Archive for October, 2015

Brasileirão 2015 – Grêmio 1×0 Santos

October 22, 2015

Tem questões que são mais importante do que uma partida futebol. Esse jogo não deveria ter acontecido. Não nessa quinta-feira, não depois de toda a chuva que caiu e o caos que Porto Alegre viveu nos dias anteriores
Foi revoltante acompanhar a tentativa de transferência de responsabilidade feita ora pelo clube, ora pela prefeitura.
É um absurdo que qualquer órgão governamental tenha decidido por deslocar seus servidores para trabalhar em um jogo de futebol (que nada mais é do que um evento de entretenimento/lazer) enquanto milhares de pessoas estão desabrigadas, Futebol profissional não é (ou não deveria ser) prioridade do estado.
Da mesma forma, é surreal que o Grêmio estampe um logotipo de um programa de responsabilidade social na sua camisa enquanto força a realização de uma partida, ignorando a situação vivida na sua cidade, inclusive no seu próprio bairro.
As diretorias dos clubes poderiam abandonar essa ideia de que é aceitável que a ida ao estádio se equipare a uma tarefa de gincana. Não foi por acaso que esse foi o segundo pior público do Grêmio no Brasileirão 2015.

Mas, ainda que de forma insensível, o jogo foi realizado na quinta-feira mesmo. E o Grêmio venceu. Um 1×0 magro, conquistado na cabeçada de Bressan (Foto acima). O time tricolor se portou bem, apesar de ter sofrido em alguns momentos do jogo.
Chamou a atenção a dedicação que os atletas tiveram na marcação do Lucas Lima, as vezes até com algum excesso de faltas. E Walace jogou demais, tanto no momento de construir como no momento de destruir.

 Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)
Grêmio Grêmio 1×0 Santos Santos
GRÊMIO: Bruno Grassi; Galhardo, Geromel, Bressan e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Douglas (Maxi Rodriguez, 33’/2º), Giuliano e Luan (Moisés 44’/2º); Bobô (Pedro Rocha, 15’/2°).
Técnico: Roger Machado
SANTOS: Vanderlei; Zeca, Werley, David Braz e Chiquinho; Thiago Maia (Serginho, 32’/2º), Renato, Lucas Lima e Marquinhos Gabriel (Neto Berola 28’/2º); Leandro (Nilson, 20’/2º) e Gabigol.
Técnico: Dorival Júnior
 
30ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2015
Data: 15 de outubro de 2015, quinta-feira, 21h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público:  10.496 (8.837 pagantes) 

Renda: R$ 257.109,55
Árbitro: Marielson Alves da Silva (BA)
Assistentes: Elicarlos Franco de Oliveira (BA) e Marcos Rocha de Amorim (BA)
Cartões amarelos: Geromel, Douglas, Moisés. Vanderlei, David Braz, Gabriel
Gol: Bressan, aos 26 minutos do 1º tempo.

 
Advertisements

Brasileirão 2015 – Grêmio 2×3 Chapecoense

October 19, 2015

Fotos: Chapecoense e Grêmio.net (Lucas Uebel)

Grêmio 2×3 Chapecoense

GRÊMIO: Bruno Grassi; Galhardo, Geromel, Erazo e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon (Braian Rodríguez, 33’/2º), Douglas, Giuliano e Luan (Yuri Mamute, 29’/2º); Bobô (Pedro Rocha, 19’/2º). Técnico: Roger Machado

CHAPECOENSE: Silvio (Nivaldo, 39’/1º); Apodi, Vilson, Willliam Thiego e Dener; Elicarlos (Gil, int), Cleber Santana e Camilo (Wanderson, 36’/2º); William Barbio, Túlio de Melo e Maranhão. Técnico: Guto Ferreira

31ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2015
Data: 18 de outubro de 2015, domingo, 17h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 21.900 (19.925 pagantes)
Renda: R$ 614.536,00
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (FIFA-SP)
Assistentes: Rogério Pablos Zanardo (Asp. FIFA-SP) e Miguel Ribeiro da Costa (SP)
Cartões amarelos: Geromel e Erazo (Grêmio); Cléber Santana e Apodi (Chapecoense)
Cartões vermelhos: Vilson (Chapecoense)
Gols: Douglas, aos 4, e Bobô, aos 34 minutos do primeiro tempo; Túlio de Melo, de pênalti, aos 11, e aos 32, e Apodi, aos 50

Brasileirão 2015 – Cruzeiro 0x0 Grêmio

October 17, 2015
 

 A dúvida recaia sobre como o Grêmio reagiria após a eliminação na Copa do Brasil.
A resposta pode ser dividida em duas partes: O desempenho foi ruim. Mas o resultado foi bom/razoável.
O Cruzeiro foi claramente superior no jogo, tendo mais iniciativa e colocando duas bolas na trave. Mas o Grêmio teve o mérito de não se desesperar com esse domínio do adversário e conseguiu segurar o 0x0 até o apito final. E, historicamente, o empate no Mineirão não é um resultado tão comum.

Fotos: Cruzeiro e Super Esportes

Cruzeiro Cruzeiro 0x0 Grêmio Grêmio

CRUZEIRO: Fábio; Fabiano, Manoel, Bruno Rodrigo e Fabrício; Willians (Marcos Vinícius 40/2ºT), Henrique e Cabral; Allano (Gabriel Xavier 20/2ºT), Leandro Damião (Arrascaeta 27/2ºT) e Willian
Técnico: Mano Menezes
GRÊMIO: Marcelo Grohe; Galhardo, Geromel, Erazo e Marcelo Oliveira; Walace, Edinho, Giuliano,  Douglas (Maxi Rodríguez 35/2ºT)  e Pedro Rocha (Fernandinho, 15/2ºT); Luan (Bobô 15/2ºT)
Técnico: Roger Machado

29ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2015
Data: 04/10/2015, domingo, 16h00min
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte-MG
Público: 29.294 pagantes
Renda: R$ 800.555,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (FIFA-SC)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (FIFA/SP) e Fabiano da Silva Ramires (ES)

Cartões amarelos: Willians, Henrique e Willian (Cruzeiro); Galhardo, Bobô e Edinho (Grêmio)

Média de Público na Copa do Brasil

October 2, 2015

A média de público do Grêmio na edição de 2015 da Copa do Brasil foi a menor dos últimos anos. Obviamente devemos considerar que em 2012 e 2013 o tricolor chegou até a semifinal e que no ano passado o Grêmio fez uma única partida na competição, contra um time grande. 
Vale ainda lembrar que a média histórica de público pagante nos 77 jogos que o Grêmio fez em casa na Copa do Brasil desde 1989 é de 22.517 torcedores.

Copa do Brasil 2015 – Grêmio 1×1 Fluminense

October 1, 2015

Não deu. Mais uma vez. Não vai ser em 2015 que o Grêmio vai encerrar o seu jejum.

Ontem se confirmou que o 0x0 fora de casa no primeiro jogo é um resultado bom, mas perigoso (ou que o 0x0 em casa não é de todo ruim). O Fluminense ficou confortável para jogar por “uma bola” e acabou tendo um desempenho superior ao demonstrado no Maracanã. O Grêmio teve mais intensidade do que na primeira partida, procurou controlar mais as ações, mas teve lá suas dificuldades, especialmente em ingressar na área do adversário. Quase no final do primeiro tempo, quando a equipe gremista apressou desnecessariamente uma saída para o campo de ataque, perdendo a bola e dando tempo e espaço de sobra para o Fluminense avançar pelo lado direito, de onde saiu o cruzamento para  Fred abri o placar.
Indo para o vestiário em desvantagem, o Grêmio teria 45 minutos para controlar o nervosismo da torcida e fazer os dois gols que precisava. Roger optou por voltar a campo com Bobô no lugar de Walace. A mexida trouxe certo resultado, uma vez que o time passou a ter a possibilidade de erguer a bola na área. Mas o Grêmio só passou a ter mais volume com a entrada de Fernandinho (que tem o mérito de ser um jogador “vertical”, apesar da movimentação um tanto manjada pela esquerda). O gol de empate saiu aos 29 minutos, quando Edinho levantou na área, Giuliano disputou de cabeça e a bola sobrou para Bobô concluir de primeira. Havia tempo para a virada. O Grêmio seguiu pressionando e chegou a ter uma grande chance em uma cabeçada de Fernandinho aos 37 minutos, mas Cavalieri fez boa defesa e garantiu o empate.

É muito injusto que os atletas do plantel atual (especialmente os mais jovens) sejam obrigados a lidar com todo o peso desses 15 anos sem títulos relevantes. Mas infelizmente não há outra alternativa. Essa carga pode até parecer intangível,  mas é facilmente sentida nesses jogos decisivos em que as coisas não fluem exatamente como esperado desde o primeiro minuto. É preciso que o clube (aqui no seu sentido mais amplo) aprenda a lidar com isso.
Era sabido que essa seria uma temporada de dificuldades. O time do Grêmio, apesar de ter mostrado grande futebol em momentos recentes, ainda é uma equipe em formação. Estamos sob o comando do segundo treinador de 2015, que iniciou seu trabalho no final de Maio. O duro é que fomos eliminados para um time que está já no seu quarto técnico no ano.
Apesar de perceber um certo pernosticismo, achava que as falas do Presidente Romildo Bolzan após os jogos eram bastante ponderadas. Contudo, fiquei bastante preocupado com a coletiva de ontem. Imagino que não seja tarefa simples falar em nome do Grêmio logo após um insucesso que nos afasta das taças por mais um ano. Não deve ser fácil encontrar o tom certo para o momento. Entendo a postura de tentar mostrar convicção no trabalho feito, mas ontem isso por vezes soou como indiferença ao resultado.

É certo que um clube do tamanho do Grêmio depende de uma série de questões que não se restringem as quatro linhas do gramado, mas nunca podemos esquecer que a prioridade e razão de ser do clube é o futebol. Falar em questões do estádio quando se é perguntado sobre os títulos é uma perigosa maneira de desviar o foco. A propósito: Quantas pessoas na diretoria estão envolvidas com a negociação da “compra” da Arena? E quantas estão cuidando do departamento de futebol?

Mas o ponto que mais me incomodou foi a mudança no discurso em relação aos objetivos para essa temporada. No final do ano passado o Presidente garantia que o objetivo para 2015 era “o título gaúcho e um título nacional.“. Ontem, após a eliminação, o objetivo passou a ser objetivo passou a ser buscar vaga na Libertadores. Aí fica complicado.

 Grêmio Grêmio 1×1 Fluminense Fluminense

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Galhardo, Rafael Thyere, Erazo e Marcelo Oliveira; Walace (Bobô – Intervalo), Edinho, Giuliano,Douglas (Fernandinho, 14’/2ºT) e Pedro Rocha (Maxi Rodríguez, 23’/2ºT); Luan. 
Técnico: Roger Machado. 
FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Jean (Higor Leite, 30’/2ºT), Gum, Marlon e Léo Pelé; Pierre, Cícero, Gerson (Douglas, 36’/2ºT) e Gustavo Scarpa; Marcos Junior (Osvaldo, 16’/2ºT) e Fred. 
Técnico: Eduardo Baptista

Copa do Brasil 2015 – Quartas de Final – Jogo de volta

Local: Arena Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Data: 30/09/2015, quarta-feira, 22h00min
Público: 45.751 (43.015 pagantes)
Renda: R$ 1.598.977,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (FIFA-MG)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo (FIFA-MG) e Márcio Eustáquio Santiago
Cartões amarelos: Walace, Galhardo e Giuliano (GRE). Marcos Junior, Gustavo Scarpa, Cícero, Diego Cavalieri e Osvaldo (FLU).
Gols:  Fred , aos 39 minutos do 1º tempo e Bobô, aos 29 minutos do 2º tempo.