Archive for August, 2014

Quanto custou ir à Arena em Julho?

August 31, 2014

Em julho foram realizados dois jogos do Grêmio na Arena, contra Goiás e Coritiba. Houve promoção neste mês, mas não mais de franquear entrada para acompanhantes, e sim de redução  no valor dos ingressos.
Segue abaixo a divisão por setores da Arena.

Advertisements

Copa do Brasil 2014 – Grêmio 0x2 Santos

August 29, 2014

É complicado. Mais uma vez o Grêmio sai de campo com um resultado muito pior que merecia por sua atuação. Time pagou um preço muito caro por seus erros e está praticamente eliminado da Copa do Brasil antes mesmo da partida de volta.
O começo tricolor (escalado num 4-4-1-1, com Luan centralizado e Giuliano pela direita) foi entusiasmante, pressionando o Santos e criando oportunidades. Na melhor delas Mena salvou a conclusão de Luan quando Aranha já estava fora da jogada (foto acima). Mas aos 37 minutos, todo esse entusiasmo foi por água abaixo quando David Braz ficou incompreensivelmente livre, na marca do pênalti, em um escanteio e marcou o 1×0, tendo inclusive que se abaixar para cabecear. O Grêmio tentou reagir, mas levou o segundo gol ainda no primeiro tempo. Lucas Lima dominou a bola com a mão e estranhamente a arbitragem (o lance foi tão claro que não só o juiz, mas qualquer um dos seus auxiliares poderia ter visto) mandou seguir a jogada. O erro do apitador ocasionou mais um erro da defesa gremista, que permitiu que Lucas Lima avançasse desde a sua intermediária até dentro da área tricolor, aonde saiu um cruzamento rasteiro que terminou com a bola dentro do gol após uma bizarro bate e rebate entre Werley e Robinho.
Com Alan Ruiz e Matheus Biteco substituindo Luan e Wallace, respectivamente, o Grêmio seguiu pressionando durante toda a segunda etapa. O Santos não teve o menor pudor de se fechar e parar os avanços gremistas, mesmo que fosse com falta. O árbitro foi por demais conivente com essa prática e, para completar, truncou excessivamente a partida. Ainda assim o Grêmio teve chances, mas sempre faltava maior capricho nos últimos toques. Uma prova disso foi o aproveitamento ridículo nos 19 escanteios que o time teve.
Acho legal a iniciativa da Arena de distribuir o que eles chamaram de “bate-bate” em todo estádio. Mas não só não é algo típico da cultura futebolística gaúcha e brasileira como também contrasta com a falta de bandeiras, trapos, bumbos e instrumentos de sopro na torcida do Grêmio.

Aranha reclamou de insultos racistas de alguns torcedores do Grêmio e as câmeras da ESPN flagraram um torcedora claramente gritando a palavra “macaco” (ao que tudo indica gritando para o goleiro santista). O fato é grave e muito triste. Deve ser repudiado de forma imediata. As imagens são nítidas e devem ser alvo de investigação, denúncia, ajuizamento de processo na justiça comum. Assim como o Mauro Cézar Pereira, entendo que a punição deve ser individual, ao cidadão, e não para o clube e/ou seu estádio.
Vejo uma certa dificuldade de certas pessoas em observar o que prevê o estado democrático de direito. Aos torcedores cabe repudiar, lamentar e refletir sobre o ocorrido. Contudo as punições só podem partir das autoridades constituídas, após o transcorrer do devido processo legal. Esse atropelo por soluções rápidas e generalizações em nada ajudam a resolver o problema.
Mas é sempre chato e cansativo tentar abordar esse tema, porque qualquer iniciativa de ponderação diante dessa sanha punitiva coletiva é vista, de forma maniqueísta, como contemporização. E não é. 
Não se pode aceitar que em um tema de tamanha complexidade seja dito que “Teve rolo atrás da goleira. De novo. É sempre no mesmo lugar“. Porque problemas de violência e racismos não podem ser classificados de forma rebaixada como “rolo”. E não acontecem sempre no mesmo lugar. Em 2012, foi na social. Em 2013, foi na cadeira superior. E a ofensa ao Paulão no Gauchão de 2014 partiu das cadeiras, na saída do tunel. Naquela ocasião eu não vi ninguém pedindo a interdição do setor como fazem agora com a arquibancada. Racismo é um assunto muito sério para ser tratado com incoerência.
E eu ainda vou entender porque se dá mais atenção as possíveis consequências deste tipo de caso na justiça desportiva do que na justiça comum. É uma completa inversão de valores, como se o resultado de um campeonato de futebol tenha maior importância do que os direitos constitucionais básicos de um cidadão. Ademais, qual foi o problema que o STJD já resolveu? Como terminou o caso envolvendo torcedores do Esportivo de Bento Gonçalves? Os responsáveis foram localizados, investigados e punidos?

Grêmio Grêmio 0x2 Santos Santos

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Zé Roberto (Matías Rodriguez, 29’/2ºT); Walace (Matheus Biteco, int), Ramiro, Giuliano, Luan (Alán Ruiz, int) e Dudu; Barcos.
Técnico: Luiz Felipe Scolari
SANTOS: Aranha; Cicinho, Edu Dracena, David Braz e Mena; Alison, Arouca, Lucas Lima, Thiago Ribeiro (Alan Santos, 49’/2ºT) e Robinho (Rildo, 25’/2ºT); Gabriel (Leandro Damião, 36’/2ºT).
Técnico: Oswaldo de Oliveira

Jogo de ida – Oitavas de Final – Copa do Brasil 2014
Data: 28 de agosto de 2014, quinta-feira, 20h00min
Local: Arena do Grêmio, Porto Alegre.
Público: 30.294 (28.091 pagantes)
Renda: R$ 814.899,00
Arbitragem: Wilton Pereira Sampaio (GO),
Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC) e Carlos Berkenbrock (SC).
Cartões amarelos: Ramiro (G); Edu Dracena, Alison, David Braz (S)
Gols: David Braz, aos 37, e Robinho, aos 44 minutos do primeiro tempo


Copa do Brasil 2000

August 28, 2014

Com a estreia do Grêmio na Copa do Brasil 2014 acho oportuno retomar a série sobre as participações do tricolor na competição
Em março de 2000 o clube já estava no seu segundo treinador na temporada (Emerson Leão fora demitido após uma campanha ruim na Copa Sul-Minas). Antônio Lopes faria sua primeira partida oficial no comando da equipe gremista em Rondonópolis, mas o Delegado sofreu de uma indisposição estomacal que o impediu de acompanhar o time no Mato Grosso. Ainda assim  o Grêmio não teve dificuldades para eliminar o adversário logo na partida de ida.
O problema esteve na fase seguinte, quando o tricolor enfrentou a Portuguesa. Na primeira partida, ocorreu um 0x0 no Canindé, onde as atenções se voltaram para a forma física de Ronaldinho, que havia entrado numa polêmica com Vanderlei Luxemburgo, então técnico da seleção brasileira, sobre o seu peso.
Os gols e a surpresa ficaram para o jogo de volta. A Lusa abriu 2×0 antes dos 30 minutos de partida. Ronaldinho descontou ainda na primeira etapa, mas no segundo tempo o “Príncipe” Leandro Amaral marcou dois gols, sacramentando a eliminação e a pior derrota gremista em todas edições da Copa do Brasil.

União Rondonópolis União Rondonópolis 0x4 Grêmio Grêmio

UNIÃO RONDONÓPOLIS: Jéferson; Bira, Viana, Souza e Augusto; Baré, Nunes, Claudinho (Fábio Jr.) e Barbosa; Edmílson e Zumbi.
Técnico: Édson Boaro
GRÊMIO: Danrlei; Ânderson ima (Itaqui), Marinho (Rodrigo Costa), Nenê e Roger; Eduardo Costa, Astrada, Zinho e Paulo Nunes; Ronaldinho e Amato (Gauchinho)
Técnico: Miguel Ferreira (auxiliar)
Jogo de ida – Segunda Fase – Copa do Brasil 2000
Data: 22 de março de 2000, quarta-feira, 21h40min
Local: Estádio Luthero Lopes, em Rondonópolis (MT).
Árbitro: Getúlio Barbosa de Souza Júnior (MS)
Auxiliares: José Carlos de Oliveira-MG e Paulino Mariano Fernandes-MG
Cartão Amarelo: Bira, Roger, Ronaldinho e Anderson Lima
Gols: Ronaldinho, aos 10 minutos do primeiro tempo. Nenê aos 7, Ronaldinho aos 16 e Zinho aos 33 minutos do segundo tempo


Portuguesa Portuguesa 0x0 Grêmio Grêmio

PORTUGUESA: Fabiano; Celso Vieira (Cafu), Émerson, Tinho e Wagner; Simão (Alexandre), Élson, Marquinhos e Evandro; Leandro e Bentinho (Jean).
Técnico: Nelsinho Baptista

GRÊMIO: Danrlei; Ânderson Lima, Marinho, Nenê e Roger; Eduardo Costa, Gavião, Zinho (Jé) e Paulo Nunes (Fabrício); Ronaldinho e Amato (Gauchinho)
Técnico: Antônio Lopes

Jogo de ida – Terceira Fase – Copa do Brasil 2000
Data: 27 de abril de 2000, quinta-feira, 20h30min
Local: Estádio do Canindé, em São Paulo-SP
Árbitro: Antônio Pereira da Silva (FIFA/GO)

Grêmio Grêmio 1×4 Portuguesa Portuguesa

GRÊMIO: Danrlei; Ânderson, Marinho, Fabrício e Roger; Astrada (Gavião), Eduardo Costa, Paulo Nunes (Gauchinho) e Zinho; Ronaldinho e Amato (Rodrigo Gral)
Técnico: Antônio Lopes

PORTUGUESA: Fabiano (Marcelo Moretto); Cafu, Émerson, Tinho e Wágner; Simão, Élson, Evandro (Sandro Fonseca ) e Marquinhos; Leandro (Da Silva) e Bentinho
Técnico: Nelsinho Baptista

Jogo de volta – Terceira fase – Copa do Brasil 2000
Data: 3 de maio de 2000, quarta-feira, 20h30min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Árbitro: Reinaldo Ribas Vieira-RJ
Auxiliares: Manoel do Couto Pires e Carlos Henrique Alves Lima (RJ)
Cartões Amarelos: Astrada, Amato, Eduardo Costa, Fabiano, Tinho e Wagner
Gols: Evandro aos 9, Émerson aos 26 e Ronaldinho aos 38 minutos do primeiro tempo. Leandro aos 21 e aos 39 minutos do segundo tempo


Fontes: Correio do Povo e Zero Hora

Brasileirão 2014 – Grêmio 2×1 Corinthians

August 25, 2014

Depois do Cruzeiro, o Grêmio teve mais um adversário duro pela frente. O Corinthians hoje é um time muito mais pronto e muito mais maduro que o tricolor. Por isso criou grande dificuldades ao se manter compacto e recuado, valorizando a posse de bola no campo de defesa. O time de Felipão, sabedor da matreirice corintiana, não se atirou ao ataque, de modo que o jogo ficou um tanto estudado. Zé Roberto, que aparecia bem no apoio, era a melhor figura gremista nesses 45 minutos iniciais, e foi pelo setor dele que o Grêmio mais atacou. Contudo as principais chances foram dos visitantes. Na melhor delas Marcelo Grohe defendeu o chute rasteiro de Elias.
Eu estava ajustando o meu cronômetro para o começo da segunda etapa quando vi Zé Roberto cruzando na área. Giuliano apareceu na altura da marca do pênalti, tomando a frente dos zagueiros, mas sem conseguir concluir. Todavia Barcos aproveitou a sobra para abrir o marcador. Poucos minutos depois, foi a vez de Dudu fazer boa jogada pela ponta esquerda. Barcos mais uma vez se mostrou oportunista, empurrando a bola e Cássio para dentro do gol após o cruzamento rasteiro. Esse 2×0 tão repentino na volta do intervalo poderia dar a  idéia de vitória garantida, mas a reação do Corinthians foi rápida. Logo Marcelo Grohe fez providencial defesa ao ficar no 1 contra 1 diante do avante adversário. Aos 16 minutos Guerrero avançou pela ponta esquerda, passou como quis por Matias Rodriguez e finalizou com uma bomba para o fundo das redes. O Corinthians empurrou o Grêmio para dentro do seu campo e passou a criar várias oportunidades para empatar. Ralf chegou a carimbar o travessão e Marcelo Grohe foi muito exigido numa sequência de escanteios e cruzamentos. Mas na disposição, na raça e até na catimba o Grêmio conseguiu segurar os 3 pontos.

Zé Roberto foi um dos destaques da partida. Mas com ele na esquerda e Matias Rodriguez na direita o time fica bastante vulnerável nas laterais. Felipão deverá fazer algum ajuste na cobertura desses setores se pretende manter esses atletas na linha de defesa.

Luan e Dudu mais uma vez trocaram de lado durante a partida. Luan atuou aberto pela esquerda no primeiro tempo, foi para a direita no início do segundo e passou a jogar mais centralizado após a entrada de Alan Ruiz.

Por que o Felipão não está usando as camisas da Topper?

Rhodolfo permaneceu com a braçadeira de capitão mesmo após a volta de Barcos. Acho correto. Rhodolfo costuma se dirigir mais ao árbitro do que o Pirata, e esse é um dos poucos aspectos que a braçadeira faz a diferença.

O lance no qual Mano Menezes pede pênalti de Werley me parece ser um exemplo claro de bola na mão, tendo em vista que as orientações da FIFA mencionam a “a distância entre o adversário e a bola (bola que chega de forma inesperada)“.
E quase dois anos após a partida de inauguração voltou a ser vendida cerveja na esplanada. Antes tarde do que nunca. Tal medida vai dar nova vida ao setor e deve ajudar o fluxo de entrada da torcida. E imagino que seja um começo para outras ações de Matchday.

Fotos: André Kruse (Grêmio1983) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio Grêmio 2×1 Corinthians Corinthians

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Matías Rodriguez, Werley, Rhodolfo e Zé Roberto; Felipe Bastos, Ramiro, Giuliano (Alán Ruiz, 22’/2ºT) e Luan (Matheus Biteco, 33’/2ºT); Dudu e Barcos (Walace, 40’/2ºT).
Técnico: Luis Felipe Scolari
CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Gil, Anderson Martins e Fábio Santos (Uendel, 22’/2ºT); Ralf, Elias, Jadson e Lodeiro (Romero, 12’/2ºT); Luciano (Romarinho, 31’/2ºT) e Guerrero.
Técnico: Mano Menezes
17ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 24/8/2014, domingo, 16h00min

Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 32.401 (30.117 pagantes)
Renda: R$ 1.041.805,05
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC) e Carlos Berkenbrock (SC)
Cartões amarelos: Rhodolfo e Matheus Biteco (GRE); Anderson Martins, Lodeiro e Elias (COR)
Cartão Vermelho: Guerrero (COR)
Gols: Barcos aos 30 segundos do 2ºT, Barcos aos 3 minutos do 2ºT e Guerrero aos 16 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2014 – Cruzeiro 1×0 Grêmio

August 22, 2014

Consegui assistir só o segundo tempo da partida, e mais uma vez, olhando pelo perspectiva do copo meio cheio, gostei de algumas coisas do que vi. O Grêmio pareceu bem posicionado na defesa, mais compacto, marcando forte sem renunciar a bola,  e tendo sempre o contra-ataque como arma. É possível dizer que o time jogou de igual pra igual (se não até melhor) no Mineirão com o Cruzeiro que é o atual campeão e líder isolado do Brasileirão. O problema foi tomar um gol no final, numa sequência de falhas que evidencia que o tricolor é um time em formação (ou recuperação) enfrentando times mais bem formados. 
Perder nunca é bom, mas nota-se uma evolução no time. Lance do gol destoou do restante da atuação, que foi muito melhor do a média histórica que o Grêmio costuma apresentar em Belo Horizonte.

Rhodolfo classificou o lance do gol como “muito juvenil”, no que ele está coberto de razão. Vejo muito gente reclamando  de Pará e Werley na jogada, que de fato não poderiam ter permitido que Dagoberto saltasse livre entre eles. Mas os erros começaram antes. Dedé avançou 30 metros com a bola dominada sem receber combate e teve todo o tempo do mundo para pisar na bola na intermediária, olhar para dentro da área, pensar e daí executar o cruzamento.

Muito legal esse uniforme cinza do Marcelo Grohe. A propósito, quando iniciarão as vendas das camisas de goleiro? O lançamento da coleção foi em 27 de abril e até agora nada.

 Fotos: Alexandre Guzanshe (SuperEsportes) e Gil Leonardi (Lance)

Cruzeiro Cruzeiro 1×0 Grêmio Grêmio 

CRUZEIRO: Fábio; Mayke, Dedé, Léo, Egídio; Henrique, Lucas Silva (Nilton, 12’/2ºT); Everton Ribeiro, Ricardo Goulart, Willian (Alisson, int.); Júlio Baptista (Dagoberto, 17’/2ºT)
Técnico: Marcelo Oliveira

GRÊMIO:
Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Zé Roberto; Ramiro, Fellipe Bastos (Alán Ruiz, 42’/2ºT), Riveros (Edinho, int.); Luan, Dudu; Ronan (Fernandinho, 18’/2ºT)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

16ª rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 21 de agosto de 2014, quarta-feira, 20h30min
Estádio: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte-MG
Público: 34.335 (32.294 pagantes)
Renda: R$ 1.413.807,00
Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra (SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Anderson José de Moraes Coelho (SP)
Cartões amarelos: Edinho, Dudu e Zé Roberto; Lucas Silva, Henrique, Nilton e Alisson
Gol: Dagoberto, aos 40 minutos do segundo tempo.

Quanto custou ir à Arena em Junho?

August 21, 2014

Junho foi o mês de início da Copa do Mundo de 2014, e com isso o Grêmio tinha no seu calendário um único jogo como mandante no período. Contudo esse jogo foi realizado no estádio Alfredo Jaconi, motivo pelo qual não entra no levantamento do Custo de ir à Arena, de modo que os únicos valores do mês são os da mensalidade (tabela acima)

Poderíamos aqui discutir o absurdo que é a CBF ter marcado partidas do Brasileirão em meio ao frenesi de preparação do mundial, mas o ponto que mais me incomoda é o fato de não ter sido permitido ao Grêmio usar o seu estádio na partida contra o Palmeiras. O tricolor teve não só um prejuízo técnico (ao empatar o jogo) por jogar longe da sua cidade, mas também um evidente prejuízo financeiro. O público total em Caxias foi de 17.034 pessoas, abaixo da média do Grêmio na Arena em 2014 e abaixo da média gremista nessa edição do Brasileirão (20.574). 
O triste é que tal medida foi totalmente desnecessária. Primeiro porque o jogo em questão aconteceu no dia três de junho, 6 dias antes da primeira seleção desembarcar em Porto Alegre. Convenhamos que havia tempo de sobra para liberar e preparar o estádio como um campo de treino para o mundial. Mas além disso, é importante registrar que o Grêmio cedeu não só a Arena, mas também o estádio Olímpico para o COL/FIFA. Contudo, apesar de terem sido feitas algumas reformas, nenhuma equipe treinou na Azenha nesse período. Não foi a toa que o Governador do Estado classificou como desproporcionais e extravagantes as exigências da FIFA.

Brasileirão 2014 – Grêmio 2×0 Criciúma

August 18, 2014

Depois da derrota no Gre-Nal e de mais uma semana de trabalho, Felipão voltou a mexer na equipe, optando por um esquema com 3 volantes e Matias Rodriguez e Zé Roberto nas laterais. Pressionado pela sequência derrotas, o Grêmio não poderia sequer cogitar a hipótese de empatar com o Criciúma. E teve a sorte e/ou competência de abrir o placar cedo. Aos 10 minutos de jogo, Dudu deu o passe e Lucas Coelho sofreu o pênalti. Luan, batendo no alto com força, converteu a cobrança. A vantagem no marcador fez com o que a torcida jogasse junto com o time, vibrando nas divididas e apoiando mesmo em momentos em que o adversário mantinha a posse de bola no campo de ataque.
O Grêmio não fez substituições no intervalo. Felipão apenas inverteu os lados de Luan e Dudu, mantendo o time numa espécie de 4-1-4-1. Uma prova dessa distribuição dos atletas do campo pode ser vista logo aos três minutos, quando os volantes Riveros e Fellipe Bastos pressionaram o adversário já no campo de ataque, ocasião na qual o camisa 6 gremista fez o desarme e Lucas Coelho aproveitou para carregar, “fomear” (pecado perdoável para um camisa 9) e marcar o segundo gol num chute cruzado rasteiro. Depois disso o Grêmio administrou bem a partida, inclusive desperdiçando oportunidades de marcar o terceiro tento.

Ter que aguentar os carvoeiros cantando “Time sem torcida” é um pouco demais para minha cabeça. Acusadas de golpe e penas absurdas a parte, é preciso reconhecer que os catarinenses compareceram em um bom número e fizeram uma festa impressionante. Um detalhe curioso é que os torcedores do Criciúma tinham a possibilidade de estacionar seus carros dentro da Arena (algo que somente os gremistas mensalistas ou frequentadores dos camarotes e cadeira gols podem fazer). Não considero um absurdo o fato de que os visitantes tenham mais direitos que os mandantes (é até uma bela quebra de paradigma no aspecto de ser um bom anfitrião). Contudo, resta saber se haverá reciprocidade na partida do 2º turno.
Um fato que me chamou a atenção foi o Fellipe Bastos chamando os jogadores de defesa, especialmente o capitão Rhodolfo, para pressionar o juiz no lance do pênalti (imagino que pedindo um cartão para o defensor do tigre).

Excetuando o grito mais entusiasmado do locutor no anúncio da escalação eu não vi nenhuma ação especial para marcar/celebrar/comemorar/faturar em cima da estreia de Felipão na Arena. Considero que uma belíssima oportunidade foi desperdiçada, ainda que se leve em conta que o momento não é (ou era) dos melhores.

Fotos: André Kruse (Grêmio1983) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio Grêmio 2×0 Criciúma Criciúma

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Matías Rodríguez, Rhodolfo, Werley e Zé Roberto; Ramiro,, Fellipe Bastos (Edinho, 34’/2ºT), Riveros, Luan (Ronan, 39’/2ºT) e Dudu; Lucas Coelho (Giuliano, 25’/2ºT).
Técnico: Luiz Felipe Scolari

CRICIÚMA: Luiz; Eduardo, Fábio Ferreira, Gualberto e Giovanni; Serginho (Ronaldo Mendes, 11’/2ºT), João Vitor, Martinez e Paulo Baier (Wellington Bruno, 31’/2ºT); Silvinho e Gustavo (Danilo Alves, 18’/2ºT). 
Técnico: Wagner Lopes
15ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 17 de agosto de 2014, domingo, 16h00min
Local:  Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 28.888 (27.112 pagantes)
Renda: R$ 1.014.274,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio-GO
Auxiliares: Cristhian Passos Sorence-GO e Bruno Raphael Pires-GO
Cartões amarelos: Serginho, João Vitor (C), Matías Rodríguez (G)

Gols: Luan (de pênalti), aos 10 minutos do primeiro tempo. Lucas Coelho, aos três minutos do 2º tempo

Ingressos para visitantes – Discrepância entre os acordos e os borderôs

August 13, 2014

A questão da quantidade de ingressos disponíveis para as torcidas visitantes em Gre-Nal tem sido alvo de muita discussão nos últimos clássicos. Em 2013 a Brigada Militar chegou a anunciar que não permitiria a presença da torcida do Inter no primeiro Gre-Nal da Arena, mas tal decisão foi revertida após uma reunião entre os dirigentes dos clubes e o secretário de segurança.

Em razão disso, e de nova polêmica sobre o número de entradas para os tricolores no clássico do segundo turno do brasileirão do ano passado, o Ministério Público intermediou  um acordo entre os clubes paradefinir a quantidade de torcedores visitantes nos Gre-Nais que ocorrerão durante o Gauchão de 2014. Os números foram calculados pela Brigada Militar levando em conta a manutenção da segurança e logística de acesso até a chegada dos torcedores colorados à Arena do Grêmio para o primeiro Gre-Nal do Gauchão, em 9 de fevereiro. Dessa forma, serão disponibilizadas 1,5 mil vagas à torcida colorada. Na ocorrência do clássico no estádio Beira-Rio, pelo princípio da reciprocidade, se o laudo de capacidade da BM atestar menos de 50 mil vagas totais possíveis de serem ocupadas, o número para visitantes ficará em mil. Caso a quantidade seja superior a 50 mil, poderão ser vendidos 1,3 mil ingressos para a torcida do Grêmio. A BM deverá definir esses índices sete dias antes da partida e informar o MP, a FGF e os clubes. Caso ocorra uma partida em que o Inter tenha mando de campo fora de Porto Alegre, os gremistas terão direito a mil ingressos.
Pois bem, o borderô disponibilizado no site da FGF (conforme exigência do estatuto do torcedor) se verifica que o acordo foi obedecido no primeiro Gre-Nal do ano. Embora a leitura seja complicada, devida a imagem parecer ser a de um fax scaneado, consta lá como oferecidos e vendidos 1.500 ingressos para a torcida colorada. 
O acordo promovido pelo MP simplesmente não previu a possibilidade da realização de um segundo Gre-Nal na Arena pelo Gauchão 2014. Achei uma única notícia, do Globo Esporte, dando conta que os colorados teriam recebido 1,5 mil ingressos para a primeira partida da final, contudo segundo o borderô esse número foi de 1.400 entradas.
Mas para um Gre-Nal no Gauchão onde o Inter fosse o mandante o acordo não deixava dúvidas. Deveriam ser 1.000 as entradas disponibilizadas para os gremistas no jogo em Caxias. Inclusive foi noticiado que toda essa cota fora vendida.  Todavia, novamente o borderô apresenta um número diferente. Foram ofertados e comercializados apenas 832 ingressos para a torcida do Grêmio. A diferença de 168 pode parecer pequena para um estádio de futebol, mas representa mais de 10% da carga destinada ao tricolor.
Na época ninguém reclamou ou estranhou essa diferença. E o Ministério Público, mesmo sem ter verificado se o seu acordo anterior fora cumprido, voltou a reunir os clubes para estabelecer a quantidade de visitantes nos clássicos do Campeonato Brasileiro. O número caiu para 1.300, e a torcida do Grêmio teria comprado  toda essa cota numa manhã bastante tumultuada no Estádio Olímpico. Contudo, há nova discrepância no borderô, onde constam como vendidos somente 1.200 ingressos.
Diante de tal quadro ficam as perguntas: Ao que se deve a discrepância entre os números divulgados nos acordos entre clubes e Ministério Público e os dados revelados nos borderôs? Que medida a Promotoria de Justiça Especializada do Torcedor do MP tomará sobre este assunto?

Atualização: No Gre-Nal disputado na Arena pelo Brasileirão, em 09 de novembro de 2014, a carga de 1.300 ingressos para a torcida visitante foi devidamente observada.

Quanto custou ir à Arena em Maio?

August 13, 2014

No mês de maio foi realizado somente um jogo do Grêmio na Arena, o confronto contra o Fluminense pelo Brasileirão. De modo que o levantamento sobre o custo de ir ao estádio nesse mês acabo ficando ruim para quem paga mensalidade.
É válido lembrar que o Grêmio jogou, ainda no mês de maio, como mandante contra o Botafogo no estádio Alfredo Jaconi, numa medida bem difícil de ser entendida.

Segue abaixo a divisão por setores da Arena.

Como nesse único jogo do mês houve promoção, onde os sócios tinham direito a “ levar um acompanhante e até dois menores de 12 anos isentos de ingresso” fiz o levantamento do custo para duas pessoas irem à arena nos jogos do período.

Brasileirão 2014 – Inter 2×0 Grêmio

August 11, 2014
 
Na sua reestreia, Felipão mexeu bastante na equipe tricolor para o Gre-Nal do Beira-Rio (o já tradicional clássico do 1º turno disputado no 2º semestre, uma das bizarrices do calendário brasileiro). E aparentemente algumas mudanças deram certo. Em especial as entradas de Walace e Felipe Bastos como volantes. Passados os minutos iniciais, onde o Inter conseguiu fazer algumas jogadas de linha de fundo, o tricolor passou a controlar o meio de campo. A equipe parecia fazer mais desarmes no setor na comparação com jogos anteriores e valorizava mais a posse de bola (fato reconhecido pelo adversário), contudo o jogo era bastante truncado e os goleiros pouco trabalhavam. As melhores situações da primeira etapa foram gremistas, mas Rodriguinho teve seu chute bloqueado quanto ingressava pelo lado direito da área e Dudu acabou perdendo o equilíbrio ao tentar o arremate na bola que sobrou limpa para ele.
Fernandinho entrou no intervalo no lugar de Rodriguinho, e Dudu saiu da ponta-esquerda para o lado direito. Eu não teria feito essa substituição. Dudu estava tecnicamente pior do que Rodriguinho (que dava alguma contribuição no toque de bola do meio campo). Mas falo isso tendo visto o jogo na TV, não consigo avaliar qual dos atletas cumpria melhor papel tático (ex: acompanhar o lateral, etc…). Todavia a mudança não alterou imediatamente a cara do jogo. O Grêmio seguiu propondo um pouco mais as ações, mas acabava esbarrando na inoperância do seu ataque. Barcos não conseguia se apresentar para fazer o pivô, perdendo a grande maioria das disputas com os defensores colorados. O Inter, que tinha mantido o 0x0 até ali sem fazer muita força acabou fazendo o 1×0 aos 16 minutos do segundo tempo. Alex ameaçou um chute que já a muito não se concretiza e com um corte acabou abrindo espaço na defesa gremista, que acabou se desorganizando, ficando fora de lugar, com Dudu chegando tarde para bloquear o cruzamento de Fabrício e Werley deixando Aranguiz, que até ali estava apagado no jogo, subir sozinho para cabecear a bola para o fundo das redes. O Grêmio tentou, ainda que timidamente, reagir ao gol sofrido. Luan entrou bem no jogo, preocupando a defesa adversária e sofrendo faltas. O tricolor teve alguns escanteios para ameaçar, mas acabou levando o 2º num contra-ataque concluído por Cláudio Winck, quase na marca do pênalti, aos 39 minutos do segundo tempo.

Como de costume, diversas análises serão feitas a partir de mais um insucesso. Eu entendo e me identifico com muitos dos que se revoltam. O retrospecto recente em clássicos e a falta de títulos contribuem muito para isso. O contexto acaba tornando piores os eventos isolados. Mas considero que a atuação tricolor foi boa/razoável até a 15 minutos do 2° tempo. Os problemas que o Grêmio vem apresentando não seriam corrigidos em uma semana.
Nesse jogo eu gostei do posicionamento defensivo do Grêmio. O time pareceu mais compacto, sem tanto espaço entre as linhas. O que ainda não se viu foi qualquer tipo de mudança na movimentação ofensiva. 
O fato de viver um melhor momento e de ter um time mais bem estruturado ajuda muito a explicar a vitória do Inter. Abel tinha atletas da função do goleiro ao centroavante. Felipão jogou com um volante improvisado na lateral direita e um lateral-direito atuando com lateral-esquerdo. A propósito, a lateral-esquerda é uma das posições mais sintomáticas da falta de organização e sequência do Grêmio. Desde 2011 o Grêmio disputou 24 Grenais e utilizou 11 jogadores diferentes nessa função  nos clássicos (12 se consideramos Joílson, que jogou por poucos minutos ali na final do Gauchão de 2010). O ex-jogador da seleção brasileira André Santos, contratado a peso de ouro junto ao Arsenal da Inglaterra, sequer vestiu a camisa tricolor contra o Internacional. Pará estreou em Grenais improvisado na lateral esquerda em abril de 2012. Depois de mais de 2 anos, 3 outros laterais em 9 clássicos, Pará estava de volta ao lado esquerdo da defesa gremista. Esse rodízio explica muito o porque das dificuldades do futebol tricolor.
Eu acho um absurdo o que o Grêmio tem feito com o Luan. É prata da casa, é um dos que mais produziu na temporada e ainda assim é sempre o primeiro a ir pro banco. O clube expõe os guris da base e blinda dirigentes. Deveria ser o contrário.  
O resultado não passa em nada para a arbitragem (a discussão até poderia ser outra o Fernandinho tivesse feito  gol no lance em que equivocadamente foi marcado impedimento) mas dizer que a atuação de Daronco foi ótima é atentar contra o bom senso. Não consigo entender um juiz que mostra cartão amarelo por cera aos 24 minutos de jogo para depois dar somente o tradicional 1 minuto de acréscimo ao final do primeiro tempo.
Não que seja uma exclusividade tricolor, mas inegavelmente é a torcida gremista a que vem sofrendo mais com a questão referente as medidas de segurança para os jogos de futebol em Porto Alegre. É inacreditável que o Ministério Público chancele medidas que limitem o direito de ir e vir. A proteção do interesse e direitos dos seus torcedores deveria ser de total interesse do clube, mas eu imagino que isso não vai acontecer enquanto o pensamento de que “Torcida não ganha jogo” tenha espaço na direção do Grêmio.
Fotos: Fabiano do Amaral (Correio do Povo ), Ricardo Rimoli (Lance) e Lucas Uebel (Grêmio)

Internacional Inter 2×0 Grêmio Grêmio

INTER: Dida; Wellington Silva (Cláudio Winck, intervalo), Ernando, Juan, Fabrício; Willians (Ygor, 42’/ 2ºT), Wellington, Aránguiz, D’Alessandro, Alex; Rafael Moura (Wellington Paulista, 36’/2ºT)
Técnico: Abel Braga

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Ramiro, Werley, Rhodolfo e Pará; Walace, Fellipe Bastos; Rodriguinho (Fernandinho, intervalo), Giuliano (Alán Ruiz, 43’/2ºT) e Dudu (Luan, 22’/2ºT); Barcos
Técnico: Luiz Felipe Scolari

14ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre
Público: 37.222 (32.642 pagantes)
Renda: R$ 1.572.200,00
Arbitragem: Anderson Daronco-RS
Auxiliares:  Rafael da Silva Alves e Marcelo Barison
Cartões amarelos: Alex, Cláudio Winck, Wellington Paulista (I); Rodriguinho, Marcelo Grohe, Fellipe Bastos, Pará (G)
Gols: Aránguiz aos 16 minutos e Cláudio Winck aos 39 minutos do segundo tempo