Archive for March, 2021

Gauchão 1996 – São Luiz de Ijuí 0x4 Grêmio

March 30, 2021

Foto: José Doval (Zero Hora)

 

Na estréia do Gauchão de 1996, o Grêmio venceu o São Luiz, em Ijuí, por 4×0.

É válido lembrar que Jardel não é citado na matéria da Zero Hora transcrita abaixo como um desfalque porque nesse período ele estava envolvido numa transferência mal sucedida para o Glasgow Rangers.

Isso também explica o motivo do Grêmio ter tantos estreantes nas posições de ataque nesta partida.

Foto: José Doval (Zero Hora)

GRÊMIO DÁ GOLEADA NA PRIMEIRA VITÓRIA DO ANO
Em sua estréia no campeonato gaúcho a equipe da Capital venceu o São Luiz por 4 a 0, em Ijuí

O Grêmio conseguiu a sua primeira vitória do ano no jogo de estreia no Gauchão. Sábado à tarde, goleou o São Luiz, de Ijuí, por 4 a 0. Mesmo sem os titulares Danrlei, Roger, Dinho e Paulo Nunes, o time exibiu a mesma força e organização tática do ano passado. Além da conquista dos três primeiros pontos no campeonato gaúcho, a partida no Estádio 19 de Outubro serviu para aprimorar a adaptação dos novo jogadores ao esquema do técnico Luiz Felipe. E os recém-contratados mostraram que já começaram a se entender com os companheiros mais antigos: três dos quatro gols do time foram marcados pelos estreantes Zé Alcino, Capitão e Negreti.

Foi de Goiano, no entanto, o primeiro gol do jogo, aos 28in, quando chutou de fora da área e a bola desviou num zagueiro para enganar o goleiro Osvaldo. O time local sentiu o gol e passou a apertar mais a marcação, na tentativa de frear o ímpeto do Grêmio. Pouco adiantou. Num lance bem elaborado pelo lado direito, Zé Alcino fez a 2 a 0, aos 38min.

Na segunda etapa, o Grêmio continuou a dominar o São Luiz. A equipe de Luiz Felipe poderia ter chegado ao terceiro gol logo aos oito minutos, quando Negreti sofreu pênalti. O aproveitamento medíocre do Grêmio nas penalidades máximas acabou se confirmando mais uma vez. O centroavante Silvio bateu forte, pata fora.

O time de Ijuí conseguiu segurar o ataque do Grêmio até 32min do segundo tempo, quando Adilson marcou de cabeça na cobrança de um escanteio. O árbitro Fabiano Gonçalves, no entanto, deu gol de Capitão, que chutou depois de um zagueiro do São Luiz ter defendido a cabeçada de Adilson já dentro do gol. O lance mais perigoso do São Luiz ocorreu aos 40min, quando Paulo César apanhou de cabeça um cruzamento de Nazarildo, acertando a trave de Murilo.  A superioridade gremista foi coroada a um minuto do fim da partida. O habilidoso Negreti aproveitou uma falha da defesa adversária para fechar a goleada: 4 a 0.” (Zero Hora, segunda-feira, 5 de fevereiro de 1996)

“Três dos quatro gols foram marcados por estreantes em jogos oficiais. Apenas Goiano é veterano” (Tabelão Placar 1996, n.º1, página 11)

 

SÃO LUIZ: Osvaldo; Kiko, Jaime, Fábio e Clausemir; Nelson, Baggio (Jorjão), Sandro e Batista (Tiziu); Nazarildo e Paulo César
Técnico: Pontes

GRÊMIO: Murilo; Arce. Rivarola, Adilson e Carlos Miguel; João Antônio (Carlos Alberto) , Goiano, Emerson e Negretti; Zé Alcino (Márcio) e Sílvio (Capitão)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Gauchão 1996 – 1ª Fase – 1ª Rodada
Data: 03 de fevereiro de 1996, sábado
Local: Estádio 19 de Outubro, em Ijuí-RS
Público: 3.662 (2.717 pagantes)
Renda: 26.485,00
Árbitro: Fabiano Gonçalves
Auxiliares: José Oliveira e Cláudio Andrei
Cartões Amarelos: Zé Alcino, João Antônio, Kiko, Nazarildo, Fábio e Jaime
Gols: Goiano, aos 26 minutos do primeiro tempo, e Zé Alcino, aos 35 minutos, do 1° tempo; Capitão, aos 32 minutos e Negreti, aos 44 minutos do 2° tempo

Gauchão 2021 – Grêmio 4×0 Pelotas

March 29, 2021

Foto: Ricardo Giusti (Correio do Povo)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Esse Ricardinho está com uma média de gols bem interessante. Grande aproveitamento das chances que recebe.

Entendo que Renato esteja buscando alternativas para essa posição de meia “centralizado” do Grêmio, mas acho Alisson está longe de ser o mais capacitado para exercer essa função.

Foto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Grêmio 4×0 Pelotas

GRÊMIO: Brenno; Vanderson, Heitor (Ricardinho), Rodrigues, Diogo Barbosa; Matheus Henrique, Maicon (Lucas Silva), Alisson; Léo Chú (Thaciano), Diego Souza (Pedro Lucas) e Ferreirinha (Léo Pereira).
Técnico: Alexandre Mendes

PELOTAS: Gabriel Leite; Marcelo, Gabriel Silva, Maurício, Wendel; João Vieira, Juliano, José Aldo (Caio Mancha); Gabiga, Bustamante e Marcão (Marcos Paulo).
Técnico: Ricardo Colbachini

7ª Rodada – 1ª Fase – Gauchão 2021
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre, RS
Data: 28 de março de 2021, Domingo, 21h00min
Árbitro: Eleno Gonzales Todeschini
Assistentes: Lucio Beiersdorf Flor e Fagner Bueno Cortes
Cartões amarelos: Heitor (Grêmio); João Vieira (Pelotas)
Gols: Ricardinho, aos 21 minutos do 2ºT, Alisson, aos 25 do 2ºT, Diego Souza, aos 31 do 2ºT, e Ferreirinha, aos 33 do 2ºT

Brasileirão 1981 – 2ª Fase – 5ª Rodada – Fortaleza 0x4 Grêmio

March 28, 2021
1981 fortaleza fora edson pio o povo

Foto: Edson Pio (O Povo)

Há exatos 40 anos o Grêmio goleou o Fortaleza no Castelão pela penúltima rodada da segunda fase do Brasileirão de 1981.
Interessante notar que as fontes divergem sobre o autor do último gol do jogo. Pelo vídeo parece que foi Paulo Isidoro, o que seria um hat-trick do Tiziu. E mesmo assim ele saiu do jogo dizendo que gostaria de sair do clube ao final da competição (por não ter recebido um aumento, supostamente prometido pela diretoria após o Mundialito do Uruguai).
Já havia postado sobre sobre esse jogo em outubro de 2019, mas agora acrescento algumas matérias da Zero Hora sobre a partida, as colunas de Antônio Goulart do Correio do Povo e de Paulo Santana da Zero Hora. O detalhe é que na edição da Zero Hora que consultei no Museu Hipólito José da Costa tinha uma falha na impressão da página da crônica do jogo, que deixou alguns trechos ilegíveis.
[fortaleza_fora_foto.JPG]

GRÊMIO GOLEOU NOS ÚLTIMOS 26 MINUTOS
No primeiro tempo, o time errou nas conclusões
Depois da entrada de Héber, a vitória surgiu

O Grêmio aumentou ainda mais as suas chances de classificação à próxima fase da Taça de Ouro depois de vencer ao Fortaleza por 4 a O sábado à noite, na capital cearense. Mas o resultado pode até ser considerado exagerado pelo que foi a partida em seus 90 minutos. Somente nos últimos 15 minutos de jogo — depois que Héber, o melhor, estava em campo — o time de Ênio Andrade mostrou um futebol de acordo com a goleada. Agora o clube fica à espera do resultado entre São Paulo e Inter de Limeira quarta-feira à noite no Morumbi, para definir suas possibilidades para o último jogo, contra a Inter, no próximo domingo, no Olimpico.

A exemplo do que havia acontecido contra o São Paulo, a partida contra o Fortaleza serviu para mudar a formação do time titular do Grêmio. Ênio Andrade depois do jogo já confirmava Héber como o novo centroavante, merecidamente, pois foi ele na verdade o principal responsável pela goleada da equipe […], criou suas próprias dificuldades e teve sorte de também resolvê-las.

Animados pelo “bicho extra” da Inter de Limeira, os jogadores do Fortaleza mostraram muita movimentação enquanto tiveram condição física para tanto e boas jogadas na meia-cancha e no ataque. Mas o Grêmio já poderia ter definido o jogo logo nos primeiros minutos aproveitando-se das deficiências do setor defensivo da equipe cearense. A oito minutos, por exemplo, Baltazar entrou livre pela esquerda mas não chutou, nem passou, só cruzou para ninguém. Logo em seguida o Fortaleza teve urna de suas grandes oportunidades. Numa jogada de Odilon pela esquerda Tiquinho chutou mal, por cima, sozinho dentro da área.

O primeiro tempo foi assim: o Grêmio perdia gols Incríveis e permitia a reação do Fortaleza, que chegou a dominar em muitos momentos. Aos 11 minutos Baltazar, depois de receber passe de China, […] de todos os atacantes gremistas errarem em diversas conclusões. Mazolinha obrigou Leão a fazer uma difícil Aos 35 Odair, sozinho pela esquerda, chutou para fora. Um minuto depois Sérgio defendeu uma cabeçada de Baltazar que em seguida perdeu o gol mais incrível: depois de tirar a bola do último zagueiro ele avançou livre para o gol, tentou driblar e perdeu a bola para Sérgio.

Outro gol perdido por Baltazar, logo primeiros minutos do segundo tempo, definiu sua substituição por Héber, que no primeiro chute a gol conseguiu marcar- O Fortaleza tentou reagir mas o Grêmio estava melhor posicionado e mais confiante. E nos últimos 26 minutos surgiu a goleada. Os três gols de Isidoro saíram ao natural diante do limitado preparo físico do adversário e das excelente jogadas criadas por Héber: a solução de Ênio para uma equipe que estranhamente tinha sido mais cautelosa e mais nervosa do que o […]

Placar

HEBER aos 16 minutos do segundo tempo: 1 a 0 para o Grêmio — De Léon avançou pela esquerda e deu para Héber na entrada da área. Ele devolveu para o zagueiro, correu para a direita, recebeu e chutou de pé direito bem no canto direito do gol de Sérgio.

PAULO ISIDORO aos 88 minutos do segundo tempo: 2 a 0 para o Grêmio — Tarciso foi até a linha de fundo e cruzou na medida para Héber que tentou deslocar de cabeça ao goleiro. Sérgio defendeu parcialmente, e Isidoro, sozinho, de cima, apenas concluiu para dentro.

PAULO ISIDORO aos 40 minutos do segundo tempo: 3 a 0 para o Grêmio — Héber dominou a bola na esquerda, carregou pelo meio em direção à direita. Deu para Tarciso, recebeu, entrou na área sem ângulo e tocou de calcanhar direito exatamente onde estava Isidoro que chutou para cima, com força

PAULO ISIDORO aos 45 minutos do segundo tempo: 4 a 0 para o Grêmio — Héber deu para Casemiro, que entrava livre pelo lado esquerdo. O lateral tocou para Isidoro que depois de dominar de costas para o gol tentou encobrir o goleiro. Sérgio defendeu parcialmente e próprio, Isidoro foi concluir junto com Tarciso.” (Zero Hora, segunda-feira, 30 de março de 1981)

ÊNIO COM ESPERANÇA: – PRECISAMOS GARANTIR A CLASSIFICAÇÃO
No intervalo em Fortaleza ele chamou a atenção dos jogadores que não cumpriam com suas orientações

No intervalo do jogo contra o Fortaleza, depois de um primeiro tempo de muitos erros e até certo nervosismo por parte da maioria dos jogadores do Grêmio, o técnico Ênio Andrade teve que repreender o time todo pelas falhas apresentadas em 45 minutos. Depois, a equipe voltou ao campo, goleou o adversário e todos os jogadores admitiram que a conversa cio vestiário teve grande influência no comportamento do time:

— Eu não sei o que estava acontecendo — revelou Ênio Andrade. Porque se nós treinamos uma semana inteira um determinado tipo de marcação, era surpreendente que o Grêmio deixasse o adversário jogar livre, e que marcassem linha. E foi sobre isso que conversamos no vestiário, acertando detalhes e relembrando ó que ensaiamos tantas vezes no Estádio Olímpico.

No segundo tempo, já com os principais defeitos corrigidos, “o Grêmio chegou à vitória com toda a naturalidade porque marcou corretamente”. Para isso, no entanto, foi preciso ainda outra modificação — a substituição de Baltazar por Heber que, segundo Ênio Andrade, “deu ao time mais condição para, a tabela com os meias. Ele mereceu agora ficar com a posição de titular e inicia o jogo contra o Inter de Limeira”.

— O problema é que o Grêmio possui o goleador do Brasil em 1980, o Baltazar, e tinha que lhe dar uma oportunidade de se recuperar em campo. Mas o Heber entrou bem, deu condição para que o meio-campo jogasse mais e provou também no campo que pode ser titular”.

Para vencer o Fortaleza, Ênio Andrade teve que corrigir não apenas a disposição tática da equipe mas ainda orientar alguns jogadores para erros Importantes que estavam cometendo. Por exemplo: Ênio disse que Tarciso estava entrando em diagonal, o que diminuía o espaço de Paulo Isidoro; que Odair é orientado para receber lançamentos e estava voltando para buscar o jogo; e que De León estava jogando em linha com o Newmar, criando sérias dificuldades defensivas:

— O importante — disse Ênio — é que conseguimos superar tudo no segundo tempo, chegando a uma goleada com naturalidade, sem exageros. Agora, precisamos garantir a classificação.” (Zero Hora, segunda-feira, 30 de março de 1981)

“ELOGIOS
 
O melhor na situação de Héber é que não foi apenas o técnico Ênio Andrade que admitiu sua superioridade em relação a Baltazar no momento — ou, pelo menos, o fato de que ele é mais útil à equipe do que o ex-titular. 
 
No intervalo do jogo, o ponteiro direito Tarciso dizia que “no momento em que todos os jogadores soltarem a bola, o time marca os gols”, referindo-se evidentemente a Baltazar, que raramente procura a tabela ou o passe com um companheiro. 
 
A opinião de Tarciso acabou confirmada no segundo tempo porque Héber é realmente mais habilidoso e solidário do que Baltazar, faz bons passes e prepara muito bem as jogadas para os jogadores que estão chegando na área. Tanto que os dois meias da equipe. Paulo Isidoro e Wilson Tadei fizeram muitos elogios ao novo centroavante, sempre ressaltando sua capacidade de colocar outros jogadores em boa situação para a conclusão. 
 
— Quando entrou o Héber — disse Tadei — houve maior variedade de jogadas porque ele sabe segurar jogo, mesmo de costas para o adversário, até que alguém se aproxime para o passe. Isso não quer dizer que o Baltazar não mereça também elogios. É apenas uma questão de estilo: enquanto o Baltazar prefere jogar mais fixo na área, o Héber se movimenta mais para os lados, recebe e devolve em boas condições. 
 
Paulo Isidoro também concordou que a diferença básica entre Baltazar e Heber, é a característica de cada um. “O Baltazar já garantiu muitas vitórias difíceis e isso ninguém pode negar. Mas o Héber sabe preparar a jogada, ele joga com a mente e a prova disso foi aquele passe para o nosso segundo gol, em que ele deixou a bola parada para que eu chutasse sem marcação de ninguém. Agora problema é do treinador e ele vai saber escolher o melhor para o Grêmio.” (Zero Hora, segunda-feira, 30 de março de 1981)

Paulo Santana – “HÉBER, O FEÉRICO 

Se Baltazar era o iluminado, Héber pode vir a ser o Feérico. Iluminado é o que tem luz. Feérico é o que tem e dá luz. Vou explicar, sem querer bancar o sábio, o que as pessoas que entendem de futebol não precisavam ver assim repetido: o melhor centroavante não é o que faz mais gols; o melhor centroavante é aquele que permite que seu time faça mais gols; ou ainda, o melhor centroavante é aquele que erra menos gols. Todo mundo que é inteligente e entende de futebol não duvida dessas verdades. O diabo é que existem pessoas inteligentes que não entendem de futebol, que exercitam suas funções em torno do futebol porque à época havia vagas, elas se meteram no negócio e vão levando, às vezes até com êxito. Só que chega na hora de opinar sobre o básico, erram feio e nunca vão deixar de errar. Mas aprendam por favor enquanto aqueles que entendem de futebol estão vivos: o melhor, centroavante é o que colabora para que seus companheiros, lógico que também ele próprio, façam mais gols. Foi por isso que o Héber se consagrou em Fortaleza: teve 20 minutos de atuação que o Baltazar jamais alcançou em seus dois anos de Grêmio. Ou seja, participou de todos os quatros gols do Grêmio. Enquanto que o Baltazar, grande goleador do ano passado, só participa dos gols dele. Se vocês acham que estou sendo severo nesta análise, pois vou dar a palavra a um jogador do Grêmio que estava em campo, sábado em Fortaleza. Vejamos o que Tarciso disse no intervalo, depois que Baltazar aterrorizou todo mundo ao errar quatro gols feitos. Fala, Tarciso: “Não tem explicação os gols que erramos. Se nós nos conscientizássemos, na hora da conclusão, de que existe um companheiro melhor colocado para fazer o gol, se nós passássemos a bola para esse companheiro, nós não perderíamos tantos gols”. Isso foi o que Tarciso disse na Rádio Gaúcha. Não sou eu que estou inventando. Só quero, embora o Tarciso não pudesse ser mais claro, lembrar o que sempre escrevi e falei sobre Baltazar, desde que o vi jogar pela primeira vez, unindo ao que disse Tarciso: “Baltazar é cristão fora do campo. No campo ele não é cristão. Se fosse, passaria a bola para seus companheiros”. Não se trata de criticar Baltazar, até mesmo porque ele só tem 21 anos e um dia pode possuir a felicidade de topar com um treinador que pense como este comentarista, que o corrigirá. Mas se trata, isso sim, de deixar bem claro agora, para que os preenchedores de vagas não mais incomodem, é que Héber oxigenou o time do Grêmio, Héber não só fez o gol, não só participou dos outros três, como também solta a bola para os colegas, solta e vai colocar-se, tem sentido de coletivismo. E Héber tem uma vantagem sobre Baltazar que André também tinha: Héber tem quatro ferramentas, enquanto Baltazar tem só uma. Vejam as quatro de Héber, pelo que se viu sábado: pé direito, pé esquerdo, cabeça e calcanhar. Baltazar só tem o pé direito. Então o Ênio Andrade está com a razão: Héber é o novo centroavante titular do Grêmio. Héber, o Feérico. 

 • • •

 Com Vitor Hugo de libero, de grande líder, no dizer dos que gostam dele como libero e líder, o Grêmio perdeu de 3 a 0 para o 15 de Novembro em 79 e foi desclassificado do campeonato nacional; em 80, com o Vitor Hugo, o Grêmio perdeu de 5 a 0 para o Corinthians, sendo desclassificado; em 81, com Vítor Hugo, o Palmeiras levou 6 a 0 Internacional e está quase desclassificado. Esta crônica não é contra Vitor Hugo. Ela apenas quer que as viúvas do Vítor Hugo, as que tentaram envenenar a torcida do Grêmio ao dizer que Vítor Hugo estava fazendo falta, nunca mais voltem a falar nesta barbaridade. Calem-se sempre. Vocês estão se queimando com o público. Que libero é este?”  (Paulo Santana, Zero Hora, segunda-feira, 30 de março de 1981)

1981 fortaleza fora placar
“OPINIÃO: O gás do Fortaleza só deu para um tempo, no segundo, o Grêmio deslanchou” (Luciano Luque, Revista Placar, Edição n.º 568 – 3 de abril de 1981)

Antônio Goulart – “PONTARIA E MARCAÇÃO

Não sei se foi intuição retardada ou consequência de sobra de tempo para treinamentos. A verdade é que tolo Andrade começou ontem a tentativa de correção de dois pontos fracos de sua equipe: chutes a gol e marcação individual em todo o campo. O Grémio vem-se caracterizando, ultimamente, como um time perdedor de gols feitos; a exceção foram os 26 minutos finais contra o Fortaleza. Por isso, o técnico tratou de exercitar a pontaria de seus atacantes, com bolas cruzadas de todos os lados, a qualquer distância, para finalizações, tanto com o pé direito como com o esquerdo e de cabeça. E o tipo de treino que deveria ser feito todos os dias. Garanto que os resultados seriam bem diferentes.

O Grêmio de agora também vem mostrando que a marcação, fora do quinteto defensivo, não é o seu ponto forte. Pois ontem Ênio Andrade chamou a atenção de sua meia-cancha e deu uma nova tarefa aos jogadores do setor: marcar o adversário no campo todo. Sob este aspecto, houve um recado especial para Vilson Tadei. O próprio técnico reconhece que é preciso que todos os jogadores, os atacantes também, se acostumem com a tarefa de marcar.” (Antônio Goulart, Correio do Povo, 2 de abril de 1981)

Antônio Goulart  –   “O PODER DAS GOLEADAS

Sem dúvida, a grande revelação do Grêmio em Fortaleza foi Héber, tanto que garantiu sua escalação para o próximo jogo, no lugar de um goleador titular que vinha perdendo muitos gols. A substituição não significa, porém, que todos os problemas do time de Ênio Andrade estejam resolvidos. Aquela vitória não pode ser tornada como reflexo de uma plena recuperação. Um jogador sozinho não salva uma equipe. Bem marcado, pode frustrar muita gente. E o técnico da Inter de Limeira, a esta altura, já deve estar sabendo de quase tudo e virá ao Olímpico, no final da semana, preparado para tentai anular a nova arma do ataque tricolor.

O banco de reserva deverá, de Início, ser um pouco constrangedor para Baltazar. Mas, com certeza, irá lhe fazer bem. No meu modo de ver, dois fatores contribuíram para que o centroavante do Grêmio diminuísse o seu rendimento em campo. Em primeiro lugar, o casamento que, como é natural, alterou sensivelmente sistema de vida do jogador, sua rotina do dia-a-dia, antes dedicada quase que integralmente ao clube. Em segundo lugar, talvez com maior influência, foi o fato de Baltazar não ter, até há pouco, um reserva especialista da posição. A quase certeza de que a camisa 9 não poderia ser dada a outro, nem em treinos e muito menos nos jogos, é provável que o tenha levado a abandonar a preocupação permanente de brigar por ela.

Agora, com Héber na sombra, Baltazar deverá se empenhar com muito mais vontade. E poderá recuperar a posição, não por forca apenas do seu prestígio ou de suas estatísticas de goleador, mas jogando futebol.” (Antônio Goulart, Correio do Povo, 31 de março de 1981)

1981 fortaleza fora gaucha

Fortaleza 0 x 4 Grêmio

FORTALEZA: Sérgio; Totó, Marcão (Roberto, intervalo), Rôner e Dudé; Chinesinho (Beto, 20 do 2º), Odilon e Adriano; Mazolinha, Rogério e Tiquinho.
Técnico: Martins Monteiro (interino)

GRÊMIO: Leão; Paulo Roberto, Newmar, De León e Casemiro; China, Paulo Isidoro e Vílson Tadei; Tarciso, Baltazar (Heber 10 do 2ºT) e Odair.
Técnico: Ênio Andrade

Brasileirão 1981 – 2ª Fase – 5ª Rodada
Data: 28/03/1981, Sábado, 21h00min
Local: Castelão, em Fortaleza – CE
Público: 1.628
Renda: Cr$ 165.250,00
Juiz: José Roberto Wright (RJ)
Auxiliares: Antonio Carminha e Artur Braz
Cartão Amarelo: Marcão
Gols: Heber aos 15, Paulo Isidoro aos 40, 42  44 minutos do 2ºtempo

Gauchão 2021 – Juventude 2×1 Grêmio

March 26, 2021

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Achei que esse time reserva do Grêmio esteve um pouco abaixo do que apresentou nas rodadas anteriores. Pareceu um pouco disperso. Obviamente não se pode deixar de considerar a maior qualidade do adversário, que está se preparando para jogar a primeira divisão do Brasileirão em 2021.

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

 

Foto: Fernando Alves (E.C.Juventude)

Juventude 2×1 Grêmio

JUVENTUDE: Marcelo Carné; Paulo Henrique, Cleberson, Vitor Mendes  e Eltinho; João Paulo e Elton (Alisson, 39’/2ºT); Capixaba, Guilherme Castilho (Gustavo Bochecha, 35’/2ºT) e Marcos Vinicios; Matheus Peixoto (Júnior Todinho, 30’/2ºT)
Técnico: Marquinhos Santos.

GRÊMIO: Brenno; Vanderson, Ruan, Rodrigues e Cortez; Lucas Araújo (Fernando Henrique, 21’/2ºT) e Darlan (Thayllon, 35’/2ºT); Léo Pereira, Pedro Lucas (Victor Bobsin, 21’/2ºT) e Ferreira; Ricardinho
Técnico: Alexandre Mendes (auxiliar)

6ª rodada – Primeira Fase – Gauchão 2021
Data: 25 de março, quinta-feira, 21h30min
Local: Estádio Montanha dos Vinhedos, em Bento Gonçalves – RS
Árbitro: Vinicius Gomes do Amaral
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi e Juarez de Mello Júnior
Cartões amarelos: Eltinho
Gols: Ricardinho, aos 46 minutos do 1º tempo; Matheus Peixoto, aos 17 minutos e Eltinho (de pênalti), aos 21 minutos do segundo tempo

Gauchão 2001 – Juventude 1×0 Grêmio

March 25, 2021

Foto: Jeferson Botega (Zero Hora)

Na primeira rodada do segundo turno do Octogonal do Gauchão de 2001 o Grêmio foi derrotado pelo Juventude, no Alfredo Jaconi, por 1×0 (gol de Dauri, convertendo um pênalti cometido por Anderson Polga).

Por falar em Polga, nas fichas técnicas do Correio do Povo, Placar, Pioneiro e Zero Hora ele é escalado no meio de campo, deixando o Grêmio um 4-4-2. Mas se a memória não me falha, nesta altura da temporada o tricolor já estava atuando num 3-5-2 e Polga era zagueiro (stopper) pela esquerda.

“VITÓRIA DO JUVENTUDE DÁ NOVO ÂNIMO NA LARGADA DO RETURNO
Dirigentes sugerem que árbitro Carlos Simon não seja mais escalado nas partidas do Grêmio Vitória do juventude dá novo ânimo na largada do returno

O resultado da partida da tarde de sábado, no Alfredo Jaconi, foi péssimo para o Grêmio, que perdeu a invencibilidade no Gauchão, mas motiva o campeonato.

A vitória do Juventude por 1 a 0, gol de Dauri, de pênalti, aos 28 minutos do segundo tempo, deixa o Grêmio – campeão do primeiro turno do octogonal e já garantido na finalíssima – atrás na largada, e dá ânimo ao time de Caxias do Sul na briga pela conquista do returno, que lidera ao lado do Caxias, o outro vencedor na rodada.

Anderson Polga tocou claramente na bola com a mão direita dentro da área do Grêmio após uma cobrança de escanteio do Juventude pelo lado esquerdo. Mesmo assim, dirigentes e jogadores do Grêmio viram excesso no pênalti assinalado por Simon, que deu origem ao gol do jogo. Deixaram o Jaconi reclamando do juiz.

– Ele descobriu um pênalti – queixou-se Mauro Gaivão, fazendo coro ao presidente José Alberto Guerreiro e ao vice José Otávio Germano. Germano chegou a dizer que o Grêmio vem sendo “reiteradamente” prejudicado por Carlos Simon nos últimos jogos, enquanto Guerreiro afirmou que a arbitragem foi “péssima- não só pelo pênalti, mas também pela falta de rigor no aspecto disciplinar. Sugeriram que o departamento de árbitros não o escale mais nos jogos do Grêmio, repetindo a atitude do Inter com relação a Leonardo Gaciba.

– Isso faz parte da cultura do Gauchão, é assim mesmo -disse Simon, sem expressar preocupação.

No primeiro tempo, o Juventude chegou a ter um gol de Dauri corretamente anulado pelo auxiliar Sérgio Cordeiro. O atacante estava impedido. O Juventude começou mais insinuante, criou boas chances com Michel, aos 20 e 32 minutos, e Dauri, aos 30 minutos. O Grêmio especulou em contra-ataques, principalmente com Marcelinho, que acertou o travessão aos 44 minutos do primeiro tempo. Simon distribuiu 10 cartões amare-los (sete na etapa inicial), seis para o Grêmio, e também foi criticado pelo Juventude, principalmente pelo gol anulado de Dauri.

Ao final da partida, o Juventude fez o discurso da humildade, dizendo que foi apenas uma vitória e que restam mais seis jogos a serem superados. Mas muitos também não esconderam que acreditam sim em lutar pela vaga na decisão.

-Foi a vitória da equipe que acreditou e teve a atitude para fazer do sonho uma realidade – elogiou o treinador Hélio dos Anjos. — Não podemos pensar apenas no que fizemos, mas no que vem pela frente.

– O Juventude tem um sonho, e hoje demos um grande passo muito grande para realizá-lo – acrescentou Dauri.” (Zero Hora, segunda-feira, 9 de abril de 2001)

Foto: Roni Rigon (Pioneiro)

“O Grêmio foi derrotado pelo Juventude por 1 a 0, no sábado, em Caxias do Sul. Jogando contra o seu mais difícil adversário no Gauchão, a equipe de Tite perdeu a invencibilidade na competição. Logo a 7 minutos, Dauri marcou para o Juventude, mas, impedido, teve o gol anulado, o que deixou o clima do jogo ainda mais tenso. Aos 32, Michel desviou de Danrlei, mas a bola bateu na trave.

Acuado, o Grêmio buscou os contra-ataques e, aos 44, Marcelinho invadiu a área e acertou o travessão. Na segunda etapa, muita marcação e poucas chances de gol. Aos 29, quando o Juventude era melhor em campo, após uma cobrança de escanteio, Polga colocou a mão na bola dentro da área. Dauri cobrou e fez 1 a 0” (Correio do Povo, segunda-feira, 9 de abril de 2001 – Fonte: Grêmio Dados)

Juventude 1×0 Grêmio

JUVENTUDE Dieqo: Ivo (Marinho), Fernandão, Luiz Oscar e João Marcelo; Fernando, Ivair, Sidnei e Michel (Lau); Lucia­no Fonseca (Pontes) e Dauri
Técnico: Hélio dos Anjos

GRÊMIO Danrlei; , Alex Xavier (Marinho), Mauro Galvão e Anderson Polga; Anderson Lima, Eduardo Costa, Tinqa, Zinho (Rodrigo Mendes) e Rubens Cardoso; Renato Martins (Luís Mário) e Marcelinho Paraíba
Técnico: Tite

Gauchão 2001 – Segundo Turno – 1ª Rodada
Data: 07 de abril de 2001, sábado
Local: Estádio Alfredo Jaconi
Público: 12.567
Renda: R$ 60.104,00
Arbitragem: Carlos Simon
Auxiliares: Sérgio Cordeiro e Silvio Rogerio Silva
Cartões amarelos: Ivo, Fernando, Ivair, Michel  Alex Xavier, Rubens Cardo­so, Eduardo Costa, Anderson Polga, Rodrigo Mendes e Luís Mário
Gol: Dauri (de pênalti), aos 28minutos, do segundo tempo.

Gauchão 2021 – São José 1×1 Grêmio

March 23, 2021

Eu acho que nos principais campeonatos disputados no país não deveria ser permitida a realização de partidas em gramado sintético. Por vezes parece que estamos assistindo outro esporte. Mas se a CBF permite que Palmeiras e Athlético Paranaense façam uso desse expediente na primeira divisão nacional, como cobrar que a FGF impeça o São José de fazer o mesmo?

Foto: Lucas Bubols (Globo Esporte)

SÃO JOSÉ: Fábio; Léo Príncipe, Pablo, Victor Sallinas e Marcelo; Rafael Jataí (Fabiano, intervalo); França (Cláudio Maradona, 17’/2ºT), Lissandro, Tavares (Chystopher, 21’/2ºT), Kelvin (Alessandro Vinícius, INT); Luiz Eduardo (Wagner, 43’/2ºT)
Técnico: Gabriel Carvalho (interino)

GRÊMIO: Brenno; Vanderson, Ruan, Rodrigues e Cortez; Lucas Araújo (Fernando Henrique, 12/2ºT), Darlan; Guilherme Azevedo (Léo Chú, 35’/1ºT), Pedro Lucas (Emanuel, 49’/2ºT) e Ferreira; Ricardinho (Victor Bobsin, 49’/2ºT)
Técnico: Alexandre Mendes (auxiliar)

Local: Estádio Passo d´Areia, em Porto Alegre, RS
Data:  22/03/2021, Segunda-Feira, 20h00min
Árbitro: Douglas Schwengber da Silva
Assistentes: Fabricio Lima Baseggio e Luiza Naujorks Reis
Cartões amarelos: Rafael Tavares, Luiz Eduardo, Fabiano, Wagner, Brenno, Pedro Lucas, Ruan
Cartão vermelho: Léo Chú (GRE)
Gols: Luiz Eduardo, aos 7 minutos do segundo tempo; Pedro Lucas aos 27 minutos do 2º tempo

Brasileirão 1981 – 2ª Fase – Grêmio 1×0 São Paulo

March 21, 2021

Foto: Zero Hora

 

Há exatos 40 anos o Grêmio vencia o São Paulo por 1×0 no Olímpico, num jogo paradigmático na campanha do título brasileiro de 1981. A equipe gremista precisava superar o então invicto São Paulo para continuar com chances de classificação para as oitavas de final. O Grêmio estava na 3ª posição do Grupo I da segunda fase, com 1 vitória e duas derrotas, sendo que somente os dois primeiros colocados de cada grupo avançavam para a fase seguinte.

Ênio Andrade tinha uma série de desfalques. Uchoa, Vantuir, Vicente e Jurandir estavam lesionados, além de Dirceu e Renato Sá que estavam suspensos. Desse modo o treinador se viu obrigado a promover a entrada de diversos jovens oriundos da base na defesa gremista (Ilgo Wink conta que os setoristas do Grêmio já faziam uma espécie de lobby pelas prata da casa na época).

E a gurizada deu conta do recado e não saiu mais do time. O estreante Paulo Roberto foi um dos destaques do time, na vitória com gol do artilheiro Baltazar.

Uma curiosidade, na Zero Hora da época foi publicada a informação de que o bicho por essa vitória foi de 30 mil cruzeiros (o equivalente a cerca de 3.500 reais nos dias de hoje).

P.S.: Eu tinha publicado esse mesmo post em novembro de 2019. Hoje o repito, com o acréscimo dessas duas primeiras fotos.

Foto: Zero Hora

 

Foto: Zero Hora

Foto: Zero Hora

Foto: Zero Hora

 

GOL DE BALTAZAR DÁ VITÓRIA AO GRÊMIO E ACABA COM A INVENCIBILIDADE DO S.PAULO

Porto Alegre – Com um gol de Baltasar, aos 25 minutos do segundo tempo, o Grêmio venceu o São Paulo (que era o único invicto da Taça de Ouro), ontem à tarde, no Estádio Olímpico, e manteve as esperanças de classificação à fase seguinte do Campeonato. Agora, tem quatro pontos ganhos e ainda lhe faltam dois jogos, um deles em casa, contra o Inter de Limeira, seu principal adversário no grupo I.

Fundamentalmente, a vitória premiou o time que mais a procurou. O São Paulo, praticamente classificado, propôs, durante todo tempo, um jogo defensivo, apenas com Assis e Valtinho na frente, tentando as jogadas de contra-ataque. Mas o Grêmio, levado pela necessidade de vencer e muito incentivado por sua torcida; não deu as mínimas chances ao São Paulo. Além’ de criar inúmeras chances para marcar.

SÓ ATAQUE
Se o São Paulo não chegou a criar lima única situação de gol, o Grêmio teve, nos dois tempos de Jogo, muitas oportunidades para marcar, com o goleiro Toinho fazendo grandes defesas. Com uma movimentação constante no setor de, meio de campo e com o apoio constante dos dois laterais (a estréia do Juvenil Paulo Roberto foi excelente), o Grêmio forçou sempre a zaga paulista

A primeira grande chance do Grêmio foi com Vilson Tadei, aos 25 minutos, do primeiro tempo, quando penetrou pelo meio e obrigou o goleiro Toinho a fazer grande defesa. Aos 35, Casemiro chutou muito forte de fora da área, com a bola batendo na trave direita. Aos 39, o Juvenil Paulo Roberto bateu falta da mela esquerda, e obrigou Toinho a fazer outra grande defesa.

No segundo tempo, logo aos 4 minutos, Tarciso tinha tudo para marcar, quando o zagueiro Nei salvou. Aos 24, Paulo Isidoro cabeceou livre e Toinho fez outra grande defesa. Mas, aos 25, Tarciso bateu falta da direita e Baltazar, no meio da zaga do São Paulo, conseguiu cabecear, vencendo o goleiro Toinho, que passou a ser chamado de “Frangueiro” pela torcida. Os Jogadores do São Paulo, sentindo que a invencibilidade estava sendo perdida, ficaram muito nervosos em campo e Élvio acabou expulso depois de atingir Paulo Isidoro. O lateral Chiquito, no mesmo lance, tentou atingir com a bola o médico do Grêmio, que atendia a Isidoro, ainda em campo. Com essa vitória, o Grêmio soma quatro pontos na tabela de classificação, que deverá ser decidida contra o Inter de Limeira, no Estádio Olímpico. Antes disso, o Grêmio joga contra o Fortaleza, em Fortaleza.” (Jornal do Brasil, domingo, 22 de março de 1981)

Placar: Com muita garra o Grêmio derrotou o último invicto e fez sua melhor partida neste nacional. O São Paulo usou toda a catimba possível mas não pôde evitar a derrota e a perda da invencibilidade.

VITÓRIA DIFÍCIL MANTÉM GRÊMIO NA LUTA PELA CLASSIFICAÇÃO
A torcida gostou do gol de Baltazar e do ótimo futebol apresentado pelos novos jogadores

O gol de Baltazar que deu a vitória ao Grêmio, sábado à tarde no Olímpico, ficou como a imagem da própria partida: a bola nem chegou até o fundo da goleira —o goleiro Toinho agarrou-a logo que ultrapassou a risca — mas bastou para manter o clube com boas chances de classificação à próxima fase da Taça de Ouro. Difícil, dramático, tenso — assim foi o jogo contra o São Paulo que perdeu sua invencibilidade a muito custo, diante de mais de 30 mil torcedores que ficaram entusiasmados com a nova equipe do grêmio.

Foi realmente um jogo decisivo para o clube em todos os sentidos. A equipe enfrentou todas as espécies de dificuldades. Desde a catimba e provocações dos jogadores adversários até as chances de gol não aproveitadas que serviram para aumentar o nervosismo nas arquibancadas e no gramado. Tudo foi superado. A partir da vitalidade, disposição e garra de garotos como Paulo Roberto e Casemiro — sem falar nas suas qualidades individuais — o time de Ênio Andrade dominou completamente o São Paulo e teve condições de vencer por uma diferença maior.

O Grêmio mostrou que pode ter uma equipe com possibilidades de tentar resultados ainda melhores. Sua vitória convenceu e fez justiça na medida em que apenas uma equipe preocupou-se em construí-la.

OS MENINOS

Se nos primeiros 20 minutos o jogo se manteve equilibrado com o São Paulo adotando até mesmo uma posição ofensiva, De León tratou de usar sua experiência para impor seu futebol e empurrar o restante do time para frente. Se as faltas cometidas pelos paulistas única forma com que os jogadores do Grêmio tentarem o gol neste período não foram aproveitadas tanto por Paulo Isidoro como por Odair — Paulo Roberto provou depois que o time já dispõe de um cobrador: aos 36 minutos do primeiro tempo ele quase acertou, o que se repetiria em duas oportunidades no segundo tempo.

Se o Grêmio não tinha jogadas inteligentes pelo meio da área, Vilson Tadei em tabela com Paulo Isidoro ficou sozinho à frente de Toinho obrigando o goleiro a fazer sua primeira grande defesa aos 25 minutos do primeiro tempo. Se o Grêmio antes não tinha chute de longa distância, Casemiro provou o contrário acertando o poste aos 34 minutos. “O time dos meninos” como diria Ênio Andrade depois do jogo, realmente surpreendeu pela consciência e espírito de luta.

O São Paulo saiu de campo sem ter chutado nenhuma bola ao gol de Leão. E o time paulista acabou perdendo tranquilidade e a elegância. ÉIvio foi expulso por chutar Isidoro e Chiquito depois de uma discussão com o médico Alarico Endres na beira do gramado tentou acertar com urna bolada o reservado do Grêmio. Ás vezes violento, mas sempre disputando o jogo ao final deixava algumas comprovações: o Grêmio superara suas próprias dificuldades, Paulo Roberto tem um futebol de craque e Baltazar é mesmo um jogador com inspiração divina.

Mas a classificação ainda não está garantida, pois o Inter de Limeira fez 5 a 1 no Fortaleza no sábado à noite e o Grêmio ainda continua precisando de grandes vitórias.

O placar

BALTAZAR, aos 26 minutos do segundo tempo : 1 a 0 para o Grêmio – Tarciso sofreu falta de Marinho na ponta direita. Ele mesmo bateu em cruzamento sobre a área. Baltazar cabeceou para baixo, o pique enganou Toinho que deixou a bola passar por cima do seu ombro e cair dentro da goleira no lado direito.” (Geanoni Peixoto e Pedro Macedo, Zero Hora, Segunda-feira, 23 de março de 1981)

Foto: Correio do Povo

GRÊMIO VENCE SÃO PAULO E PARTE PARA CLASSIFICAÇÃO

Falta ao lado direito. Tarciso é rápido na cobrança, cruzando para a área. Zagueiros do São Paulo vacilam e Baltazar é preciso na cabeçada. Vinte e cinco minutos, segundo tempo, o Grêmio estava vencendo o São Paulo, por 1×0, no Olímpico, iniciando a arrancada rumo à classificação.

Apesar de ser superior ao time paulista, o Grêmio teve um primeiro tempo de muitas ameaças, finalizações e. por azar, grandes defesas do goleiro Toinho. Plenamente ofensivo e explorando o recuo do São Paulo, o tricolor pressionou com insistência. O gol, porém, não saiu nesta fase.

No tempo final, o mesmo domínio. Depois, o gol que fez justiça. O Grêmio mostrou mais futebol. Daí o escore favorável e o apoio da torcida (CrS 3.279.540,00, a arrecadação) que não parou um instante de incentivar os jogadores.

O Grêmio ganhou por 1×0 do São Paulo, com Leão; Paulo Roberto, Newmar, De León e Casemiro; China, Paulo Isidoro, Tadei; Tamiso, Baltazar e Odair. O São Paulo jogou com Toinho; Chiquito, Nei, Dario Pereira e Marinho; Almir, Élvio (expulso) e Éverton; Valtinho (Tatu), Assis (Marquinho) e Heriberto. Bráulio Zanotto foi um bom árbitro, com Célio Laudelino e José Nunes, os auxiliares.

A vitória gremista foi amplamente festejada. É o que o torcedor esperava. Agora, sem dúvida, passando pelo São Paulo, o time tem condições de continuar lutando pelo objetivo maior: a classificação. Outro fator positivo da vitória: a. excelente estréia do lateral Paulo Roberto. O júnior esteve excelente na marcação e, quando partiu para o apoio, saiu-se com segurança. Portanto, foi outro motivo de grande vibração da torcida. Agora, mais tranqüilo, bicampeão gaúcho prepara-se para enfrentar a próxima jornada. A primeira decisão foi vencida.” (Correio do Povo, 22 de março de 1981)

Foto: Correio do Povo

 

Grêmio 1 x 0 São Paulo

GRÊMIO: Leão; Paulo Roberto, Newmar, De León e Casemiro; China, Paulo Isidoro e Vílson Tadei; Tarciso, Baltazar e Odair
Técnico: Ênio Andrade

SÃO PAULO: Toinho, Chiquito, Nei, Darío Pereyra e Marinho; Almir, Élvio e Éverton; Valtinho (Tatú 37 do 2º), Assis (Marquinhos 22 do 2º) e Eriberto.
Técnico: Carlos Alberto Silva

Brasileirão 1981 – 2ª Fase- 4ª rodada
Data: 21 de março de 1983, Sábado, 16h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 27.999 pagantes
Renda: Cr$ 3.279.540,00
Juiz: Bráulio Zanotto (PR)
Auxiliares: Celso Laudelino da Silva e José Nunes
Cartão Amarelo: De León
Cartão Vermelho: Élvio, 31 do 2º
Gol: Baltazar, aos 25 minutos do 2ºtempo

Gauchão 2021 – Grêmio 2×0 Aimoré

March 20, 2021

Duas coisas que não aconteciam há algum tempo:

– Jogo do Gauchão no Sportv.

– Goleiro do Grêmio fazendo defesas difíceis.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Grêmio 2×0 Aimoré

GRÊMIO: Brenno; Vanderson, Ruan, Rodrigues e Cortez; Darlan (Varela, 35’/ºT), Lucas Araújo (Fernando Henrique, 27’/2ºT); Guilherme Azevedo (Léo Chú, 27’/2ºT), Pedro Lucas (Bitello, 35’/ºT) e Ferreira; Ricardinho (Emanuel, 45’/2ºT)
Técnico: Alexandre Mendes (auxiliar)

AIMORÉ: Raul; Bruno Ferreira, Renato, Ricardo Thalheimer e Lucas Sampaio; Marabá (Janeudo, 19’/2ºT); Wesley (Marcelinho, intervalo), João Denoni, Isaías (Everton Júnior, /2ºT) e Érico Júnior (Luís Soares, 19’/2ºT); Neto Baiano (Ricardo, 45’/2ºT)
Técnico: Gilson Maciel

Local: Arena do Grêmio, Porto Alegre, RS
Data: 19 de março, sexta-feira, 20h00min
Hora: 20h (horário de Brasília)
Árbitro: Lucas Guimarães Rechatiko Horn
Assistentes: Mauricio Coelho Silva Pena e David Baquini da Silva
Cartões amarelos: Marabá e Wesley, Ruan
Gols: Guilherme Azevedo (de pênalti), aos 32 minutos do 1º tempo; Ricardinho, aos 42 minutos do 1º tempo;

Libertadores 2021 – Ayacucho 1×2 Grêmio

March 17, 2021

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Foto: Santiago Arcos (POOL/AFP)

Esse item 3.7.2.1 do Regulamento da Libertadores (página 66) dá demasiada liberdade para a Conmebol fazer o que bem entender com os mandos de campo. Não vejo muito sentido em ter sido o Ayacucho prejudicado por algo que acontecia no país do Grêmio.

Foto: Staff Images – Conmebol

Foto: Staff Images -Conmebol

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Ayacucho 1×2 Grêmio

AYACUCHO: Espinoza; Villamarín, Delgado, Quina e Aguirre; Paucar, Mendieta; Carranza (Olascuaga, 21’/2ºT), Ardiles (Casique, 44’/2ºT) e Leandro Sosa; Posito
Técnico: Walter Fiori

GRÊMIO: Brenno; Vanderson, Ruan, Rodrigues e Cortez; Lucas Araújo (Fernando Henrique, 17’/2ºT), Darlan (Varela, 42’/2ºT); Guilherme Azevedo (Léo Chú, 31’/2ºT), Thaciano (Pedro Lucas, 17’/2ºT) e Ferreira; Ricardinho (Léo Pereira, 42’/2ºT)
Técnico: Alexandre Mendes

Local: Estádio Olímpico Atahualpa, em Quito (EQU)
Data: 16 de março, terça-feira, 21h30min
Arbitragem: Esteban Ostojich (URU)
Assistentes: Martin Sopp e Horacio Ferrero (ambos do URU)
Cartões amarelos: Páucar, Villamarín e Mendieta; Ruan e Fernando Henrique
Gol: Leandro Sosa, aos 39 minutos do 1ºT); Ferreira, aos 40 minutos do 1ºT; Ricardinho, aos 41 minutos do 2ºT (

Gauchão 2021 – Esportivo 0x2 Grêmio

March 17, 2021

Foto: Kévin Sganzerla (Esportivo)

 

Já estamos na quarta rodada e até agora nenhuma partida da competição foi transmitida na TV aberta.

 

Foto: Lucas Uebel (Grêmio)

Esportivo 0x2 Grêmio

Esportivo: Anderson; Itaqui (Mateus Norton), Junior Alves, Igor, Samuel Balbino; Lucas Hulk, Mateus Santana e Juninho Tardelli (Gonzalo); Daniel Cruz (Vini Martins), William (Rennan Oliveira) e Warlei (Wesley Pacheco).
Técnico: Luís Carlos Winck

Grêmio: Brenno; Vanderson (Felipe), Rodrigues, Ruan e Bruno Cortez; Darlan (Heitor), Thaciano e Pinares; (Lucas Araújo) Léo Chu (Léo Pereira) e Guilherme Azevedo; Isaque (Ricardinho).
Técnico: Renato Portaluppi

4ª Rodada – primeira fase – Gauchão 2021
Data: sábado, 13 de março, sábado, 20h00min
Local: Estádio Montanha dos Vinhedos, Bento Gonçalves (RS)
Arbitragem: Jonathan Benkenstein Pinheiro
Assistentes: Leirson Peng Martins e Mateus Olivério Rocha
Cartões amarelos: Lucas Hulk (ESP)
Gols: Thaciano, aos 24 minutos do primeiro tempo; Lucas Araújo (de pênalti), aos 30 minutos do segundo tempo.