Brasileirão – Atlético-MG 2×0 Grêmio

Na partida anterior, Luxemburgo tinha encontrado em Guilherme Biteco uma alternativa para dar mais movimentação e vitalidade para o meio campo. Mas para o jogo de Sete Lagoas o treinador decidiu deixar o guri no banco, optando por Zé Roberto e Elano. Talvez a escolha se explique pela experiência, para evitar de entrar na correria feita pelo Atlético. Mas, infelizmente, o Grêmio voltou a ser um time apático, que cede muito facilmente o controle da partida para o adversário.
No primeiro tempo o jogo foi movimentado. O Atlético tinha um leve domínio, ainda que não repetisse as atuações mais brilhantes/elétricas que já teve em 2013. O Grêmio tinha alguns vacilos (como no lance em que permitiu que Ronaldinho desse uma assistência de peito dentro da área, logo aos 2 minutos) mas mesmo assim conseguia ter saída pro jogo e alguma presença ofensiva (Souza carimbou a trave aos 30 minutos).
No segundo tempo o Grêmio, mais uma vez, se encolheu. E aqui não me refiro a um posicionamento mais ou menos recuado, me refiro a passividade do time que valorizava pouco a posse de bola, que não tinha ímpeto ofensivo, que perdia as disputas, os rebotes, e etc… Aos 12 minutos Alecsandro foi lançado em posição duvidosa e o juiz marcou pênalti na saída de Dida (O atacante cavou a falta? Houve toque? Foi suficiente para derrubar o jogador?). Ronaldinho cobrou e colocou o Galo em vantagem. Só aí é que o Grêmio voltou a atacar, mas as jogadas conscientes de ataque só foram ocorrer após a entrada de Guilherme Biteco. Na melhor delas Alex Telles dominou no peito e concluiu rente a trave defendida por Victor. Nos acréscimos, o Grêmio pressionava e Pará ergueu uma bola na área, Victor saiu do gol cortando o cruzamento e novamente o tricolor perdeu o rebote. Neto Berola arrancou em velocidade pela ponta direita e  acidentalmente (ao que tudo indica) serviu Ronaldinho, que marcou o 2×0.
Mais uma vez fica a sensação que o Grêmio perdeu uma oportunidade de somar preciosos pontos. Nem todos os times terão o privilégio de enfrentar um Atlético desfalcado de 3 de seus melhores jogadores e atuando longe de Belo Horizonte.

Não consigo concordar com o diagnóstico feito por Luxemburgo após o jogo. Não me parece que a partida tenha se decidido pelas virtudes do Atlético. Cito um exemplo: Alguém aqui acha que a dupla Pierre e Leandro Donizete tem mais qualidade que Souza e Adriano? Creio que o Zé Roberto foi muito mais feliz ao dizer que “Faltou aquele ‘algo mais'” e que o Grêmio não tentou jogar.
Muito se falou em “atitude” ao discutir a atuação do Grêmio em Minas. Acho que essa é uma palavra que define bem o jogo, ainda que tenha sido banalizada ultimamente. Fica a pergunta: A atitude do time é de inteira responsabilidade do treinador? Gosto de lembrar que o futebol é um esporte coletivo, e por isso creio que as responsabilidades devem também ser coletivas.

Segundo o Footstats, o Atlético cometeu 23 faltas, contra apenas 8 do Grêmio.  Acho que é esse um dado que demonstra bem a diferença de postura das duas equipes. 
Pierre fez inúmeras faltas, a imensa maioria delas parar interromper um possível contra-ataque. Posso estar enganado, mas não vi nenhum jogador do Grêmio reclamando disso para a arbitragem.
 
Guilherme Biteco criou bastante no pouco tempo que esteve no campo. Não é possível que falte espaço para ele no time. 

Nesse Brasileirão, Pará já tomou 2 cartões bobos em 4 jogos. Não é uma média legal. Especialmente para quem tem como principal característica a regularidade, a capacidade cumprir o seu papel sem maiores oscilações.
Bem estranha a transmissão do PFC. Em nenhum momento foi esclarecido se a falta que Kleber sofreu de Gilberto Silva, no final do primeiro tempo, foi dentro ou fora da área. Da mesma forma, não foi mostrado a “câmera do impedimento” na jogada em que Alecsandro sofreu pênalti, muito embora o comentarista tenha requisitado tal imagem.
Eu continuo não entendendo a política do Grêmio em relação aos seus fardamentos. O adversário usou seu uniforme alvinegro, logo a situação era ideal para o uso da camisa azul celeste. Mas o time gremista entrou em campo com a camisa branca lançada no início de 2012, sendo que desde então o clube já lançou outros dois kits predominantemente brancos.

Fotos: Gil Leonardi (Lance), Bruno Cantini (Atlético-MG) e Alexandre Guzanshe (Superesportes)

Atlético-MG 2×0 Grêmio

ATLÉTICO-MG: Victor, Marcos Rocha, Gilberto Silva, Leonardo Silva e Richarlyson; Pierre e Leandro Donizete; Ronaldinho, Luan (Junior César, 43’/2ºT), Diego Tardelli (Neto Berola, 19’/2ºT) e Alecsandro (Josué, 35’/2ºT).
Técnico: Cuca
GRÊMIO: Dida; Pará, Werley, Bressan e Alex Telles; Adriano (Biteco, 26’/2ºT) , Souza, Elano e Zé Roberto; Kleber (Lucas Coelho, 34’/2ºT) e Barcos (Welliton, 34’/2ºT).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
2ª rodada (jogo atrasado) – Campeonato Brasileiro 2013
Data:  09/06/2013, Domingo, 18h30min
Local: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas -MG
Público pagante: 5.753
Renda:
R$ 205.290,00
Árbitro: Andre Luiz de Freitas Castro (GO)

Assistentes: Bruno Boschilia (PR) e Cristhian Passos Sorence (GO)
Cartões amarelos: Diego Tardelli, Leonardo Silva e Ronaldinho (CAM); Pará, Dida e Bressan (GRE)
Gols: Ronaldinho, aos 14’/2ºT (pênalti) e aos 46’/2ºT

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: