Archive for January, 2016

Primeira Liga 2016 – Avaí 2×2 Grêmio

January 29, 2016

Apesar de não ter feito uma grande atuação, o Grêmio foi melhor que o Avaí e teve de tudo para começar sua participação Primeira Liga com uma vitória. O jogo praticamente começou com um gol tricolor após boa jogada de Pedro Rocha que Edinho apareceu dentro da área (tal como pedido por Roger) para concluir. O placar só voltou a ser movimentado no segundo tempo. Aos 7 minutos William girou bem dentro da área e aproveitou da distância dada por Bressan na marcação para empatar o jogo. Bressan se “redimiu” ao marcar, de cabeça, o 2×1 após falta bem batida por Lincoln. O Grêmio teve duas boas chances de liquidar a partida. Na primeira Pedro Rocha tentou um toque enfeitado e não conseguiu passar pelo goleiro Renan. Depois, aos 38 minutos, Lincoln sofreu pênalti, mas Bobô bateu muito mal, facilitando a vida do arqueiro avaiano. Como castigo para sua displicência, o Grêmio acabou levando o empate aos 42 minutos, numa cabeçada do zagueiro Gabriel.
Não tenho dúvida que o Grêmio foi superior ao adversário, mas não significa que o rendimento da equipe tenha sido bom. Não consigo concordar com o Roger quando ele avalia “a partida como muito boa, segura coletivamente.

Essa questão do pênalti perdido pelo Bobô me preocupa especialmente por lembrar do percentual ruim que o Grêmio teve em conversão de penalidades máxima no ano passado.

O torneio por si só não me empolga, mas a iniciativa dos clubes tomarem frente da organização da suas competições é importantíssima. A Primeira Liga precisa de apoio do público. Mas a organização precisa facilitar a recepção desse apoio. Colocar um jogo as 21h45min de uma quinta-feira, com o ingresso mais barato a 60 reais não é exatamente uma receita garantida para estádio cheio.

Deu pra ver que o time reserva do Grêmio tinha totais condições de vencer o Avaí. Mesmo assim, eu não entendi muito bem o planejamento do tricolor para esses primeiros jogos. O uso de reservas na Primeira Liga é um pouco contraditório com o (acertado) discurso da direção de enfrentar a CBF/FGF e valorizar a competição. Ademais, a primeira fase do Primeira Liga são apenas 3 jogos, onde somente 4 dos 12 participantes classificam para próxima fase. As chances de recuperação são bem menores do que no Gauchão, onde o time joga 13 vezes e 8, de 14 equipes, classificam para a fase seguine.

Fotos: Siri Freitas (Diário Catarinense)

Avaí 2×2 Grêmio

AVAÍ: Renan; Renato, Henrique, Gabriel e Paulinho; João Filipe (Braga, 35’/2º), Caio César  (Lucas Chapecó, 25’/2º), Diego Jardel e Rômulo; Lucas Fernandes (Tauã, 25’/2º) e Willian.
Técnico: Raul Cabral

GRÊMIO:  Marcelo Grohe; Wesley, Thyere, Bressan e Marcelo Hermes; Edinho, Moisés e Ramiro (Fernandinho, 11’/2º) Lincoln; Pedro Rocha (Tilica, 32’/2°), Bobô
Técnico: Roger Machado

1ª Rodada – Grupo B – Primeira Liga 2016
Data: 28/01/2016, Quinta-feira, 21h45min
Local: Arena Condá, em Chapecó – SC
Público: 2.704
Renda: R$ 100.270,00 Árbitro: Erik Giovanni Fernandes (MG)
Auxiliares: Marcyano Pires de Lima e Leandro Salvador Silva (Ambos de MG)
Cartões Amarelos: Bobô, Moisés, Marcelo Hermes); Caio César, Henrique, Paulinho
Gols: Edinho, a 1 minuto d 1º tempo; William, aos 7 minutos ; Bressan, do Grêmio, aos 16 minutos e Gabriel, do Avaí, aos 42 minutos do segundo tempo.

Advertisements

Camisa Branca 2016 – Sugestões de alterações

January 28, 2016
Na melhor das hipóteses, poderia se dizer que essa nova camisa branca “dividiu opiniões”. Na conversa com outros gremistas e nas postagens da Umbro nas suas contas em redes sociais é fácil achar pessoas revoltadas com o uniforme reserva. 
Eu também não gostei. Acho que a ideia de usar as listras na horizontal é interessante, mas acabou sendo mal executada. Uma pena, pois imagino que com alguns ajustes a camisa poderia ficar bem melhor.
Um das mudanças mais sugeridas pelas pessoas que não gostaram da peça seria a retirada das faixas abaixo do patrocínio do Banrisul. Em razão disso publico abaixo o desenho de como poderia ficar a camisa (lembra um pouco a camisa reserva que a própria Umbro fez para o Lille em 2011)

Eu me incomodei bastante com as costas da camisa. Achei simplória, muito parecida com as camisas brancas de 2011, 2012 e 2013. E sinto falta de uma continuidade das listras na parte das costas. Sei bem que, por exemplo, a Adidas vem fazendo camisas muito legais que só tem listras horizontais na parte da frente (tal como a da Alemanha, FenerbahçeDinamarca e Escócia), mas no caso do Grêmio eu acho que essa descontinuidade acaba prejudicando o conjunto do fardamento. Assim, publico dois desenhos de como ficaria o uniforme com as listras seguindo na parte de trás (um mantendo as quatro listras, outros deixando somente as duas de cima)

Outra possibilidade seria a de acrescentar uma terceira “faixa” na camisa. Publico duas simulações, uma mantendo a ordem original das listras e outra usando o mesmo padrão das meias usadas em 1962:

Seguindo nessa ideia, alguns desenhos acrescentando uma quarta e uma quinta “faixa” de listras:

Por último, uma outra alternativa que seria a de baixar as listras, deixando o distintivo do Grêmio e o logo da Umbro em cima do branco:

Camisas Tricolor e Branca da Umbro 2016

January 28, 2016

Antes de tudo, acho muito legal que o Grêmio e a Umbro tenham conseguido manter a prática de lançar a camisa nova no primeiro jogo da temporada. Poucos clubes no Brasil vem conseguindo fazer isso.

A questão dos vazamentos tem sido problemática para o Grêmio. Quase ninguém no mundo tem conseguido manter sigilo total sobre os lançamento de material esportivo. Desse modo o clube deveria parar de fazer tanto “auê” com “venda no escuro” e começar a pensar em ter uma estratégia para o caso de ocorrer o vazamento de uma imagem do uniforme antes da hora prevista para o lançamento. Essa história do Zini Pires dizer que as camisas eram falsas, mas “parecidas com as verdadeirasfoi um dos episódios mais ridículos da história do jornalismo gaúcho.
Lamento ainda que tenha se mantido a ideia de vender uma camisa “de jogo” e uma de “torcedor” com tamanha diferença nos preços.

Eu confesso que não fiquei empolgado com  a camisa tricolor quando vi as primeiras imagens que vazaram. Mas achei que ela ficou muito bem na transmissão do jogo. Me pareceu mais bonita do que a do ano passado. Alguns problemas vistos em 2015 foram corrigidos. O Banrisul foi colocado um pouco mais no alto na parte da frente. O diamante da Umbro deixou ser dourado e ganhou as letras logo abaixo. A fonte do número pode não ser um primor, mas funciona bem, ficando bem mais visível no jogo (o que talvez passe também pela diminuição da largura das listras brancas). A gola é a mesma que a Umbro usou nos uniformes do Gamba Osaka. Gostei da continuação da listra azul sobre a gola na parte de trás, mas acho que o detalhe na parte da frente não ficou tão bem resolvido. No geral acho que essa camisa “veste melhor” do que a do ano passado, mas ainda fica um pouco aquém dos melhores trabalhos feitos pela Umbro (especialmente comparando com a linha “Tailored by Umbro“) . 
A listra centralizada voltou a ser a azul. Desde 2000 o Grêmio lançou 21 camisas tricolores. 11 tiveram a listra azul centralizada, 8 a listra preta e 2 a branca, o que contrasta um pouco com a média das camisas dos grandes títulos, que costumam ter, na sua maioria, a listra branca centralizada.

Já para a camisa branca não se pode dizer que as fotos que vazaram a prejudicaram. Ela realmente não ficou legal. Não sei como o diretor de marketing Beto Carvalho chegou a conclusão de que “a camisa branca é uma das mais lindas que o Grêmio já teve“. Até entendo que ela possui alguns elementos interessante (parece ter sido inspirada na camisa reserva da Libertadores 2009, essa sim uma das bonitas da história do clube) mas a combinação deles não faz muito sentido. Assim como aconteceu em 2011, 2012 e 2013 a parte de trás é toda branca com o número em azul e o Banrisul em preto, e as costas não guardam relação com a a frente, que por sua vez não combina com os detalhes da gola e manga. Desse modo o conjunto ficou com aspecto estranho, quase tosco, se assemelhando a una camisa pirata. 

Amistoso 2016 – Grêmio 1×1 Danubio

January 28, 2016

No primeiro jogo de 2016 o Grêmio conseguiu manter muitas das características apresentadas na temporada passada. A equipe tricolor tratou de manter a posse de bola, tendo a iniciativa desde o começo do confronto contra o Danubio. O time tinha boa movimentação no ataque, mas não criou tantas chances claras na primeira etapa. O gol só saiu aos 11 minutos do segundo tempo, em um contra-ataque puxado e finalizado por Everton. Depois disso o Danubio empatou num gol contra do estreante Kadu e incomodou um pouco mais em lances de bola parada.
Um fato que me chamou a atenção no jogo foi o a escolha de Ramiro como o substituto de Giuliano. Acho que foi a substituição mais conservadora feita pelo Roger desde que ele optou por colocar o W. Schuster no lugar do mesmo Giuliano no jogo contra o Fluminense pelo 1º turno do Brasileirão do ano passado. 

A camisa tricolor ficou mais interessante na transmissão do que nas fotos que vazaram. Já a camisa branca ficou tão tosca quanto na primeira impressão. Não entendi porque o time não usou o uniforme reserva completo no segundo tempo. E também não entendi porque o time usou uma meia diferente da que foi mostrada no material de divulgação da Umbro.
Público interessante na Arena para um amistoso. Um pouco acima da média das estreias do Grêmio em casa desde 2006 (Tabela abaixo):

Fotos: Grêmio,net

Grêmio 1×1 Danubio

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Wesley, Geromel, Kadu e Marcelo Oliveira; Walace (Edinho, 39’/2ºT), Maicon, Giuliano (Ramiro, 38’/2ºT), Douglas (Bobô, 28’/2ºT) e Everton (Fernandinho, 36’/2ºT); Luan (Lincoln, 36’/2ºT)
Técnico: Roger Machado

DANUBIO: Etulain; Peña, Formiliano, Cristian González e Ricca; Gonzalo González (Gravi, 12’/2º), Zarfino (De Los Santos, 27’/2ºT), Ignacio González e Grossmüller (Sosa, 24’/2ºT); Barreto (Tabárez, 30’/2ºT) e Olivera (Ardaiz, 17’/2ºT)
Técnico: Luis González

Data: 23/01/2016, sábado, 17h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre – RS
Público: 14.504 pessoas (13.506 pagantes)
Renda: R$ 296.669,00
Árbitro: Érico Carvalho
Auxiliares: Ilson Ramires e Rodrigo Tedesco
Cartões Amarelos: Wesley, De Los Santos e Peña
Gols: Everton, aos 11 minutos do segundo tempo; Kadu (contra), aos 24 minutos do segundo tempo

Amistoso em 1984 – Grêmio 0x1 Danubio

January 21, 2016

Grêmio e Danubio, adversários na partida da Arena do próximo sábado, já se enfrentaram num amistoso disputado em 17 de junho de 1984 no estádio Olímpico.
O confronto tinha uma situação peculiar. O tricolor,  após ser eliminado nas semifinais do Brasileirão de 1984, se preparava para estrear na segunda fase da Libertadores (a qual entrara direto por ser o campeão do ano anterior). O Danubio, por sua vez, já havia sido eliminado na primeira fase da mesma competição, ao ficar na terceira colocação do Grupo 4 (no qual estavam Nacional-URU e El Nacional e 9 de Octubre do Equador).
Carlos Froner, técnico do Grêmio, não pode escalar todos os atletas do seu plantel, uma vez que João Marcos, Baidek e Renato Portaluppi estavam defendendo a seleção brasileira. Os uruguaios, comandados por Óscar Tabarez, contavam com algumas figuras expressivas no seu time (Como Ruben Sosa e  o goleiro Jorge Seré, que viria a se tornar um dos heróis do mundial conquistado pelo Nacional em 1988) e saíram vencedores da partida que o jornal Zero Hora considerou “tecnicamente muito pobre”.

Fotos: Paulo Dias (Zero Hora)

Grêmio 0x1 Danubio

GRÊMIO: Beto; Raul, Leandro, Luís Eduardo e Paulo Cesar Magalhães; China, Osvaldo e Bonamigo (Valdo); Tarciso, Caio (Guilherme Macuglia) e Gilson Gênio.
Técnico: Carlos Froner
DANUBIO: Jorge Seré; ????, Javier Vega, Nelson Alaguich e Gabriel Esnal; Abraham Yeladián,  Freddy Maneiro e Daniel Martínez; Julio Lemos,  Ruben Sosa e  Jorge Yanes (Silva)

Técnico: Óscar Tabarez

Amistoso – 1984
Data: 17 de junho de 1984, domingo, 11h00min
Local: Estádio Olímpico em Porto Alegre-RS
Árbitro: Paulo Sérgio Pinto
Auxiliares: José Mocellin e Jorge Schafer
Gol: Maneiro, aos 18 minutos do 1º tempo

Quanto custou ir à Arena no Ano de 2015

January 1, 2016

Repeti trabalho  feito no ano passado e fiz um levantamento de quanto custou ir à todos jogos do Grêmio em casa no ano de 2015. 
Para tanto, levei em conta quanto quanto cada tipo de associação e setor paga por mês (com ou sem antecipação do pagamento de mensalidade), e também incluí o preço de ingressos avulsos, sem considerar descontos para estudantes e idosos (uma vez que essa questão não é fixada pelo Grêmio). E para tornar a comparação possível, considerei que o sujeito foi sempre no mesmo setor do estádio, apesar de saber que a possibilidade de variação é um atrativo do programa do sócio-torcedor.
Acabei desconsiderando as promoções que davam desconto ou gratuidades para acompanhantes ou menores de certa idade.
Os resultados são bem parecidos com o do ano passado, muito embora esse ano o sócio patrimonial/migrado/contribuinte tenha sido favorecido pelo maior número de partidas na Arena (34 em 2015, contra 31 em 2014)
Na última reunião do Conselho Deliberativo, ao ser perguntado sobre reajustes de mensalidade, o presidente Romildo Bolzan chegou a comentar que a diretoria pensou em fazer mudanças mais significativas entre os valores cobrados por setores, mas acabou optando por aplicar o mesmo percentual de reajuste para todas categorias.
Segue abaixo a o levantamento dividido por setores e por meses (clique nas imagens para ampliá-las)

No caso da arquibancada norte (Geral) vale lembrar que o levantamento em relação ao não-sócio é meramente hipotético, uma vez que em diversas partidas, como o Grenal do Brasileirão, os ingressos para o setor se esgotaram antes de que fosse aberta a venda para o público em geral.
Acho interessante que o valor total gasto pelo sócio patrimonial e o sócio-torcedor diamante seja bem próximo. Mas penso que seria até mais justo que o sócio patrimonial pagasse um valor um pouco mais alto por ter ingresso garantido no lugar mais concorrido do estádio.

Na cadeira alta Norte/Sul aconteceu um fenômeno curioso: A variação do preço do ingresso variou. E estranhamente o valor cobrado para o Grenal do Brasileirão foi mais BARATO do que o cobrado para Grêmio X Avaí marcado para um sábado às 21h.
O valor da mensalidade cobrado para este setor é o mesmo do cobrada para a geral. Imagino que poderia se pensar em cobrar um valor mais baixo (inclusive para os ingressos avulsos), considerando a maior oferta de lugares e a menor procura no momento das vendas jogo a jogo.

Nas cadeiras gramado, acabou saindo bem mais em conta a modalidade sócio-torcedor diamante.

Na cadeira gold chama a atenção o fato de que o “mensalista” acaba pagando um valor bem mais alto do que um não sócio.