Archive for August, 2011

Reunião do Conselho – 26 de Julho

August 11, 2011



A ordem do dia da reunião do conselho deliberativo era a seguinte:

1) Examinar os demonstrativos contábeis e financeiros de 30 de junho de 2011;

2) Assuntos gerais.

Gerente Executivo Cristiano Koehler fez a apresentação dos números do semestre, demonstrando a realização orçamentária e ressaltando o impacto causado pela desclassificação na Libertadores.

O Presidente do Conselho Fiscal, Roberto Sommer, leu o o parecer do órgão, destacando o deficit, as receitas não realizadas e a quedas das verbas oriundas do quadro social e receitas publicitárias. Foi sugerido que o clube adotasse um “manual de normas e procedimentos”.

Nisso o o gerente C, Koehler esclareceu que o clube vinha buscando uma solução entre diretoria, conselho fiscal e comissão de finanças. Disse que existe uma diferença de critérios na questão do quadro social e que deve haver um incremento nas verbas publicitárias com o novo contrato com o Banrisul.

O Presidente da Comissão de Finanças do Conselho Deliberativo, Carlos Biedermann, saudou os novos auditores do clube (Rokembach auditores) e fez referência a harmonia entre a comissão de finanças, conselho fiscal e diretoria do clube. Quanto as cifras analisadas, destacou que há uma insuficiência de receitas. Foi detalhada a destinação dos 30 milhões recebidos por ocasião da assinatura do contrato de televisão com a Rede Globo. As obrigações tributárias estão em dia. As despesas do futebol extrapolaram a previsão relativa as verbas de TV + Renda de jogos. Houve melhora nas vendas da GrêmioMania em relação ao mesmo período no ano passado e que o número de sócios passou de 52 mil, em dezembro de 2o10, para 63 mil sócios, em junho de 2011. Foi demonstrada preocupação com despesas administrativas, uma vez que o clube precisa se readequar para uma nova realidade com a mudança para a Arena. Da mesma forma, foi referido que o clube precisa seguir modelo de governança ter maior disciplina orçamentária. Por último, foi dito que o capítulo X do estatuto deveria ser observado e que o Conselho de Administração vinha cumprindo mais o seus papel.

O conselheiro Minwer Daqawiya perguntou sobre a data de termino do contrato com o Banrisul, no que foi esclarecido que o contrato findou em junho, mas estava em vias de ser renovado.

O conselheiro Leandro Vidal questionou o porque das despesa realizada com formação de atletas ter ficado abaixo do orçado.

O conselheiro André Gutierres pediu para que a Geral do Grêmio fosse incluída no Fórum de debates e o Presidente Raul Régis disse que já havia recebido e deferido tal pedido.

O conselheiro Alceu de Oliveira da Rosa se queixou do preconceito contra o parlamentar, fazendo referência a uma proposta (por ele atribuída a Airton Ruschel) que visa impedir a presença de políticos em cargos no clube. Disse que para alguns, os políticos só servem para votar projetos de interesse do Grêmio. O conselheiro Afonso Saraiva de Moraes levantou uma questão de ordem, lembrando que a pauta era os demonstrativos contábeis.

O conselheiro Alexandre Bugin perguntou se já havia sido feito ou esboçado um “manual de normas e procedimentos”, que foi referido na manifestação do conselho fiscal.

O conselheiro Odorico Roman questionou a prática de pagamento de premiações tendo em vista a situação financeira do clube.

Eu perguntei a composição dos 30 milhões do contrato da Globo, e foi esclarecido que 20 milhões eram de luvas e os outros 10 eram antecipações de receitas.

O presidente Paulo Odone que o Grêmio já estava adotando medidas que visam a modernização da gestão, mas que era preciso fazer um esforço para o clube se tornar mais ágil com a mudança para a Arena.

O conselheiro Eduardo Magrisso fez a apresentação do Instituto Desejo Azul, exibindo alguns vídeos de crianças que tiveram seus desejos realizados e dando maiores detalhes da organização

O presidente Raul Régis lembrou que entrou no Grêmio em 1967, no mandato do presidente Herminio Bittencourt, dizendo que desde então teve muitas alegrias e algumas poucas decepções, e garantiu que uma distinção entregue previamente pelo Instituto Desejo Azul foi motivo de muita emoção e orgulho para ele. Logo depois a sessão foi encerrada.

Estiveram presentes 158 conselheiros efetivos e 15 suplentes. 58 conselheiros justificaram as suas ausências.

Advertisements

Brasileirão – Palmeiras 0 x 0 Grêmio

August 8, 2011


No papel, jogador por jogador, Grêmio e Palmeiras não são tão diferentes. Contudo, os times vivem momentos distintos e estão distantes na classificação do Brasileirão. O grande mérito gremista foi tornar a partida igual. Kléber e Valdivia foram neutralizados, o Grêmio se fechava bem e conseguiu ir bastante ao ataque no primeiro tempo. Nos 45 minutos finais, o tricolor teve menos posse de bola, não conseguindo mais reter a bola na frente. O Palmeiras cresceu na partida e Victor passou a ser acionado de maneira mais efetiva. O mandante quase marcou em lances protagonizados por Dinei, mas os arremates palmeirenses sempre encontrava um defensor gremista no caminho.

O resultado foi importante. A atuação não foi tão diferente da partida contra o Flamengo. Sigo achando que o problema do Grêmio não está nos jogos fora de casa.


Interessante essa idéia de Roth de segurar os laterais. Uma pena que Lúcio e Douglas não tenham correspondido na hora de atacar.

Adílson foi bem quebrando um galho na lateral direita. Muito seguro defensivamente. Mas lhe falta saída de jogo e vocação para o apoio.

Leandro foi o avante mais perigoso do Grêmio, foi quem mais criou e quem mais incomodou a defesa adversária, mesmo com todos os defeitos próprios de quem ainda é muito jovem.

Fotos: Terra (Ivan Pacheco) UOL (Junior Lago) e Lance (Tom Dib)

Palmeiras 0 x 0 Grêmio

PALMEIRAS: Marcos, Cicinho, Maurício Ramos, Henrique e Gerley; Márcio Araújo, Marcos Assunção, Patrik (Vinícius, 38’/2ºT) e Valdivia; Maikon Leite (Dinei, 20’/2ºT) e Kleber.
Técnico: Luiz Felipe Scolari.


GRÊMIO: Victor, Adílson, Vilson, Rafael Marques e Bruno Collaço; Gilberto Silva, Rochemback, Lucio (Escudero, 31’/2ºT) e Douglas (Marquinhos, 31’/2ºT); Leandro (Miralles, 42’/2ºT) e André Lima.
Técnico: Celso Roth.

15ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2011

Data: 6/agosto/2011, sábado, 18h30min

Local: Estádio do Canindé, em São Paulo – SP

Público: 15.762 pagantes

Renda: R$ 422.028,00

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG)

Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (Asp. Fifa-MG) e Helberth Costa Andrade (MG)

Cartões amarelo: Marcos Assunção, Gerley, Henrique e Valdivia (PAL) Vilson, Douglas, Rafael Marques e Henrique (GRE)


Celso Roth volta

August 7, 2011

Eu já disse aqui que gosto do trabalho de Celso Roth. Penso que suas virtudes são subestimadas e que a gritaria em torno dos seus defeitos extrapola o racionalmente aceitável.
O momento é propício. Um técnico “novo” não deu certo. Recorremos a um velho conhecido. De se lamentar apenas a sensação de que estamos retornando a um momento já antes vivido.
Paulo Paixão também volta. O que é ótimo. Só precisamos ter cuidado para não superdimensionar a sua capacidade a e sua influência sobre o trabalho de campo.

Julinho Camargo sai

August 7, 2011

Foram 6 jogos em pouco mais de um mês. Nesse curto espaço de tempo Julinho Camargo não conseguiu resultados que garantissem uma permanência, mas é preciso dizer que é muito difícil um treinador apresentar um trabalho efetivo num período tão diminuto, ainda mais em meio a um campeonato brasileiro.
É uma pena, Julinho não resistiu a este turbilhão que o Grêmio enfrenta, mesmo sendo convicção do atual e do antigo departamento de futebol. Os resultados são exigidos com crescente imediaticidade na Azenha, e assim os ciclos tem se tornado cada dia menores.
Foi possível ver alguma evolução no time de Julinho, especialmente nos jogos fora de casa. Contudo, os maus resultados cumulados com atuações fracas diante do América e do Atlético Mineiro me parecem ter sido determinantes para a sua saída.

Pelaipe retorna

August 7, 2011

O retorno de Paulo Pelaipe ao futebol gremista não deveria ser motivo de surpresa para ninguém que acompanha o noticiário tricolor com um mínimo de atenção. Mas nesse momento, é altamente improdutivo analisar os motivos da volta de Pelaipe ao clube.
Nunca é demais lembrar que Pelaipe, juntamente com Renato Moreira e Rodrigo Caetano, fez um belo trabalho entre 2005 e 2007. É reconhecido por saber executar a política do “bom e barato” e é tido por folclórico (o que é do agrado de alguns, e motivo de ressalvas para outros tantos).
Pelaipe volta para ser um executivo remunerado. Antiga e legítima pretensão sua. Eu sou favorável a profissionalização e acho justo que os diretores recebam pelo trabalho que executam. Mas me parece que a profissionalização é um conceito mais amplo do que simplesmente contratar um profissional ou remunerar uma determinada função.
É no mínimo curioso que o Pelaipe agora receba por uma função que já exerceu de forma amadora. Mas talvez essa configuração seja uma etapa de transição necessária no processo de mudanças nas estruturas do clube.
E, independente de quem exerça esse cargo executivo, acho que a figura de um vice de futebol é necessária. Alguém que sirva de anteparo perante o conselho de administração e faça a representação política da direção junto ao departamento de futebol. Mas penso que essa escolha deveria ser anterior a contratação do executivo.

Brasileirão – Grêmio 2 x 2 Atlético Mineiro

August 4, 2011

Foi um jogo igual, de equipes muito parecidas. E isso não é nenhum elogio aos dois times. Os clubes passam por momentos difíceis no campeonato, e isso é refletido no nervosimo dentro das 4 linhas. Como mandante, o Grêmio tentou propor o jogo, mas sem um meia clássico, a tarefa de armação de jogadas recaia sobre os volantes. Escudero jogava aberto pela ponta esquerda. Os melhores lances tricolores ocorreram quando a bola circulou naquele setor, mas infelizmente Lúcio estava em noite pouco insipirada e foram poucas as chances criadas. O Atlético esperou para sair no contra-ataque, e quase marcou com Patrick, mas Rafael Marques salvou em cima da linha.

No segundo tempo, Julinho sacou um volante e colocou Leandro em campo, passando Miralles para esquerda e centralizando Escudero. Mas a melhora tricolor se deu muito mais por iniciativa do guri do que pela mudança tática, e com 5 minutos o Grêmio fazia 1×0, num belo chute cruzado de Leandro. O problema é o empate ocorreu no lance seguinte, em outro grande arremate, dessa vez de André. Havia tempo de sobra para buscar um empate. Miralles teve boa chance, mas demorou na conclusão. Aos 34, Rochemback deu uma baita passe e Mário Fernandes sofreu o pênalti. O capitão gremista converteu. Mas foi justamente nos minutos finais, onde tinha vantagem, que o Grêmio mais foi pressionado pelo Atlético. Novamente, no minuto seguinte ao gol, Neto Berola driblou Victor , mas Lúcio barrou a conclusão. Depois disso, Victor ainda fez duas boas defesas, contudo aos 43, Leonardo Silva precisou saltar pouco para marcar o 2×2 final.


Victor não vem bem. Mas não vi falha dele ontem no jogo, a campanha contra é desproporcional. E quem acha que o goleiro da seleção é o problema do Grêmio precisa rever seus conceitos urgentemente.

Mais um gol em bola área em que ninguém salta. O preço disso vai ser sempre caro.

Mesmo que tenha assumido ao longo da competição, Julinho Camargo já deveria ter apresentado uma resultado melhor. Estranhamente o time vem jogando mais organizado fora de casa.

E a fase de alguns jogadores também não ajuda. E não são poucos os que estão mal. Conta-se nos dedos de uma mão os que tiveram atuações razoáveis ontem.

Não consegui ver o vídeo do lance entre Eron e Leandro. Confesso que fico um pouco assustado com as possíveis consequências disto.


Fotos: Richard Ducker, Luciano Leon e Grêmio Fotos

Grêmio 2 x 2 Atlético Mineiro
Leandro 50´
André 51´
Rochemback 79´
Leonardo Silva 88´

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes, Vilson, Rafael Marques e Lúcio; Gilberto Silva, Fábio Rochemback, Adilson (Leandro, intervalo) e Escudero (Marquinhos, 24’/2T); André Lima (Diego Clementino, 24’/2T) e Miralles.
Técnico: Julinho Camargo.

ATLÉTICO-MG: Giovanni, Werley, Leonardo Silva e Lima; Patric, Serginho (Toró, 15’/2T), Richarlyson, Caio e Eron (Giovanni Augusto, 24’/2T); André e Magno Alves (Neto Berola, 28’/2T).

Técnico: Dorival Júnior

14ª rodada – Brasileirão 2011
Data: 03 de agosto de 2011, quarta-feira, 19h30min
Local:
Estádio Olímpico, Porto Alegre (RS).
Público: 10.725 (9.022 pagantes)
Renda: R$ 133.236,00
Árbitro: Guilherme Cereta de Lima (SP)
Assistentes: Carlos Nogueira Júnior (SP) e Anderson Moraes Coelho (SP)
Cartões amarelos: Rochemback e Mário (Grêmio); Serginho, Toró e Caio (Atlético-MG).
Gols: Leandro, aos 5min; André, aos 6min; Rochemback, aos 34min (pênalti) e Leonardo Silva, aos 43min do 2º tempo.

Em nome do Grêmio

August 3, 2011

Em nome do Grêmio

O BloGrêmio vem expressar sua profunda preocupação com o atual momento vivido pelo Grêmio, tanto dentro de campo quanto fora das quatro linhas. Ele exige muita cautela e ponderação nas ações de todos os gremistas que tenham verdadeiro amor pelo Clube e pelo menos um pouco de boa fé.

Acreditamos que o grupo atual de jogadores tem qualidade suficiente para obter desempenho que nos coloque longe das últimas posições da tabela. Porém, o desenrolar de uma crise nos bastidores e que se tornou pública, pode ter consequências gravíssimas. Cabe a cada um dos envolvidos parcelas de responsabilidade que, mais do que não serem esquecidas, precisam ser assumidas para enfrentar e resolver a crise com rapidez, para o bem do Grêmio.

A direção do clube deve fazer uma profunda reflexão sobre as causas que levaram o time e também o clube à situação atual. A autocrítica e a mea máxima culpa é um exercício saudável para encaminhar soluções adequadas. Já se perdeu muito tempo e energia com discussões infrutíferas e brigas de facções, que afastam o torcedor do Olímpico e prejudicam o desempenho do time em campo. É função primordial da Direção pensar no Grêmio e neutralizar projetos pessoais que causam danos ao clube.

A oposição também precisa ter senso do momento e entender que nenhum gremista de verdade poderá sentir-se vencedor, com o clube enfraquecido. O momento impõe que ninguém se arvore salvador da pátria e tumultue ainda mais o ambiente, visando tão-somente colher dividendos políticos.

Ao Conselho Deliberativo cabe estar atento e vigilante aos assuntos do clube. Todos os Conselheiros têm obrigação de conhecer os problemas do Grêmio e auxiliar na busca de soluções. Chega de picuinhas, chega de vazamentos de assuntos internos para a imprensa.

Por fim, o torcedor, o ente que sente mais direta e intensamente o desgosto dos resultados de campo, este tem o direito de protestar. Porém, durante os jogos, precisa estar ao lado do time, apoiando, emprestando garra aos jogadores e voltando a ser protagonista em jogos no Olímpico.

Nós, torcedores integrantes do BloGrêmio, daremos a nossa contribuição conclamando a torcida para apoiar o time mais do que nunca nesta hora delicada. Esta quarta-feira é o dia para voltarmos a fazer do Olímpico uma cidadela invencível. Mas estaremos vigilantes sobre a atuação da Direção, do Conselho e dos movimentos políticos que gravitam em torno do nosso Grêmio. Manteremos uma posição crítica e os sócios informados sobre ações oportunistas e de promoção pessoal.

Já há muito tempo a situação tornou-se insuportável. Já passou da hora dos gremistas abraçarem o Clube. Basta de politicagem! Basta de brigas de beleza! Basta! Pelo bem do Grêmio!

_____

Este é um manifesto conjunto dos participantes do BloGrêmio.

Mudança no Departamento de Futebol e a cizânia

August 2, 2011
A saída do departamento de futebol tricolor permite uma série de leituras. Umas mais simplistas; outras mais elaboradas. Algumas mais sensatas; outras um tanto fantasiosas. O certo é que cada torcedor tem a sua avaliação.

Uma obviedade é dizer que a troca no comando do vestiário se deu pela falta de bons resultados. Mas nem por isso tal fato deixa de ser uma verdade.

Mas é preciso dizer que as críticas e as contestações começaram muito antes de que se fosse possível apresentar e analisar qualquer resultado. E as críticas nem sempre foram justas, nem sempre foram corretas e nem sempre foram leais.

O sucesso em campo teria o condão de fazer com que os problemas do Grêmio fossem esquecidos ou minimizados. Mas isso não aconteceu. E os problemas seguem aí, nos atormentando.

E quais as razões dos insucesso? As circunstâncias, a ansiedade, a pressão, erros de jogadores, erros de juízes, erros de técnicos e, inegavelmente, erros da diretoria de futebol (que pode ser responsabilizada por todos os erros antes listados).

Ainda que tenham se equivocado, não há como deixar de reconhecer que Antônio Vicente Martins, José Simões e Cesar Cidade Dias trabalharam arduamente e de forma digna. Sempre se portaram de forma condizente com o cargo, sem nunca deixar de lado a ética, o cavalheirismo e boa educação. É certo que só isso não é o sufciente, a devida compostura é o mínimo que se espera de um dirigente. Mas nem sempre isso é visto por aí e por isso tal fato deve ser ressaltado. Não se pode chegar a conclusão de que não há lugar no futebol para esse tipo de comportamento.

Muito mais do que de bons exemplos, o Grêmio precisa de vitórias e de títulos. Como estes não foram alcançados, as mudanças são naturais.

O que chama a atenção é que esta mudança na pasta do futebol revela uma crise política dentro da atual gestão. Uma crise que poderia ter sido evitada. Ou uma crise que deveria ter sido exposta antes. Mas falar depois é sempre muito fácil. Foi tentada uma composição política, uma união de forças para administrar o clube. Infelizmente não deu certo. Na prática se viu que havia mais ideias e ações divergentes do que comuns.

Eu acho que não é de hoje que o Grêmio apresenta um sério problema de comunicação. Seja comunicação interna, seja comunicação externa. E aí se inclui a relação entre clube e torcedor, comunicação entre os diversos setores da administração, entre situação e oposição, com a imprensa e as nebulosas questões de vazamentos de diretores/conselheiros para jornalistas.

É preciso mudar alguns paradigmas nesta questão. Caso contrário, o dia a dia do clube seguirá sendo convidativo para quem se dedica a criar cizânia