Archive for July, 2009

Brasileirão – Classificação 15ª Rodada

July 31, 2009

Brasileirão – São Paulo 2 x 1 Grêmio

July 31, 2009

Perder para o São Paulo no Morumbi é algo normal (o normal é usado aqui no sentido de aceitável)

Heber Roberto Lopes favorecendo o São Paulo também já virou algo normal (aqui o sentido é de comum, rotineiro; jamais aceitável)

Garoa em São Paulo (clichê máximo), que virou chuva forte. Campo pesado, jogadores gremistas escorregando e o São Paulo tentando pressionar a saída de bola do Grêmio. Deu algum resultado, o tricolor gaúcho errava muitos passes, apresentando uma dificuldade na saída dos laterais, que acabavam deixando os volantes sem opção de passe.

Ainda assim o Grêmio estava bem postado para o contra-ataque, e assim ameaçava o São Paulo. Aos 10 minutos, Tcheco foi a linha de fundo e cruzou rasteiro, Maxi pego de primeira, mas a bola saiu pelo lado (o argentino sinalizou com o braço o que deveria ter feito). O Grêmio ainda criou outras chances, oriundas dos lados do campo.

Aos 21, Hernanes fez jogada de grande lucidez, dando uma grande assistência para Dagoberto abrir o placar. O Grande mérito da jogada foi do camisa 10 do São Paulo, mas o a zaga gremista errou no seu posicionamento.

O time sentiu o gol sofrido e o São Paulo cresceu no jogo. Aos 25, Jorge Wagner quase fez gol olímpico. Aos 26, Dagoberto tentou de cabeça. Victor salvou a meta gremista nas duas oportunidades. Passado o susto, o Grêmio passou a ocupar o campo de ataque, trocando passes, mas sem criar grandes chances.

No intervalo, Autuori colocou Jonas no lugar Herrera. Foi impossível notar qualquer resultado na mudança, pois com um apenas um minuto transcorrido, Dagoberto fez jogada pela ponta esquerda e ampliou o marcador.

A equipe sentiu ainda mais no 2×0, ficando atônita em campo, só reagindo com a mudança tática feita por Autuori. Saiu Adílson e entrou Douglas Costa. O time passou a acertar passes e a tramar jogadas no ataque. Douglas não foi nenhuma maravilha, errou algumas jogadas por pura afobação, mas teve a movimentação necessária para mudar o jogo.

Aos 32, Jonas invadiu a área, pisou na bola e foi empurrado nas costas por Miranda. Pênalti. Tcheco bateu com a categoria costumeira e descontou. Os últimos 10 minutos foram de pressão gremista, com Douglas Costa perdendo grande chance 39. Tcheco e Souza também ameaçaram a meta de Denis, mas a tentativa de abafa gremista foi infrutífera.


No Carta na Manga foi feito um resumo interessante do jogo. Transcrevo parte aqui:
“O resultado é péssimo pelo conjunto dos jogos fora. A atuação foi fraca, não chegou a ser desastrosa, mas pesa pelo currículo. Difícil apontar quem se salva no jogo de hoje, que chega a fazer o time parecer pior do que ele realmente é. O São Paulo não fez a maravilhosa partida que o pessoal do Sportv quis deixar a entender. Mas foi melhor e mais regular que o Grêmio, teve mais eficiência, Dagoberto em grande jornada e o jogo quase sempre sob controle. Tinha uma partida relativamente fácil nas mãos no segundo tempo e quase entregou. Em determinado momento poderia até ter goleado, o que seria tão exagerado quanto um empate dos visitantes.

É preciso ressaltar isto. O Grêmio jogou pior do que seu adversário e “mereceu” perder.

Jogando como visitante, o Grêmio mais uma vez foi prejudicado pela arbitragem:
– Aos 5, marcou um impedimento absurdo quando Maxi Lopez sairia na cara do gol.
– Aos 11, Jean deu um passe para trás, em direção ao goleiro Denis e o recuo de bola não foi marcado
– Aos 30, Borges deu um violento carrinho por trás em Réver e acabou agradecendo por receber somente o cartão amarelo.
– Impedimento mal marcado de Herrera aos 34 minutos da primeira etapa.
– Borges estava impedido e participou da jogada do segundo gol são paulino.
– Penalti não marcado em Jonas aos 19 do segundo tempo
– Héber “esqueceu” de dar cartão para André Dias pela falta cometida em Maxi Lopez.
– 2 minutos de acréscimos (gastos todos em uma cobrança de falta).

Com isso não estou anuindo com a postura do time e nem atribuindo a derrota à arbitragem. Mas Héber (como de costume) e seus assistentes foram muito mal e prejudicaram o “espetáculo”. Este registro precisa ser feito.

Não sou da corrente que acha que o time que faz mais faltas sai vencedor. Achei curioso este dado sobre as poucas faltas cometidas pelo Grêmio. Mas me pareceu meio exagerado o destaque dedicado a tal número, que é “frio” e não explica por si só a inferioridade gremista.

São Paulo 2 x 1 Grêmio
Dagoberto 21´
Dagoberto 46´
Tcheco (pênalti) 78´

SÃO PAULO: Denis; Renato Silva, André Dias, Miranda; Jean, Hernanes (Eduardo Costa 36’/2ºT), Richarlyson, Jorge Wagner e Junior Cesar; Dagoberto (Marlos 37’/2ºT) e Borges.
Técnico: Ricardo Gomes.

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes (Rafael Marques 34’/2ºT), Leo, Réver e Fábio Santos ; Adilson (Douglas Costa 16’/2ºT), Túlio, Tcheco e Souza; Herrera (Jonas/intervalo) e Maxi López.
Técnico: Paulo Autuori.

15ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2009
Data: 30/7/2009, quinta-feira, 21h00min
Local: Estádio Morumbi, São Paulo (SP)
Renda: R$ 295.745,00
Público: 13.323 pagantes
Cartões amarelos: Miranda, Jorge Wagner e Borges (SPO).
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa/ PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e Moisés Aparecido de Souza (PR)
Gols: Dagoberto aos 21’/1ºT e a 1’/2ºT ; Tcheco (pênalti) 34’/2ºT

Tarciso – A história das camisas dos 12 maiores times do Brasi

July 30, 2009

Fiquei sabendo sobre este livro, “A história das camisas dos 12 maiores times do Brasil” de Rodolfo Rodrigues e Paulo Villena Gin, lançado pela editora Panda Books, no programa Loucos por Futebol, através do apresentador Marcelo Duarte, que coincidentemente também é o dono da Panda Books.

Achei a idéia boa, mas fiquei com um pé atrás. Acabei ganhando o livro, que me supreendeu. É muito bem feito, até onde apurei, a parte do Grêmio está perfeita, nos menores detalhes.
Claro que na internet é possível encontrar desenhos mais bonitos dos uniformes, mas os que estão no livro são precisos.
Outra coisa que me agradou no livro foi uma escolha feita no livro. O capítulo de cada time é apresentado por um depoimento de um jogador. No do Grêmio o escolhido foi Tarciso. Justo. Não só pelos títulos, pelos mais de 10 anos de clube, pelos 258 jogos em campeonatos brasileiros (78 gols, recordista do Grêmio neste competição até aqui), mas por tudo que representa.
O depoimento dele é bem interessante. Destaco uma frase em especial:
“Vestir a camisa do clube com dignidade durante tanto tempo foi simplesmente inesquecível. O Grêmio é tudo na minha vida.

26 anos

July 28, 2009

28 de julho de 1983.
26 anos do primeiro título de campeão da américa.

Mais sobre a campanha naquela libertadores pode ser achado em:

http://libertadores1983.blogspot.com

Brasileirão – Grêmio 3 x 2 Santo André

July 26, 2009


O Grêmio quase complicou um jogo que era para ser fácil.

Tá certo que o tricolor foi superior ao seu adversário e mereceu a vitória. Exigir muito mais que isso pode ser exagero, mas o time teve facilidades e mesmo assim correu riscos desnecessários.

No início da partida o Santo André não ameaçava e nem marcava forte. O Grêmio tinha espaço para jogar. Aos 2, Tcheco chutou da entrada da área, Neneca fez boa defesa. Minutos mais tarde Jonas teve boa chance, mas demorou a concluir e foi travado pelo zagueiro. Herrera também ameaçou em chute que buscava o ângulo.

Mas aos 19 o jogo começou a complicar. Bola enfiada pelo meio, Marcelinho faz o corta-luz, Rafael Marques erra no golpe de vista e bola chega em Antônio Flávio. O Chute sai rasteiro, em cima de Victor, a bola toma uma trajetória de pinball antes de entrar lentamente no gol.

Bom, aí o clima pesou, nenhum jogador se arriscava muito. Herrera se destacou ao ir buscar jogo no meio campo. Em um desses recuos do argentino, Tcheco foi lançado, dominou, foi para cima de Gustavo Nery, fez grande jogada e cruzou para Souza, que chegou com o pé “errado”. O Grêmio ainda teve duas chances com Mário Fernandes e Rafael Marques após cruzamentos na área.

O primeiro tempo se encaminhava para uma preocupante vitória parcial dos visitantes, mas aos 42, Souza bateu escanteio no primeiro pau, Rafael Marques se antecipou a zaga e empatou de cabeça. Aos 45, Souza arriscou de longe e fez um golaço. Um gol como aqueles que o Grêmio havia tomado contra Vitória e Coritiba. Um gol “a la Josimar na Copa de 86“.

Segundo tempo seria de maior facilidade. Santo André não mostrou nenhuma reação. Ainda assim o Grêmio custou a matar o jogo. Aos 2, Souza conscientemente tentou encobrir o goleiro de cabeça. Parou no travessão. Herrera criou um par de boas jogadas. Mas o tempo ia passando e nada do 3º gol.

Santo André teve um jogador expulso aos 17. Não se via em campo a vantagem numérica tricolor, somente a vantagem “técnica”. Aos 19, Jadílson fez bom cruzamento, Herrera subiu de cabeça e Neneca fez grande defesa. Aos 34, Souza sofreu falta no lado da área. Neneca colocou somente um homem na barreira e se posicionou mal. Souza bateu com curva e força e a bola achou Rafael Marques dentro da pequena área. Segundo gol dele, segunda assistência de Souza e terceiro gol do Grêmio. No último minuto de jogo o Santo André levantou bola na área e Ricardo Goulart cabeceou por cima de Victor, decretando o 3×2 final.


Desnecessário falar das boas atuações de Souza e Rafael Marques.

Gostei muito da atuação de Herrera. Fez uma série de bons lançamentos e tentou alguns chutes longos “conscientemente” colocados. Merecia um gol.

Tcheco jogou o suficiente para afastar a polêmica do “bonitinho”.

Adílson foi irregular no primeiro tempo e cresceu no segundo.

Jadílson é sabidamente um jogador de características ofensivas. Fez ao menos duas grandes jogadas de ataque, mas deixou um grande vazio na defesa. Não ameaçou a titularidade de Fábio Santos.

Mário Fernandes é rápido e sai muito bem para o jogo, mas justamente por não ser lateral de ofício acaba empacando quando se aproxima da intermediária ofensiva.

Victor esteve irreconhecível.

Isael tinha deixado boa impressão no jogo contra o Sport. Ontem não entrou bem.

Fotos: Terra e ClicRBS

Grêmio 3 x 2 Santo André
Antônio Flávio 19´
Rafael Marques 42´
Souza 45´
Rafael Marques 78´
Ricardo Goulart 90+3

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes(Thiego 44’/2ºT), Léo, Rafael Marques e Jadílson; Adilson, Túlio, Souza e Tcheco (Joílson 18’/2ºT); Herrera e Jonas (Isael 25’/2ºT).
Técnico: Paulo Autuori.

SANTO ANDRÉ: Neneca, Cicinho, Marcel, Cesinha e Gustavo Nery (Vinicíus Simon 23’/2ºT); Fernando, Ricardo Conceição, Marcelinho Carioca (Ricardo Goulart 23’/2ºT), Elvis (Pablo Escobar 37’/2ºT); Antônio Flávio e Nunes.
Técnico: Sérgio Guedes.


14ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2009
Data: 25/7/2009, sábado, 18h30min
Local: Estádio Olímpico, Porto Alegre (RS)
Público : 11.180 (9.571 pagantes)
Renda: R$ 149.385,50
Árbitro: Alício Pena Junior (MG)
Auxiliares: Helberth Costa Andrade (MG) e Jair Albano Felix (MG)
C. Amarelos: Souza, M. Fernandes (G); Ricardo Conceição, Elvis, Fernando, G. Nery (SA).
Cartão vermelho: Nunes (SA) aos 17 do 2º tempo
Gols: Antônio Flávio (SA), aos 19min; Rafael Marques (G), aos 42min, e Souza (G), aos 45min, no 1º tempo. Rafael Marques (G), aos 33min; e Ricardo Goulart (SA), aos 48min, no 2º tempo.

Costas – Camisa Branca e Club Brugge

July 24, 2009
Quando fiz o post sobre a semelhança dos uniformes reservas do Grêmio e do Club Brugge, o DJ Aldebaran fez um comentário bastante pertinente (vou dividir o comentário em dois para melhor ilustrar o post):

“Não dá pra ver a parte de trás da camiseta. Mas se já não usaram aquele número pixelado é uma evolução.”

Como se percebe, o Brugge não usa o número “pixelado” em seu uniforme reserva. E as listras são restritas a parte de frente da camisa.

Também gosto bem mais dessa fonte (que foi usada nas camisas da Libertadores).

“E não sei se perceberam que a camisa reserva contra o Sport teve uma pequena modificação, as faixas da parte de trás da camisa não mais passavam por cima dos números. Já é alguma coisa

Olhando as fotos dos jogos contra o Vitória (foto acima) e Sport (foto abaixo) fica bastante clara a mudança citada.

Aqui eu discordo do Aldebaran. Prefiro as listras inteiras na parte de trás, tal qual a camisa que é vendida nas lojas, sem esta interrupção após o Banrisul e antes do número.

Imagino que a mudança tenha como inspiração as regulamentações da UEFA, que visam uma maior visibilidade.

O problema é que tal regulamento não só é de gosto duvidoso, como também de eficácia questionável, conforme melhor explica este artigo.

Uniformes de Treino – Confusão

July 24, 2009
Estou desistindo de tentar entender. O Grêmio colocou à venda das camisas de treino azul, branca e amarela. Contudo o time continuava usando o fardamento de treino antigo.
No treino de ontem, estreou novo fardamento. Preto com amarelo. Que ainda não está à venda.

Ou seja:
O Grêmio tem um fardamento de treino que está à venda, mas não é usado.
E usa um fardamento que não está à venda.

Brasileirão – Avaí 1 x 0 Grêmio

July 23, 2009

Avaí que só havia vencido uma partida em casa, contra um Grêmio que não ganha como visitante. Deu Avaí.

Campo pesado e molhado, muita disputa e um jogo igual no primeiro tempo. O que já era um mau sinal, pois o Grêmio não é um time igual ao Avaí.

Avaí mostrava mais vontade, Grêmio maior organização. Contudo os avaianos jogavam mais soltos, com liberdade. O Grêmio tentava valorizar a sua posse de bola, mas parava quando se aproximava da área, a dupla de ataque era incapaz de segurar a bola e fazer uma jogada mais elaborada.

Maxi teve boa chance de marcar; William teve duas. Souza e Marquinhos também ameaçaram em cobranças de falta. Como já foi dito, uma primeira etapa de igualdade.

Cedo no segundo tempo, Réver fez uma falta desnecessária em William. Falta boba, sobretudo porque William é um centroavante que não representa perigo, ainda mais de costas para o gol. O time do Grêmio e o juiz permitiram a catimba de Marquinhos e Ferdinando bateu com força, no lado de Victor. 1×0.

O time tentou a reação, Autuori sacou Herrera e pôs Jonas. Aos 15, Ferdinando fez falta violenta e foi expulso. O Grêmio tinha um jogador a mais e meia hora para buscar um empate, quiçá uma vitória.

Adílson deu um bom chute aos 21, exigindo boa defesa de Martini. Foi só o que o Grêmio fez. De resto, ficou trocando passes na intermediária, sem nenhuma velocidade, nenhuma inspiração, nenhuma iniciativa individual.

Revoltante.


18 pontos disputados fora de casa. Apenas 1 conquistado. Aí fica difícil.

Falta de sorte, ausência da torcida, arbitragens caseiras. Tudo isso ajudar a explicar, mas não justifica o desempenho pífio como visitante.

Souza começou jogando bem, bastante participativo, só sendo parado com faltas. Mas levou um cartão bobo e “saiu” do jogo.

Tcheco bem que tentou. Tentou até demais, ao ponto de ser excessivamente individualista. Pior ainda, foi bastante lento nas tentativas frustradas de driblar.

Adílson talvez tenha sido o único jogador a se salvar.

Arbitragem caseira. O resultado do jogo não passa pelo juiz, mas a atuação do estreante Felipe Gomes da Silva foi igualmente revoltante. Descritério total na marcação das faltas e principalmente na distribuição de cartões.

Maxi e Herrera são jogadores que buscam o contato. Por vezes vão bater e por vezes vão apanhar, até aí tudo bem. Só que algo vem se repetindo no campeonato. Quando os argentinos ganham a jogada, a falta é marcada. Quando perdem, é jogada normal.

fotos: ClicRBS e Avaí

Avaí 1 x 0 Grêmio

Ferdinando 49´

AVAÍ: Eduardo Martini, Rafael, Emerson e Augusto; Ferdinando, Fernando Bob, Marquinhos (Caio, 37/2T), Muriqui (Marcos Vinícius, 18/2T)) e Eltinho; Luis Ricardo e William (Roberto, 17/2T).
Técnico: Silas.

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes (Joílson, 24/2T), Leo, Réver e Fábio Santos; Adilson, Túlio, Tcheco (Maylson, 33/2T) e Souza; Herrera (Jonas, 14/2T) e Maxi López.
Técnico: Paulo Autuori.

13ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2009
Data: 22/7/2009, quarta-feira, 19h30min
Local: Ressacada, em Florianópolis (SC)
Público:
Renda:

Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)
Auxiliares: Marco Aurélio dos Santos Pessanha (RJ) e Wagner de Almeida Santos (RJ)
Cartões Amarelos : F. Santos, Souza, Túlio, M. López, Rever e Leo (GRE); Fernando Bob e Marquinhos (AVA)
Cartões Vermelhos : Ferdinando (AVA) aos 15 do 2ºtempo.
Gols : Ferdinando aos 4 do 2ºT

Grenal das Faixas – 1984

July 21, 2009
No vídeo acima, a partir de um minuto e quarenta segundos, Renato Portaluppi relembra um Grenal Especial:

O Grenal 268, disputado no Olímpico em 26 de janeiro de 1984, vencido pelo Grêmio por 4×2,

Clássico já abordado anteriormente aqui no blog.

Naquela ocasião (junho de 2007) reclamei que este jogo sequer era mencionado no livro “A história dos Grenais“.

Ainda bem que agora, quando da realização matérias relativas ao centenário do Grenal, este episódio ganhou maior destaque, conforme pode ser visto na reportagem do Esporte Espetacular colada acima, e nos recortes dos cadernos especiais de Zero Hora e Correio do Povo (Abaixo):

Brasileirão – Grêmio 2 x 1 Internacional

July 19, 2009


Centenário do maior clássico do País. Autuori manteve a idéia de time e colocou Mário Fernandes no lugar de Thiego. Tite acabou alternado seu esquema, recuando Andrezinho e Taison.

O jogo não iniciou corrido e nem pegado, e sim bastante estudado. Muita troca de passes e pouco ímpeto ofensivo. O Grêmio ficou um pouco perdido para marcar o 4-2-3-1 do Inter, Andrezinho ficava solto. Os colorados tiveram a primeira chance aos 14, após cobrança de escanteio. Sorondo cabeceou firme e Victor fez boa defesa no alto. Lentamente o tricolor passou a jogar no campo de ataque, tocando a bola lá. Jogo fluía mais fácil pela esquerda com Fábio Santos; pela direita Mário Fernandes tinha dificuldade no apoio. Souza e Tcheco insistiam na bola enfiada para Maxi e Herrera. Aos 13, escanteio para o Grêmio. Andrézinho apanha o rebote sozinho na meia-lua, partiu para o contra-ataque, passou o meio campo, Fábio Santos errou na marcação de Nilmar, a bola foi lançada, Souza se antecipou, mas sofreu a carga do nove colorado (Bem que tentei, mas não consegui ver a falta). Sofrendo ou não a falta, Souza errou feio, e Nilmar teve a competência de tocar no alto na saída de Victor.

O Inter ganhou confiança com o gol, Grêmio naturalmente sentiu um pouco. Tcheco foi quem carregou o time pra frente neste momento ruim. Altemir Hausman marcava várias faltas dos atacantes gremistas. Aos 34, Maxi caiu na área pedindo pênalti de Bolívar(novamente não “consegui” ver falta). Aos 35, Souza recebeu de Tcheco, passou por Guiñazu e recebeu a falta, falta que o camisa 8 gremista bateu bem, por cima da barreira, sem chance para Lauro. Aos 42, Taison fez rara jogada pela ponta direita e serviu D´alessandro, que chutou para defesa em dois tempos de Victor.

Tcheco foi para o vestiário reclamando da falta de pegada. Tinha um pouco de razão.


O Grêmio voltou melhor para o segundo tempo. Passou a mostrar maior disposição, ganhando a maioria dos rebotes e das divididas, dominando o meio-campo. Contudo o tricolor não traduzia essa vantagem em chances de gol. Tinha presença de ataque, mas ameaçava mais nas bolas paradas. Aos 24, o escanteio batido por Souza passou por dois colorados, Réver dominou na marca do pênalti e mandou a bomba, o chute estourou no peito de Guiñazu e sobrou para Maxi Lopez, dentro da pequena área, “tranquilo, tranquilo“, cumprimentou de cabeça. 2×1.

Tite tirou o inoperante Taison e colocou Alecsandro, mas o jogo continou favorável ao Grêmio, que marcava forte atrás e tinha espaço na frente. Souza passou a ter maior liberdade. Aos 32, Maxi venceu Índio no alto e serviu Herrera, que desafortunadamente acertou a trave. Por lesão Autuori tirou Herrera e Mário Fernandes. Makelele entrou com a orientação de guardar a posição. Foi o que fez, e com o restante do time, segurou o resultado até o final, sem maiores percalços.


Time todo esteve bem. Talvez Herrera tenha ficado um pouco abaixo (reclamou da falta de ritmo), mas ainda assim lutou bastante.

Mário “fujão” Fernandes estreou muito bem em grenais. Ainda assim achei exagerados alguns dos elogios. Mas cumpriu bem a função na qual foi improvisado.

Túlio foi um guerreiro. Jogou, marcou, bateu, catimbou.

Adílson igualmente marcou muito, e teve intensa movimentação.

Réver foi o melhor em campo. Só achei desnecessários aqueles excessivos dribles para cima do Nilmar.

Rafael Marques foi discreto e seguro.
Time praticamente só errou no gol colorado. Gostei de ver Autuori consciente dessa falha na entrevista.

Maxi Lopez teve uma chance clara e guardou.

Fábio Santos apareceu bem no ataque, poderia ter caprichado mais no acabamento das jogadas. Falhou na marcação do Nilmar no lance do 1º gol. 

Tcheco justificou a braçadeira.

Souza apareceu pouco, mas fez um golaço, que salvou a sua pele e a de Fábio Santos


Mesmo sem ter tido uma atuação brilhante, o Grêmio conseguiu uma justa e merecida vitória.

Antes do jogo, nenhum dos clubes quis explorar o centenário do clássico (A Geral fez uma bonita e inteligente faixa). Falar depois é sempre muito fácil e cômodo. Meira e Piffero poderiam ter nos poupado das besteiras ditas no pós-jogo.

Que diferença faz jogar um Grenal em casa. Que a diretoria jamais se esqueça disso.

Fotos: Gremio.net, ClicRBS e UOL

Grêmio 2 x 1 Internacional
Nilmar 24´
Souza 35´
Maxi Lopez 69´

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes (Makelele, 39/2ºT), Rafael Marques, Réver e Fábio Santos; Adilson, Túlio, Souza e Tcheco; Herrera (Jonas, 39/2ºT) e Maxi López.
Técnico: Paulo Autuori.

INTERNACIONAL: Lauro, Bolívar (Danilo Silva, 36/2ºT), Indio, Sorondo e Kléber; Sandro, Guiñazu, Andrezinho (Giuliano, 34/2ºT) e D’Alessandro; Nilmar e Taison (Alecsandro, 27/2ºT).
Técnico: Tite.

12ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2009
Data: 19/07/2009, domingo, 16h00min
Local: Estádio Olímpico (Porto Alegre, RS)
Público: 40.020 pessoas (36.046 pagantes)
Renda: R$ 790.721,50
Árbitro: Leonardo Gaciba
Auxiliares: Altemir Hausmman e José Franco Filho.
Cartões amarelos: Guiñazu, Taison (I), Tcheco (G)
Gols: Nilmar, aos 24min, e Souza, aos 35min, no primeiro tempo. Maxi López, aos 24min, no segundo