Archive for June, 2009

Brasileirão – Sport 3 x 1 Grêmio

June 29, 2009
Obviamente os titulares seriam poupados para quinta-feira. Autuori escalou o que tinha (no 3-5-2), só não entendi muito bem a presença de Hélder na zaga, Héverton no banco. Time foi reserva, mas a “história” foi a mesma dos jogos anteriores. A equipe começou bem, impondo dificuldades ao adversário na marcação e tendo chances no contra-ataque, sendo que duas delas são das ‘imperdíveis”. Aos 4, Herrera fez grande jogada, com meia lua no zagueiro e deixou Jonas pifado, mas o chute do camisa 7 tricolor saiu fraca e a zaga cortou em cima da linha. Aos 18, Ciro fez boa jogada pela ponta esquerda e rolou para trás, Fabiano abriu o placar. Um minuto depois foi a vez de Maylson fazer grande jogada, “chapelear” o zagueiro e bater pro gol, Magrão espalmou e Jonas, com o goleiro caído e gol aberto, cabeceou para fora. O Grêmio ainda teve uma outra boa oportunidade no primeiro tempo, em novo chute de Maylson, da entrada da área.
As situações de gol rarearam no segundo tempo, mas o jogo era favorável ao Grêmio, que, com o desespero do Sport, tinha o campo aberto para jogar. Autuori mexeu bem no time, desmanchando o 3-5-2. Mas o time não concluía e para piorar, Jonas foi expulso faltando 10 minutos. Era o que o Sport precisava para dar o último gás. Aos 34, Marcelo evitou o gol no primeiro lance, mas Granja fez no rebote. Aos 43 Fumagalli ampliou.
O que, infelizmente, também se repetindo são os “erros” de arbitragem contra o Grêmio. Em todas as 4 partidas como visitante o tricolor foi prejudicado.
Aos 14 minutos do primeiro tempo, escanteio para o Grêmio. Orteman e Hugo se agarram, a bola passa pelos dois e Mário Fernandes marca. O juiz marca perigo de gol.
Aos 34 do segundo tempo, Jonas segura seu adversário. Não vou discutir a burrice da atitude do jogador gremista, mas o fato é que o lance é no máximo para cartão amarelo. Claramente o jogo mudou depois da expulsão.
– Élder Granja admitiu ter tentado cavar um pênalti. Juiz deu falta pela simulação. Por que não mostrou o cartão amarelo.
Mas acho que reclamo sozinho, pois me parce que, por enqüanto, ninguém no Grêmio irá montar DVD ou dossiê.
Gostei da atuação de Maylson. Pode, e deve, ser melhor aproveitado.
Esperava um pouco mais do Joílson.
Infelizmente Douglas Costa decepcionou mais uma vez.

Sport Recife 3 x 1 Grêmio F.B.P.A
Fabiano 18´
Jonas 63´
Élder Granja 84´
Fumagalli 88´

SPORT: Magrão, Elder Granja, César, Juliano e Dutra; Hamilton (Dudé-intervalo), Sandro Goiano, Fabiano e Hugo (Fumagalli/ 40’/1ºT); Wilson e Ciro (Weldon/28′ 2ºT).
Técnico: Emerson Leão.

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Mário Fernandes (Éverton-intervalo), Rafael Marques e Hélder (Fernando- 25’/ 2ºT); Joílson, Orteman, Maylson, Douglas Costa (Isael-Intervalo) e Jadilson; Herrera e Jonas.
Técnico: Paulo Autuori.

8 Rodada – Campeonato Brasileiro 2009
Data: 28/06/2009, domingo, 18h30min
Local: Estádio da Ilha do Retiro, no Recife
Público: 14.883 Pagantes
Renda: R$ 72.545,00
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique-RJ (Fifa)
Auxiliares: Clériston Clay Barreto Rios-SE e Luiz Carlos Câmara Bezerra-RN
Cartão amarelo: Hamilton, Hugo, Fabiano (S), D. Costa, R.Marques, Herrera (G)
Cartão vermelho: Jonas (Grêmio) aos 34 do 2ºtempo
Gols: Fabiano, aos 18 minutos do primeiro tempo. Jonas, aos 18, Elder Granja, aos 39, e Fumagalli, aos 43 minutos do segundo tempo.

Libertadores – Estudiantes 1 x 0 Nacional

June 27, 2009
Vi este jogo com “o canto do olho”, sem prestar muita atenção. Os primeiros 20 minutos davam a impressão de que o Estudiantes definaria a classifcação já no primeiro jogo. Os argentinos já tinham ameaçado a meta de Muñoz antes, mas foi aos 14 que abriram o placar. Falta no meio campo, cobrança rápida e lançamento preciso de Véron, cruzamento da direita de Benítez, saída estranha do arqueiro Uruguaio e gol de peixinho de Galván.

Mas a partir daí o Nacional, sem desepero, passou a se resguardar mais defensivamente, e conseguiu manter o placar em 1×0 até o final.

Verón saiu no intervalo e fez muita falta ao time do Estudiantes.

Uma resenha mais completa pode ser lida no Carta na Manga ou no Impedimento


Estudiantes 1 x 0 Nacional

Diego Galván 14´

ESTUDIANTES: Mariano Andujar; Cristian Cellay (80′ Juan Manuel Díaz), Rolando Schiavi, Leandro Desábato e Gastón Ré; Diego Galván (58′ Maximiliano Núñez), Rodrigo Braña, Juan Sebastián Verón (46′ Matías Sánchez) e Leandro Benítez; Gastón Fernández e Mauro Boselli.
Técnico: Alejandro Sabella.

NACIONAL: Rodrigo Muñoz; Matías Rodríguez, Mauricio Victorino, Sebastián Coates e Adrián Romero; Alvaro Fernández (73′ Federico Domínguez), Oscar Morales, Diego Arismendi e Nicolás Lodeiro; Gustavo Biscayzacú (64′ Angel Morales) e Alexander Medina (46′ Santiago García).
Técnico: Gerardo Pelusso.

Libertadores 2009 – Semifinal – Jogo de Ida
Data: 25 de junho de 2009, quinta-feira, 19h30min
Local: Estádio Único, La Plata-ARG
Arbitragem: René Ortubé, Jorge Calderón e César Nistahuz (Bolivia).
Cartão Amarelo: 39′ Romero (N), 47′ Benítez (E), 61′ Arismendi (N), 69′ M. Rodríguez (E).
Gol: 14′ Diego Galván (E).

Libertadores – Cruzeiro 3 x 1 Grêmio

June 25, 2009

Semifinal de Libertadores, times de de grande e igual tradição, estádio lotado. Não vou me estender mais do que isto neste preâmbulo.

Taticamente se desenhava uma situação interessante no jogo, os dois times tinham problemas no mesmo lado do campo. Autuori “improvisou” Thiego na lateral-direita, Adílson colocou seu multifuncional homem de confiança, Marquinhos Paraná, na lateral-esquerda.

Como time de casa, Cruzeiro foi para cima, mas o Grêmio, bem postado, se defendia bem. A Raposa tinha dificuldades em ultrapassar sua intermediária ofensiva. Kleber era visto voltando para buscar jogo no meio campo. O Cruzeiro insistiu com a mesma jogada, bola enfiada na diagonal, da esquerda para a direita (normalmente de Paraná para Jonathan)

Mas o tricolor não só se defendia, contra-atacava também, e com bastante perigo. Aos cinco minutos, Maxi Lopez fez jogada pela ponta direita, cruzou rasteiro e Alex Mineiro, na linha da pequena área, furou em bola. Aos 14, nova jogada pela direita, Maxi para Souza, que lançou Túlio na linha de fundo. De lá, saiu um cruzamento perfeito para Alex Mineiro, que dá marca do pênalti, cabeceou fraco, no meio, facilitando a defesa de Fábio. Aos 22, Maxi roubou a bola de Tiago Heleno, arrancou em direção ao gol, cortou seu marcador, escolheu o canto, bateu de perna esquerda, mas a bola caprichosamente raspou a trave.

Voltava o fantasma dos gols perdidos em jogos anteriores, da primeira fase da Libertadores e do Fluminense no brasileiro. Mas lá eram adversários limitados ou desorganizados e o Grêmio escapou do castigo. Contudo, o Cruzeiro não é desorganizado e tampouco limitado, e fez valer a máxima do “quem não faz, leva”.

Os “mineiros” já haviam tido duas oportunidades antes, mas as credito mais ao “abafa” naturalmente feito por um mandante. Na sua primeira jogada trabalhada, o Cruzeiro fez o gol. Até então o Grêmio não havia errado seu posicionamento defensivo (Fábio Santos guardava sua posição junto aos zagueiros). O gol nasceu dos pés de Wagner, na intermediária defensiva. Jonathan foi acionado na direita e pegou toda a defesa fora de lugar. Kleber recebeu na ponta direita e cruzou para área, Wellington Paulista se antecipou a Léo e, de cabeça, abriu o marcador.

O resultado da primeira etapa era pra lá de injusto (se é que se pode falar em justiça no futebol), até os “imparciais” jornalistas do Sportv afirmavam isto.

A volta para o segundo tempo foi marcada por uma ducha de água fria. Primeiro Marcelo salvou um gol olímpico. Novo escanteio, cochilo da marcação gremista, Wagner chuta do bico da área, a bola desvia em Tcheco e mata Marcelo. O Placar, era de um até ali exagerado 2×0.

O time sentiu bastante o golpe. Autuori tirou Alex Mineiro e colocou Herrera. O time não reagiu. Cruzeiro cresceu no jogo. Aos 22, em novo erro do Grêmio após escanteio, Marquinhos Paraná cruzou, Fabinho subiu livre, no meio da área gremista, e dali cabeceou para baixo fazendo o terceiro.

O 3×0 praticamente definia o classificado a final. Todos no estádio sentiam isso. Mas aos 30 veio a bizarra lesão do árbitro, que teve que ser substituído (confesso que não lembro de ter “presenciado” isto antes). A parada foi boa para o Grêmio, que se acalmou e finalmente voltou para o segundo tempo. O time passou a conseguir articular algumas jogadas no ataque. Aos 33, o quarto árbitro marca um falta no grito (ainda que existente). Souza se fez presente em campo pela segunda vez (primeira em chute no primeiro tempo) bateu magistralmente a falta. Gol que fazia retornar as esperanças. Foi a vez do Cruzeiro sentir o golpe, passando a segurar o resultado feito. O tricolor continuou no ataque, tendo algumas chances em cruzamentos e/ou bolas paradas. Na melhor delas, Herrera não achou ninguém com sua escorada de cabeça. Assim, o placar final foi mesmo o de 3×1.

O resultado é sim reversível, mas não podemos nos enganar. O Cruzeiro tem uma senhora vantagem.

O que me dá um pouco de esperança é que quando o Grêmio “quis”, conseguiu jogar. Ontem nenhum jogador teve uma atuação de superação. Espero ver isto na quinta.

Faltou maior participação do meio campo. Tcheco e, especialmente, Souza deveriam ter participado mais do jogo.

Juiz ruim e caseiro. Marcou muitas faltas (mal parecia arbitragem de Libertadores), mostrou poucos cartões, permitiu várias confusões. Teve sorte de não ter ocorrido um lance mais decisivo, se bem que o carrinho de Elicarlos era passível de vermelho direto.

Tirando a postura da delegação do Grêmio e do Delegado do estádio, achei muito mal conduzido este episódio entre Maxi Lopez e Elicarlos. Parece que não foi dimensionada corretamente a repercussão e as conseqüências da denúncia. Por que o atleta cruzeirense não falou nada no intervalo? A polícia mineira sempre age assim em casos de injúria?
É impossível que não ocorram desdobramentos deste fato aqui em Porto Alegre.

E a imprensa fazendo pré-julgamento sem o menor pudor.

Pra terminar, gostei muito de uma frase na Zero Hora de hoje, no texto de Leandro Behs:

Agora, o milagre poderá acontecer no dia 2, quando a torcida gremista terá que marcar dois gols para o time no Olímpico. “

Fotos: Uol, Terra, Clicrbs

Cruzeiro 3 x 1 Grêmio
Wellington Paulista 37´
Wágner 47´
Fabinho 67´
Souza 78´

CRUZEIRO: Fábio, Jonathan, Leonardo Silva, Thiago Heleno e Marquinhos Paraná; Fabinho, Elicarlos (Jeancarlos, 40’/2ºT), Henrique e Wagner (Bernardo); Kléber e Wellington Paulista.
Técnico: Adilson Batista.

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Ruy, Leo, Réver e Fábio Santos; Adilson, Túlio, Tcheco e Souza; Alex Mineiro (Herrera, 13’/2ºT) e Maxi López.

Técnico: Paulo Autuori.

Libertadores 2009 – Semifinal – Jogo de Ida
Data: 24/06/09, quarta-feira, 21h50min
Estádio: Mineirão, em Belo Horizonte (MG).
Público: 51.296 pagantes
Renda: R$ 1.387.644,94.
Árbitro: Henrique Osses (CHI), depois Jorge Osorio (CHI) aos 30 do 2ºtempo.
Auxliares: Cristian Julio (CHI) e Osvaldo Talamilla (CHI).
Cartões amarelos: Elicarlos (CRU); Marcelo Grohe (GRE) e Tcheco
Gols: Wellington Paulista ( 37’/1ºT); Wágner ( 2’/2ºT); Fabinho ( 22’/2ºT); Souza, ( 33’/2ºT).

Grêmio X Cruzeiro em 1997 – Paulo Nunes na Copa América

June 22, 2009

Já falei sobre este assunto aqui no blog antes . Quando da convocação do Victor pensei em retomar o tema. Agora, com o confronto entre Grêmio e Cruzeiro na Libertadores de 2009, um dos personagens de ambos os confrontos lembrou da polêmica convocação de Paulo Nunes:
“Naquela altura, o Cruzeiro eliminou o Grêmio, e agora o processo é inverso. O Grêmio tinha um time forte, uma estrutura que ficou do Felipão. Lembro que tinha saído o Jardel e o Paulo Nunes estava na seleção. O restante era a estrutura vitoriosa deixada pelo Felipão” Paulo Autuori (GloboEsporte – 19/06/09 – 14h49 )
Para quem não sabe, em 1997, Paulo Nunes foi convocado pela primeira (e única) vez por Zagallo para a disputa do o Torneio da França (entre 3 e 10 de junho) e a Copa América (entre 11 e 29 de junho).
Enquanto isto o Grêmio enfrentaria o Cruzeiro, nos dias 27/05 e 03/06, pelas quartas de final da Libertadores daquela ano.
O Grêmio não gostou. Se achou prejudicado. Selecionáveis do Cruzeiro não foram chamados. Ricardinho figurou em convocações no final de 96 e no restante do ano de 97. Dida foi o goleiro titular nos primeiros jogos da Copa América de 1995 e nas Olimpíadas de de Atlanta, em 1996. Além de ter sido parceiro do “velho lobo” num comercial da Volkswagen.
A convocação de Paulo Nunes causou alguma surpresa, pois Zagallo já tinha deixado bastante claro o que pensava sobre jogadores do Grêmio no final de 1996.

A direção do Grêmio ficou revoltada, fez protesto por escrito na CBF. Cacalo falou com Ricardo Teixeira, e este último disse que a liberação dependia exclusivamente de Zagallo.

Mas o treinador não atendeu aos apelos feitos por uma equipe brasileira que disputava a Libertadores, diferente do que acabou fazendo mais tarde, quando o pedido partiu de outro clube.

Folha de São Paulo- 11/12/96
Finalista do Campeonato Brasileiro e considerado um dos melhores times do país, o Grêmio teve seus jogadores desprezados pelo técnico Mario Jorge Zagallo para o amistoso da seleção contra a Bósnia, dia 18, em Manaus.
Nenhum atleta da equipe gaúcha foi convocado ontem. A Portuguesa, o outro finalista, terá dois jogadores na seleção: Zé Roberto (titular) e Rodrigo (na reserva).
”Ninguém vai mudar minha opinião sobre o Palmeiras, que continuo achando o melhor time do Brasil”, disse Zagallo.
Ele chamou sete palmeirenses, inclusive o goleiro Velloso (para a reserva de Zetti).
Há dois estreantes na seleção: o lateral Júnior (Palmeiras) e o meia Ricardinho (Cruzeiro).
O técnico disse que não convocou nenhum gremista porque a ”seleção tem um estilo diferente”.
Zagallo elogiou o técnico do Grêmio, Luiz Felipe, dando a entender que os maiores méritos pela campanha no Brasileiro são dele
.

Juca Kfouri – 20/12/1996
“Não reclamo nem mesmo de Zagallo ter declarado que o Grêmio tem um bom conjunto, mas que, individualmente, seus jogadores são inferiores aos que eles tem convocado.
É perfeitamente possível mesmo que um time forme um ótimo conjunto e seja campeão de um país tendo, por exemplo, um grupo composto apenas pelos terceiros melhores jogadores em cada posição, ou seja, sem nenhum na equipe nacional.
Quem sabe seja esse o caso do Grêmio.
Mas gostaria muito que Zagallo pudesse demonstrar que o capitão Adílson, provado e aprovado em diversas decisões de títulos, é apenas o terceiro brasileiro na posição.
Admito que Carlos Miguel possa estar em tal situação e tenho certeza absoluta de que Paulo Nunes não está.”

22/05/97 – Folha de São Paulo

“O atacante Donizete, do Corinthians, levantou suspeitas, ontem, quanto ao fato de não ter sido convocado para a seleção brasileira que disputará o amistoso contra a Noruega, o Torneio da França e a Copa América.
Do Corinthians, o técnico Zagallo convocou apenas o zagueiro Célio Silva. Donizete tinha como certa sua convocação.
”Alguma coisa aconteceu. Eu não sei o que pode ter mudado tão de repente, pois no papel eu estava convocado”, afirmou ele, em Atibaia (65 km ao norte de São Paulo), onde o time se concentra para a partida contra o Santos, sábado à noite, pelo quadrangular final do Campeonato Paulista.
Donizete estava disputando duas vagas na equipe de Mario Jorge Zagallo _com os atacantes Paulo Nunes, do Grêmio, e Edmundo, do Vasco da Gama.
O corintiano contestou a escolha de Zagallo, que optou pela convocação do gremista e do vascaíno.
”Tudo bem que o Edmundo tem nome, só que, atualmente, eu estou jogando muito mais do que ele”, disse o atleta.
Influência
A direção do Corinthians e o banco Excel, patrocinador da equipe, negaram qualquer influência na não-convocação de Donizete para a seleção brasileira”

05/06/97 – Folha de São Paulo

Os jogadores do Cruzeiro afirmaram anteontem à noite, depois da classificação para a fase semifinal da Taça Libertadores, que o jogo entre as equipes brasileiras pode ter sido a decisão do título.
O time mineiro perdeu para o Grêmio por 2 a 1, mas garantiu a classificação no saldo de gols.
Na próxima fase da Libertadores, o Cruzeiro vai jogar contra o Colo Colo, do Chile.
”Nós eliminamos o melhor time do Brasil, e acho que agora ninguém nos segura”, disse o zagueiro Wilson Gottardo.
O meia-atacante Palhinha também mostra confiança no título. ”Tenho experiência na Libertadores, e estamos no caminho certo.”
O técnico do Cruzeiro, Paulo Autuori, disse que definir o jogo de anteontem como a verdadeira decisão do título é ”precipitação”.
O presidente do Grêmio, Luís Carlos Silveira Martins, disse que o técnico da seleção brasileira, Mario Jorge Lobo Zagallo, virou ”persona non grata” no estádio Olímpico, em Porto Alegre.
”Ele nos prejudicou”, disse, referindo-se à convocação do atacante Paulo Nunes para a seleção. ”Nosso principal jogador foi convocado para ficar na reserva.

06/06/97 – Folha de São Paulo

O goleiro Taffarel e o atacante Romário contundiram-se ontem nos treinos da seleção brasileira, mas têm boas chances de atuar contra a Itália, no domingo.
O caso mais grave é o de Taffarel. Ele torceu o tornozelo esquerdo e, se não puder jogar, entra Carlos Germano. Para a reserva dele, Zagallo tem duas opções: cortar Taffarel e chamar o goleiro Dida, ou jogar sem reserva e deixar o lateral-direito Cafu como eventual substituto.
Mas a previsão é a de que Taffarel jogue. ”Pisei num buraco quando caí após cortar um cruzamento. Mas o local já foi enfaixado, para evitar inflamação, e já comecei o tratamento”, explicou ao sair do vestiário.
”Vamos esperar. Acho que vai dar para ele treinar amanhã (hoje)”, declarou o médio Lídio Toledo. ”O caso do Romário é mais simples, e ele só não treinou por precaução.”
O atacante do Flamengo sentiu dores na parte interna da coxa esquerda no treino da manhã. Foi com a equipe para o treino da tarde (em Villefranche-sur-Saône, a cerca de 25 km de Belleville, onde está o hotel da seleção).
Mas sentiu dores de novo e voltou para o hotel a fim de continuar o tratamento.
O lateral Cafu disse estar ”meio preparado” para atuar no gol.
”No Palmeiras, eu sou a opção, caso machuquem os dois goleiros no mesmo jogo. O Valdir (treinador de goleiros) sempre me pega para treinar.”

24/07/97 – Folha de São Paulo

“As convocações da seleção nestes quase três anos mostram que Zagallo tem inserido muitos desvios na rota que traçou para a Copa da França.
O efeito da última turbulência _o desempenho do time no Torneio da França e na Copa América_ pode ser notado na convocação desta semana.
Zagallo tirou oito atletas que, no seu entender, fracassaram: os zagueiros Márcio Santos e Célio Silva, os atacantes Paulo Nunes, Romário e Edmundo, os meias Djalminha, Giovanni e Mauro Silva.”

06/08/97 – Folha de São Paulo

“As diversas baixas na seleção brasileira acabaram com o humor do técnico Zagallo. Em etapas, a equipe desembarcou ontem em Seul, Coréia do Sul, desfigurada.

Dos 22 convocados para os amistosos contra coreanos, domingo, e japoneses, dia 13, apenas 12 se apresentaram. Um deles, Zé Maria, com uma contusão no joelho, porém, pode ser dispensado.
Com Zagallo, vieram: Taffarel, Germano, Gonçalves, Júnior Baiano, Denílson, Dodô e Donizete.
Zé Maria e Flávio Conceição chegaram antes. Juninho, Ânderson e Roberto Carlos, depois.
Zagallo já sabia que não contaria com Ricardinho, que está defendendo o Cruzeiro nas finais da Taça Libertadores, e com Rivaldo, do La Coruña (Espanha), que pediu dispensa por estar contundido.
Roberto Carlos informou Zagallo que Zé Roberto, do Real Madrid (Espanha), está machucado.”

07/08/97 – Folha de São Paulo

“O Cruzeiro empatou em 0 a 0 com o Sporting Cristal, ontem, em Lima (Peru), pela primeira partida da decisão da Taça Libertadores da América.
O segundo jogo será na próxima quarta-feira, no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte.
Quem vencer será o campeão. Em caso de empate, haverá prorrogação e, persistindo a igualdade, disputa de pênaltis.
Com o apoio dos 45 mil torcedores que lotaram o Estádio Nacional de Lima, o Sporting teve a iniciativa de jogo a maior parte do tempo.
Esbarrou, entretanto, no eficiente esquema de marcação armado pelo treinador cruzeirense Paulo Atuori, que optou por escalar três volantes _Ricardinho, Fabinho e Donizete.
Apesar do domínio territorial do Sporting, foram do time brasileiro as melhores chances do primeiro tempo _com Palhinha, aos 19min, Marcelo, aos 44min, e Nonato, aos 45min.
Todas esbarraram em boas defesas do goleiro peruano Balerio.
Um dos melhores jogadores do Cruzeiro foi o volante Ricardinho, que havia sido convocado para os amistosos da seleção brasileira na Ásia, mas foi liberado pela CBF para disputar a decisão.
O goleiro Dida também teve atuação de destaque.
O final do jogo foi marcado pela pressão do Sporting Cristal.
Aos 46min, após falha do goleiro Dida e confusão na pequena área brasileira, o Sporting quase fez o gol da vitória, na melhor chance da partida.
Um minuto depois, o meia Cleisson, do Cruzeiro, cometeu falta em Soto e foi expulso. Será o primeiro desfalque da equipe mineira para a decisão no Brasil.
Foi o primeiro empate do Cruzeiro nesta Libertadores. Até então, o time tinha seis vitórias e seis derrotas na competição.”

27 de maio de 1997
Cruzeiro 2×0 Grêmio

CRUZEIRO: Dida; Vítor, Wílson Gottardo, Célio Lúcio e Nonato (Donizete Amorim); Fabinho, Ricardinho, Cleisson e Elivélton;Palhinha (Da Silva) e Alex Mineiro.
Técnico: Paulo Autuori.

GRÊMIO: Danrlei; Arce, Mauro Galvão, Wágner e Roger; Otacílio, Luis Carlos Goiano, Emerson e João Antônio; Maurício e Carlos Miguel (Rodrigo Gral, depois Marcos Paulo)
Técnico: Evaristo de Macedo

Local: Mineirão, Belo Horizonte-MG
Público: 38.369
Renda: R$ 197.660,00
Juiz: Antônio Pereira da Silva
Cartões Amarelos: João Antônio, Roger, Vítor, Cleisson, Fabinho e Alex Mineiro.
Gols: Elivélton 45 segundos e Alex Mineiro 29 do 1º

03 de junho de 1997
Grêmio 2×1 Cruzeiro

GRÊMIO: Danrlei; Arce, Luciano, Mauro Galvão e Roger; Otacílio, Luis Carlos Goiano, Emerson e João Antônio(Rodrigo Gral) ; Maurício (Marcos Paulo) e Zé Alcino
Técnico: Evaristo de Macedo

CRUZEIRO: Dida; Vítor, Wílson Gottardo, Célio Lúcio e Tico (Léo); Fabinho (Gelson Baresi, Ricardinho, Cleisson e Elivélton; Palhinha e Alex Mineiro (Da Silva)

Técnico: Paulo Autuori.

Local: Olímpico, Porto Alegre-RS
Público: 32.404
Renda: R$ 209.704,00
Juiz: Cláudio Vínicius Cerdeira
Cartão Amarelo: Arce, Fabinho, Ricardinho, Rodrigo Gral, Elivélton e Léo

Gols: Fabinho 15, Mauro Galvão 24 e Zé Alcino 28 do 2º tempo

Brasileirão – Grêmio 2 x 2 Goiás

June 21, 2009
Mesmo pensando na Libertadores, Autuori manteve boa parte da equipe no Brasileirão, mudando o ataque e poupando Souza. O time sentiu um pouco as ausências de uma referência na frente e de um homem de criação no meio (Joílson improvisado não deu certo). O foco em outra competição e um Goiás bem treinado foram outras dificuldades.

O jogo foi bastante truncado. O time de Hélio dos Anjos marcava muito, e parava o jogo quando necessário. Ainda assim era o tricolor que mais ameaçava, especialmente em chutes de fora da área. Tcheco e Jonas tentaram por duas vezes cada um. Os esmeraldinos ameaçavam nos rápidos contra-ataques puxados por Iarley. Mas o placar permaneceu inalterado até o final da primeira etapa.

Autuori fez duas alterações no intervalo. Saíram Adílson e Fábio Santos para o ingresso de Jadílson e Rafael Marques. Contudo o esquema não mudou, Réver passou a jogar de volante. Antes de ser possível ver o resultado das mudanças o Goiás inagurou o marcador. Aos 7, uma falta na intermediária junto a lateral, o time dá as costas a bola, Goias cobra rápido e Felipe faz o gol. Um erro primário. Mas o time reagiu e foi buscar o empate. Aos 14, Herrera fez jogada individual, de raça e insistência e sofre o pênalti. Tcheco cobra, goleiro de uma lado; bola no outro. A torcida gostou da reação, o time foi pra cima e pressionava o adversário. A virada parecia questão de tempo. Só que aos 23 minutos Rafael Marques quis sair jogando rápido numa cobrança de falta, recuou para Réver (que até então vinha fazendo uma atuação soberba). O camisa 5 errou o domínio, Felipe aproveitou, arrancou e serviu Felipe Menezes, que desviou na saída de Marcelo. Não só o time, como também o estádio inteiro sentiu o baque. A busca de novo empate era feita de forma bastante desorganizada. Jadílson, do seu modo, fazia as melhores jogadas. Numa delas, a cabeçada de Maxi passou perto. Quando tudo parecia perdido (perdão pelo inevitável clichê) a bola foi lançada em direção a área por Joílson, Herrera disputou na meia-lua, mas a bola sobrou para Maxi Lopez testar para o fundo das redes.


Mesmo sem ter feito uma grande atuação o Grêmio poderia ter vencido a partida. Pagou um preço caro por dois erros bobos.

Seja qual for o objetivo do Grêmio neste campeonato, os pontos de hoje certamente farão falta.

O resultado do jogo não passa pela arbitragem, mas os jogadores tem alguma razão em reclamar do juiz. Ramalho poderia ter sido advertido, assim como Eusébio que fez o pênalti. Sem contar com a palhaçada do juiz, que após o primeiro gol do Goiás, ficava apontando para seu apito antes da cobrança de qualquer falta.

Time perdeu a maioria dos rebotes. Escanteios para o Grêmio viravam perigosos contra-ataques do Goiás.

Acho que Herrera ganhou sua vaga. Por outro lado, me parece que Ruy pode estar perdendo seu lugar no time.

Fotos: Grêmio.net e ClicRBS

Grêmio 2 x 2 Goiás
Felipe 52´
Tcheco (pênalti) 59´
Felipe Menezes 68´
Maxi Lopez 90+2

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Ruy, Leo, Réver e Fábio Santos(Jadílson/intervalo); Adilson(Rafael Marques/intervalo), Túlio, Tcheco e Joílson; Jonas(Maxi Lópes 24’/2ºT) e Herrera.
Técnico: Paulo Autuori.

GOIÁS: Harlei; Ernando, Leandro Euzébio e João Paulo; Vitor, Ramalho, Amaral, Felipe Menezes(Zé Carlo 36’/2ºT) e Júlio César; Iarley e Felipe(Douglas 42’/2ºT)
Técnico: Hélio dos Anjos

7ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2009
Data: 20/06/2009, sábado, 18h30min
Local: Olímpico, em Porto Alegre (RS).
Público Total: 16.581 (14.481 pagantes)
Renda: R$ 230,000,50
Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE).
Auxiliares: Erich Bandeira (Fifa/PE) e Jossemmar José Diniz Moutinho (PE).
Cartões amarelos: Réver, Tcheco, Jadilson (Grêmio); Iarley, Vítor (Goiás).
Gols: Felipe 7, Tcheco (pênalti) 14, Felipe Menezes 23 e Maxi López 47 do 2ºtempo

Libertadores – Semifinais

June 20, 2009



JOGOS DE IDA
Quarta-feira – 24/06 – 21h50min
Cruzeiro x Grêmio – Mineirão

Quinta-feira – 25/06 19h30min
Estudiantes x Nacional – Ciudad de La Plata (19h30)

JOGOS DE VOLTA
Quarta-feira – 01/07 21h15min
Nacional x Estudiantes – Centenário

Quinta-feira – 02/07 21h50min
Grêmio x Cruzeiro – Olímpico Monumental

Libertadores – Quartas de Final – Jogos de Volta

June 20, 2009


17 de junho – Quarta-feira
19h20 – Nacional 0x0 Palmeiras – (Melhores Momentos)

21h50 – Grêmio 0x0 Caracas – (Melhores Momentos)

18 de junho – Quinta-feira
19h30 – Estudiantes 1×0 Defensor – (Melhores Momentos)
Gol: Leandro Benítes 13´

22h00 – São Paulo 0x2 Cruzeiro – (Melhores Momentos)
Gols: Henrique 65´ e Kléber (pênalti) 81´

Libertadores – Grêmio 0 x 0 Caracas

June 18, 2009

Ontem, depois de observar tudo o que se falava sobre o jogo fiz o seguinte comentário no Twitter:
Gostaria de ver um pouco mais de respeito ao Caracas. Não é jogo jogado. Ainda bem que os jogadores não entraram nessa

De fato não era jogo jogado. Não há como se pensar nisso numa quarta-de-final da Libertadores. Caracas não é galinha morta. O bom é que os atletas gremista aparanteram não ter embarcado nesse clima de oba-oba criado.

O time ficou num dilema. O 0x0 inicial já garantia a classificação. Fora satisfazer o ego e a torcida, não existiam motivos para se jogar deseperadamente ao ataque. Ainda assim, o Grêmio tomou a iniciativa nos primeiros 30 minutos de jogo, e criou oportunidades de abrir o marcador.:Voleio de Souza (fotos abaixo), duas enfiadas para chutes de Maxi Lopez e um chute de primeira de Tcheco, após cruzamento de Fábio Santos. O tricolor ainda teve um pênalti não marcado ao seu favor, aos 30 minutos, quando Barone empurrou a cabeça de Maxi Lopez durante um cruzamento. Os venezuelanos tiveram grande chance em um conclusão de fora da área, na qual Marcelo Grohe fez grande defesa com ponta dos dedos.

Mas somente listar as chances criadas não ilustra bem o que era o jogo, que foi bastante pegado, truncado. Com o gramado molhado as equipes não arriscavam passes mais complicados, optavam pelo balão, disputa no alto de cabeça e pela segunda bola.

O Grêmio tinha alguma dificuldade para sair jogando. Noel Sanvincente posicionou seus meias ofensivos bem abertos pelas pontas, bloqueando a passagem dos laterais gremistas.


O Caracas era uma equipe bastante consciente em campo. Sabia que uma eventual classificação passava primeiro por não sofrer gols do Grêmio. Os venezeulanos conseguiram segurar o ímpeto gremista, retomado na volta para o segundo tempo. O Caracas também era sabedor das suas limitações, e da sua condição de franco atirador. A equipe não tinnha a menor vergonha de forçar sua jogada forte. A bola parada. Em qualquer falta além do meio-campo o time era posicionado no ataque e a bola era erguida em direção ao gol do Grêmio. Sorte nossa que os jogadores ofensivos de maior cartaz do Caracas, Renteria e Figueroa, não estavam em uma noite inspirada, sendo inclusive substituídos.

Com o passar do tempo, o time foi perecebendo que a noite era uma daquelas onde o jogo não flui. Sabiamente os jogadores passaram a jogar com o regulamento embaixo do braço, tentando levar o 0x0 até o final. E foi o que aconteceu, não sem levar ao menos dois grandes sustos:

– Linha de impedimento mal executada, Cichero fica livre dentro da área, pronto para fazer o arremate, e Réver dá um carrinho salvador.
– Escanteio, Herrera corta mal no primeiro pau, Castellin e Barone sobem junto no segundo, mas a bola vai para linha de fundo.

Enfim, ao contrário do que se “previa”, um jogo complicado até o último minuto.

Não foi uma atuação brilhante, longe disso. Mas foi uma classificação com a cara do Grêmio, sofrido, copero, jogo de libertadores, etc…

O Grêmio não é mais, nem menos, favorito ao título do que qualquer outra equipe que permanece na competição.

Adílson foi o melhor em campo. Marcou, desarmou, saiu para o jogo, simplificou na hora do passe.

Marcelo Grohe foi mais uma vez muito seguro.

Herrera entrou incendiando o jogo. Fez jogada pelas pontas. Algo que não aconteceu quando Alex Mineiro estava em campo.

Maxi Lopez lutou muito, mas faltou maior “brilho” no momento das conclusões.

Tcheco e Souza, de quem mais se esperava, foram as figuras mais apagadas.

Os zagueiros novamente foram bem no novo esquema.

Caracas valorizou a classificação do Grêmio. Notável a atuação da sua linha defensiva. A equipe deixou o gramado devidamente aplaudida por parte do estádio.

Bom público. Melhorou o humor da torcida. Mas ainda está londe do ideal (2007?). Me parece que ontem tinha muita gente preocupada demasiadamente com a Copa do Brasil.

Não tenho preferência entre São Paulo e Cruzeiro.

Grêmio 0 x 0 Caracas

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Ruy, Leo, Réver e Fábio Santos; Adilson, Túlio, Tcheco e Souza; Alex Mineiro (Herrera, 13′ 2º/T) e Maxi López.
Técnico: Paulo Autuori.

CARACAS: Renny Vega; Romero, Rey, Barone e Cichero; Luis Vera, Lucena, Darío Figueroa (Guerra, 21′ 2º/T) e Gomez (Prieto, 30, 2º/T); Rentería (Valoyes, 11′ 2º/T) e Castellín.
Técnico: Noel Sanvicente

Libertadores 2009 – quartas de final – Jogo de volta
Data: 17/06/2009, quarta-feira, 21h50min
Local: Estádio Olímpico (Porto Alegre, RS)
Público: 40.127 (36.725 pagantes)
Renda: R$ 821.862,00
Árbitro: Carlos Torres (PAR)
Auxiliares: Rodney Aquino e César Franco (PAR)
Cartão Amarelo: Rentería( 5′, 1º/T); Figueroa (40, 1º/T); Gomez ( 46′, 1º/T); Castellín ( 7′, 2º/T); Máxi lópez (15′, 2º/T); Souza( 31′, 2º/T);

Brasileirão – Fluminense 0 x 0 Grêmio

June 15, 2009

Um jogo em que o Grêmio, nos primeiros 10 minutos, deixou de matar o jogo. Foi nesse período que o time teve suas melhores chances. Aos 4, Maxi fez jogada pela ponta direita e cruzou rasteiro, Tcheco acertou o travessão. Aos 6, Alex Mineiro recebeu passe de Souza e chutou a esquerda de Berna. Aos 8, Alex Mineiro ganhou no corpo de Edcarlos, mas a conclusão mais uma vez passou perto da trave. Autuori não escondeu a insatisfação com as oportunidades perdidas.

Obviamente o ritmo diminui depois disso, ainda assim o Grêmio era melhor, só não ameaçava mais porque era lento na troca de passes, especialmente na saída de bola. Defensivamente o time ia bem, só foi ameaçado numa cabeçada de Thiago Neves, aos 41.

No segundo tempo a dinâmica mudou um pouco. O Fluminense jogava quase todo no campo de ataque e o Grêmio esperava, tentando especular no contra-ataque. As chances de gol rarearam. Marcelo Grohe fez bela defesa aos 7 minutos, após chute de Thiago Neves. O mesmo Thiago Neves teve excelente chance aos 42, mas errou o chute, facilitando a defesa do arqueiro gremista. O Grêmio teve sua última chance aos 46, quando Herrera fez jogada individual, entrou na área junto a linha de fundo e rolou para trás, mas Souza chutou alto.

O Grêmio perdeu uma grande chance de somar três pontos.


Mais uma atuação segura de Marcelo Grohe.

Souza não foi bem, mas atribuir a má-atuação à indefinição de seu futuro é de um oportunismo barato.

Fábio Santos apareceu bastante no ataque, sem deixar buraco na defesa. Falta caprichar mais no acabamento das jogadas.

Douglas Costa novamente entrou muito afobado. Sua expulsão foi correta, porém injusta. Pelo mesmo critério Maxi Lopez poderia ter sido expulso e Luiz Alberto deveria ter recebido ao menos um amarelinho.

Apesar da mudança de esquema, os problemas no meio campo continuaram. A zaga foi bem como sempre.

Arbitragem caseira, especialmente no segundo tempo. Não complicou mais por falta de oportunidade.

fotos: Terra, Fluminense e ClicRBS

Fluminense 0 x 0 Grêmio

FLUMINENSE: Ricardo Berna; Diogo (Maicon, 41’/2°T), Edcarlos, Luiz Alberto e João Paulo; Wellington Monteiro, Marquinho (Leandro Amaral, 17′ /2°T), Carlos Eduardo (Diguinho, 28’/1°T) e Conca; Thiago Neves e Fred.
Técnico: Carlos Alberto Parreira.

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Thiego, Leo, Rafael Marques e Fábio Santos; Adilson, Túlio, Souza e Tcheco; Alex Mineiro (Douglas Costa, 17’/2°T) e Maxi López (Herrera, 29’/2°T).
Técnico: Paulo Autuori.


6ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2009
Data:
14/6/2009 – domingo – 16h00min
Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Público: 17.672 (16.270 pagantes)
Renda: R$ 239.747,50
Árbitro: Jose Henrique de Carvalho (Aspirante FIFA-SP)
Auxiliares: Ednilson Corona (FIFA-SP) e Emerson Augusto de Carvalho (FIFA-SP)
Cartões amarelos: Diguinho (F); Maxi López, Tcheco, Túlio, Douglas Costa e Herrera (G)
Cartão vermelho: Douglas Costa, 38’/2°T (GRE)

Salários

June 11, 2009

Levantamento da revista Placar, edição de junho de 2009:

1°- Ronaldo* (Corinthians) = R$ 1.133.000
2°- Adriano** (Flamengo) = R$ 362.000
3°- Nilmar*** (Internacional) = R$ 360.000
4°- Fred (Fluminense) = R$ 350.000
5°- Leandro Amaral (Fluminense) = R$ 280.000
6°- Kléber (Cruzeiro) = R$ 280.000
7°- Thiago Neves (Fluminense) = R$ 270.000
8°- Edmílson (Palmeiras) = R$ 240.000
9°- Rogério Ceni (São Paulo) = R$230.000
10°- Washigton (São Paulo) = R$ 220.000
11°- Marcos**** (Palmeiras) = R$ 200.000
12°- D’Alessandro (Internacional) = R$ 200.000
13°- Léo (Santos) = R$ 200.000
14°- Fábio Costa (Santos) = R$ 200.000
15°- Lúcio Flávio (Santos) = R$ 185.000
16°- Kléber (Internacional) = R$ 180.000
17°- Maxi López (Grêmio) = R$ 180.000
18°- Souza (Corinthians) = R$ 175.000
19°- Kléber Pereira (Santos) = R$ 174.000
20°- Fábio (Cruzeiro) = R$ 173.000
21°- William (Corinthians) = R$ 150.000
22°- Kléberson (Flamengo) = R$ 150.000
23°- Carlos Alberto (Vasco) = R$ 150.000
24°- Mozart (Palmeiras) = R$ 140.000
25°- Léo Moura (Flamengo) = R$ 130.000
26°- Acosta (Náutico) = R$ 125.000
27°- Keirrison (Palmeiras) = R$ 120.000
28°- Diego Souza (Palmeiras) = R$ 120.000
29°- Marcelinho Paraíba (CORITIBA) = R$ 120.000
30°- Tcheco (Grêmio) = R$ 120.000
31°- Alex Mineiro (Grêmio) = R$ 120.000
32°- Souza (Grêmio) = R$ 120.000
33°- Fabão (Santos) = R$ 110.000
34°- Emerson (Flamengo) = R$ 110.000
35°- Obina (Palmeiras) = R$ 110.000
36°- Fabiano Eller (Santos) = R$ 100.000
37°- Diego Tardelli (Atlético-MG) = R$ 90.000
38°- Reinaldo (Botafogo) = R$ 90.000

*- (80% são valores do patrocínio da manga e calção)
**- (162 mil do Flamengo + % dos produtos da Olympikus)
***- (130 mil + um milhão de euros em parcelas anuais)
****- Pode chegar a R$ 300.000 dependendo do número de partidas jogadas

A Placar explica seus números:

“A equipe da revista levou dois meses para concluir o levantamento. Ouviu dirigentes, empresários e profissionais que têm acesso aos contratos dos atletas. Também obteve documentos oficiais de um dos clubes que comprovam os salários.

Cada informação foi checada com pelo menos três fontes. Como os rendimentos de muitos jogadores são compostos por diferentes itens (salário, luvas, direito de imagem, aluguel dos direitos esportivos e publicidade), os valores publicados referem-se à quantia mensal que o atleta recebe somando-se todas essas receitas.”

Números estes que constratam com o que foi divulgado na imprensa do Rio Grande do Sul:

A concretização do negócio foi possível depois que Maxi aceitou reduzir – e muito – sua pedida inicial de US$ 120 mil em salário. Ficou em US$ 90 mil (R$ 203 mil). Será o maior salário do Grêmio para a temporada” (Zero Hora – 14/02/2009)

O assessor de futebol gremista, André Krieger, não quis revelar quanto o atleta receberá de salários. ‘Mas é bem abaixo do que vinha sendo divulgado’, garantiu o dirigente. Especulava-se que Maxi López, de 24 anos e revelado pelo River Plate, com passagem pelo Barcelona, receberia 100 mil dólares mensais (cerca de R$ 245 mil).” (Correio do Povo -14/02/2009)

“Fernando Carvalho que surpreendeu ao dizer ser Maxi Lopez o maior salário do futebol do Rio Grande do Sul, superando, inclusive, Nilmar e D’Alessandro.” (Vidarte Repórter – 23/03/2009)

R$ 400 MIL POR MÊS
Os dois argentinos custam para o Grêmio R$ 400 mil por mês. A informação vem de gente bem informada. Futebol é caro, mas tem que ter critérios. Espero que não tenha faltado na hora de contratar Maxi Lopez. Herrera, vá lá, era conhecido e acho que vai dar resposta. Tomara que me equivoque, mas, para justificar R$ 240 mil/mês, Maxi terá que apresentar muito. E, se possível, dar o título ao Grêmio. Pergunto agora que ainda é cedo: quem é o pai da criança?

ALEX MINEIRO
Este é outro que pelo que dizem ganha R$ 200 mil por mês. Ou seja, a folha do Grêmio de baratinho tem muito pouco. Mas este eu também levo livre. Sempre contribuiu por onde passou. Que por aqui também seja da mesma forma. (Luiz Carlos Reche – 29 de março de 2009)

FOLHA PESADA
Um informante me disse que a folha de pagamento do Grêmio ultrapassa R$ 3 milhões. Ou seja, está parecida com a do Inter. Se ganhar a América está tudo justificado. Do contrário será dureza aguentar a oposição. Com esta folha, o elenco teria que ser superior. Ou não? Quem sabe seja por isso que o meia não veio. (Luiz Carlos Reche – 31 de maio de 2009)