Archive for April, 2014

Amistoso em 1977 – Grêmio 1×0 San Lorenzo

April 29, 2014

O primeiro confronto entre Grêmio e San Lorenzo aconteceu em março de 1977 no estádio Olímpico. Foi um amistoso que serviu como pagamento do ponta Ortiz, que havia atuado no tricolor no ano anterior. O time de Telê Santana começava a tomar forma e esse jogo era o último antes da estreia no Gauchão daquela temporada.
A grande atração da noite era o retorno de Alcindo Martha de Freitas aos gramados brasileiros, depois de um longo período no futebol mexicano. Pelos relatos e fotos da época, o “Bugre” estava longe da forma ideal. Por isso acabou sentindo bastante a falta de ritmo no primeiro tempo (quando Tarciso desperdiçou um pênalti), mas pediu para permanecer na segunda etapa, quando marcou, aos 4 minutos, superando o goleiro La Volpe que até então fazia grande partida.

O gol

Iura e Tadeu Ricci tabelaram, aos 4 minutos, na intermediária do San Lorenzo de Almagro. A jogada foi cortada por Nicolau. A bola ficou com Alcindo que chutou rápido, na dividida com Sanz, tomando efeito, encobrindo o goleiro La Volpe e caindo dentro do gol.” (Folha da Tarde – 24 de março de 1977)
 “No intervalo, Alcindo garantiu que voltaria para a etapa final. E cumpriu a palavra: voltou para marcar seu gol. Eram 4 minutos do segundo tempo quando o árbitro marcou uma falta nas proximidades da área do San Lorenzo. Alcindo caminhou para ajeitar a bola. Agora não havia Tarciso para atrapalhar. Alcindo fez a cobrança com força, a bola bateu na barreira, subiu e tomou efeito, impedindo qualquer tentativa de defesa de La Volpe” (Zero Hora – 24 de março de 1977)

TELÊ: “O Alcindo jogou mais como um prêmio para a torcida. A sua estréia talvez tenha sido prematura porque ele ainda não está em condições. Mas fez o gol e isso é importante. Sabemos que ele tem condições técnicas, mas precisa estar em forma. E para quem estava parado há tanto tempo, foi muito bem”
ALCINDO: “ Eu queria apenas ter mais umas chances. Estava gostando dos dois ponteiros, mas tinha dificuldade porque ainda estou fora de forma. Como minha condição de jogo deve demorar quase um mês, vou me preparar bem. Quero perder peso em excesso e treinarpois só participei de meio coletivo e estava há três meses parado.”

“Para Fischer, ex-jogador do Botafogo do Rio de Janeiro e Vitória da Bahia, o Grêmio está jogando um bom futebol, “mas se quiser ser campeão terá que melhorar muito”. Hoje para ele deu tudo certo, porque o juiz ajudou principalmente para a sua defesa. O Alcindo teve muita sorte, pois a bola que ele chutou bateu em Sanz e acabou deslocando o goleiro La Volpe, que ia certo no lance” (Folha da Tarde – 24 de março de 1977)

Fontes: Folha da Tarde, Globo Esporte e Zero Hora

Grêmio 1×0 San Lorenzo

GRÊMIO: Remi; Eurico, Ancheta, Oberdan e Ladinho; Vitor Hugo, Iura (Jerônimo) e Tadeu Ricci; Tarciso, Alcindo (Delmar) e Eder
Técnico: Telê Santana 
SAN LORENZO: La Volpe; Lupo, Nicolau (Sanchez), Sanz e Villar (Ruiz); Palmieri, Pedro ChazarretaMario Mendoza (Gauna); Olivares (Premici),  Fischer e Mário Rizzi
Técnico: Rogelio Dominguez
Amistoso
Data: 23 de março de 1977, quarta-feira, 21h15min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 15.720 pagantes
Renda: Cr$ 354.575,00
Juiz: Nazarino Pinzon
Auxiliares: Elinei Macedo e Ivo Morel
Gol: Alcindo, aos 4 minutos do segundo tempo 
Advertisements

Brasileirão 2014 – Grêmio 2×1 Atlético-MG

April 28, 2014
E o Grêmio, com seus reservas, superou o Atlético-MG na Arena e conquistou seus primeiros três pontos no Brasileirão 2014. E essa vitória começou a ser construída desde o apito inicial. Nos 3 primeiros minutos de jogo o Grêmio obrigou Victor a se movimentar em duas ocasiões. Pouco depois, aos 10 minutos, Alan Ruiz, cobrou uma falta da intermediária e acertou um foguete rasante no canto esquerdo do gol atleticano (vídeo acima). O 1×0 cedo trouxe de volta uma tranquilidade há muito esperada na torcida tricolor. Os suplentes de Enderson seguiram atuando bem, destacando-se especialmente na movimentação e intensidade na marcação, conseguindo incomodar o Atlético desde a sua saída de bola. E numa saída errada, Lucas Coelho aproveitou um recuo mal feito para aplicar uma meia lua em Victor e empurrar para o gol vazio (foto abaixo).
O Grêmio se sentiu a vontade com o placar conquistado. O time se portou bem no 4-5-1, de modo que e os meias apareceram bastante no jogo, com Rodriguinho mais centralizado e Alan Ruiz e Luan saindo das pontas e entrando na diagonal. O tricolor teve chances de marcar um terceiro, e só foi ver uma reação do Galo depois que Levir Culpi mexeu na sua equipe. Fernandinho descontou aos 39 do segundo tempo e o Atlético terminou a partida pressionando. Mas o placar final ficou nos 2×1, o que foi muito mais justo em relação a tudo que se viu em campo.

 

 

Foi possível ver um contraste gritante no quesito “chamar a responsabilidade” no jogo de ontem. Luan era um dos jogadores mais novos e menos experientes em campo. Sempre se apresentou para os companheiros e pediu bola. Já Ronaldinho, que certamente era o atleta mais rodada no gramado, se omitiu das ações, como lhe é costumeiro.
Alan Ruiz fez uma das suas melhores partidas com a camisa do Grêmio. E pela primeira vez jogou aberto pelo lado direito. É de se estudar esse posicionamento para futuras escalações.

 

Ridículo o cartão vermelho que o juiz deu para o Bressan. De que adianta punir o jogador se depois o juiz não adiciona no período de acréscimos o tempo gasto com a suposta cera?
Não gostei muito dessa camisa nova no campo. Tem muito preto nas golas mangas a patrocínio frontal, com pouco branco nas listras para contrastar. E o detalhe azul da gola não funcionou muito bem.
Grêmio ganhou o jogo. Logo fez bem ao escalar os reservas, descansados e focados, nesta partida? O Atlético é que foi mal ao colocar um time desgastado na Arena? Não vejo certo ou errado nessa questão de poupar ou não os jogadores. Várias abordagens são possíveis. San Lorenzo utilizou reservas no fim de semana; Cruzeiro jogou com força máxima. Na Europa Bayern, Chelsea e Real Madrid pouparam alguns atletas, enquanto o Atlético de Madrid usou sua equipe titular. A questão é examinar o planejamento. E nesse tópico, por mais que estejamos de boa vontade pelo resultado de ontem, fica difícil entender o planejamento do Grêmio, que usa time titular no campeonato gaúcho (que não leva a nada) e time reserva no Brasileirão (que é fundamental da definição do ano seguinte do clube).

 

Fotos: André Kruse (Grêmio1983.blogspot.com)

Grêmio Grêmio 2×1 Atlético-MG

 

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Moisés, Saimon, Bressan, Breno; Ramiro, Matheus Biteco, Alán Ruiz, Rodriguinho (Walace, 36’/2ºT), Luan (Everton, 29’/2ºT); Lucas Coelho (Rafael Thyere, 42’/2ºT)
Técnico: Enderson Moreira
ATLÉTICO-MG: Victor; Alex Silva, Leonardo Silva, Otamendi, Emerson Conceição; Pierre, Leandro Donizete (André, 31’/2ºT), Fernandinho, Ronaldinho (Guilherme, 21’/2ºT), Tardelli (Marion, 20’/2ºT); Jô. Técnico: Levir Culpi


02ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 27 de abril de 2014, domingo, 18h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 10.968 ( 9.245 pagantes)
Renda: R$ 274.344,00.
Árbitro: Wagner Reway (MT),
Auxiliares:  Kleber Lucio Gil (SC) e Neuza Ines Back (SC).
Cartões amarelos: A.Ruiz, Rodriguinho, Bressan; Otamendi, Leonardo Silva e André
Cartão vermelho: Bressan
Gols: Alán Ruiz, aos 10 minutos, e Lucas Coelho, aos 21minutos do primeiro tempo; Fernandinho, aos 39 minutos do segundo tempo

A tabela do Brasileirão segue sendo madrasta

April 25, 2014

Assim como aconteceu em 2012 e 2013, a montagem da tabela do Brasileirão 2014 foi bem ruim pro Grêmio. Não só por essa questão de jogar as primeiras 3 das 4 rodadas fora de casa, mas principalmente pelos dias que o tricolor fará seus jogos como mandante. Nesse ano,  10 das 38 rodadas serão disputadas em meio de semana. E, como podemos ver na tabela acima, novamente o Grêmio é um dos times que menos joga em casa nos finais de semana.
Mas por que isso é importante?
O primeiro motivo, o mais óbvio, é que os jogos em finais de semana costumam ter públicos maiores do que os jogos marcados para o meio da semana. No caso do Grêmio isso fica evidente na análise do público de todas as partidas como mandante feitas pelo clube no Brasileirão de 2006 pra cá (excetuadas os 3 jogos em Caxias com portões fechados). Conforme se pode notar na tabela abaixo, a média dos jogos de final de semana é bem superior ao dos marcados para meio de semana.

Mas além da questão do público, há também a questão da renda, que obviamente segue o mesmo padrão.

 A renda média no Brasileirão 2013 foi de R$ 756.809,00

-Nos 10 jogos que mandou em finais de semana a média de público tricolor foi de 27.179 (23.765 pagantes). A renda média dos jogos em finais de semana foi de R$ 1.130.000,00
– Nos 9 jogos realizados na Arena no meio da semana a média caiu para 17.279 (15.319 pagantes). A renda média dos jogos em meio de semana é de R$ 418.000,00


– Nos 13 jogos disputados em finais de semana a média de público foi de 32.055 (29.954 pagantes). E a renda média dos jogos em finais de semana foi R$ 682.510,00
– Nos 6 jogos disputados no meio da semana a média de público foi de 26.732 (18.600 pagantes). E a renda média dos jogos de meio de semana foi R$ 388.572,00
Como se percebe, o dia pra qual a partida é marcada é um “detalhe” que traz consigo um sério impacto financeiro. Um “detalhe” que o Grêmio não poderia se dar ao luxo de descuidar.
Pra finalizar, deixo abaixo a divisão dos jogos de meio e fim de semana da dupla Gre-Nal nas últimas 9 edições do Campeonato Brasileiro.

2016 –
Nº de rodadas em finais de semana – 27
Nº de rodadas em meio de semana – 11
Grêmio como mandante: 15 em final de semana e 4 em meio de semana
Inter como mandante: 12 em final de semana e 7 em meio de semana
———————————————————————-

2015 –
Nº de rodadas em finais de semana – 30
Nº de rodadas em meio de semana – 08
Grêmio como mandante: 16 em final de semana e 3 em meio de semana
Inter como mandante: 14 em final de semana e 5 em meio de semana
———————————————————————-

2014 –
Nº de rodadas em finais de semana – 28
Nº de rodadas em meio de semana – 10

Grêmio como mandante: 12 em final de semana e 7 em meio de semana
Inter como mandante: 16 em final de semana e 3 em meio de semana
———————————————————————-

2013
Nº de rodadas em finais de semana – 26
Nº de rodadas em meio de semana – 12

Grêmio como mandante: 10 em final de semana e 9 em meio de semana*
Inter como mandante: 15 em final de semana e 4 em meio de semana
*Jogo contra o São Paulo foi adiado de 08/06/2013 (um sábado) para 12/06/2013 (uma quarta-feira)
———————————————————————-

2012
Nº de rodadas em finais de semana – 28
Nº de rodadas em meio de semana – 10

Grêmio como mandante: 13 em final de semana e 6 em meio de semana
Inter como mandante: 15 em final de semana e 4 em meio de semana
———————————————————————-

2011 –
Nº de rodadas em finais de semana – 28
Nº de rodadas em meio de semana – 10

Grêmio como mandante: 13 em final de semana e 6 em meio de semana**
Inter como mandante: 14 em final de semana e 5 em meio de semana

**Jogo contra o Santos foi adiado de 24/07/2012 (um domingo) para 5/10/2011 (uma quarta-feira)
———————————————————————-

2010 –
Nº de rodadas em finais de semana – 26
Nº de rodadas em meio de semana – 12

Grêmio como mandante: 8 em final de semana e 11 em meio de semana
Inter como mandante: 18 em final de semana e 1 em meio de semana
———————————————————————-

2009 –
Nº de rodadas em finais de semana – 31
Nº de rodadas em meio de semana – 07

Grêmio como mandante: 15 em final de semana e 4 em meio de semana***
Inter como mandante: 12 em final de semana e 7 em meio de semana****

*** Os jogos Grêmio x Náutico , Grêmio x São Paulo , Grêmio x Palmeiras foram todos adiantados do fim de semana para o meio de semana.
**** O jogo entre Inter x Sport foi adiado para uma segunda-feira.
———————————————————————-

2008 –
Nº de rodadas em finais de semana – 30
Nº de rodadas em meio de semana – 08

Grêmio como mandante: 16 em final de semana e 3 em meio de semana*****

Inter como mandante: 13 em final de semana e 6 em meio de semana

***** A 29ª Rodada foi desmembrada com jogos na quarta, quinta e sábado. Grêmio x Santos foi numa quarta-feira

———————————————————————-

2007 –
Nº de rodadas em finais de semana – 29
Nº de rodadas em meio de semana – 09

Grêmio como mandante: 15 em final de semana e 4 em meio de semana
Inter como mandante: 14 em final de semana e 5 em meio de semana
———————————————————————-
2006
Nº de rodadas em finais de semana – 27
Nº de rodadas em meio de semana – 11
Grêmio como mandante: 12 em final de semana e 7 em meio de semana
Inter como mandante: 15 em final de semana e 4 em meio de semana
———————————————————————

Libertadores 2014 – San Lorenzo 1×0 Grêmio

April 24, 2014
 

O 1×0 de ontem pode ser analisado de uma maneira pessimista e de uma maneira otimista. Na primeira somos obrigados a constatar que o time perdeu pelo terceira vez consecutiva, justamente num momento crítico da temporada. Por outro lado, podemos afirmar que, apesar do insucesso, o time mostrou alguma evolução em relação aos dois jogos anteriores (onde foi completamente apático).
Logo de início o Grêmio se resguardou, esperando o San Lorenzo e só foi trocar mais de 2 passes no campo de ataque após os primeiros 15 minutos de jogo, o que convenhamos é uma cautela aceitável quando se enfrenta o campeão argentino em seus domínios. O time de Enderson Moreira voltou a estar relativamente bem posicionado e conseguia disputar e ganhar bolas no meio do campo. O time do Papa tinha iniciativa e propunha o jogo, mas sem muito sucesso. Prova disso é o fato de que suas melhores oportunidades na primeira etapa surgiram em erros gremistas. Aos 9 minutos Geromel errou uma antecipação e Matos aproveitou para chutar forte sobre o gol de Marcelo Grohe. Pouco depois, em uma falta mal cobrada por Ramiro, o San Lorenzo teve perigoso contra-ataque que só foi terminar com um providencial corte de Pará.
O tricolor voltou mais solto para o segundo tempo. Logo de cara Ramiro teve duas boas chances, mas na primeira o chute saiu pela linha de fundo e na segunda o volante chegou atrasado no bom passe de Zé Roberto. E como castigo, o Grêmio levou o gol justamente no seu melhor momento na partida. Num lateral cobrada rápido, que pegou Léo Gago fora de lugar, e resultou numa série de chegadas tardias dos defensores gremistas e culminou com o chute em curva de Correa que Grohe aceitou. Em desvantagem o Grêmio se abriu, e já com Luan em campo, foi pra cima do San Lorenzo. O tricolor teve algumas oportunidades, mas desperdiçou de forma bizarra a melhor delas num tiro livre dentro da área marcado após um recuo. A pressão gremista nos minutos finais acabou sendo inútil, servindo apenas para dar a sensação de que era plenamente possível conseguir um resultado mais favorável na Argentina.

 
Perder por 1×0 fora de casa no primeiro jogo é um resultado, historicamente, perigoso. Porém reversível. Especialmente se considerarmos que o  San Lorenzo fez muito pouco para conseguir a vitória. Resta saber se eles tem algo a mais a oferecer na partida de volta. O Grêmio certamente tem (Ou deveria ter).
Posso estar equivocado, mas pelo currículo e rodagem que tem, sempre espero mais do Zé Roberto nesse tipo de jogo. Ainda que ele não consiga mais acrescentar tanto no aspecto técnico, poderia mostrar mais liderança no aspecto anímico.
Léo Gago nunca se destacou pelo bom posicionamento e disciplina tática, mesmo quando joga na sua posição. Como lateral esquerdo ele errou demais, ainda que não por omissão (como ficou claro no lance em que chutou a bandeirinha de escanteio e na falta que recebeu amarelo). É sabido que a escalação de um atleta passa por diversos fatores, mas pro meu gosto, Breno, que é lateral de ofício, nunca desapontou nas partidas em que foi escalado.
Teve um pênalti, difícil de ser observado num primeiro momento, não marcado para o Grêmio no primeiro tempo. O curioso é que a imprensa gaúcha precisou ser avisada sobre ele pela imprensa argentina. No segundo tempo Geromel pediu pênalti em uma das sua idas a área adversária, mas a transmissão do jogo não exibiu replay da joga, preferindo ficar mostrando a presença de Marcelo Tinelli nas arquibancadas.
Dudu foi o melhor jogador gremista em campo. E teve a tarefa hercúlea de auxiliar Léo Gago na marcação, sendo que quando ia para o ataque, era obrigado a partir da intermediária ofensiva.
Uma questão que precisa ser resolvida urgentemente no time do Grêmio é a cobrança de bolas paradas. Cada uma é feita de um jeito, por um jogador diferente. O dois toques dentro da área executado por Dudu e Barcos foi simplesmente varzeano.

Fotos: Diego Guichard (Globo Esporte), Juan Mabromata (Lance) e SanLorenzo.com.ar

San Lorenzo San Lorenzo 1×0 GrêmioGremio

SAN LORENZO: Torrico; Buffarini, Valdés, Gentiletti, Mas; Mercier, Ortigoza, Villalba (Cavallaro, 30’/2ºT), Piatti (Kannemann, 23’/2ºT); Correa (Elizari, 37’/2ºT) e Matos
Técnico: Edgardo Bauza

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Geromel, Werley, Léo Gago (Breno, 38’/2ºT); Edinho, Ramiro (Luan, 11’/2ºT), Riveros, Zé Roberto (Maxi Rodríguez, 40/2ºT); Dudu e Barcos
Técnico: Enderson Moreira

Jogo de Ida – Oitavas de Final – Libertadores 2014
Data: 23 de abril de 2014, quarta-feira, 22h00min
Local: Estádio Nuevo Gasómetro, Buenos Aires-ARG
Arbitragem: Enrique Osses (FIFA-Chile)
Auxiliares: Carlos Astroza (Chile) e Sergio Roman (Chile) 
Cartões amarelos: Correa, Buffarini, Mas, Kannemann; Léo Gago, Edinho
Gols: Ángel Correa, aos 6 minutos do segundo tempo.

Presença de público na fase de grupos da Libertadores

April 22, 2014

Eu mencionei aqui no blog que esperava ver mais gente na Arena nos confrontos contra Atlético Nacional e Nacional.  Mas essa questão de expectativa de público pode ser um tanto subjetiva. Em razão disso decidi fazer alguns comparativos.

O primeiro, de número de pagantes e ocupação média do estádio com os outros times Brasileiros que disputaram a fase de grupos (assim os jogos da 1ª fase ou “pré-libertadores” foram excuídos). E como se pode ver na tabela acima Grêmio fica atrás de Cruzeiro e Flamengo na média de pagantes e atrás dos clubes mineiros na questão da ocupação do estádio.
O segundo comparativo (Figura abaixo) é da presença de público da torcida tricolor em jogos da fase de grupos  nas 5 participações anteriores do Grêmio na Libertadores. Só em 2007 o público foi superior (com a ressalva de que no ano passado o setor da Geral estava interditado)

Brasileirão 2014 – Atlético-PR 1×0 Grêmio

April 22, 2014

O Grêmio parece ter entrado numa espiral descendente justo na estreia do campeonato brasileiro. O time fez uma partida horrível e perdeu para o Atlético Paranaense. Um “Furacão” desfalcado, jogando longe de casa, mas que só precisou de uma bola para ganhar o jogo. Um cruzamento baixo, que entrou dentro da pequena área, onde Dráusio aproveitou o vacilo de Busatto para empurar para as redes. Isso aconteceu logo aos 15 minutos do primeiro tempo. Depois disso o Grêmio teve muito tempo para buscar, no mínimo um empate. Mas a reação foi muito estranha. Primeiro ocorreu uma sucessão de cruzamentos que terminavam sempre nas mãos do goleiro Santos.  Depois, na segunda etapa o Atlético praticamente abdicou de atacar e o Grêmio foi pressionar de forma atabalhoada, ainda mais quando o treinador efetuou algumas mudanças bem estranhas na equipe. 
No fim das contas o Atlético fez muito pouco para merecer a vitória, mas o Grêmio sequer mereceu um empate.

As coisas ficaram rapidamente estranhas no Grêmio. Riveros foi o jogador com maior presença de área no jogo de domingo. Não é a dele. Por sinal, ele e Ramiro, que eram grandes destaques no bom momento da equipe, acabam caindo muito de produção com o time em crise.
Afinal, Rhodolfo e Wendell estavam sendo poupados ou já não tinham condições para enfrentar o Atlético? Não seria melhor informar corretamente o estado dos atletas?
E o Grêmio segue descuidando dos detalhes que podem fazer a diferença. No meio da semana a direção ainda não sabia se a torcida do Grêmio poderia entrar no Scarpelli (E ainda assim os gremistas foram maioria no estádio). E o Grêmio jogará 3 das 4 primeiras rodadas fora de casa. Fica mais difícil largar bem no campeonato assim.

Fotos: Gustavo Oliveira (atleticoparanaense.com) e Heuler Andrey (UOL)

Atlético-PR Atlético-PR 1×0 Grêmio Grêmio

ATLÉTICO-PR: Santos; Mário Sérgio, Dráusio, Cleberson e Natanael; David, João Paulo (Otávio, 38’/2º), Paulinho Dias e Marcos Guilherme (Mosquito, 28’/2º); Marcelo e Ederson (Lucas Olaza, 21’/2º).
Técnico: Miguel Angél Portugal
GRÊMIO: Busatto; Pará (Everton, 32’/2º), Bressan (Rodriguinho, 14’/2º), Geromel e Breno (Léo Gago, 21’/2º); Edinho, Ramiro, Riveros, Zé Roberto e Dudu; Barcos 
Técnico: Enderson Moreira
01ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 20 de abril de 2014, domingo, 16h00min
Local: Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis
Público: 2.495 pagantes
Renda: R$ 133,775,00
Arbitragem: Marcelo de Lima Henrique (Fifa/RJ)
Auxiliares: Carlos Berkenbrock (SC) e Márcio Lima Augusto (SP)
Cartões amarelos: Paulinho Dias (A), Ramiro, Edinho (G)
Gol: Dráusio aos 15 minutos do primeiro tempo

A passagem de Dener pelo Grêmio

April 19, 2014

Hoje completam-se 20 anos da prematura morte de Dener. Lembro muito bem da rápida, porém bem sucedida passagem dele pelo Grêmio. Mas sempre fiquei incomodado com o fato de ser tão difícil encontrar registros dele com a camisa tricolor. 
A negociação para trazer Dener da Portuguesa durou quase tanto quanto a estadia dele em Porto Alegre. O negócio deve muitas idas e vindas, com direito a uma suposta desistência, uma concorrência do Corinthians e uma tentativa de “atravessamento” do Inter (Via o então parlamentar Ibsen Pinheiro). No fim, o Grêmio apresentou o jogador antes da vitória de 7×0 contra o Esportivo e as notícias da época dão conta que o valor do empréstimo foi de US$ 200 mil, e que o salário do meia estaria entre 8 e 12 mil dólares mensais.
A estréia de Dener pelo Grêmio, no jogo de ida da semifinal da Copa do Brasil de 1993 contra o Flamengo no Maracanã. Recordo do frisson causado pela sua atuação, apesar da derrota tricolor. Infelizmente não achei registro dos dribles dele nessa partida, em especial de um chute no ar que ele deu, que coloca no chinelo aquela jogada tosca do Valdívia.
Muito embora não tenha conseguido conquistar a Copa do Brasil daquele ano, Dener ajudou o Grêmio a vencer o Gauchão de 1993 (fez quatro gols no torneio), no que acabou sendo o seu único titulo profissional em vida. O GloboEsporte.com fez uma série de reportagens interessantíssima sobre a curta carreira do atleta. Lá consta que ele teria feito 15 jogos com a camisa do Grêmio. Nas minhas contas (relação abaixo) ele fez 15 jogos OFICIAIS pelo Grêmio, sem contar as partidas da excursão que o Grêmio fez ao Irã e na Itália naquele período (o próprio GloboEsporte publicou foto dele com o Grêmio na terra dos aiatolás). Outro dado curioso é que em alguns jogos Dener utilizou a camisa 10 tricolor e em outros usou o número 7.


20/05/1993 – Flamengo 4×3 Grêmio –  Copa do Brasil
23/05/1993 – Guarany Garibaldi 2×2 Grêmio  – Gauchão
27/05/1993 – Grêmio 1×0 Flamengo – Copa do Brasil
30/05/1993 – Grêmio 0x0 Cruzeiro – Copa do Brasil
03/06/1993 – Cruzeiro 2×1 Grêmio – Copa do Brasil
06/06/1993 – Juventude 1×2 Grêmio – Gauchão
08/06/1993 – Grêmio 2×1 Guarany Garibaldi – Gauchão
22/06/1993 – Grêmio Santanense 1×2  Grêmio – Gauchão
24/06/1993 – Grêmio 0x0 Pelotas – Gauchão
27/06/1993 – Inter 0x1 Grêmio – Gauchão
30/06/1993 – Grêmio 3×1 Lajeadense – Gauchão
04/07/1993 – Grêmio 2×0 Guarani CA – Gauchão
06/07/1993 – Inter SM 0x1 Grêmio – Gauchão
08/07/1993 – Grêmio 1×0 Juventude – Gauchão
14/07/1993 – Pelotas 1×1 Grêmio – Gauchão
30/07/1993 – Seleção do Irã 0x1 Grêmio
01/08/1993 – Seleção do Irã 2×0 Grêmio
03/08/1993 – PAS Hamedan  1×1 Grêmio
05/08/1993 – Esteghlal 1×2 Grêmio
18/08/1993 – Bologna 1×1 Grêmio
19/08/1993 – Napoli 1×0 Grêmio
22/08/1993 – Roma  2×1 Grêmio
25/08/1993 – Cagliari 1×1 Grêmio
Fontes: Correio do Povo. GloboEsporte, RBS TV e Zero Hora.

Quanto custou ir à Arena em Março?

April 16, 2014

Continuo aqui com o levantamento mensal sobre o custo de ir à Arena, dessa vez com o mês de Março de 2014. Inicialmente, é necessário fazer um esclarecimento. Não incluí na conta o jogo contra o Pelotas que foi realizado em Novo Hamburgo (em razão da perda de um mando de campo). Primeiro porque o próprio nome do levantamento faz referência à Arena. Segundo, porque o público da partida em questão foi muito baixo (1671 pagantes, sendo 691 sócios migrados e 68 sócios-torcedores).
Importante explicar mais uma vez que no levantamento, para fins de comparação, eu considero que o sujeito vai no mesmo setor em todas as partidas. Mas nesse mês isso não foi possível para quem não é sócio, uma vez que os ingressos da Geral se esgotaram antes de iniciar a venda para o público em geral no jogo contra o Newell´s e no Gre-Nal.
Vale lembrar que esse foi um mesmo movimentado, com 5 partidas na Arena, sendo uma decisão e um jogo de Libertadores. Tal fato deve pesar a favor de quem é sócio. Contudo, ainda assim se verificam algumas “anomalias”. Por exemplo, o setor “cadeira alta lateral” é via de regra o segundo mais barato do estádio, e ali acabou sendo mais barato, na soma total de gastos do mês, comprar ingressos sem ser sócio do que sendo sócio-torcedor ouro.
Abaixo segue o levantamento jogo a jogo dividido pelos setores da Arena.

Como em março ainda houve promoção, na partida contra o Passo Fundo, onde os sócios tinham direito a “ levar um acompanhante e até dois menores de 12 anos isentos de ingresso” fiz o levantamento do custo para duas pessoas irem à arena nos jogos do período.
 
 
 
 
 
 

Gauchão 2014 – Internacional 4×1 Grêmio

April 14, 2014
  

Depois de transcorridos os 180 minutos dos dois jogos finais do Gauchão 2014 não há qualquer sombra de dúvida que o Inter mereceu vencer esta final do campeonato. Ganhar ou perder é do jogo. Não foi e muito provavelmente não será o último troféu estadual que o Grêmio vê terminar nas mãos do seu tradicional adversário. Mas muito mais grave do que ter um título a mais ou a menos na lista de estaduais foi o placar final desse último jogo. Principalmente pela forma que ele foi construído.

Diante do resultado elástico poderíamos e deveríamos nos perguntar: O que o Inter fez de tão extraordinário que justificasse uma vitória de 4 gols sobre seu grande rival? E é muito difícil responder essa questão sem deixar de mencionar o que o Grêmio deixou de fazer. Assim como ocorreu nos 45 minutos finais do jogo de ida, o time de Enderson Moreira marcou muito pouco. Praticamente assistiu o adversário jogar. No começo do jogo o tricolor até teve alguma iniciativa ofensiva, ganhando algumas bolas no ataque, acumulando faltas no lado do campo, rondando a área de Dida e tendo algumas conclusões, ainda que desajeitadas. O problema estava no momento em que o time não tinha bola. Havia um perceptível espaçamento entre o meio de campo e linha de defesa tricolor. Um buraco na frente da área gremista que deixava a zaga totalmente exposta. Todo e qualquer bola do Inter, mesmo as que eram rifadas pela defesa colorada, entravam fácil pelo meio da defesa azul. Quando o 0x0 começou a parecer um placar bom para ser levado ao intervalo o Grêmio sofreu o gol. E sofreu de maneira ridícula, em um balão que picou na intermediária do campo de ataque colorado, e depois disso Werley se atrapalhou e entregou a bola para Rafael Moura. O centroavante colorado aguardou a chegada de D´alessandro, que abriu o placar com um chute rasteiro de pé direito.
Havia ainda tempo para uma recuperação. O time poderia ser ajeitado no intervalo, os problemas do Grêmio pareciam claros. Além do já mencionado buraco na frente dos zagueiros havia o fato de que o time era pouquíssimo combativo na marcação e assim realizava poucos desarmes. Mas o treinador optou por tentar dar mais uma opção ofensiva para seu time, retirando um dos poucos jogadores que poderia ocupar a cabeça de área sem posicionar ninguém no seu lugar. Como era de esperar o retorno do time para o segundo tempo foi patético. Em poucos minutos o Grêmio levou mais um gol que causaria revolta até em time de várzea. O Inter aproveitou o momento e começou a trocar passes no ataque, entrando como bem entendesse na área de Marcelo Grohe, e assim marcou o 3º e 4º gols. A grande prova da total falência da atuação gremista está no fato de que Alex, um jogador de desempenho sofrível desde que retornou a Porto Alegre, foi o grande destaque da jogo, atuando como volante e marcando dois gols. No final o Grêmio até conseguiu marcar um gol, que de forma alguma poderia se chamado de “gol de honra”, uma vez que o time seguiu atuando de forma bisonha.


Podemos analisar a derrota pelo que aconteceu nos 90 (ou 180) minutos da final. Mas o mais correto me parece ser analisar o cenário como um todo. E esse cenário é bem preocupante. O Inter tem o presidente da federação, o narrador, o comentarista e quem mais for preciso ao seu lado. Escolhe o calendário (contra quem, onde e como quer jogar), escolhe o juiz, escolhe a legislação na Assembleia, e escolhe até mesmo a música que o torcida gremista pode ou não cantar. O Grêmio não pode continuar a se preparar somente na véspera para um confronto que ele crê ser igual. Por que ele é já desigual (e por vezes desleal) muito antes da bola rolar.
Márcio Chagas, que virou personagem da semana Gre-Nal pelos motivos errados, foi mal na partida. Falhou no aspecto disciplinar (que ele mesmo considera tão importante),  e teve marcações bem equivocadas. Algumas induzidas pelos seus assistentes (como a bola que não saiu pela linha de fundo logo no começo do jogo, ou a inversão da falta em Wendell na origem do segundo gol colorado) outros todos seus (como o pênalti não marcado para o Grêmio quando o placar já estava 4×1).   Curioso foi ver o ex-juiz comentarista de arbitragem defendendo esses erros mesmo quando a imagem insistia em desmentir sua versão. O bom (ou triste mesmo) é que ainda que levemos em conta todas essas questões somos obrigados s concluir que o resultado não passa nem de longe pela arbitragem.
Agora resta esperar pela reação do Grêmio frente a esse revés. Por que, pela forma pela qual  aconteceu, é impossível que essa derrota não se torne um divisor de águas (para o bem ou para o mal) na temporada 2014 do tricolor.

 Fotos: Marcelo Campos (MC10) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

Internacional  Internacional 4×1 Grêmio Grêmio

 
INTER: Dida; Gilberto, Paulão, Ernando e Fabrício; Willians, Aránguiz, Alex (Juan, 39/2ºT), D’Alessandro (Jorge Henrique, 41/2ºT) e Alan Patrick (Ygor, 24/2°T); Rafael Moura
Técnico: Abel Braga

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Edinho (Maxi Rodríguez, int.), Ramiro, Riveros, Alán Ruiz (Léo Gago, 14/2ºT) e Dudu; Barcos
Técnico: Enderson Moreira

Final – Jogo de volta – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 13 de abril de 2014, domingo, 16h00min
Local: Estádio Centenário, em Caxias do Sul-RS
Público: 17.424 (15.815 pagantes)
Renda: R$ 665.230,00 
Arbitragem:
  Márcio Chagas da Silva
Auxiliares:  Marcelo Barison e Julio Cesar Santos
C. Amarelos: Fabrício, D’Alessandro; Barcos, Edinho, Riveros, Léo Gago
Cartões Vermelhos: Willians e Pará (aos 37 minutos do 2º tempo)

Gols: D’Alessandro, aos 26min do 1° tempo; Alex, aos 4min, Alan Patrick (de pênalti), aos 10min, Alex, aos 12min, e Ernando (contra), aos 21 minutos do 2º tempo

Libertadores 2014 – Grêmio 1×0 Nacional

April 11, 2014

E o Grêmio chegou a última rodada do “Grupo da Morte” tranquilo, já classificado para a próxima fase. Ao Nacional, que já não tinha mais chances de avançar, restava a missão de fazer um enfrentamento honroso em Porto Alegre. E esse cenário ajuda a explicar um pouco o andamento da partida. O tricolor gaúcho mostrou ímpeto logo no início da jogo. Aos 2 minutos Barcos fez jogada pela esquerda e cruzou rasteiro, mas Riveros chegou um pouco atrasado. Dez minutos depois o capitão gremista sofreu pênalti (assinalado pelo bandeirinha). O próprio Pirata converteu , anotando o que acabou sendo o único gol de jogo

Depois disso o jogo ficou um tanto enfadonho. O Grêmio não fez muita força para marcar um segundo tento e o Nacional não se desesperou na busca do empate. No Bolso, o bom Ivan Alonso jogava muito recuado e ficou muito sobrecarregado tendo criar e concluir jogadas. No segundo tempo, apesar dos uruguaios terem chegado a incomodar Marcelo Grohe numa série de escanteios e cruzamentos (e protestado por um pênalti numa dessas jogadas) as melhores chances de gol foram do Grêmio, como na bola que Barcos tentou encobrir Munua, no chute de Lucas Coelho e na jogada em que o time desperdiçou uma chance com o gol livre no último minuto da partida.
 
O Grêmio ficou com a 2ª melhor campanha na classificação geral, tomou apenas 1 gol em toda a fase de grupos e como presente vai enfrentar o atual campeão argentino. Não sei se é possível, no futebol de hoje, escolher adversário (Em 1974 Beckenbauer & Cia conseguiram fazer isso com sucesso), mas mesmo que seja é sempre arriscado afirmar qual adversário é mais ou menos complicado. Me pareceu que o chaveamento do Grêmio foi o pior possível, mas talvez seja bom aproveitar o bom momento do time para tentar avançar com a moral elevada.

Com Dudu e Luan o Grêmio tinha jogada de velocidade pelos lados do campo, mas carecia de maior retenção de bola e criatividade no meio de campo. Infelizmente ontem Alan Ruiz não acrescentou tanto na organização das jogadas, e o time acabou perdendo também a jogada rápida pela direita (Jean Deretti  parece ter entrado para ocupar aquele setor)  Mas mesmo podendo ficar mais centralizado e tendo três companheiros a frente para acionar, o nosso camisa 11 não conseguiu mostrar muito serviço. O curioso é que o posicionamento defensivo permaneceu o mesmo com a ausência de Luan. Dudu volta pelo lado para acompanhar o lateral direito adversário enquanto Alan Ruiz permanece mais centralizado vigiando os volantes do oponente.
Fiquei negativamente surpreso com o público de ontem na Arena. Os 28.302 presentes de ontem formaram  o menor público do Grêmio em Libertadores desde o confronto com o Universidad San Martin pela oitavas de final em 2009.
Um aspecto muito legal da partida de ontem foi ver uma grande quantidade de torcedores do Nacional circulando livremente por Porto Alegre e confraternizando com os gremistas no entorno da Arena antes da bola rolar. Essas situações deveriam se repetir com maior frequência.

 
 Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)  e Terra (AFP)

Grêmio 1×0 Nacional 

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Edinho (Jean Deretti, intervalo), Ramiro, Riveros, Alán Ruiz (Lucas Coelho, 40/2ºT) e Dudu (Maxi Rodríguez, 26/2ºT); Barcos
Técnico: Enderson Moreira
NACIONAL: Munua; Piriz, De los Santos, Scotti (Coates, 7/2ºT) e Diaz; Dorrego, Arismendi (Calzada, intervalo), Prieto e Espino; Iván Alonso e García (Macia, 37/2ºT)
Técnico: Gerardo Pelusso
Grupo 6 – Fase de Grupos – Libertadores 2014
Data: 10 de abril de 2014, quinta-feira, 22h00min
Local: Arena do Grêmio
Público: 28.302 (25.733 pagantes)
Renda: R$ 1.131.941,00
Arbitragem: Oscar Maldonado (Bolívia)
Auxiliares: Efrain Castro e Wilson Arellano (Bolívia)
Cartões amarelos: Alonso, Prieto, De los Santos (N), Ramiro e Maxi Rodríguez (G)

Gols: Barcos (de pênalti), aos 12 minutos do primeiro tempo