Brasileirão 1981 – Portuguesa 1×0 Grêmio

by

Foto: Correio do Povo

Há exatos 40 anos o Grêmio sofreu sua primeira derrota na campanha do título brasileiro de 1981. 1×0 para a Portuguesa no Canindé;

Esse foi o primeiro jogo do tricolor transmitido (pela RBS/TV Gaúcha) na competição

Foto: Zero Hora

GRÊMIO PERDEU A PRIMEIRA EM SÃO PAULO
A Portuguesa acabou com a invencibilidade dos gaúchos na Taça de Ouro

A Portuguesa derrubou mais um invicto. Ontem à noite em seu estádio, num jogo equilibrado, o time de Mário Travagliní teve melhor aproveitamento nas conclusões e através de uma falta convertida por Carrasco, aos cinco minutos do segundo tempo, venceu o Grémio por 1 a O. Foi a vitória da equipe que sempre mostrou-se mais disposta em campo e teve mais acertos.

A primeira informação dada pelos repórteres gaúchos em São Paulo falava do estado do gramado no estádio Caníndé: irregular e com muitos buracos. Mas este detalhe nem chegou a ser muito importante no andamento da primeira etapa de jogo. Conforme já era previsto, a Portuguesa, jogando em seu campo, partiu com decisão para o ataque e mostrou durante os primeiros 45 minutos uma marcação digna de suas intenções. Foi a equipe mais organizada taticamente, melhor posicionada e que sempre tomou a iniciativa.

O Grêmio teve a primeira oportunidade para marcar numa boa jogada de ataque logo a dois minutos de partida quando Venturi deixou Tarciso bem colocado para bater fraco em gol. Daí em diante apenas a equipe paulista conseguiu boas conclusões e chegou a significativa marca de cinco escanteios contra nenhum do time de Ênio Andrade, Era possível notar mesmo uma vacilação na zaga em muitos momentos, mas a presença de De León e China foi decisiva para manter a tranqüilidade.

A Portuguesa, que já conseguira uma boa chance a quatro minutos num chute perigoso de Sodré, teve nova oportunidade a 18 minutos quando Moisés ganhou a jogada em cima de Dirceu, deu a Sodré que na corrida dentro da grande área chutou por cima. O principal mérito do time de Mário Travaglini no entanto ficava na marcação que impedia qualquer tentativa de jogada de criação da meia cancha do Grémio. Apenas aos 42 minutos Tarciso levou perigo: ele recebeu mm passe na medida de China, mas chutou mal para fora.

DERROTA

A um minuto do segundo tempo o Grêmio teve a grande chance para marcar quando Odair arrancou pie-la esquerda e da linha de fundo, na pequena área, cruzou. Tarciso, quase em cima da risca de gol, errou em bola. A resposta da Portuguesa foi total: a cinco minutos Carrasco marcou. A reação do Grêmio aconteceu especialmente a partir de De León que soltou-se para o ataque realizando bons lances. Num deles Odair quase empata aos 14 minutos. Éverton defendeu para escanteio. Héber no lugar de Flávio foi a mudança de Ênio para melhorar a equipe.

Mas não bastou a vontade do uruguaio aparecendo em todas as partes do gramado e iniciando praticamente todos os lances de ataque de sua equipe. Na mais clara situação, das várias construídas pelo time gaúcho mais na base da garra e do esforço pessoal, Odair perdeu o empate. Aos 35 minutos, depois de uma jogada em que todos os atacantes participara m, o ponteiro-esquerdo chutou ao lado do gol de Éverton dentro da grande área, sem marcação. Era o fim da Invencibilidade. De positivo ficava apenas mais uma excelente apresentação de De León.

O placar

VILSON CARRASCO para a Portuguesa – 1 a 0 aos cinco minutos do segundo tempo: numa disputa de De Léon contra um adversário, o juiz marcou toque do uruguaio. Vilson Carrasco bateu certo de pé direito por cima da barreira no canto direito do gol de Leão, que chegou atrasado.” (Zero Hora, quinta-feira, 5 de fevereiro de 1981)

Foto: Zero Hora

Foto: Zero Hora

 

FALTOU FORÇA PARA O ATAQUE DO GRÊMIO

 Depois de um primeiro tempo equilibrado, a Portuguesa, aos 50 minutos, na cobrança de um toque nas proximidades da área fez o único gol de ons tem a noite, no Canindé. Carrasco foi o autor, garantindo a vitória do time paulista. O tricolor tentou a reação, mas, não conseguiu surpreender o adversário.

 PRIMEIRO TEMPO — O jogo começou em velocidade. Também com urna marcação severa. Em decorrência, pouco espaço. Mesmo assim, o Grêmio tentou buscar a ofensiva, organizando contra-ataques que saíam com rapidez da defesa. E a Portuguesa respondendo no mesmo ritmo e estratégia.

 A principal característica da partida foi o equilíbrio na movimentação. Para vencer a marcação, os times tiveram que intensificar as Jogadas, acionar os ponteiros e fazer estocadas de surpresa. Ninguém se mostrava disposto a dar vagem para os lançamentos longos.

 A Portuguesa tinha mais facilidade para chegar na zona defensiva do adversário, mas não conseguia finalizar. O Grêmio, quando conseguia a passagem, era mais perigoso. No todo, porém, um justo zero a zero no final desta fase. Baltazar ficou muito isolado en-tre os zagueiros.

 SEGUNDO TEMPO

 A Portuguesa retornou com mais disposição. Por isso, assumiu as iniciativas. E, aos cinco minutos, conseguiu o prémio pela iniciativa: toque de Vantuir nas proximidades da área. Carrasco cobrou com perfeição, sobre a barreira e vencendo Leão. Portuguesa 1, Grêmio 0.

 Depois do gol, Ênio Andrade tratou de corrigir um erro que Já havia observado no primeiro tempo: posicionamento de Flávio, que não fazia aproximação com Baltazar. E, assim, entrou Eber em seu lugar. A partir daí o Grêmio pôde equilibrar a partida.

 Com a vantagem, porém, a Portuguesa manteve-se segura. O Grêmio buscava os contra-ataques, movimentando Tarciso e Odair, A Lusa só marcava e, na resposta, descia sempre com perigo. O jogo esquentou bastante, com o tricolor gaúcho não conseguindo chegar na zona de conclusões. O Grêmio tentou o empate, mas os paulistas mantiveram o escore, Para assegurar a vantagem, Mario Travaglini retirou Pita e colocou mais um homem de marcação: Mario Reis. No final, a confirmação: Portuguesa 1 x 0.” (Correio do Povo, quinta-feira, 5 de fevereiro de 1981)

 

Placar: “OPINIÃO: Na base da força de vontade a Lusa venceu um Grêmio confuso da defesa ao ataque. Resultado Justo.” (Fábio Sormani, Revista Placar, edição n.º 561, 13 de fevereiro de 1981)

 

Portuguesa 1 x 0 Grêmio

PORTUGUESA: Éverton; Alves, Duílio, Daniel Gonzalez e Fantick; Zé Mario, Wílson Carrasco e Gérson Sodré; Moisés, Beca e Pita (Mário Reis 31 do 2º).
Técnico: Mário Travaglini

GRÊMIO: Leão; Uchoa, Vantuir, De León e Dirceu; China, Flávio (Éber 7 do 2º) e Renato Sá; Tarciso, Baltazar e Odair.
Técnico: Ênio Andrade

6ª Rodada – 1ª Fase – Brasileirão 1981
Data: 04 de fevereiro de 1981, Quarta-feira
Local: Canindé, em São Paulo, SP
Público: 14.921
Renda: Cr$ 1.564.300,00
Juiz: Wilson Cardoso dos Santos-RJ
Auxiliares: Aureliano Oliveira e Dárcio Pereira
Cartão Amarelo: Duílio, Uchoa e De León
Gol: Wilson Carrasco, aos 5 minutos do 2ºtempo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.


%d bloggers like this: