Archive for October, 2013

Brasileirão – Fluminense 1×1 Grêmio

October 14, 2013

 

O Grêmio voltou a apresentar seu futebol de “visitante indigesto”. Travou o Fluminense, criou chances (Souza carimbou o travessão) e saiu na frente aos 37 minutos do primeiro tempo, quando Bressan pegou o rebote da sua própria conclusão de cabeça e mandou, de pé direito, a bola pro fundo das redes. A partir daí o time tratou de se defender (com alguma bravura quando lhe faltava maior organização) e administrar a vantagem conquistada.
O tricolor gaúcho conquistaria mais uma magra, porém importante, vitória não fossem dois “pequenos” detalhes:
Um erro absurdo do Herman Brumel Van, que se equivocou duplamente ao marcar um impedimento inexistente de Kléber (imagem abaixo), pois o avante gremista não só estava atrás da linha do penúltimo defensor como também partiu do seu campo de defesa no momento em que é feito o lançamento.
– Uma senhora bobeada da defesa gremista que permitiu que Rafael Sobis avançasse numa bola inicialmente pouco perigosa, recebida na lateral, aos 45 minutos do segundo tempo. Diversos defensores gremistas optaram por dar chance ao azar. E o azar se aproveitou, fazendo com que a bola desviasse em Rhodolfo e caísse dentro do gol de Marcelo Grohe.

 

 

 

É inadmissível que um bandeirinha do campeonato brasileiro desconheça a regra do impedimento. É triste, mas eu não vejo perspectiva de melhora. Porque inexiste reprimenda a tamanho desconhecimento. Em 2006 um juiz marcou impedimento em lateral, não marcou recuo pro goleiro e ainda assim foi escolhido para ser o representante brasileiro na Copa do Mundo.Mudou alguma coisa no status quo da arbitragem brasileira desde então? Vai mudar daqui pra frente?
O preparador físico do Fluminense deu uma declaração que serve para duas coisas: Provar que o microfone aceita tudo e que não existem limites para quem é cara de pau.
O curioso é que o Sportv só repetiu o lance do impedimento após a reclamação do Kléber na saída de campo.
Grande partida de Marcelo Grohe, fez grandes defesas e transmitiu segurança. Adriano também teve uma atuação bem interessante.
E no final da rodada o Grêmio diminuiu a distância para o líder, mas perdeu uma posição.
Luxemburgo tem todo direito de reclamar se acha que o Grêmio ainda lhe deve algum valor. Mas deve reclamar em local e momento adequados. E a coletiva de um jogo do Fluminense não me parece ser um foro adequado para tanto.
Eu teria mantido o treinador da temporada 2012 para a temporada 2013. Assim não posso dizer que Koff errou ao renovar com Luxemburgo. O que não dá pra aceitar é que o presidente do clube se preste a ficar batendo boca com um ex-funcionário. E é inaceitável que um homem da experiência de Koff afirme que foi “condicionado” a optar por Luxemburgo no início do ano. Não condiz com sua biografia.

 

Fotos: Nelson Perez (Fluminense F.C.) e Alexandre Cassiano (O Globo)

Fluminense Fluminense 1×1 Grêmio Grêmio 

FLUMINENSE: Kléver; Gum, Edinho e Anderson (Felipe – intervalo); Bruno (Ailton – 19′/2ºT), Diguinho, Jean, Wagner (Marcos Junior – 19′/2ºT) e Rafinha; Biro Biro e Rafael Sobis.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
GRÊMIO: Marcelo Grohe; Saimon, Rhodolfo e Bressan; Pará, Souza, Adriano (Matheus Biteco – 28′/2ºT), Ramiro (Elano – 40′/2ºT) e Alex Telles (Wendell – 38′/2ºT); Barcos e Kleber.
Técnico: Renato Portaluppi

28ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2013
Data: 12/10/2013, sábado, 18h30min
Local: Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ
Público: 13.252 pagantes
Renda: R$ 233.440,00
Árbitro: Alicio Pena Júnior (MG)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Herman Brumel Vani (SP).
Cartões amarelos: Biro Biro, Edinho, Marcos Junior e Diguinho, Ramiro, Kleber e Saimon.
Cartão vermelho: Biro Biro (FLU), aos 28 minutos do 2º tempo
Gol: Bressan, aos 37′/1ºT ; e Rafael Sobis, aos 45′/2ºT

Brasileirão – Grêmio 1×2 Criciúma

October 10, 2013
 

Não vi o jogo por motivos de: BLACK SABBATH

Foi o primeiro jogo do Grêmio na Arena que eu deixei de ir. Uma pena, pois tinha muito interesse em ver como o time ia se portar nesse 4-5-1, em como seriam os retornos de Elano e Zé Roberto e saber como a equipe reagiria sem Riveros E Ramiro,que são os motores que dão a dinâmica ao futebol tricolor.
O Grêmio fez exatos 0 pontos dos 6 que disputou com o Criciúma. Time que tem pretensões no campeonato não pode ter esse aproveitamento contra um time da parte de baixo da tabela.
Ainda não me conforme com o fato de o Grêmio ter feito três jogos seguidos num dos piores horários do Brasileirão. Jogo as 19h30 é complicado pra todo mundo. O interessante é que o Vasco andou reclamando junto a Globo/CBF e o horário de alguns dos seus jogos foram alterados.

Fotos:  Ricardo Rimoli (Lance) e Fabiano do Amaral (Correio do Povo)

Grêmio 1×2 Criciúma

GRÊMIO: Dida; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Souza, Adriano, Zé Roberto (Paulinho, 23’/2°T), Maxi Rodríguez (Jean Deretti, 30’/2°T) e Elano (Lucas Coelho, 42’/2°T); Barcos
Técnico: Renato Portaluppi
CRICIÚMA: Galatto; Sueliton (Ezequiel, 42’/2°T), Matheus Ferraz, Fábio Ferreira, Marlon; Serginho, Ricardinho, João Vitor, Daniel Carvalho (Morais – intervalo); Lins e Wellington Paulista (Marcel, 32’/2°T)
Técnico: Argel Fucks
27ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2013
Data: 9/10/2013, quarta-feira, 19h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 18.109 (16.423 pagantes)
Renda: R$ 502.468,00  
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Auxiliares: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Celso Barbosa de Oliveira (SP) 
Cartões amarelos: Sueliton e João Vitor (CRI); Werley (GRE)
Gols: Wellington Paulista, 35’/1°T, Maxi Rodríguez, 11’/2°T (1-1) e Serginho, 43’/2°T

Classificação e aproveitamento na 26ª Rodada

October 7, 2013

No Campeonato Brasileiro de 2013 o Grêmio conquistou 48 pontos nas primeiras 26 rodadas, tendo um aproveitamento de 61,54%. Até aqui a média de público pagante nos jogos na Arena é de 22.174 e a média de público total é de 24.098.
 Na era dos pontos corridos com 20 times somente em 2008 e 2012 o clube conseguiu um aproveitamento superiora a este: 

– Em 2012 o Grêmio fez 49 pontos nos primeiros 26 jogos (62,82%)

– Em 2011 o Grêmio fez 36 pontos nos primeiros 26 jogos* (46,15% de aproveitamento)
– Em 2010 o Grêmio fez 36 pontos nos primeiros 26 jogos (46,15% de aproveitamento)
– Em 2009 o Grêmio fez 39 pontos nos primeiros 26 jogos (50,00% de aproveitamento) 
– Em 2008 o Grêmio fez 50 pontos nos primeiros 26 jogos (64,10% de aproveitamento) 
– Em 2007 o Grêmio fez 41 pontos nos primeiros 26 jogos (52,56% de aproveitamento) 
– Em 2006 o Grêmio fez 45 pontos nos primeiros 26 jogos (57,69% de aproveitamento) 

 Se o Cruzeiro mantiver o atual aproveitamento de 75% atingirá a marca de 86 pontos e teria a melhor campanha da história dos pontos corridos. Ainda que o Grêmio tenha 100% de aproveitamento nas 12 rodadas restantes (36 pontos a serem disputados) ele não conseguirá alcançar os mineiros.  Veja abaixo como foi o aproveitamento do Grêmio nessa reta final em anos anteriores:

– Em 2012 o Grêmio fez 22 pontos nós últimos 12 jogos (61,11% de aproveitamento)
– Em 2011 o Grêmio fez 12 pontos nos últimos 12 jogos (33,33% de aproveitamento)
– Em 2010 o Grêmio fez 27 pontos nos últimos 12 jogos (75,00% de aproveitamento)
– Em 2009 o Grêmio fez 16 pontos nos últimos 12 jogos (44,44% de aproveitamento)
– Em 2008 o Grêmio fez 22 pontos nos últimos 12 jogos (61,11% de aproveitamento)
– Em 2007 o Grêmio fez 17 pontos nos últimos 12 jogos (47,22% de aproveitamento)
– Em 2006 o Grêmio fez 22 pontos nós últimos 12 jogos (61,11% de aproveitamento)

*Jogo contra o Santos foi adiado para 5 de outubro
 

Fontes: Folha de São Paulo. Correio do Povo e  Bola na Área.

Brasileirão – Botafogo 0x1 Grêmio

October 6, 2013

Depois do Atlético-PR, o Grêmio tinha mais um confronto direto pelas primeiras posições do campeonato. Para enfrentar o Botafogo no Maracanã, Renato Portaluppi voltou a escalar seu time no 3-5-2 com 3 volantes. No começo do jogo a iniciativa foi dos mandantes, que buscavam o ataque pelos lados do campo, se valendo das descidas dos seus laterais. Aos 3 minutos Gilberto cruzou da direita e Henrique cabeceou com perigo. Aos 7 minutos, Júlio César acionou Dankler. Mas, aos poucos o tricolor foi adiantando sua marcação e ganhando maior presença ofensiva. Souza e Werley ficaram perto de abrir o marcador em escanteios cobrados por Alex Telles. Parecia que o panorama do jogo poderia ser alterado aos 29 minutos quando Kléber, que já tinha cartão amarelo por suposta reclamação, deixou a perna levantada após uma conclusão e recebeu o cartão vermelho. Mas mesmo em desvantagem o Grêmio conseguiu marcar. Aos 37, Riveros foi até a linha de fundo e rolou para trás, onde Alex Telles estava pronto para soltar um foguete no ângulo de Jefferson. 
Como era de esperar o Grêmio ficou todo atrás no segundo tempo (apenas Ramiro se atrevia a se aproximar de Barcos no ataque) e a posse de bola foi toda botafoguense. Mas apesar de estar sempre rondando a área, o domínio do Fogão era infrutífero. Apenas um chute de Renato, desviado em Rhodolfo, obrigou Dida a fazer uma defesa mais difícil. No restante o Botafogo misturou desorganização (O incompreensível Dória virou atacante) com cansaço e não conseguiu empatar a partida.
As estatísticas ajudam a comprovar a superioridade do Grêmio na partida. O tricolor desarmou mais e cometeu menos faltas que o Botafogo, e foi mais eficiente nas conclusões (2 chutes no gol em 3 finalizações, contra 3 em 20 do Alvinegro).

O curioso é que muito se disse que o Botafogo jogava bonito e empolgava (E por isso era candidato ao título e o Grêmio não). O que aconteceu?  Será que essas diferenciações entre “jogar bonito” e “jogar feio” não acabam resultando em preconceitos nos prognósticos e análises?

Li ontem, no principal jornal de Porto Alegre, que “Alex Telles erra passe a todo instante“. Por um momento imaginei que o colunista que afirmou isso está assistindo um campeonato diferente. Por via das dúvidas eu  redobrei a atenção ao futebol de Alex Telles e sigo achando que ele é o melhor lateral esquerdo do Brasileirão.

E o que o Ramiro correu nesse jogo, hein? Menos mal que ele recebeu o terceiro amarelo, porque seria desumano exigir que ele repita a performance na próxima quarta-feira.

Assim como ocorreu contra o também alvinegro Atlético Mineiro, não entendi porque o Grêmio usou a camisa branca contra o Botafogo. Creio que a camisa azul celeste ajudaria mais a diferenciar os times e de quebra remeteria a primeira vitória do Grêmio no Maracanã.

O jogo valia pelo principal campeonato do país. Era confronto entre o 2º e o 3º colocados. Duas equipes tradicionais se enfrentando numa cidade de 6 milhões de habitantes. E com tudo isso o público no Maracanã ficou abaixo dos 15 mil espectadores. Tem alguma coisa errada aí, e talvez não seja só o preço dos ingressos.

 Fotos: Vitor Silva (Botafogo FR) e Paulo Sérgio (Terra e Lance)

Botafogo Botafogo 0x1 Grêmio Grêmio

BOTAFOGO: Jefferson, Gilberto, Dankler, Dória e Julio Cesar; Marcelo Mattos (Jeferson, aos 24’/2°T), Renato, Lodeiro (Bruno Mendes, no intervalo), Seedorf e Rafael Marques; Henrique (Sassá, aos 31’/2°T) 
Técnico: Oswaldo de Oliveira
GRÊMIO: Dida, Werley, Rhodolfo e Bressan; Pará, Souza, Ramiro (Adriano, aos 35’/2°T), Riveros (Wendell, aos 48´/2ºT) e Alex Telles; Kleber e Barcos (Lucas Coelho, aos 39’/2°T) 
Técnico: Renato Portaluppi 

26ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2013
Data: 5/10/2013, sábado, 21h00min
Local: Maracanã, Rio de Janeiro – RJ
Público: 14.418 (10.959 pagantes)
Renda: R$ 356.995,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa-SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (SP)
Cartões amarelos: Kleber, Ramiro e Bressan (GRE); Lodeiro, Dória, Henrique e Gilberto (BOT)
Cartões vermelhos: Kleber (GRE), aos 29 do 1ºT
Gol: Alex Telles, aos 37 minutos do 1º tempo

Juiz deve falar depois do jogo? Quem deve falar com ele?

October 4, 2013
 Eu estou lendo um livro intitulado “The Italian Job“, escrito pelo ex-atacante da seleção italiana Gianluca Vialli. No livro ele faz uma série de reflexões sobre diversos elementos do futebol, se valendo da sua experiência no futebol italiano e inglês e contando com depoimentos de diversos treinadores, jogadores. Um capítulo da obra é inteiramente dedicado a arbitragem, e nele o Vialli dá algumas sugestões para a melhoria desse quesito (trecho abaixo):
“Também seria benéfico se os árbitros fosse encorajados a comparecer nas coletivas pós-jogo para falar com a imprensa, esclarecendo algumas das suas decisões, talvez após assistir um rápido resumo dos lances controversos”

O ex- árbitro inglês Graham Poll é partidário de tal idéia. Mas pelo visto ela ainda está muito longe de ser implementada. No vídeo abaixo podemos ver que Heber Roberto Lopes falou com a imprensa após o jogo entre São Paulo e Grêmio, mas afirmou que não poderia comentar lances e que era proibido de consultar imagens no vestiário.
Ainda que tenha sido pouco esclarecedora, eu achei bem interessante a iniciativa da ESPN Brasil. O que eu não consigo entender é por que esse tipo de iniciativa é tentada somente em alguns poucos jogos? Por que não fizeram o mesmo com o juiz de Grêmio e São Paulo no 1º turno? Quem é que escolhe quando vale a pena tentar entrevistar o árbitro?
Outro aspecto curioso é que o repórter em questão parece assumir o papel de porta-voz das queixas do Rogério Ceni. Será que ele tem isenção necessária para atuar no caso?
Pra quem não sabe Plihal escreveu um livro em parceria com o goleiro são-paulino. Aqui no Brasil esse tipo de relação pode passar despercebida, mas em outros locais acaba sendo diferente. Nos EUA, o pitcher Armando Galarraga teria conseguido a façanha de fazer um “jogo perfeito” não fosse um erro do juiz Jim Joyce. No dia seguinte o juiz reconheceu o erro, e pouco tempo depois os dois se tornaram co-autores de um livro sobre aquele jogo. Ocorre que, diante de tal situação, a MLB anunciou que Joyce estava impedido de atuar em jogos da equipe de Galarraga uma vez que os dois possuem uma relação comercial.

Brasileirão – Classificação 25ª Rodada

October 4, 2013

ARTILHEIROS


15 Gols – Éderson (Atlético-PR)
12 Gols – William (Ponte Preta)
11 Gols – Gilberto (Portuguesa)
10 Gols – Fernandão (Bahia) e Alex (Coritiba)
09 Gols – Hernane (Flamengo) e André (Vasco)
08 Gols – Rafael Marques (Botafogo), Rafael Sóbis (Fluminense), Walter (Goiás),D’Alessandro (Internacional), Cícero (Santos) e Maxi Biancucchi (Vitória)
07 Gols – Elias (Botafogo), Alexandre Pato (Corinthians), Lins (Criciúma), Nilton (Cruzeiro), Barcos (Grêmio) e Dinei (Vitória)
06 Gols – Ricardo Goulart (Cruzeiro)

 

 Classificação do 2º Turno do Brasileirão 2013

 Fontes: Correio do Povo, Bola na Área e FutDados

Brasileirão – Grêmio 1×0 Atlético-PR

October 3, 2013

O Grêmio fez um primeiro tempo muito bom contra o Atlético-PR na Arena ontem. Escalado no 4-3-3, o time voltou a fazer um movimento que era costumeiro no 3-5-2, de adiantar as suas linhas para pressionar o adversário no seu campo de defesa. E assim o tricolor foi dominando as ações, o que pode ser considerado um grande mérito uma vez que o Furacão não era um oponente apático. Kléber e Barcos obrigaram Weverton a dar alguns rebotes estranhos, aos 25 e aos 33 respectivamente. Ramiro já tinha  aparecido bem dentro da área para concluir aos 13 minutos, mas foi outro volante que marcou. Riveros aproveitou a boa escorada de Barcos e tocou com classe, por cima do goleiro, aos 43 minutos do primeiro tempo.

O Grêmio custou a “voltar para a partida” na segunda etapa e isso quase lhe custou caro. O Atlético se aproveitou do descuido gremista com o setor defensivo e esteve muito perto de marcar. Dida voltou a fazer grandes defesas, e quando Ederson o superou, Rhodolfo salvou em cima da linha. Mas o Grêmio se re-estabilizou e jogo passou a ser muito nervoso, de modo que o juiz virou protagonista ao mostrar o cartão vermelho para Luiz Alberto, Vargas e Pedro Botelho. E placar não foi mais movimentado,  mesmo com o campo mais aberto devido as expulões.

Já tinha alertado aqui no blog que o Grêmio faria uma quantidade absurda de jogos em casa no meio de semana. Nesse mês de outubro o time não vai atuar nenhuma vez na Arena nos finais de semana. Pra piorar, tem uma sequência (Santos, Atlético-PR e Criciúma) de jogos as 19:30 de quarta-feira, que sabidamente é um horário que atrai pouco público (eu, por exemplo, mais uma vez perdi o começo do jogo).
Pará se igualou a Pelé e Sandro Goiano ao tentar e não conseguir marcar um gol do meio de campo.
Já Ramiro tentou e conseguiu, por diversas vezes, acionar Alex Telles com um lançamento longo. Pareceu ser uma movimentação (bem) ensaiada.
O site oficial do Grêmio classificou o jogo como “uma vitória de 6 pontos”. De fato foi um resultado muito importante. Infelizmente a distância para o líder segue a mesma, mas o Grêmio se consolida no G4, pois já está a 8 pontos do 5º colocado. E tal situação já implica em reconhecimentos tardios o qualidade do futebol desse grupo.

Fotos: Jefferson Bernardes (UOL), Itamar Aguiar (Grêmio.net) Ricardo Duarte (ZeroHora.com) e Richard Ducker (Ducker.com.br)

Grêmio Grêmio 1×0 Atlético-PR Atlético-PR

GRÊMIO: Dida; Pará, Rhodolfo, Bressan e Alex Telles; Souza, Ramiro (Saimon – 24’/2°T) e Riveros; Vargas, Kléber (Wendell – 46’/2°T) e Barcos (Paulinho – 31’/2°T)
Técnico: Renato Portaluppi
ATLÉTICO-PR: Weverton; Léo, Manoel, Luiz Alberto e Pedro Botelho; Deivid, João Paulo, Everton e Paulo Baier (Dráuzio – 26’/2°T); Dellatorre (Roger – intervalo) e Ederson (Douglas Coutinho – 26’/2°T) Técnico: Vagner Mancini.

25ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2013
Data: 2/10/2013, Quarta-feira, 19h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 21.427 (19.800 pagantes)
Renda: R$ 611.860,00 Árbitro: Wilson Luiz Seneme (FIFA/SP)
Auxiliares: Rogerio Pablos Zanardo (SP) e Carlos Augusto Nogueira Junior (SP) Cartões amarelos: Pedro Botelho, Léo, Everton (CAP) Ramiro, Vargas, Rhodolfo (GRE)
Cartões vermelhos: Luiz Alberto, Pedro Botelho (CAP) Vargas (GRE)
Gols: Riveros, aos  43 minutos do 1°T