Archive for August, 2020

Gauchão 2020 – Grêmio 1×2 Caxias

August 31, 2020

Foto: Luiz Erbes (S.E.R. Caxias)

Como era esperado, essa malha azul de manga longa num tom diferente do tom da camisa ficou muito feia.

Para atingir o tricampeonato em 2020 o Grêmio precisou disputar 17 partidas. Em 1987 foram 48 partidas.

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

GRÊMIO: Vanderlei; Victor Ferraz, Geromel, Kannemann e Cortez; Lucas Silva (Thiago Neves, 32/2ºT), Darlan (Maicon, 42/2ºT), Jean Pyerre (Isaque, 13/2ºT), Alisson e Everton (Luiz Fernando, 13/2ºT); Diego Souza (David Braz, 42/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

CAXIAS: Marcelo Pitol; Marabá (Bruninho, intervalo), Laércio, Thiago Sales e Bruno Ré; Juliano, Carlos Alberto (Yuri, 40/2ºT), Ivan, Diogo Oliveira, Claudinho; Marcelo Campanholo (Vinícius Baiano, 8/2ºT)
Técnico: Rafael Lacerda

Gauchão 2020 – Final – Jogo de Volta
Data: 30 de agosto de 2020, domingo, 16h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Árbitro: Anderson Daronco
Assistentes: Rafael da Silva Alves e Maurício Coelho
VAR: Leandro Vuaden
Cartões amarelos: Luiz Fernando e Thiago Neves (Grêmio); Thiago Sales (Caxias)
GOLS: Diego Souza, aos 13 minutos do 1º tempo; Laércio, aos 41 do 1º tempo, e Bruninho, aos 9 do 2º tempo

Libertadores 1995 – Atlético Nacional 1×1 Grêmio

August 30, 2020

zh 9Penal_Dinho_95gol dinhozh 8

Há exatos 25 anos o Grêmio chegava ao seu segundo título de Libertadores ao empatar com o Atlético Nacional em Medellin.
Todos detalhes da campanha em:
Libertadores1995.blogspot.com
 
LA LIBERTADORES TIENE UN DUEÑO: GREMIO
Publicado el 09/Enero/1995 | 00:00 Medellín. 01.09.95.
Merecidamente, el equipo brasileño Gremio conquistó el miércoles la Copa Libertadores de Fútbol de América 1995, al empatar con el colombiano Nacional 1-1, tras vencerlo en el partido de ida por 3-1 en Porto Alegre hace ocho días. Nacional, que necesitaba ganar como mínimo por dos goles para forzar la rifa de los remates desde los doce pasos, bregó y bregó, pero falló en la puntada final, frente a un rival que se abroqueló sobre su marco y despejó a cualquier lado en su afán de preservar el resultado. Sin embargo, el tempranero gol de Nacional a los 13 minutos, conseguido por Aristizábal mediante un “globito”, obligó a Gremio a intentar la igualdad con Nunes y Adilson por la derecha, buscando con sus centros al espigado Jardel, quien pese a la severa custodia, creó varias jugadas de peligro ante la valla de Higuita. Hubo muchos roces y siete hombres de Gremio recibieron amonestaciones, lo mismo que tres de Nacional, siendo al final expulsado el brasileño Goiano. El empate de Gremio ocurrió a los 86 minutos, en una dudosa acción de Herrera sobre el recién ingresado Alexandre, quien aparentemente se llevó el balón con la mano y cayó al piso dentro del área. El consiguiente penal fue bien cobrado por Dinho engañando a Higuita quien se arrojó al lado contrario. Los 52.000 espectadores que desde muy temprano abarrotaron el estadio Atanasio Girardot, no se mostraron desencantados por el desenlace, aplaudiendo inclusive a Gremio al dar la vuelta olímpica, siendo la opinión general que Nacional encontró un oponente de jerarquía que logró hacer su negocio y alzarse con la Copa, segunda después de la de 1983. Los comentaristas y aficionados coincidieron en afirmar que Nacional se entregó a fondo, sobre todo en el primer período, pero que tuvo al frente a un adversario recio, bien plantado atrás y con oficio, elogiando eso si la llegada del conjunto colombiano a la final del torneo continental. Además, hicieron notar que el equipo actuó con muchos elementos jóvenes y carentes de experiencia internacional, ya que sólo actuaron cuatro sobrevivientes del elenco que en 1989 alcanzó la Copa Libertadores: Higuita, García, Arango, y en los minutos postreros Herrera, quien reemplazó al lesionado Santa. Al sonar el pitazo final, los jugadores, cuerpo técnico y periodistas brasileños se confundieron en abrazos, lloraron, se besaron y agarraron puñados de hierba como recuerdo. Paulo Nunes parecía loco, saltando y gritando con el torso desnudo, mientras sus compañeros, más mesurados, saludaban una y otra vez a las graderías, de intachable comportamiento. “Somos campeones, somos campeones”, exclamaban Nunes y Jardel exultantes, coreados por sus seguidores y camaradas. (3B) (Diario Hoy)

 

 

95ZH 130b
95ZH 130f

Foto: José Doval (Zero Hora)

Foto: José Doval (Zero Hora)

Foto: José Doval (Zero Hora)

Foto: José Doval (Zero Hora)

Foto: José Doval (Zero Hora)

ATLÉTICO NACIONAL: Higuita; Santa (Herrera, 12/2ºT), Marulanda, Foronda e Mosquera (Matamba, 37/2ºT); Gutiérrez, Serna, Arango (Pabón, 12/2ºT) e García; Ángel e Aristizábal.
Técnico: Juan José Peláez

GRÊMIO: Danrlei; Arce, Rivarola, Adilson e Roger; Dinho, Goiano, Arílson (Luciano 34/2ºT) e Carlos Miguel; Paulo Nunes (Alexandre Xoxó 19/2ºT) e Jardel (Nildo, 38/2ºT).
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Libertadores 1995 – Final – Jogo de volta
Data: 30 de agosto de 1995
Local: Estádio Atanasio Girardot, Medellín, Colômbia.
Juiz: Salvatore Imperatore (Chile)
Auxiliares: Márcio Sandez (CHI) e Mário Maldonado (CHI)
Cartões Amarelos: Danrlei, Arce, Rivarola, Dinho, Paulo Nunes, Alexandre, Foronda, Serna, Gutierrez
Cartão Vermelho: Goiano
Gols: Aristizabal aos 12 minutos do 1º tempo e Dinho( de pênalti) aos 41 do 2ºtempo

 

Confrontos Grêmio Vs. Caxias pelo Gauchão no Olímpico

August 29, 2020

Em razão da final de amanhã, decide resgatar algumas fotos de confrontos anteriores entre Grêmio X Caxias pelo Gauchão em Porto Alegre.

Acima Gauchão 2010 – Grêmio 3×2 Caxias, com público de 15.230 (13.431 pagantes) e renda de R$ 323.644,50.

Acima, Marcelinho no Gauchão 2005 – Grêmio 1×0 Caxias. Público de 16.842 (15.158 pagantes) e renda de R$ 111.443,00. A foto é da Zero Hora.

 

Acima, Elton e Somália, no 0x0 pelo Gauchão de 2005. Público de 10.324 (9.311 pagantes) e Renda de  R$ 69.724,00. A foto é de Mauro Vieira (Zero Hora). O Grêmio estava usando uma camisa “genérica” antes da estreia dos uniformes da Puma.

 

Acima, Gauchão 2000 – Final – Grêmio 0x0 Caxias – Paulo Turra e Amato. Público de 24.326 pagantes e renda de R$193.174,00. A foto é de Paulo Franken (Pioneiro).

 

Acima, Ivair comemora o primeiro gol do jogo, no Gauchão 2000 – Grêmio 1×2 Caxias –  Público: 30.697 (28.637 pagantes), Renda: R$ 115.920,00, Foto: José Doval (Pioneiro).

 

Acima, Eraldo Vs Marco Antônio no Gauchão 1995 – Grêmio 3×1 Caxias – Público de 2.436 (1.330 pagantes) e renda de R$ 6.167,00. A foto é de Roberto Santos (Correio do Povo).

 

Acima vemos João Marcelo marcando gol de empate no 1×1 pelo Gauchão de 1990. O público foi de 18.245 pagantes e a renda de Cr$ 5.208.200,00 A foto é de  Arivaldo Chaves (Zero Hora).

 

E, por último, vemos o zagueiro Roberto saltando entre Joãozinho e Volmir no 4×1 pelo Gauchão de 1970. A foto é do Correio do Povo.

Gauchão 1970 – Grêmio 4×1 Caxias

August 29, 2020

Foto: Correio do Povo

No Gauchão de 1970, o Grêmio venceu o Caxias no Olímpico por 4×1. Vale lembrar que a época o time da serra ainda usava o seu nome antigo, de Flamengo.

E interessante notar também o Grêmio usando a camisa reserva azul (Lançada num modelo retrô no plano azul em 2012.

VITORIA TRANQÜILA DO GRÊMIO SOBRE O FLAMENGO: QUATRO A UM

O Grêmio manteve a liderança absoluta da chave-centro do campeonato gaúcho ao vencer ao Flamengo, ontem, à noite, no Olímpico, por 4 tentos a um. Na primeira etapa, o Grêmio já vencia por 3 a 1, o que prova ter sido uma partida tranquila para es comandados de Carlos Froner. No segundo tempo, com uma alteração ditada por lesão de Volmir e outra para poupar Joãozinho, o Grêmio diminuiu o ritmo apenas consolidando a sua vitória.

EXCELENTE NO CONJUNTO  A atuação do Grêmio foi praticamente perfeita, desde o início do jogo. A rigor, nenhuma peça destoou, havendo completa harmonia entre todos os setor, com um futebol rápido, de passes de primeira, sempre Procurando espaço e a criação de jogadas. O Flamengo começou o jogo com uma disposição tática multo cautelosa: quatro homens na zaga, dois mais à frente para a destruição do ataque adversário  a dupla de meia-cancha  Darlan e Iaúca voltando constantemente e os dois ponteiros (Jarinha e Téchio) correndo pelos flancos e sempre entrando pelo meio para tentarem as conclusões. Mas havia falhas em sua defesa, principalmente pelas atuações irregulares de Paulinho e Roberto. Isso, somado ao trabalho do seu ataque, davam ao Grêmio uma enorme superioridade. Afinal, sua equipe jogava uma excelente partida. Já aos 3 minutos Jadir inaugurava o marcador recebendo uma bola do fundo do campo  – ele entrava na área, na corrida  – marcando num belíssimo chute de primeira. Aos 33 minutos o placar foi aumentado por Joãozinho. O Flamengo chegou a ameaçar descontando através de Darlan, aos 41 minutos, numa falha de Jair, mas Volmir marcou o terceiro aos 44 em nova falha de Bagatine que havia se jogado mal no primeiro golo gremista. Com este placar terminou o primeiro tempo.

Volmir não voltou para a segunda parte do jogo e Paíca foi colocado na equipe. Passou a fazer o trabalho que era de Loivo, enquanto este jogava mais pelo meio, procurando as tabelas com Flecha. O Grêmio diminuiu um pouco o seu ritmo e ainda teve a expulsão do ponteiro mais ou menos na metade dos 45 minutos finais. O Flamengo tentou uma mudança tática — já havia substituído Iaúca que saiu para entrar Sidnei — com Luis Fernando em lugar de Osmar. De nada adiantou. Loivo marcou o quarto golo, selando a vitória gremista.

Com 4 a 1 a seu favor, o Grêmio passou a jogar mais cautelosamente, apenas ‘temperando” o adversário. Com isso, ganhou mais dois pontos na fase classificatória do campeonato gaúcho, numa apresentação muito boa, com vários jogadores em plano destacado.” (Correio do Povo do Povo, 14 de maio de 1970)

GRÊMIO:Jair; Valdir Espinosa, Ari Ercilio, Beto e Jamir; Jadir e Sérgio Lopes; Flecha, JoãoZinho (Caio), Volmir (Paíca) e Loivo
Técnico: Carlos Froner

FLAMENGO: Bagatine: Celso Cabral, Roberto, André e Paulinho; Osmar (Luis Fernando) e Gaspar; Jarinha, Iaúca (Sidnei). Darlan e Techio.

Gauchão 1970
Data: 13 de maio de 1970, quarta-feira
Local: Estádio Olímpico
Renda: NCr$ 8.964.00
Arbitragem; Airton Bernardoni
Auxiliares: Ivaldo Mensch e João Carlos Ferrari,
Expulsão: Flecha
Gols: Jadir, Joãozinho, Volmir, Loivo e Darlan,

Gauchão 2020 – Caxias 0x2 Grêmio

August 27, 2020

Foto: Eduardo Moura (Globo Esporte)

Foto: Eduardo Moura (Globo Esporte)

 

Me pareceu uma precaução demasiada da direção gremista ter batido o pé pela realização dessa final em duas partidas.

Foto: Mauro Schaefer (Correio do Povo)

 

CAXIAS: Marcelo Pitol; Ivan, Laercio, Thiago Salles e Bruno Ré; Juliano e Carlos Alberto; Vinicius Baiano (Willian, 35/2ºT), Diogo Oliveira e Juninho Potiguar (Marcelo Campanholo, intervalo); Bruninho
Técnico: Rafael Lacerda
GRÊMIO: Vanderlei; Victor Ferraz, Geromel, David Braz e Cortez; Maicon (Lucas Silva, 28/2ºT), Matheus Henrique; Alisson (Paulo Miranda, 37/2ºT), Jean Pyerre (Robinho, 37/2ºT), Pepê (Everton, 3/2ºT); Isaque (Thiago Neves, 28/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

Gauchão 2020 – Final – Jogo de ida
Data: 26 de agosto de 2020, quarta-feira, 21h30min
Local: Estádio Centenário, em Caxias do Sul-RS
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Jean Pierre Lima
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi e André Bittencourt
VAR: Daniel Bins
Cartões amarelos: Carlos Alberto; Matheus Henrique, David Braz
Gols: Pepê, aos oito minutos do primeiro tempo; Everton, aos 32 minutos do segundo tempo

Gauchão 2000 – Caxias 0x1 Grêmio

August 26, 2020

Foto: Paulo Franken (Zero Hora/Pioneiro)

Suponho que em virtude da final que se inicia nesta quarta, muita gente irá lembrar da final do Gauchão de 2000, também disputada entre Caxias e Grêmio.

O curioso é que aquele campeonato teve mais semelhanças com o atual. O Caxias também havia conquistado o primeiro turno. E o Grêmio venceu o primeiro turno, ganhando do Caxias por 1×0 no Centenário, após assumir a liderança da fase ao ganhar o clássico Gre-Nal na rodada anterior.

Vale lembrar que o Caxias, se poupando para as finais, escalou apenas três titulares para esse jogo.

Foto: Paulo Franken (Zero Hora/Pioneiro)

GRÊMIO NA FINAL. GRAÇAS A ITAQUI

Foi um sufoco. O Grêmio sofreu, passou por dificuldades, mas venceu o Caxias por 1 a O no sábado — gol do eficiente Itaqui conquistou o título do returno e se garantiu na final contra o mesmo Caxias. Como marcou mais pontos na contagem geral do octogonal, entra na disputa com a vantagem de jogar por dois resultados iguais.

Melhor do que isso, só a notícia da volta de Ronaldinho ao lime. E como ele faz falta! Mas, ao mesmo tempo, o jogador que se tornou símbolo da recuperação do time no returno do octogonal e que no sábado tirou o time do sufoco, estará ausente. Itaqui recebeu o terceiro cartão amarelo.

Tudo bem, o Grêmio jogou quase com o Azulzinho, mas isso não serve como desculpa. O time foi “patrolado” pelo misto do Caxias no primeiro tempo. Escapou de levar três gols. Por outro lado, foi eficiente, letal no ataque. A defesa caxiense cometeu um deslize só. Foi suficiente. Eram 22 minutos. Amato se enroscou com a bola (nada de novo), se recuperou e cruzou na cabeça de Adriano. O centroavante encostou para o meio, a bola passou por , três zagueiros e sobrou limpa para Itaqui chutar forte, quase na pequena área.

Para se ter uma idéia, antes disso o Caxias havia ameaçado quatro vezes. Quase marcou aos 10 minutos, com Delmer cabeceando, livre, a centímetros do poste. Aos 17, Paulo César concluiu da pequena área, mas Sílvio fez urna defesa espetacular. Todos os lances aconteceram pelo lado direito. Às costas de Jé. Por ali caíam Jairo Santos e Márcio, um volante de excelente qualidade. Antônio Lopes primeiro deslocou Marinho. Não adiantou, porque Delmer também jogava por ali. Só solucionou o problema quando Zinho virou uma sombra de Márcio. Equilibrado o setor esquerdo —por vezes Jé se defrontou com três adversários — o Grêmio segurou o Caxias. Só correu perigo aos 37 minutos. Moreno chutou da meia-lua e quase em-patou. Depois, só deu Grêmio. Adriano recebeu livre e perdeu a chance de liquidar o jogo aos 45 minutos.

O Caxias vibrante, articulado e rápido não voltou para o segundo tempo. Os jogadores pareciam conformados e já pensando na final. Submeteram-se à marcação do Grêmio. O time escapou de levar mais gols, um com Guilherme e outro com Gavião, sozinho, à frente de Gilmar. O técnico Tite colocou os titulares Títí e Luciano Araújo, e mais Sarandi. Conseguiu reanimar o time. O Caxias pressionou no final. Mas ficou só nisso.” (Leonardo Oliveira, Zero Hora, segunda-feira, 12 de junho de 2000)

“GRÊMIO BATE O CAXIAS E LEVA O SEGUNDO TURNO. CAXIAS PROMETE BRIGA NA JUSTIÇA
Caxias poderá pedir anulação da partida de sábado, contestando a escalação do jovem Adriano

O Grêmio garantiu o título do segundo turno ao derrotar o Caxias por 1 a 0, sábado à tarde, no Centenário. Sem oito titulares, o Caxias pressionou muito apenas no primeiro tempo. Sem Ronaldinho, o Grêmio destacou-se pela disposição, principamente após marcar o gol.

A maior chance do Caxias ocorreu aos 18 minutos. Jairo Santos cruzou do lado direito e Paulo César concluiu para grande defesa de Silvio. Aos 23, Amato, mesmo atrapalhado, conseguiu cruzar alto para a área adversária. Adriano ajeitou de cabeça e Itaqui, após falha gritante de Márcio, chutou no ângulo do goleiro Gilmar: 1 a 0.

O segundo tempo foi pobre em situações de gol. A maior chance acabou sendo do Grêmio. Aos 35 minutos, Gavião ficou cara a cara com o goleiro e chutou por cima.

Além das brigas de torcida nas arquibancadas, a maior polêmica da partida ficou por conta do estreante do jogo. O atacante Adriano, de 19 anos, contratado pelo Grêmio junto à Chapecoense, teria sido escalado irregularmente segundo os dirigentes do Caxias, que prometem ir à Justiça. O Inter mostrou-se interessado pelo caso.” (Correio do Povo, segunda-feira, 12 de junho de 2000 – FONTE: Grêmio Dados)

ZAGA ERRA E GRÊMIO GANHA
Enquanto jogou futebol, o Caxias, mesmo com apenas três titulares, dominou o Grêmio sem Ronaldinho, sábado à tarde, no Estádio Centenário, pela última rodada do octogonal. Criou dois lances de perigo – aos 11 minutos, Delmer cabeceou para fora, e, aos 17, Paulo César obrigou Sílvio a uma defesa difícil – e animou esperançosos colorados. Mas, aos 23 minutos, tudo mudou. Num lance que pouco prometia, Amato cruzou e Adria¬no conseguiu cabecear para o meio da área. A bola passou entre Renato Carioca e Emerson e sobrou para Itaqui, que marcou. “Foi um erro fatal. Mérito deles”, disse Émerson. Renato Carioca evitou comentar o lance, dizendo apenas que na final “é outra história”.

Depois do gol, pouco se viu de futebol no Centenário. Pouco criativo, o Grêmio quase não ameaçou o goleiro Gilmar. Acomodado, o time grená se perdeu em toques de bola no meio-campo e apenas no final da partida chegou a assustar os gremistas. Foi o suficiente para o time tricolor festejar tal como se tivesse conquistado o Gauchão 2000.” (Pioneiro, segunda-feira, 12 de junho de 2000)

Fonte: Pioneiro

 

CAXIAS: Gilmar; Jairo Santos, Émerson, Renato Carioca e Carlinhos (Sa­randi): Cláudio (Titi), Márcio, Moreno e Maurício (Luciano Araújo); Delmer e Paulo César.
Técnico: Tite

GRÊMIO: Sílvio; Alex Xavier, Marinho e Nenê; Itaqui (Rodrigo Costa), Anderson Polga, Gavião, Zinho e Jé; Adriano (Guilherme Weisheimer) e Amato (Cláudio Pitbull)
Técnico: Antônio Lopes

Gauchão 2000 – Segundo Turno – 7ª Rodada
Data: 10 de junho de 2000, sábado, 15h50min
Local: Estádio Centenário, em Caxias do Sul-RS
Público: 12.771 (10.931 pagantes)
Renda: R$ 53.681,50
Árbitro: Leonardo Gaciba
Auxiliares: José Carlos Oliveira e André Veras
Cartões amare­los: Moreno, Paulo César, Alex Xavier, Itaqui, Gavião, Amato e Guilherme Weisheimer
Gol: Itaqui, aos 22 minutos do pri­meiro tempo

Brasileirão 2020 – Vasco 0x0 Grêmio

August 24, 2020

 

Pro meu gosto o uniforme reserva do Grêmio, ainda que seja predominantemente branco, deveria ter bem mais azul na sua “composição”.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

VASCO: Fernando Miguel; Cláudio Winck (Cayo Tenório, intervalo), Ricardo, Leandro Castán, Henrique; Bruno Gomes, Andrey, Fellipe Bastos (Bruno César, 14/2ºT); Martín Benítez (Vinícius, 28/2ºT), Germán Cano (Ribamar, 42/2ºT), Talles Magno
Técnico: Ramon Menezes

GRÊMIO: Paulo Victor; Orejuela, David Braz, Kannemann, Cortez; Lucas Silva, Matheus Henrique; Alisson (Everton, 29/2ºT), Jean Pyerre (Thiago Neves, 17/2ºT),  Pepê (Guilherme Azevedo, 41/2ºT); Isaque (Thaciano, 29/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

5ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2020
Data: 23 de agosto de 2020, domingo, 16h00min
Local: São Januário, no Rio de Janeiro, RJ
Árbitro: Savio Pereira Sampaio (DF)
Assistentes: Daniel Henrique da Silva Andrade (DF) e Jose Reinaldo Nascimento Junior (DF)
VAR: Marcio Henrique de Gois (SP)
Cartões amarelos: Henrique, Benítez, Cayo Tenório, Andrey, Ribamar; Matheus Henrique, Thaciano

Libertadores 1995 – Grêmio 3×1 Atlético Nacional

August 23, 2020

 

1995 atletco nacional revista gol guilherme de almeida

Foto: Guilherme de Almeida (Revista Gol)

Há exatos 25 anos o Grêmio vencia o Atlético Nacional no estádio Olímpico pelo jogo de ida da final da Libertadores de 1995.

O gol de Angel para os colombianos no segundo tempo tornou o placar “mentiroso”. O 3×1 nem de longe corresponde ao massacre que o tricolor impôs à Higuita & Cia.

A média de público do Grêmio na Libertadores 1995 foi de 23.389 pagantes. Curiosamente os 54.257 (42.519 pagantes) dessa final foram o quarto maior público do Grêmio naquela temporada.

Foto: Pisco Del Gaiso (Placar)

Foto: Pisco Del Gaiso (Placar)

Foto: José Doval (Zero Hora)

GRÊMIO VENCE PRIMEIRO JOGO DA DECISÃO

O Grêmio se acomodou e perdeu a chance de golear o Nacional, da Colômbia, no primeiro jogo da final da Taça Libertadores da América. Depois de fazer três gols em 55 minutos, deixou o adversário fechar o jogo em 3 a 1.
Quarta-feira, em Medellín, o Nacional terá de vencer por dois gols de diferença para decidir o título nos pênaltis. Aristizábal, o principal atacante da equipe, volta à equipe.
Nos primeiros minutos, o Grêmio envolveu a equipe colombiana. Só não marcou porque o goleiro Higuita fez várias defesas. Aos 10min, por exemplo, ele desviou uma cabeçada de Jardel, sozinho na pequena área.
A partir dos 20min, o Grêmio diminuiu o ritmo e o Nacional cresceu.
Quando o jogo estava equilibrado, o Grêmio abriu o marcador. Aos 35min, o ponta Paulo Nunes cruzou da direita. Higuita saiu do gol, mas o zagueiro Marulanda se antecipou e chutou torto. A bola pegou efeito e entrou junto à trave direita.
A vantagem deu ânimo ao Grêmio. Aos 43min, Carlos Miguel atacou pela direita e chutou cruzado. Higuita falhou pela primeira vez e soltou a bola.
O atacante Jardel foi mais rápido do que os zagueiros e tocou para o gol vazio. Os colombianos, sem razão, pediram impedimento.
No intervalo, o Nacional colocou mais um atacante: Matamba. Aos 40s, após escanteio, Jardel cabeceou e Paulo Nunes tocou para as redes.
O juiz equatoriano Alfredo Roda anulou lance apontando empurrão de Jardel no zagueiro colombiano Foronda.
Depois de três minutos de nervosismo, o Grêmio se acalmou e, aos 10min, marcou de novo. Adílson cabeceou, Higuita rebateu mal de novo e Paulo Nunes empurrou para o gol.
Depois, o Grêmio diminuiu o ritmo e deixou o Nacional descontar aos 26min, com Angel, após jogada de Arango.” (Marcelo Damato, Folha de São Paulo, quinta-feira, 24 de agosto de 1995 )

Fonte: Zero Hora

Fonte: Zero Hora

Fonte: Zero Hora

Fonte: Zero Hora

Fonte: Zero Hora

Fonte: Zero Hora

Fonte: Zero Hora

Grêmio 3 x 1 Atlético Nacional

GRÊMIO: Danrlei; Arce, Rivarola, Adílson e Roger; Dinho, Goiano, Arílson (Alexandre) e Carlos Miguel (Nildo); Paulo Nunes e Jardel.
Técnico: Luiz Felipe Scolari

ATLÉTICO NACIONALHiguita; Santa, Marulanda, Foronda e Mosquera; Serna, Gutierrez, Pabón (Matamba) e Alexis Garcia; Angel e Arango.
Técnico: Juan José Peláez

Libertadores 1995 – Final – Jogo de ida
Data: 23 de agosto de 1995, quarta-feira, 21h40min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 54.257 (42.519 pagantes)
Renda: R$ 533.680,00
Juiz: Alfredo Rodas (FIFA- Equador)
Auxiliares: Roger Zambrano e Jorge Caballos (FIFA-Equador)
Cartão Amarelo: Adílson, Angel, Gutierrez e Aléxis Garcia
Gols: Marulanda (Contra) aos 36 e Jardel aos 43 minutos do 1ºtempo; Paulo Nunes aos 10 e Angel aos 27 do 2º tempo.

Brasileirão 2020 – Flamengo 1×1 Grêmio

August 20, 2020

Brasileirão 2020 - Flamengo 1x1 Grêmio
Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Brasileirão 2020 - Flamengo 1x1 Grêmio
Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Brasileirão 2020 - Flamengo 1x1 Grêmio
Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Brasileirão 2020 - Flamengo 1x1 Grêmio
Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Brasileirão 2020 - Flamengo 1x1 Grêmio
Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Brasileirão 2020 - Flamengo 1x1 Grêmio
Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Brasileirão 2020 - Flamengo 1x1 Grêmio
Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Eu bem que tentei, mas em todos os ângulos mostrados na transmissão, não consegui ter certeza se a bola de fato pegou no braço do Kannemann, se pegou na cabeça e depois no braço, se pegou somente na cabeça, se pegou somente no ombro. Pelo que consta nas páginas 112-114 do Livro de Regras da CBF, somente em um dos casos o pênalti poderia ter sido marcado.

E considerando tudo isso, acho bem questionável o uso de VAR no lance, uma vez que consta na regra que “O VAR pode auxiliar o árbitro apenas no caso de um ‘erro claro, óbvio e manifesto’ ou ‘incidente grave não percebido’ “.

Acho muito estranha essa tese, ontem defendida pelo comentarista Paulo César Vasconcellos, de que a postura ou o desempenho do time possam fazer com que ele percar o direito de ter uma arbitragem justa.

Desconsiderando o aspecto anímico e levando em conta somente a pontuação (que é o que no fim das contas decide o título, vagas e rebaixamento), teria sido melhor ganhar do Ceará e levar uma goleada ontem.

E também cabe fazer uma observação totalmente empírica de que é mais fácil obter os três pontos contra times de fora do eixo uma vez que a arbitragem brasileira costuma tomar com mais frequência decisões duvidosas que favorecem os times de RJ e SP.

 

Brasileirão 2020 - Flamengo 1x1 Grêmio
Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Flamengo 1×1 Grêmio

FLAMENGO: Diego Alves; João Lucas (Renê, 9/2ºT), Rodrigo Caio,  Léo Pereira, Filipe Luís; Willian Arão; Gerson (Pedro, 35/2ºT), Everton Ribeiro (16/2T), Arrascaeta; Bruno Henrique, Gabriel Barbosa
Técnico: Domènec Torrent

GRÊMIO: Vanderlei; Orejuela, Pedro Geromel, Kannemann, Cortez; Matheus Henrique (David Braz, 43/2T), Maicon (Lucas Silva, INT); Alisson (Thaciano, 43/2ºT), Jean Pyerre (Thiago Neves, 21’/2T), Pepê; Diego Souza (Isaque, 19/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

4ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2020
Data: Quarta-feira, 19 de agosto de 2020, 19h15min
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Rafael Traci (FIFA-SC)
Assistentes: Bruno Boschilia (FIFA-PR) e Alex dos Santos (SC)
VAR: Andre Luiz de Freitas Castro (GO)
Cartões amarelos: Gabigol, João Lucas e Filipe Luís (Flamengo); Diego Souza, Kannemann e Geromel
Gols: Pepê, ao 44 minutos do primeiro tempo; Gabigol (de pênalti), aos 43 do segundo tempo.

Brasileirão 1975 – Flamengo 1×0 Grêmio

August 19, 2020

Foto: Zero Hora

 

No Brasileirão de 1975, Flamengo e Grêmio se enfrentaram no Maracanã pela 3ª rodada do Grupo B da fase final. Vitória dos mandantes por 1×0.

Interessante notar que a Zero Hora e o Jornal do Brasil afirmam que o gol de Luisinho foi marcado em flagrante impedimento, enquanto o Jornal dos Sports nada fala sobre a posição do atacante rubro-negro.

Vale também apontar para o fato de que Ênio Andrade era o treinador do Grêmio enquanto Carlos Froner estava na casamata do Flamengo. Os dois são apontados por Tite como as principais vertentes do estilo gaúcho de futebol (eu acho estranho que ele mencione Froner antes de Foguinho).

Também acho estranho que em muitos desses confrontos dos anos 70 o Flamengo usou a camisa reserva contra o Grêmio.

Por último me chamou a atenção o lateral-esquerdo Bolívar usando a camisa 4 (foto abaixo). Tradicionalmente no Brasil os jogadores dessa posição utilizam a camisa 3 ou 6. Contudo, no Grêmio, além do Bolívar, já encontrei registro do Ortunho usando a camisa 4 na lateral-esquerda, bem como Casemiro e Hélcio.

Foto: Zero Hora

 

É A SÉTIMA PARTIDA SEM VITÓRIA DO TIME DE ÊNIO

[…]

Desde os primeiros minutos era possível notar uma maneira diferente do Grêmio jogar. Mais preocupado com a meia cancha do adversário, Ênio Andrade colocou Neca em marcação especial a Tadeu e Osmar cuidando de Zico. Luis Carlos também ajudava a proteger os zagueiros e, com isso, se confundia com Osmar. Apesar de atrapalhado e desorganizado, o vice-campeão gaúcho não escondia seus cuidados defensivos com relação ao mio de ataque do Flamengo.

Entretanto, um erro do juiz Emídio Marques de Mesquita originou o gol do Flamengo. Zico recebeu um lançamento pela meia-direita, dentro da área, dividiu a bola com Ancheta, levou vantagem e tocou para Luisinho. Como o zagueiro uruguaio no lance anterior, Picaso falhou ao deixar a bola passar sob seu corpo. Luisinho, completamente impedido (atrás até de Picasso) apenas tocou a bola de leve para as redes, fazendo 1 a 0, aos 9 minutos. […]” (Zero Hora, quinta-feira, 20 de novembro de 1975)

Foto: Jornal dos Sports

Foto: Jornal dos Sports

 

FLA FAZ GOL ILEGAL, SOFRE NO 2.º TEMPO, MAS VENCE

A torcida do Flamengo teve uma noite de apreensão, aborrecimento, revolta, mas no fim de tudo saiu satisfeita do Maracanã: sua equipe derrotou o Grêmio por 1 a 0, gol marcado por Luizinho em impedimento, aos nove minutos do primeiro tempo, e isolou-se na liderança do grupo B, com seis pontos ganhos.

Apreensão porque o Grêmio foi superior durante o segundo tempo, aborrecimento porque Zico saiu contundido (mais tarde, o exame radiográfico na perna direita nada revelou de anormal), e revolta porque Luisinho, além de realizar má partida, quase atrapalhou o lance de gol. Paulinho chutou, a bola ia entrando e Luisinho, em posição ilegal, tocou a bola para as redes. A sorte foi que o juiz Emídio Marques validou a jogada. Júnior, Iúra e Osmar receberam cartão amarelo.

O Flamengo esteve um pouco melhor no primeiro tempo, embora, logo depois do gol de Luisinho, o time gaúcho tenha perdido boas chances, entre elas chutes de Bolívar e Vilson na trave. Na fase final, o Grêmio melhorou — Zequinha chutou outra bola na trave — e teve amplo domínio, favorecido ainda pela saída de Luís Paulo e Zico, este contundido.

A renda somou Cr$ 270 mil 238 (20 mil 090 pagantes) as equipes atuaram assim: Flamengo — Cantarelli, Júnior, Jaime, Luis Carlos e Rodrigues Neto; Tadeu, Geraldo e Luis Paulo (Edson); Paulinho, Luisinho e Zico (Dequinha). Grêmio — Picasso, Vilson, Ancheta, Beto Fuscão e Bolívar; Osmar, Luis Carlos (Nenê) e Neca (Iúra); Zequinha, Claudinho e Loivo. O árbitro foi o paulista Emidio Marques de Mesquita, que falhou apenas ao confirmar o gol do Flamengo.

O jogo teve andamento técnico apenas razoável e mostrou o Flamengo superior durante o período inicial, enquanto o Grêmio foi superior no segundo tempo, quando perdeu algumas oportunidades de empatar, principalmente a partir do instante em que o adversário foi obrigado a recuar, devido à salda de Luis Paulo e Zico.

O Grêmio iniciou melhor a partida e pressionou seguidamente, mas coube ao Flamengo marcar o primeiro gol, logo aos nove minutos: bem lançado por Zico. Paulinho passou por Bolívar e bateu Picasso com um chute forte. A bola ia entrar, quando apareceu Luisinho – Impedido – e a tocou em definitivo para as redes. Dada a saída, o Grêmio quase chegava ao empate em dois lances seguidos. No primeiro, Bolívar mandou a bola na trave e, no outro, Cantarelli espalmou para córner um centro alto de Vilson.”  (Jornal do Brasil, quinta-feira, 20 de novembro de 1975)

Foto: Jornal dos Sports

“MENGO DESPACHA O GRÊMIO E DISPARA: 1 a 0

O Flamengo manteve a sua invejável posição de líder do Grupo B da Fase final do Campeonato Brasileiro, agora isolado e com seis pontos ganhos, ao vencer o Grêmio por 1 a 0, ontem à noite, no Mário Filho, gol de Luisinho, aos nove minutos do primeiro tempo. Vitória justa, porque o time carioca sempre soube como suportar a pressão desesperada do vice-campeão gaúcho.

Desde o início o primeiro tempo mostrou que seria bom, do agrado do torcedor. Os dois times partiram para os ataques estudados, com o Flamengo mais operoso, por força de sua melhor esquematização, porque o meio-campo sempre recebia o auxílio de um atacante, ora Zico ora Luís Paulo, e até mesmo Paulinho, que sempre procura cercar em seu setor.

A melhor disposição tática do time carioca valeu o primeiro gol, aos nove minutos, marcado por Luisinho, depois de excelente passe de Zico. O Grêmio não se entregou, e um minuto depois, num bom ataque, o lateral-esquerdo Bolívar atirou na trave, com grande perigo. Logo depois, o vice-campeão gaúcho teve outra grande chance, quando Claudinho atirou forte.

Na tentativa de conseguir logo a igualdade, o Grêmio colocou Iura no lugar de Nenê, e o Jogo melhorou, porque o Flamengo sentiu o perigo e nunca deixou de atacar, para eliminar no nascedouro as investidas do adversário. Depois, com a vantagem, a equipe carioca procurou tocar a bola, para garantir a mela vantagem, o bom passo para outro bom resultado.

Um susto para a torcida do Flamengo, logo no início do segundo tempo: depois de bela Jogada, Zequinha atirou na trave, com Cantarele batido. Na recarga, Lusinho fez o mais difícil, ao passar bem pelo becão Atílio Ancheta e atirar à direita de Picasso. Os dois lances serviram não só para mexer com os torcedores, mas também para despertar os times.

A partir dos 15 minutos, o Flamengo se retraiu, do que se aproveitou o Grêmio para fazer alguns ataques perigosos, pois adiantou os zagueiros laterais, especialmente Bolívar, o que serviu para mostrar o bom futebol de Tadeu, com presença marcante em todas as partes do campo, ao passo que Geraldo, talentoso, procurava organizar as jogadas.

Os últimos 15 minutos foram multo nervosos, porque os dois times procuraram as soluções para seus problemas: o Fia- mengo, segurar o um a zero; o Grêmio, na busca desesperada do empate O torcedor ganhou com isso, pois viu excelentes jogadas de ataque, embora o Grêmio sempre apelasse um pouco para a violência, o que não serviu para evitar a derrota.”  (Jornal dos Sports, quinta-feira, 20 de novembro de 1975)

Foto: Zero Hora

Flamengo 1×0 Grêmio

FLAMENGO: Cantarele; Junior, Jaime, Luis Carlos e Rodrigues Neto; Tadeu, Geraldo, Paulinho, Luisinho, Zico (Dequinha) e Luis Paulo (Edson)
Técnico: Carlos Froner

GRÊMIO: Picasso, Vilson, Ancheta, Beto Fuscão e Bolívar; Osmar, Luís Carlos (Nene) e Neca (Iura), Zequinha, Claudinho e Loivo
Técnico: Ênio Andrade

Brasileirão 1975 – Fase Final – 3ª Rodada
Data: 19 de novembro de 1975, quarta-feira, 21h15min
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ
Público: 20.090 pagantes
Renda: Cr$ 270.238,00
Juiz: Emidio Marques Mesquita;
Auxilares: Edson Massa e Angelo Antonio Ferrari
Cartões amarelos: Junior, Iura e Osmar
Gol: Luisinho, aos 9 minutos do 1º tempo