Archive for October, 2007

Odone pensou em Renunciar

October 30, 2007
Já tinha tocado no tema aqui antes. Me parece legítimo numa democracia que os comandantes tenham a prerrogativa de renunciar. Não gosto muito quando se faz uso da ameaça de renúncia como chantagem, haja visto que a segunda vez que Odone acena com tal possibilidade.

Notícia do FinalSports:
Na tarde desta terça-feira o presidente do Grêmio, Paulo Odone, confirmou que chegou a cogitar a hipótese de deixar o comando do clube caso seu candidato à presidência do Conselho Deliberativo, Luiz Carlos Lopes Madeira (Chapa 1), não vencesse a eleição ocorrida nesta segunda-feira.

Com a confirmação do nome de Raul Régis de Freitas Lima (Chapa 3) em substituição a Mauro Knijnik, criou-se um ambiente de expectativa no estádio Olímpico sobre o futuro de Odone, que acabou confirmando sua permanência como homem forte do Tricolor até o fim de seu mandato.

Paulo Odone disse que foi procurado por Raul Régis e os dois conversaram a respeito dos ruídos ocasionados pela eleição sobre os problemas financeiros do clube e também sobre a questão da construção da nova arena que, conforme o presidente gremista, alguns conselheiros o teriam acusado de usá-la para lavagem de dinheiro.

O que parece ter incomodado Paulo Odone, foi uma manifestação do conselheio Roberto Sommer, agora eleito membro do Conselho Fiscal. No debate que ouvi no domingo na Rádio bandeirantes o candidato Madeira se queixou fortemente sobre tal afirmação à Raul Régis

A manifestação do conselheiro Sommer teria sido feita durante a campanha para a renovação do conselho, num debate promovido pela chapa 3. Tal debate foi tema de um post no blog Apito do Blackão. O post em questão levava o nome de “ARENA: SITUAÇÃO E MÍDIA NÃO EXPLICAM DIREITO O EMPREENDIMENTO ” e não está mais disponível, transcrevo aqui trechos do post que envolviam o conselheiro Sommer e suas manifestações:

Ontem, quarta-feira 26/09/2007, na sede da Associação dos Delegados de Polícia do RS, pertinho do GRÊMIO FOOTBALL PORTO-ALEGRENSE, das 19:30h às 21:40h, houve debate da CHAPA3 – GRÊMIO IMORTAL E UNIDO.

O tema em pauta era a ARENA DO GRÊMIO. A mesa foi comandada pelo conselheiro e advogado Juliano Ferrer, com os debatedores Paulo Roberto Faria Ferrer (consultor em obras viárias, pai do presidente da
mesa), arquiteto e urbanista Jorge Decken Debiagi (um veterano profissional profundo conhecedor de Porto Alegre cujo trabalho é de renome nacional) e o consultor financeiro Roberto Sommer.

[…] O segundo debatedor, Roberto Sommer, disse que, quando o Grêmio estava abaixo do cu do cachorro (palavras minhas, não dele), ele procurou, na sua ampla e polpuda rede de contatos, alguma solução através de fundos de investimento para tentar encontrar alguma solução para a impagável dívida do clube. Isso foi lá pelos idos do final de 2004.

Nenhum de seus contatos em banco algum e em fundo de investimento algum (inclusive no exterior) deu crédito ao Grêmio.

A única POSSIBILIDADE encontrada (note bem: possibilidade não é sinônimo de solução) por ele foi propor a venda da área da Azenha para pagar dívidas e a construção de um novo estádio em outro lugar, bancado por investidores. E que, para o Grêmio não precisar pagar os credores com o dinheiro destinado à viabilização da parceria e demais custos, deveria abrir uma empresa “laranja”. Tudo com base na lei.

MESES DEPOIS, JÁ EM 2005, SOMMER ENTREGOU A PROPOSTA IMPRESSA AO RECÉM ELEITO PRESIDENTE ODONE, QUE A IGNOROU!!

[…]O consultor Sommer então comentou que AS REUNIÕES DO CD DO GRÊMIO EM 1999/2000 SOBRE A PARCERIA COM A ISL TIVERAM EXATAMENTE O MESMO CARÁTER, ISTO É, DE FALTA DE INFORMAÇÃO E DE ATAS REDIGIDAS DEPOIS DA REUNIÃO!!!

Dada a falta de crédito e a insolubilidade da dívida tricolor, Sommer deu a entender que A ÚNICA POSSIBILIDADE DE ALGUÉM INVESTIR MAIS DE 500 MILHÕES DE REAIS NO GRÊMIO É COM DINHEIRO LAVADO!!!

O que teria incomodado o Presidente Odone foi essa parte onde se fala em lavagem de dinheiro. O próprio Sommer tratou de responder no blog, o autor colocou sua resposta em outro post, esse sim ainda disponível sob o título de ARENA: INFORMAÇÕES DO CONSELHEIRO SOMMER:

Gostaria que divulgasses três pequenas retificações ao que disse e está publicado de forma equivocada:

1) O que foi engavetado pelo presidente Paulo Odone foi o relatório final do “Planejamento Estratégico para o Grêmio Football Porto-Alegrense” e não uma proposta de negócio como escrito;

2) Quando me referi a “dinheiro lavado” ressaltava que, em situações de penúria financeira como a do Grêmio, só quem pudesse perder muito dinheiro (por ilícito) faria um investimento diretamente no clube e

3) Quando falava em inviabilidade de encontrar investidores, me referia ao modelo que foi apresentado para a “Grêmio Empreendimentos”, mas que havia outras formas de constituição onde, com certeza, existem inúmeros investidores propensos a participar.

Atenciosamente,
Roberto Sommer

Eleição no conselho

October 30, 2007

ClicRBS: Raul Régis é eleito presidente do Conselho do Grêmio

Raul de Freitas Lima foi eleito na noite desta segunda o novo presidente do Conselho Deliberativo do Grêmio. Ele foi eleito por 130 votos a 127 sobre o candidato Luiz Carlos Madeira. Assim, o Conselho Fiscal é composto por: Antônio Carlos Azambuja, Luiz Onofre Meira, Alberto Bretano, Luiz Gustavo Schmitz, Flávio Jacobus e Roberto Sommer.

as três chapas eram:

CHAPA 1
Presidente: Luiz Carlos Lopes Madeira
Vice-presidente: Sérgio Sant’Anna Pegoraro
Conselho Fiscal: Jaime de Marco, Maurício Pereira, Sérgio Bechelli, Adriano Saraiva, Ronaldo Napoleão e Cláudio Sauter.

CHAPA 2
Presidente: Zélio Wilton Hocsman
Vice-presidente: Fernando Antônio Kroeff
Conselho Fiscal: Jaime de Marco, Francisco de Paula Santos, Carlos Jochims, Luiz Carlos Schuch, Cristiano Saboya e Norton Lenhart.

CHAPA 3
Presidente: Raul Régis de Freitas Lima
Vice-presidente: André Luiz Krieger
Conselho Fiscal: Antônio Carlos Azambuja, Luiz Onofre Meira, Alberto Bretano, Luiz Gustavo Schmitz, Flávio Jacobus e Roberto Sommer.

Li e ouvi muito pouco sobre esta eleição. Ouvi reclamaçoes de que o Conselheiro Madeira não é mais muito presente na vida do Grêmio. Ouvi um debate onde o próprio Zélio Hocsman encarava sua candidatura como se fosse uma brincadeira. Também ouvi um boato de que Odone ameaçou renunciar em caso de vitória da chapa 3.

Na teoria a chapa que saiu vitoriosa na renovação do conselho não conseguiu eleger seu presidente.

Foto: Zero Hora

Atualização
A Zero Hora de hoje traz mais informações:
“Por três votos de diferença sobre o candidato apoiado pela atual direção, o advogado Raul Régis de Freitas Lima, 62 anos, foi eleito ontem à noite novo presidente do Conselho Deliberativo, em substituição a Mauro Knijnik. Ex-vice de futebol e jurídico, Régis somou 130 votos, contra 127 de Luiz Carlos Lopes Madeira. O candidato Zélio Hocsmann fez 15 votos. Três conselheiros votaram em branco. Marcada por rumores sobre a renúncia de Paulo Odone caso Madeira não vencesse, a eleição contou com a presença de 275 dos 300 conselheiros.

“Antônio Carlos Azambuja, Luiz Onofre Meira, Alberto Bretano, Luiz Gustavo Schmitz, Flávio Jacobus e Roberto Sommer foram eleitos para o Conselho Fiscal. Ontem, em meio à euforia pela vitória, anunciava-se que eles pedirão uma discussão mais aberta sobre a criação da Grêmio Empreendimentos, empresa que irá gerir a construção da arena. O objetivo de Odone é desvincular-se da presidência do clube para assumir a Grêmio Empreendimentos.

Ok, o número de ausentes nessa vez foi baixo, mas me espanta o fato de que após uma eleição onde se bateu muita na tecla sobre a presença nas reuniões do conselho 25 conselheiros não terem comparecido.

Saúdo essa proposta de uma discussão mais aberta sobre a Grêmio Empreendimentos, e tomara que naõ fique restrita ao conselho.

Brasileirão – Grêmio 4 x 3 Náutico

October 29, 2007
Na calorenta e abafada tarde de domingo, Grêmio e Náutico fizeram um jogo corrido do primeiro ao último minuto. Os pernambucanos iniciaram melhor, se aproveitando de um Grêmio que corria “errado”. Logo aos 7 minutos escanteio pro Náutico, Onildo corre sozinho desde fora da área e cabeceia da marca do pênalti para abrir o placar. Um susto inicial para torcida que não permitiu que o time desanimasse. Aos 11 Everaldo perdeu a bola para Tuta na ponta-direita, o avante gremista avançou até o bico da área, de lá olhou para Marcel e chutou, a bola parou dentro do gol. Não me pareceu que foi essa a intenção dele, de qualquer jeito estava igualado o Placar. O Grêmio não marcava bem, seu meio de campo tentava roubar a bola do adversário além da linha do meio campo, os laterais marcavam igualmente mal e sobrava espaço para Acosta e Marcelinho (que jogavam abertos) entrar pela diagonal e partir pra cima da zaga tricolor. Contudo no entusiasmo e na bola parada o Grêmio virou e ampliou. Aos 22 jogada ensaiada: Tcheco bateu falta da intermedíaria buscando Diego Souza na segunda trave, este cabeceou no travessão, Leo pegou o rebote e de cabeça devolveu pra dentro da pequena área e Marcel ganhou do zagueiro e fez o 2×1. Vinte minutos mais tarde, escanteio batido por Tcheco e novamente Diego Souza subi muito, mas dessa vez a bola vai direto pro gol: 3×1. Mal o jogo reinicia é Acosta é lançado nas costas de Leo e diminui para 3×2. A posição do uruguaio é duvidosa, o time do Gêmio reclamou muito, mas a televisão não consegue mostrar uma imagem esclarecedora. Achei que já tinha escutado aquele papo de que “hoje nada escapa do olhar das câmeras”. Primeiro tempo maluco, onde os laterais gremistas contribuíram muito pouco, Diego Souza, apesar dos gols, ficou restrito a ponta esquerda.

Na volta do segundo tempo, Léo falhou feio, William (amarelado) preferiu não fazer a falta sobre Acosta e a bola chegou para Júlio Cesar tocar no cantinho de Saja. 3 x 3. Apesar do golpe, o Grêmio melhorou em campo, Passou a marcar melhor e ter maior movimentação no ataque. As chances foram sendo criadas, destaque para cabeçada de Jonas que o goleiro salvou em cima da linha. Aos 20 mudança ousada de Mano, Marreta no lugar de Anderson Pico. Bustos foi pra esquerda e Marreta ficou responsavel por todo o lado direito. Os “corneteiros” ja se ensaiavam quando justamente Marreta, justamente na ponta direita, foi lançado e cruzou para Marcel antecipar o goleiro e decretar o placar final. Dái em diante o Grêmio até poderia matar o jogo, mas sabiamente o time se resguardou e tratou de garantir os três pontos. Pernabucanos reclaman com razão de um impedimento inexistente marcado num lance de Acosta, mas esquecem do zagueiro do náutico que deixou de ser expulso, sem falar no segundo gol do timbu na partida


Apesar dos dois gols de Marcel ainda prefiro Tuta, que é mais técnico, tem mais recuros, mais malandragem, só perdendo no preparo e disposição. Ontem se viu Tuta saindo da área várias , e por vezes superando os zagueiros à dribles. Não descartou a repetição do esquema, visto que Jonas demonstra muita dificuldade de passar pelos defensores no mano a mano.

Acho que o Grêmio não agiu bem ao publicar notícia no site do clube sobre a agressão Valdívia. Deveria isso sim é agir nos bastidores para garantir que o palmeirense não fique impune e que não receba pena inferior a que foi dada ao Gavilán.

Impressionante a tabela desse brasileiro. O Grêmio jogou o campeonato inteiro no incomodo horário das 18:00. Quando ingressamos no horários de verão, quando passa a ser interessante jogar as 18:00, os jogos são marcados para as 16:00 (15:00 pelo horário “solar”). Menos mal que dessa vez o jogo foi exibido direto para o interior do estado.

fotos: ClicRBS e Grêmio.net

Grêmio 4 x 3 Náutico
Onildo 07´
Tuta 11´
Marcel 22´
Diego Souza 42´
Acosta 43´
Júlio Cesar 46´
Marcel 70´

GRÊMIO: Saja; Bustos, William, Léo e Anderson Pico (Luciano Fonseca 20´); Eduardo Costa, Sandro Goiano, Tcheco (Marcelo Labarthe 31 do 2º) e Diego Souza; Marcel e Tuta (Jonas 14´)
Técnico: Mano Menezes

NAUTICO: Fabiano; Onildo (Sidny 16´), Toninho, Everaldo e Júlio César (Dejair); Daniel Paulista, Elicarlos, Radamés (Serginho) e Geraldo; Marcelinho e Acosta
Técnico: Roberto Fernandes

33ª rodada – Campeonato Brasileiro 2007
Data: 28 de outubro de 2007, Domingo, 16h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS)
Público: 39.449 (36.101 pagantes)
Renda: R$ 405.413,00
Árbitro: José Henrique de Carvalho (SP), auxiliares Valter J. dos Reis (Fifa-SP) e Ezequiel Barbosa Alves (MS)
Cartões amarelos: Anderson Pico, Sandro Goiano e William ; Toninho. Daniel, Everaldo, Radamés, Geraldo e Acosta
Gols: Onildo aos 7, Tuta aos 11, Marcel aos 22, Diego Souza aos 42 e Acosta aos 43 minutos do primeiro tempo. Júlio César ao primeiro minuto e Marcel aos 25 minutos do segundo tempo;

Imprensa

October 28, 2007
Já reclamei por mais de uma vez nesse blog sobre como este chamado “novo jeito de torcer” vem sendo noticiada. O problema é a ausência total de referência a geral do grêmio. Até agora quem vinha cometendo esse “crime” era imprensa do rio e sp, mais precisamente a Globo do rio. Contudo, diferente do que se poderia imaginar, a imprensa do RS também embarcou nessa. A Zero Hora de domingo traz uma matéria, assinada por Guilherme Fister, que é exatamente igual as já publicadas pela imprensa do centro do país. É muita subserviência:

“Quem diria, o futebol volta a pertencer à torcida. Mais do que a paixão pelo grande time, a torcida de Rio e São Paulo lota seus estádios e promove alegres espetáculos de convivência pacífica no Brasileirão. Com isso, a família retorna às arquibancadas. A nova onda é modelo para Grêmio e Inter.”

Inverteu-se completamente os fatos. Confiram a matéria publicada na revista Placar no ano passado:

Especial – Apoio incondicional, a nova forma de torcer nos estádios – A cada rodada do futebol brasileiro, as torcidas organizadas tradicionais cada vez mais perdem espaço no cenário nacional por atitudes impensadas, como a banalização da violência, a supervalorização da entidade e o excesso de gritos de guerra com seus respectivos nomes nos estádios. Para quem realmente é aficionado, no entanto, e não deixa de ir aos estádios, mesmo com a violência que passou a atingir o futebol desde a década de 90, surge uma nova opção.

A precursora da ‘nova’ tendência no Brasil foi a “Geral do Grêmio”, que foi criada em 2001 e, atualmente, já conta com uma média de mais de seis mil torcedores ativos no estádio Olímpico. Este movimento das organizadas já existe há anos na Argentina e no Uruguai. A região Sul do Brasil, devido à proximidade com os ‘hermanos’, parece ter sido o berço desta forma de torcer desses verdadeiros apaixonados. Após o surgimento da “Geral do Grêmio”, os rivais colorados lançaram a “Popular do Inter”. Daí para frente, a novidade cresce cada vez mais nos diversos estados brasileiros.

Ainda na zero hora de Domingo, Mário Marcos de Souza traz, excepcionalmente, uma informação interessante:

A percepção geral do público é pior do que a realidade”
Do relatório da FIFA, ao destacar, surpreendentemente, que a segurança no país não é tão grave assim, como muitos brasileiros pensam

Convenhamos, há muito de sensacionalismo e também uma boa dose de exagero vindos da mídia quando se fala da violência relacionada ao futebol. Muita gente que só assistem jogos na TV, ou na melhor das hipóteses no alto de uma cabine de imprensa, enche a boca para falar besteiras sobre a “violência” nos estádios. Um jogo de futebol não é mais nem menos perigoso do que qualquer evento público de grandes proporções no Brasil.

Luizão

October 26, 2007

Atualmente, Luizão curte um merecido “ostracismo” na série B, no glorioso São Caetano. Na Placar de setembro, deu uma entrevista falando sobre isso e outras coisas. Para muitos é um típico exemplo do se convencionou chamar de “mercenário”, para outros um exemplo de jogador profissional que soube se utilizar da legislação. Passou despercebida por todos a declaração que ele deu sobre qual torcida mas xinga ele. Confira a resposta abaixo:

Com razão a torcida do Grêmio tem raiva dele. Para quem não lembra, Luizão era titular das seleção brasileira ao final das eliminatórias em 2001. Felipão prometeu que o levaria para a copa. Acontece que no início de 2002, Luizão brigou com o Corinthians e teve seu contrato encerrado sem a necessidade de pagar multa. Felipão disse que Luizão precisava estar em algum time para ir a copa, sabendo disso o Grêmio contratou o centroavante para segunda fase da libertadores. Luizão se beneficiou do fato de que o preparador físico do Grêmio na época era Paulo Paixão, que integrava a comissão técnica da seleção.

Luizão jogou as oitavas e quartas de final (sendo titular em todos os jogos) e foi para a coréia. A combinação era que ele voltaria para jogar as semifinais após a copa. Voltando ao Brasil, Luizão se recusou a jogar o restante da libertadores, dizendo que já tinha perdido uma transferência antes por lesão e não queria correr risco novamente. O Grêmio se dispos a fazer um seguro, mas nada demoveu o “atleta”. Assim sendo, o Grêmio cumpriu integralmente sua parte do acordo (Levar Luizão pra Copa) e Luizão cumpriu apenas a metade do acordo que o convinha (Defender o Grêmio na Libertadores).


Tite já negou por várias vezes essa história que o Luizão seria reserva, afirmando que o mesmo vinha sendo titular antes. A frase “não queria perder tempo” é sintomática. Resta saber se o próprio Luizão acredita nas mentiras que conta.

Para quem quiser saber mais sobre a libertadore de 2002 pode acessar este link para o Post que fiz sobre a participação gremista no torneio. Quem quiser informações sobre o roubo na semifinal contra o Olimpia pode acessar este outro link

Semana de treinos – STJD

October 24, 2007
Sem muito o que comentar, Diego Souza no São Paulo? Será? Me parece muito mais vontade de parte da imprensa do que propriamente a realidade. Mano brigando com a imprensa? de olhos fechados e ouvidos tapados dou razão pro treinador.

Semana passada, vi na Ulbra TV vi o advogado do Grêmio, Juliano Ferrer, se queixando de uma declaração da auditora do STJD Renata Quadros, a qual transcrevo abaixo:

“Tem me chamado a atenção a conduta dos atletas do Grêmio pela violência. Sou paranaense. Antes que falem que eu sou atleticana, não sou. Sou corintiana, e tenho achado um absurdo.”

Absurdo tal declaração, que não condiz, nem de perto, com a realidade. Na polêmica entre Grêmio (Mano) e Palmeiras (Caio Jr. e Valdivia) ficou mais do provado, através de vários dados, que o tricolor nem de longe é um dos times mais faltosos do campeonato. Diz que o Odone se manifestou fortemente contra essa auditora após o jogo do Flamengo, ainda bem.

Queria comentar isso antes, mas não tinha achado muita coisa a respeito. Lendo o blog www.gremiocopero.com ( o qual agora consta nos meus links) acabei achando as informações que queria e muito mais. Um link para um post em outro blog sobre a tal auditora que é estarrecedor, nem cabe aqui transcrever nada, peço que vocês acessem e leiam com o minimo de atenção:

http://perspectivabr.wordpress.com/2007/10/21/quem-e-renata-quadros/

Com isso, continuo não tendo o menor constrangimento em afirmar que o STJD é uma palhaçada. Os caras estão brincando de tribunal, ignorando princípios mais básicos do direito, princípios que até um porteiro da faculdade de direito conhece. Não sei o que os clubes estão esperando para se mobilizar e fazer uma reforma completa em tal corte.

Brasileirão – Flamengo 2 x 0 Grêmio

October 22, 2007
Tá certo que este campeonato é o que menos viradas tem acontecido, tá certo que os mandos de campo tem prevalecido, tá certo que a torcida do Grêmio faz diferença, mas o nada disso explica o que acontece com o Grêmio fora de casa. Pode ser uma questão de atitude, time apático fora de casa e que pega no “tranco” jogando no olímpico, onde bota garra, vontade, marca melhor, corre mais, mas isso não explica porque um jogador erra um passe, ou chute, que não erraria jogando no olímpico.

Do jogo pouco coisa a dizer, era uma jogo igual até o Grêmio levar o gol. O time insistia em fazer linha de impedimento, e invariavelmete pegava o Souza na banheira. Aliás foi isso que aconteceu no lance do gol, Fez-se a linha de impedimento, Souza ficou impedido, só que a bola foi lançada pra Cristian que cruzou, Patrício e Léo foram trapalhões e azarados, e a bola sobrou pro já mencionado Souza fazer o 1×0. Aí a coisa ficou díficil, o tricolor teve que sair pro jogo e nada deu certo. Nunes e Labarthe estavam mal na saída de bola e distribuição de jogo, Pico e Patrício não avançavam e Tcheco e Diego Souza não vinham buscar o jogo. O resultado era uma clara divisão entre o ataque e a defesa. No final do primeiro tempo, confusão na área e William foi derrubado, O juiz, bem colocado, não viu. Ou fez que não viu

No segundo, sem que Flamengo desse motivo nenhum, o Grêmio passou a ter dificuldade de sair do seu campo de defesa. Danilo Rios, nada fez e nada acrescentou. Aos 15 Maxi recebeu do lado da área, dominou errado mas ainda teve tempo de se ajeitar, entrar com facilidade na área do grêmio e rolar para trás, Ibson venho desamcompanhado desde a intermediária e chutou perto da pequena área: 2×0. Desse momento em diante nehuma esperança de reação. Um pênalti não marcado em Tcheco e um chute de primeira do mesmo Tcheco foi o mais próximo que se chegou de um gol de desconto. No finalzinho parecia que o Grêmio tinha o objetivo de tomar um gol de Obina, maior criação da imprensa do Rio de Janeiro.

O Flamengo jogou melhor e mereceu ganhar, mas tudo mundo sabe que futebol não é propriamente um jogo de merecimento. A história do jogo de ontem poderia ter sido outra se o árbitro tivesse marcado os dois pênaltis sofridos pelo Grêmio. Poderia ao menos escolher um dois dois para marcar, mas nem isso.

De narradores e comentaristas imparciais todos nós estamos cansados, mas eu nunca tinha visto uma seleção de imagens tão tendenciosa como a de ontem. Toda hora mostravam as arquibancadas, qualquer driblezinho furreca dos flamenguistas ganhava um demorado replay em close. Sem falar que estou até agora esperando pela repetição do pênalti sofrido pelo William no final do 1ºtempo.

Tá a torcida do Flamengo é grande, tem a maior média de público, deixa o maracanã bonito mas menos oba oba por favor. Uma torcida que só canta quando o time tem tudo a favor, e mesmo assim se vale de letras no telão (videokê no estádio) não merece tantos elogios assim.

Fotos: ClicRBS e Extra

Flamengo 2 x 0 Grêmio
Souza 25´
Ibson 60´

FLAMENGO: Bruno, Léo Moura, Fábio Luciano, Ronaldo Angelim e Egídio; Jaílton, Cristian (35′/2T), Ibson e Toró; Maxi (Renato Augusto – 27′/2ºT) e Souza (Obina – 32′/2ºT).
Técnico: Joel Santana.
GRÊMIO: Saja, Patrício, Leo, William e Anderson Pico; Nunes (Sandro Goiano – 17′/2ºT), Labarthe, Diego Souza (Danilo – intervalo) e Tcheco; Jonas (Marcel, 17′/2T) e Tuta.
Técnico: Mano Menezes.

32ª rodada – Campeonato Brasileiro 2007
Data: 21/2/2007 – Domingo -18h10min (de Brasília) Público: 63.189 pagantes
Renda: R$ 617.873,00
Árbitro: Sálvio Spinola Fagundes Filho (Fifa-SP)
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Junior (SP) e Rogério Carlos Rolim (PR)
Cartões amarelos: Fábio Luciano, Souza e Cristian (FLA); Labarthe (GRE)
Gols: Souza aos 25′ do 1ºtempo e Ibson aos 15 do 2º tempo.

Arena na Azenha

October 19, 2007

Ouvi um boato, que o proposta para construção do novo estádio que mais agrada o Grêmio é a do grupo português. A idéia seria de fazer a arena na azenha mesmo, o que segundo eles sairia 40 % mais barato do que fazer em outro lugar. O projeto envolveria a mudança das ruas no entorno do olímpico, fazendo uso de passagens subterrâneas.

Como contrapartida pelo investimento, esse grupo, além de explorar o estádio por um número X de anos, ficaria com 35% das receitas do Grêmio.

Repito, foi um boato que ouvi. Talvez proceda, talvez não.

Pesquisa CNT/Sensus – Torcidas

October 18, 2007
Tenho postado quase todas pesquisas de torcidas que são publicadas. Sobre essa tenho pouco a falar, o pessoal do Grêmio Libertador faz um questionamento interessante. No mais essa pesquisa tem resultado com as demais publicadas nas décadas de 90 e 2000.

Os dados foram coletados entre 8 e 12 de outubro em 136 municípios nas cinco regiões brasileiras e foram ouvidas 2.000 pessoas.

O curioso é que, entre todos os entrevistados, 28,4% dizem não torcedor por clube algum. A maioria dos brasileiros (51,9%) diz gostar de futebol; 15,4% gostam “mais ou menos” e 32,0% não gostam.

Apenas 10,6% dos torcedores afirmam que freqüentam os estádios de futebol espalhados pelo país, sendo que 6,2% freqüentemente e 23,1%, apenas às vezes. 67,3% não vão ao campo.

Clube %
Flamengo 14,4
Corinthians 10,5
São Paulo 8,0
Palmeiras 7,2
Vasco 5,0
Grêmio 3,9
Santos 3,7
Cruzeiro 3,3
Internacional 2,1
Botafogo 1,8
Atlético-MG 1,5
Fluminense 1,5
Sport 1,0
Goiás 0,9
Atlético-PR 0,8
América-RN 0,6
Juventude-RS 0,4
Figueirense 0,3
Náutico 0,2
Paraná Clube 0,1

Pesquisa TNS – Torcidas

October 17, 2007
No mínimo estranha essa pesquisa publicada na Revista Placar de outubro. Primeira pesquisa feita pela TNS chegou a números curiosos, muito favoráveis as equipes paulistas. Em todas pesquisas das décadas de 90 e 2000 o Grêmio disputava com o Cruzeiro o posto de 6ª maior torcida do brasil. Nesta pesquisa o imortal tricolor aparece em 11º lugar. No meu olhar leigo o fato da pesquisa só ter feita no interior de Minas, Rio e São Paulo pode muito bem ter provocado uma distorção nos resultados. Para uma crítica um pouco mais avalizada, leia este post no Blog de Jorge Santana.

– O Grêmio aparece em 11º lugar no brasil com 1,19%
– Em Porto Alegre aparece em 2º (!!!) com 48,4%
– Em Florianópolis aparece em 5º com 9,5%
– Em Curitiba aparece em 6º com 3,5%

A pesquisa foi feita pela TNS Sport, empresa inglesa. Para ser entrevistada a pessoa precisava torcer para alguem , a partir dai foram feitas 64 perguntas para elas entre os dias 15 de julho e 15 de agosto em 13 capitais e cidades do interior paulista, carioca e mineiro, num total de 3503 pessoas entrevistadas.


GERAL

Outros: 25,19%
Flamengo: 15,34%
Corinthians: 14,83%
São Paulo: 11,89%
Palmeiras: 8,58%
Vasco: 4,47%
Santos: 3,80%
Cruzeiro: 3,38%
Atlético-MG: 3,04%
Botafogo: 2,12%
Fluminense: 1,66%
Grêmio: 1,19%
Bahia: 0,77%
Sport: 0,70%
Atlético-PR: 0,62%
Vitória: 0,57%
Internacional: 0,55%
Goiás: 0,38%
Coritiba: 0,35%
Santa Cruz: 0,27%
Náutico: 0,22%
Paraná: 0,09%

POR REGIÕES:

SÃO PAULO (ESTADO):
Corinthians: 32,9%
São Paulo: 25,6%
Palmeiras: 15,3%
Santos: 14,5%
Seleção Brasileira: 4%
Outros: 7,8%

SÃO PAULO (CIDADE):
Corinthians: 34,8%
São Paulo: 27,7%
Palmeiras: 17,7%
Santos: 5,7%
Seleção Brasileira: 5,1%
Outros: 9%

RIO DE JANEIRO (ESTADO):
Flamengo: 56,3%
Vasco: 22,9%
Botafogo: 9,7%
Fluminense: 9,7%

RIO DE JANEIRO (CIDADE):
Flamengo: 48,8%
Vasco: 24,1%
Botafogo: 12,2%
Fluminense: 11,9%

PORTO ALEGRE:
Internacional: 49,7%
Grêmio: 48,4%
Outros: 2%

MANAUS:
Flamengo: 32,1%
Seleção Brasileira: 23,2%
Vasco: 16,1%
São Paulo: 10,7%
Botafogo: 7,1%
Outros: 10,7%

BELÉM:
Paysandu 34%
Remo 23%
Flamengo 13%
Corinthians 8%
São Paulo 7%
Outros 15%

FORTALEZA:
Ceará 26.3%
Fortaleza 22.4%
Corinthians 13.2%
São Paulo 11.8%
Flamengo 9.2%
Palmeiras 7.9%
Outros 9.2%

RECIFE:
Sport 43%
Santa Cruz 27.2%
Náutico 19.2%
Outros 10.6%

SALVADOR:
Bahia 38%
Vitória 26.3%
Seleção 8.7%
Flamengo 6%
Corinthians 5.3%
São Paulo 4%
Outros 12.7%

MINAS GERAIS (ESTADO)
Flamengo 19.9%
Cruzeiro 16.6%
Atlético Mineiro 13.5%
Corinthians 13.2%
Palmeiras 10.5%
São Paulo 8.8%
Seleção 5.1%
Vasco 3.7%
Santos 3%
Outros 5.7%

BELO HORIZONTE:
Cruzeiro 42.4%
Atlético Mineiro 38.4%
Outros 19.2%

CURITIBA:
Atlético Paranaense 30.8%
Curitiba 28.7%
Paraná 9.8%
Corinthians 5.6%
São Paulo 5.6%
Grêmio 3.5%
Botafogo 2.8%
Flamengo 2.8%
Santos 2.8%
Outros 8%

GOIÂNIA:
Goiás 23.7%
São Paulo 17.1%
Seleção 17.1%
Palmeiras 10.5%
Corinthians 7.9%
Vila Nova 6.6%
Flamengo 5.3%
Outros 11.8%

BRASÍLIA:
Flamengo 30%
Seleção 24%
Vasco 8%
Atlético Mineiro 7%
São Paulo 7%
Palmeiras 6%
Botafogo 5%
Corinthians 5%
Outros 8%

FLORIANÓPOLIS:
Avaí 19.2%
Figueirense 17.8%
Outros 12.3%
Corinthians 11%
Palmeiras 11%
Grêmio 9.6%
Internacional 9.6%
São Paulo 9.6%