Gauchão – Grêmio 2 x 1 São José

Na teoria, Renato faria o último teste antes da estréia na Libertadores. Na prática, foi obrigado a fazer algumas mudanças, em virtude das lesões e da maratona de jogos. A principal foi a entrada de Maylson no meio campo, que fez com que o desenho do losango da meia cancha se alterasse.

O Grêmio teve alguma dificuldade na saída de jogo, na troca de passes e esbarrou em um São José bem posicionado, esperando um contra-ataque. Ainda assim o tricolor pressionou bastante, mandou duas bolas na trave e concluiu mais outras tantas vezes, como nos chutes de Rochemback e Gabriel.

Logo no início do segundo tempo o Zequinha marcou o seu gol. Victor cortou o cruzamento após descida rápida do advesário pela ponta direita. Marabá apanhou o rebote, tentou por cobertura e marcou um golaço. O Grêmio foi em busca do empate. Jonas chegou perto na cabeçada, Rafael fez grande defesa no chute de Douglas e Gabriel arrematou de pé-esquerdo da entrada da área. Tudo isso acontecendo antes que se completasse 15 minutos da etapa final. Passado o susto, o São José saiu pro jogo e forçou Victor a fazer boa intervenção no chute de Lê. Mas o Grêmio voltou a carga e finalmente empatou o jogo aos 30 minutos. André Lima fez a parede e Jonas concluiu no canto direito do arqueiro rival. Jonas se indignou, mandou parte da torcida longe e cresceu no jogo. Cinco minutos mais tarde, falta em André Lima. Jonas pediu para cobrar, guardou e resolveu o jogo para o Grêmio.

Pelos gols e por toda a polêmica, Jonas se tornou o personagem do jogo. Contudo, o melhor em campo foi Rochemback. Marcou, partiu pro ataque, distribuiu o jogo, deu assistência e concluiu a gol.

Renato tentou colocar Dener pelo meio, e não deu muito certo. Mas o guri melhorou na partida quando passou a lateral.

Gostei de Mythiuê e Lins como alternativas para mudar o jogo. O primeiro pelo drible curto, e o segundo pela velocidade mostrada nos lados do campo.

Eu compartilho da tese de que ninguém é mais gremista do que ninguém. As pessoas tem maneiras diferentes de acompanhar, de torcer, de sofrer, de criticar e de cobrar o clube. É preciso ter isso em mente, para que nenhum grupo se considere dono da razão. E nunca é demais refletir sobre o papel que a torcida tem e qual o papel que a torcida deve ter junto ao time.

Parte da torcida do Grêmio anda muito chata, ansiosa, ciclotímica. Todo e qualquer episódio é acompanhado com boa dose de histeria. Ontem estávamos no terceiro jogo do ano (2º do time titular), menos de um mês depois da reapresentação. O time não fazia grande partida, mas a atuação estava longe de ser desastrosa. A pegação de pé era completamente exagerada.

Eu não vaio jogador do Grêmio, seja ele quem for. Tento respeitar quem pensa de forma diversa, mas não consigo entender qual o benefício de se criar um clima ruim dentro do Estádio Olímpico. Custo a compreender as razões que levam alguém a se voltar contra um dos melhores jogadores do time, artilheiro do campeonato.

Jonas não se comportou da maneira mais recomendada, especialmente na forma que escolheu para demonstrar o seu descontentamento. Contudo sua explosão é facilmente compreensível. Ouvindo as manifestações dos corneteiros chegamos a duas conclusões possíveis: Ou são todos craques ou jamais chutaram uma bola na vida.

Ainda que seja temeroso fazer generalizações, não dá pra fugir do fato que o grosso das vaias partiu de um determinado setor do estádio, e foi com essa parte da platéia que Jonas se revoltou. O pior é que muito dos corneteiros não se deram por vencidos, nem mesmo quando o camisa sete chamou a responsabilidade, cobrou a falta e marcou o gol da virada.

Eu saí do Olímpico bastante chateado ontem. Infelizmente foi escrita mais uma triste página da história do estádio. Página essa que se soma a do dia em que mandaram a social tomar no cu, do gol do Grêmio que parte da torcida vaiou, dos aplausos a lesão de um atleta gremista e etc…

O apoio, o incentivo, constroem muito mais do que a cobrança inconsequente.

Fotos: Jéfferson Bernardes (Grêmio.net) e Fabiano do Amaral (Correio do Povo)

Grêmio 2 x 1 São José
Marabá 48´
Jonas 75´
Jonas 80´

GRÊMIO: Victor; Gabriel, Paulão, Rafael Marques e Gilson (Lins-11min/2ºT); Mateus Carioca (Dener-Intervalo), Fábio Rochemback, Maylson (Mythiuê-28min/2ºT) e Douglas; Jonas e André Lima.
Técnico: Renato Portaluppi

SÃO JOSÉ: Rafael; Suéliton, Alexandre, Gustavo e Maciel; Marabá, Glaydson (Tiago Miracema-42min/2ºT), Gabriel (Marcelo Labarthe-34min/2ºT), Zaquel e Chiquinho; Lê.

Técnico: Itamar Schulle

4ª Rodada (Jogo adiantado)- 1º Turno – Campeonato Gaúcho 2011
Data: 21/janeiro/2011, sexta-feira, 20h30min
Local: Estádio Olímpico, Porto Alegre – RS
Público: 8.289 (7.311 pagantes)
Renda: R$ 106.917,50
Arbitro: Anderson Daronco
Auxiliares: Vilmar Burini e Maurício Coelho Silva Penna.
Cartões amarelos: Paulão e Victor (Grêmio), Suéliton (São José).
Gols: Marabá, aos 3 do 2º tempo (São José); Jonas, aos 30 e 35 do 2º tempo (Grêmio).

6 Responses to “Gauchão – Grêmio 2 x 1 São José”

  1. martina Says:

    Bah, eu me canso dessa história de “a torcida tem direito” e “Jonas errou”. O cara não tem sangue de barata, né. Quem passa o jogo chineleando merece resposta.

    Só uma pergunta sobre as vaias: No jogo do Danrlei, tu não vaiou o assis? Eu acho que era uma exceção totalmente justificada.

  2. Marcelo Says:

    Sério, não achei forte a corneta ontem. Talvez eu tivesse meio away prestando atenção no jogo, sei lá.
    Acho que quando o estádio está vazio, qualquer ruido toma uma dimensão maior. Se o estádio estivesse lotado, ninguém escutaria meia dúzia de corneteiros.
    Outra coisa que tem me irrado é essa generalização de que na social só tem corneteiro. Tá certo que ali tem uma concentração grande, mas na arquibancada, do meio em direção a onde fica a jovem a corneta também rola solta.

  3. Eduardo Says:

    “Outra coisa que tem me irrado é essa generalização de que na social só tem corneteiro.”
    Assino.

    Assim como não espero ver uma generalização tipo “Jonas contra a torcida do Gremio”. Foi algo bem específico pelo visto.

    Não fui ao jogo ontem. Fiquei chateado pelo fato de ser o Jonas o personagem central da historia, mas ele foi lá e ainda marcou o segundo gol.

    Espero agora que nao fiquem alguns poucos mandando contra ele só pra ter o gostinho de 'vingança'. Não façam do Jonas o novo Fabio Santos.

    No mais, Jonas seleção.

  4. Sancho Says:

    AK,

    Que dia foi mandaram a social tomar no cu? Qual foi o jogo?

    Abraço.

  5. Anonymous Says:

    Bom comentário, André.

    Pessoalmente, o que não aguento é a burguesia das cadeiras falando mal dos frequentadores da social…

  6. André Kruse Says:

    Sancho, não lembro exatamente qual foi o jogo em que isso aconteceu.

    Foi em 2005 ou 2006. O problema era a passividade da social que constratava com o resto do Estádio

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: