Archive for May, 2010

Taça Brasil 1963 – Grêmio 1 x 3 Santos

May 17, 2010

Em janeiro de 1964, Grêmio e Santos jogaram pelas semifinais da Taça Brasil de 1963. O Grêmio havia passado pelo Metropol (1×1 no Olímpico, 2×0 em Cricíuma) e pelo Atlético-MG (1×1 no Independência e 2×1 no Olímpico).

Os paulistas, assim como os cariocas, entravam direto nas semifinais.

Neste post está o material que coletei sobre o jogo de ida, disputado no Estádio Olímpico.

É interessante verificar a discrepância nos relatos dos jornais. Áureo foi elogiado pelo Correio do Povo, e criticado pelo Jornal do Brasil. Da mesma forma, a questão da organização do jogo foi vista de forma distinta pelos jornais.

GRÊMIO: Alberto; Valério, Airton, Aureo e Ortunho; Cleo e Milton; Marino (Madureira), Joãozinho, Paulo Lumumba e Vieira.

Técnico: Froner
SANTOS: Gilmar; Dalmo, João Carlos e Geraldino; Haroldo e Zito; Dorval, Lima, Coutinho, Pelé e Batista.
Técnico: Lula.

Data: 16 de janeiro de 1964, quinta-feira.
Local: Estádio Olímpico – Porto Alegre (RS)
Renda: Cr$ 21.357.000,00
Público: 45.000
Juiz: Eunápio de Queiros
Gols: Paulo Lumumba 6′, Coutinho 25′, Coutinho 70′ e Pelé 76′

“[…] O elemento que mais impressionou no Grêmio foi Paulo Souza no ataque. Seu trabalho agradou sempre. Deslocou-se bem e acompanhou todos os movimentos da dianteira do Grêmio,a a bem da verdade, não andou como se esperava […]

[…] O grande valor do Grêmio foi Aureo, que na noite de ontem deixou para traz Aírton, em muitos pontos. Foi mais seguro e mais positivo, apesar da apresentação dos demais. […]”

“A renda de Cr$ 21.357 mil quebra quase pelo dobro o recorde gaúcho, com 45 mil pessoas presentes”

“[…] Haroldo salvou atabalhoadamente, para, aos seis minutos, Vieira fazer excelente jogada, driblando dois defensores do Santos e lançando Paulo Souza em profundidade, para este marcar 1 a 0, num chute violento e cruzado, de baixo para cima, sem dar oportunidade ao goleiro Gilmar.”

[…] O movimento em Porto Alegre surgido com a realização do jogo Santos X Grêmio foi sem precedentes, chegando a causar, a exploração de cambistas, reclamações no plenário da Câmara Municipal, onde diversos vereadores protestaram contra a falta de combate aos aproveitadores que estavam cobrando Cr$ 500,00 por uma geral, diante da omissão total das autoridades. Três mil cadeiras especiais numeradas foram colocadas na pista e, como todas as demais localidades, integralmente vendidas.”


“O melhor lance do jogo nasceu com Coutinho, que deu um lençol em Áureo e empurrou para Pelé, que cobriu a Aírton e voltou de cabeça a Coutinho. O mesmo feitio de jogada foi feito até dentro da área gaúcha, mas faltou equilíbrio e só restaram os aplausos do público.”

O gol do Grêmio

Alberto Vs. Coutinho

“Realizando um total de 58 ataques durante a partida de quinta-feira, o Santos F.C. realmente esteve mais com a bola, mas atirou menos ao gol que o tricolor […]”

“[…]O Grêmio, no primeiro tempo realizou 25 avançadas, desviou 3 bolas e acertou 4 vezes o arco. Obteve 1 gol. No segundo tempo, conduziu 28 ataques, desviou 5 bolas e acertou três na meta, exigindo defesas de Gilmar”


“As cadeiras colocadas no gramado tiveram garantia completa e o público correspondeu plenamente as solicitações da Polícia, pois tudo correu bem, sem nenhuma nota dissonante. O serviço de copa andou bem e o povo não usou foguetes e rojões, para dar expansão às suas alegrias”

—————————————————————————————————-
Fontes: Correio do Povo, Folha da Tarde e Jornal do Brasil

Brasileirão – Grêmio 1 x 2 Corinthians

May 17, 2010

O Grêmio repetiu poucas coisas em relação a quarta passada. Infelizmente uma delas foi levar cedo um gol de escanteio. 5 minutos após o início da partida, Ralf subiu com alguma liberdade e abriu o placar. A vantagem no placar facilitou o trabalho do Corinthians, que soube jogar com essa vantagem. Mano Menezes postou seu time no já habitual 4-5-1, impondo dificuldade ao trancar a passagem dos laterais gremistas. O Grêmio estava um pouco confuso em campo. Mesmo com vários canhotos no time, era o destro Leandro que ocupava a ponta esquerda. O time se ressentia de uma maior presença dentro da área (Bergson não era capaz de exercer tal função). A melhor, para não dizer única, chance do Grêmio ocorreu aos 28, quando Leandro concluiu fraco e Felipe salvou em cima da linha.
No segundo tempo, o Grêmio voltou com Jonas no ataque. Houve uma visível melhora. Com um minuto, o chute de Leandro passou perto. Aos 15, Hugo cabeceou com perigo. Mas aos poucos a pressão virou desespero, e Corinthians se mostrou mais sereno em campo. Aos 20, Dentinho fez boa jogada pela esquerda, Collaço se atrapalhou ao tentar salvar e Souza aumentou o escore. Silas tentou sua última cartada com Maylson, sacando Hugo. Minutos depois, o meia recebeu de Jonas e chutou cruzado, vencendo Felipe. O Grêmio ensaiou um abafa no final, mas os erros deixaram o time longe de ameaçar concretamente o gol corinthiano.

Tá certo que, neste momento, a Copa do Brasil é prioridade, mas achei o vestiário gremista muito resignado com o resultado.
Rodrigo não deveria ter entrado em campo hoje? Mário deveria ter sido poupado?
William Magrão fez uma partida interessante como zagueiro-central.
Bergson não “se ajudou” e nem foi “ajudado”. Essa história de ir até a linha de fundo atrás do lateral é descabida para um camisa 9.
Muito legal o novo placar eletrônico, mas sigo achando o local inadequado.

Grêmio 1 x 2 Corinthians
 

 

GRÊMIO: Victor; Joílson, Mário Fernandes (Fernando) , Rafael Marques e Bruno Collaço; Fábio Rochemback, William Magrão, Hugo (Maylson) e Douglas (Jonas); Leandro e Bergson

 

 

Técnico: Silas
 

 

CORINTHIANS: Felipe; Alessandro, Chicão, William e Roberto Carlos; Ralf, Jucilei e Elias; Dentinho (Iarley), Jorge Henrique (Danilo) e Souza (Paulinho)

 

 

Técnico: Mano Menezes
 

 

2ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2010

 


Data: 16/05/2010, domingo,16h00min

 


Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS)

 


Público: 17.119 (14.730 pagantes)

 


Renda: R$ 284.483,50

 


Árbitro: Elmo Alves Rezende

 


Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva e Cristhian Passos Sorence (GO)

 


Cartões amarelos: Jorge Henrique (C), Leandro (C), Dentinho (C), Douglas (G), Willian Magrão (G)

 


Gols: Ralf (Corinthians) aos 5 minutos do primeiro tempo; Souza (Corinthians) aos 19 do segundo tempo; Maylson (Grêmio) aos 29 minutos do segundo tempo;

 

 

Copa do Brasil – Grêmio 4 X 3 Santos

May 13, 2010

Um jogo há muito esperado. Santos sem Neymar, o Grêmio sem um lateral esquerdo. Silas tentou um 3-5-2, que não deu certo. O tricolor até ensaiou um abafa, adiantando a marcação, mas errou demais e os problemas ficaram evidentes. Aos 15, em discutido escanteio, Marquinhos cobrou com efeito, Victor saiu em falso e a bola achou André livre para abrir o marcador. Falha do arqueiro e da zaga gremista. 5 minutos mais tarde, o Grêmio teria um contra-ataque, mas Douglas dormiu no ponto e o Santos pegou a defesa gremista aberta, em jogada que terminou em novo conclusão de André.

Com o 2×0 contra, Silas voltou ao 4-4-2, passando Edílson para a lateral-esquerda e Mário para a direita. A melhora foi visível. Aos 22, em jogada de falta ensaiada, Edílson chutou, Felipe largou, mas Borges demorou um pouco para pegar o rebote, e sua conclusão saiu caprichosamente torta. No minuto seguinte , William Magrão deu uma arrancada espetacular e não fosse a falta cometida por Durval só pararia dentro do gol. Jonas bateu muito mal o pênalti, no meio do gol, facilitando a defesa de Felipe. O time e o estádio sentiu o mau momento, mas havia espaço para uma reação. Aos 28, em boa combinação, Jonas deixou de calcanhar para Adílson, mas novamente Felipe fez boa defesa. Aos 33, Ganso saiu na cara do Victor, e tocou por cobertura, mas a bola parou no travessão. Aos 36, Borges mandou de voleio, após belo passe de Hugo, mas Felipe fez sua melhor defesa da noite. O primeiro tempo acabava igual em chances, mas brutalmente desigual no placar.

No segundo tempo o Grêmio adiantou sua linha defensiva e passou a jogar no campo do Santos. Aos 11, Borges aproveitou-se do erro Edu Dracena e descontou. Aos 15, Rodrigo Mancha cometeu pênalti, não marcado, e na sequência Hugo cabeceou com perigo. Aos 18, Adílson desarmou Mancha, Douglas puxou contra-ataque e abriu para Jonas na direita, de lá saiu o cruzamento rasteiro que terminou no gol de empate, marcado por Borges. Dorival Jr. tentou corrigir a mudança equivocada, sacando Mancha, mas aos 22, Jonas aninhou um pombo se asa nas redes do Santos. Depois da virada, Silas sacou os já cansados Mário e Magrão, colocando Rochemback e Joílson em campo. Aos 31, Borges recebeu em condição legal e chutou cruzado, alcançado o seu “hat-trick” e marcando o quarto do Grêmio. Mesmo com tudo o que aconteceu, o jogo seguia aberto e corrido, e aos 37, Ganso achou Robinho livre dentro da área, que por sua vez conclui sem chance para Victor, anotando o 4 x 3 final.

O terceiro gol do Santos incomoda bastante, mas não tira o brilho da grande virada do Grêmio. Foram 4 gols em pouco menos de 20 minutos.

A vantagem é mínima, mas não pode ser desprezada.

O Grêmio errou demais no primeiro tempo. Tanto defensivamente, como no desperdício no ataque.

Não acho que Jonas seja o jogador mais recomendado para bater pênalti, mas Silas o confirmou como batedor.
Confesso que fiquei surpreendido pela grande partida de Wesley.

Ganso mostrou qualidade, e fez um grande duelo com Adílson, que novamente foi um leão em campo.

Eu alertava para a questão da arbitragem. Sandro Meira Ricci deixou de dar um pênalti claro no toque de Rodrigo Mancha, aos 15 do 2º tempo (mais um lance excluído dos melhores momentos). No pênalti marcado, deixou de expulsar Durval, que acabou “com uma oportunidade clara de gol de um adversário, que se movimenta em direção à meta adversária”. Ainda, bastante revelador da parcialidade do apito, era o tipo de contato que permitia dos zagueiros santistas em Borges comparado com a proteção que dava a Ganso & Cia.

Fotos: Correio do Povo (Cristiano Estrela), UOL (Neco Varella), ClicRBS (Valdir Friolin e Diego Vara), Terra (Fabio Berriel)

Grêmio 4 X 3 Santos

GRÊMIO: Victor; Ozeia, Rodrigo e Mário Fernandes (Joílson 27 do 2º); Edílson, Adílson, Willian Magrão (Fábio Rochemback 26 do 2º), Douglas (Maylson 42 do 2º) e Hugo; Jonas e Borges.
Técnico: Silas


SANTOS: Felipe; Pará, Edu Dracena, Durval e Léo (Maranhão 36 do 2º); Arouca, Marquinhos (Rodrigo Mancha 11 do 2º, depois Rodriguinho 20 do 2º), Wesley e Paulo Henrique Ganso; Robinho e André.
Técnico: Dorival Jr.


Copa do Brasil 2010 – Semifinal – Jogo de Ida
Data: 12/05/2010, quarta-feira, 21h50min
Local: estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS)
Público: 38.475 torcedores
Renda: R$ 819.403,50

Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Enio Pereira de Carvalho (DF)
Cartões amarelos: Rodrigo, Ozeia, Hugo, Adílson, Edílson (Grêmio), Durval, Robinho, Marquinhos, Léo, Arouca (Santos)
Gols: André (Santos), aos 15min e 20min do primeiro tempo; Borges (Grêmio) aos 12min, 18min e 31min, Jonas (Grêmio) aos 22min e Robinho aos 38min do segundo tempo

1967 – Torneio Roberto Gomes Pedrosa – Grêmio 1 x 1 Santos

May 11, 2010
fonte: http://www.panoramio.com/photo/22871204

 

Em 12 de março de 1967, válido pela 3ª Rodada do Robertão daquele ano.

Gol de Pelé, pelo Santos; e Alcindo, pelo Grêmio.

O tricolor chegou até o quadrangular final da competição. O Peixe acabou em 6º.

Fonte: Jornal do Brasil

Brasileirão – Atlético Goianiense 0 X 0 Grêmio

May 9, 2010

Um jogo longo e entediante no início de um campeonato longo e entediante. Os dois times mistos, pensando na Copa do Brasil, se perdiam na imensidão do Serra Dourada. Como visitante, o Grêmio foi mais feliz e eficaz na sua proposta de jogo, conseguindo controlar bem a partida, esbarrando na inoperância do seu setor de ataque (Bergson e Mithyuê faziam partida pouco inspirada). A melhor chance gremista ocorreu aos 17 minutos, quando Edílson tentou o gol Olímpico mas parou no travessão. O Atlético tentava em chutes de fora, os mais ameaçadores foram os de Ramalho e Marcão que passaram ao lado da trave.
No segundo tempo os times mostraram um pouco mais de disposição, o jogo fluía com um pouco mais de velocidade. O Grêmio criava mais pelo lado esquerdo, com Bruno Collaço (que havia ingressado ainda no primeiro tempo) e Hugo. E foi justamente o meia gremista que carimbou o travessão, em chute que desviou na zaga. Pouco depois, Maylson tentou apanhar o rebote mas errou o domínio, perdendo boa chance de abrir o placar. Aos 20, Hugo cruzou da esquerda, Bergson tomou a frente do zagueiro, subiu bem, mas cabeceou para fora. Silas, que já havia colocado Roberson no lugar de Mithyuê, deu sinal que gostava do empate quando trocou Hugo por Rochemback. Aos 26, Elias bateu falta no travessão. O lance animou a torcida e o Dragão foi para cima, conseguindo um lance de pênalti (não marcado) e uma discutível expulsão de Ozeia. Com um a menos, o Grêmio tratou de se segurar (William Magrão virou zagueiro) e mais uma vez Victor mostrou serviço, fazendo ao menos três grandes defesas, nos chutes de Ayrton, Keninha e Marcão, aos 33, 34 e 36 minutos, respectivamente. Aos 37, Maylson ainda teve a oportunidade de fazer o crime, mas chutou rasteiro na saída do goleiro Edson.

Confesso que ainda não consegui determinar se esse 0x0 foi um bom resultado. O jogo certamente não foi, o Grêmio pode render mais. A produção ofensiva foi baixa.
Adílson sobrou em campo. Perfeito no combate do meio do campo.
Aparentemente, Maylson voltou sem nenhuma embocadura.
Ainda que Rodrigo Tiuí tenha valorizado a queda, acho que Ozeia cometeu pênalti no atacante do Dragão, aos 27 do segundo tempo. Curiosamente, o site do Atlético não cita esse lance. O exagero de Tiuí pode ter lhe custado a penalidade, mas rendeu a expulsão do zagueiro gremista segundos mais tarde.
Bergson não vem sabendo aproveitar as oportunidades que recebe.
Não era o Serra Dourada que era conhecido pelo bom gramado? Ontem não era isso que se via.

Fotos: Atlético-GO (Isaildo Santos) e Correio do Povo (Wildes Barbosa)

Atlético Goianiense 0 X 0 Grêmio

ATLÉTICO-GO: Édson; Ayrton, Gilson, Welton Felipe e Chiquinho; Agenor, Ramalho, Pituca (Keninha) e Elias (Robston); Marcão e Juninho (Rodrigo Tiuí).
Técnico: Geninho

GRÊMIO: Victor; Edílson, Ozeia, Rodrigo e Neuton (Bruno Collaço 32 do 1); William Magrão, Adilson, Maílson e Hugo (Fábio Rochemback 20 do 2); Mithyuê (Roberson 15 do 2) e Bérgson.
Técnico: Silas

01ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2010
Data: 08/05/2010, Sábado, 18h30min
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Público: 5.647 (pagantes)
Renda: R$ 94.620,00
Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho (SP)
Assistentes: Márcio Luiz Augusto e Carlos Augusto Nogueira Júnior (ambos paulistas)
Cartões amarelos: Marcão (A) e Pituca ; Ozeia , Willian Magrão e Maylson (G);
Cartões vermelhos: Ozeia (G)

Copa do Brasil – Grêmio 2 x 0 Fluminense

May 6, 2010

Os desafios da noite eram superar a ressaca do Gauchão e administrar a vantagem conseguida no primeiro jogo de modo mais tranquilo do que no último domingo. Muricy anunciava o Fluminense num 4-3-3. Silas sabiamente compos a defesa com Mário na lateral e Rafael Marques na quarta zaga e um meio campo em losango. O primeiro tempo chato, truncado. O Grêmio com um leve desinteresse e o Fluminense sem muita força de reação. Coube a Héber o protagonismo, enervando a torcida e os dois times com os seus excessos no apito e nos gestos. A melhor chance do Grêmio surgiu num ótimo lançamento de Hugo, aos 35, onde Borges tentou tocar na saída de Rafael mas acabou errando o alvo. O Flu teve quatro boas chances em sequência, a partir dos 39. Na primeira, Thiaguinho chutou de fora e a bola passou raspando a trave. Depois Wellington Silva recebeu sozinho na área, mas chutou na rede pelo lado de fora, e ainda o mesmo Wellington Silva sairia na cara de Victor, não fosse a grande intervenção de Mário Fernandes como último homem, e por último Conca chutou fraco, facilitando a defesa de Victor

Borges e Mário não voltaram para o segundo tempo. Entraram Joílson e Leandro. O time passou para uma espécie de 4-5-1 (com Jonas centralizado no ataque) e a melhora foi evidente, com maior toque de bola e mais velocidade. Ainda assim o time levou alguns sustos, como aos 7 minutos, quando Ozéia deu um providencial carrinho para interromper a tabela de Everton e Diguinho que já adentrava a área. Neuton aparecia com vontade pela esquerda, e numa dessas descidas ele passou pelo marcador e buscou Jonas, mas a jogada terminou em Hugo, que mandou a bomba, colocando a bola e o goleiro Rafael para dentro do Gol. A partir daí só deu Grêmio. Aos 22, jogada de falta ensaiada, Rochemback levantou para Neuton no segundo pau, com Jonas completando para dentro do gol. O Flu ainda teve uma cobrança de falta de Conca e o Grêmio uma grande tabela entre Leandro e Jonas e um novo chute forte de Hugo, mas o placar ficou mesmo nos 2×0 (5×2 no agregado)


Partidaço de Hugo. Correu muito, marcando e jogando os 90 minutos. Foi o melhor em campo sem sobra de dúvidas.

Adílson também teve atuação destacada. Mais uma vez roubou várias bolas e simplificou na saída de jogo.

Douglas parece sentir o cansaço. Não precisa centralizar tanto o jogo e nem tentar sempre a jogada mais difícil (ainda que tenha sucesso em diversas ocasiões)

Silas novamente mexeu bem no time.

Neuton mostrou mais desenvoltura na saída pro jogo.

Fraca a arbitragem. Penâlti claro em Neuton aos 25 minutos do segundo tempo e lance discutível de mão (dentro ou fora da área) aos 29. Assim como no primeiro jogo, o Grêmio conseguiu passar por cima disso. Numa próxima ocasião, lances como estes podem fazer falta, e não custa tomar cuidado com a “agenda positiva” em torno dos “Meninos da Vila”.

Público decepcionante, mesmo levando em conta todos os fatores (pós-grenal, TV Aberta, Horário, etc..)

Fotos: ClicRBS (Valdir Friolin), Correio do Povo e Grêmio.net (José Doval)

Grêmio 2 x 0 Fluminense
Hugo 60´
Jonas 67´

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes (Joílson, intervalo) , Rafael Marques, Ozeia e Neuton; Adílson, Fábio Rochemback, Douglas e Hugo; Jonas (Bergson, 33’/2ºT) e Borges (Leandro, intervalo).
Técnico: Silas.

FLUMINENSE: Rafael, Thiaguinho, Gum, Digão e Marquinho (Equi González, 41’/2ºT); Diguinho, Everton e Conca; Wellington Silva (Willians, 15’/2ºT), André Lima e Adeílson (Julio Cesar, 22’/2ºT).
Técnico: Muricy Ramalho.


Copa do Brasil 2010 – Quartas de final – Jogo de volta
Data: 05/05/2010, quarta-feira, 21h45min
Local: estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS)
Público: 25.610 (23.356 pagantes)
Renda: R$ 364.370,50
Árbitro: Héber Roberto Lopes (PR)
Assistentes: Gilson Bento Coutinho e José Amilton Pontarolo (ambos paranaenses)
Cartões amarelos: Marquinho (F), Diguinho (F) e Gum (F); Neuton (G), Fábio Rochemback (G) e Rafael Marques (G).
Gols: Hugo (Grêmio), aos 15 do segundo tempo; Jonas (Grêmio), aos 22 do segundo tempo;

Campeões do Gauchão 2010 – Lista de chuteiras

May 4, 2010

Conforme prometido, listei as chuteiras usadas pelos atletas do Grêmio. A lista não é definitiva e nem poderia ser. Alguns jogadores trocam bastante de marca, outros treinam com um modelo diferente do que jogam, e uns poucos escondem a marca da chuteira.
Não consegui identificar o modelo branco usado pelo Joílson e nem consegui o nome dos modelos das chuteiras da Lotto.


Goleiros
* Victor – Diadora
* Marcelo Grohe –
* Matheus –
* BusattoAdidas AdiPure Preta

Zagueiros
* Rodrigo – Nike Mercurial Preta
* Ozéia – Nike Mercurial Amarela
* Neuton – Adidas AdiPure Preta
* Mário Fernandes – Nike Tiempo Branca
* Saimon – Nike
* Rafael Marques – Nike Tiempo Branca com Azul ou Nike Total90 Branca

Laterais
* Edilson – Adidas AdiPure Branca
* Bruno Collaço –
* JoilsonNike Mercurial Amarela
* Fábio Santos – Lotto

* Lúcio – Adidas F-50 Branca ou a uma onde a marca da chuteira foi pintada de preto

Meias
* Fernando – Nike Mercurial Amarela
* Douglas – Lotto
* Hugo – Nike Mercurial Amarela ou Adidas F50 Azul
* Ferdinando – Nike Mercurial Roxa
* HenriqueMizuno Morelia
* Fábio RochembackAdidas AdiPure Branca
* SouzaNike Mercurial Amarela
* MithyuêNike Mercurial Lilás ou Amarela
* Maylson – Lotto
* Willian Magrão – Reebok
* Adilson – Adidas AdiPure Preta ou Branca

Atacantes
* BergsonNike Mercurial Amarela
* Borges – Adidas AdiPure Preta ou Branca ou Mizuno Morelia
* Leandro – Mizuno Azul ou Branca
* William – Mizuno Branca
* JonasNike Mercurial Amarela

Atletas que deixaram o clube
*Réver (foi para o Wolfsburg)- Lotto

*Túlio (foi para o Goiás) – Adidas Predator Branca
*Maurício (foi para a Portuguesa) – Nike Tiempo Branca com Azul ou Nike Total90 Verde


Campanha
21 jogos
16 vitórias
2 empates
3 derrotas
45 gols a favor
20 gols contra

Gauchão – Grêmio 0 x 1 Internacional

May 3, 2010

O Grêmio trazia uma grande vantagem do primeiro jogo. Dos cenários imaginados para a segunda partida, o que mais incomodava era o de levar um gol cedo. E infelizmente isso aconteceu. Aos 9, Giuliano apanhou o rebote sozinho e teve muito espaço para chutar. A bola veio de longe, passou por muita gente e Victor não chegou nela. A falha do capitão gremista colocava o Inter em vantagem, e colocava uma dose de apreensão e nervosismo no jogo. O 4-4-2 de Silas não conseguia parar 0 3-6-1 de Fossati. Kléber tinha muita liberdade e, juntamente com Giuliano, criava as principais jogadas do Inter. Apesar da superioridade colorada, foi o Grêmio que mais criou chances no primeiro tempo. Aos 14, Edílson bateu falta com força, e Abbondazieri espalmou para escanteio. Aos 33, Borges cabeceou em cima do arqueiro colorado, e, aos 43, Rodrigo tentou de voleio após o escanteio.
Para o segundo tempo, Silas sacou um inoperante Leandro, colocando Hugo em campo. O meio campo passou para uma formação em losango, a marcação foi adiantada e William Magrão colou em Kléber. Deu certo, o Grêmio neutralizou o Inter, chegando a ensaiar uma pressão. As principais chances do segundo tempo foram todas tricolores. Aos 6 minutos, Douglas fez um grande lançamento, mas Borges chutou na rede pelo lado de fora. Aos 15 Hugo subiu bem no escanteio, mas a cabeçada foi para o chão e subiu demais, tocando de leve no travessão. Aos 21, Abbondazieri fez importante defesa após bate e rebate na área colorada. Nos últimos 10 minutos de jogo o Inter rodou a bola no ataque, mas não conseguiu chegar perto do gol gremista. Assim, o título ficou merecidamente com o Grêmio (Time de melhor campanha e superior nos 180 minutos das finais).
Achei meio constrangedora a semelhança desse troféu com a taça do mundial.
Adílson correu e jogou uma barbaridade. Foram diversas as roubadas de bola e as antecipações.
Hugo mais uma vez entrou muito bem no jogo. Interessante essa nova vocação dele, a de marcador (poderia também ser a de agente funerário)
Silas já começa a se notabilizar por saber mudar o time no intervalo. Gostei dele na coletiva também, muito lúcido.
Eu fico um pouco apreensivo com o futebol do Edílson, parece demorar muito tempo para dar o combate defensivo.
Gostei muito da atuação do Ozéia. Muito sério. Walter, que incomodou bastante no primeiro jogo, não teve espaço para jogar.
Felizmente Victor não teve chance de se redimir durante a partida. Não foi mais acionado no jogo.
Preocupa um pouco essa questão do alto número de chances desperdiçadas, ainda que hoje não tenham sido tão claras e não tenham feito falta.
A festa deve e precisa ser curta. O Grêmio tem objetivos maiores nesse ano. Sobre o título, segue valendo a velha frase: “só tem uma coisa pior do que ganhar o Gauchão, é não ganhar”
Fotos: UOL, ClicRBS e Gremio.net

Grêmio 0 x 1 Internacional
Giuliano 9′

GRÊMIO: Victor; Edilson, Ozeia, Rodrigo e Neuton (Joilson); Adilson, Willian Magrão, Leandro (Hugo, Intervalo) e Douglas (Fábio Rochemback); Jonas e Borges.

Técnico: Silas


INTER: Abbondanzieri; Bolívar, Ronaldo Alves (Kléber Pereira) e Fabiano Eller; Bruno Silva (Nei), Sandro, Glaydson, Giuliano e Kleber; Taison e Walter (Thiago Humberto).

Técnico: Jorge Fossati

Campeonato Gaúcho 2010 – Final – Jogo de Volta
Data: domingo, 2 de maio de 2010, 16h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS)
Público: 44.727 (39.318 pagantes)
Renda: R$ 1.010.589,00
Árbitro: Leandro Vuaden
Assistentes: Paulo Ricardo Conceição e José Franco Filho
Cartões amarelos: Ronaldo Alves (I), Nei (I), Fabiano Eler (I), Edílson (G)
Cartão vermelho: Taison (I)
Gol: Giuliano (Internacional), aos 9 do primeiro tempo