Archive for May, 2014

Camisas 2014 – Tricolor e Branca

May 4, 2014

Creio que seja mais fácil começar pelas coisas que gostei/entendi desse lançamento da coleção 2014 das camisas do Grêmio. Achei bem legal a ideia de fazer o desfile de apresentação na Arena em um dia de jogo. Isso não só prestigia quem costuma ir a campo como também valoriza a esplanada do estádio, que é um espaço pra lá de subaproveitada.
De resto é difícil entender algumas questões que envolvem esse tema do material de esportivo:
– Por que a coleção da temporada é lançada somente no final de abril?
– Por que se espera a segunda rodada do brasileirão para estrear a camisa titular?
– Por que se divulga o lançamento de produtos que ainda não estão disponíveis pra venda, como a camisa branca o os fardamentos de treino?
– A tal da “venda no escuro” precisa ser repetida em todos os anos?
– Por que não é ofertada a camisa feminina na pré-venda de modo a atingir também as sócias?

Além disso, sou cada vez mais contrário a essa ideia de ter uma camisa titular para a Libertadores e outra para as demais competições. Creio que a camisa tricolor mereça alguma pompa, e me parece que o mais correto seria que ela fosse a mesma do primeiro ao último jogo da temporada. Do modo como é feito hoje o Grêmio chegar a usar três camisas tricolores num mesmo ano. Sem falar no fato de que lança uma camisa em fevereiro e outra em abril.
 

Não gostei muito da camisa tricolor. Acho que as listras brancas ficaram excessivamente finas. Se somar isso ao fato de que o Banrisul na frente esteja em preto, assim como os punhos e boa parte da gola, deixa o conjunto do fardamento com um excesso de tons negros.
Não gostei muito do detalhe em azul na parte da frente da gola, parece que o azul da listra “vazou” para lá. Acho que a ideia de usar preto no restante gola e nos punhos até poderia ser uma diferença interessante aos modelos anteriores, mas acabou remetendo um pouco ao uniforme de 2008. E acho que poderiam ter usado uma fonte nova para os números, visto que já terceira camisa titular com essa mesma fonte.
No site do Grêmio se afirma que o “modelo é inspirado no ano de 1928“. Por óbvio que o conceito de “inspirado” pode ser muito relativizado, mas acho que se a ideia era lembrar o primeiro fardamento tricolor a Topper poderia ter pensado num modelo com gola branca ou mesmo com cordão junto a gola (tal como fez a Uhlsport no Munchen 1860 ou a Puma para a seleção uruguaia)
Eu gostei bem mais da camisa branca. Gostei desse grafismo, me remete aos uniformes dos anos 90. Só acho que ele poderia seguir na parte de trás da camiseta, que mais uma vez acaba ficando um pouco sem graça. E esse desenho me lembrou mais da camisa branca de 1996 do que dos  “grafismos étnicos dos tradicionais Pampas gaúchosanunciados pela Topper.

Achei legais o restante da coleção, especialmente da camisa de goleiro, com essas listras em diversos tons de azul e outra em diversos tons de amarelo. Uma pena que ainda não estejam a venda.

 
 
 
 

Advertisements

Libertadores 2014 – Grêmio 1×0 San Lorenzo (San Lorenzo 4×2 nos pênaltis)

May 2, 2014

Pela terceira vez consecutiva o Grêmio é eliminado nas oitavas de final da Libertadores. Dessa vez em casa, nos pênaltis, o que talvez torne todo mais cruel. Se sabia das dificuldades impostas pelo 1×0 contra da ida. O tricolor teria que tentar reverter o escore, mas não poderia se descuidar da defesa. O Grêmio tinha 90 minutos para buscar um gol e seguir vivo. Buscando o ataque com uma escalação com 2 volantes e Dudu, Zé Roberto e Luan acionando Barcos na frente o time de Enderson Moreira tentou trabalhar a bola no inicio do jogo, mas tinha algumas dificuldades, especialmente pelo nervosismo de alguns atletas e pela incompreensível e irritante impaciência de boa parte da torcida que compareceu na Arena. O San Lorenzo tratou de se fechar e gastar o tempo, no que jamais foi atrapalhado pelo árbitro, que gostava de uma “charla” com os atletas em cada marcação feita. Ainda assim o Grêmio teve situações de gol, e na melhor delas Barcos tocou por cima de Torrico (foto acima) e Buffarini salvou em cima da linha.
No segundo tempo o Grêmio aparentou alguma desorganização. A bola queimava nos pés dos zagueiros que buscavam sair jogando, enquanto seus companheiros se embretavam na marcação no campo de ataque. Assim o time acabou apelando para os lançamentos e cruzamentos longos, e curiosamente conseguiu incomodar mais o adversário com essa prática, tendo um gol anulado, colocando bola na trave (foto abaixo) e obrigando o goleiro adversário a fazer boas defesas. Mas o gol tricolor só aconteceu aos 38 minutos, quando o Grêmio estava todo aberto (dois centroavantes e Werley de lateral direito) e o jogo tinha entrado na fase do “seja o que deus quiser”. Lucas Coelho roubou uma bola na intermediária a abriu para Rodriguinho que entrava pelo bico da área. De lá saiu um chute forte cruzado que Dudu completou para as redes. Depois disso o Grêmio seguiu pressionando e o San Lorenzo (apesar de uma boa cobrança de falta) parecia muito cansado para se aproveitar do desespero e desorganização do Grêmio.
Nos pênaltis o capitão Barcos abriu a série errando a sua cobrança e Maxi Rodriguez também desperdiçou o seu tiro. No San Lorenzo, todas os chutes foram bem colocados, até mesmo quando um dos jogadores escorregou ao executar a cobrança.

Mais uma vez Zé Roberto teve uma atuação muito tímida. Sei bem de todos os limites que a idade lhe impõe, mas esperava mais deles. Foi um dos jogadores mais apáticos em campo.
Assim como aconteceu no jogo de ida, o Grêmio apresentou total desorganização nas cobranças de bola parada. Quantos atletas diferentes bateram escanteios? Será que todos esses treinaram para isso? Por que em cada mudança de batedor deve também alterar os jogadores que vão para área e os jogadores que ficam no rebote.
Pra não dizer que não vi coisas boas na partida acho importante salientar que Geromel foi bem na zaga, mostrando qualidade no bote e antecipações. Lucas Coelho entrou bem no jogo também.


 
 Nós todos queremos muito que o Grêmio ganhe. Torcemos muito para que isso aconteça (por mais que alguns tenham a pretensão de questionar isso). Mas fica difícil que o sentimento vá muito além da fé própria do torcedor e de acreditar numa “sorte” que é inerente ao jogo. Porque vemos tantos detalhes dando errado que fica complicado imaginar que o “macro” possa dar certo. Quem vai a campo pode perceber vários desses detalhes.
Um deles é a questão dos materiais da torcida (que já falei aqui no blog em outra ocasião). É inacreditável que não se consiga chegar a uma solução que contemple a entrada de faixas, barras e bandeiras no campo. Também é complicado ver diversos assentos vazios em um lugar que supostamente teve todos os ingressos vendidos. O Grêmio lançou uma nova coleção de fardamentos no fim de semana. A camisa branca parece ter causado o maior frisson. Mas justamente essa peça não estava exposta na frente da loja antes do jogo. E o entorno do estádio? Vamos completar quase dois anos da inauguração da Arena e praticamente não se conseguiu nenhuma melhoria nesse quesito frente aos órgãos e entidades públicas. Enfim, poderia alongar bastante essa lista dos “detalhes” que acabam se somando e fazendo diferença. Poderia falar em gestão, em respeito ao seu próprio planejamento, ao orçamento, mas não estou com paciência para ser chamado de oportunista ou coisa que o valha.
Vi os ônibus e carros particulares dos torcedores do San Lorenzo estacionados dentro do estacionamento E1 da Arena. Até pode ser um luxo, mas é uma boa medida de segurança. Só resta saber se esse tipo de medida é retribuída em outros estádios da América do Sul.

 

 Fotos: Vinícius Costa (Lance) e André Kruse

Gremio Grêmio 1×0 San Lorenzo  San Lorenzo
(San Lorenzo 4×2 nos pênaltis)

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará (Lucas Coelho – 34’/2°T), Werley, Pedro Geromel e Wendell; Edinho, Riveros, Luan (Maxi Rodríguez – 19’/2°T), Zé Roberto (Rodriguinho – 14’/2°T) e Dudu; Barcos 
Técnico: Enderson Moreira
SAN LORENZO: Torrico; Buffarini, Valdés, Gentiletti e Más; Mercier, Villalba (Prósperi – 23’/2°T), Ortigoza e Piatti; Matos e Corrêa (Elizari – 28’/2°T)(Blandi – 46’/2°T) 
Técnico: Edgardo Bauza

Oitavas de final – jogo de volta – Libertadores 2014
Data: 30/04/2014, quarta-feira, 22h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 47.244 (44.042 pagantes)
Renda: R$ 2.394.936,00
Árbitro: Roberto Silvera (URU)
Auxiliares: Carlos Pastorino e Nicolas Taran (URU)
Cartões amarelos: Zé Roberto, Pará, Edinho, Gentiletti, Buffarin
Gols: Dudu , aos 38 minutos do 2° tempo
Cobranças de pênaltis: Barcos (errou), Ortigoza (acertou), Riveros (acertou), Matos (acertou), Maxi Rodriguez (errou), Blandi (acertou), Rodriguinho (acertou) e Buffarini (acertou)