Gauchão 1960 – Inter 1×5 Grêmio

by
1960 cp vieira

Foto: Correio do Povo

No primeiro turno da etapa metropolitana do Gauchão de 1960 o Grêmio venceu o Inter por 5×1 nos Eucaliptos. Foi o famigerado classico onde os dirigentes gremistas prometeram, no intervalo do jogo, dobrar o bicho caso a diferença de gols em favor do tricolor fosse dobrada(o primeiro tempo tinha encerrado em 3×1)

Esse bicho de vinte mil cruzeiros equivaleria a cerca de quatro mil reais nos dias de hoje.

Há uma divergência nas fontes históricas sobre os autores dos gols gremistas.

O Diário de Notícias, os livro “A História dos Grenais” e “História do Grêmio, passado e presente de um grande clube” e a Revista Grêmio 70 n.º6 creditam o segundo gol do Grêmio à Juarez. Contudo, o Correio do Povo, o Jornal do Dia e a Revista do Grêmio -Ano V – nº 28 – afirmam que o gol foi de Marino. A questão é saber se a bola ja havia entrado antes de Juarez apanhar o rebote do chute de Marino.

Interessante notar que os jornais da época escalam o Grêmio no WM, colocando Enio Rodrigues ao lado e Elton e posicionando Milton num “quinteto ofensivo. Por tudo que li sobre esse time do Foguinho, acho que o mais adequado seria a escalação no 4-2-4 com Enio Rodrigues na zaga e Milton mais proximo de Elton no meio campo.

1960 cp gol inter

Foto: Correio do Povo

GRÊMIO EM ESPLÊNDIDA ATUAÇÃO VENCEU O INTERNACIONAL NOS EUCALIPTOS: CINCO A UM

O quadro vencedor foi uma máquina e dominou completamente o seu adversário o, principalmente na fase derradeira — Juarez (2), Marino, Gessi e Vi marcaram para os tricolores — Ivo Diogo, autor do único tento dos rubros — Vitória do Internacional nos aspirantes: 2 x 1— Renda recorde nos Eucaliptos: Cr$ 1.588.050,00

A vitória do Grêmio sobre o Internacional, domingo, foi justa e merecida. O quadro tricolor, desde os primeiros minutos da contenda evidenciou melhor classe e padrão de jogo, dominando completamente as jogadas e a cancha. O resultado final foi 5 a 1, como podia ter sido maior, devendo-se a Silveira, numa tarde de gala, esse resultado. O Grêmio, depois.do empate da contenda, passou a dominá-la mais flagrantemente, infiltrando-se na defesa do Internacional como queria e desejava. O sexteto defensivo dos colorados, salvo o arqueiro, esteve apático, perdido. Sua meia-cancha foi batida irremediavelmente. Vilmar voltou a claudicar, apesar da confiança do treinador Teté. Nesse setor, residiu o maior fracasso dos rubros. Osmar e Louro estiveram sempre ausentes, notadamente Louro. Pelo seu lado Marino entrava com facilidade espantosa, abrindo desde o começo do embate o caminho para a goleada. Kim batalhou bastante, mas acabou perdido com os demais companheiros. Zangão foi outro elemento negativo na tarde de domingo. Vi esteve à vontade e inclusive levou o Grêmio para os ataques. Outro elemento ausente no ataque rubro foi Paulo Vecchio. O “guri” inventou de passar por Airton e por consecutivas vezes não conseguiu o seu intento. Entrou no gramado para dominar o atlético zagueiro tricolor e foi até o fim do prélio sem poder realizar nada de aproveitável. Alfeu, esforçado, e Ivo Diogo fêz o primeiro tento da tarde.

Deraldo foi negação, completamente dominado por Figueiró. Pulou multo durante o jogo, fêz “piruetas” em vão e nada de consistente apresentou para o seu quadro. Do onze internacionalista, apenas Silveira pode ser destacado. Os demais foram figuras quase apagadas, notadamente depois da fulminante reação do Grêmio. Antes, ainda alguns atletas do Internacional fizeram alguma coisa. Depois, nada de aproveitável realizaram no gramado. Foi, talvez, dêsses últimos tempos, o Gre-Nal mais fácil para os tetracampeões. Nos fêz lembrar aqueles vários anos de supremacia dos colorados, no futebol metropolitano.

O quadro gremista esteve quase como uma máquina. Tanto é assim, que o golo do Internacional não perturbou a equipe tricolor, que recebeu o contraste naturalmente. Ao em vez de cair, de “achicar-se”, o Grêmio redobrou suas energias, subindo de produção e alcançando urna vitória das mais contundentes sôbre seu adversário. Suas linhas agiram muito bem e Suli, a rigor, não foi empregado a fundo. Fêz algumas defesas, é verdade, mas não foram de molde a exigi-lo demasiadamente. O tento de Ivo Diogo foi surpreendente. O atacante colorado atirou bem, de esquerda, sôbre o canto direito de Suli, batendo-o irremediavelmente. Airton e Ortunho estiveram bem, marcando com precisão. Figueiró dominou sua ala e Elton não parou um instante, levando seus companheiros à luta. Enio Rodrigues atendeu bem o seu setor, demonstrando coesão e segurança. O ataque todo foi uma só peça: esteve explêndido. Com Juarez no centro, os cinco dianteiros fizeram um bom trabalho de deslocamentos, dominando completamente a defensiva colorada. Esse domínio se fêz sentir mais na segunda fase, quando os artilheiros do Grêmio, inclusive, exibiram um futebol como há muito não o faziam. Serenos e produtivos, os cinco atacantes do Grêmio deram uma boa exibição de futebol ao grande público que compareceu aos Eucaliptos. Assim, a rigor, a vitória do Grémio foi justa e liquida. Foi melhor quadro. Teve mais presença no gramado e acima de tudo atirou-se à luta para vencer. E não fosse o Silveira, talvez o resultado tivesse sido bastante maior. O arqueiro salvou pelos menos 4 tentos certos. A conquista, assim, foi do melhor quadro, do melhor conjunto e de quem realmente jogou com sangue e apetite. O Grêmio demonstrou maior coesão e entendimento em suas linhas.

OS SEIS TENTOS DA TARDE

O primeiro tento da tarde foi marcado aos 14 minutos. Foi seu autor o ponta-de-lança Ivo Diogo. O atleta colorado entrou pelo centro, depois de receber de Paulo Vecchio. De pé esquerdo, atirou canto direito do arco confiado a Suli.

Aos 30 minutos surgiu o empate. Juarez foi o autor do tento. Gerou-se uma. confusão frente ao arco de Silveira e surgiu Juarez, para atirar inapelavelmente.

Aos 38 minutos, Marino colocou o Grêmio em vantagem. O ponteiro direito, que agiu com facilidade no seu setor, pois Louro nunca lhe atacou, entrou para o centro, derivando para a esquerda. Daí, sem ângulo, atirou forte. A pelota bateu no travessão e ganhou às rêdes. Juarez, que vinha no lance, completou a jogada e o tento.

Dois minutos depois, coube a Gessi aumentar o marcador para, três, numa jogada explêndida dentro da área colorada. O couro, atirado por Milton, foi de encontro ao travessão, voltando ao gramado. Gessi, atento à jogada, colocou inteligentemente a bola nas rêdes de Silveira. E com 3×1, finalizou a primeira fase do grande embate.

No tempo derradeiro mais dois tentos assinalou o Grêmio. O primeiro por intermédio de Vi, aos 25 minutos dêsse tempo. Foi um tento de “garra” do ponteiro tricolor. Encerrando a contagem, aos 43 minutos, Juarez marcou o último tento da tarde. O centroavante tricolor entrou na área, jogou o corpo para todos os lados, enganou dois adversários e atirou certeiro. Era o último tento da partida, que chegou ao seu final com o resultado de 5×1.

FORMAÇÃO DOS DOIS QUADROS

Os dois quadros atuaram assim formados:

GRÊMIO: Suli: Figueiró, Airton e Ortunho: Elton e Enio Rodrigues; Marino, Gessi, Juarez, Milton e Vieira.

INTERNACIONAL Silveira, Zangão, Osmar e Louro (Ezequiel, quando transcorriam 39′ da 1.a etapa); Kim e Barradinhas; Alfeu, Ivo Diogo, Paulo Vecchio, Vilmar e Deraldo.

BOA ATUAÇÃO DE CLINAMULTE

Dirigiu a contenda, o árbitro baiano Clinamulte Vieira França. Seu trabalho agradou. Esteve sereno e preciso na marcação das faltas. Acompanhou bem as jogadas e dominou a partida. Boa estréia. Por outro lado, a parte disciplinar do embate cooperou para o seu excelente trabalho. Os dois quadros, salvo pequenos senões, comportaram-se com lealdade e disciplina.

PRELIMINAR

Preliminarmente jogaram as equipes de aspirantes. O Internacional, com um esquadrão jovem e cheio de vontade, foi o vencedor por dois a um, tentos de Oli. Para o Grêmio converteu o centromédio Sérgio. Foi um embate disputado e cheio de ótimos lances. Djalma Moura foi o árbitro, com excelente trabalho. Os dois quadros disputaram esse jogo assim constituídos:

INTERNACIONAL – Beno: Joel, Poleto e Dilson: Cláudio e Danúbio; Zózimo, Oli, Paulo Berg e Sepe.

GRÊMIO – Raul; Machado, Mala e Léo; Sérgio e Altino; Adroaldo, Cardoso, Joãozinho, Newton e Volnei.

RENDA RECORDE NOS EUCALIPTOS

A renda atingiu a apreciável soma de Cr$ 1.588.050,00. Foi arrecadação recorde nos Eucaliptos. “(Correio do Povo, terça-feira, 23 de agosto de 1960)

5X1 NÃO DIZ TUDO: DIFERENÇA DE CATEGORIA FOI PASMOSA

Grêmio: Que Time! Que Futebol! Que Colosso!

Equipe tricolor maravilhou o enorme público presente (1.588.050,00 cruzeiros) praticando um futebol perfeito, de ouro 18 quilates — Internacional “bombardeado” do início ao fim — Juaraz (3), Gessy e Vieira marcaram para o Grêmio, tendo Ivo Diogo descontado (abrindo o escore…) – Grande arbitragem do baiano Clinamulte França.

GRÊMIO BRINCOU DE ‘GATO E RATO’ COM O INTERNACIONAL

(Diário de Notícias, terça-feira, 23 de agosto de 1960)

“GRÊMIO, NOS EUCALIPTUS, DESMONTOU PEÇA POR PEÇA A EQUIPE ARMADA LABORIOSAMENTE POR TETÉ: 5X1
Marcaram para o Grêmio: Juarez (2), Gessi, Marino e Vieira — Os colorados arrancaram na frente, com um tento de Ivo Diogo, mas não resistiram a avalanche tricolor — Apenas Silveira se salvou no onze rubro, rubricando uma grande atuação – Boa estréia do baiano Clinamulte Vieira França – Arrecadação recorde: Cr$ 1.588.050,00

[…]

“O bicho do Grêmio pela vitória no Grenal já estava estipulado: Cr$ 10.000,00. No caso do escore chegar a cinco tentos o bicho subiria para vinte mil cruzeiros. […] Como se viu, tudo estava previsto no Grêmio – até mesmo a goleada por 5 tentos”

” (Jornal do dia, terça-feira, 23 de agosto de 1960)

“Pagando o ingresso mais caro do Brasil, uma imensa multidão tomou de assalto o Estádio dos Eucaliptos, avido por assistir as emoções do Grenal de número 153. E o resultado foi esse: renda recorde em Grenais, com uma arrecadação de Cr$ 1.588.050,00.

– O <Bicho> dos gremistas foi excepcional, também recorde nos clássicos: Cr$ 20.000,00. O prêmio oferecido inicialmente era de dez mil cruzeiros, entretanto, os diretores do Grêmio, eufóricos com a vitória parcial, ao término da primeira etapa, prometeram aos seus atletas <> dobrado, se eles conseguissem dobrar, também, a diferença de tentos àquela altura. Os jogadores aceitaram de bom grado a proposta e alcançaram o objetivo, marcaram mais dois tentos na etapa complementar, justificando assim o <bicho-monstro>.

– A nota trágico-cômica do clássico foi o aparecimento de um sapinho, amarrado com fitas tricolores, que surgiu, não se sabe como, junto ao arco que coube a Suli. O arqueiro gremista não gostou do batráquio rondando a sua meta e solicitou a sua remoção. O auxiliar de massagista tricolor entrou em campo e, segurando pelas pontas das fitas, atirou o sapinho por sobre os muros do estádio, na rua Barão de Guaíba” (Jornal do dia, terça-feira, 23 de agosto de 1960)

1960 cp juarez

Foto: Correio do Povo

1960 cp gol gessi

Foto: Correio do Povo

GRÊMIO: Suli; Figueiró, Airton, Ênio Rodrigues e Ortunho; Elton e Milton Kuelle; Marino, Gessi, Juarez e Vieira.
Técnico: Foguinho

INTER: Silveira; Zangão, Osmar, Louro (Ezequiel); Kim e Barradas; Alfeu, Ivo Diogo, Paulo Vecchio, Vilmar e Deraldo
Técnico: Teté

Gols: Ivo Diogo, aos 14 minutos; Juarez aos 30, Marino aos 38 e Gessi aos 40 minutos do primeiro tempo; Vieira aos 25 e Juarez aos 42 minutos do segundo tempo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.


%d bloggers like this: