Archive for January, 2012

Gauchão – Juventude 2 x 1 Grêmio

January 30, 2012
O Grêmio não fez uma boa partida em Caxias. O time pareceu pouco entrosado, com peças que não se combinavam (o que é natural para essa altura da temporada). O tricolor até conseguiu atacar bastante, especialmente pelos dos lados dos campos com seus alas, mas sempre que a bola se aproximava da meta adversária se via uma hesitação dos gremista em tentar a conclusão (como no lance em que Júlio Cesar driblou o goleiro e preferiu não arriscar um chute com pouco ângulo). Os zagueiros gremistas jogavam distantes e os meio-campistas pouco apareceram (Fernando foi o que mais tentou, Douglas parece não ter entrado em campo).

Victor foi a grande figura do Grêmio na partida. O que nem sempre é bom sinal, no que tange o desempenho da equipe. A dupla de ataque foi bem. Moreno ainda carece de melhor forma, mas Kléber mostrou que tem talento e disposição para incomodar a defesa adversária.

O Juventude esteve melhor na partida, mas não foi tão superior como o comentarista da televisão insistia em repetir. O time da serra mostrou-se mais organizado e mais feliz na sua proposta de jogo, conseguindo aproveitar os erros do Grêmio e a situação criada pelo juiz da partida. Mas foi o justo vencedor da partida, conforme bem reconheceu o presidente Paulo Odone.


Eu insisto que é incoerente investir tanto dinheiro em jogadores, técnicos, estádios e fazer pouco caso da questão da arbitragem. É preciso atentar para esse tema. E isso vale para quem comanda os clubes e para quem organiza o campeonato.

Já faz algum tempo que Anderson Daronco desistiu de ser um bom árbitro, optando por se tornar um juiz que grita com atletas enquanto mantém a pose de mau. Mas ontem ele foi especialmente desastroso.

Começou levando uma pressão do time da casa por não marcar um pênalti em Mário Fernandes. Depois disso, mostrou cartão amarelo para Fernando e Grolli em lances que sequer existiu falta. No segundo tempo, deixou de dar um pênalti claro em Kleber (num lance parecido com o que gerou o pênalti em Marcelo Moreno). Expulsou acertadamente o jogador Bruno Salvador, mas deixou que Athos mudasse o lugar da cobrança da falta que foi repetida, e que ocasionou o segundo gol do Juventude. Claramente tentou compensar ao injustamente apresentar cartão vermelho para Gabriel, que mal enconstou no adverário.
Link
Melhor ainda foram os comentários de Maurício Saraiva, que insistia em ver uma boa atuação do árbitro. O jornalista não viu maldade no lance em que Bruno Salvador atingiu Kleber na canela com as travas da chuteira. E a dupla que transmitia o jogo, apesar de falar ininterruptamente, silenciou sobre um impedimento muito mal marcado em Júlio Cesar no primeiro tempo. No segundo tempo, a mão de Gabriel no peito de jogador do Juventude virou um golpe “contra o rosto” do adversário. E teve um lance de pênalti em Mário Fernandes, segundos antes da expulsão, que entra no rol daquelas jogadas em que inexiste replay.

É cedo e o Gauchão vale pouco. Mas é impressionante notar como são tumultuados os jogos da competição. Desnecessariamente tumultuados.

Fotos: Terra (Wesley Santos) e Correio do Povo (Cristiano Estrela)

Juventude 2 x 1 Grêmio

JUVENTUDE: Jonatas; Rafael Mineiro, Rafael Pereira, Bruno Salvador e Everton; Deoclécio, Nem, Alan (Nico Martínez, 4’2T) e Athos (Tássio, 30’2T); Jonatas Belusso (Ricardo Filho, 12’2T) e Zulu
Técnico: Antônio Picoli.

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes, Saimon e Douglas Grolli; Gabriel, Fernando (Marquinhos, 19’2T), Léo Gago, Douglas (Marco Antonio, 11’2T) e Julio Cesar (Bruno Collaço, 34’2T); Kleber e Marcelo Moreno
Técnico: Caio Júnior.

3ª Rodada – 1º Turno – Campeonato Gaúcho 2012
Local: Estádio Alfredo Jaconi, Caxias do Sul (RS)
Data: 29/1/2012, domingo, 17h00min
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Auxiliares: José Inácio Souza (RS) e Vilmar Burini (RS)
Público: 9.492 pagantes.
Renda: R$ 227.225,00
Cartões amarelos: Rafael Mineiro, Bruno Salvador; Douglas Grolli, Fernando e Kleber
Cartões vermelhos: Bruno Salvador (JUV), 10’2T e Gabriel (GRE), 16’2T
Gols: Zulu, 32’1T(1-0) e Douglas Groli (contra), 14’2T(2-0); Kleber, 45’2T(1-2)

Advertisements

Gauchão – Canoas 1 x 3 Grêmio

January 26, 2012

Link

O Grêmio foi a Canoas tentando marcar seu primeiro gol e a conquistar sua primeira vitória no campeonato Gaúcho. O gol saiu cedo, logo a um minuto, quando Grolli desviou a cobrança de escanteio no primeio pau e Kleber completou para as redes no segundo. Já vitória demorou um pouco mais para ser consolidada. A vantagem fez com que o Grêmio jogasse num ritmo mais lento, tentando furar o bloqueio do adversário, que seguia fechado na defesa mesmo estando atrás no marcador. Aos 31, ocorreu o empate, também em um escanteio, numa jogada que valeu de tudo até Marcelão marcar. O Grêmio teria que se mexer no segundo tempo. E foi o que aconteceu.

Caio Junior tirou o time de um 4-4-2 (com losango no meio campo) e passou para um 3-5-2 (Com Gabriel na ala direita e Mário de stopper). O jogo do Grêmio passou a fluir mais rápido, com jogadas pelos dois lados do campo. Contudo o desempate surgiu em mais um lance de bola parada. Leo Gago bateu falta com força, o goleiro soltou e Gabriel marcou o 2×1. Aos 41, Kleber fez bom cruzamento e Marcelo Moreno subiu para decretar o 3×1 final.


Em 2 jogos já foram usados 4 esquemas diferentes (um em cada tempo). O treinador já havia dito que esse período também é usado para testar e aprimorar as diversas possibilidades.

E uma possibilidade que não pode ser descartada tão facilmente é a de usar Gabriel e Mário Fernandes na equipe titular.

Apesar da visivel falta de ritmo, Marcelo Moreno fez boa estreia. Marcou com um gol onde mostrou predicados de um bom centroavante.

Fotos: Richard Ducker (Ducker.com.br) , Lucas Uebel (Grêmio.net) e Grêmio1983.blogspot.com

Canoas 1 x 3 Grêmio

CANOAS: Ney; Carvalho, Marcelão e Mathias; Marder, Dudé, Davi, Jé (Diogo Rincón) e Kaoe; Diogo Oliveira (Márcio Jonatan) e Telê (Carlos Júnior).
Técnico: Marcelo Estigarribia

GRÊMIO : Victor; Mário Fernandes, Saimon, Grolli e Julio Cesar; Fernando (Gilberto Silva), Léo Gago, Marco Antonio (Gabriel) e Douglas (Marquinhos); Kleber e Marcelo Moreno

Técnico: Caio Júnior


2ª Rodada – 1º Turno – Campeonato Gaúcho 2011
Data: 25/01/2012, quarta-feira, 19H30min
Local: Complexo Esportivo da Ulbra, em Canoas (RS)
Árbitro: Fabrício Neves Correa
Auxiliares: Alduino Mocelin e Sedenir Martins
Cartões amarelos: Diogo Oliveira e Carvalho
Gols: Kleber, a 1 minuto e Marcelão, aos 31 minutos do primeiro tempo; Gabriel , aos 6 minutos E Marcelo Moreno, aos 41 minutos do segundo tempo;

Camisa Treino Penalty 1991/1992 – Alemanha 1990

January 25, 2012
Certamente um dos desenhos mais famosos da história das camisetas de futebol é o que Adidas fez para a seleção da Alemanha Ocidental usar na Eurocopa de 1988 e na Copa de 1990. Um design que marcou e influenciou muito. A própria Adidas repetiu esse padrão em outras equipes, como o Boca Juniors em 1989.

Existe um site que se arrisca a montar camisas imaginárias, aplicando este desenho na camisa de times brasileiros. Achei a do Fluminense interessante, mas não gostei muito do resultado da camisa imaginada para o Grêmio (no dos outros sempre é refresco).

O curioso é que o tricolor já teve um uniforme inspirado nesse clássico alemão, mas era uma camisa de treino, feita pela Penalty. Nas fotos acima e abaixo, Valdir Espinosa usa tal peça no início de 1992 e no final de 1991.

Link

P.S. Nessa mesma época, a penalty também aplicou esse desenho na camisa titular do América Mineiro. O coelho inclusive usou ela nos confrontos contra o tricolor em 1992.

P.S. 2: A NR fez uma camisa parecida com essa para o Napoli, na temporada 1989/1990.

Gauchão – Grêmio 0 x 2 Lajeadense

January 22, 2012

Por mais que já se tenha dito, nunca é demais repetir que é demasiado cedo para fazer qualquer análise mais aprofundada ou qualquer sentença mais definitiva. Com técnico novo, reforços estreando, o Grêmio fazia uma atuação razoável na sua primeira partida na temporada. Apesar de não ter criado chances claras, o tricolor ocupava o campo de ataque e controlava o Lajeadense. Isso até tomar dois gols em dois minutos. Um no final do primeiro tempo e outro no início do segundo. Aí o Lajeadense soube jogar com a vantagem, se mostrando uma equipe organizada e com um bom conjunto, merecendo a vitória. Para o Grêmio sobrou tempo mas faltou perna para tentar uma reação.

Caio Jr. usou um 4-4-2 com meias abertos (e com os pés “invertidos) no primeiro tempo, mudando para um 4-5-1 no segundo tempo.

Douglas Grolli caiu nas graças da torcida. Muitos jogadores crescem com esse tipo de tratamento.

Marcio Chagas foi mal. Não deveria ter expulsado Bruninho. Pior foi Batista, que conseguiu “interpretar” de forma diferente dois lances muito parecidos (o da expulsão e um em Mário Fernandes)

E (por enquanto) a numeração fixa está mantida. Acho bom. É uma medida inevitável.

LinkFotos: Grêmio Fotos e Richard Ducker (Ducker.com.br)

Grêmio 0 x 2 Lajeadense
Ramos 45´
Tatá 46´

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes, Saimon, Douglas Grolli, Julio Cesar; Fernando (Marquinhos, aos 24’/2ºT), Léo Gago, Marco Antônio (Yuri, aos 31’/2ºT) e Douglas; Miralles (Leandro, intervalo) e Kleber.
Técnico: Caio Júnior.


LAJEADENSE: Fernando; Alexandre Bindé, Micael, Gabriel e Wellington Barone; Rudiero, Ramos, Willian e Bruninho; Jandson (Adriano, aos 26’/2ºT) e Tatá (Jean, aos 16’/2ºT).
Técnico: Ben-Hur Pereira.


1ª Rodada – 1º Turno – Campeonato Gaúcho 2012
Data: 21 de janeiro de 2012, sábado, 21h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público Total: 18.868 (15.294 pagantes)
Renda: R$ 343.768,25
Árbitro: Márcio Chagas da Silva
Auxiliares: Júlio César dos Santos e Marcelo Oliveira e Silva
Cartões amarelos: Tatá, Bruninho, Fernando, Fernando e Yuri Mamute
Cartão vermelho: Bruninho (15min/2ºt)
Gols: Ramos aos 45 do primeiro tempo; Tatá, a 1 minuto do segundo tempo.

Amistoso 1991 – Grêmio 5 x 0 Seleção de Capão da Canoa

January 18, 2012
A organização da Copa de 2014 é uma fonte inesgotável de assunto. Confesso que fico um pouco supreso com a grande quantidade de cidades gáuchas que de se candidatam a ser subsede na Copa do Mundo. Na última segunda-feira, ao ler as notícias que davam conta da vistoria feita por técnicos da Fifa em Capão da Canoa, imediatamente lembrei dos jogos que o Grêmio fez no litoral gáucho nos anos 90.

Um deles foi realizado em 26 de janeiro de 1991 no Estádio Mariscão (que até hoje resiste a especulação imobiliária). Uma goleada na “seleção de Capao da Canoa”. Foi o segundo jogo do Grêmio naquele (triste) ano.

Abaixo relato da partida segundo o Correio do Povo:

Goleada do Grêmio em Capão da Canoa

Com Assis marcando três gols, o Grêmio goleou a seleção de Capão da Canoa, sábado, por 5 a 0. Em seu segundo amistoso na temporada e último antes da estréia no campeonato brasileiro, dia 4, contra o Goiás, o time treinado por Cláudio Duarte já mostrou um futebol superior ao apresentado no empate diante do Novo Hamburgo. Os destaques foram Assis e João Antônio, além de Nilson, que voltou a marcar.

O estádio do Capão da Canoa F.C lotou. O espetáculo para os veranistas só não foi melhor porque o adversário do Grêmio era muito frágil. Já aos 3 minutoi, Nílsonn venceu a zaga e cabeceou para fazer 1 a 0. Aos 38, Santo marcou contra. No segundo tempo, Assis ampliou para 3 a 0, aos 26. Aos 34, ele voltou a marcar. Aos 42, de pênalti, Aos 42, de pênalti, Assis completou a goleada (Correio do Povo – 27 de janeiro de 1991)

Grêmio 5 x 0 Seleção de Capão da Canoa

GRÊMIO: Sidmar (Gérson): China (Luciano), Luis Fernando (Ion), Vilson e Marco Antônio; João Antônio, Donizete e Caio; Maurício (Biro-Biro), Nilson (Rodrigo) e Assis
Técnico: Cláudio Duarte

SELEÇÃO DE CAPÃO: Beto (Rato), Amarildo, Kiko, Santo e Giba; Cidinho, Zico (Fernando) e Jair; Tarciso, Spina e Jorjão.

Amistoso
Data: 26 de Janeiro de 1991
Horário: 17 horas
Juiz: Antônio Howes
Gols: Nilson, Santo (contra) e Assis (3 vezes)

Fórmula do Gauchão 2012

January 6, 2012
Tem gente que não costuma perder a oportunidade de ficar calado. O atual presidente da Federação Gaúcha de Futebol é uma dessas pessoas, e em 2012 Francisco Novelletto não deixou de lado essa característica. Primeiro deixou claro aos clubes do interior que “Não quer que a verba liberada pela televisão pelos direitos de transmissão seja usada no pagamento de contas antigas“. Depois, deu mais declarações absurdas em relação ao estadual que se aproxima. Entre elas destaco a seguinte:

“Sou aberto a qualquer diálogo e ideias, mas essa fórmula é muito boa. É a ideal. Enquanto eu estiver na presidência da Federação, vai ser isso. Todos jogam contra todos e tem emoção até o final. Caso algum clube caia fora, pode se recuperar depois no segundo turno” (Guilherme Becker – Zero Hora – 05/01/2012)

Antes de qualquer coisa, é imperioso apontar que logo nas primeiras frase Novelleto se contradiz. Do que serve o diálogo se a fórmula “vai ser isso” enquanto durar esta gestão? Outro ponto é que o fator apontado como virtude por Novelletto me parece ser na verdade um defeito. Os oitos times que “caem fora” em cada turno ficam três rodadas sem jogar (sem renda, sem exposição, etc…).

Mas um principal problema dos estaduais (e do calendário brasileiro em geral) é a questão das datas. E nisso o Gauchão está longe de ter a fórmula “ideal”. Com 16 times e 23 datas, o campeonato gaúcho talvez tenha o pior formato entre os regionais que envolvem grandes clubes.

– Em Minas Gerais, são 12 clubes, em um campeonato de 15 datas.

– No Rio de Janeiro, com quatro grandes clubes entre os 16 participantes, temos 21 datas. A fórmula do gauchão foi supostamente copiada do certame carioca, mas aqui foi acrescida uma quartas-de-final em cada turno.

– Somente em São Paulo é que temos também um campeonato de 23 datas, mas lá 20 clubes disputam o torneio, sendo 6 deles times da primeira divisão do futebol brasileiro.

Como se vê, a fórmula do Gauchão exige um número excessivo de datas. O que causa inúmero prejuízos, como a dificuldade de se remanejar partidas e o costumeiro uso de times reservas pelos grandes da capital. Um campeonato de turno único, com os mesmos 16 participantes (com 4 classificados para as semifinais) demandaria 19 datas, quatro a menos do que o formato atual. E ainda diminuiria a discrepância entre o número mínimo e máximo que uma equipe pode fazer no torneio (que hoje é de 15 e 23, respectivamente)

Um outro defeito recorrente do gauchão é a questão dos números de jogos que cada equipe faz em casa e como visitante. Um problema que já foi verificado em 2009, 2010 e 2011. Na montagem da tabela do campeonato do ano passado, foi prometido aos representantes do Grêmio que o Gauchão de 2012 usaria a tabela de 2011 de forma “espelhada”. Não é o que se verifica. Já na primeira rodada vemos que o Grêmio novamente irá receber o Lajeadense.

E assim como em 2011 (e em 2009), o Inter fará mais jogos em casa do que o Grêmio. O co-irmão fará 8 das suas 15 partidas no Beira-Rio, enquanto o Grêmio terá 7 jogos no Olímpico (incluindo aí o Grenal).

Ao menos dessa vez o Grêmio terá o mesmo número de partidas em Porto Alegre, pois enfrentará São José e Cruzeiro fora de casa. Mas outras coisas na montagem da tabela seguem estranhas. Pelo terceiro ano seguido é Grêmio que vai jogar na Boca do Lobo, enquanto o Inter recebe o Pelotas. Pelo terceiro ano seguido é o Grêmio que vai até Erechim enfrentar o Ypiranga. Pelo terceiro ano seguido o Grêmio enfrenta o Caxias em casa e o Juventude fora, enquanto o contrário acontece com o Inter.

São esses “detalhes” que acabam fazendo que muita gente enxergue o Gauchão como sinônimo de bagunça e atraso.

Camisa quadriculada

January 1, 2012

Essa é uma idéia que tive para uma terceira camisa do Grêmio.

Sei que é um padrão polêmico, mas eu sempre gostei de camisas de futebol com estampas quadriculadas.

Outro conceito que sempre me agradou é a “continuidade” do padrão da camiseta no calção.