30 anos da Libertadores de 1983 – Flamengo 1×3 Grêmio

 

Já vimos que o Grêmio conseguiu a classificação antecipada na 1ª fase da Libertadores no jogo contra o Bolívar no Olímpico. O confronto contra o Flamengo, no dia 5 de junho de 1983, virou um mero compromisso burocrático para o tricolor. É difícil dizer que foi uma amistoso de luxo, uma vez que  o oponente mostrou pouquíssimo interesse pela partida. Uma semana antes o Flamengo tinha vencido o Santos e conquistado o seu terceiro troféu de campeão brasileiro. E a semana posterior ao título foi e sentimento divididos para a torcida rubro-negra, que comemorava a conquista enquanto acompanhava o desenrolar da venda de Zico para a Udinese.
O time gremista não deu muita bola para a situação do adversário e aproveitou um Maracanã quase vazio para conquistar sua quinta vitória (em seis jogos) naquela Libertadores. Em menos de meia hora de bola rolando o Grêmio resolveu a partida. Tita, Caio e Osvaldo marcaram para o Grêmio e o Flamengo só foi conseguir marcar o seu gol de honra aos 25 minutos do segundo tempo. Tita, mais uma vez, foi o grande destaque do jogo. Tanto pelo desempenho dentro de campo, como também pelas notícias que especulavam sobre o seu retorno para Gávea para vestir a camisa 10 deixada por Zico.
O técnico do America de Cali seguia observando o tricolor e esteve no Maracanã para fazer  observações. Obviamente que o Grêmio também já pensava na fase seguinte. A direção projetava que a classificação obtida injetaria cerca de Cr$ 655 milhões nos cofres do clube. Pela venda dos direitos de televisionamento dos  dois jogos que faria em casa no triangular semifinal o Grêmio recebeu Cr$ 65 milhões (cerca de 130 mil dólares na época). Depois do jogo, Fábio Koff e Valdir Espinosa embarcaram rumo a Argentina, onde observariam  Ferro Carril Vs. Estudiantes, jogo que poderia definir o segundo adversário gremista nos jogos da segunda fase. Koff considerava o Estudiantes o adversário mais duro entre os times do grupo 1. 

*Domingo, 05 de junho de 1983

Fechando com chave de ouro 
Foi com uma grande vitória sobre o Flamengo, no Maracanã, que o Grêmio terminou sua participação na primeira fase da Copa Libertadores de 1983.
Já classificado por antecipação para a fase semifinal, o Tricolor chegou ao Rio de Janeiro apenas para cumprir tabela. Um jogo domingo à tarde, algo incomum em matéria de Libertadores. O adversário, completamente desmotivado, ainda não contava com as presenças de Zico, Júnior, Leandro e Mozer. E a torcida, sempre fator importante de desequilíbrio no maior estádio do mundo, não compareceu. Pouco mais de 6 mil pagantes, boa parte formada por gremistas. O interesse da imprensa era apenas voltado para o meia Tita, já que o Flamengo acertava a venda de Zico para o Udinese e o retorno de Tita à Gávea era dado como certo após o término do contrato com o Grêmio, dia 21 de dezembro. O técnico Valdir Espinosa decidiu manter Paulo Roberto e Baidek no setor defensivo. No gol, Beto seguiu como titular enquanto, fora de campo, o presidente Fábio Koff estruturava a inscrição do goleiro Mazaropi para a fase final da competição: concessão feita pela Conmebol apenas em caso de lesão. Remi estava mesmo descartado. Não demorou muito para o Grêmio abrir o marcador e fazer prevalecer sua superioridade: aos oito minutos, Tita recebeu na entrada da área e mandou por cobertura fazendo um golaço! O Grêmio tratou a partida com seriedade e, antes dos 30 minutos, o placar do Maracanã já apontava a vitória gremista por 3 a 0: Caio marcou o segundo aos 15 e Osvaldo ampliou aos 26. Uma verdadeira aula de futebol nos primeiros 45 minutos. O Flamengo retornou para a etapa final com duas modificações e com o objetivo de evitar uma goleada histórica. Já o Grêmio, por sua vez, diminuiu o ritmo e tratou de administrar a ampla vantagem. Tarciso entrou no lugar de Renato e criou duas boas chances pela direita. O Grêmio só não aumentou porque Cesar perdeu dois gols feitos. O Flamengo ainda descontou com Elder e a partida terminou no 3 a 1. Festa da torcida gremista no Maracanã e vaia dos poucos flamenguistas. Agora todas as atenções estavam voltadas para a cidade de Lima, no Peru, onde a Confederação Sul-Americana iria sortear os dois grupos semifinais que dariam seqüência à competição. (Gremio.net)

  

 “SANTOS VEIO BUSCAR RENATO. E NÃO LEVOU
Fábio Koff não quer nem ouvir falar no interesse do Santos e Flamengo pelo ponteio Renato. “É inegociável” diz o presidente, que na última sexta-feira recebeu um telefonema da Rádio Cultura, de Santos, consultando-o sobre o preço do jogador:
– Podem mandar emissário a Porto Alegre, tragam uma mala cheia de dinheiro que não vão levar. Ninguém tira o Renato do Grêmio. É um assunto que nasceu morto e não deve avançar. A menos que o tal representante santista tenha quatro milhões de dólares para oferecer – brincou o dirigente.
O vice-presidente de Futebol, Alberto Falia, foi outro que negou qualquer possível negociação em torno de Renato. Mas o ponteiro recebeu muito bem a notícia de interesse do Santos. E sabia mais ainda:
– O Santos? É uma grande equipe, fico honrado pela preferência. Soube também que o Flamengo deixou uma pessoa no Maracanã só para me ver jogar; tudo isto me faz feliz, porque é o time dos meus sonhos” (Zero Hora 06 de junho de 1983)

“O gol, logo no início do jogo aumentou o desespero dos flamenguistas que já anteviam uma goleada histórica, que acabou não acontecendo. Porém Tita se firmou como a esperança. Mesmo assim, ao comentar a partida, o principal jogador do Grêmio manteve a discreção:
– Eu me lembro que quando o Flamengo jogava desfalcado sempre mantinha o ritmo. Agora, porém, as circunstâncias da partida foram bem diferentes. Isto é, num jogo amistoso, apenas para cumprir tabela. Não havia muita motivação dos jogadores do Flamengo. Então, não dá para a gente fazer qualquer análise.
Sobre a vitória e também sobre o detalhe de que se o Grêmio continuasse forçando, poderia ter goleado o Flamengo, Tita ponderou que “para o Grêmio o jogo tinha outro aspecto. Nós queríamos nos manter invictos e conseguimos. Nós tivemos melhor campanha desta fase da Libertadores, empatamos apenas uma partida e vencemos todas as outras. Então, você pode ver que cada encarou esta partida de maneira diferente”. (Folha da Tarde – 06 de junho de 1983) 

 “O time teve um aproveitamento de quase 100 por cento no primeiro tempo. Teve um toque de bola muito bom, errou poucos passes e foi um time tranquilo – analisou o treinador Valdir Espinosa, explicando o que havia considerado de mais significativo na bela vitória de 3 a 1 sobre o Flamengo.” (Folha da Tarde – 06 de junho de 1983)
 

Fontes: Grêmio.net, Revista Placar, Zero Hora e Folha da Tarde

Flamengo 1 x 3 Grêmio

FLAMENGO: Raul, Cocada, Figueiredo, Marinho, Ademar,Vitor(Andrade), Elder, Adilio, Robertinho, Baltazar(Felipe) e Júlio Cesar. 
Técnico: Carlos Alberto Torres

GREMIO: Beto; Paulo Roberto, Baidek, De León e Casemiro; China, Osvaldo e Tita; Renato (Tarciso), Caio e Tonho (Robson). 

Técnico: Valdir Espinosa
Reseravas: Remi, Newmar, Robson, Tarciso e Cesar.


Taça Libertadores da América 1983- Fase de grupos – 6ª rodada
Data:  5 de junho de 1983, domingo, 17h00min
Local: Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ
Público: 6.415 pagantes
Renda
:
CR$ 4.141.200,00 

Árbitro: José Assis Aragão,
Auxiliares: Romualdo Arpi Filho e Emidio Marques Mesquita
Cartões Amarelos:Vitor, Renato, China e Osvaldo
Gols: Tita (08 do 1ºT) Caio ( 15 do 1ºT) Osvaldo (26 do 1ºT) Elder (FLA – 25 do 2ºT)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: