Archive for February, 2014

Libertadores 2014 – Grêmio 3×0 Atlético Nacional

February 26, 2014

E o Grêmio conseguiu um grande resultado na Arena ontem. Um sonoro 3×0 que talvez não reflita exatamente o que aconteceu no jogo, mas de forma alguma se pode dizer que o Grêmio jogou mal ou que não tenha merecido a vitória. O confronto foi bem interessante, e o Atlético Nacional se mostrou um valoroso adversário, com típicas características colombianas, de bom toque de bola e com o jogo sendo organizado desde a sua linha defensiva, com zagueiros que não se furtavam de tentar um drible mesmo quando eram o último homem. Apesar dessa valorização da posse de bola pelos visitantes, era o Grêmio que propunha o jogo, tendo na velocidade e movimentação de Wendell e Luan pela  esquerda a sua principal arma (embora usasse o lado direito também, como no primoroso lançamento de Edinho para Pará). O tricolor já havia ingressado com perigo na área do Nacional antes, mas o gol saiu aos 29 minutos, quando Ramiro lançou para Riveros que estava impedido, contudo quem chegou antes na bola foi Luan,que estava em condição legal e tocou por cima do goleiro. Os atletas colombianos, ao contrário dos seus cronistas compatriotas, reclamaram demais, contudo o juiz confirmou o gol.
A reação dos campeões colombianos foi mais forte no início do segundo tempo, quando chegou a pressionar e encurralar o Grêmio (que não conseguia segurar a bola na frente). Logo aos 2 minutos Marcelo Grohe travou com os pés o atacante Uribe que ingressava perigosamente na área. A torcida sentiu o momento, jogou junto e o Grêmio saiu do sufoco com duas roubadas de bola. A primeira foi de Luan, aos 17 minutos, que cruzou para Zé Roberto acertar um bonito voleio, obrigando Martinez a fazer grande defesa. Dois minutos depois, foi Wendell que desarmou um adversário e cruzou rasteiro para Ramiro completar pro gol. 2×0 que dava tranquilidade. O Nacional seguiu pressionando, mas foi o Grêmio que marcou novamente. Com Alan Ruiz (que já havia pifado o Barcos) fazendo grande jogada e colocando com calma no canto do goleiro adversário.

Eu repito aqui o que disse em relação ao gol do Vargas contra o Botafogo no ano passado. Na minha visão, tendo presente a razão de ser da lei do impedimento, eu considero que deveria ser marcado a posição irregular. A bola foi lançada para um jogador que estava impedido, fato que julgo já ser suficiente para parar a jogada. Não obstante, Riveros ainda correu em direção a bola. Contudo, pela nova orientação da International Board (a qual considero bastante equivocada), é possível dizer que o gol é legal, uma vez que podemos questionar se Riveros efetivamente esteve obstruindo claramente o campo de visão do adversário ou disputando a bola.

Luan e Wendell novamente foram destaques. Mas acho importante ressaltar como esse meio campo do Grêmio incomoda os adversários, com a intensidade do trio Riveros, Ramiro e Edinho. Essa é uma característica que o Grêmio manteve do ano passado, de ter muita pegada no meio, mas agora acrescentando velocidade na frente, o que faz com que o time não jogue os 90 minutos por uma única chance.

Bonita essa camisa do A. Nacional. Uma pena que o box verde nas costas coloque quase tudo a perder.
Será que a torcida “verdolaga” chama o Sherman Cardenas de SHERMINATOR?
Número de pagantes ontem ficou acima da média histórica do Grêmio na competição, mas abaixo do que o clube teve na Libertadores 2013 (onde 3 dos 5 jogos foram disputados com o setor da geral fechado). Francamente eu esperava mais gente, tendo em vista que o time vive bom momento e era a estreia em casa.
Infelizmente alguns problemas no entorno/entrada da Arena persistem. Mais uma vez se viram várias poças nos acessos, e na rampa sul, que é a de maior movimentação na saída, a mobilidade é prejudicada por uma série de vendedores ambulantes que obstruem o seu final, que já é problemático pelo terreno irregular e pouca luminosidade. 
Muito legal a volta das bandeiras na Geral. Dá outro clima no estádio. O papel picado também ajuda, ainda que tenha sido pouco e esse prateado jogado por um canhão, e não aquele “roots”, jogado pelos torcedores. Aliás, a torcida foi muito importante ontem, especialmente no início do segundo tempo quando o Nacional pressionou em busca do empate.

Fotos: Ricardo Rimoli (Lance), Terra (EFE), El Colombiano (AFP), Lucas Uebel (Grêmio.net)  e Jefferson Bernardes (UOL)

Grêmio Grêmio 3×0 Atlético Nacional Atlético Nacional

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Edinho, Ramiro, Riveros (Maxi Rodríguez – 45’/2°T), Luan (Alán Ruiz – 39’/2°T) e Zé Roberto (Dudu – 28’/2°T); Barcos
Técnico: Enderson Moreira
ATLÉTICO NACIONAL: Martínez; Bocanegra, Medina, Murillo e Valencia; Bernal, Mejía (Díaz – 21’/2°T), Cárdenas e Edwin Cardona; Berrío e Uribe (Tréllez – 14’/2°T) 
Técnico: Juan Carlos Osório.
Libertadores 2014 – 2ª Rodada – Grupo 6

Data: 25/02/2014. terça-feira, 22h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 33.640 (31.586 pagantes)
Renda: R$ 1.595.910,00
Árbitro: Patricio Polic (CHI)
Auxiliares: Francisco Mondria e Raul Orellana (CHI)
Cartões amarelos: Edinho, Luan (GRE) Bernal, Cardona, Berrío (CAN)
Gols: Luan, aos 29 min do primeiro tempo, Ramiro, aos 19min e Alán Ruiz, aos 43 minutos do segundo tempo.

Advertisements

Supercopa 1997 – Grêmio 2×2 Atlético Nacional

February 25, 2014

Atletico Nacional e Grêmio tem um histórico de 5 confrontos. Começando por um amistoso no início do ano de 1982, passando pelas finais da Libertadores de 1995 e terminando por mais dois jogos pela Supercopa de 1997.

O último enfrentamento em Porto Alegre aconteceu em 24 de setembro de 1997, pela terceira rodada do grupo 4 da Supercopa, no que acabou sendo a última edição do saudoso torneio, depois que Conmebol e Vasco apatifaram a competição.

Comandado por Hélio dos Anjos, o Grêmio fazia um segundo semestre muito fraco, com os seus reforços (Beto, Guilherme e Sérgio Manoel) não conseguindo preencher o espaço deixado pela saídas de Paulo Nunes, Carlos Miguel, Emerson e Mauro Galvão. O time entrou pressionando em campo, tendo como principal atrativo a presença de um jovem Paulo Cesar Tinga desde o inicio do jogo. Contudo os colombianos abriram 2×0 no primeiro tempo e a reação tricolor (com dois gols de Beto) só foi o suficiente para buscar um empate.

Fotos: Zero Hora

Grêmio 2×2 Atlético Nacional  

GRÊMIO: Murilo; Arce, Rivarola (Wagner Fernandes), Éder e André Silva; Dinho (Gilmar), Dário, Tinga e Sérgio Manoel; Zé Alcino (Silva) e Beto
Técnico: Hélio dos Anjos

ATLÉTICO NACIONAL: Tuberquia; Santa, Perea, Córdoba e Mosquera; Rueda, Serna, Gaviria e Garcia (Orejuela); Moreno (Pabón) e Castro (Angel)
Técnico: Gabriel Jaime Goméz

Supercopa 1997 – Grupo 4 – 3ª Rodada
Data: 24 de setembro de 1997, quarta-feira, 21h30min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS 
Público: 13.629  (10.700 pagantes)
Renda: R$ 60.839,00
Arbitragem: Oscar Sequeira (Argentina)
Cartao Vermelho: Rueda (Nacional)
Gols: Perea, aos 26/1ºT, Castro aos 43/1ºT e Beto aos 45/1ºT; Beto aos 34/2ºT

Quanto custou ir à Arena em Janeiro?

February 24, 2014
Eis um levantamento que há muito eu queria fazer. Saber quanto cada sócio do Grêmio, nas suas diversas modalidades, tem que gastar para ir em todos os jogos do time em um mês (ou no ano).
Para isso eu fixei alguns critérios. Levei em conta quanto quanto cada tipo de associação e setor paga por mês (com ou sem antecipação do pagamento de mensalidade), e também incluí o preço de ingressos avulsos, sem considerar descontos para estudantes e idosos (uma vez que essa questão não é fixada pelo Grêmio). E para tornar a comparação possível, considerei que o sujeito foi sempre no mesmo setor do estádio, apesar de saber que a possibilidade de variação é um atrativo do programa do sócio-torcedor.
É claro que essa comparação é puramente financeira, não levando em conta outras questões, como a garantia do lugar, que o sócio patrimonial/contribuinte tem sobre o sócio torcedor e a prioridade na compra e possibilidade votar/ser votado que o sócio torcedor tem em relação a um não sócio. 
Ainda assim acho interessante acompanhar os dados. Por ex: Em janeiro de 2014 a maneira mais barata de ir nos jogos da Arena foi, pasmem, comprando ingressos de arquibancada sem ser sócio. Obviamente é preciso fazer a ressalva que nesse mês foram realizadas apenas duas partidas na Arena (Lajeadense e Aimoré), sendo que a média do Grêmio de 2012 e 2013 foi de 3 jogos por mês como mandante. Ainda assim é um bom exemplo de como a redução do preço dos ingressos precisa ser equacionada juntamente com a mensalidade dos sócios.

Como o Grêmio fez muitas promoções de ingressos onde um sócio poderia levar um acompanhante de graça, resolvi ampliar o levantamento para o custo que 2 pessoas teriam para ir em todos os jogos na Arena neste mês. Abaixo os resultados.

Gauchão 2014 – Grêmio 3×0 Novo Hamburgo

February 23, 2014

A partida de ontem proporcionou pouquíssimo desafio ao Grêmio. Logo aos 7 minutos o estreante Pedro Geromel sofreu pênalti e Barcos converteu. Na sequência, Edinho apareceu sozinho na cara do goleiro Max, porém errou o chute e aos 10 minutos, Barcos fez o pivô na altura da linha central e acionou Dudu, que arrancou em velocidade pela esquerda e ao ingressar na área se valeu do “biquinho do Romário” (foto acima) para marcar o 2×0.  O Novo Hamburgo se retraiu, se vendo diante da possibilidade de sofrer uma goleada histórica e só foi tentar uma reação no final da primeira etapa, mas aí Marcelo Grohe apareceu bem na partida (fez grande defesa num chute de Jonatas Belusso aos 33 minutos).
Aos 9 do segundo tempo, Luan recebeu de Barcos, driblou o goleiro e devolveu para o Pirata completar para o gol vazio. 3×0 que permaneceu até o apito final.

É claro que temos que fazer a costumeira ressalva do nível do Gauchão e, no caso de ontem, da pequena crise que enfrenta o Novo Hamburgo, mas ainda assim o Grêmio mostrou virtudes interessantes em campo. Num 4-2-3-1 mais genuíno, Barcos cresceu de produção, tendo sempre o assessoramento de Dudu e Luan aparecendo em velocidade pelas pontas.

 Só vi dois jogadores que batiam escanteio com a perna direita E a perna esquerda: Petkovic e Anderson Pico. Dois gênios. Um deles incompreendido.
Achei curioso que Edinho saiu bem mais pro jogo do que o Leo Gago. Pela características desses atletas eu esperava que fosse acontecer justamente o contrário.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio Grêmio 3×0 Novo Hamburgo Novo Hamburgo

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Pedro Geromel, Bressan e Breno; Edinho (Adriano – 27’/2°T), Léo Gago, Luan (Maxi Rodríguez – 17’/2°T), Alán Ruiz (Jean Deretti – 31’/2°T) e Dudu; Barcos.
Técnico: Enderson Moreira.
NOVO HAMBURGO: Max; Chicão, Fred, Luis Henrique (Sosa – intervalo) e Peixoto; Alberto (Eliomar – 12’/2°T), Magno (Lucas Santos – 31’/2°T), Zé Rafael e Anderson Pico; Jonatas Belusso e Douglas
Técnico: Itamar Schulle
10ª Rodada – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 22/02/2014, sábado,  18h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 9.798 (6.971 pagantes)
Renda: R$ 199.796,00
Árbitro: Vinícius Costa da Costa
Auxiliares: Maurício Coelho Penna e Leirson Martins.
Cartões amarelos: Pará, Geromel (G) Luís Henrique, Peixoto, Sosa (NH)
Gols: Barcos, aos 7 (de pênalti), e Dudu, aos 10 minutos do primeiro tempo; Barcos, aos 9 minutos do segundo tempo.

Goleira "Padrão FIFA" ?!?

February 22, 2014

A rivalidade Gre-Nal tem características marcantes, com aspectos positivos e aspectos negativos. As vezes vejo nela uma polarização que me parece forçada, mas acreditava que justamente por conta dessa dicotomia o Grêmio iria acabar se afastando do famigerado “padrão FIFA”  como o diabo foge da cruz.
Pois então tive a infeliz surpresa de ler no site do clube uma notícia saudando a troca das goleiras da Arena por novas traves no “Padrão FIFA”. Não tenho nada contra a substituição em si, cedo ou tarde o clube teria que aposentar o antigo equipamento (Muito embora pudesse questionar o abandono de um “símbolo” que há pouco mais de um ano foi considerado tão importante). Meu maior problema é ver o Grêmio embarcando com gosto num padrão pensado por alguém em Zurique e imposto goela abaixo do resto do mundo, padrão que sequer foi unanimidade no palco da final da Copa do Mundo.
O futebol passa por um triste processo de padronização, onde os jogos, campeonatos e estádios estão cada vez mais parecidos e “insossos”. É muito estranho que o Grêmio, que sempre prezou por ter suas próprias características e peculiaridades, que teimosamente sempre fez as coisas do seu jeito, não se importando em estar na vanguarda ou em estar indo contra a corrente, faça parte desse processo.

Gauchão 2014 – Caxias 2×3 Grêmio

February 20, 2014
O Grêmio conseguiu mais uma vitória ontem no Gauchão, num jogo cheio de reviravoltas contra o Caxias no Centenário. O tricolor saiu na frente cedo, tomou uma virada ainda no primeiro tempo, mas buscou o 3×2 final no início da segunda etapa. Da partida fica um aspecto positivo e outro negativo. O time teve uma produção/movimentação ofensiva interessante, com Barcos marcando gols e Zé Roberto mais próximo a área, criando espaço para Luan flutuar entre a zaga e o meio de campo do adversário. Porém, ficou também a preocupação com os erros na bola área defensiva (Rhodolfo esteve irreconhecível na jornada de ontem).
 
Eu acho que o Edinho deveria ter recebido o segundo amarelo na falta que cometeu no segundo tempo. Mas me pareceu exagerada a manifestação do comentarista do jogo, Maurício Saraiva, sobre esse lance. É válido lembrar que Jean Pierre tem um critério meio estranho para exibir cartões. Essa falta de Escudero em 2011 valeu cartão vermelho, mas esse ponta pé de Leandro Damião rendeu só um cartão amarelo em 2012.

O lançamento de Busatto para o gol do Barcos lembrou muito o balão que Cássio deu para Herrera marcar contra o Fluminense no Brasileirão de 2006.

Reclamei no post anterior que o Grêmio não está usando a numeração fixa no Gauchão. Mas o curioso é que Busatto jogou com a camisa 12 ontem.
Boa essa tabela do Gauchão, hein? Caxias jogou na sequência contra Inter e Grêmio. Antes disso, Pelotas também teve os seus dois principais compromissos em casa (Inter e Brasil) marcados para uma quarta e domingo.


Fotos: Adriana Franciosi (Grêmio.net) e  Rafael Tomé (S.E.R. Caxias)

Caxias Caxias 2×3 Grêmio Grêmio

CAXIAS: Douglas; Léo (Tiago Santana – 29’/2°T), Tiago, Léo Korte e Dieyson; Baiano, Alisson, Wallacer e Rafael Carioca (Maílson – 13’/2°T); Lucão e Julio Madureira
Técnico: Antônio Piccoli

GRÊMIO: Busatto; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Edinho (Léo Gago – 32’/2°T), Riveros, Ramiro (Dudu – 20’/2°T), Zé Roberto (Alán Ruiz – 39’/2°T) e Luan; Barcos
Técnico: Enderson Moreira

09ª Rodada – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 19/02/2014, quarta-feira, 22h00min
Local: Estádio Francisco Stedile (Centenário), em Caxias do Sul/RS
Árbitro: Jean Pierre Lima
Auxiliares: Júlio Cesar dos Santos e Paulo Ricardo Conceição

Cartões amarelos: Edinho, Rhodolfo, Dudu (G).
Gols: Zé Roberto (G) aos 19, Julio Madureira (C) aos 23, Baiano (C) aos 25, Barcos (G) aos 34 minutos do 1º tempo; Barcos (G) aos 4 minutos do 2º tempo.

Renda de jogo-treino foi superior a renda de jogo do Gauchão

February 19, 2014

Deixei uma pergunta no ar no último post: Qual jogo teve mais público e renda? O Esportivo 1×3 Grêmio do último domingo, partida oficial do Gauchão em Bento ou o jogo-treino do Grêmio em Carlos Barbosa na pré-temporada?
Pois bem, eu, que ainda entendo que seja possível manter os grandes (de alguma forma) disputando os estaduais, sou obrigado a transcrever os dados que comprovam que um jogo-treino movimentou mais gente e dinheiro do que uma partida oficial:
Segundo o UOL e a Zero Hora, cerca de três mil ingressos foram vendidos para o amistoso do Grêmio contra um combinado amador de Carlos Barbosa. A renda dessa partida ficou na casa dos 70 mil reais.

Já a partida entre Esportivo e Grêmio, pela oitava rodada do Gauchão 2014 teve, segundo o borderô publicado no site da FGF, teve um público de 1132 pagantes, para uma renda de R$ 45.005,00.
Não podemos admitir uma situação dessas. É claro que é preciso fazer a ressalva de que o torcedor de Bento terá mais oportunidades de assistir futebol profissional no ano (algo que não acontecerá em 2014 em Carlos Barbosa) e que um jogo foi televisionado e outro não, e a principal fonte de receita dos clubes no gauchão é a cota de televisionamento, e não mais as rendas. Mas futebol sem torcida faz muito pouco sentido, até mesmo para TV. 
Também é preciso lembrar que a comparação é feita a partir do pressuposto que os relatos dos sites e que os números do borderôs são fidedignos/precisos. Mas mesmo que não fosse, o simples fato de se poder cogitar que um treino leve mais público do que o um compromisso oficial é assustador. É preciso repensar algumas questões do campeonato gaúcho.

Gauchão 2014 – Esportivo 1×3 Grêmio

February 17, 2014

Foi uma vitória fácil do Grêmio em Bento. Tão fácil que rapidamente o jogo se tornou enfadonho. Logo aos 6 minutos, Luan recebeu uma bola de Riveros, avançou a dribles e só parou aos ser puxado dentro da área. Pênalti que Maxi Rodriguez converteu. Vinte minutos depois, o volante Agenor foi expulso, sepultando as chances de recuperação do Esportivo. Sem fazer muita força o Grêmio fez o segundo (Werley aproveitando o cruzamento de Alan Ruiz aos 37 do 1º tempo) e o terceiro (Everaldo empurrando a bola para as redes  após boa troca de passes do ataque gremista logo no retorno do intervalo). Depois disso os comandados de Enderson Moreira, compreensivelmente relaxaram e o Esportivo se aproximou da meta defendida por Busatto, chegando a marcar o gol de honra na cabeçada de Brandão.

Qual jogo teve mais público e renda? Esse de ontem, uma partida oficial em Bento ou o jogo-treino do Grêmio em Carlos Barbosa?
A Montanha dos Vinhedos não aparenta ter sido inaugurada há apenas dez anos. A pista atlética dá um aspecto envelhecido a cancha.
O Grêmio já fez suas inscrições na Libertadores e terá que usar numeração fixa naquela competição. Por que não manter isso nos demais torneios?
Luan e Wendell seguem sendo os destaques positivos do ano. Alan Ruiz não apareceu tanto, mas mostrou uma característica interessante de voltar para buscar jogo entre os volantes. 

 Fotos: Marcelo Maciel (Jornal Semanário) e Enio Bianchetti (Correio do Povo)

Esportivo Esportivo 1×3 Grêmio Grêmio

ESPORTIVO: Vinícius; Afonso, Luther (Kal, Intervalo), Jean Pierre e Baroni; Agenor, Carlinhos, Claytinho e Ricardo Maria (Assis, Interalo); Ygor (Ceará, 20’/2ºT) e Brandão
Técnico: Flávio Campos

GRÊMIOBusatto; Moises, Werley, Bressan e Wendell; Riveros, Ramiro (Adriano, 10’/2ºT), Maxi Rodriguez (Jean Deretti, 25’/2ºT), Alán Ruiz e  Luan; Everaldo
Técnico: Enderson Moreira

08ª Rodada – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 16/2/2013, domingo, 16h00min
Local: Estádio Montanha dos Vinhedos, em Bento Gonçalves (RS)
Público: 1.132
Renda: R$ 45.005,00
Árbitro: Márcio Chagas da Silva (RS)
Auxiliares: Carlos Henrique Selbach (RS) e Elio de Andrade (RS)
Cartões amarelos: Agenor (ESP); Wendell (GRE)
Cartões vermelhos: Agenor, 26’/1ºT (ESP)
Gols: Maxi Rodríguez,  aos 6 do 1ºT(de pênalti); Werley aos 37 do 1ºT; Everaldo, aos 3 do 2º tempo e Brandão,  aos 34 do /2º tempo

Camisa da Libertadores 2014

February 16, 2014
O Grêmio iniciou nessa semana a pré-venda da sua nova camisa para  a Libertadores 2014. É inegavelmente uma camisa bonita, num tom de azul bem interessante, com a distribuição e proporção das listras que remete ao fardamento de 2001. Mas há pouquíssima inovação e elementos de surpresa nesse lançamento. O principal é esse detalhe em V na parte inferior na gola. De resto parece ser uma variação da camisa da Libertadores de 2013.

Nas imagens abaixo é possível notar claramente que houve uma inversão na ordem das cores em relação ao modelo do ano passado.  A listra preta passou a ser a central no torso (o que não ocorria desde 2010) e no ombro. As outras diferenças ficam no tom de azul, no detalhe da gola em dourado e aumento da espessura da listra branca (o que acho positivo, visto que era muito estreita em 2013).  Pro meu gosto, o distintivo do clube (bem como o logo da Topper) segue posicionado muito perto das mangas.

O Banrisul permanece na configuração mais comum (Fonte branca com contorno preto) já usada na camisa do Brasileirão/Copa do Brasil do ano passado. E a fonte do número segue a mesma do último fardamento, e aqui penso que seria interessante usar uma fonte para cada ano, ou adotar de vez uma fonte exclusiva e “permanente” para o Grêmio.

Eu confesso que, apesar de ser entusiasta da manutenção de “tradições” nos uniformes, estou sentindo falta de algumas inovações e/ou maior capricho nos detalhes nos últimos fardamentos do Grêmio. Claro que isso é um problema menor depois de alguns dos absurdos da Puma.

O que eu não consigo entender é por que a camisa não foi usada pela primeira vez no primeiro jogo da Libertadores, ou mesmo no primeiro jogo da temporada. E espero que esse seja o único uniforme tricolor da temporada.

Também não encontro explicação para o fato do preço da camisa ter aumentado exatos vinte reais nos últimos anos (R$ 189,90 em 2012R$ 209,90 em 2013 e R$ 229,90 em 2014) Esse aumento está atrelado ao que?

Libertadores 2014 – Nacional 0x1 Grêmio

February 14, 2014
 

Creio que seja difícil imaginar uma estreia melhor: O Grêmio mostrou bastante empenho e iniciou sua participação no grupo da morte conquistando fundamentais 3 pontos fora de casa. Contudo a vitória foi suada, talvez até mesmo sofrida, o que ajuda a evitar euforia excessiva e mostra que o time ainda pode (e deve) evoluir.
A esperada repetição do time que começou o Gre-Nal se revelou um acerto. O Grêmio mostrou-se consciente nos primeiros minutos de jogo, marcando forte mas também saindo pro jogo. Logo aos 7 minutos, Luan tentou um voleio de dentro da área. O Nacional era bastante pragmático na sua proposta, buscando a bola longa. De Pena incomodou numa série de chutes de fora da área, mas a melhor oportunidade foi dada a Cruzado, que recebeu dentro da área e arrematou pela linha de fundo. Ainda no primeiro tempo, o tricolor gaúcho também teve boas oportunidades nas conclusões de Zé Roberto (que Munua fez boa defesa) e Ramiro (que o chute saiu fraco).
Na volta do intervalo o time da casa quase marcou numa cabeçada de Scotti, que obrigou Marcelo Grohe a fazer uma providencial intervenção. Logo depois, Barcos tentou encobrir Munua num chute de fora da área. Aos poucos o Nacional foi adiantando suas linhas, o que criou espaço para o Grêmio contra-atacar. Aos 23, numa interessante movimentação ofensiva, Barcos saiu da área acionou Ramiro na ponta direita, e de lá saiu o cruzamento para Riveros, de cabeça, abrir o marcador. Dois minutos mais tarde Barcos teve chance de ampliar, mas foi desarmado quando se preparava para concluir. O Nacional começou a apressar seu jogo, insistindo em testar a defesa do Grêmio na bola área, mas Werley, Edinho e Rhodolfo ganhavam todas de cabeça. Aos 31 Riveros acertou a rede pelo lado de fora. Aos 38 Barcos sairia de frente para o goleiro, mas foi agarrado por Scotti (o juiz deu só amarelo) e aos 41 Luan concluiu de dentro da área, mas com pouco ângulo. O Nacional só incomodou mesmo nos últimos minutos. Aos 43 Léo Gago tirou uma bola de cima da linha após confusão em um cruzamento e na sequencia o juiz marcou um toque de mão Barcos fora da área (no replay o toque parece ser involuntário e dentro da área, como bem salienta a matéria do El País) mas Recoba não aproveitou a cobrança.



Gostei muito do espírito que os atletas encararam o jogo. Não fugiram da luta e não deixaram de procurar jogo. Apenas Zé Roberto destoou um pouco, mas já mostrou maior participação do que a vista no Gre-Nal.
Luan mais uma vez mostrou muita naturalidade em estar na equipe titular do Grêmio. E Wendell foi muito bem, aparece bem no apoio e tem uma jogada interessante quando corta para dentro, buscando a diagonal.
Eu achava que o Nacional somente perdia em “mística” quando optava por não jogar no Centenario. Mas eles também deixam de ganhar dinheiro. O Parque Central tem capacidade para mais de 26 mil torcedores, e a torcida do Grêmio recebeu apenas 600 ingressos (2,3% do estádio). É muita mesquinharia, assim como praticar um preço muito mais alto para os visitantes. Resta saber se a diretoria do Grêmio irá adotar o critério da reciprocidade.

Custei a acreditar quando me avisaram, mas realmente parece que Marcelo Grohe jogou com uma camisa da comissão técnica. Por falar em uniforme, eu, que já nao sou grande fã da camisa preta, achei bem estranha essa combinação do fardamento. Mas “deu sorte”.
É evidente que se precisa fazer uma grande ressalva em relação ao adversário. O Nacional mostrou muito pouco além da sua imensa camisa. Alonso, grande destaque do bolso nos jogos anteriores, foi muito bem marcado e se limitou a ficar reclamando de faltas. E beira o inacreditável que Recoba, que mesmo quando jovem nunca primou pelo aspecto físico, ainda seja uma opção aos 37 anos de idade.

 Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net), M.Cerchiari (El Observador), Matilde Campodonico (UOL), EFE (Terra), Nacional.com.uy e Miguel Rojo (Lance)
 
Nacional-URU Nacional 0x1 Grêmio  Grêmio

NACIONAL: Munúa, Álvarez, Scotti, Curbelo e Díaz; Prieto, Calzada e Cruzado (Dorrego – 37’/2°T); Pereiro (Recoba – 28’/2°T), De Pena (Mascía – 28’/2°T) e Alonso
Técnico: Gerardo Pelusso
GRÊMIO: Marcelo Grohe, Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Edinho, Riveros, Ramiro (Léo Gago – 40’/2°T), Zé Roberto (Maxi Rodríguez – 47’/2°T) e Luan (Bressan – 45’/2°T); Barcos
Técnico: Enderson Moreira
01ª Rodada – Grupo 6 – Libertadores 2014
Data: 13/2/2014, quinta-feira, 22h15min
Local: Parque Central, em Montevidéu (URU)
Árbitro: Antonio Arias (Fifa-PAR)
Auxiliares: Dario Gona (Fifa-PAR) e Eduardo Cardozo (Fifa-PAR)
Cartões amarelos: Riveros, Werley, Barcos (GRE) Scotti (NAC)
Gols: Riveros, aos 23 minutos do 2º tempo