Supercopa 1997 – Grêmio 3×2 Estudiantes

by
el dia estudiantes casa a

Fonte: El Dia

O último confronto entre Grêmio e Estudiantes em Porto Alegre aconteceu em outubro de 1997, no Estádio Olímpico, pela 5ª rodada do Grupo 4 da Supercopa daquele ano. O tricolor venceu por 3×2,  resultado que lhe deixou com chances de classificação na última rodada (onde o Grêmio acabou derrotado pelo Atlético Nacional em Medellin).

Nas matérias transcritas abaixo me parece válido explicar que o a manchete “Beto marca um gol de Tinga” faz referência ao gol marcado pelo Tinga contra o Sport Recife pelo Brasileirão em agosto daquela mesma temporada.

1997 Gremio 3x2 Estudiantes Djair ZH Fernando Gomes

Foto: Fernando Gomes (Zero Hora)

GRÊMIO VENCE E RECUPERA A DIGNIDADE
A equipe de Hélio dos Anjos mostrou bom futebol e afastou a ameaça de rebaixamento também na Supercopa.

Os gremistas respiram mais aliviados. Depois de afastar o rebaixamento no Brasileirão no final de semana, a equipe barrou o fantasma do descenço na Supercopa e passou a vice-liderança do Grupo 4, com seis ponto. A vitória sobre o Estudiantes por 3 a 2, ontem à noite, serviu também para reforçar a auto- estima. O Grêmio mostrou um bom futebol e começa a relegar a má fase que torturou os torcedores desde o início do semestre. No dia 30, a equipe enfrentará o Nacional, em Medelín,  na última rodada da primeira fase. 

Mais de 4 mil corajosos torcedores enfrentaram o frio,  o vento gelado e compareceram ao Olímpico. Os minutos que antecederam a partida foram, no mínimo, divertidos. Os argentinos trouxeram apenas um uniforme e provocaram uma celeuma dentro de campo, O arbitro ordenou que fossem trocados os calções pretos. iguais aos do Grêmio. Impossível. Os reservas adormeciam na rouparia do clube em La Plata. Foram cinco minutos de discussões. Até que Guilherme irrompeu no círculo e sugeriu: “Vamos assim mesmo!” O árbitro aceitou, correu em direção ao meio do campo, mas parou Danrlei, assim como os argentinos, vestia camiseta branca. Então o goleiro desceu ao vestiário, vestiu uma chamativa camiseta azul e, finalmente, a partida começou.

O Grêmio parecia ansioso em sepultar a má fase. Foram muitos passes, lançamentos e chances de gols desperdiçados. Mas insuficientes para irritar os gremistas. Eles seguiam à risca as recomendações passadas pelo presidente Luiz Carlos Silveira Martins. Nenhuma vaia ou manifestação ecoou nas dependências quase abandonadas do Olímpico. O comportamento exemplar foi premiado. Aos 31, Arce cruzou para Guilherme, que mergulhou e marcou o primeiro gol.

O segundo tempo valeu pelo jogo. Aos 16 minutos, Guilherme aparou um cruzamento de Beto e ampliou a vantagem. Aos 30 minutos. Beto propiciou o principal espetáculo, marcando um golaço. O Estudiantes esboçou reação e marcou através de Furiga, aos 33. Em seguida. Villarreal agrediu Goiano e armou-se uma grande confusão  dentro de campo. Transtornado, Danrlei interveio na confusão. Houve desconcentração e ele tomou um frango escandaloso, aos 46 minutos, em uma falta cobrada por Ramos da intermediária. Mas nada que ameaçasse a recuperação do Grêmio.” (Zero Hora – 23 de outubro de 1997)

BETO MARCA UM GOL DE TINGA
O Grémio abriu as burras e desembolsou US$ 4,6 milhões para retirar Beto do Napoli. Contratação recorde no futebol gaúcho. Beto foi recepcionado com festa no aeroporto e imediatamente colocado em campo para solucionar os problemas do meio-campo da equipe. Passaram-se vários jogos e nada de repetir as grandes atuações dos tempos de Botafogo e Seleção Brasileira. Assusta-do com as péssimas atuações do craque, o técnico Hélio dos Anjos chamou-o para uma conversa reservada antes do jogo contra o Atlético-MG. Pronto. As palavras do treinador foram magicas. Desde o confronto com os mineiros, o meia se transformou no grande nome do time. “Estou soltando e quero chegar à Seleção novamente”, festejou Beto.

Ontem, contra os Estudiantes, Beto foi perfeito. Correu por todas as partes do campo com o fôlego de fundista queniano, atacou com a velocidade de um corredor dos 100 metros rasos e marcou um golaço. daqueles de receber homenagem em placa de metal. Foi aos 30 minutos do segundo tempo, em alta velocidade e sempre acossado por um argentino. Beto recebeu a bola na intermediária, driblou Scaloni, deu uma “janelinha” em Leonardo Ramos, venceu novamente Scaloni, caiu no gramado, levantou-se e encobriu o goleiro Bóssio com um toque preciso. “O Beto deslanchou e está preenchendo a nossa expectativa”, comemorou Hélio.

O meia fizera uma jogada semelhante no primeiro tempo, mas teve azar concluindo para fora. “Estou no mesmo nível dos tempos de Botafogo”, avaliou depois da partida, enquanto escutava os sucessos da dupla Claudinho e Bochecha no seu reluzente Chrysler Neon conversível.” (Zero Hora – 23 de outubro de 1997)

1997 Gremio 3x2 Estudiantes Guilherme ZH Fernando Gomes

Foto: Fernando Gomes (Zero Hora)

GRÊMIO AINDA RESPIRA NA SUPERCOPA 
Time faz 3 a 2 no Estudiantes, escapa do rebaixamento e ainda tem algumas chances de classificação para a fase semifinal

O Grêmio venceu o Estudiantes de La Plata por 3 a 2, ontem à noite, no estádio Olímpico, e escapou do rebaixamento na Supercopa dos Campeões da Libertadores, subindo para 6 pontos, dois atrás do líder, Peñarol. Guilherme fez dois e Beto, destaque do jogo, marcou o terceiro. Depois, o Estudiantes deu um susto, marcando dois gols.

O time argentino até que fez uma marcação forte no meio de campo, mas isso não impediu que o Grêmio encontrasse o caminho do gol. Logo aos 2 minutos, Beto invadiu a área e perdeu grande oportunidade. Cinco minutos depois, Djair aparou escanteio com o pé direito, mas Rojas tirou de cima da risca com o goleiro batido.

Depois disso, o Estudiantes equilibrou o jogo, mas continuou sem ameaçar Danrlei. O Grêmio diminuiu o ritmo, sentindo a marcação mais firme, e só melhorou com o crescimento de Dinho e Djair, já que Beto e Sérgio Manoel mantinham uma movimentação irregular. Aos 23, Beto tabelou com Guilherme e perdeu outro gol. Se os companheiros erram, o goleador gremista não perdoa. Aos 31, Arce cruzou na medida da direita e Guilherme, de ‘peixinho’, mandou para a rede: 1 a 0.

No segundo tempo, o Grêmio continuou dominando, pressionando em busca do segundo gol. Aos 8, Guilherme concluiu e Bossio tirou a bola de dentro, atrás da linha da goleira. O árbitro, no entanto, não sinalizou o gol, apesar dos protestos dos jogadores e da torcida. Aos 16, Guilherme voltou a marcar e, dessa vez, o gol foi validado. Beto cruzou com perfeição e o goleador cabeceou para fazer 2 a 0. Aos 30, Beto fez grande jogada, driblando dois argentinos e desviando do goleiro para marcar 3 a 0. Aos 33, Furiga aproveitou descuido de marcação e fez 3 a 1. Goiano e Villa Real foram expulsos depois de uma briga. A dois minutos do final, Catan bateu falta e fez o segundo, na falha de Danrlei.” (Correio do Povo – 23 de outubro de 1997)

1997 10 23 CORREIO DO POVO

Grêmio 3×2 Estudiantes

Grêmio: Danrlei; Arce, Rivarola, Éder e Róger; Dinho, Djair, Beto (Tinga) e Sérgio Manoel; Gilmar e Guilherme (Luís Carlos Goiano)
Técnico: Hélio dos Anjos

Estudiantes: Bossio; Zapata, Ramos, Quatrocchi e Rojas; Ledesma (Massuco), Alajes (Catan), Scaloni e Villareal; Romeo e Simoni (Furiga)
Técnico: Eduardo Cordoba

Supercopa 1997 – Grupo 4 – 5ª Rodada
Data: 22 de outubro de 1997, quarta-feira, 21h40min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 4.114 pagantes
Renda: R$ 21.798,00
Árbitro: Renê Ortube (Bolívia/FIFA)
Assistentes: Juan Luna e Juan Arroyo
Cartões Amarelos: Gilmar, Arce e Éder, Leonardo Ramos, Scaloni e Villareal
Cartões Vermelhos: Goiano e Villareal
Gols: Guilherme aos 31 minutos do primeiro tempo; Guilherme aos 8 minutos, Beto aos 30 minutos, Furiga aos 33 minutos e Ramos aos 46 minutos do segundo tempo

Advertisements

One Response to “Supercopa 1997 – Grêmio 3×2 Estudiantes”

  1. Confrontos entre Grêmio e Estudiantes em Porto Alegre | Grêmio1983 Says:

    […] Amistoso em 1948 – Grêmio 2×0 Estudiantes – Público: 6.696 (5.107 pagantes) Amistoso em 1952 – Grêmio 1×1 Estudiantes – Público: 8.020 pessoas Libertadores de 1983 – Grêmio 2×1 Estudiantes – Público: 24.544 pagantes Supercopa 1989 – Grêmio 0x1 Estudiantes – Público: 14.040 pagantes Supercopa 1990 – Grêmio 1×0 Estudiantes – Público: 15.103 pagantes Supercopa 1997 – Grêmio 3×2 Estudiantes – Público: 4.114 pagantes […]

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.


%d bloggers like this: