Archive for July, 2012

1977 – Gauchão – Grêmio 10 x 0 Pelotas

July 31, 2012

Em 31 de julho de 1977 o Grêmio enfrentou o Pelotas pela 9ª rodada do 2º turno do Gauchão daquele ano. O jogo entrou para história devido aos 10 x 0 aplicados pelo tricolor, a maior goleada da história do confronto entre os dois clubes.

Uma curiosidade é que o centroavante André Catimba, titular da equipe, vivia um período de poucos gols (apenas um naquele campeonato até aquela data) e não anotou nenhum tento na goleada. Seu reserva, o já veterano Alcindo, entrou na metade do segundo tempo e marcou dois.

Mas o jogo foi também o estopim de uma briga do Grêmio com a federação gaúcha. O clima era tenso. Em julho o Presidente Hélio Dourado pedia imparcialidade na FGF. O pedido pareceu ter sido em vão. O inverno de 1977 foi bastante chuvoso no Rio Grande do Sul. A goleada do Grêmio se deu num olimpico completamente encharcado, enquanto o Inter teve o seu jogo contra o Caxias adiado.

A medida por si só causou revolta, mas foi a montagem da tabela dos jogos adiados pela chuva que causou um impasse entre a dupla, e o Grêmio, ao entender que a federação favoreceu o Internacional, decidiu romper com a entidade e pedir seu afastamento do campeonato.

“NINGUÉM PODE RECLAMAR MAIS QUE O TIME DE TELÊ NÃO FAZ GOLS
Pobre Pelotas. Tomou um gol no início do jogo e acabou levando dez. O azar do time de Getúlio Saldanha foi pegar o Grêmio uma semana depois de um empate contra o Juventude. E a disposição da equipe da capital foi intensa, apesar do gramado encharcado facilitar a nivelação técnica dos dois times. O Grêmio marcou logo aos 3 min e continuo exercendo forte pressão na área do Pelotas que não teve condições de sair da defesa equilibrando as ações. No final do primeiro tempo, o ritmo de Telê não tinha diminuído e as pessoas que estavam no Olímpico admitiam que o Pelotas seria goleado implacavelmente, porque a vitória do Grêmio estava garantida por 3 a 0.
Durante a semana Telê fez correções no ataque. A falta de gol no jogo contra o Juventude preocupou treinado que passou a exigir uma melhor aplicação do ataque do Grêmio, principalmente com relação ao posicionamento dos ponteiros Tarciso e Éder. Na segunda fase, isso foi confirmado somente o Grêmio tinha as iniciativas de atacar. O Pelotas jogava muito mal na defesa, como fizera no primeiro tempo, e no ataque Saldanha explorava apenas a experiência do centroavante Tião Abatiá, isolado entre os zagueiros Ancheta e Oberdan.
Se o ataque do Grêmio jogava sem marcação, a meia-cancha com Iúra, em tarde inspirada, dominava o setor, participando junto com Vitor Hugo e Tadeu Ricci em todas jogadas de frente. Os gols no segundo tempo continuavam , para alegria dos torcedores que estavam no frio molhados pela chuva fina que caiu toda a tarde. Getulio Saldanha ainda modificou a equipe colocando Paulo Vieira no lugar de Cito na defesa e Mortosa no lugar de Edson, mas as providências não ajudaram. Pelo lado do Grêmio, Telê foi obrigado a modificar o time por problema de lesão. Entrou Alcindo no lugar de André, machucado na mão direita e Vilson substituindo Oberdan que sentiu a perna direita.
No final os jogadores do Pelotas estavam desolados. O goleio Leomar, todo embarrado, depois de tomar dez gols, foi cumprimentado por Corbo, com a camiseta impecavelmente limpa. Até o trio de arbitragem foi abraçar o goleiro do Pelotas, que como os demais jogadores, foram goleados humilhantemente no Olímpico e em nenhum momento do jogo apelar para a violência (Evaldo Gonçalves – Zero Hora – 1º de agosto de 1977)

CHUVA E BARRO Em poucos minutos de jogo os jogadores estavam cobertos de barro. O gramado do estádio Olímpico não oferecia nenhuma condição de jogo. E os dirigentes gremistas só queriam saber o que vai acontecer com a partida do Internacional e Caxais, transferida para hoje. Tudo indicava que o valia para alguns times, não valia para outros – no caso, o campo embarrado, a chuva constante e o frio intenso. Jogadores do Grêmio e Pelotas jogaram em péssimas condições e o gramado vai ter de ser restaurado para o próximo domingo. Isso significa que os coletivos terão de ser disputados em outro local – e onde achar um gramado em condições em Porto Alegre? Se em Caxias não houve futebol – nem gols, a coisa mais importante de uma partida – em Porto Alegre sobrou. Contra o Juventude, o Grêmio fez uma boa partida, mas faltou o gol.
Ontem, como todo o tempo ruim houve goleada , a torcida saiu vingada daquele resultado contra o Juventude (e a mesma torcida deve ter se perguntado como é que o Cruzeiro de Porto Alegre venceu esse mesmo Juventude por 2 a 1 no sábado a noite)
Quando os jogadores voltavam para o segundo tempo, Telê chegou para André e disse: – Olha se houver mais um gol nesse segundo tempo, eu tiro você e coloco Alcindo.

A SORTE DE ALCINDO A princípio a medida era para poupar um jogador, e movimentar o outro. Mas Alcindo entrou e fez gols – coisa que o outro centroavante – titular, não tinha conseguido fazer. André se movimentou bastante abriu espaços para seus companheiros entrarem na área, mas não fez seu. No momento que soube da possível alteração pediu tempo para tentar seu gol, mas ele saiu machucado antes disso. Alcindo diria mais tarde:
– Dessa vez deu sorte, a gente chutava e a bola entrava. Teve partidas em que se fazia força e a bola não ia para dentro. Agora foi bem diferente. (Zero Hora – 1º de agosto de 1977)

“Enquanto os jogadores tomavam banho no reduzido vestiário das equipes visitantes, Getulio Saldanha, 46 anos, treinador do Pelotas, parecia bastante irritado com todos eles. Há mais de 25 anos no clube , ele nunca havia passado por uma situação igual a de ontem. “É vergonhoso”, sentenciava, “simplesmente inadmissível dos nossos jogadores. Eles são os culpados por toda esta vergonha que nós passamos aqui dentro do Olímpico. Nem saberei o que dizer quando voltar a Pelotas. Foi muito horrível, horrível…”

Depois do resultado de ontem, a situação de Saldanha está bastante insegura. Existem muitos comentários que garantem que o clube está interessado em Marco Eugênio, recentemente afastado do Caxias. Ele garante não saber nada à respeito: “Não sei o que pode acontecer depois de um resultado destes. Isto, os homens decidirão. O que eu posso dizer é nossos jogadores foram muito irresponsáveis. Avisei para eles não poderiam jogar daquela maneira. Eles voltaram para o segundo tempo insistindo neste mesmo erro. Mereceram perder, mesmo”.

Aproveitou para fazer elogios ao Grêmio e compará-lo ao Inter, que enfrentou há 45 dias atrás: “O Grêmio foi quase perfeito hoje à tarde. O time está certo, bem montado e com muitas chances de ganhar o campeonato. Os jogadores mostram mais vontade e mais preparo físico que os do Inter. O Grêmio luta mais e praticamente não dá espaço para o adversário. No entanto, isto não justifica uma goleada como esta. Eu só posso dizer que estou envergonhado por toda esta imensa negatividade que o Pelotas mostrou”. (Zero Hora – 1º de agosto de 1977)

GRÊMIO: Corbo; Eurico, Ancheta, Oberdã (Vilson) e Ladinho; Vítor Hugo, Tadeu Ricci e Iúra; Tarciso, André Catimba (Alcindo) e Éder Aleixo:
Técnico: Telê Santana

PELOTAS: Leomar; Vinhas, Darci Munique, Fernando (Paulo Vieira) e Cito; Sílvio Vieira, Édson (Mortosa) e Flavio Correia; Francisco, Tião Abatiá e Jorge Luís
Técnico: Getulio Saldanha

Campeonato Gaúcho 1977 – 2º Turno – 9ª Rodada
Data: 31 de julho de 1977
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 8.586 pagantes.
Renda: Cr$ 142.619,00
Árbitro: Luís Torres
Auxiliares: Sílvio Rodrigues e Estemir Silva
Cartões Amarelos: Eurico, Édson e Jorge Luís
Gols: Eurico 3, Éder 35 e Anchta 43 do 1º tempo; Iúra 4, Tarciso 12, Alcindo 25, Éder 29, Iúra 38, Éder 42 e Alcindo 44 do 2º tempo

PLACAR
(1 a 0) – 3 min. EURICO jogada de Tadeu Ricci que entro pela direita entre Fernando Xavier e Cito cruzando para trás. Eurico ajeitou para o pé esquerdo e acertou o ângulo direito de Leomar.
(2 a 0) – 35 min. ÉDER – Iúra investiu pela meia-esquerda e lançou um passe na medida para Éder que vinha na corrida. O ponteiro chutou forte por cima. Leomar tocou na bola.
(3 a 0) – 43 min. ANCHETA – Na cobrança de uma falta de Jorge em Tarciso, o meia Tadeu Ricci cobrou rasteiro para área. Oberdan e Eurico falharam, Ancheta tocou de leve, para o gol.

II TEMPO
(4 a 0) – 4 min. IÚRA – Depois de uma jogada combinada com Tadeu Ricci, Iúra ganhou o rebote com o lateral Vinhas e Rapidamente chutou para o gol. O Pelotas reclamou de toque de Iúra.
(5 a 0) – 10 min. TARCISO – O centroavante André penetrou pelo meio e quando ia marcar sofreu um calço do lateral esquerdo Cito. Tarciso cobrou a penalidade com perfeição, enganando Leomar.
(6 a 0) – 25 min. ALCINDO – Logo após entrar no lugar de André, Alcindo aproveitou o rebote de um chute forte de Éder da esquerda e, com calma, tocou para dentro do gol do Pelotas.
(7 a 0) – 29 min. ÉDER – Mais uma participação de Alcindo na área do Pelotas. De costas para o gol, o centroavante serviu a Éder que vinha na corrida. O ponteiro chutou de primeira sem chances de defesa.
(8 a 0) – 38 min. IÚRA – Um dos mais bonitos gol do jogo. Iúra em jogada individual pela esquerda venceu o lateral Vinhas e chutou encobrindo o goleiro Leomar, que chegou a colocar a mão na bola.
(9 a 0) – 42 min. ÉDER – O ponteiro envolveu o seu marcador, na corrida invadiu a área e na saída do goleiro tocou no canto com a bola rente ao poste esquerdo.
(10 a 0) – 44 min. ALCINDO – Mesmo de costas para o gol na entrada da área, Alcindo deu uma meia virada e encobriu Leomar que estava adiantado no gol. (Zero Hora – 1º de agosto de 1977)


Brasileirão – Coritiba 2×1 Grêmio

July 29, 2012

Coritiba e Grêmio fizeram um jogo muito ruim no Couto Pereira. O único resultado justo seria um 0x0. Nenhum dos times fez por merecer mais do que isso. O primeiro tempo foi muito pouco movimentado, muito estudo, muito erro de passe e poucas chances criadas. O Grêmio até teve um bom período com o controle da bola, mas Zé Roberto e Elano participaram muito pouco das ações ofensivas. No intervalo veio a explicação que os dois estavam longe das suas melhores condições. Foram devidamente substituídos. Mas o tricolor não melhorou nos 45 minutos finais.
No segundo tempo o Coritiba conseguiu chegar mais próximo ao gol gremista. Não por uma melhora significativa do futebol apresentado, e sim pelo embalo de jogar em casa e por se aproveitar das diversas “faltinhas” marcadas pelo árbitro. E foi numa falta que Ayrton abriu o marcador, aos 14 minutos. Pouco depois, o Grêmio ergueu uma bola na área e André Lima empatou de cabeça. O Coritiba buscava o desempate e o Grêmio se ressentia de alguém que prendesse a bola na frente. Os minutos finais foram uma sucessões de faltas marcadas no campo de ataque de Coritiba, até que Leonardo marcou um belo gol aos 44 minutos do segundo tempo.

A queda de rendimento e a quebra da sequência de vitórias são naturais e até certo ponto esperadas. O que preocupa é que o Grêmio poderia ter segurado um empate, garantindo um pontinho. Situação parecida aconteceu no jogo com o Náutico. O adversário saiu vitorioso nos minutos finais muito mais na base da força de vontade do que qualquer outra coisa.
Muito estranha a arbitragem de André Luiz de Freitas Castro. Como bem salientou o Minwer, aparentemente mudou de critério no intervalo. No primeiro fazia o jogo seguir. No segundo tempo marcou diversas faltinhas, muitas delas inexistentes.
Não sou de ficar desconstruindo os lances e nem de achar que o goleiro sempre falha. Mas acho que Marcelo Grohe poderia ter defendido a bola do primeiro gol. Foi uma falta cobrada no canto em que ele estava posicionado, e não foi um chute muito forte ou bem colocado.
Fotos: Felipe Gabriel (Lance) e Coritiba FC

Coritiba 2×1 Grêmio

CORITIBA: Vanderlei, Ayrton, Pereira, Emerson e Lucas Mendes; Willian, Sergio Manoel (Chico, 35’/1ºT), Lincoln e Robinho (Everton Ribeiro, 25’/2ºT); Everton Costa (Roberto, 20’/2ºT) e Leonardo

Técnico: Marcelo Oliveira


GRÊMIO: Marcelo Grohe, Edilson, Werley, Gilberto Silva e Pará; Fernando, Léo Gago, Elano (Vilson, intervalo) e Zé Roberto (Marquinhos, intervalo); André Lima (Rondinelly, 24’/2ºT) e Marcelo Moreno

Técnico: Vanderlei Luxemburgo

13ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2012

Data: 28/7/2012, sábado, 18h30min

Local: Couto Pereira, em Curitiba (PR)

Público total: 19.304 (17.619 pagantes)

Renda: R$ 384.828,00

Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)

Auxiliares: Fabricio da Silva (GO) e Cristhian Sorence (GO)

Cartões Amarelos: André Lima (Grêmio), Pereira (Coritiba), Vilson (Grêmio), Willian (Coritiba), Pará (Grêmio)

Gols: Ayrton (Coritiba), aos 14 minutos do segundo tempo; Andre Lima (Grêmio), aos 18 minutos do segundo tempo; Leonardo (Coritiba), aos 44 minutos do segundo tempo

O Grêmio na 12ª Rodada na era dos pontos corridos

July 28, 2012

Como já mencionei no post anterior, nunca antes na era dos pontos corridos o Grêmio teve um início de campeonato tão bom como esse de 2012. São 24 pontos em 12 jogos. Um aproveitamento de 66,6% depois de transcorridos pouco mais de 31,5% do campeonato.

Curiosamente em 2008 o Grêmio tinha um aproveitamento pior, mas estava melhor colocado na tabela.
E como o tricolor estava na 12ª rodada nos anos anteriores? Seguem abaixo os números.
2011 – 16 pontos em 12 jogos* (44,44% de aproveitamento)
2010 – 12 pontos em 12 jogos (33,33% de aproveitamento)
2009 – 18 pontos em 12 jogos (50,00% de aproveitamento)
2008 – 21 pontos em 12 jogos (61,11% de aproveitamento)
2007 – 18 pontos em 12 jogos (50,00% de aproveitamento)
2006 – 16 pontos em 12 jogos (44,44% de aproveitamento)
2005 Série B – 18 pontos em 12 jogos (50,00% de aproveitamento) -**
2004 -14 pontos em 12 jogos (38, 88% de aproveitamento)– *** –
2003 – 14 pontos em 12 jogos (38, 88% de aproveitamento)– *** –

*Jogo contra o Santos foi adiado para 5 de outubro




** A série B NÃO era disputada no formato de pontos corridos.

*** Campeonato com 46 rodadas – Na 15ª rodada, quando já haviam passado mais de 31,5% do campeonato o Grêmio tinha 15 pontos (33,33%)

*** Campeonato com 46 rodadas – Na 15ª rodada, quando já haviam passado mais de 31,5% do campeonato o Grêmio tinha 15 pontos (33,33%)


Brasileirão – Grêmio 1 x 0 Fluminense

July 26, 2012
Como era de se imaginar o jogo foi duro, disputado. O Fluminense mostrou porque estava invicto na competição, enquanto o Grêmio queria provar que não está a toa no G4. O primeiro tempo foi um pouco mais estudado, com o tricolor gaúcho tomando a iniciativa de tentar transpor os 3 zagueiros escalados pelo adversário. O tricolor carioca não tinha pressa para sair de trás e apostava em acionar o sempre perigoso Fred. O Grêmio enfrentou bem essa proposta. Nas poucas vezes que o Flu concluiu, Marcelo Grohe fez defesas facéis (que talvez tenham se tornado facéis pelo seu bom posicionamento). As chances mais claras foram do Grêmio, como na cabeçada e no chute de Marcelo Moreno, aos 35 e 42, respectivamente.

No segundo tempo o Grêmio aumentou a velocidade das suas ações e passou a ter maior domínio da partida. Aos 23, Edilson foi acionado em falta cobrada rapidamente e cruzou para área, a bola passou por Marcelo Moreno, mas não por Kléber que dominou e fez o 1×0. A partir daí Abel promoveu o seu tradicional empilhamento de atacantes e forçou ainda mais o jogo aéreo. O Grêmio se defendeu bem e soube garantir a vitória.

Esse é o melhor começo do Grêmio na era dos pontos corridos. Com a vitória o time chegou a 66,6% de aproveitamento, que é o historicamente necessário para ser campeão.

Como já disse no post do jogo passado, tem coisas que talvez se expliquem pela fase. Kléber “errou” o chute e marcou o gol. Que o grupo trabalhe para aproveitar e fazer duradouro esse bom momento.

Edílson voltou muito bem da suspensão. A dupla de zaga do Grêmio também esteve muito bem na partida. Venceram um duelo difícil contra Fred e Wellington Nem.

Zé Roberto jogou mais recuado do que de costume. Fechou bem o meio de campo, auxiliou bastante a defesa, mas pouco apareceu no ataque.

Luxemburgo estava tinhoso na coletiva. Soltou pérolas como “casa do cacete” e “Vai no p……

Os cartões dados a Kléber foram um completo exagero. Marcelo Moreno foi advertido em lance em que sequer cometeu falta.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio), Guilherme Testa (Guilherme Testa) Leonardo Osmarin (Grêmio Fotos) e Fabiano do Amaral (Correio do Povo)

Grêmio 1 x 0 Fluminense

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Edilson, Werley, Gilberto Silva e Pará; Fernando, Souza, Elano (Marquinhos 33’/2ºT) e Zé Roberto (Léo Gago 33’/2ºT); Kleber e Marcelo Moreno (André Lima 36’/2ºT)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Gum (Wágner 29’/2ºT), Leandro Euzébio e Anderson; Wallace, Edinho (Rafael Sobis 29’/2ºT), Fábio, Thiago Neves e Carleto; Wellington Nem (Rafael Moura 34’/2ºT) e Fred
Técnico: Abel Braga.

12ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2012
Data: 25/7/2012, quarta-feira, 21h50min
Local: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Renda: R$ 518.534,00
Público: 27.405 (23.155 pagantes)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (Fifa-SP) e Thiago Gomes Brigido (CE)
Cartões amarelos: Souza, Marcelo Moreno, Kleber, Pará (GRE); Fábio, Carleto, Edinho, Anderson (FLU)
Cartão vermelho: Kleber 43’/2ºT
Gol: Kleber (G), a 23 minutos do segundo tempo.

Hamburgo em Porto Alegre

July 23, 2012

Para desespero de alguns, alegria de outros e, espero eu, indiferença da maioria, um jornal alemão se confundiu ao anunciar a vinda do Hamburger SV para inagurar o a arena gremista no final do ano. É verdade que o mau jornalismo não se restringe a Alemanha. É um problema global e temos vários exemplos disso bem próximos a nós.

Mas talvez exista alguma explicação, algum atenuante para a desatenção do períodico germânico. Algum trauma reprimido do jornalista que redigiu a matéria, alguma evocação de uma lembrança positiva do passado. Tergiverso apenas para lembrar de um fato que não foi mencionado por jornalistas europeus e brasileiros: O Hamburgo já jogou (e venceu) em Porto Alegre.

Foi em janeiro 1991. Os alemães já haviam jogado com Palmeiras e Corinthians nos dias anteriores e enfrentariam o Inter no Beira-Rio, na primeira partida do co-irmão naquela temporada.

A estrela da noite deveria ser Cuca, que fazia sua estréia com a camisa vermelha e foi aplaudido por 11 mil pagantes. Mas quem efetivamente se destacou no jogo foi o atacante Thomas Doll, marcando o único gol da partida logo aos 5 minutos.

As fotos são dos jornais Zero Hora e Correio do Povo

Brasileirão – Botafogo 0x1 Grêmio

July 23, 2012

O Grêmio não deu muita bola para a festa feita para Seedorf e venceu, com justiça, o Botafogo. No primeiro tempo o tricolor teve paciência de manter a sua proposta de jogo mesmo vendo o time da casa indo ao ataque com empolgação. O Grêmio não se desesperou e foi muito mais objetivo quando tinha a posse de bola. Criou chances muito mais claras (duas delas com Leandro) e já poderia ter saído na frente ainda na primeira etapa.

O único gol da partida saiu aos 3 minutos do segundo tempo. Elano cruzou, sem deixar a bola cair Zé Roberto acionou Marcelo Moreno, que de primeira, venceu o goleiro Jefferson. A partir daí o Grêmio se fechou na defesa, barrando as tentativas de empate do Botafogo. O fato do não conseguir segurar a bola na frente ou encaixar um contra-ataque tornou o fim de jogo um pouco mais dramático e assim o Grêmio conseguiu a sua terceira vitória consecutiva.

Numa simplificação grosseira poderíamos dizer que ganhou o jogo a equipe que tinha centroavante.

Interessante essa nova mecânica do meio campo gremista. Os volantes podem adiantar a marcação que os meias recuam para preencher o espaço.
O Grêmio carecia de uma jogador de velocidade do meio pra frente. Leandro foi “redescoberto” e fez muito bem esse papel nos últimos dois jogos. Uma boa mostra de que a solução nem sempre passa por contratação.

O futebol tem algumas coisas engraçadas. Algumas diferenças que se explicam pela chamada “fase”. Em 2009 o Grêmio estava ganhando desse mesmo Botafogo, no mesmo Engenhão, quando levou um gol num chute desviado de Leandro Guerreiro. Hoje Elkeson chutou, um desvio tirou Marcelo Grohe do lance mas a bola parou no travessão.

Fotos: Bruno de Lima (Lance), Mauro Pimentel (Terra) , Rudy Trindades (Correio do Povo)

Botafogo 0x1 Grêmio

BOTAFOGO: Jefferson, Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Lucas Zen, Renato, Vitor Júnior, Seedorf (Rafael Marques 25/ 2º T), Fellype Gabriel (Andrezinho 16/ 2º T); e Elkeson.
Técnico: Oswaldo de Oliveira.

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Tony, Vilson, Gilberto Silva e Pará; Fernando, Souza, Elano (Marquinhos 31/ 2º T)e Zé Roberto (Léo Gago 26/ 2ºT; Leandro e Marcelo Moreno.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo


11ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2012
Data: 22/07/2012, domingo, 18h30min
Local: Estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro-RJ
Público: 34.621 (29.943 pagantes)
Renda: R$ 1.226.785,00
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (aspirante Fifa)
Assistentes: Vicente Romano Neto (asp. Fifa/SP) e Danilo Ricardo Manis (SP)
Cartão Amarelo: Renato (BOT); Tony, Zé Roberto, Leandro (GRE)
Gols: Marcelo Moreno aos 3 minutos do 2º tempo

Transmissões no Brasileirão 2012

July 20, 2012
Além dos dias e dos horários dos jogos, eu acho muito importante analisar a forma que os jogos do Grêmio são transmitidos. É indiscutível que a exposição da marca é muito maior em uma partida com TV aberta. Por outro lado o clube pode obter receitas conforme o seu torcedor compre o Pay-per-View do campeonato.

O tema foi inclusive tratado (de maneira breve) na última reunião do conselho deliberativo. Penso que o clube poderia analisar a questão com mais atenção. Por isso fiz um breve apanhado de como foram transmitidas as partidas do Brasileirão até a 10ª rodada. Para isso me vali das informações postadas no twitter por Gustavo Manhago, Chefe de Esportes da RBSTV e TVCOM. Eis o resultado:

Para efeito de comparação, segue abaixo a tabela de como foram transmitidos os jogos do Inter nessas dez primeiras rodadas:

Claro que o ideal era fazer um comparativo de todos os clubes do campeonato, mas isso seria um trabalho bem mais extenso e sujeitos as diversas variáveis. Por enquanto segue o comparativo entre os dois clubes de Porto Alegre:

Brasileirão – Classificação 10ª Rodada

July 20, 2012
Times P J V E D GP GC SG %
1 Atlético-MG Atlético-MG 25 10 8 1 1 19 7 12 83
2 Vasco Vasco 23 10 7 2 1 17 11 6 76
3 Fluminense Fluminense 22 10 6 4 0 20 6 14 73
4 Grêmio Grêmio 18 10 6 0 4 15 10 5 60
5 Botafogo Botafogo 17 10 5 2 3 21 15 6 56
6 Cruzeiro Cruzeiro 17 10 5 2 3 14 11 3 56
7 São Paulo São Paulo 16 10 5 1 4 12 11 1 53
8 Internacional Internacional 16 10 4 4 2 13 10 3 53
9 Ponte Preta Ponte Preta 15 10 4 3 3 13 12 1 50
10 Flamengo Flamengo 15 10 4 3 3 15 16 -1 50
11 Náutico Náutico 13 10 4 1 5 13 17 -4 43
12 Sport Sport 12 10 3 3 4 11 14 -3 40
13 Corinthians Corinthians 11 10 3 2 5 10 12 -2 36
14 Santos Santos 10 10 1 7 2 7 7 0 33
15 Coritiba Coritiba 8 10 2 2 6 15 21 -6 26
16 Portuguesa Portuguesa 8 10 2 2 6 6 14 -8 26
17 Figueirense Figueirense 8 10 1 5 4 13 17 -4 26
18 Palmeiras Palmeiras 7 10 1 4 5 9 12 -3 23
19 Bahia Bahia 7 10 1 4 5 7 16 -9 23
20 Atlético-GO Atlético-GO 5 10 1 2 7 7 18 -11 16

ARTILHEIROS

6 Gols
Alecsandro (Vasco), Roger (Ponte Preta) e Wellington Paulista (Cruzeiro)

5 Gols
Araújo (Náutico), Caio (Figueirense), Fred (Fluminense) e Luís Fabiano (São Paulo)

4 Gols
Danilo (Corinthians), Herrera (Botafogo), Marcelo Moreno (Grêmio), Renato Abreu (Flamengo)e Vágner Love (Flamengo)

Brasileirão – Grêmio 3×1 Sport

July 19, 2012

O Grêmio venceu um jogo complicado. O Sport se mostrou um adversário muito mais difícil do que muitos previam. As dificuldades do tricolor no primeiro foram as recorrentes contra o adversário que se posiciona atrás da linha da bola. O time tinha calma, trocava passes, mas faltava velocidade e movimentação para furar o bloqueio imposto por Vagner Mancini. As oportunidades eram criadas em chutes de fora da área, na melhor delas Elano carimbou a trave após cobrança de falta. O Sport começou a gostar do jogo e a ameaçar em escapadas. Aos 35, Marquinhos cobrou falta e obrigou Marcelo Grohe a fazer grande defesa. Um minuto depois, Gilberto desperdiçou chance na frente do arqueiro gremista. Mas o gol do leão saiu aos 38. Reinaldo cruzou, Felipe Azevedo subiu entre Gilberto Silva e Pará e cabeceou no ângulo. Uma jogada que tem sido um problema constante para o Grêmio, a bola erguida entre o zagueiro e o lateral.

O primeiro tempo do Grêmio efetivamente não tinha sido bom, mas faltavam ainda 45 minutos para buscar dois gols. Boa parte da torcida não entendeu isso e parecia desesperada já nos primeiros lances da segunda etapa. O bom é que o time não deu bola pra isso, e seguiu tendo calma. Aos 14, Luxemburgo promoveu a primeira substituição. Colocando Leandro, o único jogador que de velocidade que tinha a disposição. Deu certo, era o que a equipe precisava. O jogo fluiu mais, os espaços foram criados. Aos 18, Elano fez grande jogada, arrancando da intermediária e servindo Kléber, que concluiu rápido, de bico. No rebote do goleiro Magrão estava Marcelo Moreno, que completou para as redes. Dez minutos depois, Tony apareceu bem pela direita e cruzou para Kléber cabecear, Magrão novamente deu rebote mas dessa vez foi Leandro que acertou um difícil chute para marcar o gol da virada. O Sport tentou sair para o jogo, mas a pressão tricolor continuou. O Grêmio marcou o terceiro com Leandro, após grande jogada coletiva que teve até toque de calcanhar de Zé Roberto e esteve perto de marcar o quarto (como, por exemplo, no chute de Tony).

Elano jogou demais. Mostrou responsabilidade, foi buscar e organizar o jogo no momento difícil e abriu o caminho para a virada com uma baita jogada.

Pode ser apenas coincidência, mas Fernando não foi bem nesses dois jogos com o novo esquema no meio de campo.
Gilberto Silva esteve irreconhecível. Errou lances que um jogador da categoria dele não costuma errar.

Tony mostrou desde o seu primeiro jogo que chega bem a linha de fundo. Agora começou a acertar os cruzamentos.

Eu fico impressionado com a impaciência de alguns com as pratas da casa. Ouvi diversos resmungos no estádio quando Luxemburgo chamou Leandro para entrar. E o guri mudou jogo. Tem apenas 19 anos. Ainda é muito novo. Como um compartivo, vale lembrar que Carlos Eduardo só foi jogar no profissional com 20 anos.

Sabemos que no futebol o treinador não se limita a treinar o time. Por vezes tem que “treinar” também a diretoria, a imprensa e etc… Ontem Luxemburgo, criticou (e com razão, diga-se de passagem) a corneta vinda de trás da casamata. A impaciência ruidosa que se escutava no estádio era incodizente com o que se via no campo.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio Oficial) e Ricardo Rimoli (Lance)

Grêmio 3×1 Sport

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Tony, Vilson, Gilberto Silva e Pará; Fernando (Leandro, 14’/2ºT), Souza, Elano (Marquinhos, 37’/2°T) e Zé Roberto; Kleber e Marcelo Moreno (Léo Gago, 30’/2ºT)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

SPORT: Magrão, Moacir, Bruno Aguiar, Edcarlos e Reinaldo; Tobi, Renan (Felipe Menezes, 20’/2ºT), Rithely e Marquinhos Gabriel (Gilsinho, 30’/2ºT); Felipe Azevedo e Gilberto Técnico: Vágner Mancini.


10ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2012
Data: 18/7/2012, quarta-feira, 19h30min
Local: Estádio Olímpico, Porto Alegre (RS)
Público: 18.334 (15.179 pagantes)
Renda: R$ 292.788,00
Árbitro: Jaílson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Carlos Berkenbrock (Fifa-SC) e Marcos W. Rocha de Amorim (BA)
Cartões amarelos: Moacir e Edcarlos (SPT); Kleber (GRE)
Gols: Felipe Azevedo, aos 38 minutos do primeiro tempo; Marcelo Moreno, aos 18, e Leandro, aos 28 e aos 34 do segundo.

Visita à Arena – 15 de julho de 2012

July 17, 2012
Fui, neste último sábado, na visita dos sócio à Arena. Já tinha visitado a obra em setembro de 2011 e janeiro desse ano.

Nas outras ocasiões eu entrei pelo setor norte, num espaço logo acima da geral. Nessa ocasião a entrada era pelo nível do gramado, no lado leste, saindo em linha reta do espaço torcedor.

É interessante notar a proximidade do campo e como é alto o quarto anel.