Archive for April, 2010

Copa do Brasil – Fluminense 2 x 3 Grêmio

April 30, 2010

O mesmo desfalcado de seus principais jogadores, o Fluminense entrou em campo bem animado, o Grêmio era mais cauteloso, parecendo pouco adaptado ao gramado muito molhado e bastante castigado. Assim, os primeiros 15 minutos foram de domínio do tricolor carioca, que abriu o placar aos 12, quando Mariano recebeu em posição duvidosa e fez grande cruzamento para André Lima cabecear sem chance para Victor. O Grêmio teve tranquilidade e soube correr atrás. O time colocou a bola no chão e explorou bem o espaço deixado pelos alas do Fluminense. Aos 19, Jonas recebeu na área, fez uma grande sequência de dribles e cruzou para Douglas, que concluiu duas vezes (na primeira Gum salvou) para empatar o jogo (foto abaixo). Aos 31, Borges serviu Jonas, que teve muita tranquilidade para colocar no canto de Rafael. 2×1. A vantagem no placar se refletia no campo, o Grêmio jogava bem e só era incomodado pelo árbitro, que mostrava cartões a torto e a direito. No final da primeira etapa, Rodrigo fez uma falta comum e levou o segundo amarelo, deixando o time com 10 jogadores.

O time voltou com Hugo e Rafael Marques no lugar de W.Magrão e Leandro. Falou-se em um esquema com 3 zagueiros. Não vi assim, me pareceu que o time estava com uma primeira linha de quatro, seguida por três marcadores, com Douglas solto logo a frente e Borges isolado no ataque. Borges teve papel fundamental ao segurar a bola e prender os zagueiros do adversário. Os demais jogadores marcaram com muita aplicação e correção, e Douglas fez grande jogada individual no terceiro gol. Victor falhou numa bola chata e difícil, que terminou nos pés de EquiGonzalez, que descontou . Os jogadores gremistas falaram num toque de mão que confesso não ter visto. O mesmo Victor fez grande defesa no chute longo de Adeílson, no que foi a melhor chance de empate do Fluminense.


Justa vitória. Belo resultado e a classificação muito bem encaminhada.

Jonas está endiabrado. Fez uma baita jogada no primeiro gol, marcou o segundo, e no 2º tempo, jogou como volante.

Adílson correu demais. É um desafogo para o time. Silas sabiamente o elogiou por “tomar conta do meio campo”.

Neuton mais uma vez teve uma atuação discreta e eficiente.

Obviamente, o Grêmio não tem nada que ver com isso, mas os desfalques no Flu ajudaram bastante.

Silas novamente foi feliz no intervalo.

Fraquíssima a arbitragem. Dessa vez deu para passar por cima.

Fotos: Fluminense, Correio do Povo

Fluminense 2 x 3 Grêmio
André Lima 12´
Douglas 19´
Jonas 31´
Douglas 72´
Equi Gonzalez 77´

FLUMINENSE: Rafael; Gum, Digão (Equi González, intervalo) e Leandro Euzébio; Mariano, Diguinho, Everton, Marquinho e Julio Cesar (Adeílson, 21’/2ºT); Wellington Silva (Willians, 21’/2ºT) e André Lima.
Técnico: Muricy Ramalho.

GRÊMIO: Victor; Edilson, Ozeia, Rodrigo e Neuton; Adilson, Willian Magrão (Rafael Marques, intervalo), Douglas e Leandro (Hugo, intervalo); Jonas (Fábio Rochemback , 21’/2ºT) e Borges.

Técnico: Silas.

Copa do Brasil 2010 – Quartas de final – Jogo de ida
Data: 29/04/2010, quinta-feira, 21h30min
Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Público: 21.410 (15.336 pagantes)
Renda: R$ 329.930,00)
Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)
Auxiliares: Alessandro Álvaro Rocha de Matos (FifaBA) e Carlos Berkenbrock (FifaSC)
Cartões amarelos: Everton, Digão, Wellington Silva, Mariano, André Lima e Equi Gonzalez (Fluminense). Edilson, Rodrigo, William Magrão, Borges, Jonas e Douglas (Grêmio).
Cartão vermelho: Rodrigo, aos 45 minutos do primeiro tempo (Grêmio).
Gols: André Lima, aos 12 ; Douglas, aos 19; e Jonas, aos 31 minutos do primeiro tempo. Douglas, aos 27 ; e Equi Gonzalez, aos 32 minutos do segundo tempo.

A primeira no Maracanã

April 29, 2010
1950-gremio-ballejo_maracana
Depois de passada toda a euforia da vitória no Grenal, o momento é de colocar o pé no chão e direcionar o foco para o duelo com o Fluminense.

Será mais um jogo no Marcanã (ontem castigado pela chuva). Alguns falaram da estréia de Neuton no “maior do mundo”. Eu acho que é um momento adequado para voltar a abordar o primeiro jogo do Grêmio no estádio Mário Filho.

Em 2008, fiz um post explicando melhor o contexto daquele Flamengo 1×3 Grêmio, disputado poucos meses após o Maracanazo. Num comentário, o Hassin Nundah, acrescentou a seguinte informação:

 

“Um fato triste, que não foi mencionado: Gita era um craque em ascenção. O ala esquerda do Flamengo, Bigode, o mesmo que “entregou” a Copa de 50, não suportou o “baile” que começava a levar do jogador gremista e quebrou sua perna (era um jogador extremamente violento e desleal). Gita nunca mais voltou a jogar em alto nível. Ainda jogou no Grêmio por algum tempo, tendo marcado o gol da vitória tricolor em um Gre-Nal, em 1952. Acabou voltando para sua terra natal (Uruguaiana) e encerrou sua carreira ( se não me falha a memória) no Sá Viana, após casar-se com a filha de um fazendeiro.”

*

1950-maracana-gremio

Pois bem, fui atrás da reportagem do Jornal do Brasil sobre o jogo, e lá consta o relato do lance referido, bem como críticas a arbitragem e a um gol do Grêmio supostamente mal anulado

Segue abaixo a matéria:

“O “MATCH”FLAMENGO X GRÊMIO PORTOALEGRENSE

VITÓRIA DO “TEAM”GAÚCHO

Realizou-se anteontem no estádio do Maracanã a partida interestadual entre a as equipes do C.R. do Flamengo e a do Grêmio Portoalegrense.

Começado o jogo as duas equipes se equilibraram como que procurando uma conhecer a força da outra. Durante os primeiros 10 minutos ambos jogaram com firmeza, um pouco melhor e mais agressiva a do Flamengo.

Contudo aos poucos os gaúchos os gaúchos foram se firmando no gramado e passaram a desenvolver melhor jogo e foram aumentando a pressão até que Geada, aos 23 minutos abriu a contagem assinalando o 1º goal do Grêmio.

Continuando a jogar melhor os gaúchos assinalam um goal feito por Gita e o juiz anula por impedimento, provocando vaias de protestos. Pouco depois Bigode entra bruscamente em Gita prostrando-o (?) gravemente contundido. O jogador gaúcho foi retirado de campo para não mais voltar.

Aos 40 minutos Hermes, de cabeça, assinala o início tento do Flamengo. Dois minutos mais tarde Juvenal segura a pelota com a mão na área fatal ordenando o juiz correspondente “penalty kick” que Clory bateu para conquistar o segundo goal do Grêmio.

O jogo termina logo após com a contagem de 2×1 a favor do Grêmio.

Recomeçada a peleja depois do descanso de praxe, os do Flamengo apresentaram melhoria e procuraram o empate sem resultado positivo. Os rapazes do Grêmio se defendem bem e em pouco tempo voltaram a se movimentar melhor que seus contendores.

O jogo caminhava para o seu término e quando se supunha que o marcador não mais seria movimentado, Balejo aninhou a pelota nas redes do Flamengo, registrando o 3 º e último ponto do Grêmio.

E com justa vitória do quadro visitante terminou o jogo com o score de 3×1.

O juiz foi Mr.Dykes cuja atuação deixou a desejar.

Os dois quadros disputantes foram os seguintes:

Grêmio – Sergio, Clarel e Jonhy; Hugo, Sarará e Heitor; Balejo, Gita (Clory e depois Dirceu) Geada, Pedrinho e Gorrion.

Flamengo – Claudio (Garcia); Gago (Osvaldo) e Juvenal; Nélio, Dequinha e Bigode; Harry, Hermes, Washington, Helio e Esquerdinha.”

Da imagem do jornal, fiquei com alguma dificuldade de decifrar qual seria a palavra entre “Gita” e “gravemente”.

Ainda, achei sensacional a descrição do terceiro gol, mencionado que “Balejo ANINHOU a pelota nas redes do Flamengo”. Talvez eu passe a usar esse termo aqui no blog.

* em 20 de julho de 2010 o leitor Rodrigo Núñez de Nunes fez o seguinte comentário:

Obrigado pela menção que fez ao meu avô.

A história do Gita está correta até a parte que fala que ele marcou o gol da vitória contra o Internacional em um gre-nal em 52. Mas a sua terra natal não é Uruguaiana e sim Arroio Grande**, mas antes de voltar para Arroio Grande, encerrou sua carreira no G. E. Brasil (time da cidade de Pelotas-RS). E ele casou-se com Heloísa das Nevez Núñez, filha de um sapateiro.

Mesmo assim, obrigado!

** aí vai um link do ginásio municipal de Arroio Grande, que foi batizado com o nome pelo qual ele era popularmente chamado

gremio-no-maracana-1950-cpia1950-maracana-gremio2
Flamengo x Grêmio no Maracanã (1950)
Fonte: JulioSteffen9.com

1950-gremio-flamengo-diario-de-noticias-b

Gremista do Mês – Março de 2010

April 28, 2010

Confira no link abaixo quem o BloGrêmio escolheu como o Gremista do Mês de Março de 2010:
O que acharam da escolha?

Chuteiras Coloridas & Numeração fixa

April 27, 2010
Na Revista da ESPN, o PVC fez um artigo bem interessante sobre chuteiras coloridas e numeração fixa, lembrando de diversas histórias e peculiaridades sobre o tema, afirmando que “essas informações distinguem os jogadores e são justamente as que serão lembradas pelas futuras gerações de loucos por futebol

Me parece que o PVC tocou num ponto importante, na maneira em que esses detalhes facilitam a identificação e diferenciação dos jogadores pelos torcedores.

Quem não se lembra (com alguma dor é verdade) das chuteiras coloridas de Viola nas finais da Copa do Brasil de 1995? Ou de Amato e suas chuteiras brancas?

Quanto aos números, a mítica 16 do Jardel virou um paradigma dentro do Olímpico.

Pessoalmente eu tenho algumas reservas em relação as cores das chuteiras usadas por alguns atletas, mas obviamente me parece que é uma decisão que cabe ao jogador. Desde 2007 eu venho tentando fazer uma lista de qual modelo cada jogador gremista usa. (Esse ano ainda farei o mesmo) As preferências dos atletas do Grêmio também foram abordadas em algumas matérias do Clube da Bolinha e do Globo Esporte.

Quanto aos números, sinceramente eu não consigo entender por que o Clube resiste ou demora tanto a adotar a numeração fixa, já que o próprio departamento de marketing do clube considera uma boa idéia. Salvo um curto espaço de tempo, no brasileirão 2008, os números fixos e os nomes nas camisas só são adotados quando o regulamento da competição obriga.

Gauchão – Internacional 0 x 2 Grêmio

April 25, 2010

Depois de uma semana grenal agitada (onde os resultados de quarta e quinta acarretaram uma inversão no ânimo das torcidas), os dois times foram a campo com desfalques e esquemas parecidos. Ambos num 4-4-2 clássico, com dois meias e dois volantes. Fossatti poupou Kléber, improvisando Juan na lateral esquerda. Silas, sem Douglas e Fábio Santos, promoveu a estréia de Neuton como lateral esquerdo.

O jogo, como não poderia deixar de ser, começou pegado, mas ainda assim leal. O Inter não adentrava a área dum Grêmio bem postado, que começou mais lúcido, colocando a bola no chão e fazendo-a rodar. A jogada pela direita, com Edílson e Leandro fluía. O tricolor teve duas grandes chances de abrir o placar, em erros de linha de impedimento colorada. Aos 16, Borges tirou de Abbondanzieri, mas a bola passou ao lado da trave. Aos 20, Jonas cortou dois adversários na área, mas chutou fraco. Entre esse dois lances, o Inter teve boa chance também, quando Edílson salvou em cima da linha a conclusão colorada, surgida após cobrança de escanteio (que por sua vez nasceu de uma grande defesa de Victor na bomba de Walter). Na segunda metade do primeiro tempo o Inter melhorou, passando a ter mais a posse de bola, jogando no campo de ataque. Contudo, as conclusões só saiam de fora da área, como no chute de Sandro, que beliscou o travessão.

O intervalo foi bom para o Grêmio, Silas adiantou a marcação do meio-campo e a mudança trouxe resultado, o time voltou a ter a posse de bola e a incomodar o goleiro adversário. Aos 4, Neuton foi ao fundo, cruzou rasteiro e Leandro quase marcou de carrinho. Aos 10, Jonas foi pra cima do seu adversário e chutou na trave. O domínio era do Grêmio, que só se via ameaçado nos chutes de Walter (aos 14 Victor fez mais uma bonita defesa). Fossati tentou reagir, colocando Giuliano no lugar de Andrézinho, mas o Grêmio seguiu melhor. Aos 18, Jonas desviou a falta cobrada por Edílson, mas bola novamente parou na trave. Contudo, o gol saiu aos 22: Edílson cobrou o escanteio na área e Rodrigo subiu entre Sandro e Sorondo para abrir o placar.
Em prejuízo no placar, o Inter tratou de correr atrás do empate. Alecsandro cabeceou com perigo aos 29. Fossati tentou o 4-3-3 (Edu no lugar de Sandro), mas o Grêmio seguiu sólido na defesa. Silas reagiu com Rochemback no lugar de Leandro (que havia sido derrubado da maca pouco antes, causando uma interrupção do jogo). Aos 36, foi a vez de William Magrão concluir na trave. O Inter continuou tentando, partindo para um desesperado 4-2-4 com a entrada de Kléber Pereira, na tentativa de forçar a bola área. O antídoto de Silas fo o ingresso de Ozéia, o que deixou o Grêmio num 5-3-2. Aos 42, Rochemback cruzou com força, e Borges entrou livre para cabecear para o fundo das redes, decretando o 2×0 final.

Um merecido e importante resultado. Na soma dos 90 minutos o Grêmio foi superior, sendo mais feliz na sua proposta de jogo. Foi dado um grande passo rumo ao título.
Neuton entrou numa fogueira e correspondeu. Certamente foi O personagem do jogo.
Na minha opinião, o melhor em campo foi Rodrigo. Jogou demais. Muito cancheiro. O único senão foi a confusão que ele provocou, e que lhe rendeu um cartão bobo ainda no primeiro tempo.

Ao contrário do que tinha acontecido nos últimos jogos, Adílson entrou muito bem no jogo. Foi fundamental na tarefa de adiantar a marcação.

Não acho que tenha sido uma maravilha, mas Hugo fez uma atuação um pouco mais condizente com o seu passado.
Edílson foi bem na bola parada. Eu tenho alguma dificuldade em entender por que ele demora tanto a agir nos lances com a bola rolando.

Não gostei de Mário Fernandes hoje. Foi vencido por Walter em diversas oportunidades. Ainda cometeu uma falta perigosa (desperdiçada por Andrézinho) ao não simplificar uma jogada. Aparentemente o ombro ainda o incomoda. Mas ainda tem muito crédito com a torcida

Walter foi o grande destaque colorado, só não teve uma tarde mais feliz em função das grandes defesas de Victor.
O lance dos maqueiros só não foi mais varzeano do que a falta de bolas.

Boa arbitragem de Gaciba. Talvez tenha demorado para mostrar o amarelo para Guiñazu e se esquecido de advertir Nei.
Silas teve o mérito de corrigir as deficiências do time sem alterar o esquema de jogo. Eu era um dos que pregava um time mais fechado para esse primeiro jogo.

Fotos: ClicRBS, UOL, Correio do Povo

Internacional 0 x 2 Grêmio
Rodrigo 67´
Borges 87´

INTERNACIONAL: Abbondanzieri; Nei, Bolívar, Sorondo e Juan; Sandro (Edu, 31 do 2º), Andrezinho (Giuliano, 17 do 2º), Guiñazu e D´Alessandro (Kleber Pereira, 39 do 2º); Walter e Alecsandro.
Técnico: Jorge Fossati.

GRÊMIO: Victor; Edilson, Mario Fernandes, Rodrigo e Niuton; Ferdinando (Adilson, intervalo), William Magrão, Leandro (Fábio Rochemback, 33 do 2º) e Hugo (Ozéia, 40 do 2º); Borges e Jonas.
Técnico: Silas.


Campeonato Gaúcho 2010 – Final – Jogo de Ida
Data: 25 de abril de 2010, domingo, 16h00min
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre.
Público: 38.418 (34.744 pagantes)
Renda: R$ 782.150,00.
Arbitragem: Leonardo Gaciba
Auxiliares: Altemir Hausmann e José Otávio Bittencourt.
C. Amarelos: Alecsandro, Guiñazu, Bolívar e Juan; Rodrigo, Neuton, Leandro, Victor
Gols : Rodrigo (G), aos 22, e Borges (G), aos 42 minutos do 2º tempo.

Programa do Vidarte – 23 de abril de 2010

April 24, 2010
Ontem a noite, estive no programa do Vidarte, na Rádio Pampa. Lá também estavam a Roberta (do Núcleo das mulheres gremistas), o Marcelo Maineri (Conselheiro do Grêmio – Membro do MGI) ,Silvio Oliveira (ex-árbitro e atual agente Fifa), Jose Vecchio Filho (Conselheiro do Inter e Presidente do Jockey Club do RGS) e Rudimar Gracioli (Conselheiro do Inter).
Eu nunca tinha estado em um estúdio de rádio antes. Achei a experiência extremamente válida. Obviamente devo ter dito alguma besteira, mas tentei demonstrar minha preocupação com o momento do Grêmio e a montagem da equipe para o primeiro Grenal, aonde eu espero que o time ao menos consiga um resultado reversível.
É importante dizer que o Ricardo Vidarte é gente finíssima. Deixa todo mundo a vontade no debate. Achei muito interessante quando ele criticou a imprensa por trabalhar com suposições, condicionais e generalizações, e quando fez uma auto-crítica por revelar valores dos salários dos atletas.

Copa do Brasil 2010 – Avaí 3 x 2 Grêmio

April 22, 2010

Contra a “guerra” prometida pelo Avaí o Grêmio tinha uma grande arma: O resultado feito no primeiro jogo. Contudo, a equipe tricolor foi pouco inteligente e não soube jogar com a vantagem a seu favor. De todos os “pecados” possíveis, o único que o Grêmio não cometeu foi o de ter pressa para jogar. De resto, fez tudo o que não deveria. O time não segurou jogou no campo de ataque, não valorizou a posse de bola, trazendo o adversário para perto do gol e (assim como no Olímpico) dando diversas oportunidades para o Avaí levantar a bola na área. O ataque do Grêmio foi pouco acionado e o goleiro Zé Carlos pouco partcipou do jogo; Já Victor fez um par de grandes defesas e uma série de outras intervenções. Aos 44 minutos, quando já parecia que a má atuação do Grêmio no primeiro tempo sairia impune, surgiu o castigo. Jogada ensaiada no escanteio e Roberto abriu o placar de cabeça
Houve uma melhora no segundo tempo (até porque parecia impossível piorar), o time adiantou a marcação e passou a morder mais, resultando em chances criadas. Aos seis, Jonas marcou de cabeça após escanteio, mas Héber marcou uma discutível falta do avante gremista. 4 minutos mais tarde, novo escanteio, Rodrigo chutou no travessão, Jonas apanhou o rebote e chutou forte para empatar o jogo. O Avaí sentiu o golpe e parecia que o Grêmio teria um resto de jogo tranquilo. Borges teve boa chance ao concluir de voleio, e o time teve alguns bons minutos de intensa vibração, mas logo se acomodou e voltaram as complicações. Aos 27, Roberto passou por Edílson com imensa facilidade e cruzou para Laércio marcar o 2×1. A resposta até que foi rápida. Aos 32, Borges sofreu falta na intermediária e Rochemback acertou um tirambaço na cobrança. O novo empate gremista mais uma vez deu uma falsa e curta sensação de tranquilidade. Já aos 34, Mario Fernandes salvou uma bola em cima da linha. O jogo tomou ares de pelada, com o Avaí sempre rondando a área do Grêmio. A jogada de 1-2 nas costas de Fábio Santos se repetia, mas a pressão só foi dar resultado nos descontos, quando Laércio recebeu sozinho e tocou na saída de Victor.

Uma atuação pavorosa. É assustador perceber como o Grêmio não soube administrar a sua vantagem. A definição do confronto, que já para ter sido encaminhada no Olímpico, foi sempre sendo procrastinada.
Se o Grêmio não souber tirar lições deste duelo, de nada adiantará a classificação. Uma atuação desse nível contra um adversário um pouco mais qualificado pode ter conseqüências desastrosas
São poucos jogadores que “se salvaram” ontem. Destacar Victor é uma obviedade. Rodrigo mais uma vez mostrou seriedade e Ferdinando teve uma atuação importante, especialmente no primeiro tempo.
Já os laterais mais uma vez foram envolvidos defensivamente. Acho que Edílson deve uma explicacão sobre o que aconteceu no segundo gol avaiano.
No início do jogo o juiz deixou de dar um escanteio para o Grêmio. Não vi ninguém falando disso. Héber deu amarelo para Victor, por cera, ainda no primeiro tempo. Quanta diferença no tratamento que o mesmo Heber dispensou para Rogério Ceni no Olímpico.

No vestiário a fala mais lúcida foi a de Meira.

Willliam Magrão novamente não se achou em campo. O que em parte se explica pela baixíssima participação defensiva de Leandro e Douglas. Ainda, quero acreditar que o insuficiente rendimento de Leandro não tenha como causa o comportamento sugerido por esse boato.
Muito bonita a festa da torcida tricolor. Mas me parece que a RBS se passou na colocação dos microfones. Lembrou vagamente o expediente usado pelo Globo em jogos do Corinthians.

Fotos: Correio do Povo e ClicRBS

Avaí 3 x 2 Grêmio
Roberto 44´
Jonas 54´
Laércio 72´
Rochemback 77´
Laércio 93´

AVAÍ: Zé Carlos; Emerson Nunes (Patric 35 do 2º), Rafael, Emerson e Uendel; Marcinho Guerreiro, Batista, Davi (Medina) e Robinho; Cristian (Laércio) e Roberto.
Técnico: Péricles Chamusca.

GRÊMIO: Victor; Edilson, Mário, Rodrigo e Fábio Santos; Ferdinando, Willian Magrão (Rochemback 19 do 2º), Leandro (Adilson 22 do 2º) e Douglas; Jonas (Hugo 34 do 2º) e Borges.
Técnico: Silas.

Copa do Brasil – oitavas de final, jogo de volta
Data: 21/04/2010, quarta-feira, 21h50min.
Local: Estádio da Ressacada, Florianópolis (SC).
Público: 11.856
Renda: R$ 139.305,00
Arbitragem: Heber Roberto Lopes (Fifa – SC),
Auxilires: Ivan Carlos Bohn e Bruno Boschilia (trio do Paraná).
Cartões amarelos: Medina, Marcinho Guerreiro (Avaí); W. Magrão, Victor, F. Santos, Rodrigo (Grêmio).
Gols: Roberto, aos 44min do 1º tempo; Jonas, aos 9, e Laércio, aos 27, Rochemback aos 32 e Laércio aos 48 minutos do 2º tempo (Avaí).

Gauchão – 2° Turno – Fase Final

April 19, 2010

O Sul, 12 de abril de 2010

Ainda Grêmio e Avaí

April 18, 2010
Inicialmente, por mais óbvio que seja, sou obrigado a reiterar que a arbitragem errou ao marcar o escanteio que resultou no primeiro gol do Grêmio e que acho que o juiz estragou o jogo ao expulsar Caio (muito embora não possa considerar isto um erro).

Contudo, me parece que o tratamento dado a esse lance saiu totalmente de proporção. Até o professor Ruy, que não é dado a falar de arbitragem (jogo do campo X jogo da TV?) se pôs a escrever sobre isso.

No post do jogo anunciei que estava curioso para ver como a “nossa” imprensa trataria da expulsão e lembrei do caso do Tcheco em 2007, já prevendo a incoerência. Mas confesso que fiquei supreendido com a tese surreal de que foi Silas o responsável pela expulsão do jogador do Avaí. Pouco menos de uma semana antes, na expulsão de Douglas, a súmula do jogo era a verdade incontestável. Dessa vez sequer foi consultada. Silas teve que se explicar, para ser “inocentando” em relação à algo que nunca fez.

Também achei estranho essa postura de ir perguntar no Olímpico sobre a arbitragem. Estranho pelo ineditisimo da coisa. Isso sempre aconteceu e só vão questionar o Grêmio? Também me supreendi com o fato de Duda Kroeff ter se dignado a responder esse tipo de indagação (ainda que tenha feito de forma inteligente e bem humorada).

Eu acho extremamente válido que se discuta a arbitragem, mas não posso compactuar com quem faz isso em parte, ou só quando lhe convém (Ex: Grenal do 2º turno do Brasileirão 2009)

No jogo em questão, por que não falar de todos os lances? Por que só os erros que beneficiaram o Grêmio são lembrados?

Fui atrás das imagens da partida e enfrentei uma verdadeira gincana. Tentei de várias formas, mas só consegui obter os vídeos de determinados lances da partida da forma mais tosca e rudimentar possível. Já peço desculpas pela má qualidade do material, mas creio que o mesmo atinge a sua finalidade, ainda que porcamente. (De qualquer forma, solicitei a TV Grêmio o VT do jogo, e se alguém disponibilizar um vídeo de melhor qualidade eu prontamente o coloco no lugar desses daqui).

O primeiro vídeo é de um lance que foi descrito somente no minuto a minuto do Correio do Povo:

“10min – Leandro cruza na área e reclama de pênalti, pois a bola bateu na mão de emerson Nunes, do Avaí”

O site do jornal equivoca-se ao falar em pênalti. A falta, que existiu, foi fora da área. Leandro reclamou com o mesmo bandeirinha que minutos mais tarde faria a trapalhada no elástico de Douglas.

O próximo vídeo é um lance muito bem lembrado pelo Tiago Russel do Grêmio Libertador:

“Logo no início do segundo tempo, como que pra compensar o erro ABSURDO do seu bandeira, o seu juiz inverteu um lateral e, na sequência da jogada, um escanteio contra o Grêmio.”

É verdade que o lance, ocorrido por volta dos 8 minutos do segundo tempo, não é facil, mas reparem o descontentamento de Mário Fernandes com a marcação.

O terceiro lance é um que foi descrito pelo Rodrido Rodrigues num comentário aqui no blog:

“O gol do Grêmio resultou de um escanteio assinalado erroneamente. No 2º tempo, o Avaí cobrou escanteio da mesma forma, mas não fez gol. Essa é a diferença. Não estou querendo justifcar o erro”

Este lance aconteceu aos 44 minutos do segundo tempo. Notem como todos os jogadores já se posicionavam para a cobrança do tiro de meta quando o juiz invereteu a marcação.

Enfim, não se trata de querer justificar, desculpar os erros de arbitragem. O fato é que ela errou para os dois lados (o que a torna ainda a pior).

Me assuta um pouco a proporção que esse lance do escanteio tomou. E acho estranho que o critério usado para escolher os lances a serem discutidos seja o da conveniência.

Copa do Brasil – Grêmio 3 x 1 Avaí

April 15, 2010

O começo de partida do Grêmio foi animador, jogava uma partida de mata-mata, no abafa, com intensidade no campo do adversário. Gol, que teve como origem um escanteio mal marcado, já era merecido quando Jonas abriu o placar aos 18 minutos. Dez minutos depois, Borges apresentou seu cartão de visitas, girando em cima do zagueiro para chutar rasteiro marcar o 2×0. Contudo, apesar do bom futebol apresentado, já na primeira etapa o Grêmio dava mostras que não sabia jogar com a vantagem numérica, insistindo em afunilar o jogo pelo meio e tentando chutes de longa distância, em detrimento da valorização da posse de bola.

O Grêmio caiu muito no segundo tempo. O previsível cansaço de Borges e Leandro ajuda a explicar. Silas fez bem em tirar o já advertido Ferdinando, mas Adílson entrou mal no jogo. Mesmo assim, a queda de produção não se justifica. Em nenhum momento transparecia que o Grêmio tinha um jogador a mais em campo. A jogada de William Magrão, que resultou no gol de Jonas, foi uma das poucas coisas boas que aconteceram. Douglas centralizou demais o jogo, no que ficou faltando aproximação dos companheiros. Avaí descontou com Robinho, numa jogada onde a defesa gremista permitiu o avanço e progresso de Emerson Nunes. E o jogo que poderia terminar bem, acabou com time do Grêmio dando bico pra tudo que é lado e se escapando de levar o segundo gol.

No “total” da partida o Grêmio foi superior ao Avaí (especialmente quando jogavam 11 contra 11) e assim mereceu a vitória. Mas entendo que um torcedor do Avaí ache uma canalhice essa análise, a partida foi estragada pela arbitragem. Sobre o sentimento em relação ao erro, o Snel do Grêmio Libertador foi muito feliz no seu post.

Um jogador expulso por reclamação em relação a um escanteio. Me lembra Grêmio e Atlético Paranaense em 2007. Será que o tratamento será o mesmo?

Acho engraçado que alguns jornalistas só falem de arbitragem agora. Como curiosidade, tentem achar alguma referência a Grêmio X Pelotas no Twitter deste cidadão.

Minutos antes de se equivocar na marcação do escanteio, o bandeira Marconi Vieira se omitiu no toque de mão do defensor do Avaí e ficou discutindo o lance com Leandro.

No primeiro tempo, o Grêmio deu ao Avai 5 oportunidades (faltas e escanteio) de levantar bola na sua área.No segundo tempo, mesmo vencendo por boa margem o Grêmio tomou dois contra-ataques que só terminaram em carrinhos salvadores dos defensores.

Depois de duas partidas muito fracas, Fábio Santos voltou a ter uma atuação condizente com a camisa 6 tricolor.

A arbitragem do jogo de ontem não deve ter sido um presente de Ricardo Teixeira para Fábio Koff. Grêmio deve (ou deveria) redobrar os cuidados para o jogo da Ressacada.

Público decepcionante. Será que a direção deveria fazer alguma campanha pra chamar o torcedor ao Olímpico?

Fotos: ClicRBS, Terra e UOL

Grêmio 3 x 1 Avaí
Jonas 18′

Borges 28′
Jonas 55′
Robinho 57′

GRÊMIO: Victor; Edílson (Ozeia), Mário Fernandes, Rodrigo e Fábio Santos; Ferdinando (Adilson, intervalo), Willian Magrão; Leandro (Mithyuê) e Douglas; Jonas e Borges
Técnico: Silas

AVAÍ: Zé Carlos; Gabriel, Rafael e Emerson Nunes; Patric, Marcinho Guerreiro, Caio, Batista, Sávio (Roberto) e Uendel; Vandinho (Robson).
Técnico: Péricles Chamusca

Copa do Brasil 2010 – Oitavas de final – Jogo de ida
Data: 14 de abril de 2010, quarta-feira, 21h50min
Local: estádio Olímpico, Porto Alegre (RS)
Público total: 16.628
Renda: R$ 187.128,00
Árbitro: Alício Pena Júnior (MG)
Auxiliares: Marconi Helbert Vieira e Marcus Vinícius Gomes
Cartões amarelos: Marcinho Guerreiro, Vandinho, Batista (A), Ferdinando, Edilson, Willian Magrão (G)
Gols: Jonas , aos 18 e Borges , aos 28 minutos do primeiro tempo. Jonas , aos 10 e Robinho , aos 12 minutos do segundo tempo