Archive for September, 2014

Brasileirão 2014 – Botafogo 0x2 Grêmio

September 29, 2014

Não dá pra dizer que o Grêmio não deu NENHUMA chance para o Botafogo sair da crise. Mas foram pouquíssimas as oportunidades do time da casa. Alíás, o tricolor pareceu muito mais a vontade jogando no Maracanã do que o seu adversário.  No início do jogo por algumas  os botafoguenses conseguiram arrancar livres pelo meio da defesa gremista, mas logo isso foi corrigido e o time de Felipão passou a mandar no jogo, trabalhando a bola no campo de ataque. Aos 11 minutos, Barcos teve a melhor chance da primeira etapa, mas chutou em cima de Jefferson após receber bom passe de Rhodolfo. Logo depois, seria a vez de Luan ficar cara a cara com goleiro alvinegro, mas o bandeirinha equivocadamente marcou impedimento. Aos 16, Ramiro foi lançado dentro da área, mas a bola lhe escapou no momento de fazer o domínio. Aos 43, Ramiro mais uma vez apareceu dentro da área pelo lado direito, dessa vez recebendo um passe rasteiro, mas Jefferson fez boa intervenção e mandou a bola para escanteio, de modo que o primeiro tempo acabou com a sensação de que o Grêmio já poderia/deveria estar em vantagem no marcador.

Logo no primeiro minuto da etapa final o Botafogo teve a sua melhor (e a talvez última) chance na partida. Ramírez deu passe de letra e Sheik concluiu de voleio, mas Marcelo Grohe fez uma grande defesa, mantendo o zero no marcador. Aos 4 minutos, o peruano Ramírez perdeu o controle da bola ao escorregar e o Grêmio se aproveitou para contra-atacar. Zé Roberto fez o “overlap” pela esquerda e recebeu de Dudu dentro da área. Ali ele levantou a cabeça e achou Barcos, que empurrou para as redes quase em cima da linha. O Botafogo desmoronou com o gol e o Grêmio teve alguma facilidade para ampliar. Aos 31 minutos, Gabriel rebateu um cruzamento, mas permaneceu dentro da área dando condições para Barcos, que teve tempo para ajeitar o corpo e tirar Jefferson da jogada.

É importante destacar que toda essa solidez defensiva do Grêmio não passa por se “encastelar” dentro da sua própria área ou por povoar o meio de campo com cabeças de área, e sim pelo fato do Grêmio valorizar a posse de bola, procurando a manter sempre próxima do campo de ataque. Não que uma dessas táticas seja superior ou mais válida do que as outras, apenas acho importante tentar entender o porque do time estar apresentando esse bom desempenho defensivo.

O Grêmio manteve o 4-2-3-1 que usou contra o Fluminense. Ramiro permaneceu na mesma linha de Luan e Dudu, posicionando ainda mais aberto pela direita, atuando quase como um winger. E foi por aquele lado que ele pareceu três vezes dentro da área para concluir. 

Imagino que a venda do uniforme do Marcelo Grohe só seja “desbloqueada” a partir dos 1000 minutos sem tomar gols.
Por falar em uniforme, esse era mais um jogo propício para o Grêmio entrar em campo vestindo uma camiseta toda azul.
O primeiro gol do Grêmio foi um belo exemplo de como Dudu atuou um pouco mais como um armador e não só como um atacante de jogadas individuais pela ponta. E com o lado mais liberado, Zé Roberto pode fazer várias jogadas de linha de fundo.

Fotos: Wagner Meier (Lance), Uanderson Fernandes (O Dia), Vitor Silva (Botafogo F.R.) e Alexandre Cassiano (O Globo)

Botafogo Botafogo 0x2 Grêmio Grêmio

BOTAFOGO: Jefferson, Dankler (Carlos Alberto 20’/2ºT), Bolívar, André Bahia e Julio Cesar; Airton, Gabriel, Ramírez e Zeballos (Wallyson, Intervalo); Emerson Sheik e  Rogério (Ferreyra 33’/2ºT)
Técnico: Vagner Mancini
GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Rhodolfo, Pedro Geromel e Zé Roberto; Walace,  Fellipe Bastos (Riveros, 43’/2ºT), Ramiro, Luan (Alán Ruiz, 24’/2ºT) e Dudu (Matheus Biteco, 36’/2ºT); Barcos  
Técnico: Luiz Felipe Scolari
25ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 28/9/2014, domingo, 16h00min

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Público: 12.498 (10.462 pagantes)
Renda:R$ 263.010,00
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Auxiliares: Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa-GO) e Bruno Raphael Pires-GO
Cartões amarelos: Airton, Gabriel e Dankler; Dudu, Wallace, Barcos e Alán Ruiz
Gols: Barcos, aos 4 minutos e Barcos, aos 31 minutos do segundo tempo

Advertisements

Brasileirão 2014 – Fluminense 0x0 Grêmio

September 25, 2014

Muitas queixas podem ser feitas em relação a esse time do Grêmio, menos de que não tem um padrão. Diante do Fluminense (adversário direto pelo G4) a atuação da equipe gremista foi muito parecida com a partida contra o Flamengo, no mesmo Maracanã, no início do mês. Novamente os comandados de Felipão adiantaram a linha de marcação e controlaram o setor de meio campo durante todo o primeiro tempo. E dessa vez é importante dizer que esse controle não foi totalmente inofensivo como em outros jogos fora de casa. O Grêmio ameaçou bastante o gol defendido por Diego Cavalieri, especialmente em jogadas criadas pelo lado direito de ataque. Aos 17 Fellipe Bastos acertou a trave em forte chute de fora da área e aos 32 Barcos foi travado com um carrinho por Marlon (que na minha ótica atingiu o joelho do argentino e não chegou perto de tocar na bola) mas Heber Roberto Lopes não marcou o pênalti.
O Grêmio seguiu melhor no início dos segundo tempo. Logo aos 4 minutos Pará fez boa combinação com Ramiro e cruzou para Barcos, que de cabeça mandou a bola no travessão. O Fluminense começou a se ajeitar em campo e finalmente fez com que Marcelo Grohe trabalhasse. Aos 16 e 17 minutos o camisa 1 gremista fez duas grandes defesas, mostrando que o fato do Grêmio ter a defesa menos vazada do campeonato passa muito pelo seu goleiro. Grêmio e Fluminense seguiram buscando abrir o marcador, mas o jogo terminou num 0x0 que teve um gosto muito mais amargo para o tricolor gaúcho.

A grande novidade dessa partida foi o Grêmio voltando para um 4-2-3-1, com Ramiro atuando aberto pela direita, praticamente na mesma linha de Luan e Dudu. E como já foi dito acima, foi pelo lado direito de ataque que o Grêmio mais criou.
Não dá pra entender como Bressan ficou tanto tempo “arquivado” no Grêmio. Não acho que ele deveria ser um titular absoluto, mas também não pode ser a última opção entre os zagueiros.
Para o Sportv, Barcos sofreu pênalti de Marlon. Para a Zero Hora, Barcos “foi dispersivo e simulou faltas em excesso”. Pra mim o pênalti é claro. O zagueiro do Fluminense deu um carrinho que não acertou a bola e desequilibrou o camisa 9 gremista. E tenho minhas dúvidas se Ramiro não sofreu falta de Carlinhos no lance que terminou com o chute na trave de Fellipe Bastos.
Talvez agora que o Marcelo Grohe está batendo recorde de tempo sem tomar gols seja possível comprar o uniforme dele na GrêmioMania. 
Por mais revoltante e incoerente que seja, eu não me surpreendo com essa negativa da CBF de ceder a Granja Comary para o Grêmio. Mas duas lições podem ser extraídas dessa história: 1) o clube não pode contar antecipadamente com a boa vontade da CBF para organizar a sua logística. 2) o clube deve lutar para não ter marcada na tabela uma sequência de dois jogos fora de casa.

Fotos: Alexandre Cassiano (O Globo), Cleber Mendes (Lance) e Nelson Perez (Fluminense F.C.)

Fluminense Fluminense 0x0 Grêmio Grêmio

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno, Elivélton, Marlon e Carlinhos (Chiquinho, Intervalo); Rafinha (Gustavo Scarpa, 41’/2ºT), Jean, Cícero e Wágner; Rafael Sobis (Kenedy, 11’/2ºT) e Fred.  
Técnico: Cristovão Borges

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Pará, Bressan, Rhodolfo e Zé Roberto; Walace (Riveros, 34’/2ºT), Fellipe Bastos e Ramiro; Luan (Fernandinho, 38’/2ºT), Dudu (Lucas Coelho, 43’/2ºT) e Barcos

Técnico: Luiz Felipe Scolari

24ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 24/09/2014, quarta-feira, 22h00min 
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ
Público: 6.840 (6.211 pagantes)
Renda: R$ 166.365,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Assistentes:  Kleber Lucio Gil (SC) e Emerson Augusto de Carvalho (SP)

Quanto custou ir à Arena em Setembro?

September 24, 2014

Setembro ainda não encerrou, mas as três partidas (Atlético-PR, Santos e Chapecoense)  marcadas para a Arena neste mês já foram realizadas. Nesses três jogos foram praticados preços promocionais, o que acabou fazendo que para ir em todos os jogos no setor mais barato (Arquibancada) ou no mais caro (Cadeira Gold Central) o sócio migrado tenha desembolsado mais do que um não sócio.
Segue abaixo a divisão por setores:

Brasileirão 2014 – Grêmio 1×0 Chapecoense

September 22, 2014

O primeiro tempo do Grêmio contra a Chapecoense foi muito bom, tendo o time de Felipão mostrado um volume ofensivo que não foi visto nas partidas anteriores. Logo aos 8 minutos o tricolor fez o seu gol. Barcos recebeu lançamento e fez boa jogada de pivô, deixando Luan de frente com o goleiro. Danilo até conseguiu evitar o drible, mas a bola acabou sobrando para Dudu que chutou com força para abrir o placar. A partir daí o Grêmio passou a aproveitar os espaços que lhe eram dados para contra-atacar, especialmente pelos lados de campo. Aos 17 Biteco apareceu na área,  cortou seu marcador,  mas chutou para fora. Luan deu boa arrancada pela lateral esquerda mas acabou concluindo sem força aos 24 minutos. Dudu ainda testou o goleiro adversário em dois arremates, mas o tricolor não conseguiu ampliar a vantagem. 
No segundo tempo ocorreram algumas mudanças na equipe. Dudu e Luan inverteram seus lados, com o camisa 7 voltando a jogar aberto pela ponta esquerda. Riveros entrou no lugar de Fellipe Bastos, mas o time diminuiu o ritmo e só voltou a concluir com perigo após a entrada de Fernandinho e  Lucas Coelho. O Grêmio controlou com certa tranquilidade a sua ligeira vantagem, com exceção dos minutos finais quando a Chapecoense teve inúmeras oportunidades de erguer a bola na área, ainda que não tenha tido sucesso com esse expediente.

Todo esse longo período sem tomar gols no Brasileirão rendeu ao Grêmio a condição de defesa menos vazada do campeonato. O que é muito importante. Resta agora aumentar a produção ofensiva para ter uma margem mais confortável nos jogos. É válido lembrar também que todos os outros postulantes ao G4 estão entre os times de melhor ataque, enquanto o Grêmio é apenas 16º neste quesito.
Um melhor aproveitamento nas cobranças de bola parada poderiam fazer subir os números do ataque do Grêmio. Felipão disse que nesse ponto o time “não teve evolução nenhuma”. Apesar de não entender o porque da insistência no escanteio curto no 1º tempo (o que inclusive rendeu uma bizarra marcação de impedimento) eu notei uma certa melhora nos tiros de canto, especialmente na segunda etapa quando os jogadores do Grêmio conseguiram cabecear na área adversária por duas vezes (contrastando com zero cabeçadas nas duas partidas contra o Santos, por exemplo)
Pode ter sido uma situação específica deste jogo, mas notei que Walace guardou menos a posição do que Ramiro, adiantando por vezes a linha de marcação.
É sempre complicado de ver/escutar a torcida adversária com instrumentos musicais na Arena enquanto a própria torcida do Grêmio não tem essa possibilidade. Difícil de entender.
Sei que esse foi o segundo jogo em casa em 4 dias. Sei que houve um feriado no dia anterior. Sei que caiu chuva durante a tarde de domingo em Porto Alegre. Sei que a Chapecoense não é considerada por muitos um adversário interessante. Mesmo sabendo de tudo isso eu achei que o público foi pequeno ontem na Arena. 18 mil pessoas é média dos jogos das 19:30 nas quartas-feiras.

Fotos: Lucas Uebel (Terra) e André Kruse

Grêmio Grêmio 1×0 Chapecoense Chapecoense

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Pedro Geromel, Rhodolfo e Zé Roberto; Walace, Matheus Biteco, Fellipe Bastos (Riveros – 17’/2°T), Luan (Fernandinho – 25’/2°T) e Dudu; Barcos (Lucas Coelho – 34’/2°T)
Técnico: Luiz Felipe Scolari
CHAPECOENSE: Danilo; Fabiano, Jaílton, Rafael Lima e Rodrigo Biro; Bruno Silva, Diones (Zezinho – intervalo), Ricardo Conceição (Hyoran – 34’/2°T) e Camilo (Bruno Rangel – 15’/2°T); Fabinho Alves e Leandro
Técnico: Jorginho
23ª Rodada – Campeonato Brasileiro
Data: 21/09/2014, domingo, 18h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 18.499 (16.760 pagantes)
Renda: R$ 440.207,00
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Auxiliares: Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa-GO) e Cristhian Passos Sorence (GO)
Cartões amarelos: Fabiano, Leandro, Hyoran, Rafael Lima, Geromel, Matheus Biteco (GRE)
Gols: Dudu, aos  8 minutos do 1º tempo

Brasileirão 2014 – Grêmio 0x0 Santos

September 21, 2014

O Grêmio segue com a sina de tomar e fazer poucos gols. Mais uma vez o time tricolor foi cauteloso, correndo pouquíssimos riscos defensivos, esperando por algumas poucas oportunidades no ataque para definir o jogo. Nessa partida em particular as chances foram de Lucas Coelho. No primeiro tempo ele conseguiu dar uma boa arrancada e chutou cruzado, mas a bola desviou nos dedos do goleiro Aranha antes de parar na trave. No segundo tempo o camisa 28 do Grêmio recebeu um bom lançamento de Ramiro porém se precipitou ao tentar encobrir o camisa 1 do Santos. De resto o Grêmio tinha a bola mas lhe faltava movimentação, especialmente a passagem dos laterais. Luan, posicionado muito longe do gol, era o principal responsável pela criação do time e não conseguiu render o esperado.
Eu estou gostando bastante desse 4-1-4-1 que o Grêmio vem usando. Não tenho nenhum problema em ver o time escalado com “três volantes”, mas acho que Felipão, pelo cenário visto na Arena,  um foi pouco conservador demais, especialmente no decorrer do segundo tempo, quando poderia ter colocado mais um jogador de características ofensivas no meio campo (Alan Ruiz, pelo passe vertical e chute de fora da área parecia boa opção).

O aproveitamento do Grêmio nas cobranças de escanteios é preocupante. Um problema que se apresenta desde a eliminação na Libertadores. Felipão foi perguntando sobre isso na coletiva, mas habilmente desconversou com um das suas típicas respostas ranzinzas.
Me pareceram um pouco excessivas (ou sensacionalistas) a presença de câmeras de TV voltadas para a arquibancada durante todo o jogo. O mesmo pode ser dito em relação aos policiais à paisana entre os torcedores.

Eu tinha uma pequena esperança de que esse episódio do Aranha, por mais lamentável que fosse, poderia servir de início para um debate construtivo sobre algumas condutas vistas nos gramados e arquibancadas. Mas até aqui a coisa tem sido complicada. Afirmar que todos que vaiaram o Aranha estão de acordo com o racismo e/ou atitudes de Patrícia Moreira é de um maniqueísmo simplório. Um assunto dessa complexidade não pode ser tratado dessa forma.

O Aranha foi vítima de injúrias raciais no jogo anterior. É compreensível que ele siga muito indignado com o acontecido. Ele não tem nenhuma obrigação de perdoar ou de ser magnânimo. E talvez até se entenda que ele cometa algum exagero nos seus desabafos. Mas isso não significa que esteja 100% certo e que precise ser apoiado integralmente em todas as suas atitudes e manifestações desde então.

Grêmio Grêmio 0x0 Santos Santos

GRÊMIO:Marcelo Grohe; Matías Rodríguez (Wallace 41´/2ºT),Rhodolfo, Geromel e Pará; Ramiro, Matheus Biteco, Fellipe Bastos (Riveros, intervalo), Luan (Fernandinho, 30’/2ºT) e Dudu; Lucas Coelho. 
Técnico: Luiz Felipe Scolari. 
SANTOS: Aranha; Cicinho, Edu Dracena, David Braz e Zé Carlos; Arouca, Souza e Lucas Lima (Alan Santos 45’/2ºT); Gabriel (Stefano Yuri, 30’/2ºT), Robinho e Leandro Damião (Geuvânio, 12’/2ºT). 
Técnico: Enderson Moreira. 
22ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 18 de setembro de 2014, quinta-feira, 20h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 21.107 (18.904 pagantes)
Renda: R$ 488.563,00
Arbitragem: Ricardo Marques Ribeiro-MG
Auxiliares: Celso Luiz da Silva e Marcus Vinicius Gomes
Cartões amarelos: Matheus Biteco e Riveros (G) 

Qual o horário bom para um jogo na quarta-feira?

September 17, 2014
O jornal Lance tem divulgado dados de uma pesquisa que fez com Ibope, na qual ouviu 4.470 torcedores sobre diversos temas do futebol brasileiro. Me chamou a atenção os dados sobre o horários das partidas nas quartas-feiras. Eis as respostas dos entrevistados sobre o famigerado horário das 21h50min:
  • 47% dos entrevistados na pesquisa LANCE! Ibope são a favor da realização de jogos mais cedo”
  • Por outro lado, um alto índice de 35% dos entrevistados aponta que jogos com início às 21h50 é adequado para o futebol brasileiro” 
  • Para 42% dos participantes da pesquisa, o horário não tem influência na presença dos torcedores nos estádios, enquanto que 37% aponta que o horário das partidas às 21h50 prejudica a ida dos torcedores aos jogos”
Por óbvio que se trata da mera opinião de cada um dos torcedores ouvidos. Em razão disso eu achei interessante cruzar essa pesquisa com os dados da média de público do Grêmio no Brasileirão desde 2006.
Nessas últimas 9 edições do Campeonato Brasileiro o Grêmio jogou 44 vezes em casa as quartas-feiras. Duas dessas partidas foram feitas com portões fechados em Caxias e outras duas foram realizadas a tarde em feriados. Nos 40 jogos restantes a média de público fica em 19.833 torcedores. Contudo, se dividirmos esses jogos por horários podemos ver que as partidas que começam num horário intermediário são as que recebem um maior público.
Por úlitmo, é necessário fazer um esclarecimento importante sobre a tabela acima. Eu sempre considero no cálculo o público total do jogo, e não só o público pagante. O que pode causar uma distorção em favor dos jogos entre 20h e 21h, uma vez que Grêmio x Atlético-GO em 2012 foi realizado as 20h30min e teve um grande número de não pagantes. Mas ainda que esse jogo seja desconsiderado no levantamento, a média de público dos jogos iniciados entre as 20h e 21h segue sendo maior, com 20.209 torcedores.

Brasileirão 2014 – Atlético-MG 0x0 Grêmio

September 15, 2014

Esse 0x0 no Independência foi um jogo ruim com um resultado interessante para o tricolor. O time de Felipão, ainda que com algumas oscilações, segue apresentando um padrão de atuação. Foi a quarta partida seguida que o time não sofreu gols no campeonato brasileiro, e essa solidez defensiva ajuda muito a explicar o bom momento do time. Por outro lado o time segue criando pouco, jogando por raras oportunidades no ataque. E dessa vez a melhor chance não aconteceu nos acréscimos, e sim logo aos 2 minutos, quando Giuliano ficou cara a cara com Victor mas acabou chutando em cima do arqueiro atleticano. A partir da metade do primeiro tempo o Atlético passou a controlar as ações (algo que o Grêmio não havia permitido a seus adversários anteriores) e passou a ter volume no ataque. Na sua melhor situação, Carlos driblou Marcelo Grohe mas concluiu para fora.
No segundo tempo o Galo seguiu propondo o jogo a partir das descidas em velocidade de Luan, mas já sem tanta presença na área o time de Levir passou a arriscar mais em chutes de média e longa distância e cruzamentos. O Grêmio se ressentia de uma jornada mais inspirada de Giuliano (que demorou a dar lugar a Luan) e contava quase que exclusivamente com Dudu para puxar contra-ataques. Desse modo o jogo seguiu disputado, mas sem movimentação no placar até o apito final.

 

Era um jogo ideal para o Grêmio usar uma camisa toda azul. E com tantos adversários alvinegros na temporada o time poderia tranquilamente ter uma camisa reserva celeste.
Jaílson Macedo de Freitas, pra variar, apitou mal o jogo. O estranho é que nós só vemos as reclamações do Atlético, quando o Grêmio também teve motivos de sobra para se queixar (das faltas de Leonardo Silva em Barcos e Dudu, por exemplo)

Cerca de 10 dias atrás, um time (coincidentemente o Grêmio) foi eliminado da Copa do Brasil pelo STJD por “Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência“. Pois bem, ontem se ouviu claramente, por diversas vezes, a torcida do Atlético gritando “Bicha” em cada tiro de meta cobrado por Marcelo Grohe. Não vi sequer uma fração da comoção vista no episódio anterior. Tenho dificuldade em entender a indignação seletiva e esse ranking de prioridade de discriminações. Teve gente que se manifestou de forma bastante enfática sobre gritos racistas e agora fica num omisso silêncio em relação aos gritos homofóbicos. Uma pena. Cada um tem suas lutas e prioridades. Só acho complicado fazer o combate ao preconceito de forma segmentada.
 

 Fotos: Bruno Cantini (Atlético Mineiro) e Pedro Vilela (Terra)

 Atlético-MG Atlético-MG 0x0 Grêmio Grêmio

ATLÉTICO-MG: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Jemerson e Emerson Conceição; Claudinei, Leandro Donizete (André, 36’/2º), Dátolo e Luan;  Carlos (Guilherme, 29’/2º) e Diego Tardelli
Técnico: Levir Culpi

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Geromel, Rhodolfo e Zé Roberto; Ramiro, Fellipe Bastos, Matheus Biteco, Giuliano (Luan, 38’/2º) e Dudu (Fernandinho, 39’/2º); Barcos
Técnico: Luiz Felipe Scolari

21ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014

Data: 14/09/2014, domingo, 18h30min
Local:
Estádio Independência em Belo Horizonte-MG
Público pagante: 11.873
Renda: R$ 197.850,00
Árbitro: Jailson Macedo de Freitas (ESP-2/BA)
Auxiliares: Alessandro A. Rocha de Matos (Fifa/BA) e Adson Márcio Lopes Leal (CBF-1/BA)
Cartões amarelos: Marcos Rocha (Atlético); Ramiro, Zé Roberto (Grêmio)

Brasileirão 2014 – Grêmio 1×0 Atlético-PR

September 11, 2014

O Grêmio não teve uma grande atuação contra o Atlético Paranaense, mas em nenhum momento foi pior que o seu adversário. Apresentando um rendimento inferior ao visto nos jogos anteriores, o tricolor ainda assim repetiu algumas virtudes e defeitos. Novamente foi o Grêmio que teve o maior controle da partida e novamente o Grêmio teve certa dificuldade para se movimentar e criar no campo ofensivo. Nos minutos iniciais, apesar de toda a iniciativa, não se viram arremates e infiltrações tricolores. As raras chances só apareceram depois dos 20 minutos de bola rolando. Aos 21, Ramiro testou Weverton em um bom chute de pé esquerdo. No lance seguinte Barcos ganhou no alto após lançamento de Matheus Biteco, mas concluiu para fora depois de trazer a bola pro chão.

Felipão mexeu na equipe ainda antes do primeiro tempo acabar. A saída de um dos três meio campistas com características defensivas fazia sentido, uma vez que a bola estava quase sempre no ataque gremista e o Furacão pouco incomodava a defesa tricolor. Só não entendi porque o treinador tirou o time do 4-1-4-1 e passou ele para um 4-2-3-1, recuando Ramiro e Matheus Biteco. O Grêmio não teve maior presença ofensiva e para piorar, Giuliano (que não entrou bem no jogo), começou a “bater cabeça” com Luan. Fernandinho entrou aberto pela ponta direita para corrigir isso, mas apesar de todo o empenho do time, as chances não eram criadas. Mas o esforço coletivo foi recompensado no ultimo minuto de jogo, quando Barcos recebeu uma bola erguida na área, fez o 1×0 num belo gol e saiu de braços abertos para a torcida. Na jogada, a matada no peito do Pirata me impressionou mais do que a virada e bom chute de perna direita.

Pode se dizer que o jogo foi decidido no chuveirinho. Mas é preciso atentar para os detalhes que fazem a diferença. O Grêmio tinha uma falta quase na linha lateral, na frente do seu banco de reservas. O time já esperava a cobrança direta na área, mas Felipão ordenou que Matias Rodriguez saísse jogando. Talvez esses poucos metros que a bola tenha andado antes de ser cruzado tenham sido determinantes para que o gol saísse.

É muito legal vencer com gol nos acréscimos. Ganhar dois jogos seguidos então, nem se fala. Mas nem sempre isso vai acontecer e muito em função disso o Grêmio precisa melhorar alguns aspectos no seu jogo. Um deles é a cobrança de bola parada, especialmente nos escanteios. O aproveitamento de ontem lembrou muito o do fatídico jogo contra o Santos.
Eu também espero mais do Giuliano e acho que, nesse curtíssimo período desde sua chegada, o investimento feito ainda não se justificou. Contudo, as vaias e pegação no pé de parte da torcida são muito exagerados. Um meia precisa ter apoio e confiança para tentar passes mais difíceis e jogadas mais elaboradas.
Depois do vídeo divulgado essa semana e de todo a cantoria que se viu ontem no estádio é possível dizer que a Geral deu mostras inequívocas que é uma sandice pensar que a solução para eventuais problemas na Arena seja acabar com essa torcida ou com o espaço que ela ocupa.
Sigo defendendo que o Grêmio deveria ter mais atenção e ser mais pro-ativo na questão dos dias e horários dos jogos. Tenha absoluta certeza que o público na Arena ontem seria bem maior caso o ponta-pé inicial fosse algumas horas, ou mesmo uma hora mais tarde.
Gostei de ver o retorno da exibição dos melhores momentos no telão durante o intervalo e achei bem legal ver o gol da outra partida que acontecia no mesmo horário. Fica faltando ainda um cronômetro no placar.

Grêmio Grêmio 1×0 Atlético-PR Atlético-PR

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Matías Rrodriguez, Geromel, Rhodolfo e Zé Roberto; Walace (Giuliano, 39’/1º), Matheus Biteco, Ramiro, Luan (Fernandinho, 17’/2º) e Dudu (Lucas Coelho 37’/2º); Barcos 

Técnico: Luiz Felipe Scolari

ATLÉTICO-PR: Weverton, Mário Sergio, Willian Rocha, Cleberson e Natanael; Deivid, J. Paulo, Nathan (Sidicley, 10’/2º) e Marcos Guilherme (Hernani, 46’/2ºT); Marcelo e Dellatorre (Mosquito, 8’/2º).
Técnico: Claudinei Oliveira

20ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 10 de setembro de 2014, quarta-feira,  19h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 13.036 (11.584 pagantes)
Renda: R$ 246.116,00
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Auxiliares: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Gilberto Stina Pereira (RJ)
Cartões amarelos: Marcos Guilherme, Deivid, Ramiro e Gerome
Gols: Barcos, aos 46 minutos do 2º tempo

Quanto custou ir à Arena em Agosto?

September 10, 2014

No mês de agosto foram disputadas 4 partidas na Arena: Criciúma, Corinthians, Santos e Bahia. E embora os jogos tenham sido por competições diferentes, em horários diferentes, o preço dos ingressos foi o mesmo para todos eles. 
Segue abaixo a divisão por setores:

Brasileirão 2014 – Flamengo 0x1 Grêmio

September 9, 2014
 

Durante a semana que antecedeu o jogo, chegou-se a cogitar que o Grêmio seria escalado num 3-5-2 para enfrentar o Flamengo. Mas Felipão decidiu manter o time no 4-1-4-1 dos últimos jogos, com Walace fazendo o papel do suspenso Ramiro, e essa opção se mostrou acertada. Não só o tricolor freou o entusiasmo inicial da torcida flamenguista, que compareceu em peso no Maracanã, como também foi claramente superior durante toda a primeira etapa. O Grêmio adiantou suas linhas, afastando o Flamengo de perto do gol defendido por Marcelo Grohe e manteve a bola na sua intermediária ofensiva. E, ainda que tenha faltado  um pouco de paciência e criatividade para trabalhar jogadas ataque, o Grêmio ainda assim criou situações de gol a partir de chutes de longa distância, especialmente com Fellipe Bastos.


O Flamengo melhorou no segundo tempo, usando a velocidade no seu lado direito para atacar. Foi dali que saíram dois bons cruzamentos para Alecsandro, mas na primeiro o centroavante rubro-negro cabeceou para fora e no segundo ele tentou uma pretensiosa bicicleta. Nos demais lances Marcelo Grohe passou tranquilidade para sua defesa e o Grêmio jogava por uma bola no contra-ataque, o que acabou acontecendo, mas Dudu ficou sem ângulo após a boa saída de gol de Paulo Victor. Aos 46, quando o empate já não parecia um mau negócio, Fernandinho recebeu na ponta direita e entrou na diagonal, a bola chegou em Luan, que com espantosa tranquilidade entrou a dribles na área adversária e mandou a concluiu junto a trave. 1×0 para o Grêmio e mais três pontos na conta tricolor.


 Luan é novo, ainda tem pouca experiência e por isso é de se esperar que seu rendimento oscile,  mas ele é o melhor jogador do Grêmio. É atleta mais capaz de fazer jogadas que decidem um jogo, como esta feita no último minuto no Maracanã.
A atual posição do Grêmio na tabela e a distância para o G4 não são de todo ruim se considerarmos os vários tropeços que o time teve nesse primeiro turno. Um dado a ser considerado é que todos os times que hoje estão a frente do Grêmio não trocaram de treinador no Brasileirão. O Grêmio acaba pagando um preço caro por ser uma equipe em formação em meio ao campeonato.
E por ser uma equipe em formação, o Grêmio ainda busca um maior equilíbrio. No Maracanã o time  marcou muito bem, mas teve alguma dificuldade na criação. O que corresponde aos números do time na competição, em que tem a segunda melhor defesa (em gols sofridos) e apenas o 10º ataque em gols marcados.

Fotos: Daniel Ramalho (AGIF/ZH), Ivo Gonzalez (O Globo), Gilvan de Souza  (Flamengo) e Paulo Sérgio (Lance)

Flamengo Flamengo 0x1 Grêmio Grêmio
FLAMENGO: Paulo Victor; Léo Moura, Marcelo, Chicão, João Paulo; Recife (Amaral, 30’/2ºT), Márcio Araújo, Canteros, Mugni (Gabriel, 21’/2ºT); Arthur (Eduardo da Silva, 15’/2ºT) e Alecsandro.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Geromel, Rhodolfo e Zé Roberto; Walace, Fellipe Bastos, Matheus Biteco, Giuliano (Fernandinho, 40’/2ºT); Dudu e Lucas Coelho (Luan, 32’/2ºT)

Técnico: Luiz Felipe Scolari

19ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 06 de setembro de 2014, sábado, 18h30min
Local: Estádio Maracanã, Rio de Janeiro
Público: 59.680 presentes (51.858 pagantes)
Renda: R$ 1.756.965,00
Arbitragem: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Auxiliares: Cristhian Passos Sorence (GO) e João Patricio de Araujo (GO)
Cartões amarelos: Amaral (Flamengo); Walace e Fellipe Bastos (Grêmio)
Gol: Luan, aos 46min do segundo tempo