Archive for November, 2011

Brasileirão 1996 – Grêmio 3 x 1 Palmeiras

November 28, 2011

No dia 28 de novembro de 1996, o Grêmio iniciava a sua participação na fase final do Campeonato Brasileiro. 8 dos 24 participantes se classificaram para as quartas de final.

Após uma série de tropeços nos últimos jogos da 1ª fase, o tricolor ficou na 6ª posição, enfrentando o 3º colocado na classificação geral: Palmeiras. Devido a melhor campanha, os paulistas tinham a vantagem de decidir em casa e de jogar por dois resultados iguais.

O jogo de ida, em Porto Alegre, foi memorável. Uma das melhores partidas que eu assisti no estádio Olímpico. Uma virada espetacular.

Lembro bem da magistral atuação de Emerson, que empurrou o Grêmio para a vitória. Felipão também foi brilhante, quando passou Carlos Miguel para a lateral-esquerda e colocou Zé Afonso no ataque tricolor.

Abaixo, algumas matérias e imagens da Folha de São Paulo, Correio do Povo e Zero Hora sobre aquela noite:

“Mais de 1 hora antes do início do jogo, todos os 55 mil ingressos já tinha sido vendidos. Às 21h o estádio já estava lotado. Apesar disso, a direção do Grêmio não liberou o o televsionamento da partida para Porto Alegre.” (Correio do Povo – 29 de novembro de 1996)

“A diretoria do Grêmio festejou bastante a vitória por 3 a 1 sobre o Palmeiras, mas tenta conter o cilma de otimismo entre os jogadores. No confronto pela Libertadores do ano passado, o time venceu por 5 a 0 em Porto Alegre e, em São Paulo, perdeu por 5 a 1, quase ficando de fora da competição. “Temos que comemorar, mas é preciso calma”, alertou o zagueiro Adílson. “Nos dará tranqüilidade. Tivemos muita raça e determinação, mas ainda não vencemos, disse Carlos Miguel“. (Correio do Povo – 29 de novembro de 1996)
PLACAR – O JOGO: O Grêmio precisava da vitória em casa para garantir a classificação na partida de volta no Morumbi. Atacou durante todo o tempo e mereceu o resultado.

Cabeçadas definem a vitória do Grêmio
Equipe gaúcha bate o Palmeiras por 3 a 1 e agora pode até perder por um gol diferença para se classificar

O Grêmio bateu o Palmeiras por 3 a 1 e agora pode perder por até um gol de diferença, domingo, para obter a classificação para as semifinais do Campeonato Brasileiro. Todos os gols da partida foram de cabeça.
Para se classificar, o Palmeiras precisa vencer o Grêmio por dois gols de diferença.
O Palmeiras começou a partida com uma postura defensiva, contrariando o discurso do técnico Wanderley Luxemburgo, que disse durante a semana que sua equipe não iria mudar suas características ofensivas.
A equipe errou muitos passes, facilitando o trabalho dos gaúchos.
O Grêmio teve por duas vezes a chance de abrir o placar devido a erros do goleiro Velloso. Na primeira, o goleiro saiu do gol precipitadamente. Adílson cruzou, e Zé Alcino cabeceou, mas Cléber tirou a bola praticamente na linha do gol.
Na segunda, Velloso demorou muito para repor a bola e sofreu um tiro livre indireto, dentro da área, desperdiçado pelo Grêmio.
Com pouco volume de jogo, o gol da equipe paulista saiu da única maneira possível: de bola parada. Djalminha cobrou uma falta e Luizão completou de cabeça, contando com a ajuda da zaga do Grêmio: 1 a 0, aos 34min.
Precisando empatar a partida, o Grêmio reiniciou o jogo pressionando o Palmeiras.
Por sua vez, o time paulista assumiu uma postura defensiva. O meia-atacante Djalminha recuou e deixou Luizão sozinho no ataque do Palmeiras.
A pressão funcionou. O Grêmio não demorou a chegar ao empate, com uma cabeçada de Émerson, aos 8min.
Logo após o empate, Leandro foi expulso, fazendo o técnico Luxemburgo optar, definitivamente, pela retranca. Ele tirou Elivélton, um meia, e colocou Wágner, um lateral-esquerdo.
Aos 21min, Zé Afonso marcou o segundo gol do Grêmio, de cabeça. Goiano fechou o placar, aos 34min, também de cabeça. (Folha de São Paulo)

Luxemburgo culpa cartões e cobra ‘vergonha na cara’
Técnico diz que faltou determinação e controle ao Palmeiras no Sul

O técnico Wanderley Luxemburgo, do Palmeiras, está inconformado com a derrota para o Grêmio, 3 a 1, anteontem, em Porto Alegre.
Segundo ele, a expulsão do volante Leandro, no início do segundo tempo, e a falta de determinação dos jogadores foram os fatores fundamentais para o resultado, que deixou o time em situação difícil no Brasileiro.
Para se classificar, a equipe palmeirense precisa vencer o adversário por, pelo menos, dois gols de diferença, amanhã, no Morumbi.
”Uma expulsão num jogo difícil como esse, contra o Grêmio, faz a diferença. O time vinha jogando bem até então e, depois disso, se descontrolou no aspecto emocional”, disse Luxemburgo, sobre a partida de Porto Alegre.
Segundo ele, o Grêmio mostrou mais vontade de vencer que o Palmeiras e esse quadro precisa ser revertido caso sua equipe deseje a vaga para as semifinais.
”Mais uma vez, os jogadores do Grêmio tiveram uma postura de verdadeiros homens que lutam por um resultado até conseguir”, disse o técnico.
”Quero o mesmo do meus atletas no domingo. Eles precisam me dar uma resposta, assumir a responsabilidade, ter vergonha e dignidade. O Palmeiras pode até sair da competição prematuramente, mas terá que lutar”, acrescentou.
Luxemburgo disse estar envergonhado com a derrota. ”Tenho vergonha mesmo de perder por 3 a 1 de um time que é igual ou inferior ao nosso tecnicamente.”
O discurso inflamado faz parte da estratégia de Luxemburgo, que, agora, vai procurar motivar os jogadores no aspecto emocional. (Folha de São Paulo, ARNALDO RIBEIRO)

O zagueiro Cláudio passou mal no jogo de ontem, teve que ser substituído e chegou a desmaiar nos vestiários. Com dores em todo o corpo, foi conduzido a um hospital por uma ambulância.”” Cláudio teve, anteontem, uma tetania muscular, síndrome que se caracteriza por uma sequência de cãibras em vários músculos do corpo. O jogador mal conseguia se mexer e teve que ser encaminhado ao hospital mais próximo do estádio. ”Senti a falta de ritmo e me desidratei. Agora, estou bem melhor. Só sinto dores na batata da perna. Posso jogar”, disse Cláudio“(Folha de São Paulo)

Guerra de nervos dá o tom e quatro são suspensos
A guerra de nervos entre Grêmio e Palmeiras esteve sempre presente e culminou com as suspensões de Goiano (terceiro amarelo), Paulo Nunes, Leandro e Cléber.
Os quatro não poderão participar do jogo de volta, domingo, em São Paulo. O Palmeiras não terá também os zagueiros Sandro, suspenso pela CBF, e possivelmente Cláudio, que saiu machucado.
A aposta entre Paulo Nunes e Djalminha, para ver quem faria mais gols, e o mistério por parte dos técnicos nas escalações das equipes também incrementaram o clima da partida antes do início.
O Grêmio, por exemplo, aqueceu 25 jogadores antes de entrar em campo. O Palmeiras só definiu o time momentos antes do jogo.
Quando o Grêmio entrou em campo, foram estourados cem mil fogos de artifício. A torcida, que começou a chegar no fim da tarde, vibrou o tempo todo e já lotava o estádio uma hora antes. (Leo Gerchman – Folha de São Paulo, sexta-feira, 29 de novembro de 1996)

“A tão esperada nudez da atriz Taís Araújo, protagonista da novela ”Xica da Silva”, não conseguiu levantar a audiência da Rede Manchete de Televisão.
Quinta-feira à noite, foram exibidas cenas em que a atriz, que completou 18 anos no último dia 25, aparece nua pela primeira vez.
Às 21h50, a novela atingiu o pico de 10 pontos (800 mil telespectadores), contra 38 pontos (3 milhões) da Globo, que exibia o jogo entre Grêmio e Palmeiras.” (Folha de São Paulo)

Grêmio 3 x 1 Palmeiras

GRÊMIO: Danrlei, Arce, Rivarola, Adílson e André Silva (Zé Afonso 13 do 2º); Dinho, Goiano, Émerson (Aílton 34 d0 2º) e Carlos Miguel ; Zé Alcino (Rodrigo Gral 39 do 2º) e Paulo Nunes.
Técnico: Luís Felipe Scolari

PALMEIRAS: Velloso, Cafu, Cláudio (Roque Júnior 32 do 2º), Cléber e Júnior; Galeano, Leandro, Elivélton e Rincón; Luizão (Wágner 42 do 2º) e Djalminha (Rogério 42 do 2º)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Jogo de ida – Quartas de final – Campeonato Brasileiro 1996
Data:28 de Novembro de 1996, quinta-feira, 21h40min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre
Público: 44.430 (38.212 pagantes)
Renda: R$ 398.121,00
Juiz: Sidrak Marinho (SE)
Auxiliares: Antônio Hora Filho e Luis de Souza
Cartão Amarelo: Júnior e Goiano
Expulsão: Leandro aos 11, Cléber e Paulo Nunes aos 30 do 2ºt
Gols: Luizão aos 34 do 1º; Émerson aos 8, Zé Afonso aos 21 e Goiano aos 35 do 2ºtempo

Brasileirão – Grêmio 2 x 2 Atlético-GO

November 27, 2011

Grêmio e Atlético Goianiense fizeram um jogo devagar, desinteressado. O tricolor tentou rodar a bola na intermediária, enquanto o Dragão esperava por um contra-ataque. Nada disso era feito com intensidade. O empate foi justo, mas os quatro gols foram uma demasia para o futebol desempenhado no campo.

A nota positiva gremista foi a boa atuação/movimentação de William Magrão.

Já Douglas, em determinado momento do jogo, resolveu estacionar na intermediária.

E o momento mais emocionante da partida foi a bolada no saco que o bandeirinha recebeu.

Fotos: GrêmioFotos e Grêmio.net (Jefferson Bernardes)

Grêmio 2 x 2 Atlético-GO

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes, Saimon, Rafael Marques (Gabriel, 29’1T) e Julio Cesar; Vilson, Willian Magrão, Marquinhos (Adilson, 31’2T), Douglas e Escudero; André Lima
Técnico: Celso Roth.

ATLÉTICO-GO: Márcio; Rafael Cruz, Gilson, Anderson e Thiago Feltri; Pituca, Ernandes (Diogo Campos, 33’2T), Bida e Joilson (Vitor Júnior, 15’2T); Felipe (Juninho, 22’2T) e Anselmo
Técnico:
Hélio dos Anjos.

37ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2011
Data: 27/11/2011, domingo, 17h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS)
Público total: 7493.
Árbitro: Francisco Assis Almeida Filho (CE)
Auxiliares: Arnaldo Rodrigues de Souza (CE) e Carolina Romanholi Melo (CE)
Cartões amarelos: Willian Magrão e Adilson (GRE); Joilson, Pituca, Bida e Vitor Júnior (ATG)
Gols: Anselmo, 24’1T; Willian Magrão, 10’2T; Marquinhos, 11’2T; Anderson, 39’2T

Kléber chegou

November 24, 2011
Foto: Edu Andrade (Terra)

Kléber chegou. Certamente foi o assunto mais discutido no Grêmio nas úlitmas semanas (muito em função da situação do time no Brasileirão). Diversos foram os temas abordados (alguns de maneira histérica), começando pela duração da negociação (que não foi muito diferente do que aconteceu no caso do Maxi Lopez), pelos supostos valores da negociação (que não foram divulgados), passando até pela cor de calça de quem negociava, e terminando com um debate sobre o local da apresentação (irrelevante) e sobre o uso político da mesma (relevante).

Mas eu entendo que o mais importante foi pouco falado. Sem dúvida Kléber é um grande jogador, acima da média. Joga na primeira e na segunda função do ataque, é artilheiro, mas não é um centro-avante típico, tampouco é jogador de lado de campo. Do ponto de vista estritamente futebolístico é uma ótima contratação. Mas pelo aspecto negocial, da administração do clube, fica a pergunta: Será que vale a pena?

Eu não vou me filiar a corrente simplista que afirma que a contratação se paga caso os gols, as vitórias apareceram. Não se pode colocar este condicional. Entendo que as perguntas que devemos fazer agora são outras:

– Qual é o valor total da negociação?
– Quanto, efetivamente, é o salário de Kléber?
– O Grêmio tem condição de pagar isso?
– Quanto isso representa no orçamento e na folha do clube?
– Quanto custaria um jogador equivalente?
– O que o Grêmio conseguiria contratar hoje por esse mesmo valor?

Me parece é que somente com as repostas para esses questionamentos (e por enquanto, eu não as tenho) é que podemos avaliar concretamente a contratação.

Brasileirão – Grêmio 1 x 3 Ceará

November 21, 2011


Não vi o jogo. O resultado é decepcionante, mas não há mais como acha-lo supreendente.

Fotos: Itamar Aguiar (Grêmio FBPA)

Grêmio 1 x 3 Ceará

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes, Rafael Marques, Saimon (Vilson, Intervalo) e Julio Cesar; Fernando, Adilson (Willian Magrão, 13’/2ºT), Marquinhos, Douglas e Leandro; André Lima (Miralles, 13’/2ºT.
Técnico: Celso Roth.

CEARÁ: Fernando Henrique, Heleno, Thiago Matias, Daniel Marques e Eusébio; Juca, Michel, João Marcos e Thiago Humberto (Leandro Chaves, 36’/2ºT); Felipe Azevedo (Paulinho, 26’/2ºT) e Osvaldo (Washington, 43’/2ºT).
Técnico: Dimas Filgueiras.


36ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2011
Data: 19/11/2011, sábado, 19h00min
Local: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Público Total: 7.130 (5.658 pagantes)
Renda: R$ 94.355,50
Árbitro: Gutenberg de Paula Fonseca (Fifa-RJ)
Auxiliares: Jackson L. Massarra dos Santos (RJ) e Marcelo Braz Mariano (RJ)
Cartões amarelos: Saimon, Rafael Marques, Fernando (GRE); Juca, Heleno, Thiago Mathias, Felipe Azevedo, Eusébio (CEA)
Gols: Felipe Azevedo, 28’/1ºT e Douglas, 37’/1ºT; , Felipe Azevedo 4’/2ºT e 12’/2ºT.

Camisa azul marinho 2011 – Quarto Uniforme

November 20, 2011

Amanhã venha ao Olímpico e veja o novo uniforme de perto

O novo uniforme, com camisa azul-marinho e calções e meias brancas, será revelado apenas quando o time entrar em campo, neste sábado, a partir das 19h. A ideia do Clube é disponibilizar o produto para venda na loja GrêmioMania ainda neste final de semana.

No último mês de outubro, a Fan Page Oficial do Tricolor, junto com o site GrêmioToons, disponibilizou a imagem de três uniformes diferentes para votação. Com a grande mobilização dos usuários das redes sociais, o torcedor gremista escolheu o modelo azul-marinho como Uniforme Oficial Número 4 com 45,82% da preferência. “Ações como essa são uma constante do Clube que sempre busca formas inovadoras de prestigiar e interagir com o seu torcedor”, destaca o Presidente do Grêmio, Paulo Odone. Em parceria com Topper e Filon, o Grêmio irá lançar o uniforme amanhã no jogo contra o Ceará, pelo Campeonato Brasileiro.

“Esse lançamento chancela a solidez das novas coleções e produtos oficiais apresentados pelo Grêmio neste ano”, comemora o executivo de marketing do Clube, Paulo César Verardi, que destaca a preocupação em satisfazer todas as camadas da torcida: “como sempre, o produto contempla homens, mulheres e crianças. Aliás, pensando em nossas torcedoras, o uniforme traz uma inovação importante no short que, a exemplo da camisa, tem modelagem especial”, revela.

Verardi ressalta também a participação do torcedor na decisão final: “o uniforme foi escolhido pelos gremistas em nossas mídias digitais. Esta é uma tendência que valoriza e estreita o relacionamento com o torcedor”, finalizou.”


VOCÊ ESCOLHE O NOVO UNIFORME OFICIAL DO GRÊMIO
Torcedor pode votar até dia 12/10

Para comemorar o Dia das Crianças, dia 12 de outubro, o Grêmio quer que seus pequenos torcedores ajudem a escolher o UNIFORME OFICIAL Nº 4 que será utilizado pelo Tricolor.
Para tanto, estamos colocando no ar uma enquete com três opções de uniforme para que o torcedor vote:

As opções são:

Marinho/branco/celeste
Havana/marinho
Celeste/preto.

Torcedores e associados poderão escolher uma das três opções, através da nossa Fan Page Oficial no Facebook e no site GRÊMIOTOONS.
A enquete permanecerá no ar para votação até às 12h do dia 12 de outubro e a divulgação do uniforme oficial escolhido pelo torcedor será feita antes do jogo contra o Figueirense, no Olímpico.
O uniforme será lançado ainda no mês de outubro e, em seguida, estará à disposição do torcedor nas lojas Grêmio Mania.
Veja abaixo!


Arbitragens na Imprensa III

November 18, 2011
Com tudo o que aconteceu em Fluminense e Grêmio, resolvi que era um bom momento de repetir uma “brincadeira” feita aqui no blog: Verificar como a imprensa trata os erros de arbitragem em jogos da dupla grenal.

As partidas em questão foram Fluminense 5×4 Grêmio e Inter 1×0 Bahia, que foram disputadas concomitantemente. Procurei nos relatos dos jogos as menções aos erros de arbitragem. Para tanto, considerei os três penaltis não marcados no jogo do Inter e “apenas” o impedimento de Fred no segundo gol do Fluminense e o pênalti cometido por Marquinho. Desconsiderei a suposta falta em Brandão no último gol, a reclamação sobre o pênalti marcado para o Fluminense e uma jogada em cima de Leandro mencionada por Celso Roth.

O resultado está na tabela abaixo. Como se pode perceber, apenas um veículo não registrou todos os pênaltis do jogo do Beira-Rio, enquanto foram raras as menções aos erros que prejudicaram o Grêmio.

Zero Hora Fluminense 5×4 Grêmio: O jornal não menciona a posição duvidosa de Fred no 2º gol do Fluminense mas menciona toque de mão de Marquinho na área do Fluminense. Afirma que Adílson cometeu o pênalti e relata a reclamação do Grêmio sobre a falta em brandão
Zero Hora Inter 1×0 Bahia: O jornal menciona os três pênaltis não marcados por Paulo Cesar de Oliveira
Globo Esporte – Fluminense 5×4 Grêmio: O site não menciona a posição duvidosa de Fred no 2º gol e o toque de mão de Marquinho na área do Fluminense
Globo EsporteInter 1×0 Bahia: O site menciona os três pênaltis não marcados por Paulo Cesar de Oliveira

UOL Fluminense 5×4 Grêmio: O site não menciona a posição duvidosa de Fred no 2º gol e o toque de mão de Marquinho na área do Fluminense. Afirma que “Carlinhos sofreu pênalti de Adílson” O nome do árbitro sequer é mencionado no texto.
UOLInter 1×0 Bahia: O site menciona os três pênaltis não marcados por Paulo Cesar de Oliveira

Correio do Povo Fluminense 5×4 Grêmio: O jornal não menciona a posição duvidosa de Fred no 2º gol e o toque de mão de Marquinho na área do Fluminense, muito menos sobre o pênalti cometido por Adílson (penúltimo gol) e a falta em brandão no último gol. O nome do árbitro sequer é mencionado no texto.
Correio do Povo Inter 1×0 Bahia: O jornal menciona os três pênaltis não marcados por Paulo Cesar de Oliveira

O SulFluminense 5×4 Grêmio: O jornal não menciona a posição duvidosa de Fred no 2º gol, contudo cita um pênalti não marcado para o Grêmio e afirma que a penalidade marcada para o Fluminense foi inexistente
O SulInter 1×0 Bahia: O jornal menciona os três pênaltis não marcados por Paulo Cesar de Oliveira

IGInter 1×0 Bahia: O site menciona os três pênaltis não marcados por Paulo Cesar de Oliveira
IGFluminense 5×4 Grêmio: O site não menciona a posição duvidosa de Fred no 2º gol e o toque de mão de Marquinho na área do Fluminense. Contudo, caracteriza o pênalti para o Fluminense como duvidoso e menciona uma “suposta falta” em Brandão no último gol.

Terra – O site fala na posição duvidosa de Fred no segundo, mas não menciona o pênalti cometido por Marquinho.
Terra – O site menciona os pênaltis de Fabinho e Bolívar, mas não menciona o pênalti de Diego Jussani.


Brasileirão – Fluminense 5 x 4 Grêmio

November 17, 2011
Eu não me canso de dizer isso: O campeonato brasileiro não é sério.

Não é possível que um árbitro faça o que fez no jogo de ontem e a competição siga em frente, como se nada tivesse acontecido.

Grêmio e Fluminense poderiam ter feito um bom jogo de futebol. Poderiam, mas o juiz Francisco Carlos Nascimento estragou tudo.

E não foi em uma marcação isolada. Não foi em dois momentos, não foi em lances de interpretação. Foi durante a partida inteira, favorecendo o time da casa em todas marcações possíveis.

Mesmo sem ter objetivo maior no campeonato e mesmo estando desfalcado, o Grêmio esteve bem na partida. Foi superior ao Fluminense, mostrando um bom e tranquilo toque de bola. O Grêmio sempre quis jogo, sempre tentou o ataque. Merecia e deveria ter tido melhor “sorte”.

Não é a primeira vez que o Grêmio entrou em campo para cumprir tabela, mostrou diginidade e foi vergonhosamente roubado.

A lista de erros da arbitragem ontem é por demasiado longa: Poderia começar por um carrinho que Lúcio levou dentro da área quando o jogo ainda estava 0x0. Tem uma falta clara em Gabriel, perto da meia lua, ainda no primeiro tempo. Tem o impedimento de Fred no segundo gol do Fluminense (feito em momento vital da partida). Tem o pênalti de Marquinho. Tem uma falta em Leandro na área carioca. Tem o discutível pênalti feito por Adílson, com os ainda mais discutíveis cartões dados a Fernando e Lúcio. Tem a falta e L.Eusébio e Brandão no último gol (com a expulsão deste) e termina com um toque de mão no ataque do Fluminense que quase resultou num sexto gol.

Todos esses erros favoreceram o time da casa. Pra piorar, o juiz da partida tomou algumas atitudes estranhas. Tais fatores complicam a tese da mera “incompetência” do juiz.

Não dá pra compactuar com isso. Não dá pra achar normal que atletas que estavam somente cumprindo tabela se revoltem a ponto de querer abandonar a partida.

Assim como não é possível aceitar um narrador tão bairrista a ponto de deixar envergonhados torcedores do co-irmão. Uma equipe de jornalistas que não se sabe se efetivamente são burros ou apenas fazem de conta para passar bem. De uma transmissão que ignora replays em lances polêmicos.

E quem deveria fazer algo faz vista grossa. Investe-se milhões em atletas, técnicos, gramados, câmeras e tudo acaba sendo decidido por gente de baixíssimo nível. E um filho da puta que não olha o jogo resolve (mais uma vez) dar uma de engraçadinho

Fotos: Dhavid Normando (Terra) e UOL

Fluminense 5 x 4 Grêmio

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Mariano, Elivélton, Leandro Euzébio e Carlinhos; Valencia, Diguinho, Marquinho (Matheus Carvalho, 34’/2ºT) e Deco (Souza, 40’/2ºT; Rafael Sobis (Rafael Moura, 34’/2ºT) e Fred
Técnico: Abel Braga.
Link
GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes, Gilberto Silva (Saimon, 21’/2ºT), Rafael Marques e Gabriel; Fernando, Adilson, Marquinhos (Leandro, 26’/2ºT), Douglas e Lúcio (Miralles, 45’/2ºT); Brandão.
Técnico: Celso Roth.


35ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2011
Local: Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)
Data: 16/11/2011, quarta-feira, 20h30min
Público: 11.395 ( 8.904 pagantes)
Renda: R$ 155.560,00
Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)
Assistentes: Bruno Boschilia (PR) e José Amilton Pontarolo (PR)
Cartões Amarelos: Fernando, Lúcio, Marqunhos, Rafael Marques (GRE); Matheus Carvalho (FLU)
Cartões Vermelhos: Brandão (GRE)
Gols: Fluminense: Fred (24min/1ºT, 8min, 33min e 36/2ºT), Rafael Sobis (16min/2ºT); Grêmio: Rafael Marques (16min/1ºT), Marquinhos (46min/1ºT), Brandão (29min/2ºT), Adílson (30min/2ºT)

Brasileirão – Grêmio 2 x 2 Palmeiras

November 13, 2011

Como podiamos imaginar, levando em conta as escalações, a classificação e o momento dos clubes, Grêmio e Palmeiras fizeram um jogo horroroso na tarde Estádio Olímpico. Sem Marquinhos e André Lima, Roth tentava repetir o esquema com outras peças. Cedo, com a lesão de Escudero, o treinador foi obrigado a abandonar essa idéia. Havia uma clara separação entre o setor de ataque e o setor defensivo do Grêmio, e assim o time tinha dificuldade pra atacar. Os laterais, que poderiam fazer essa transição, foram bem marcados e não conseguiram dar início as jogadas. O Palmeiras fez 1xo no primeiro tempo (com Cicinho) e ampliou com Marcos Assunção no início do segundo tempo (cobrando uma falta inexistente). Na meia hora final de jogo o Grêmio resolveu colocar um pouco mais de empenho, passando a jogar com um pouco mais de intensidade (ainda que sem maior brilho) e isso foi o suficiente para descontar, com Brandão aproveitando boa jogada de Leandro e empatar, num chutaço de Fernando.

A arbitragem brasileira é caso de polícia. O nível é muito baixo. Ainda assim, Edivaldo Elias da Silva conseguiu chamar a atenção pela sua total incompetência no apito.

Luan, que sabe-se lá como é titular do Palmeiras, se animou com o 2×0 e resolveu dar show, passar o pé em cima da bola e tentou marcar golaços. Deu no que deu.

A principal virtude de Adílson está na marcação, no desarme. Ele não pode jogar de meia, não pode receber a bola de costas pro gol para tentar armar.

Leandro entrou bem, chamando jogo. Não entendo porque o guri perdeu espaço no Grêmio nestes últimos tempos.

LinkFotos: Grêmio Fotos e Grêmio.net

Grêmio 2 x 2 Palmeiras

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes, Gilberto Silva, Rafael Marques e Julio Cesar; Fernando, Fábio Rochemback (Gabriel, 41’/2ºT), Adílson (Leandro, Intervalo), Douglas, Escudero (Brandão, 13’/1ºT) e Miralles.
Técnico: Celso Roth.
Link
PALMEIRAS: Deola, Cicinho, Leandro Amaro, Thiago Heleno e Gerley; Márcio Araújo, Marcos Assunção, Tinga e Patrik; Luan e Ricardo Bueno (Fernandão, 31’/2ºT).

Técnico: Luiz F. Scolari.

33ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2011
Data: 13/11/2011, domingo, 17h00min
Local: Estádio Olímpico, Porto Alegre (RS)
Público Total: 15.062 (12.193 pagantes)
Renda: R$ 259.905,00
Árbitro: Edivaldo Elias da Silva (PR)
Auxiliares: Marco Antônio Martins (SC) e Gilson Benton Coutinho (PR)
Cartões Amarelos: Gerley, Luan, Márcio Araújo e Ricardo Bueno (PAL); Fábio Rochemback, Fernando, Leandro e Julio Cesar (GRE);
Gols: Cicinho, 25’/1ºT; Marcos Assunção, 14’/2ºT; Brandão, 23’/2ºT; Fernando, 45’/2ºT

3 em 1 – Gauchão 1994

November 9, 2011

Uma página lamentável do futebol gaúcho foi escrita em 11 de dezembro de 1994, dia no qual Grêmio jogou três partidas em sequência.

Todos os jogos eram válidos pelo interminável Gauchão de 1994, disputado por 23 equipes, em turno e returno por pontos corridos (vejam só, pontos corridos não é sinônimo de organização).

Além do certame estadual, o Grêmio ainda disputou naquele ano a Copa do Brasil, o Campeonato Brasileiro, a Supercopa e a Copa Conmebol, tendo assim realizado mais de 95 partidas na temporada. Isso determinou este acumulo de jogos atrasados.

Os adversários daquela tarde eram o Aimoré, Santa Cruz e Brasil de Pelotas, que corriam risco de ser uma das NOVE equipes rebaixadas.

O público foi de 758 pessoas, sendo que destas 247 eram pagantes. A renda foi de R$ 690,00. Certamente foi um dos menores públicos da história do Estádio Olímpico.

Um fato curioso é que em novembro do mesmo ano o Grêmio já tinha se visto em situação parecida, quando enfrentou São Paulo, que fez uma jornada dupla que também envolveu o Sporting Cristal.

Segue abaixo alguns trechos da cobertura da Zero Hora sobre o evento bem como as fichas das partidas.

“O Grêmio concentrou 42 jogadores, utilizou 34* deles em três jogos diferentes e deu um nó no cerébro do roupeiro Hélio, responsável pelas trocas de calções, camisetas e chuteiras. “O pior é que estes três jogos juntos não valem um”, resmungou ele no intervalo do segundo para o terceiro.” (Zero Hora – 12 de dezembro de 1994)

“Às 15h chegou a delegação do Brasil, de Pelotas, time que faria o terceiro jogo, às 18h. Os dois vestiários para os visitantes estavam lotados e o técnico Ernesto Guedes viu-se obrigado a levar seus comandados para as sociais do Olímpico. Pagou Picolé para a turma e engordou o número de torcedores das sociais.” (Zero Hora, 12 de dezembro de 1994)

“Aos 5 minutos do segundo jogo o calor atingiu o pico. Sensação térmica de 48 graus (10 a mais que a temperatura máxima oficial registrada ontem em Porto Alegre). O médico José França dos Santos, da Sociedade Gaúcha de Medicina do Esporte, acomodado atrás de uma das goleiras com seus aparelhos que mediam temperatura, irradiação solar e condições de evaporação, sentia o impulso de invadir o gramado e pedir o fim do jogo: “Não há nenhuma condição para a prática de esporte”, repetia. Fosse um esporte individual e competição já teria sido interrompida, garantia, apontando para o termômetro que só por volta das 17 horas começou a reduzir sua indicação de calor.

O árbitro do primeiro jogo, Wily Tissot, foi sensível à tortura imposta pelo clima aos jogadores e, aos 23 minutos do segundo tempo, tomou uma atitude inédita: paralisou o jogo e mandou todo mundo tomar água. O público, reconhecendo a boa iniciativa, aplaudiu-o. Ao lado da defesa feita por Murilo no pênalti cobrado por Eládio, do Aimoré, aquele foi o momento mais saudado no jogo inicial do domingão.” (Zero Hora, 12 de dezembro de 1994)

A popular Terezinha Morango, furúnculos impedindo acomodação nas cadeiras, preferiu circular em meio ao povo. E Sidiomar da Rosa, torcedor do Brasil, conseguiu ingressar nas sociais de bicicleta, após pedá-la durante 12 horas de Pelotas até Porto Alegre.(Zero Hora, 12 de dezembro de 1994)

“Maqueiros ganharam o triplo (total de R$ 54,00 a ser dividido entre três), gandulas ganharam o triplo (R$ 72,00 para ser dividido entre 12) e fiscais da federação reclamaram que para eles só seria pago o equivalente a uma partida. Tratamento desigual, razão de revolta. Até os cavalos utilizados pela Brigada Militar foram tratados com mais condescendência, pois durante o jogo de nº 2 foram substituídos. Os cães não, estes ficaram o tempo todo. Tratamento desigual, outra vez.” (Zero Hora, 12 de dezembro de 1994)

Grêmio 0 x 0 Aimoré

GRÊMIO: Murilo; Cristian, Luciano, Éder e Júlio César; Puma, Alexandre e André Muller; Tefo (Juliano), Escurinho e Rodrigo Gasolina.
Técnico: Zeca Rodrigues

AIMORÉ: Rogério; Martins, Aládio, Márcio Haubert e Marquinhos; Aílton, Clóvis e Lindomar (Oberti); Leco, Márcio Cruz e Ânderson.
Técnico: Celso Freitas

Horário: 14h00min
Árbitro: Willy Tissot
Auxiliares: Sérgio Chagas e José Pessi

Grêmio 4 x 3 Santa Cruz

GRÊMIO: Danrlei; Ayupe, Scheidt, Agnaldo Liz, Arílson; Pingo, Jamir, (Émerson) e Carlos Miguel; Fabinho e Jacques (Ciro).
Técnico: Zeca Rodriges

SANTA CRUZ: Gilmar; ÉdsonAvila, Itamar, Alamir e Varta (Mauro); Carlos, Sídney e Áureo; Caio (Alceu), Paulo Roberto e Eldor.
Técnico: Tadeu Menezes

Horário: 16h00min
Árbitro: Leonardo Gaciba
Assistentes: Roberto Scherer e Carlos Bitencourt.
Cartão Vermelho: Eldor (Santa Cruz)
Gols: Agnaldo (pênati) aos 4 minutos (1×0), Paulo Roberto aos 13 (1×1) e Carlos Miguel aos 20 minutos do primeiro tempo (2×1); Paulo Roberto aos 5 minutos (2×2), Ayupe aos 11 minutos (3×2), Áureo aos 15 minutos (3×3) e Fabinho aos 47 minutos do segundo tempo (4×3)

Grêmio 1 x o Brasil de Pelotas

GRÊMIO: Aílton Cruz; Jairo Santos, César, Cristiano e Duda; André Vieira, Wallace e Émerson (Jacques); Carlinhos, Ciro (Juliano) e Cristiano Júnior.
Técnico: Luis Felipe Scolari

BRASIL-PEL: Cássio; Júnior, Silva, Rogério e Marcelo; Marquinhos, Dido (Sassia) e Jabá; Nazarildo (Netinho) Cléber e Martins.
Técnico: Ernesto Guedes

Árbitro: Paulo Felipe
Assistentes: Paulo Iguariassá e Vilso Petry
Cartão Vermelho: Juliano (Grêmio)
Gol: Jacques, aos 22 minutos do segundo tempo

Público: 758 (247 pagantes)
Renda: R$ 690,00

As imagens são da Zero Hora e da Placar.

* Segundo o blog História do Futebol – Final os atletas Émerson (goleiro), Márcio Santos, Ricardo, Alessandro, Vânderson e Paulo César não atuaram em nenhuma das 3 partidas.

Brasileirão – Atlético Mineiro 2 x 0 Grêmio

November 7, 2011

O começo de partida do Grêmio até que não foi desanimador. O time conseguiu ter alguma presença ofensiva e incomodou adversário. O melhor momento tricolor aconteceu na primeira meia hora de jogo, quando mais criou oportunidades. Contudo, aos poucos o Atlético passou a ficar mais a vontade em campo. A correria promovida por Cuca passou a dar resultado e bola parecia não sair mais da intermediária gremista. Aos 41, quando o 0x0 no primeiro tempo já parecia bom negócio, Fillipe Souto chutou de fora da área, Victor espalmou e André (em posição duvidosa) marcou o primeiro tento da partida.

Logo com 8 minutos do segundo tempo, Neto Berola recebeu o segundo amarelo e deixou o campo. Mais uma vez o Grêmio não soube se aproveitar do fato de ter um jogador a mais em campo. O jogo passou acontecer somente no campo de ataque tricolor, mas foram poucas as chances criadas. Pra piorar, o Atlético marcou o segundo, com Marquinhos Cambalhota, que aproveitou a “segunda bola” de um tiro de meta cobrado pelo seu goleiro.

Venceu o time que mostrou mais vontade, o time que ainda disputa alguma coisa no campeonato.

Fotos: Bruno Cantini (www.atletico.com.br)

Atlético Mineiro 2 x 0 Grêmio
André 41´
Marquinhos Cambalhota 28´

ATLÉTICO-MG: Renan Ribeiro, Carlos César (Serginho 11’/2ºT), Réver, Leonardo Silva e Triguinho; Pierre, Fillipe Soutto, Bernard e Daniel Carvalho (Marquinhos Cambalhota 28’/2ºT); Neto Berola e André (Richarlyson 19’/2ºT)
Técnico: Cuca.

GRÊMIO: Victor, Mário Fernandes (Everaldo 39’/2ºT), Gilberto Silva, Rafael Marques e Julio Cesar; Fábio Rochemback (Leandro 19’/2ºT), Adilson, Marquinhos (Gabriel 28’/2ºT), Douglas e Escudero; André Lima
Técnico: Celso Roth

33ª rodada – Campeonato Brasileiro 2011
Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas (MG)
Data: 5/11/2011, sábado, 19h00min
Público pagante: 17.387
Renda: R$ 108.285,00
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (Fifa-SP)
Auxiliares: Herman Brumel Vani (SP) e Danilo Ricardo Simon Manis (SP)
Cartões amarelos: Leonardo Silva e Neto Berola (ATL); Marquinhos e Gilberto Silva (GRE)
Cartões vermelhos: Neto Berola 8’/2ºT (ATL)
Gols: André 41’/1ºT (1-0) e Marquinhos Cambalhota 30’/2ºT (2-0)