Archive for April, 2009

Libertadores – Aurora 1 x 2 Universidad de Chile

April 30, 2009

O ponto conquistado no empate no Olímpico foi fundamental na classificação dos chilenos.

Los celestes que esperaban darle una satisfacción a su hinchada no pudieron cumplir con su objetivo y aunque jugaron su mejor partido en el torneo continental, volvieron a defraudar a sus seguidores al perder sus seis compromisos. En su primera participación en este torneo en 1964 cuando fueron invitados por la Federación Boliviana de Fútbol, habían logrado por lo menos un empate frente a Cerro Porteño, de Paraguay, pero esta vez concluyeron sin puntos. El equipo chileno se adelantó en el marcador a los 14 minutos con gol convertido por Estrada, mediante tiro libre directo ejecutado con un zurdazo que fue a parar a las redes del arco de Silvio Dulcich que se limitó a observar cómo el balón llegaba al fondo de su portería. Cuando apenas habían pasado seis minutos del gol que le daba la clasificación a la visita, llegó el tanto del empate concretado por Derlis Paredes (minuto 20), quien cabeceó de espaldas desde el punto penal un balón colgado al área y la pelota ingresó al arco defendido por Miguel Pinto que pese a su espectacular volada no pudo evitar el gol. La primera etapa finalizó con el marcador igualado de 1-1. Cuando el conjunto chileno se angustiaba ante la imposibilidad de perforar el arco de Dulcich, el árbitro cobró un tiro de esquina que Juan González empalmó de cabeza enviando el balón por lo alto hasta el fondo de la red para darle la victoria a su equipo. En los últimos minutos los delanteros bolivianos no pudieron lograr el empate, ya que el golero Pinto que fue la figura de la U. de Chile y que se convirtió en el héroe de su equipo, evitó la caída de su valla por lo menos en dos oportunidades, concluyendo el encuentro con la victoria de la visita. El equipo chileno retornó ayer en el vuelo chárter directo a Santiago de Chile.” (Los Tiempos)

“Los chilenos se adelantaron en el minuto 14 con el gol de Estrada, que clavó en el arco celeste un tiro libre directo ejecutado con un magistral zurdazo directo a la escuadra de un impotente Silvio Dulcich, quien arrodillado, se limitó a mirar el balón entrar en su portería.
En ese momento, y con Gremio derrotando al Boyacá Chicó en el otro partido del grupo en la ciudad brasileña de Porto Alegre, la “U” ya estaba dentro de los octavos de final.
Pero no pasaron ni cuatro minutos para que los celestes volvieran a dejar momentáneamente a los chilenos fuera del torneo con el 1-1 anotado por el paraguayo Derlis Paredes en el minuto 20.
Paredes cabeceó de espaldas desde el punto de penalti un balón colgado al área y coló la pelota por la mismísima escuadra, donde no llegó el portero Miguel Pinto, a pesar de su espectacular vuelo.
El segundo tiempo comenzó con los chilenos poniendo de manifiesto sus urgencias, ya que ante el Aurora estaban desperdiciando una oportunidad de oro para pasar a octavos con un Boyacá Chicó que para entonces ya estaba siendo goleado en Brasil.
Con los chilenos diluyéndose poco a poco, la escuadra “celeste” comenzó a dominar y a llevar el partido al borde del área visitante, donde comenzó a ponerse de manifiesto su alarmante falta de capacidad de definición.
Una de las más claras oportunidades llegó en el minuto 66, cuando Nelson Sossa desperdició solo ante un Pinto vencido y de forma casi incomprensible una clarísima oportunidad al disparar demasiado cruzado en una ocasión que la grada ya cantaba como gol.
Con la tragedia de la derrota calando como posible en los futbolistas del cuadro chileno, el defensor Juan González (m.73) cabeceó a gol un saque de esquina y le cambió la cara a todos sus compañeros, que por fin se veían en los octavos de final.
Desde ahí al final, la blanda delantera celeste no pudo hacer nada ante el buen partido del portero Pinto, que se convirtió en el baluarte de la defensa chilena al salvar a su equipo hasta en otras dos claras ocasiones.” (Opinion)

“Diversas formas tuvieron los jugadores de Universidad de Chile para celebrar la clasificación a la segunda ronda de la Copa Santander Libertadores tras derrotar por 2-1 a Aurora en Cochabamba. Mientras algunos cantaban y saltaban, dos de ellos protagonizaron una airada discusión, que incluso tuvo algunos golpes. Se trató de Manuel Iturra y Osvaldo González, quienes tras el pitazo final en vez de abrazarse y felicitarse por la labor cumplida, se enfrascaron en una airada discusión que incluyó una serie de recriminaciones por su desempeño en el terreno de juego, y que terminó con varios golpes.“(La Tercera)

“Sufriendo.

Como les gusta a todos los adeptos de Universidad de Chile.

El equipo que adiestra Sergio Markarián consiguió su paso a los octavos de final de la Copa Libertadores por primera vez desde 2005, cuando el elenco que entonces dirigía Héctor Pinto se enfrentó al Santos de Robinho.

Y todo gracias a un cabezazo de Juan González -tras un córner que Sebastián Pardo le puso en la testa- justo en el momento en que el duelo estaba más complicado para los universitarios.

La U, hasta ese minuto, se veía desgastada. Walter Montillo, el “buque insignia” del entrenador uruguayo, nunca pudo agarrar el balón. Venía de vuelta de una lesión y pareció que estaba con el freno de mano en la cancha.

Tampoco le llegaba mucho a Emilio Hernández -demasiado individualista a ratos- ni a Manuel Villalobos, que debía bajar constantemente a buscar balones.

Para colmo, Marco Estrada era muy impreciso -a pesar de haber abierto la cuenta con un ajustado tiro libre a los 14′-, y Manuel Iturra se desgastaba tratando de tapar todos los hoyos que se generaban a su alrededor.

El equipo estaba cortado.

La defensa tampoco coordinó mucho, sobre todo por el sector derecho (Juan y Osvaldo González no estuvieron finos y se vieron desorientados).

¿Algo bueno? Por supuesto. José “Firuláis” Contreras, como en casi todos los últimos partidos, corrió hasta que se le acabó el aire. Algo similar tuvo que hacer José Rojas por el sector zurdo de la defensa para evitar que las descoordinaciones de sus compañeros terminaran mal.

Muy poco para aspirar a más. El resultado de todo eso es que un equipo muy débil, como Aurora, se envalentonó y puso en riesgo toda la ilusión de la fanaticada azul, a pesar de que Gremio cumplió su tarea en Brasil y tempranamente le ganaba 3-0 a Boyacá Chicó.

Hasta que llegó el mágico minuto 74′, cuando Juan González se elevó y su cabezazo superó la resistencia de Dulcich.

Ninguno de los problemas mostrados en la cancha por los azules importa ahora“. (El Mercurio)


Sufriendo y con una gran ayudita de Gremio, que goleó al Chicó, el Chuncho pasó a octavos de final
Llegaron el segundo y tercer gol, pero de Gremio. La mitad de la pega estaba hecha, pero el Bulla cayó en un pozo sin fondo y Aurora casi vacunó “again” a Miguel Pinto. Markarián aplicó algunos cambios, pero no sirvieron mucho. Y cuando el Bulla peor jugaba, llegó el cuevazo: Juan González metió el zapallo a los 73′ y a cobrar. “Fue el gol de mi vida”, relató el “Diablo”, que volvió del exilio en Audax pa’ ser el impensado héroe de la clasificación.
¿Merecida? A la larga sí, pues la “U” fue más que Boyacá. Y la alegría de estar en segunda ronda, al igual que el 2005, no se la quita nadie.” (La Cuarta)


Aurora 1 x 2 Universidad de Chile

AURORA:Silvio Dulcich; Germán Leonforte, Edward Zenteno, Limbert Méndez (Jaime Cardozo); Vladimir Castellón, Iván Huayhuata, Cristian Fernández (Óliver Fernández), Julio César Hurtado, Edson Zenteno; Nelson Sossa (Christian López) y Derlis Paredes.
DT Julio César Baldivieso.

“U” DE CHILE:Miguel Pinto; Osvaldo González, Juan González, José Rojas; Marcelo Díaz (Nelson Cuevas), Manuel Iturra, Marco Estrada, José Contreras, Walter Montillo (Sebastián Pardo); Emilio Hernández y Manuel Villalobos (Felipe Seymur).
DT Sergio Markarián.

ESTADIO: Félix Capriles.
PÚBLICO: 4.128 personas pagaron sus boletos
RECAUDACIÓN: Bs 68.775.
ÁRBITRO: Víctor Hugo Rivera (Perú)
GOLES: 0-1, m.14: Marco Estrada. 1-1, m.21: Derlis Paredes. 1-2, m.73: Juan González.

Libertadores – Grêmio 3 x 0 Boyacá Chicó

April 29, 2009

Grêmio foi para cima do Boyacá desde o início da partida e de certa forma mostrou porque é o time de melhor campanha na competição. Jogadas pelo dois lados do campo, marcação por pressão, retomada de bola, inversão de jogo, dribles, tabelas, lances em que se reclamou penâlti, etc…Em suma, o jogo do Grêmio fluiu. Uma produção muito parecida com o jogo da estréia, só que dessa vez a bola entrou.

Souza, no golaço, aos 12. Souza novamente aos 17, em forte chute. Léo aos 29 completando a jogada de bola parada. Foram estes os autores dos gols do Grêmio, todos no primeiro tempo.

Na segunda etapa, os minutos iniciais foram de uma pasmaceira. Aos 8 Larrionda não titubeou ao marcar pênalti para o Boyacá. Caneo bateu e fez. O juiz mandou voltar por suposta invasão. Na segunda cobrança Victor defendeu o chute do meio argentino. Lance comemorado como se fosse um gol no estádio. A partir daí começou a festa no Olímpico. O time do Grêmio até teve mais chances, e outros lances no qual reclamou a marcação de penalidade máxima, mas o resto de jogo foi mais para administrar o escore construído na primeira meia hora de jogo.

Péssima arbitragem de Larrionda, e ninguém do Grêmio fala nada. Sequer lembraram do que ele fez no primeiro jogo da final de 2007.

Bom público para um horário ruim, muita gente chegando com bola rolando.

Mais uma vez o time atuou de meias pretas. Superstição?


Gostei da atuação de Maxi Lopez (não teria tirado ele). O time todo, num geral, foi bem. Só achei Fábio Santos um pouco discreto.

Souza jogou muita bola.

Imprensa segue tentando fazer com que Rospide e os jogadores falem mal de Roth. Até agora nada.

fotos: Terra, ClicRBS, Final, La Tercera e Gremio.net

Grêmio 3 x 0 Boyacá Chicó
Souza 12´
Souza 16´
Léo 29´

GRÊMIO: Victor; Leo, Rafael Marques e Réver; Ruy, Adilson, Tcheco (Orteman 27/2T), Souza e Fábio Santos (Jadilson 38/2T); Jonas e Maxi López (Alex Mineiro 23/2T).
Técnico: Marcelo Rospide.

BOYACÁ CHICÓ: Velásquez; Pino, Tejera (Giron, intervalo), García e Madera; Palácios , Ramírez, Tapia (Rada 23/2T) e Núñez; Caneo e Pérez (Duran 39/2T).
Técnico: Alberto Gamero.

Libertadores 2009 – Grupo 7 – 6ª Rodada
Data: 28/04/2009, terça-feira, 19h30
Local: Estádio Olímpico (Porto Alegre, RS)
Público: 34.974 (31.110 pagantes)
Renda: R$ 636.914,00
Árbitro: Jorge Larrionda (URU)
Auxiliares: Pablo Fandiño e Miguel Nievas (URU).
Cartão amarelo: Tcheco, Rafael Marques(G), Núñez, García (BC)
Gols: Souza 12, Souza 16, Leo 29 do primeiro tempo

Libertadores – Média de Público

April 26, 2009
Na Libertadores de 2007, o Grêmio foi o time brasileiro de melhor média de público pagante da primeira fase da competição (Média de 35.607 pagantes por jogo).

Na edição desse ano, os jogos no Olímpico tiveram em média 29.179 pagantes por jogo. O que deixa o Grêmio na 2º colocação entre os brasileiros, atrás do São Paulo, que teve média de 33.600 pagantes.

Vale lembrar que, com exceção do Grêmio, todos os brasileiros já fizeram suas 3 partidas em casa.

Colocando 25.000 pagantes na partida contra o Boyacá , o Grêmio “garante” esta 2ª colocação. Para superar o São Paulo seriam necessários 42.500 pagantes no Olímpico, na próxima terça.

Este é o desafio da torcida gremista.

Improvável, sim. Impossível, não.

Lembrando que, em 2007, no último do jogo da primeira fase, contra o Cerro Porteño, o Olímpico recebeu 40.620 pagantes.

Número de Sócios?

April 26, 2009

As informações são conflitantes:

” O clube espera que os 4 mil sócios em atraso atualizem as mensalidades – no total, o clube tem 44.328 associados(Leandro Behs, Zero Hora, 12/11/2008)

O Inter, com 80 mil sócios, contabiliza como ‘receitas sociais’ R$ 26,9 milhões, enquanto o Grêmio, com a metade de associados, R$ 17,6 milhões” (Hiltor Mombach, Correio do Povo, 24/04/2009)

Abatendo as dívidas vencidas, o clube manteria o equilíbrio das finanças com as receitas do quadro social (hoje são 47 mil sócios, com projeção de chegar aos 60 mil em dezembro), da loja, dos patrocinadores e com as verbas da TV.” (Leandro Behs, Zero Hora, 24/04/2009)

Sem alarde, o Grêmio vai aumentando de forma consistente o seu exército de sócios. Hoje, os 52 mil contribuintes em dia garantem ao clube uma receita anual de R$ 26 milhões. Vem aí uma campanha para explorar a paixão da torcida gremista pela Libertadores que pode provocar um salto de associações” (Diogo Olivier, ZeroHora.com, 25/04/2009)

Pesquisa – Top of Mind 2009

April 24, 2009
“Realizado pela Revista AMANHÃ, em parceria com a Segmento Pesquisas, de Porto Alegre, o Top of Mind é pioneiro em pesquisa de marcas do Sul do Brasil. Os resultados completos estão no caderno encartado na edição de abril de AMANHà e, a partir da próxima terça-feira (28), em um hotsite exclusivo no Portal AMANHÔ

Grêmio vence Gauchão das marcas
O tricolor continua líder entre as marcas de time de futebol mais lembradas pelos gaúchos. O Grêmio é invicto há 14 anos na categoria, mas sua invencibilidade pode estar sendo ameaçada. Este ano, o tricolor foi citado por 49,5% dos entrevistados, contra 52,3% registrados no ano passado. Enquanto isso, o rival Inter cresceu para 42,9%, ante os 38,8% alcançados em 2008.” (Site da Revista Amanhã, 23 de abril de 2009)

Segmento:
Time de Futebol

Nome mais lembrado:
GRÊMIO: 49,9%
INTER: 42,9

Classes A/B
GRÊMIO: 54,8%
INTER: 38,0%

Classe C
GRÊMIO: 47,6%
INTER: 45,0%

Classes D/E
GRÊMIO: 47,3%
INTER: 44,6 %

Interior:
GRÊMIO: 49,9%
INTER: 38,0 %
(Grêmio.net, 23.04.2009)

Capital
INTER: 51,6%
GRÊMIO: 46%
(Blog Bola Dividida – Sexta-feira, 24 de abril de 2009)

Pesquisa – Empresários

April 24, 2009
Hiltor Mombach:
“Grêmio é o time preferido dos empresários do Rio Grande do Sul, de acordo com o Top Brand CEO 2009, novidade desta edição do projeto A Voz do Empresário Gaúcho. O estudo, realizado pela QualiData e ESPM, avalia a força das marcas em 20 setores da economia, identificando as Top 5 na memória (mind share) e na hora da escolha (hand share).

No índice de mind share, em que os empresários respondem espontaneamente qual o time de que mais se lembram, o Grêmio aparece com 54,8% das respostas. O Internacional figura em segundo, com 35%.

O Tricolor também fica em primeiro lugar no índice de hand share, que relaciona os times dos quais os empresários são torcedores, com 51,9%. O Colorado também ocupa a segunda posição, com os mesmos 35%.

Foram entrevistados 480 empresários, executivos e profissionais liberais nos 46 maiores municípios. Ranking completo: Top 5 mind share (memória): Grêmio, 54,8%; Internacional, 35%; São Paulo, 1,3%; Juventude, 1% e Palmeiras, 0,8%. Top 5 hand share (escolha): Grêmio, 51,9%; Internacional, 35%; Juventude, 1,5%; Brasil e Caxias, 0,8%.” (Correio do Povo, 24/04/2009)

Mários Marcos de Souza:
Na pesquisa A Voz do Empresariado Gaúcho, pesquisa realizada pela ESPM e QualiData e divulgada nesta quinta-feira, o Grêmio lidera em duas modalidades.

Na modalidade memória, em que o empresário lembra do time da preferência, o Grêmio tem 54,8% contra 35% do Inter.

Na espontânea, a vantagem fica em 51,9% a 35% (o restante se distribui entre os outros clubes daqui e do país).” (Blog Bola Dividida – Sexta-feira, 24 de abril de 2009)

Libertadores – 5ª Rodada – Fase de Grupos

April 24, 2009


07/04 23:30 Universitario 2×1 Libertad Monum. de Lima (Lima)
08/04 20:30 San Luis 2×0 San Lorenzo A. Lastras (San Luis Potosí)
08/04 21:50 Estudiantes 4×0 Cruzeiro Único (La Plata)
14/04 19:00 Dep. Quito 3×1 U. de Sucre Atahualpa (Quito)
14/04 21:15 Caracas 1×0 Everton Olímpico (Caracas)
14/04 23:30 Chivas 0x0 Lanús Jalisco (Guadalajara)
15/04 21:50 Ind. Medellin 2×1 São Paulo Atanasio Girardot (Medellín)
15/04 21:50 Univ. de Chile 0x2 Grêmio Nacional (Santiago)
16/04 19:15 Boyacá Chicó 2×1 Aurora La Independencia (Tunja)
16/04 22:00 Dep. Táchira 2×1 Guaraní Pueblo Nuevo (San Cristóbal)
16/04 23:45 América Cali 0x0 Defensor Pascual Guerrero (Cali)
21/04 20:15 Palmeiras 2×0 LDU Palestra Itália (São Paulo)
21/04 22:30 San Martin 1×1 Nacional-URU M. de Lima (Lima)
22/04 21:50 Sport 2×1 Colo Colo Ilha do Retiro (Recife)
23/04 20:00 Dep. Cuenca 1×0 Boca Juniors Alejandro Aguilar (Cuenca)
23/04 22:15 Nacional-PAR 4×2 River Plate D. Del Chaco (Assunção)

Souza tem razão

April 22, 2009
Duas semanas atrás, fiz um post reclamando da relação do Grêmio com a imprensa.

Ontem, foi a vez de Souza reclamar, queixando-se da diferença de tratamento em relação ao Internacional.

Sem dúvida isto vai repercutir. Provavelmente as palavras do atleta serão distorcidas.

Ou melhor, já foram. No blog do jornalista Sérgio Couto foi publicado um post com o título “INTER É SÓ MARKETING – DIZ SOUZA!!!“. Sorte que no post são disponibilizados áudios das entrevistas com Ruy e Souza e em nenhum momento se ouve os atletas falando algo parecido com o que sugere o título da post.

A reportagem de Leandro Behs na Zero Hora de hoje (22/04), pinçou parte da declaração de Souza e a publicou fora do contexto:

Muito mais justa foi a matéria de Carlos Correa no Correio do Povo, no qual foi dado mais espaço para as reclamações de Souza:

‘O marketing do Inter é muito bom´
O mesmo sentimento que era percebido em alguns torcedores, agora também é externado por jogadores do Grêmio. Na avaliação tricolor, toda a badalação em torno do título invicto conquistado pelo Inter é exagerada. Ou, na melhor das hipóteses, é desproporcional. A leitura pelos lados do estádio Olímpico é a de que, apesar da excelente campanha na Libertadores, o clube tem sido subestimado pela mídia em geral.
O porta-voz da insatisfação azul foi Souza. Sem nunca fugir de declarações polêmicas, o meia foi direto: ‘O marketing do Inter é muito bom‘. De acordo com ele, todo o favoritismo que está sendo atribuído aos rivais no Brasileirão também aconteceu em 2008: ‘O futebol não é falado, é jogado. No ano passado, ninguém falava no Grêmio e fomos vice-campeões’.
Para Souza, se forem comparadas as campanhas das duas equipes no ano, os números mostrariam que o Grêmio está em um momento melhor, já que tem os melhores números da Libertadores, uma competição mais difícil. Por que então, nas três vezes em que Inter e Grêmio encontraram-se em 2009, os colorados venceram todas? ‘Porque teve bola que bateu na trave, bola que zagueiro tirou em cima da linha. Em futebol, também é preciso ter sorte’, arrisca ele. O meia garante, inclusive, que se os clássicos fossem válidos pela Libertadores, e não o Gauchão, os resultados seriam outros. ‘Já joguei contra os dois pela Libertadores e é diferente. Contra o Grêmio aqui, fomos atropelados’, lembra o atleta. Defendendo o São Paulo, Souza foi derrotado tanto por Inter (2006) como por Grêmio (2007).” (Correio do Povo, 22/04/2009)

Mais declarações de Souza foram publicados no FinalSports, em matéria de Fernando Soares:

“‘Souza desabafa, reclama e elogia ao falar sobre treinadores
O meia Souza é conhecido no meio do futebol por não ter ‘papas na língua’. Nesta terça-feira, após o treino da tarde, o jogador foi para a entrevista coletiva e não poupou críticas a imprensa sobre as questões ligadas ao novo treinador do Grêmio. De acordo com o jogador, muitos assuntos tratados no estádio Olímpico acabam saindo de outra forma para o torcedor.

“O treinador, dependendo daquilo que faz, pode evitar uma derrota ou ganhar facilmente. Agora quem resolve na hora mesmo são os onze que estão em campo. Estamos respeitando o (Marcelo) Rospide e muitos falaram que o time não tinha comando, só que foi necessário ganharmos do Universidad para pararem de falar nisso. (…) Aqui se fala muita coisa, até que nós vetamos o Renato, mas no dia que eu conseguir algo assim eu largo o futebol e vou virar diretor”, declarou Souza, que elogiou Paulo Autuori, o mais cotado para assumir o Grêmio” (FinalSports, 21/04/2009)

E no jornal O Sul:

Como foi dito nas matérias, realmente Souza é um sujeito original nas entrevistas, consegue ser bem humorado e fugir do lugar-comum dos boleiros sem descambar para o folclore. Mas as vezes fala demais.

Talvez, assim como aconteceu antes do último grenal, tenha sido o caso. Souza teria evitado alguns problemas se ficasse calado. Porque a imprensa nunca recebe bem este tipo de crítica, e jamais admite erros. O ideal seria que algum diretor fizesse tal crítica, ou que o clube agisse nos bastidores. Até mesmo ficaria melhor Souza reclamar disto fora do ar, mas nunca publicamente, por mais hipócrita que isso possa parecer.

Mas Souza reclamou, e está coberto de razão.

Sobre marketing, Hiltor Mombach fez uma frase sintomática em sua coluna no Correio do Povo:
Talvez o problema maior do marketing do Grêmio seja não fazer marketing do seu marketing. Há quem faça isto muito bem” (Correio do Povo, 14/04/2009)

Um exemplo disso pode ser visto neste fim de semana, quando o Internacional foi elogiado por fazer camisetas especiais para receber a taça do gauchão: “O amplo favoritismo na final da Taça Fábio Koff permitiu que o Inter planejasse uma grande festa para comemorar o bicampeonato regional. Poucos minutos depois do apito final, jogadores e dirigentes já recebiam no gramado camisas comemorativas, onde na parte da frente lia-se ‘100/001 – Campeão invicto’, em uma alusão ao primeiro título do centenário e às costas levava o número 39, referência ao 39º Gauchão conquistado.” (Correio do Povo, 20/04/2009)

Este tipo de ação virou uma coisa corriqueira(por exemplo, Botafogo fez isso na Taça Guanabara, Flamengo na Taça Rio, Grêmio também fez no gauchão de 2007) e e questionável, uma vez que na hora da “fotografia” os patrocinadores e camisa do time são escondidos.

Sobre o tratamento diferenciado dado pela imprensa, me parece sempre demasiado lembrar a hierarquia das competições. Infelizmente parece que tem gente que se esquece que a Libertadores é sim mais importante do que o Gauchão e Copa do Brasil.

Na sua coluna do site Ducker, Jorge Bettiol deu um belo exemplo dessa diferença na capa do Diário Gaúcho, onde uma semifinal de turno de um estadual ganhou mais destaque do que uma partida de libertadores.

Neste mesmo sentido, Mauro Cezar Pereira tem sido bem feliz em suas colunas no site da ESPN Brasil. Como na questão da supervalorização dos estaduais:
Conquistas de âmbito regional, vitórias diante de adversários frágeis, quase tudo leva à ilusão nesse momento do ano. É a reta final dos campeonatos estaduais, cuja existência não me incomoda, mas sim o tempo que ocupam no calendário, além da exagerada importância dada a eles, especialmente nas avaliações das equipes que dessas competições participam” (Mauro Cezar Pereira, 21/04/2009)

Ou mais exatamente na relação entre campeonato gaúcho e Libertadores:

Wianey Carlet, em seu blog no site do Zero Hora, escreveu que “Roth colocou a própria cabeça na guilhotina”. De fato, o treinador o fez ao eleger o óbvio: que a Libertadores é muito mais importante do que o campeonato gaúcho. Mas vá explicar isso aos que ainda vivem os tempos nos quais a bola rolava apenas dentro das províncias. Para esses, o Gre-Nal é o que mais importa e no clássico do Rio Grande do Sul, só tem dado Inter.”(Mauro Cezar Pereira, 06/04/2009)

Fica bastante claro que Souza tem razão em suas reclamações. O que se pode questionar é se era o papel dele fazer estas queixas.

Twitter

April 20, 2009
Confesso que não nunca entendi muito bem como funciona o Twitter. Apesar de ter uma conta desde julho de 2008, não domino muito bem as ferramentas. Tenho 25 seguidores (bem longe do 1 milhão do Ashton Kutcher), mas não sigo ninguém. Não sei se isso não é falta de educação, mas não entendo bem quais são as implicações de seguir uma pessoa no Twitter.

Pela minha leiga observação, a maioria das pessoas usa o Twitter como um misto de frase de msn com scrap do Orkut. Outras tanta usam para linkar novos posts em seus blogs. Não é exatamente o uso que faço do meu Twitter.

Lá coloco links para textos que achei interessantes ou faço registro de alguma informação que não merece um post inteiro no blog. (As últimas 5 entradas do Twitter são exibidas numa coluna, na direita da página no blog)

Um exemplo desta segunda hipótese é a questão do processo do Simon contra o Peninha, que registrei devidamente no blog. Sobrevieram algumas manifestações, mas não acho que seria o caso de fazer um post sobre isto, talvez um registro no twitter bastasse. Achei bastante curioso que, no final das contas, o Wianey tentando dar uma de isento (“Ambos desfrutam de largo e justificado prestígio nacional e internacional. O resto fica por conta da paixão futebolística, não convém meter o bedelho.”) quando tudo mundo percebeu que desde o começo o referido colunista tomou o lado do árbitro, como bem registrou o Jorge Bettiol na sua coluna no site do Ducker.

A outra questão é dica de matérias, colunas e artigos relacionados de alguma forma ao Grêmio. No meu entender o Twitter se presta a isso, e dá para fazer com alguma agilidade.

A rapidez de Twitter em relação a outros meios ficou bem clara no episódio do Avião do Rio Hudson, em Nova York. Mas dentro do tema do Blog existe um outro belo exemplo.

Sexta-feira acessei site de jornais Bolivianos e Colombianos para ver a repercussão da vitória do Boyacá sobre o Aurora. No site do jornal Los Tiempos encontro uma matéria com a seguinte manchete: “Blooming usaba viagra para mejorar rendimiento en estadios en altura“.

Automaticamente lembrei daquelas notícias do início da temporada, onde o médico Alárico Endres cogitou usar o medicamento na Libertadores. Fiz esta relação e coloquei no Twitter:

Médico do Grêmio, Alarico Endres http://is.gd/sZz5, tinha precedentes no Blooming da Bolívia. http://is.gd/sZzj – 3:02 PM Apr 17th from web

Coincidência ou não, no Sábado, Mário Marcos de Souza fez um post sobre a mesma notícia em seu blog. No domingo, publicou uma notinha em sua coluna no jornal Zero Hora:

Você viu?
O Blooming, da Bolívia, deu Viagra aos jogadores para combater os efeitos da altitude. O Grêmio pensou nisso, lembram? Virou brincadeira na época.” (Zero Hora, 19/04/2009)

Enfim, ainda não tinha anunciado formalmente o Twitter no Blog, e achei que este é um momento oportuno para tanto.

Libertadores – Boyacá Chicó 2 x 1 Aurora

April 17, 2009

Boyacá venceu o Aurora, os gols saíram no segundo tempo, depois uma primeira etapa ansiosa dos colombianos.

A situação do grupo 7 no momento é a seguinte:

e os próximos jogos são:
28/4 – 19h30 – Grêmio x Boyacá – Porto Alegre
28/4 – 19h30 – Aurora x Universidad – La Paz

Boyacá só depende de si para passar as oitavas de final, podendo até empatar que se classifca, desde que a de a U de Chile não vença o Aurora por mais de um gol.

JORNAIS COLOMBIANOS

“El punto bajo ha sido el futbolístico. Boyacá Chicó solo tuvo 25 minutos de buena producción, los primeros del segundo tiempo, en los que arrasó a su oponente boliviano y marcó los goles del triunfo. El 1-0 fue de Miguel Caneo, de penalti, a los cuatro minutos, luego de una falta sobre Johnny Ramírez fuera del área, que el árbitro ecuatoriano Samuel Haro vio adentro.

El 2-0 lo consiguió Marco Pérez a los 24, cuando aprovechó una ingenua desconcentración de dos defensas bolivianos y se robó la pelota, entró al área, encaró al arquero, lo gambeteó y remató a placer. Hasta ahí el juego era para que el equipo local goleara, porque lo dominaba a su antojo y tenía en Caneo al genio con la lámpara encendida.

Era una buena respuesta del equipo a los reclamos del técnico Alberto Gamero después de un primer tiempo malo, en el que no pudo vulnerar la simple, pero incómoda estrategia de Aurora, que consistió en defenderse con los 11 jugadores metidos en su territorio y tratar de pescar algo en el contragolpe.

Sin embargo, luego del 2-0 el cuadro colombiano pareció conforme y sus problemas regresaron con la expulsión de Juan Mahecha a los 29 minutos del periodo final. Boyacá Chicó perdió la cabeza y permitió que un equipo tan limitado como Aurora lo metiera en su arco y descontara a través de Christian Fernández, a tres minutos del final, lo que golpeó el ánimo y dejó la esperanza teñida de preocupación.” (El Tiempo, 17/04/2009)

JORNAIS BOLIVIANOS
“Con un juego lento y sin sorpresa, Chicó llevó la iniciativa mientras la visita plantó a cinco hombres en defensa y el delantero colombiano Cristian López buscó el contragolpe.

El guardavalla Silvio Dulcich estuvo seguro y fue la figura de la visita.

Los dos bandos “despertaron en la segunda etapa, atacaron sin timidez y los guardavallas fueron exigidos.
El penal contra Aurora se originó en una falta contra Mahecha.

Caneo disparó a media altura al vertical derecho y Dulcich estuvo a punto de atajarlo.

La anotación de Pérez se produjo luego de una grave falla de la zaga boliviana. Descontó Fernández a los 87 para Aurora.” (Los tiempos, 17/04/2009)


Boyacá Chicó 2 x 1 Aurora

Boyacá Chicó: Edigson Velásquez; Alejandro Mahecha, Ever Palacios, Mario García eOrmedis Madera; Yhonny Ramírez, Leonardo López (Rada, 74), Anthony Tapia (Pino 67) e Miguel Caneo; Juan Gilberto Núñez (López, 89) e Marco Pérez.
DT: Alberto Gamero.

Aurora: Silvio Dulcich; Germán Leonforte, Iván Huayhuata e Humberto Viviani; Cristhian Fernández, Edward Zenteno, Joe Escobar (Cardozo, 66), Federico Bongioanni (Sossa, 56) e Julio César Hurtado; Derlis Paredes e Christian López.

DT: Julio César Baldivieso.

Libertadores 2009 – Grupo 7 – 5ª Rodada
Data: 16/04/2009, quinta-feira, 19h30min
Estadio: La Independencia (Tunja)
Espectadores: 3.000
Árbitro: Samuel Haro. Líneas: Marco Muzo y Juan Cedeño (terna ecuatoriana).
Amonestaciones: Boyacá Chicó: Núñez (45) Aurora: Hurtado (46), Leonforte (72)
Expulsiones: Boyacá Chicó: Mahecha (74)
Gols: Caneo (49) e Pérez (69) para o Boyacá, e Fernández (87) para o Aurora