Brasileirão 2014 – Grêmio 0x0 Palmeiras

O Grêmio fez terceiro jogo ruim na sequência (2 pontos em 9 disputados) e decepcionou a sua torcida que compareceu em bom número ao Alfredo Jaconi. O começo tricolor foi muito bom, pressionando o adversário em seu campo e tendo várias chances de abrir o marcador. A melhor delas aconteceu aos 17 minutos, quando Dudu recebeu dentro da área e deu um passe de calcanhar, Barcos escorregou ao tentar a conclusão, e Rodriguinho, que chegava de trás chutou para fora. Após os primeiros 20 minutos, o Palmeiras passou a controlar o jogo (o Grêmio não conseguia retomar a posse de bola) e teve oportunidades de marcar. Aos 21 Diogo arriscou de longe e a bola beliscou a quina da trave. Aos 30, o mesmo Diogo acabou desviando a conclusão de Felipe Menezes que parecia ter endereço certo, fazendo que com a bola batesse na trave. O Grêmio perdia a presença ofensiva e passava a contar exclusivamente com os lançamentos e chutes de longa distância de Alan Ruiz. Aos 35 o camisa 11 assustou o goleiro Fábio num belo arremate de fora da área (foto acima)
O Palmeiras, apesar de estar longe de ser brilhante, continuou melhor na segunda etapa. Os palestrinos ameaçavam em cruzamentos fechados vindos do lado esquerdo do ataque. Em dois deles Marcelo Grohe se esforçou para colocar a bola em cima da linha, em um deles Diogo fez um gol que foi questionavelmente anulado, e em outro Rhodolfo salvou em cima da linha (penúltima foto). O Grêmio tinha dificuldade para articular jogadas de ataque. As duas principais chances ocorreram em conclusões de Alan Ruiz após bolas erguidas na área. O treinador acabou mexendo mal na equipe tricolor, que sequer conseguiu promover um abafa nos minutos finais da partida.

Enderson mais uma vez fez substituições que pioraram o time. Especialmente quando sacou Dudu para a entrada de Zé Roberto. Perdeu velocidade e movimentação, não acrescentou presença ofensiva (que poderia ter com Lucas Coelho) e não teve ganho no passe e na criação das jogadas (o que se poderia esperar do Zé Roberto)

Eu acho que o Barcos está jogando pouco e falando demais. Creio que sua saída do time (ainda que no decorrer da partida, como aconteceu ontem) demorou a acontecer. Em parte eu entendo a comoção vista ontem no estádio quando foi anunciada sua substituição. Mas é estranha essa dinâmica que o Grêmio e sua torcida tem tido com os seus centroavantes nos últimos anos. Os ciclos, bem curtos, parecem se repetir. Um atleta é contratado a peso de ouro e chega como salvador de pátria. A torcida vive uma breve lua de mel com ele até que nas primeiras dificuldades se chega a conclusão de que o jogador não serve mais pra equipe. Aí a solução passa sempre por trazer outro camisa nove, que demandará  um gasto ainda maior do clube. Acho que o Grêmio, como instituição, tem gerido mal essa situação.

Jaílson Macedo de Freitas, como de costume, foi mal na partida. Os burocráticos 3 minutos de acréscimos, quando ele mesmo foi responsável por parar o jogo por mais de um minuto numa única ocasião, foram ridículos. O Palmeiras reclama do gol anulado de Diogo. E tem boa dose de razão, considerando as orientações mais atuais da FIFA/International Board. Contudo, eu repito aqui o que disse nos jogos contra Botafogo no ano passado e Atlético Nacional nesse ano (situações nas quais o Grêmio foi favorecido por essa interpretação) e afirmo que o impedimento deveria sim ser marcado. Dois jogadores do Palmeiras estão em posição de impedimento quando a bola é lançada. A bola foi na direção deles e um deles ainda tentou cabecear a bola. Na minha avaliação ele participou/interferiu na jogada.
O curioso é que um outro no lance da partida poderia (e deveria) também ser considerado um erro de arbitragem sem maiores discussões (e não foi considerado pelo Globo Esporte): O pênalti no Barcos. Wellington escorregou e derrubou o argentino dentro da área. O fato de ter sido sem querer, ou mesmo de que a jogada não teria sequência não afastam a infração.

Corrigi ontem um grave erro na minha formação futebolística que era não conhecer o Alfredo Jaconi. Confirmei in loco ontem as impressões que sempre tive pelas imagens da televisão. É um estádio muito simpático, bem acolhedor. Se vê bem a partida em todos os setores. E aquele trecho com uma “arquibancada de grama” tem um charme todo o especial. Um dos poucos benefícios de atuar como mandante fora da Arena é ter um pouco mais de perspectiva em alguns dos benefícios que por vezes passam despercebidos na nossa nova casa, como por exemplo a facilidade para entrar, circular e sair do estádio.

Fotos: André Kruse, João Kruse,  Ricardo Rimoli (Lance), Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio Grêmio 0x0 Palmeiras Palmeiras

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Rhodolfo, Werley e Marquinhos; Edinho, Alan Ruiz, Ramiro e Rodriguinho (Maxi Rodriguez, 17’/2ºT); Dudu (Zé Roberto, 31’/2ºT) e Barcos (Kléber, 17’/2ºT).  
Técnico: Enderson Moreira
PALMEIRAS: Fábio; Wendel, Lúcio, Wellington e William Matheus; Marcelo Oliveira, Renato e Felipe Menezes (Josimar, 40’/2ºT); Marquinhos Gabriel, Diogo e Henrique.
Técnico: Alberto Valentim
09ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 1º/6/2014, domingo, 16h00min
Local: Estádio Alfredo Jaconi, Caxias do Sul (RS)
Público: 17.034 (15.136 pagantes)
Renda: R$ 391.145,00
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (CBF/BA)
Assistentes: Alessandro Rocha de Matos (FIFA/BA) e Adson Marcio Lopes (CBF/BA)
Cartões Amarelos: Werley, Maxi Rodriguez, Ramiro; Henrique, Marcelo Oliveira, Lúcio, Marquinhos Gabriel, Renato

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: