Archive for July, 2007

Odone Fica

July 11, 2007

Acima, a carta de Antônio Britto recusando o convite para ocupar (ou disputar) a presidência do Grêmio

Odone fica na presidência do Grêmio, disse que tem mandato até final de 2008 e ficará enquanto achar que for necessário.

Não ficou definido quem vai ser o presidente da Grêmio empreendimentos, Odone disse que o Grêmio ganhou um pouco mais de tempo na questão da arena devido a prorrogação da inspeção daFifa.

De resto Odone reclamou da rejeição do nome do Britto, mas disse que ele vai continuar ajudando no projeto da arena. Disse que não vai indicar outro nome para ser submetido ao mesmo tratamento dado a Britto.

Com um pouco mais de calma farei algumas considerações sobre toda esta história da indicação para o sucessor de Odone.

Advertisements

Definições

July 11, 2007
Enquanto Britto não define seu futuro ( e o futuro do Grêmio), trago aqui uma definição de Nirlando Beirão sobre sobre o Ronaldinho Gaúcho (a.k.a Traíra) , publicada em sua coluna na revista Carta Capital (04/07/07). A coluna em si criticava a imprensa esportiva nacional, e talvez por isso tenha passado despercebida as críticas ao irmão do Assis. Tenho certeza que alguns reporteres de Porto Alegre saíriam na defesa do seu mais amado jogador se soubessem da existência de tal coluna. Mas pra isso é necessário ler, não muito, mas ler mais do que o que o necessário no dia-dia.

Bobão risonho”, “dispersivo”, “omisso” e “exbicionista“. Ainda não tinha vista um definição tão verdadeira sobre o filho da Dona Miguelina. Gostei tanto que até relevo os erros futebolísticos do autor.

Brasileirão – Atlético-MG 0 x 1 Grêmio

July 8, 2007
O Grêmio conseguiu repetir a equipe da partida anterior, mas isso durou poucos minutos. Bruno Teles recebeu uma bola nas costa de Lúcio e machucou o joelho. Thiego na lateral foi mais um dificuldade na equipe, mas ele entrou com vontade e personalidade para fazer uma função que não é a sua. A primeira jogada de perigo foi do Atlético, Danilinho entrou fácil pela ponta esquerda e rolou para trás, Tcho bateu forte e bola ia passando por Saja, mas Patrício salvou em cima da linha. O Grêmio começou a entrar no jogo e acertar a marcação. O Atlético só ameaçava nas bolas paradas cobradas pelo veterano Luisinho Neto, mas o ataque atleticano de baixa estatura perdia todas para a zaga do Grêmio. O Grêmio chegou algumas vezes. Ramon recebeu dois bons cruzamentos, nos dois errou a jogada. No fim do primeiro tempo, Ramon ainda deu um bom chute de fora da área. Primeira etapa de ampla vantagem das defesas sobre os ataques.
O Atlético caiu no segundo tempo, e o Grêmio bem que tentou jogar mais no ataque. Mas logo o marasmo tomou conta do jogo. Kelly entrou no lugar de Sandro, mas dessa vez não entrou bem.
A única chance do Atlético surgiu num lance que Saja tentou evitar o escanteio mas quase não evitou o gol. O ineficiente Everton saiu para entrada de Nunes, recompondo a “volância”. Lúcio bem que se apresentou pro jogo, parecia ser o desafogo do Grêmio, mas em algum lances deixou a sensação que estava tirando o pé. O sentimento era de o gol tricolor viria dos pés de Diego Souza ou seria contra. E foi Diego Souza que fez, numa jogada de Raça, insistência, habilidade, confiança e força. 1 x o muito bem-vindo.

fotos: Atletico e Uai


Atlético Mineiro 0 x 1 Grêmio

ATLÉTICO-MG: Diego; Luisinho Netto (Amílton), Marcos, Lima e Thiago Feltri (Germano); Renan, Bilu, Tchô e Danilinho; Éder Luis e Vanderlei (Paulo Henrique).
Técnico:
Zetti

GRÊMIO: Saja; Patrício, Schiavi, William e Bruno Teles (Thiego); Gavilán, Sandro Goiano (Kelly), Diego Souza e Lúcio; Ramon e Everton (Nunes).
Técnico: Mano Menezes

10ª RodadaCampeonato Brasileiro 2007
Data: 07 de julho de 2007, Sábado, 16h00min
Local: Estádio Mineirão – Belo Horizonte (MG)
Público:13.458
Renda: R$ 169.445,50
Árbitro: José Henrique de Carvalho (SP)
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Júnior (SP) e Nilson de Souza Monção (SP)
Cãrtões amarelos: Danilinho, Renan, Marcos e Bilu (Atlético); Lúcio, Saja, Diego Souza
Gol: Diego Souza aos 42 minutos do segundo tempo.

Declarações e Ponderações

July 6, 2007
Vou tentar fazer um apanhado de declarações sobre a escolha do nome de Britto e fazer alguns comenários em cima delas. Como eu tenho um ponto de vista bem definido, estou sim sendo parcial e estou sim escolhendo somente as declarações e os trechos que melhor me convem:

Eu o conheço bem, é um político de vários anos no Estado do Rio Grande do Sul e vários cargos. Foi homem de imprensa. Só que o seguinte: ele é conselheiro desde 1996. E se tu vires as atas de presença no Grêmio nesses anos todos, eu não sei se ele faz uma presença por ano. Acho que ele não faz 10 presenças. É uma pessoa que tem suas qualidades, mas acho que não é homem para o Grêmio” (Hélio Dourado)

A saída do Odone já era esperada em função da futura construção da nossa arena. Mas fui surpreendido com a indicação do ex-governador, pessoa à qual não tenho nenhuma objeção, mas não o vinculo ao Grêmio de forma a ele merecer a presidência do clube. Vejo o autolançamento do Sérgio Ilha Moreira como uma bela alternativa. E se isso ocorrer, eu o apoiarei, ou mesmo alguém que venha de forma alternativa, pois rejeito a possibilidade do Britto, a quem eu insisto, não tenho a menor restrição quanto a aspectos e predicados pessoais (André Krieger)

Sou um torcedor, que depois virei conselheiro. Um sujeito apaixonado pelo Grêmio. Cuja atividade pública recomendava que eu não me revelasse como gremista, mas paixão é paixão.” (Antônio Britto)

Essas três declarações deixam bem claro que Britto não é gremista o bastante para assumir a presidência, ou se preferirem mostra que não é uma pessoa com o engajamento necessário. Que história e essa de atividade pública não recomendar que se revelasse? Que gremista tem vergonha de ser gremista? Que tipo de gremista esconde que é gremista só pra ganhar mais votos? Dizem que a atividade pública recomenda que ele não revele outra coisa também, mas isso não é assunto para agora.


Manifestei ao presidente Paulo Odone a minha disposição de pretender disputar a presdiência do Grêmio. Quando tomei conhecimento, pelos jornais, que Antônio Britto, que é meu amigo pessoal, viria como sucessor e por ser estranho à atual diretoria, eu entendi que era o momento de apresentar o meu nome. Fui muito franco e disse a Odone que se ele apresentasse qualquer um dos vices atuais eu não teria objeção nenhuma, pois seria uma continuidade da atual diretoria e da gestão exitosa” (Sérgio Ilha Moreira)

Para mim existe uma premissa anterior ao exame de qualquer nome. A eleição que nós teremos será para o ‘cabeça’ de uma chapa que já existe. Temos seis vice-presidentes que estão trabalhando há dois anos e meio. Por isso acho complicado o lançamento de alguém de fora para trabalhar por mais um ano e meio com estas pessoas que já estão lá dentro e que já possuem uma idéia de gestão” (Homero Bellini Jr)

Todos sabemos da impossibilidade do Túlio Macedo, mas por que não indicar alguém da atual administração. Assim fosse, seria até razoavél um consenso, dispensando eleições. Britto não significa automaticamente continuidade da atual gestão.

A decisão do grupo (Grêmio Imortal, grupo liderado por Renato Moreira) é contrária a forma com que o candidato foi escolhido. Se ele concorrer, eu e meu grupo estamos fora do Conselho de Administração” (Carlos Josias)

Não seria o caso de levarmos à apreciação da Assembléia Geral? Do nosso associado? Aliás, a prática democrática sempre foi e é bem-vinda. No meu entendimento este seria o momento (André Krieger)

Me parece claro que ninguém gostou da forma como foi feita escolha. Do dia pra noite Britto foi “nomeado” para presidência do Grêmio. Pro meu gosto, a eleição pra presidente do Grêmio sempre deve passar pelo associado, mesmo quando houver consenso no conselho deliberativo. Não resta dúvida que Britto não é unanimidade, logo acredito que deverá passar pelo crivo dos sócios, mesmo que seja candidato único.

O momento do Grêmio, de construção de estádio, deveria ser um momento de comunhão, de consenso, de lideranças capazes de agradar todos setores do clube. Britto, logo de cara, não é uma dessas lideranças, a rejeição dele chega a ser assustadora. Nunca vi um presidente do Grêmio ter que provar que era gremista, mostrar que entende de futebol, isso sempre deveria transparecer na pessoa.

É claro que tem pessoas que são favoravéis ao ex-governador, mas estas pessoas estão é dando o benefíco da dúvida para ele, o tal “esperar pra ver”, ou estão se apegando ao fato de que Britto é indicação de Koff, Odone e Cacalo. Para mim, por mais importante que sejam este três, o simples fato de ser uma indicação deles não torna Britto um nome bom para a Presidência do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense..

Britto Presidente

July 5, 2007
A notícia é desanimadora, mas esperada. Primeiramente divulgou-se o nome de Britto junto com o de Gerdau e Grendene, usando o nome destes dois últimos como uma cortina de fumaça. Difícil pensar em outro nome que causasse tamanha rejeição entre os associados (excetuando o Obino é claro). Não da para imaginar o que se pretende com Britto na presidência, nem da para entender porque outros nomes, ligados a atual administração, não foram indicados.
Há uns dois anos atrás, um amigo meu, ligado a política partidária do RS, me contou que a nova ambição política do ex-governador era ser presidente do Grêmio. Não levei ele muito a sério e disse que Britto não era nenhum pouco atuante dentro do clube. O fato dele ser conselheiro era uma mera cortesia ao fato de ocupar um cargo no executivo, assim como Alceu Collares. Não que eu estivesse errado, mas deveria ter levado a sério as informações do meu amigo.


A foto acima está no site do Grêmio, com a seguinte legenda “Conselheiro sempre presente nos jogos do Grêmio”. Não, não e não!!!, nos todos sabemos que isso não é verdade. Além do mais vale lembrar que Britto foi indicado para o conselho em 1996, mas é um homem público desde 1985, portanto, se fosse tão gremista e tão interessado nos assuntos do Grêmio poderia entrado para o Conselho muito antes.

Parece que Britto na presidência é a vontade de Odone e Koff, logo não muito o que fazer contra. As notícias dão conta que se articula uma aclamação no conselho. Lamentável. Os diversos grupos dentro do Grêmio tem obrigação de lançar uma candidato “alternativo”. E mesmo que Britto seja candidato único, penso que sua eleição deveria passar por uma eleição entre os associados e não ficar restrita ao conselho. Mas acho que no fim nada disso vai acontecer, tamanha é a distância entre o pensamente do conselho deliberativo e do sócio gremista.

Resta é fazer piada da situação.
– Será que Britto vai ser porta-voz de boletins médicos falsos?
– Será que vai privatizar o ataque tricolor por considera-lo ineficiente?
– Será que Nelson Proença e Berfran Rosado vão ser nomeados vice de futebol?
– Será que Britto vai colocar um pedágio no pórtico do Olímpico?

Eu sei que as piadas são fracas, mas minha decepção é muito grande, estou desiludido. Imaginem se anunciassem que o Grêmio teria três opções para ser centroavante: Drogba, Henry e Afonso Alves. Tudo mundo pensaria “desde que não seja o Afonso, está ótimo”. Bem foi o que fizeram quando listaram Britto entre Grendene e Gerdau.

Posso estar sendo muito parcial ou pessimista, mas tem alguém que sinceramente pense que Antônio Britto será um bom presidente? se a resposta for postiva favor dar motivos para tanto.

Brasileirão – Grêmio 3 x 1 Juventude

July 4, 2007
O jogo de ontem era encarado por muitos como uma barbada, mas o Grêmio desfalcado poderia se complicar. Isso não aconteceu. Desde o início o Grêmio valorizou a posse de bola, trocou passes no meio e teve movimentação no ataque. O gol surgiu cedo, numa jogada que pro meu gosto foi ilegal, Ramon impedido participa de jogada do pênalti. Gaciba não entendeu assim e marcou a falta em Diego Souza. O próprio Diego cobrou a penalidade máxima: bola num lado; goleiro no outro, 1 x 0. O tricolor jogava bem e explorava os laterais do Juventude. Bruno Teles deu 3 bons chutes de fora da área. Quando o Juventude atacava o Grêmio marcava bem, e quando errava a marcação parava o jogo ainda na metade da cancha, desse modo o Juventude não ameaçou no primeiro tempo. Schiavi e William estavam muito seguros na zaga.


No segundo tempo o Juventude tratou de sair mais pro jogo, mas logo aos 6 minutos Schiavi deu um belo lançamento para Diego Souza, que demorou a perceber a falha da zaga mas mesmo assim fez o seu segundo gol na partida. 2×0. O Grêmio continuava a mandar no jogo. Lúcio jogava fácil pela esquerda. O Juventude levava perigo em escanteios esporádicos, mas foi justo num escanteio que o tricolor fez 3×0. Bola passou do primeiro pau e William fez de voleio. Prêmio a suas boas atuações. O Grêmio perdeu chances de aumentar o placar e o Juventude acabou fazendo o seu gol solitário, Wescley antecipou-se a defesa no primeiro pau.

O time, apesar dos desfalques, está num bom caminho. Ramón e Everton tiveram, ao menos, mais movimentação ontem, e Kelly novamente entrou bem. A equipe poderia aumentar seu aproveitamento em bolas paradas e em cruzamentos em geral. Ajudaria bastante. De resto aind acho que temos time para brigar pelo título.

fotos: Gremio.net

Grêmio 3 x 1 Juventude

GRÊMIO: Saja; Patrício, William, Schiavi e Bruno Teles; Gavilán (Edmílson 85´ ), Sandro Goiano, Diego Souza e Lúcio; Ramón (Douglas 71´) e Everton (Kelly 59´)
Técnico: Mano Menezes

JUVENTUDE: Michel Alves; Radamés, Wescley, Cedrola e Zé Rodolpho; Marcão, Marabá (Ivo 54´), Beto e Renato (James 72´); Alex Alves (Guilherme 64´) e Éber
Técnico: Flávio Campos

9ª Rodada Campeonato Brasileiro 2007
Data: 03 de Julho, Terça-feira, 20h30min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS)
Renda: R$ 174.790,00
Público:
14.918 (13.603 pagantes)

Arbitragem: Leonardo Gaciba (Fifa), auxiliado por Paulo Ricardo Silva Conceição e José Antônio Chaves Franco Filho (trio do RS)
Cartões Amarelos: Beto, Radamés (Juventude); Schiavi e Everton (Grêmio)
Gols: Diego Souza aos 12 minutos do primeiro tempo e aos seis minutos do segundo tempo; William aos 22 minutos do segundo tempo (G); Wescley aos 29 minutos do segundo tempo (J)

Receitas

July 3, 2007

O gráfico acima (porcamente escaneado por mim) saiu na Folha de São Paulo, numa matéria com executivos do Manchester United. Sugeria-se ali que o clube inglês fosse usado como Benchmarking para os time brasileiros. Questionável, uma vez que a realidade inglesa é muito diferente da brasileira, e também porque um dos grandes méritos dos ingleses foi promover seus times no mercado asiático. Enfim, a matéria é bem fraquinha, interessante mesmo eu achei foi o gráfico.

Vários números chamam a atenção. O Manchester não tem nenhuma receita vinda de transferência de jogadores, mas isso parece ser meio óbvio, haja vista que o Manchester é um clube “comprador”. As receitas de transmissão encontram uma certa correspondência em ambos os casos e o Manchester fatura o dobro com patrocínios.

Mas a diferença mais assustadora está nos ingressos. 43% contra 7%. Aí realmente parece haver algo a ser explorado. Mas é um tema delicado. Qualquer pessoa que defenda o aumento dos preços dos ingressos no Brasil é chamada de elitista. O tema é sempre tratado com demagogia e frases feitas como “futebol é o esporte do povo” ou “vai afastar o verdadeiro torcedor do estádio”. Engraçado que essas frases não se repetem quando se trata do tema de televisonamento e venda de pay-per-view. São os interesses. Pelo lado inglês é bom lembrar que desde o “Taylor Report” os estádios deixaram de ser frequentado pelo operariado e passaram a ser um programa de uma classe média endinheirada. Isso gerou uma mudança no perfil do torcedor. Alex Ferguson já se manifestou várias vezes em relação ao comportamente deste “novo” público. Resta saber se no Brasil existe uma classe média disposta a substituir o povão, pagando ingressos mais caros, para frequentar nossos estádios.

Brasileirão – Santos 0 x 0 Grêmio

July 1, 2007
O Grêmio perdeu uma boa chance de vencer o um Santos desfalcado na Vila Belmiro, assim como o Santos desperdiçou uma ótima opurtunidade de garantir 3 pontos contra um Grêmio sem vários titulares. O tricolor repetiu as duas linhas de quatro da partida anterior. Lúcio novamente jogou de meia-esquerda e Thiego foi um lateral ao estilo europeu. Assim sendo não há como se falar em 3-5-2. No primeiro tempo o Grêmio atacava mais pela direita, mas pouco valorizava a posse de bola no ataque. Ainda assim não foi ameaçado pelo Peixe. A melhor chance surgiu na cabeçada de William que Fábio Costa fez ótima defesa.

No segundo tempo o Grêmio passou a atacar mais, principalmente pelo lado esquerdo. Lúcio perdeu duas chances. Numa delas tentou humilhar Pedrinho, Mano quase entrou no campo para xingar o novo-meia. Em outra Lúcio chutou raspando o travessão. Everton se apresentava bem pro jogo, mas tinha dificuldade de girar e enfrentar e partir pra cima dos zagueiros. Aos 30 do segundo tempo os dois times davam a impressão de estarem extenuados. Kelly entrou no time e fez sua melhor aparição até aqui. No fim das contas, um pontinho garantido fora de casa.

Fotos: SantosFC e Terra

Santos 0 x 0 Grêmio

SANTOS: Fábio Costa; Marcelo, Domingos e Ávalos (Vitor Júnior); Alessandro, Rodrigo Souto, Adriano, Pedrinho (Rodrigo Tabata) e Carlinhos; Wesley (Marcos Aurélio) e Moraes.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

GRÊMIO: Saja; Patrício, William, Pereira e Thiego; Gavilán (Kelly), Sandro Goiano (Edmílson), Diego Souza e Lúcio; Ramón (Nunes) e Everton.
Técnico: Mano Menezes


8ª rodadaCampeonato Brasileiro 2007
Data: 30 de junho, Sábado, 16h00min
Local:
Estádio Urbano Caldeira (Vila Belmiro), em Santos (Litoral de São Paulo)
Público: 3.824 pagantes
Renda: R$ 38.267,00
Árbitro: Alicio Pena Junior (Fifa-MG)
Auxiliares: Marco Antônio Gomes (Fifa-MG) e Márcio Eustáquio Santiago (MG)
Cartões Amarelos: Domingos (SFC); Gavilán e Edmílson (GRE)