Archive for November, 2016

Copa do Brasil 2016 – Atlético-MG 1×3 Grêmio

November 24, 2016

31169207526_c3bce9eeeb_k

Pouco antes do jogo começar, Renato, já na beira do campo, disse que seu time trataria de jogar quando tivesse a bola. E foi exatamente isso que o Grêmio fez. Desde o início da partida o tricolor parecia mais consciente em campo, tendo mais controle e mais volume de jogo. Claro que o domínio gremista também se explica pela falta de compactação e lentida na transição defensiva do Atlético, que praticamente atuou num 4-2-4.  Os volantes gremistas, que sabem propor o jogo, raramente foram importundados pelos jogadores de frente do Galo, e por aí começou a vitória do Grêmio. Aos 29 minutos o Grêmio teve tempo para trocar passes e posiçoes no campo de ataque. Pedro Rocha inverteu seu posicionamento com Luan e correu pelo meio, entre os dois zagueiros do adverário para receber bom passe do capitão Maicon. Com um toque o camisa 32 tirou o zagueiro Gabriel da jogada e ficou cara a cara com Victor para fazer o 1×0. O Grêmio chegou a levar um susto na bola que Marcelo Grohe se obrigou a fazer grande defesa no chute de Junior Urso, mas o tricolor seguiu melhor e seguiu tendo as melhores chances.

O Atlético não conseguiu se reencontrar durante o intervalo e logo aos 9 minutos do segundo tempo o Grêmio chegou ao 2×0. Pedro Rocha aproveitou a falta batida rapidamente por Douglas, passou pelos zagueiros e mais uma vez tocou na saída de Victor. A breve reação do Galo passou mais pela injusta expulsão de Pedro Rocha (e pelo raro erro de Geromel que deixou Gabriel livre na área para marcar o 2×1) do que por uma melhora no futebol apresentado pelos mandantes. E os 45 minutos, Geromel arrancou pela ponta direita e cruzou para Everton fazer o 3×1, o que é um placar mais condizente com o que se viu durante os 90 minutos.

ramon-lisboa-superesportes-1ramon-lisboa-superesportes-2

Renato foi muito lúcido e muito tranquilo na coletiva. Só discordei quando ele afirmou que a expulsão do Pedro Rocha foi justa. O juiz deixou de dar cartão em faltas muito mais duras do que a que rendeu o segundo amarelo para o Pedro Rocha.

Por falar na expulsão, gostei da postura dos demais atletas que foram pressionar o árbitro no momento em que ele mostrou o vermelho para Pedro Rocha.

O  patrocínio da 4all quase passou despercebido, em compensação o da Havan ficou totalmente superdimensionado, maior do que o Banrisul. É pouco crível que as duas marcas tenham pago o mesmo valor para uma exposição tão diferente.

Muito legal o clima amistoso nas cercanias do Mineirão. Espero que isso se repita na Arena no dia 30.

Nunca é demais salientar que os três gols do Grêmio foram marcados por jogadores oriundos da categoria de base.

jefferson-botega-zh
Fotos: Ramon Lisboa (Super Esportes), Lucas Uebel (Grêmio.net) e Jefferson Botega (Zero Hora)

Atlético-MG 1×3 Grêmio

ATLÉTICO-MG: Victor, Carlos César, Gabriel, Erazo e Fábio Santos; Leandro Donizete, Junior Urso (Marcos Rocha, 26’/2ºT), Cazares (Clayton, 13’/2ºT) e Maicosuel (Hyuri, 26’/2ºT); Robinho e Lucas Pratto
Técnico: Marcelo Oliveira

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Edílson, Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Ramiro (Jailson, 43’/2ºT), Douglas (Everton 35’/2ºT) e Pedro Rocha; Luan (Fred, 47’/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

Copa do Brasil 2016 – Final – Jogo de ida
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte-MG
Data: 23 de novembro de 2016, quarta-feira, 21h40min
Público: 50.586 (47.944 pagantes)
Renda: R$ 4.082.175,00
Árbitro: Péricles Bassols (PE)
Assistentes: Rodrigo Henrique Correa (RJ) e Nadine Camara Bastos (SC)
Cartões amarelos: Gabriel, Hyuri; Edílson, Pedro Rocha, Marcelo Grohe
Cartão vermelho: Pedro Rocha, aos 21 minutos do 2º tempo
Gols: Pedro Rocha, aos 29 minutos do primeiro tempo, e aos nove minutos do segundo tempo. Gabriel, aos 36, e Everton, aos 45 minutos do segundo tempo

Advertisements

Taça Brasil 1959 – Atlético-MG 1×4 Grêmio

November 21, 2016

1959-atletico-mg-1x4-acervo-historico-bc1959-atletico-mg-1x4-acervo-historico-a

Atlético Mineiro e Grêmio nunca se encontraram na Copa do Brasil, mas o primeiro o confronto entre as equipes aconteceu na primeira edição da Taça Brasil, em 1959.

Era o jogo de ida das quartas de final da competição e mesmo jogando fora de casa, no Estádio Independência, o Grêmio conseguiu uma importante vitória, de virada, por 4×1. Os gols foram assim descritos pelo jornal Diário de Notícias:

“A MARCHA DO PLACAR

Aos 13 minutos da fase inicial Calvet cometeu penalidade máxima em Alvinho que o juiz confirmou com precisão. E o “insider” com certeiro chute decretou a abertura da contagem; aos 18 – empatou o Grêmio por intermédio de uma jogada infeliz de Benito, numa bola cruzada da esquerda; quando decorriam 10 minutos da fase derradeira – Milton ~ que entrou no lugar de Rudimar (êste foi para a extrema), concluiu com raro oportunismo uma bola deixada pela seu companheiro Gessy; coube ao “ponta-de-lança” visitante – Gessy – aos 24 minutos, dilatar a contagem para três numa investida fulminante, que culminou com um chute violento; finalmente Juarez, que vinha sendo bem marcado assinalou o 4o contranste para o Grêmio, aos 32 minutos. Recebeu o comandante de Gessy e invadiu célere a área. Edgar ainda tentou fechar o ângulo mas foi tarde, porque o chute foi forte e rasteiro.
A renda foi excelente: 836.880 cruzeiros e a partida foi muito bem arbitrada pelo juiz gaúcho Artur Vilarinho.”

1959-atletico-mg-1x4-gremio-diario-de-noticias-certo
Fontes: Acervo Histórico do Grêmio, Diário de Notícias e Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense – Passado e Presente de um grande clube (Edison Pires)

Atlético-MG 1×4 Grêmio

ATLÉTICO-MG: Edgar (Veludo); William, Anísio e Haroldo; Ilton e Benito; Nilson, Tomazinho, Alvino, Luis Carlos e Moreira (Murtinho)
Técnico: Airton Moreira

GRÊMIO: Henrique; Elton, Airton e Ortunho; Sergio e Calvet; Vieira, Gessi, Juarez, Rudimar e Cláudio (Milton)
Técnico: Foguinho

Data: 18 de outubro de 1959
Local: Estádio Independência – Belo Horizonte – MG
Juiz: Artur Vilarino (RS)
Renda: Cr$ 836.880,00
Gols: Alvinho (de pênalti) aos 13 minutos e Benito (contra) aos 18 minutos do primeiro tempo. Milton*, aos 10, Gessy aos 24 e Juarez aos 32 minutos do segundo tempo.

*algumas fontes citam Gessy como autor do segundo gol do Grêmio

Brasileirão 2016 – Grêmio 3×0 América-MG

November 21, 2016

30772490400_96979d2bd6_k

Mesmo jogando com o time reserva o Grêmio passou por cima do América, fazendo o 3×0 com alguma facilidade. Destaque para Bolaños, que voltou a jogar bem depois de algumas atuações apagadas com a camisa tricolor.

Eu gosto muito dessa meia toda azul que foi usada ontem. Uma pena que ela não seja colocada a venda.

30772491260_1ffac5b85e_k
Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 3×0 América-MG

GRÊMIO: Léo; Wallace Oliveira, Fred, Wallace Reis e Iago; Kaio, Jaílson (Batista – 34’2ºT), Negueba (Sandows – 11’2ºT), Bolaños e Guilherme (Tilica – 24’2ºT); Éverton.
Técnico: Renato Portaluppi

AMÉRICA-MG: João Ricardo, Christiano Sávio, Roger, Cardoso e Bruno Teles; Juninho, Makton (Danilo – 15’2ºT), Ernandes e Tony; Nilson (Hélder – 25’2ºT) e Sávio (Michael – 30’2ºT)
Técnico: Enderson Moreira

36ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2016
Data: 20/11/2016, domingo, 17h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre – RS
Público: 12.214 (10.765 pagantes)
Renda: R$ 227.090,00
Arbitragem: Wilton Pereira Sampaio (FIFA)
Auxiliares: Fabiano da Silva Ramires (ES) e Marcio Soares Maciel (GO)
Cartões amarelos: Bruno Teles, Christian Sávio (AME)
Gols: Fred, aos 11 e Negueba, aos 24 minutos do primeiro tempo e Bolaños, aos 19 minutos do segundo

Brasileirão 2016 – São Paulo 1×1 Grêmio

November 18, 2016

9623_crop_galeria9625_crop_galeria

Apesar do promessa de foco no Campeonato Brasileiro, ficou nítido que o Grêmio entrou em campo no Morumbi sem a mesma intensidade vista na Copa do Brasil. Logo aos 11 minutos o São Paulo saiu na frente, numa jogada iniciada em um bom lançamento de João Schmidt. Wallace Reis não afastou a bola e não travou o avanço de Chavez e Marcelo Grohe saiu do gol precipitadamente, facilitando o trabalho do avante são-paulino, que tocou por cobertura.

O Grêmio tinha mais posse de bola, tentava articular jogadas, mas afunilava demais o jogo. Os jogadores de lado eram pouco acionados (e isso já tinha acontecido no jogo de volta contra o Cruzeiro) . Numa das raras vezes que isso aconteceu, Ramiro entrou em diagonal na área, onde recebeu bom passe de Douglas e empatou o jogo.

9492_crop_galeria
Fotos: Rubens Chiri (São Paulo F.C.)

São Paulo 1×1 Grêmio

SÃO PAULO: Denis; Buffarini, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; Thiago Mendes (Hudson 22′ 2ºT), João Schmidt, David Neres, Cueva e Luiz Araújo (Carlinhos 26′ 2ºT); Chavez
Técnico: Ricardo Gomes

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson (Jailson 31′ 2ºT), Geromel, Wallace Reis e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Ramiro, Douglas e Pedro Rocha (Everton 17′ 2ºT); Luan (Batista 46′ 2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

35ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2016
Data: 17 de novembro de 2016, quinta-feira, 19h30min
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo-SP
Público: 21.923
Renda: R$ 276.590,00
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Alessandro Rocha Matos (BA) e Elicarlos Franco de Oliveira (BA)
Cartões amarelos: Buffarini, Luiz Araújo, Chavez, Walace, Wallace Reis
Gols: Chavez, aos 11 do 1º tempo e Ramiro, aos 21 do 2º tempo)

Eleição para Presidente – 2016

November 16, 2016

No sábado, dia 12 de novembro, aconteceu a eleição para a Presidência do Grêmio.  6.602 sócios votaram (2.101 presencialmente e 4.501 pela internet). O resultado foi o seguinte:

– A Chapa 1 de Romildo Bolzan Jr obteve 5.605 votos (85,3%)
– A Chapa 2 de Raul Mendes da Rocha obteve 963 votos (14,7%)
– Foram registrados 6 votos em branco e 28 votos nulos.

Assim Romildo Bolzan Jr terá mais três anos de mandato, tendo como seus vices Adalberto Preis, Claudio Oderich, Duda Kroeff, Marcos Herrmann, Paulo Luz e Sergei Costa.

Apenas como curiosidade: Romildo Bolzan fez 87,4% contra 12,2% de Raul nos votos pela internet. E nos votos presenciais Romildo fez 79,4% contra 19,7% de Raul.

Mais uma vez o baixo número de votantes chamou a atenção. Apesar do menor número de habilitações de votos pela internet (7.500 em setembro contra 6.400 em novembro), houve um leve aumento (de 0,3% ou de 147 votantes)  no comparecimento  na comparação com a eleição para o Conselho Deliberativo realizada em setembro. Mas o comparecimento foi menor, tantos em termos percentuais como também em números absolutos, do que as eleições para Presidente em 2012 e 2014 e do que a eleição para o Conselho Deliberativo de 2013 (quando não havia voto por internet).

Resta saber se este baixo número  de votantes se justifica pelo “desinteresse” em geral pela política (que se verifica até na eleição para Presidente dos Estados Unidos da América) ou se explica por alguma característica própria do processo democrático do clube.

Eleição sem debate

November 11, 2016

A Chapa 1 se mantém afastada dos debates eleitorais como forma de garantir a harmonia indispensável ao clube neste dias que antecedem a disputa em campo

É irrelevante daqui para frente fazermos debates que possam comprometer a qualidade da preparação para a final. Daqui para frente, qualquer conceito não será debater o clube publicamente

A ausência de debates vai contra os interesses do clube. Se não querem debater, não deveriam nem marcar a eleição

Estranho muito essa fuga do debate do presidente. Faço o desafio para que ele venha debater para que os conselheiros sejam esclarecidos

É clara a diferença de entendimento entre as duas primeiras e as duas últimas frases transcritas acima. Mas elas foram ditas por pessoas que integram a mesma Chapa na eleição do próximo sábado.  As duas primeiras são do Presidente Romildo Bolzan, em 2016 e as duas últimas são do Vice-Presidente Adalberto Preis, em 2000 (quando então era candidato a presidente pela oposição).

Entendo que eventual mudança de entendimento possa ser encarada como algo salutar, desde que acompanhada de alguma justificativa concreta e não por mera conveniência. A pertinência ou não de debates me parece ser uma questão essencialmente conceitual, sendo difícil imaginar quais seriam as circunstâncias que explicariam uma mudança neste tema. Eu acho que o debate é tão ou mais importante hoje do que era no 2000.

Tenho a impressão que as discussões no Grêmio, de um modo geral, são bastante rasas. Não é raro que argumentos mais elaborados sejam atropelados por sofismas e falácias. A supressão de debates em períodos eleitorais, com base na tese infundada de “não atrapalhar o time” , só tende a piorar esse cenário.

O momento na cidade, no estado, no país e no mundo, é complicado para falar em política. Entendo o cansaço e a desilusão que muitos tem com o processo democrático, mas acredito que a frase de Churchill de que “a democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempo” segue sendo válida. E democracia não pode se resumir a realização de eleições. E uma eleição não pode se resumir em uma votação para referendar mandatos. A importância do debate vai muito além da possível influência no resultado da votação.

O debate é a melhor oportunidade de um diálogo direto entre os candidatos. Um boa oportunidade também de diálogo entre os eleitores e os candidatos. Uma oportunidade da situação fazer um balanço das suas ações, de mostrar seus avanços e também ter um pouco de autocrítica. Uma oportunidade da oposição ser ouvida em suas críticas e sugestões. Uma oportunidade dos candidatos assumirem alguns compromissos públicos. Sem debate, todas essas oportunidades serão perdidas.

Ocorreram debates entre os candidatos a presidência do Grêmio em todas as eleições desde que foi implementada a votação direta para presidente em 2004. É uma pena que essa tradição seja rompida. É uma pena que não teremos discussões sobre check-in, sobre valores de ingressos e mensalidades, sobre o tratamento dispensado ao sócio torcedor, sobre as promoções que privilegiam o não-sócio, sobre a queda nas receitas de marketing, sobre a falta de investimento na base, sobre transparência, sobre o excesso de personalismo na comunicação do clube, sobre o fato de informações oficiais do Grêmio serem divulgadas antes (quando não somente)  em contas pessoas de dirigentes, sobre política de futebol. É uma pena.

Atualização sobre as reuniões do Conselho Deliberativo

November 10, 2016

Ocorreram 3 reuniões desde a eleição que renovou a metade do Conselho Deliberativo no dia 24 de setembro.

A primeira foi realizada no dia 18 de outubro, para eleição e posse do Presidente e do Vice-Presidente do Conselho Deliberativo.”Carlos Biedermann, candidato representante da Chapa 2, tendo Alexandre Bugin ao seu lado, como vice-presidente, obteve 164 votos contra 154 de Gabriel Fadel, candidato da Chapa 1, com Juliano Ferrer como vice“. Votei na chapa 2, de Biedermann e Bugin, por entender que era a mais capacitada para enfatizar a função de fiscalização, transparência e governança do Conselho Deliberativo.

A segunda reunião aconteceu no dia 25 de outubro e tinha a finalidade de “aprovação prévia das chapas concorrentes à eleição do Conselho de Administração“. Duas chapas estavam inscritas.  A chapa 1 é encabeçada por Romildo Bolzan Jr. como presidente, tendo como vices  Adalberto Preis, Claudio Oderich, Duda Kroeff, Marcos Herrmann, Paulo Luz e Sergei Costa. A chapa 2 é encabeçada por Raul Mendes da Rocha como presidente, tendo como vices Adalberto Aquino Filho, Airton Ruschel, Fabio Koff Junior, Jorge Bastos, Omar Selaimen e Pierre Gonçalves. A chapa 1 fez 160 votos (56,9%), enquanto a  Chapa 2, fez 117 votos (41,6%). Foram registrados ainda dois votos nulos e dois votos em branco. Eu sigo entendendo que não deveria existir esse primeiro turno dentro do conselho. Continuo sendo contrário a forma que a cláusula de barreira funciona nas votações do Grêmio. Em função disso e por entender que é fundamental a existência de contraditório no clube eu votei na Chapa 2. Entendo que a gestão Romildo está longe de ser uma unanimidade e não conseguiu fazer o que propunha. Da mesma forma entendo que a atual gestão não teve êxito em agregar pessoas diferentes e congregar esforços para o clube, tendo inclusive perdido parte da sua base de apoio inicial, sendo demasiadamente refratária as ideias que vem “de fora” (quando não agressiva com que tenta propor ideias). Assim acredito ser fundamental que algumas discussões sejam feitas através da eleição e que o sócio tenha uma alternativa de escolha no dia da votação.

A terceira reunião aconteceu em 31 de outubro e tinha como ordem do dia “Examinar os demonstrativos contábeis e financeiros do terceiro trimestre de 2016“. E aqui entra uma questão complicada. A notícia publicada no site do clube sobre essa reunião é por demais incompleta. E não é a primeira vez que isso acontece. Nestas reuniões, os números são apresentados pelo presidente do clube e pelo CEO. Na sequência é apresentado o parecer do Conselho Fiscal  (lido por um dos seus integrantes) e um relatório da Comissão de Finanças (também apresentado por um dos seus integrantes). Não há menção a estes relatórios ou as pessoas que fizeram estas apresentações, mas estranhamente as presenças dos vice-presidentes, chefe de gabinete e dos secretários da presidência do clube são referidas. Os números apresentados na notícia são poucos, quase aleatórios, insuficientes para preencher qualquer critério de transparência. Não há esclarecimento se a receita do quadro social está acima ou abaixo do orçado para o período. Não há referência se as despesas do futebol estão acima ou abaixo do orçado. Não há referência se as luvas recebidas pela renovação com o contrato com a Rede Globo influenciam ou não no resultado do período. Vou cobrar e trabalhar para que a comunicação do Conselho Deliberativo  seja mais eficiente.

Brasileirão 2016 – Grêmio 0x3 Sport Recife

November 8, 2016

2016-gremio-0x3-sport-2

Esse 3×0 pro Sport foi a pior derrota do Grêmio na história da Arena. Ainda assim não houve grande revolta no pós jogo. Parece claro que o real impacto desse resultado só vai poder ser devidamente mensurado após as finais da Copa do Brasil lá. Até lá o debate sobre a pertinência de poupar os jogadores ou usar força máxima para  buscar o G6 no Brasileirão vai ser inconclusivo.

Alguns jogadores tiveram atuações inaceitáveis mesmo considerando o “relaxamento involuntário” do grupo. Wallace Oliveira e Henrique Almeida poderiam acrescentar mais em virtude da rodagem que possuem.

Que fardamento pavoroso esse do Sport.

2016-gremio-0x3-sport-1
Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 0x3 Sport Recife

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Wallace Oliveira, Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Walace, Jaílson, Pedro Rocha (Guilherme, 35’/2ºT), Douglas e Negueba (Batista, Intervalo); Henrique Almeida (Ty Sandows, Intervalo)
Técnico: Renato Portaluppi

SPORT: Magrão; Apodi (Serginho, 40’/2ºT), Matheus Ferraz, Ronaldo Alves e Renê; Ronaldo (Rodrigo Mancha, 15’/2ºT), Neto Moura, Diego Souza e Everton Felipe; Rogério (Reinaldo Lenis, 24’/2ºT) e Ruiz
Técnico: Daniel Paulista

34ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2016
Data: 7/11/2016, segunda, 20h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre – RS
Público: 12.444 (10.845 pagantes)
Renda: R$ 231.845,00
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (FIFA-PA)
Auxiliares: Márcio Gleidson Correia Dias (PA) e Hélcio Araújo Neves (PA)
Cartões amarelos: Negueba, Walace, Geromel e Kannemann (GRE); Matheus Ferraz, Neto Moura e Apodi (SPT)
Gols: Diego Souza, aos 44 minutos do primeiro tempo; Rogério, aos 2 minutos dois e Diego Souza aos 44 minutos do segundo

Confrontos Grêmio Vs Sport pelo Brasileirão

November 7, 2016

1993
Postei algumas imagens de partidas que o Grêmio recebeu o Sport Recife pelo Brasileirão no Tumblr.

Acima temos uma foto de Roberto Scola (do Diário Catarinense), do lateral Itá na vitória de 2×1 do Grêmio no Brasileirão de 1993. O jogo foi disputado no estádio Orlando Scarpelli em Florianópolis, uma vez que o Olímpico estava interditado em função dos tumultos no jogo contra o Santos. O público foi de 4.447 pagantes

Abaixo temos fotos publicadas na Zero Hora (Luiz Ávilla, Juan Carlos Gomez e Antônio Carlos Mafalda foram os fotógrafos que trabalharam na partida) de Tita marcando o gol da vitória no Brasileirão de 1983. O público foi de 38.203 pagantes

1983-sport-tita1983-sport-tita2
——————————————–

1994-brasileirao-gremio-1x1-sport-jeferson-osias-copia-ronaldo-bernardi-zh

Acima temos uma foto (de Ronaldo Bernardi da Zero Hora) do empate em 1×1 pelo Brasileirão de 1994. No lance vemos o goleiro Jeferson e o centroavante Osias. O público foi de 15.597 (11.830 pagantes)

Abaixo temos uma foto, também da Zero Hora, da vitória do Grêmio por 1×0 no Brasileirão de 1976.

1976

Copa do Brasil 2016 – Grêmio 0x0 Cruzeiro

November 3, 2016


Mesmo jogando em casa, o Grêmio ignorou os apelos vindos das arquibancadas cheias e adotou uma postura pragmática, praticamente não se expondo durante os 90 minutos que faltavam para chegar a final. O tricolor fez o que tinha de fazer para manter a boa vantagem que conquistou no Mineirão. Ao assim proceder, o time pode ter eventualmente frustrado quem queria ver um jogo mais movimentado, mas o fato do Cruzeiro ter tido somente uma chance clara de marcar (o chute no travessão de Ariel Cabral aos 22 minutos) dá uma boa mostra da maturidade que os atletas gremistas demonstraram na partida.

Kannemann e Geromel mais uma vez transmitiram muita segurança. E Maicon voltou a ter uma atuação parecida com as que tinha em 2015.

img_6229b
IMG_6225.JPG

Sei que a gangorra é um elemento importante da rivalidade, mas não consigo entender porque alguém se dispõe a ir até o estádio para passar o jogo inteiro preocupado com o resultado da partida do co-irmão que se desenrolava simultaneamente. E não foram poucas pessoas que fizeram isso. Dava pra notar claramente no estádio a diferença no ânimo de boa parte da torcida conforme saiam os gols de Atlético e Inter.

Considerando o horário não imaginava que o publico total fosse chegar tão próximo do público do último Gre-Nal. E esse foi o quinto maior público pagante nos 80 jogos que o Grêmio fez em casa desde a primeira edição da Copa do Brasil.

img_6240img_6241

Deu pra notar vários assentos vazios nas cadeiras gramado, apesar de ter sido anunciado que só haviam ingressos para os camarotes.

Média de público do Grêmio no ano: 23.430 (21.286 pagantes)
Média de público do Grêmio na Copa do Brasil 2016: 30.954 (28.160 pagantes)

img_6309img_6310

Grêmio 0x0 Cruzeiro

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Ramiro (Jailson, 28’/2ºT), Douglas (Rafael Thyere, 46’/2ºT) e Pedro Rocha (Éverton, 12’/2ºT)); Luan
TÉCNICO: Renato Portaluppi

CRUZEIRO: Rafael, Lucas Romero, Léo, Bruno Rodrigo e Edimar; Henrique, Ariel Cabral, Robinho (Ábila, 21’/2ºT) e De Arrascaeta (Rafael Sóbis, 14’/2ºT) ; Alisson e Willian (Alex, 29’/2ºT)
TÉCNICO: Mano Menezes

Copa do Brasil 2016 – Semifinal – Jogo de volta
Data: 2 de novembro de 2016, quarta-feira, 21h45min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 52.363 (47.687 pagantes)
Renda: R$ 1.708.865,00
Árbitro: Thiago Duarte Peixoto (SP)
Assistentes: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (FIFA-SP) e Danilo Ricardo Simon Manis (SP)