi brilhante pelo menos foi batalhador, se excedeu, é verdade, na expulsão.

E o Simon hein? nenhuma novidade. Tá certo que o Gremio não perdeu por causa dele, mas ele é o maior “ajeitador” da futebol mundial. Deu cartão amarelo pra Perdigão (justo) e um minuto depois mostrou pro William (injusto). Sempre compensando. Patrício deu um carrinho forte e não levou amarelo. No primeiro tempo, por duas vezes os volantes do Inter atingiram com o braço os advesarios ao disputar a bola de cabeça. Tcheco e Lucas tiveram que receber atendimento médico nos lances. Sequer uma advertência verbal para os colorados. Hugo fez duas faltas pra cartão amarelo e foi expulso, ok, tudo bem, mas por que o mesmo não foi feito com o Perdigão. Não houve penalti no Hugo, assim como não aconteceu penalti no Luiz Adriano contra o Botafogo. Incrivel como tem gente que muda de opinião em dois lances iguais. GRÊMIO 0 X 1 INTERNACIONAL


GRÊMIO: Marcelo; Patrício, Evaldo, William e Bruno Teles (Ramon); Jeovânio (Sandro Goiano), Lucas, Tcheco e Hugo; Herrera (Rafinha) e Rômulo.
Técnico: Mano Menezes.

INTERNACIONAL: Renan; Ceará, Índio, Fabiano Eller e Rubens Cardoso; Edinho, Wellington Monteiro, Perdigão (Adriano) e Alex; Luiz Adriano (Rentería) e Iarley (Fabinho).
Técnico: Abel Braga.

Brasileirão – 33ª rodada.
Data: 05/11/2006 (domingo), 16h
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre/RS
Renda: R$ 635.960.
Público: 34.572.
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Assistentes: Altemir Hausmann (Fifa-RS) e José Javel Silveira (RS)
Cartões Amarelos: Perdigão, Fabiano Eller, Edinho e Rentería (Inter); Willian, Jeovânio, Hugo e Bruno Teles (Grêmio)
Cartões Vermelho: Hugo (Grêmio)
Gol: Iarley (I) aos 18 minutos do segundo tempo.

Arbitragem II

November 3, 2006

Carlos Simon foi “sorteado” para apitar o grenal. Ja começamos mal. Simon apitou mal a final do gauchão, apitou mal na libertadores e apitou mal na copa do mundo. Fosse outro árbitro ele provavelmente estaria sendo alvo de críticas por parte da imprensa, mas por ser bem relacionado, tendo amigos e colegas na mídia, Simon é poupado. E não é só isso, agora ele, na qualidade de entrevistado, também consegue pautar suas entrevistas:

“-ZH – No último Gre-Nal do senhor houve aquela bola atrasada (do Bolívar para o Clemer, que pegou com as mãos)…
-Simon – (interrompendo) Se vamos falar de um lance no último Gre-Nal, vamos falar dos outros 16 também. Não dá para pegar uma jogada só.
-ZH – Então, que balanço o senhor faz de suas atuações nos clássicos?
-Simon – Extremamente positivo. E não sou eu que digo. Tenho as edições dos jornais dos 16 Gre-Nais em que trabalhei, toda a imprensa diz que trabalhei bem.”

Arbitragem I

November 3, 2006

-quarta feira- Gremio e Figueirense, cruzamento vindo da esquerda, Aloisio cabeceia em direção ao gol, a bola bate na mão do zagueiro do figueirense. O juiz não marca o Pênalti.

-quinta feira – São Paulo e Ponte Preta, Danilo cruza da esquerda, a bola bate na mão do zagueiro da ponte. O juiz marca o Pênalti.

Será que em um dia a regra (ou o critério) mudou ou essa rodada foi um belo exemplo do que aconteceu em todas rodadas do campeonato brasileiro? isso que eu nem falei no jogo do Maracanã.

Grêmio 1 x 2 Figueirense

November 2, 2006

O Grêmio começou jogando do jeito certo, esperando o Figueirense, sem oferecer o contra-ataque aos “catarina”. o jogo estava começando a se desenhar pro tricolor quando Patricio fez a grande cagada da noite, esperou pela saída do Galatto, de forma alguma ele poderia ter feito isso, um defensor não deve ficar com a bola parada dentro da sua área, um bico pra escanteio e estava tudo resolvido. Mas não foi isso que ele fez . Dez minutos depois, Marquinhos Paraná enfia uma bola pelo meio da zaga do Grêmio e Galatto saiu com tudo e derrubou Schwenck. talvez o arqueiro gremista pudesse ter evitado o choque, de qualquer forma Galatto até que foi bem no penalti, mas Cícero bateu muito bem. 2 x 0. Logo em seguida Tcheco recebeu dentro da área, deu um toquinho na bola e esperou a falta, penalti que o próprio “maestro” cobrou com perfeição. Patricio não se abalou com a falha, ainda no 1º tempo fez duas boas jogadas: um cruzamento para Romulo e uma jogada que terminou num chute de esquerda de Lucas. Essas e outra chute de Rômulo pararam num inspirado (e vingativo?) Andrey.

No segundo tempo o time se mostrou desorganizado, apressando o passe. A “promessa” Aloísio entrou sem resultado. As nem mais tão promessas Pedro Jr e Paulo Ramos fizeram menos ainda. Fiquei com a sensação de penalti em uma cabeçada de aloísio. O time mais do que nunca sentiu a falta do Hugo e Lucas, mesmo cuidando pra não levar cartão, mostrou que é o melhor jogador do time e do campeonato.

O Figuera teve uma atuação superior a ultima partida contra o São Paulo. uma sintese disso foi o goleiro Andrey, que pegou tudo ontem e tomou dois gols defensaveis contra os paulistas.

Gremio 1 x 2 Figueirense

GRÊMIO: Galatto; Patrício, William, Pereira e Escalona, Jeovânio (Paulo Ramos, 41′ /2º t), Lucas, Tcheco, Ramon (Pedro Jr., 30’/2º t) e Rafinha (Aloísio, 20′ /2º t); Rômulo
Técnico: Sidnei Lobo (Mano Menezes)

FIGUEIRENSE: Andrey; Flávio (Luciano Sorriso, 42′ /2º t), Chicão, Tiago Prado e Edson (Henrique, 24’/2º) ; Rodrigo Souto, Carlos Alberto, Marquinhos Paraná e Cícero (Vinícius, 37’/2º t); Soares e Schwenck.
Técnico: Valdemar Lemos.

Brasileirão, 32ª rodada – 1º/11/2006 – 20h30min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre
Gols: Soares (F), aos 20 minutos, Cícero (F), aos 32 e Tcheco (G), aos 34 do primeiro tempo.
Cartões amarelos: Marquinhos Paraná, Tiago Prado, Carlos Alberto, Edson, Henrique , Escalona, Galatto
Cartão Vermelho: Escalona (G).
Renda: R$ 192.450.
Público: 21.143 (18.515 pagantes)
Arbitragem: Clever Assunção Gonçalves, auxiliado Marco Antônio Gomes e Herberth Costa Andrade- MG

Lucas é o melhor do brasileirão

November 1, 2006
Finalmente Lucas passou para o 1°lugar da bola de prata na Placar. Nada além de justo. Ninguem jogou melhor que ele no Brasileirão. mas eu não me engano, na reta final a placar vai dar um jeitinho e, como em 2000, tirar a bola de ouro de um jogador Gremista. A tendência dos principais véiculos de mídia vai ser dar o prêmio de revelação para Lucas e o de melhor jogador para outro jogador: Injusto. Ninguem teve melhores atuações do que Lucas e ninguem foi mais regular durante todo o campeonato. Além do mais, quem seriam os concorrentes?

– Diego Cavalieri: é um goleiro promissor, mas é incapaz de segurara uma bola firme, espalma todas.

– Aloísio: Para um centro-avante de ofício deveria estar brigando pela artilharia.

– Rogerio Ceni: Por favor, qual foi a grande atuação dele no campeonato, dizer que o Rogerio é o melhor do campeonato é ver a coisa de trás pra frente: Pega-se o líder da competição e se escolhe seu principal jogador.

– Wagner: Teve apenas um ótimo começo, depois caiu na mediocridade.

– Fernandão: Quase não atuou no brasileiro durante a libertadores, fez alguns bons jogos depois mas já parou de jogar novamente.

Assim sendo, não consigo enxergar motivos para que Lucas não seja escolhido o melhor jogador do Campeonato Brasileiro 2006.

Obs: sobre os jogadores do São Paulo é interessante ler a coluna do David Coimbra de hoje:
De plantão

De campana na frente do edifício em que mora Lula, em São Bernardo, acompanhei pelo radinho do carro São Paulo x Figueirense. No fim, os radialistas, entre eles o ex-goleiro Zetti, deitaram elogios ao São Paulo, dizendo que meio time deveria ser convocado para a Seleção. Ceni, com qualquer idade!, exclamavam. Ilsinho, Ilsinho é o maior!, bradavam. Mineiro e Josué na frente da área!, insistiam. E mais são-paulinos exaltariam, se um repórter não interviesse:

– Peraí, desculpa. Respeito as opiniões de vocês, mas o São Paulo não tem um só jogador que possa ser convocado para a Seleção! Um só!

Não captei o nome do repórter. Pena. Foi corajoso, foi preciso. Há alguns anos não se vê um campeão acima do mais ou menos no país do futebol.”