Archive for August, 2013

Copa do Brasil – Grêmio 2×0 Santos

August 29, 2013

Guardadas as devidas proporções, a situação do jogo de ida se repetiu, mas com o os atores invertidos. O time da casa (dessa vez o Grêmio) se mostrava ansioso e pouco criativo, enquanto o time visitante (Santos) parecia mais consciente em campo, tendo as melhores chances para marcar. E mais uma vez os visitantes desperdiçaram essas chances e os mandantes souberam aproveitar as suas raras oportunidades para ganhar o jogo. A diferença é que dessa vez se tratava do jogo de volta, logo foi uma partida muito mais tensa, mais peleada e mais truncada. 
Com o Santos recuado, o Grêmio teve dificuldade para propor o jogo. Faltava espaço para que o meio campo pudesse repetir a movimentação e troca de passes vista nos últimos jogos. Sem muito poder de infiltração o time dependia do recuo dos atacantes para buscar o jogo, e isso desacelerava as jogadas de ataque. Mesmo com imensa vontade, o Grêmio tinha sérias dificuldades para sair jogando e acabou proporcionando diversos ataque para o Santos. Por sorte Gabriel se colocou em posição de impedimento aos 21 minutos do primeiro tempo quando recebeu o passe de Thiago Ribeiro dentro da área. Por sorte o mesmo Gabriel errou o gol depois de aproveitar o recuo mal feito por Bressan, aos 7 minutos do segundo tempo. E por “sorte” o Grêmio conta com um jogador da qualidade do Souza no seu time, jogador que apanhou a bola na defesa, encontrou Barcos no ataque e apareceu dentro da área para concluir o passe do argentino. O 1×0 fez bem ao Grêmio, mas o jogo seguiu nervoso e parecia se encaminhar para os pênaltis, só que aos 42 minutos Pará e Maxi Rodriguez fizeram boa tabela e a bola chegou a Werley, que teve imensa tranquilidade para tirar de Aranha e marcar o 2×0 necessário para a classificação.

O Grêmio conseguiu o resultado positivo e a classificação. O esquema vem rendendo bem, principalmente fora de casa, mas o jogo de ontem mostrou que é preciso pensar em alternativas para quando o time precise de maior criatividade na frente. 

Acho muito legal que o Grêmio tenha feito uma redução e promoção nos ingressos, mas o estádio deveria estar preparado para isso. Pouco antes da bola rolar havia uma grande fila para compra/retirada de ingressos e boa parte das bilheterias estava fechada. E é inadmissível que se formem filas nas rampas e nos portões de acesso (alguns deles estavam misteriosamente fechados) num jogo de menos de 30 mil espectadores.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net) e Ricardo Rimoli (Lance)

Grêmio 2×0 Santos

GRÊMIO: Dida; Werley, Rhodolfo e Bressan; Pará, Souza, Ramiro (Gabriel – 46’/2ºT), Riveros (Maxi Rodríguez – 17’/2ºT) e Alex Telles; Kleber e Barcos (Yuri Mamute – 48’/2ºT).
Técnico: Renato Portaluppi
SANTOS: Aranha; Galhardo, Gustavo Henrique, Durval e Mena; Alison, Renê Júnior (Neto – 34’/2ºT), Cícero e Montillo (Léo Cittadini – 24’/1ºT); Gabriel (Everton Costa – 23’/2ºT) e Thiago Ribeiro.
Técnico: Claudinei Oliveira
Copa do Brasil 2013 – Oitavas de final – jogo de volta
Data: 28/08/13, quarta-feira, 21h50
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público Total: 26.960 (25.871 pagantes)
Renda: R$ 967.346,00
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (PR)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo-MG e Fabiano da Silva Ramires-ES
Cartões amarelos: Renê Júnior, Gustavo Henrique, Cícero (SAN) Souza, Kleber, Maxi Rodríguez (GRE)
Cartões vermelhos: Galhardo (após o apito final)
Gols: Souza, aos 10, e Werley, aos 42 minutos do segundo tempo
Advertisements

E a estrutura do CT de Humaitá?

August 28, 2013

Causou certa comoção uma entrevista que o ex-jogador Fernandão deu na semana passada. Pode ser que o que as declarações sejam exageradas, eivadas de mágoa pela dispensa do cargo de treinador em 2012, mas ainda assim eu achei bastante interessante o trecho que ele reclama da estrutura do Co-irmão:
ZH – Você tem acompanhado o Inter?
Fernandão
– Muito pouco. Estava de férias, vi alguns poucos jogos. O Inter tem time e técnico, chegará ao final do ano disputando o título, mas o clube seguirá sem estrutura.

ZH – Como assim?
Fernandão – A parte estrutural do Inter é muito defasada. O vestiário é o mesmo de quando cheguei, em 2004. Cadê a evolução? O Inter não tem um CT de clube campeão do mundo, não evoluiu nesse ponto. Sempre disse isso: o Inter é cheio de puxadinhos. O CT é um puxadinho. É uma vergonha. Fizeram de uma sala de musculação o novo vestiário. Será que não tem R$ 15 milhões para investir em um CT?” (Zero Hora – 22 de agosto de 2013)
E como anda a estrutura do Grêmio? Muito se falou que o clube daria “um salto de qualidade” com a inauguração da Arena, mas será que isto está  acontecendo em todas as frentes?
Um dos pontos que mais me preocupava com a mudança para a Arena era o local de treinamento para a equipe profissional. Me parece que a construção do CT próximo ao estádio, do outro lado, da Free-way, foi uma boa solução. Mas será que essa construção acompanha o padrão de qualidade da Arena? Será que aumenta o nível de estrutura do clube ou só a mantém nos mesmos patamares do Olímpico?
Em 2011 foi votado no conselho o Planejamento Estratégico do clube até 2014. O documento foi disponibilizado para leitura dos conselheiros e lembro bem de uma série de exigências quanto a estrutura do Centro de Treinamento. Algumas dessas exigências não eram contempladas no Olímpico e não sei se estão sendo implementadas no novo CT. E digo isso porque, em meio a diversas discussões sobre a Arena, esse assunto sempre  foi pouco falado no Conselho Deliberativo, e quando foi, foi tratado “en passant”. Nunca houve uma apresentação mais detalhada do projeto do CT, seja para os conselheiros, seja para os sócios interessados no tema. As notícias sobre essa obra são esparsas e breves, mas dão conta que o o CT está 75% concluído. Resta saber o que estará abrangido na conclusão da obra.

Brasileirão – Flamengo 0x1 Grêmio

August 26, 2013

Talvez a amostragem ainda não seja muito grande, mas acho que já é possível deixar de considerar essa escalação com 3 zagueiros e 3 volantes como algo emergencial/pontual e passar a classificar esse esquema como uma situação consolidada pelo Renato. Vejo um time num 3-1-4-2, com Souza protegendo os três zagueiros, com uma linha de 4 a sua frente, formada por Pará, Ramiro, Riveros e Alex Telles. E está na mobilidade dessa linha a grande virtude que o Grêmio apresenta nos últimos jogos. Conforme a necessidade, os “meio campistas” adiantam ou recuam a marcação.
E em Brasília, a partir dos 7 minutos de jogo, o tricolor não mais teve necessidade de adiantar a marcação. Pará cobrou falta, a barreira abriu, Felipe não reagiu e o placar passou a marcar 1×0 para os visitantes. E assim permaneceu até o final da partida, isso porque o Grêmio soube jogar com a vantagem. O time esperou o Flamengo, e o Flamengo (desfalcado de Elias e Carlos Eduardo) pouco criava e não conseguia superar os defensores gremistas. No segundo tempo os rubro-negros colocaram um pouco mais de velocidade e movimentação no jogo, mas o Grêmio seguiu sendo melhor e até desperdiçou boas chances de ampliar o escore.

Dali o Pará guarda“. Algum gremista pensou nisso na hora que o juiz autorizou a cobrança?

Souza se adaptou muito bem a esse novo esquema. Está desempenhando muito bem esse papel de cabeça de área. Foi criticado por “não passar do meio campo”. Uma injustiça, pois é exatamente o que ele não deve fazer nesse posicionamento.
O time aparenta acabar as partidas com maior fôlego do que tinha no inicio do campeonato. É resultado da mudança do preparador físico ou é o time que, mais bem postado em campo, acaba se cansando menos?

O zagueiro Chicão reclamou da postura tática dos atletas do Grêmio: “Com todo respeito à equipe do Grêmio, eles acharam um gol de bola parada, recuaram a equipe e foi difícil entrar na defesa deles” Imagino que tenha sido uma manifestação pró-forma, porque não é possível crer que um jogador experiente realmente esperasse que o time visitante, que sai na frente no marcador, fosse continuar jogando aberto até o final da partida. E mesmo com a dita “retanca”, foi o Grêmio que teve as melhores chances para marcar no segundo tempo.

Fotos: Francisco Stuckert e Carlos Costa (Lance),  Yuri S. Ferreira (‏@YurImortal) e Alexandre  Vidal (Fla Imagem)

Flamengo 0x1 Grêmio

FLAMENGO: Felipe; Digão (Hernane – 30’/2ºT), Chicão, González e João Paulo; Cáceres, Val (Nixon – intervalo), André Santos e Fernando (Adryan – intervalo); Paulinho e Marcelo Moreno.
Técnico: Mano Menezes
GRÊMIO: Dida; Werley, Rhodolfo e Bressan; Pará, Souza (Matheus Biteco – 41’/2ºT), Riveros, Ramiro e Alex Telles; Kleber (Yuri Mamute – 36’/2ºT) e Barcos (Gabriel – 43’2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi


16ª rodada – Campeonato Brasileiro 2013  
Data: 24/agosto/2013, sábado, 18h30min
Local: Estádio Mané Garrincha, em Brasília – DF
Público: 20.500
Renda: R$ 951.590,00
Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra (SC)
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Junior (SP) e Ivan Carlos Bohn (PR)
Cartões amarelos: Alex Telles, Kleber (G) Marcelo Moreno, Hernane (F)
Gol: Pará aos 7 minutos do 1º tempo.

Copa do Brasil – Santos 1×0 Grêmio

August 22, 2013

Santos e Grêmio fizeram um jogo bem enfadonho ontem na Vila Belmiro. Renato permaneceu com o 3-5-2 com três volantes e nenhum meia. O desempenho não foi tão bom quanto as partidas anteriores, lembrando mais o jogo contra o Bahia, uma vez que o tricolor truncou o jogo, não permitindo que o adversário criasse ao mesmo tempo que era igualmente pouco incisivo no ataque. Oportunidades mesmo só ocorreram no segundo tempo. O Grêmio se mostrava um pouco melhor em campo e teve as melhores chances. Barcos e Kleber chegaram perto de abrir o marcador em conclusões de cabeça. Souza quase superou o goleiro Aranha ao apanhar um rebote. Mas quem acabou marcando foi o Santos, já aos 36 minutos, quando Montillo fez jogada pela ponta esquerda e cruzou para Gabriel colocar no canto de Dida.

O 1×0 acabou sendo um vantagem muito maior do que o Santos merecia. Por ter sido derrotado fora de casa sem marcar gols o Grêmio acaba ficando numa situação complicada para o jogo de volta. Complicada, mas plenamente reversível.

Oscilações nas atuações no time de futebol são normais. Era improvável que o time fosse manter essa sequência de vitórias até o final do ano. O triste é que pela segunda vez no ano o Grêmio foi a Vila Belmiro, enfrentou um arremedo de equipe do Santos, foi levemente superior e mesmo assim não saiu de lá com a vitória.

Vejo muitas críticas ao Bressan. Muita delas podem ser atribuídas a triste necessidade que parte da torcida gremista tem de querer achar um bode expiatório em cada derrota. Mas algumas das críticas são válidas. Acho importante ressaltar que ele caiu de rendimento a partir do momento que foi atuar de stopper, tendo que por vezes ir até linha lateral para combater um adversário, algo que não fazia no 4-4-2.

O Grêmio, com 3 volantes e 3 zagueiros, mostra alguma solidez defensiva, mas não poderia ter permitido que Montillo encontrasse tanto espaço e conseguisse acionar Gabriel livre dentro da área na jogada do gol santista.

É muito estranho que o Durval tenha recebido somente cartão amarelo pela entrada que deu em Barcos. Foi a mesma punição que outros atletas sofreram por faltas bem menos violentas. Ademais, a regra prevê cartão vermelho para o jogador “culpado de jogo brusco grave“.

Kleber mais uma vez jogou bem. Parecer ter consolidado a volta as boas atuações. Ainda assim acho que ele pode render um pouco mais, sendo mais decisivo.

 

Fotos: Ivan Storti (Lance e Santos FC)

Santos 1×0 Grêmio

SANTOS: Aranha; Galhardo (Alan Santos – 39’/2ºT), Edu Dracena, Durval e Mena; Alison, Marcos Assunção (Leandrinho – Intervalo), Cícero e Montillo; Thiago Ribeiro e Neílton (Gabriel – 23’/2ºT). Técnico: Claudinei Oliveira
GRÊMIO: Dida; Bressan, Rhodolfo e Werley; Pará, Ramiro (Lucas Coelho – 40’/2ºT), Souza, Riveros (Guilherme Biteco – 31’/2ºT) e Alex Telles; Kleber (Matheus Biteco – 36’/ºT) e Barcos.
Técnico: Renato Portaluppi
Copa do Brasil 2013 – Oitavas de final – Jogo de ida
Data: 21/8/2013, quarta-feira, 19h30min 
Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Público total: 6.195
Renda: R$ 173.547,00
Árbitro: Jaílson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Carlos Berkenbrock (SC) e Luiz Carlos Silva Teixeira (BA)
Cartões amarelos: Montillo, Edu Dracena, Durval, Neílton, Gabriel, Barcos, Bressan, Kleber
Gol: Gabriel, aos 36 minutos do segundo tempo.

Copa do Brasil 1998

August 21, 2013
A participação do Grêmio na Copa do Brasil de 1998 foi bastante rápida. O time comandado por Sebastião Lazaroni, fez apenas 4 partidas na competição, sendo eliminado nas oitavas de final.
No primeiro semestre daquela temporada o tricolor contava com figuras como Beto, Jorginho (irmão de Junior Baiano), Guilherme, Maurílio e Ronaldinho no seu plantel, que, apesar de estar também disputando a Libertadores, gozou de relativa folga no calendário, uma vez que só teria compromissos pelo Gauchão no final de abril.
Na primeira fase o Grêmio fez uma partida muito ruim (0x0) com o Linhares no Espírito Santo. Na volta os capixabas levaram 2×0 no primeiro tempo e fizeram um “cai cai” no início da segunda etapa. Nas oitavas de final o adversário foi o São Paulo, que largou com uma vantagem de 2×0 no primeiro jogo no Morumbi. A direção do Grêmio tentou mobilizar time e torcida para o jogo da volta, com campanha de marketing e de ingressos para buscar a classificação. Não deu certo. Já no primeiro tempo do jogo no Olímpico o São Paulo repetiu o placar do jogo da ida e garantiu a vaga.

Primeira Fase – Jogo de Ida
Linhares-ES 0x0 Grêmio

LINHARES: Luiz Carlos; Polaco, Paulo Renato, Oliveira e Rogério; Marquinhos, André Pimpolho, Beto e Edu; Glaedson e Betinho (Pedro Paulo).
Técnico: Dario Lourenço

GRÊMIO Danrlei; Itaqui, Jorginho, Scheidt e Roger; Otacílio, Luiz Carlos Goiano, Beto (Zé Alcino) e Ailton (Robert); Maurílio e Guilherme.
Técnico: Sebastião Lazaroni

Data: 11 de Fevereiro de 1998, quarta-feira, 20h30min
Local: Estádio Guilherme Augusto de Carvalho, em Linhares-ES
Árbitro: Wagner Tardelli (RJ). 
Cartões Amarelos: Scheidt, Roger, Goiano, Otacilio, Polaco, Paulo Renato e Oliveira
Cartão Vermelho: Beto (Linhares)

Primeira Fase – Jogo de Ida
Grêmio 2×0 Linhares

GRÊMIO: Danrlei; Itaqui, Jorginho, Scheidt e Roger; Fabinho, Goiano, Beto e Aílton; Maurílio e Guilherme. 
Técnico: Sebastião Lazaroni
LINHARES: Luiz Carlos; Polaco, Pinheiro, Paulo Renato e Rogério Tatu; Pedro Paulo, Marquinhos, André Pimpolho (Igor) e Edu (Leco); Glaedson e Betinho (Cerezo). 
Técnico: Dario Lourenço
Data: 18 de fevereiro, quarta-feira, 20h30min.
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 23.518 (16.081 pagantes)
Renda: R$ 103.040,00. 
Arbitragem: Renildo Nunes (SC)
Auxiliares: Roque Bohnemberger e Carlos Brekemberck (SC).

Cartões Amarelos: Pinheiro, Pedro Paulo e Betinho
Cartões Vermelhos: Pinheiro, Marquinhos e Rogério Tatu (Linhares).
Gols: Beto, aos 33 minutos e Guilherme, aos 47 minutos do 1º tempo

Oitavas de final – Jogo de ida
São Paulo 2×0 Grêmio

SÃO PAULO: Rogério; Zé Carlos, Capitão, Márcio Santos e Serginho; Alexandre (Edmílson), Fabiano (Gallo), Carlos Miguel e Denílson; Marcelo Sergipano (França) e Aristizabal
Técnico: Nelsinho Batista
GRÊMIO: Danrlei; Itaqui, Jorginho, Scheidt e Roger (André Silva); Fabinho, Luiz Carlos Goiano (Otacílio), Aílton e Beto; Ronaldinho (Zé Alcino) e Guilherme
Técnico: Sebastião Lazaroni


Data: 19 de março de 1998, quinta-feira, 21h40min 
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo
Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (FIFA/MG)
Auxiliares: Herbert Costa Andrade e Marco Antônio Gomes
Cartões Amarelos: Capitão, Carlos Miguel, Jorginho, Roger e Fabinho
Gols: Carlos Miguel aos 14 do 2º tempo e França aos 28 minutos do 2º tempo

Oitavas de final – Jogo de volta

Grêmio 0x2 São Paulo
GRÊMIO: Danrlei; Dário (Itaqui), Jorginho, Scheidt e Roger; Fabinho, Goiano, Tinga e Ronaldinho (Djair); Beto (Zé Alcino) e Guilherme
Técnico: Sebastião Lazaroni
SÃO PAULO: Rogério; Zé Carlos, Capitão, Márcio Santos e Serginho; Alexandre, Gallo, Fabiano (Edmílson) e Denílson (Marcelinho Paraíba); França e Dodô (Aristizabal).
Técnico: Nelsinho Batista
Data: 21 de abril de 1998, terça-feira, 21h40min
Público: 35.295 (32.256 pagantes)
Renda:R$ 322.389,00. 
Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (FIFA/MG)
Auxiliares: Marco Antônio Machado e e Marco Antônio Martins (MG)
Cartões Amarelos: Tinga, Djair e Serginho
Cartão Vermelho: Goiano, aos 42 minutos do 1º tempo
Gols: Alexandre, aos 10 do 1º tempo e Dodô, aos 20 minutos do primeiro tempo

Fontes: Zero Hora, Correio do Povo e Folha de São Paulo

Copa do Brasil 1997

August 20, 2013

Em razão da estreia do Grêmio amanhã na Copa do Brasil 2013, acho válido retomar a série sobre as participações do tricolor nesta competição.
E a retomada acontece numa edição bem interessante: 1997, ano do Tri invicto. Acima a imagem de um anúncio do marketing gremista tocando uma leva flauta em cima do que a torcida do Flamengo cantava na arquibancada do velho Maracanã.

Mais informações sobre essa conquista podem ser encontradas em:

CopaDoBrasil1997.blogspot.com.br

 

Brasileirão – Vasco 2×3 Grêmio

August 19, 2013

Renato mais uma vez usou um esquema heterodoxo (um 3-5-2 com três volantes) e mais uma vez isso deu certo. É evidente que sair tão cedo em vantagem no placar ajudou, mas o Grêmio sempre pareceu mais consciente em campo do que o Vasco. 
Aos 5 minutos de jogo, quando chovia torrencialmente em São Januário, uma bola foi cruzada na área do Vasco, Cris furou e Barcos aproveitou para marcar o 1×0. A partir daí o Grêmio se defendeu com alguma competência (com exceção aos dois lances de bola parada que resultaram em gols do time casa) e conseguia sair pro jogo. A movimentação do meio de campo parecia mais harmoniosa, Riveros e Ramiro aparentavam mais naturalidade para atacar e o Grêmio conseguia acionar o seus avantes com  frequência e assim conquistou mais uma merecida vitória.

3 zagueiros, 3 volantes, 3 gols e 3 pontos. “É disso que o velho gosta” .

O jogo foi mais fácil do que o placar final sugere. Ainda que não tenha sido brilhante, o Grêmio foi sempre melhor que o Vasco. Mas quase desperdiçou pontos ao sofrer dois gols em bola área, quando tinha 3 zagueiros altos em campo. Não deveria acontecer. E para um time que joga com alas o Grêmio tem feito poucas jogadas de linha de fundo. Mas o mais importante é que o time tem aproveitado as oportunidades e está subindo na tabela, principalmente porque aumentou consideravelmente o seu aproveitamento fora de casa.
O golaço marcado por Ramiro foi muito importante. Traz reconhecimento a quem vinha fazendo grandes atuações.
Fazia tempo que eu não via o Grêmio com essa combinação de camisa tricolor, calção branco e meia preta.

Fotos: Bruno de Lima (Lance)

Vasco 2×3 Grêmio

VASCO: Diogo Silva, Fagner, Cris, Rafael Vaz e Henrique (Marlone, 22’/2ºT); Abuda, Wendel, Pedro Ken (Montoya, Intervalo) e Juninho; Eder Luis (Tenório, Intervalo) e André
Técnico: Dorival Júnior
GRÊMIO: Dida, Gabriel, Werley e Rhodolfo; Pará, Ramiro, Riveros (Guilherme Biteco, 34’/2ºT), Souza (Matheus Biteco, 42’/2ºT) e Alex Telles; Kleber (Saimon, 45’/2ºT) e Barcos
Técnico: Renato Portaluppi
15ª  Rodada – Campeonato Brasileiro 2013
Data: 17/8/2013, sábado, 21h00min
Local: São Januário, Rio de Janeiro-RJ
Público: 15.781 (12.370 pagantes)
Renda: R$ 305.720,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (FIFA-GO)
Auxiliares: Márcio Eustáquio S. Santiago (Fifa-MG) e Flávio Gomes Barroca (RN)
Cartões amarelos: Tenório e Juninho (VAS); Gabriel e Kleber (GRE)
Gols: Barcos, 5’/1ºT; Alex Telles (contra), 25’/1ºT; Ramiro, 36’/1ºT, Barcos, 5’/2ºT e André, 41’/2ºT

Iniciada a eleição do Conselho do Deliberativo

August 17, 2013
Encerrou ontem o prazo para inscrições de chapas para a eleição que renovará a metade das cadeiras do conselho deliberativo do Grêmio. 7 chapas foram inscritas. Num primeiro momento tal número pode parecer exagerado. É de se questionar se há tanta variedade de ideias/discurso para justificar tamanha pluralidade. Mas há também como encarar tal cenário de forma otimista. O grande número de postulantes é um indicativo claro de que há forte interesse dos sócios em fazer parte da política do clube e o clube vem se mostrando bem mais aberto a participação democrática.
É uma questão de abertura e de uma certa proporcionalidade. Em 2004 havia 6 mil sócios aptos a votar, e eram 2 as chapas concorrentes. Em 2007 foram registradas 3 chapas para um universo de 10 mil aptos a votar.  3 chapas  também foram inscritas em 2010, quando o eleitorado era de 28 mil sócios. Para a eleição do dia 28 de setembro, teremos mais de 37 mil sócios aptos a votar. Era de se esperar  que o número de candidatos acompanhasse o crescimento que o quadro social teve nos últimos anos.
Eu tenho posição firme e aberta nessa eleição. Sigo apoiando a ideia de que é preciso se distanciar do dualismo personalista que vem dominando o Grêmio nos últimos anos. Creio que não há mais espaço para tanto. Para isso acredito que é preciso criar alternativas, mas alternativas viáveis, responsáveis, que tenham a inteligência, capacidade e maturidade para fazer as mudanças necessárias na mentalidade do clube. Foi isso que busquei fazer em 2012, ao colaborar com a candidatura de Homero Bellini Junior para a presidência. Fico feliz que em 2013 mais grupos e mais pessoas tenham se filiado a essa ideia. Por isso votarei e trabalharei pela chapa “Grêmio de Todos” na eleição do dia 28 de setembro.
Não sou maniqueísta e reconheço virtudes e acertos em diversas outras chapas. Mas as divergências, as diferenças (por mais que possam tentar ser disfarçadas) existem, e por isso a disputa se faz presente. E não vejo mal nenhum em termos uma disputa.
Não consigo concordar com algumas pessoas que tentam atribuir toda a culpa dos insucessos futebolísticos do Grêmio nos últimos anos a disputa política. Temos várias maneiras de administrar um time de futebol, e entre elas se destacam duas formas: Uma é a do clube com dono ( Ex: Milan, Chelsea, Manchester United), que coloca o seu dinheiro e assim pode mandar e desmandar no time. Outra seria a do clube composto por sócios (Ex: Barcelona, Bayern de Munique, Boca Juniors) que elegem seus representantes para gerir o time. Não há e nunca houve nenhuma notícia de que o Grêmio pudesse ser vendido para um dono, assim é possível encaixar o tricolor nesse segundo “modelo” de clube.
Nunca é demais lembrar que o Barcelona, paradigma de sucesso no futebol nos últimos anos, vive intensa disputa eleitoral. Joan Laporta, sofreu uma “moção de censura” que visava afasta-lo da presidência do Barça em 2008. No ano seguinte ele permaneceu no comando e o time ganhou todos os títulos que disputou. Ainda assim, ele não conseguiu eleger o seu sucessor, sendo derrotado por Sandro Rossel, que conquistou o título mundial em 2011. Como se vê, disputa política não afasta o Barcelona dos troféus. Devem ser poucos os barcelonistas que reclamam das eleições. E aqueles que não gostam de exemplos tão longínquos e costumam achar “que a grama do vizinho é sempre mais verde” precisam se ater ao fato de que a última eleição do co-irmão teve nada menos do que 6 chapas concorrendo as vagas do conselho deliberativo
É certo que as eleições não são um fim si mesmo, mas tenho séria desconfiança de quem tem ojeriza a elas. Qual a alternativa que estes propõem? Será que desconhecem a célebre frase de Churchill: “A democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos”

Brasileirão – Grêmio 3×1 Cruzeiro

August 15, 2013
 

E o Grêmio finalmente conseguiu emendar duas vitórias seguidas no campeonato e dar um salto na tabela. Conseguiu isso depois de um jogo duro com o Cruzeiro, numa noite muita fria na Arena. Renato optou por voltar ao 3-5-2, e pelo que tudo indica, Marcelo Oliveira já acreditava nisso. O treinador cruzeirense posicionou Luan e Ricardo Goulart para bloquear a passagem dos alas gremistas e assim criou dificuldade para o tricolor propor o jogo. Com Maxi Rodriguez muito adiantado, os volantes e zagueiros gremistas ficavam trocando passes pouco inspirados na saída de jogo. O Cruzeiro estava melhor em campo e chegou por diversas vezes perto do gol. Aos 30 minutos, Paulo César de Oliveira marcou um toque questionável de Bressan. Dida não se impressionou com a “corridinha lateral” de Everton Ribeiro e fez sua primeira defesa de pênalti com a camisa 1 do Grêmio. Seis minutos depois, Souza (O ruivo) puxou Barcos pela camisa e recebeu seu segundo amarelo (A expulsão até pode ser justa, mas Paulo César não mostrou muito critério. Leandro Guerreiro fez faltas mais duras e sequer foi advertido). O panorama se alterava em favor do Grêmio.
Mesmo com o adversário com um jogador a menos, Renato não alterou a sua equipe no intervalo.  O Grêmio continuou tendo os mesmos problemas na criação. Tal situação só se alterou quando Guilherme Biteco entrou em campo e o time passou a jogar no 4-4-2, ganhando em velocidade e movimentação. O tricolor iniciou uma pressão e aos 12 minutos, Rhodolfo cabeceou e Werley aproveitou o rebote de Fábio para abrir o placar. Pouco depois, foi Barcos que mostrou oportunismo ao apanhar uma bola mal cortada pela defesa cruzeirense e marcar o 2×0. O Cruzeiro ensaiou uma reação ao descontar numa cobrança de falta de Nilton (a bola desviou na barreira), mas aos 27 do segundo tempo Alex Telles cobrou falta por baixo da barreira, Fábio soltou e Kleber empurrou para o fundo das redes, selando a vitória tricolor.  

O Grêmio não fez uma grande partida e chegou a ser envolvido pelo Cruzeiro em alguns momentos do primeiro tempo. Contudo, o time soube aproveitar a situação do jogo  e as oportunidades para somar mais três pontos. Quero interpretar isso como um sinal de maturidade da equipe.
Feliz é o treinador que olha pro banco e tem um Biteco para atacar e outro para defender.
Ramiro foi muito bem na partida ontem e Rhodolfo, até aqui, só teve atuações impecáveis com a camisa tricolor.
Por falar em camisa tricolor, eu já disse no blog que não gosto dessa prática de usar uma malha de manga longa por baixo da camisa de manga curta. Acho que não combina com as listras do nosso uniforme titular. Ao menos deveriam oferecer aos jogadores uma opção de camisa de manga longa listrada.
Koff faz bem em falar em título. Renato age sabiamente ao pensar no jogo a jogo. Não vejo contradição nesses posicionamentos. Cada um está agindo de acordo com o seu papel.
Ontem o sistema de som do estádio não executou aquela versão histriônica do hino do clube tocada na guitarra na entrada e na saída do time. Alguém sentiu falta?
O público na Arena não foi grande, mesmo com a expressiva promoção feita na venda de ingressos. Talvez seja um exemplo de que a mera redução nos valores dos tickets não leva mais gente ao estádio. E muitos dos que ficaram em casa seguem reclamando do posicionamento da câmera da TV.

A RBS não transmitiu os minutos finais do jogo de ontem. E fosse um novo “Heidi Game“? 

Fotos: Site Oficial do Cruzeiro, Lucas Uebel (Grêmio.net) Tiago Baldasso (tiagobaldasso.wordpress.com) e Marcelo Matusiak (MGI)

 
Grêmio Grêmio 3×1 Cruzeiro Cruzeiro

GRÊMIO: Dida, Werley, Rhodolfo e Bressan (Guilherme Biteco – 9’/2ºT); Pará, Ramiro, Souza, Maxi Rodríguez (Mateus Biteco – 20’/2ºT) e Alex Telles; Kleber (Paulinho – 40’/2ºT) e Barcos.  
Técnico: Renato Portaluppi
CRUZEIRO: Fábio, Ceará, Bruno Rodrigo, Dedé e Egídio; Nilton (Lucas Silva – 33’/2ºT), Souza, Éverton Ribeiro (Willian – 14’/2ºT) e Ricardo Goulart; Luan e Vinícius Araújo (Leandro Guerreiro – 40’/1ºT).
Técnico: Marcelo Oliveira
14ª rodada – Campeonato Brasileiro
Data: 14/08/2013,  quarta-feira, 21h50mon
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 17.330 (16.529 pagantes)
Renda: R$ 508.415,00
Árbitro: Paulo César Oliveira/SP (Fifa)
Assistentes: Kleber Lucio Gil (Fifa/SC) e Vicente Romano Neto (SP)
Cartões amarelos: Bressan, Rhodolfo (G); Souza, Luan, Bruno Rodrigo (CRU)
Cartão vermelho: Souza (CRU), aos 36 minutos do primeiro tempo
Gols: Rhodolfo, aos 12 min., Barcos, aos 16 min., Nilton, aos 21 min., e Kleber, aos 28 min. do 2º tempo

Brasileirão – Bahia 0x3 Grêmio

August 12, 2013

Com vários desfalques no setor ofensivo, Renato decidiu trocar o esquema de jogo novamente e escalou o time no 3-6-1 para enfrentar o Bahia em Salvador. O treinador gremista disse que o seu time não seria excessivamente recuado em campo. E de fato não foi. Nos minutos iniciais o Grêmio conseguiu povoar o meio de campo e adiantar  a marcação, mas esbarrava na falta de criatividade quando recuperava a bola. Essa era a maior dificuldade do Grêmio no primeiro tempo, os alas e volantes tinham dificuldade de trocar passes na hora de propor o jogo. Assim, o Bahia foi se encontrando em campo e se aproximou da área gremista, mas igualmente lhe faltou maior efetividade nas situações criadas.
O Grêmio segurou o ímpeto do Bahia na volta do segundo tempo e logo deu pra perceber que era possível sair da Fonte Nova com os três pontos. Aos 14 minutos Barcos foi puxado pela camisa dentro da área e o juiz nada marcou. Mas dez minutos depois, Elano acertou uma cabeçada no travessão e Riveros corajosamente se atirou para pegar o rebote (levando uma pancada na cabeça na sequência) e marcar o 1×0. O Bahia se perdeu com o gol. Titi foi expulso e o Grêmio soube se aproveitar da situação. Aos 32, Maxi Rodriguez chutou e conto com o desvio na zaga para ampliar o marcador. Aos 44, Matheus Biteco serviu Guilherme Biteco que chutou cruzado para estabelecer o 3×0 final.

O jogo em si foi muito ruim. Mas é preciso se dizer que o Grêmio não foi pior que o Bahia, e conseguiu um belíssimo resultado. É um avanço importante, porque anteriormente o time não estava conseguindo somar pontos quando atuava mal.
Renato disse que “Esquema bom é aquele que ganha”. Mas será que a vitória se deve ao uso do 3-6-1? Ou o Grêmio ganhou “apesar” do esquema? Embora esteja contente com o resultado, acho que talvez tenha sido um exagero optar por 3 volantes E 3 zagueiros. É válido lembrar que o Renato já tinha usado uma formatação bem parecida com essa num Gre-Nal do Gauchão de 2011.
Independente do esquema, acho que uma bela maneira de se vencer os jogos é não tomar gols. E ontem o Grêmio foi sólido na defesa. 
E afinal, a ” base do Grêmio não consegue revelar guris ou “a base do Grêmio pede passagem?

Fotos: Will Vieira (EC Bahia), Romildo de Jesus (Lance, Terra) e Eduardo Martins (A Tarde)

Bahia Bahia 0 X 3 Grêmio Grêmio

BAHIA: Marcelo Lomba; Neto (Diones, 36’/2ºT), Rafael Donato, Titi e Raul; Rafael Miranda, Fahel, Helder e Marquinhos; Wallyson (Anderson Talisca, 17’/2ºT – Lucas, 30’/2ºT) e Fernandão
Técnico: Cristovão Borges
GRÊMIO: Dida, Werley, Rhodolfo e Bressan. Moises, Adriano, Riveros (Guilherme, 26’/2ºT), Ramiro (Matheus, 37’/2T), Elano (M. Rodriguez, 30’/2ºT) e Alex Telles. Barcos.
Técnico: Renato Portaluppi

13ª rodada  – Campeonato Brasileiro 2013
Data: 11 de agosto de 2013, domingo, 18h30min
Local: Arena Fonte Nova, Salvador (BA)
Público: 21.651 pagantes
Renda: R$ 713.207,00
Árbitro: Wágner Reway (MT)
Assistentes: Lorival Candido das Flores (RN) e Flavio Gomes Barroca (RN).
Cartões amarelos: Riveros e Ramiro (GRE); Hélder (BAH)
Cartões Vermelhos: Titi (BAH)
Gols: Riveros, 22’/2ºT, Maxi Rodriguez, 32’/2ºT  e Guilherme Biteco, 44’/2ºt