Archive for May, 2021

Brasileirão 2021 – Ceará 3×2 Grêmio

May 31, 2021

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Essa foi a 18ª partida de estreia do Grêmio na história do Brasileirão por pontos corridos. Somente em sete ocasiões o Grêmio saiu com vitória na primeira rodada. Mais de 50% aproveitamento nas duas primeiras rodadas do Brasileirão por pontos corridos o Grêmio também só atingiu em 7 das suas 18 participações (sendo que 6 pontos nos dois primeiros jogos só conseguiu em 2017). Cabe lembrar, novamente, a lição de Guardiola sobre pontos corridos:  “As ligas são ganhas nas últimas oito rodadas, e são perdidas nas oito primeiras.”

Não consigo porque a Umbro não faz (ou ainda não fez) uma meia azul celeste para o Grêmio. E desconfio que alguém no Grêmio gosta muito dessa combinação de camisa e calções azuis com a meia branca. Eu não gosto. Acho é a pior alternativa para quando o adversário joga com calções e meias pretos (gosto mais do calção branco com meia azul e calção e meias brancos).

O VAR não ajudou muito no jogo de hoje. Em nenhum momento as imagens esclareceram por completo os lances. Não ficou claro que a bola não saiu no segundo gol do Grêmio. O VAR não exibiu nada que comprovasse que o árbitro cometeu um  “erro claro e óbvio” no pênalti marcado sobre Cortez e a legalidade da posição dos atletas do Ceará no terceiro gol também não ficou tão evidente.

Foto: Caio Rocha (FramePhoto/Gazeta Press)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Ceará 3×2 Grêmio

CEARÁ: João Ricardo Vinicius Machado, INT);  Buiú, Messias, Gabriel Lacerda e Kelvyn;  Oliveira e Pedro Naressi (Charles, 30’/2ºT); Jorginho, Rick (Wendson, 47’/2ºT) e Saulo (Yony González, 26’/2ºT); Cléber (João Victor, 30’/2ºT)
Técnico: Guto Ferreira

GRÊMIO: Brenno; Vanderson, Geromel, Ruan, Diogo Barbosa (Cortez, INT), Thiago Santos e Lucas Silva (Jean Pyerre, INT);  Léo Pereira   Jhonata Robert, INT), Matheus Henrique e Léo Chú (Guilherme Azevedo, 47’/2ºT) ; Ricardinho

Técnico:  Evandro Fornari (auxiliar)

1ª Rodada – Brasileirão 2021
Data: 30 de maio de 2021, domingo, 16h00min
Local: Estádio Castelão, em Fortaleza, CE
Árbitro: Sávio Pereira Sampaio (DF)
Assistentes: Daniel Henrique Andrade (DF) e José Reinaldo Jr. (DF)
VAR: Rodrigo Dalonso Ferreira (SC)
Cartões amarelos: Messias, Buiú e Charles (Ceará); Thiago Santos, Geromel e Robert (Grêmio)
Gols Cléber, aos 35min, Rick, aos 41min, e Vanderson, aos 47min do 1º tempo; Ricardinho, aos 3min e Jorginho aos 48min do 2º tempo.

Copa do Brasil 2001 – Semifinal – Jogo de Ida – Grêmio 3×1 Coritiba

May 30, 2021

Há exatos 20 anos o Grêmio vencia o Coritiba, no Olímpico, por 3×1, no jogo de ida das semifinais da Copa do Brasil de 2001.

É válido lembrar que, em março do mesmo ano, o Coxa havia eliminado o Grêmio das semifinais da Copa Sul-Minas.

Foto: Mauro Vieira (Zero Hora)

Foto: Mauro Vieira (Zero Hora)

“BEM PERTO DA FINAL

O Grêmio fez o dever de casa. Precisava ganhar e, se possível, fazer escore. Mesmo saindo do atrás no marcador, virou o jogo, cravou 3 a 1 no placar. A sétima final do clube em 13 edições da Copa do Brasil e os R$ 750 mil de prêmio por esta condição estão muito perto do Olímpico.

Basta empatar ou perder por apenas um gol de diferença no Couto Pereira, na próxima quarta-feira.

O Grêmio começou a se soltar da marcação implacável armada por Ivo Wortmann pelos pés de Tinga. Enquanto ele esteve preso no meio-campo, o Coritiba teve o controle da partida, ainda que sem eficiência ofensiva. A partir dos 20 minutos, sempre com Tinga no comando das ações, as soluções ofensivas foram aparecendo. Aos 21, Warley arrematou pela linha de fundo, rente ao poste, depois de passe de Zinho. Aos 34, Luiz Mário teve chance ímpar de abrir o placar, finalizando um contra-ataque veloz de Zinho e Warley. Aos 27, Zinho encheu o pé, mas para fora. Justamente quando o Grêmio era superior, veio a falta. Danrlei não acreditou e abriu mão da barreira. O lateral-esquerdo Anderson acertou um chute com violência e efeito, enganando Danrlei. Marcou um belíssimo gol. Eram 28 minutos.

O Coritiba, disciplinado taticamente, mostrou problemas na parte técnica. No ataque, o número de passes errados foi assustador, o que ajudou o trio de zagueiros gremista. Warley marcou o seu mais belo gol desde que chegou ao Grêmio. De dentro da área, de pé direito, encontrou uma curva incrível na bola e achou o ângulo do bom goleiro Marcelo Cruz, empatando o jogo. Então, veio o segundo tempo. E, com ele, o massacre.

Houve apenas um time em campo. Prejudicado pelas saídas de Alexandre e Alan, por lesão, o Coritiba se desestruturou. E o Grêmio, registre-se, fez por merecer a vantagem. Antes de Anderson marcar o terceiro gol no melhor estilo Ronaldinho, em cobrança de falta brilhante, foram muitas chances de ampliar. Acuado, o pobre Coritiba mais parecia um lutador nas cordas, levando bordoadas e rezando para o gongo soar, evitando o nocaute. Anderson Lima e Marquinhos foram expulsos. Warley deslocou o ombro e está fora da final do Gauchão e da Copa do Brasil. Luiz Mário também saiu machucado.

Em resumo: o Grêmio parece mesmo uma patrola a aniquilar quem aparecer na sua frente. E não perde há 12 jogos.” (Diogo Olivier. Zero Hora, quinta-feira, 31 de maio de 2001)

 

 

“GRÊMIO LARGA NA FRENTE NAS SEMIFINAIS DA COPA DO BRASIL

O Grêmio largou na frente em uma das semifinais da Copa do Brasil 2001 ao derrotar o Coritiba por 3 a 1, ontem à noite, no estádio Olímpico, em Porto Alegre, na partida de ida. Agora, no jogo de volta, na próxima quarta-feira, em Curitiba, o tricolor poderá empatar ou até perder por diferença de dois gols a partir de 4 a 2 que estará classificado para as finais da competição. Se o Coritiba devolver o 3 a 1, a decisão será nos pênaltis. O Grêmio foi melhor que o Coritiba no primeiro tempo. Mas teve que suar para empatar. Porque aos 28 minutos, Ânderson, cobrando falta da intermediária, acertou o canto alto direito da meta de Danrlei e abriu o escore. O empate só aconteceu aos 33 minutos. Tinga entrou a dribles na área adversária. Após bate e rebate na área, a bola sobrou para o atacante Warley, que chutou forte, à meia-altura, no canto esquerdo da meta defendida por Marcelo Cruz.

No início da segunda parte, o Coritiba quase surpreendeu, com Ânderson novamente cobrando falta, desta vez defendida por Danrlei. Dois minutos após o Grêmio deu o troco. Luiz Mário fez excelente passe para Ânderson. Ao invadir a área, o ala tricolor foi derrubado pelo goleiro Marcelo Cruz. Pênalti claro que Zinho cobrou forte, rasteiro, e colocou o Grêmio na frente aos 5 minutos. O Grêmio continuou melhor em busca do terceiro gol. Que surgiu aos 35 minutos com o ala Ânderson cobrando falta e acertando o ângulo esquerdo da meta de Marcelo Cruz.” (Diário Popular, 31/05/2001)

 

TORCIDA AJUDA E GRÊMIO APLICA 3 A 1
Time largou atrás, mas teve futebol e o apoio do seu torcedor para vencer o Coritiba pela Copa do Brasil. Está quase na final

O Grêmio venceu o Coritiba de virada por 3 a 1, ontem, no Olímpico, e agora pode até perder por um gol de diferença, no Couto Pereira, que estará classificado. A equipe de Tite partiu para cima do adversário logo no início da partida, mas encontrou o Coritiba com uma forte marcação desde o meio-campo. As dificuldades impostas pelos paranaenses se refletiam nos ataques gremistas. Somente aos 20 minutos o Grêmio concluiu a gol, com Eduardo Costa chutando de fora da área.

O Coritiba pressionava e, aos 28, o lateral Ânderson cobrou uma falta da intermediária, a bola viajou cerca de 35 metros e entrou no ângulo direito de Danrlei. O empate veio aos 32. Tinga invadiu a área a dribles e, quando estava perdendo o domínio da bola, Warley apareceu atrás da zaga e bateu colocado no canto esquerdo.

O Grêmio voltou arrasador para o 2º tempo. Logo aos 4 minutos, Luiz Mário lançou Ânderson Lima, que invadiu a área e foi derrubado. Zinho cobrou o pênalti e virou o jogo no Olímpico. Aos 11, Warley sentiu uma antiga lesão no ombro esquerdo e foi substituído. Aos 16, Tinga teve a camisa rasgada e atuou o resto da partida com a número 14, de Alex Xavier, com a autorização do árbitro.

A pressão do Grêmio era intensa e, aos 35, Zinho foi derrubado por Ataliba – que foi expulso – na entrada da área. Ânderson Lima cobrou no canto esquerdo. Um golaço. Na comemoração, Ânderson recebeu amarelo e, logo depois, fez uma falta dura e acabou expulso.” (Correio do Povo, 31 de maio de 2001)

 

Grêmio 3 x 1 Coritiba

GRÊMIO: Danrlei, Marinho, Mauro Galvão, Anderson Polga, Anderson Lima, Eduardo Costa, Tinga, Zinho, Rubens Cardoso; Luís Mário (Itaqui 41/2); Warley (Cláudio Pitbull 11/2).
Técnico: Tite

CORITIBA: Marcelo Cruz, Danilo, Paulo Roberto, Allan (Ataliba 43/1), Juliano, Reginaldo Nascimento (Filipe Alvim 09/2), Messias, Alexandre (Marquinhos 35/1), Anderson, Mabília, Enílton.
Técnico: Ivo Wortmann

Data: 30/05/01, Quarta-feira, 21h45min
Local: Olímpico, Porto Alegre
Público: 32.208 (29.049 pagantes)
Renda: R$ 303.106,00.
Juiz: Paulo César de Oliveira-SP
Auxiliares: Marinaldo Silverio (SP) e Nilson Souza Monção (SP)
Cartões Amarelos: Marcelo Cruz, Marquinhos
Cartões Vermelhos: Ataliba e Anderson Lima
Gols: Anderson, aos 28 minutos e Warley aos 32 minutos do primeiro tempo; Zinho (de pênalti), aos 4, e Anderson Lima aos 36 minutos do segundo tempo.

Sulamericana 2021 – La Equidad 0x0 Grêmio

May 28, 2021

É importante que essa gurizada do Grêmio tenha tido (mais uma) chance de jogar no exterior, mas o jogo foi bastante sem graça. Contudo, no fim das contas, o que interessa é que o Grêmio conseguiu a primeira colocação geral da primeira fase.

Vi muita gente criticando uma suposta deslealdade dos atletas do La Equidad na partida. Achei que eles praticaram muito mais o anti-jogo do que propriamente foram violentos.

Fotos: Dolores Ochoa (POOL/AFP)

La Equidad 0x0 Grêmio

LA EQUIDAD: Roman; Torralvo, García, Mena e Correa (Fuentes, 39’/2ºT); Pestaña (Castano, INT); Zapata (Carlos Rodríguez, 32’/2ºT), Pablo Lima (Salazar, 32’/2ºT), Motta, Mantilla (Quiero, 39’/2ºT); Omar Duarte
Técnico: Alexis García

GRÊMIO: Gabriel Chapecó; Mateus Sarará, Heitor, Emanuel e Jhonata Varela; Fernando Henrique (Thayllon, 35’/2º); Guilherme Azevedo, Bitello, Bobsin, Vini Paulista; Elias (Rildo, 28’/1ºT)
Técnico: Thiago Gomes

Copa Sulamericana 2021— Grupo H — 6ª Rodada
Data: 27 de maio de 2021, quinta-feira, 21h30min
Local: Estádio Bellavista, em Ambato, Equador
Árbitro: Marlon Vera (ECU)
Assistentes: Danny Avila, Edison Vasquez (EQU)
Cartões amarelos: Pestaña, Omar Duarte e Mena; Fernando Henrique, Victor Bobsin, Emanuel e Rildo
Cartão vermelho: Omar Duarte e Andrés Correa

Gauchão 2021 – Final – Grêmio 1×1 Inter

May 24, 2021

Foto: Max Peixoto (FGF)

Grêmio teve a melhor campanha da primeira fase. Dos 3 clássicos disputados, ganhou 2 e empatou 1. Título incontestável.

 

Custo a acreditar que a Federação fez um novo patch para esse jogo e voltou a colocar um distintivo do Inter na camisa do Grêmio e vice-versa.

Eu acho que o grupo do Grêmio carecia de mais jogadores catimbeiros/chatos/malandros/bandidos. Acho também que os cartões vermelhos mostrados por Vuaden nesse jogo foram um exagero. Dito tudo isso, vale lembrar ao Rafinha que, em competições nacionais, os árbitros não costumam com os atletas do Grêmio a mesma indulgência/complacência que tem com os atletas do Flamengo.

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Foto: Ricardo Duarte (Inter)

Foto: Ricardo Duarte (Inter)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Foto: Richard Dücker (@Ducker_Gremio)

GRÊMIO: Brenno; Rafinha, Geromel, Ruan e Diogo Barbosa (Cortez, 30’/2ºT); Thiago Santos, Matheus Henrique (Lucas Silva, 30’/2ºT), Maicon (Vanderson, 42’/1ºT); Léo Pereira (Pepê, 19’/2ºT), Diego Souza (Ricardinho, 30’/2ºT) e Ferreira
Técnico: Tiago Nunes

INTER: Marcelo Lomba; Rodinei (Caio Vidal, 24’/2ºT), Lucas Ribeiro, Zé Gabriel e Moisés (Moisés, 24’/2ºT); Dourado, Edenilson (Guerrero, 12’/2ºT), Nonato (Lucas Ramos, 39’/2ºT); Palacios (Léo Borges, 39’/2ºT), Thiago Galhardo e Yuri Alberto
Técnico: Miguel Ángel Ramírez

Gauchão 2021 – Final – Jogo de volta
Data: 23/05/2021, domingo, 16h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre, RS
Árbitro: Leandro Vuaden, com Rafael da Silva Alves e Maurício Coelho Penna
VAR: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Cartões amarelos: Diogo Barbosa; Rodinei, Lucas Ribeiro
Cartão vermelho: Rafinha (Grêmio); Yuri Alberto (Inter)
Gols: Ferreira, aos 51 minutos do 1º tempo; Rodrigo Dourado, aos 21 minutos do 2º tempo

Copa do Brasil 2001 – Quartas de Final – São Paulo 3×4 Grêmio

May 23, 2021

Foto: Rubens Chiri (Correio do Povo)

Há exatos 20 anos o Grêmio vencia o São Paulo por 4×3, no Morumbi, pela partida de volta das quartas-de-final da Copa do Brasil de 2001.

Sem pensar muito, eu afirmaria que Marcelinho Paraíba teve nessa partida uma das maiores atuações individuais que eu vi um jogador fazer com a camisa do Grêmio.

Foto: Carlinhos Rodrigues (Zero Hora)

Ex-são-paulino faz 3 e tira São Paulo da Copa do Brasil
Grêmio vence em pleno Morumbi e ameaça cargo de Oswaldo Alvarez

A torcida do São Paulo teve ontem mais um motivo para reclamar do desmanche feito no time no ano passado. O meia-atacante Marcelinho, um dos atletas vendidos pela diretoria, fez três gols na vitória do Grêmio por 4 a 3, à tarde, no estádio do Morumbi. O resultado eliminou o São Paulo da Copa do Brasil e pode provocar a demissão do técnico Oswaldo Alvarez. O treinador são-paulino foi xingado de burro pelos torcedores, que pediram a sua saída. “Essa pressão é natural, mas só a diretoria pode dizer o que vai acontecer agora”, afirmou Alvarez. Os dirigentes já tinham sido pressionados a trocar a comissão técnica após a eliminação na primeira fase do Paulista. Em cinco meses no Morumbi, Alvarez conquistou o inédito Rio-São Paulo e foi eliminado de dois torneios. O próximo compromisso dos são-paulinos é a Copa dos Campeões, no final de junho. Os gaúchos, que venceram o primeiro jogo por 2 a 1, enfrentarão o Coritiba, pelas semifinais. A vitória foi comandada por Marcelinho, que também permitiu que o São Paulo melhorasse no final, graças a sua expulsão. “Jogamos com três zagueiros para fazer uma marcação especial nos atacantes deles. Mas fomos mal e deixamos o Marcelinho jogar bem”, disse Alvarez. O meia-atacante foi vendido pelo time paulista ao Olympique, que o repassou ao clube de Porto Alegre. Agora ele já está negociado com o Hertha (Alemanha). O Grêmio jogou quase todo o primeiro tempo no ataque. Aos 27min, Marcelinho fez o seu primeiro gol, ao aproveitar rebote. Os são-paulinos passaram a depender de uma vitória por pelo menos dois gols de diferença. Mas, logo após Marcelinho marcar, Carlos Miguel sofreu pênalti de Marinho. França cobrou no canto direito de Danrlei, aos 30min, e empatou. Aos 44min, França acertou um chute de perna esquerda e fez o segundo do seu time. Os gremistas reclamaram que ele teria ajeitado a bola com a mão. “Matei a bola no peito”, afirmou o atacante, que foi observado por um representante do Borussia Dortmund (Alemanha). Aos 9min do segundo tempo, Marcelinho fez o seu segundo gol, dessa vez em cobrança de falta no canto direito de Rogério. Aos 12min, o ex-jogador do São Paulo driblou Rogério e recolocou o seu time em vantagem. Com um chute rasteiro, o volante são-paulino Alexandre empatou a partida, aos 23min e voltou a dar esperanças à torcida. Cinco minutos depois, Marcelinho foi expulso, por reclamação. Mas, aos 38min, o juiz Wilson de Souza Mendonça marcou pênalti de Maldonado em Luiz Mário. Os são-paulinos reclamaram, pois a infração havia sido fora da área. Zinho cobrou e fez o quarto gol gremista. A cobrança foi feita com um torcedor do São Paulo em campo, o que é irregular. (Ricardo Perrone, Folha de São Paulo, quinta-feira, 24 de maio de 2001 )

 

 

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Jean (Kaká 42/1), Rogério Pinheiro, Wilson, Reginaldo Araújo, Maldonado, Alexandre, Souza (Renatinho 21/2), Carlos Miguel, Ilan (Oliveira 29/2), França.
Técnico: Oswaldo Alvarez (Vadão)
GRÊMIO: Danrlei; Marinho, Mauro Galvão e Anderson Polga; Anderson Lima (Gavião 43/2), Tinga (Roger 39/2), Eduardo Costa, Zinho e Rubens Cardoso; Warley (Luís Mário 29/2), Marcelinho Paraíba.
Técnico: Tite

Copa do Brasil 2001 – Quartas de final – Jogo de Volta
Data: 23 de maio de 2001, Quarta-feira, 15h00min
Local: Morumbi, São Paulo
Juiz: Wilson de Souza Mendonça-PE
Auxiliares: Cid Bezerra e Julio Cesar Bezerra da Silva
Cartões Amarelos: Mauro Galvão, Anderson Lima, Tinga
Cartão Vermelho: Marcelinho Paraíba 28/2
Gols: Marcelinho Paraíba 28/1T, França 30/1T (pen), França 44/1T, Marcelinho Paraíba 08/2T, Marcelinho Paraíba 12/2T, Alexandre 23/2T e Zinho (pênalti) 39/2T.

Gauchão 2001 – Grêmio 4×2 Inter

May 22, 2021

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

 

Dos Gre-Nais que eu vi, esse teve foi um dos placares mais enganosos. Os 2×0 do primeiro tempo saíram muito barato. Ainda não me conformei que o Grêmio deixou o Inter chegar perto do empate quando poderia/deveria ter imposto uma goleada histórica. E gol do Luis Claudio foi um dos mais lamentáveis que o Grêmio já tomou.

É curioso notar que na crônica da Zero Hora, David Coimbra coloca Anderson Polga como volante no Grêmio, enquanto a própria ficha técnica da Zero Hora escala o Grêmio num 3-5-2 com Polga de zagueiro.

Foto: Placar (Agência RBS)

“GRÊMIO GOLEIA E JÁ ESTÁ NA FINAL DO GAUCHÃO
Num dos melhores Gre-Nais dos últimos anos, o time do Olímpico fez 4 a 2 no Inter e levou o primeiro turno por antecipação

Os 4 a 2 que o Grêmio enfiou no Inter, ontem à tarde, no Estádio Olímpico, reafirmam uma verdade que, nos anos 70, era ensinada todos os dias pelo velho técnico Abílio dos Reis, ele com sua inconfundível voz roufenha:
– Quem ganha o meio-campo, ganha o jogo.

Foi assim no belo e trepidante Gre-Nal 348. O meio-campo do Grêmio foi absoluto, o time de Títe venceu até com alguma facilidade e conquistou, com antecipação, o título do primeiro turno do Campeonato Gaúcho.

Anderson Polga, Eduardo Costa, Tinga e Zinho, eis os nomes do jogo. Anderson Polga marcou o perigoso Fábio Pinto e foi perfeito. Passou quase todo o jogo com a ameaça de expulsão pendendo sobre sua cabeça (levou um cartão amarelo aos cinco minutos) e nem assim se perturbou. Fez uma partida sólida como as arquibancadas de pedra do Olímpico.

Eduardo Costa, com a atuação de ontem, tem de pensar em se matricular em um curso de italiano com urgência – um dirigente da Inter, de Milão, estava no estádio para observá-lo. Deve estar boquiaberto até agora. Eduardo Costa teve uma atuação de luxo, no desarme, no passe escorreito, m distribuição do jogo.

Zinho deu o ritmo ao time. Experiente e esperto, comandou seus jovens companheiros e ainda marcou o quarto gol, de pênalti. Finalmente, Tinga. Este merece um ponto de exclamação. Movimentou-se como um volante holandês e ainda arrumou fôlego para fazer dois gols.

O harmônico meio-de-campo do Grêmio contou com o auxílio luxuoso de uma zaga consistente, formada pelo aniversariante Marinho e pelo inteligente Mauro Galvão, além de um ataque sempre perigoso, com Renato Martins, afinal um centroavante ortodoxo, e Rodrigo Mendes.

Já o Inter foi sempre vacilante. Uma defesa insegura, um meio-campo frágil e um ataque que teve alguns lampejos agudos apenas no segundo tempo. No primeiro, o domínio do Grêmio foi irretorquível. O Inter mal entrou na área do excelente Danrlei. Aos 23 minutos aconteceu o previsível: Tinga fez 1 a 0. O Inter só assustava Danrlei com as cobranças de falta de Fábio Rochemback. Aos 42, Tinga, de novo, recebeu um passe notável de Renato Martins e ampliou.

O Inter voltou a campo disposto a atacar, no segundo tempo. E o Grêmio a contra-atacar. Num desses contragolpes, Eduardo Costa fez grande jogada pela direita, entrou na área e atrasou a bola para Rodrigo Mendes marcar 3 a 0. A impressão era de que o Grêmio aplicaria uma goleada devastadora. A torcida gritava olé nas arquibancadas e os jogadores trocavam passes delicados no meio do campo.

Essa desconcentração foi fatal. Aos 23, Rochemback jogou a bola para Luiz Cláudio dentro da área. O centroavante dominou, levantou para ele mesmo e, de bicicleta, assinalou o gol mais plástico da partida. A confiança dos gremistas trincou com o gol surpresa. Dois minutos depois, Luiz Cláudio, outra vez, foi a linha de fundo, cruzou e Fábio Pinto completou para a rede.

O jogo se revestiu de uma urgência e de um nervosismo que eletrizou as arquibancadas. O empate do Inter parecia iminente. Mas, aos 40, Eduardo Costa, mais uma vez, puxou o contra-ataque, passou para linho, que foi derrubado na área por Fernando Cardoso: pênalti. O próprio Zinho cobrou e fechou o placar: 4 a 2. Alivio para os gremistas. E justiça. Venceu quem foi melhor.” (David Coimbra, Zero Hora, segunda-feira, 2 de abril de 2001)

 

MELHORES MOMENTOS
1° TEMPO

♦ 2 minutos – Renato Martins deixa Rodrigo Mendes frente a frente com João Gabriel. O atacante do Grêmio para, pensa e erra.

♦ 14 minutos – Lê cobra falta e Danrlei espalma a escanteio.

♦ 14 minutos – Zinho passa para Rodrigo, que chuta de perna direita. João Gabriel defende.

♦ 17 minutos – Rodrigo chuta de direita e João Gabriel espalma a escanteio. Na cobrança, Galvão cabeceia e Guerreiro salva debaixo das traves.

♦ 23 minutos – Escanteio da esquerda. A bola sobra para Tinga no lado direito da área. Ele chuta forte e alto: gol.

♦ 31 minutos – Rochemback bate falta com violência e efeito. Danrlei tira com os pés.

♦ 42 minutos – Marinho passa para Renato, que, de peto, toca para Tinga fazer 2 a O.

 

2° TEMPO

♦ 8 minutos – Confusão na área do Grêmio. Lê acerta um chute na trave.

♦ 11 minutos – Danrlei faz duas grandes defesas em uma falta de Rochemback e, em seguida, num chute de Gil Baiano.

♦ 16 minutos – Eduardo Costa avança pela direita e passa para Rodrigo marcar 3 a 0.

♦ 23 minutos – Luiz Cláudio domina a bola na área, levanta para ele mesmo e, de bicicleta, desconta: 3 a 1

♦ 25 minutos – Luiz Cláudio corre pela direita, cruza e Fábio Pinto faz 3 a 2.

♦ 27 minutos – Marcelo perde gol na frente de Danrlei.

♦ 34 minutos – Tinga recupera a bola, passa para Rodrigo, que gol.

♦ 40 minutos – Eduardo lança Zinho que é derrubado na área por Cardozo. Pênalti, Zinho cobra e amplia: 4 a 2.” (Zero Hora, segunda-feira, 2 de abril de 2001)

Foto: Edison Vara (Placar) – Fonte: Interpedia

Foto: Edison Vara (Placar)

NÚMEROS DO JOGO (Zero Hora, 2 de abril de 2001)
GRÊMIO INTER
Passes errados 52 54
Faltas cometidas 16 20
Jogadas de linha de fundo 6 4
Finalização corretas 6 7
Finalizações erradas 3 7
Escanteios a favor 4 5
Impedimentos 1 1
Cartões amarelos 5 3

 

Foto: Paulo Franken (Zero Hora)

 “O GRE-NAL DE TITE

Um é elétrico, comanda seu time com rédea curta, invade o campo para vibrar nos gols, esforça-se para interferir no andamento da partida. O outro é pacato, não grita com os jogadores e passa a nítida impressão de estar resignado com tudo o que acontece à sua frente.

A vitória do Grêmio por 4 a 2 no clássico de ontem à tarde foi o triunfo de Tite, o determinado, sobre Zé Mário, o conformado.

Normalmente exaltado, Tite desta vez extrapolou, principalmente no primeiro tempo. Xingou o tempo todo o bandeira José Franco Filho, postado rio lado das sociais, bateu boca várias vezes com o árbitro reserva Ronaldo Silva e por muito pouco não acabou expulso.

— Não dá mais, eu vou embora se você não der cartão para eles — protestou o treinador em um dos momentos de maior exasperação, quase sapateando de raiva.

— Deu, deu, agora chega — gritou o árbitro Fabiano Gonçalves, ameaçando puxar o cartão vermelho.

O fato é que a energia de Tite chegou aos jogadores. Marinho, Polga e Eduardo Costa, normalmente vistos com desconfiança pela torcida, desdobraram-se no combate aos adversários e foram quase perfeitos.

— Os jogadores entenderam que só a capacidade de mobilização poderia superar os problemas decorrentes da falta de entrosamento — afirmou o treinador, dentro de seu estilo didático. — Não se tem padrão de jogo com 15 ou 16 jogos e com um time que é 70% diferente do ano passado.

Também coube a Tite a tarefa de manter o grupo mobilizado mesmo diante dos atrasos salariais. Seu argumento: os objetivos profissionais têm que estar acima de situações momentâneas. E quanto a Zé Mário? No primeiro tempo, quando virou uma presa fácil para o Grêmio, o Inter foi o espelho fiel de seu treinador. Embora tenha ficado o tempo todo à beira do gramado, Zé Mário só se manifestou pela primeira vez aos 25 minutos, reclamando de uma saída errada de Leandro Guerreiro.

Dá para dizer que Zé Mário só acordou após o segundo gol do Inter. Aí, sim, gesticulou um pouco mais e chegou a mostrar-se revoltado com o outro árbitro reserva, Rogério Gonçalves, que permitia a Tite passar instruções quase dentro do campo. Já era tarde. A essa altura, seus gritos eram abafados pelo coro de “burro, burro” da torcida colorada e de ” Zé Mário, Zé Mário”, um deboche dos gremistas.

— Se a diretoria achar que tenho de sair, tudo bem —afirmou após o jogo. — Mas estou certo de que um dia nosso trabalho ainda virá à tona. Futebol não é só Gre-Nal.

Tanto o presidente Fernando Miranda como o vice de futebol, Márcio Abreu, garantiram ontem à noite que nada muda no comando do time. Mas mudanças deverão ocorrer esta semana, quem sabe até na comissão técnica.” (Luis Henrique Benfica, Zero Hora, segunda-feira, 2 de abril de 2001)

 

 

Foto: Mauro Vieira (Zero Hora)

 

 

 

OS ATLETAS DE CRISTO VOLTAM AO OLÍMPICO
GRE-NAL 348 – Jogadores mostram mensagens de louvor nas camisetas

Eles estão de volta. Ressurgiram das cinzas, feito a mitológica Fênix, Rubens Cardoso, Marinho, Itaqui, Anderson Lima e Zinho reeditaram ao final do Gre-Nal o movimento dos atletas de Cristo, expurgado do Olímpico no começo do ano passado sob acusação de provocar passividade em campo.

Por baixo da camiseta tricolor, exibiram com orgulho inscrições de louvor a Deus, atitude parecida com a adotada pelo São Caetano na Copa João Havelange.

O lateral-esquerdo Rubens Cardoso trouxe a frase “Deus é fiel”. Itaqui optou por “100% Jesus”, enquanto o Zagueiro Marinho preferiu mandar um recado sutil à direção que o afastou do grupo depois de algumas más atuações: “Deus exalta o justo”.

Iniciado com o goleiro João Leite e o ex-gremista Baltazar nos anos 80, o movimento ganhou adeptos e virou uma legião. Capitão, Macedo, Murilo, Fabinho, Hernani, todos foram mandados embora. Em um determinado momento, restou apenas Itaqui, ainda por cima renegado a reserva. Agora, de cara nova, os atletas de Cristo mostram sua força

– Fizemos as camisas no mesmo lugar – disse Cardoso.

O clima no vestiário gremista era de festa total. Nem a surpreendente briga entre o goleiro Danrlei e o diretor-executivo Denis Abrahão, na entrada do túnel, atrapalhou a festa. Ao final do jogo, Danrlei, aos gritos, correu em direção à Abrahão.

— Comigo é cara a cara! A vitória é do grupo! – gritou Danrlei, irritado.

Dênis nada respondeu e preferiu não aparecer na sala de conferências para esclarecer o episódio. O repórter Farid Germano Filho, da Rádio Gaúcha, perguntou a Danrlei o motivo da briga, mas ele não quis tocar no assunto ou responder se o motivo eram as críticas feitas ao árbitro Carlos Simon na semana passada, desaprovadas pela direção, O presidente José Alberto Guerreiro falou sobre o episódio:

– Sempre pude haver alguma discussão, é claro.

Hoje, o presidente estará em São Paulo na reunião do Clube dos 13. Além disso, examinará om a ISL como ficará o contrato do clube diante da concordata suíça. Por um lado, é até bom: assim resolvemos esta questão de uma vez por todas – afirmou Guerreiro.” (Diogo Olivier, Zero Hora, segunda-feira, 2 de abril de 2001)

 

Foto: Edison Vara (Placar)

 

Grêmio 4×2 Inter

 

GRÊMIO: Danrlei; Marinho, Mauro Galvão e Ânderson Polga; Ânderson Lima, Eduardo Costa, Tinga, Zinho e Rubens Cardoso; Rodrigo Mendes (Warley) e Renato Martins (Itaqui)
Técnico: Tite

INTER: João Gabriel; Denílson, Espínola, Fernando Cardozo e Marcelo Santos (Marco Aurélio); Leandro Guerreiro (Gil Baiano), Fábio Rochemback, Carlinhos e Lê (Marcelo); Luiz Cláudio e Fábio Pinto
Técnico: Zé Mário

Gauchão 2001 – Octogonal Final – 1º Turno – 6ª Rodada
Data: 1º de abril de 2001, domingo
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre, RS
Público: 29.062 (26.417 pagantes)
Renda: R$ 240.795,00
Juiz: Fabiano Gonçalves
Auxiliares: José Franco Filho e André Veras
Cartões Amarelos: Danrlei, Ânderson Lima, Marinho, Ânderson Polga, Eduardo Costa; Fernando Cardozo, Marcelo Santos, Gil Baiano
Gols: Tinga aos 23 minutos e aos 43 do 1º tempo; Rodrigo Mendes, aos 16 minutos, Luiz Cláudio aos 23; Fábio Pinto aos 24 e Zinho (de pênalti) aos 42 minutos do 2º tempo.

Sulamericana 2021 – Aragua 2×6 Grêmio

May 21, 2021

Legal que os dois centroavantes da base aproveitaram a oportunidade para marcar gols.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Aragua 2×6 Grêmio

ARAGUA: Gil; Rivillo (Acuña, 13’/2ºT), Trías, Roger Manríque e Farreras; Calderon e Guerrero (Pedro Álvarez, INT); Mcintosh (Arace, intervalo), Arias (Garcia, intervalo) e Febles (Duche, 19’/2ºT); Alfredo Stephens.
Técnico: Edson Rodríguez

GRÊMIO: Gabriel Chapecó; Vanderson, Paulo Miranda, Rodrigues e Cortez; Fernando Henrique (Bobsin, 15’/2ºT); Guilherme Azevedo (Pepê, 15’/2ºT), Darlan (Victor Ferraz, 23’/2ºT), Pinares (Jean Pyerre, intervalo) e Léo Chú; Ricardinho (Elias, 35’/2ºT).
Técnico: Tiago Nunes

Copa Sulamericana 2021— Grupo H — 5ª Rodada
Data: 20 de maio de 2021, quinta-feira, 21h30min
Local: Estádio Olímpico de la UCV, em Caracas (VEN)
Árbitro: Mario Díaz de Vivar (PAR)
Assistentes: Rodney Aquino (PAR) e Eduardo Britos (PAR)
Cartões amarelos: Acuña (Aragua); Vanderson, Fernando Henrique e Victor Bobsin (Grêmio)
GOLS: Léo Chú, aos 19 min, Ricardinho, aos 30min do 1º tempo; Stephens, aos 2min, Darlan, aos 7min, Pepê, aos 25min, García, aos 43min, e Elias, aos 46min e aos 47min do 2º tempo

Gauchão 2021 – Inter 1×2 Grêmio

May 17, 2021

Foto: Diego Souza (Twitter)

Foto: Richard Dücker (@Ducker_Gremio)

 

Como a imensa maioria dos Gre-Nais, esse foi um jogo decidido nos detalhes. Matheus Henrique esteve envolvido em dois lances que poderiam ter mudado/mudaram a história da partida. No final do primeiro tempo ele perdeu um gol de um modo que não se pode perder em clássico. Mas não se abalou e ganhou a dividida e roubou a bola na origem do gol da virada do Grêmio.

Apesar da participação decisiva de Matheus Henrique e Lucas Silva o setor de meio de campo do Grêmio não funcionou tão bem (deu uma melhorada após a entrada de Darlan). Tiago Nunes vai ter que se acostumar com o fato de que, à exceção de Jean Pyerre, o Grêmio só tem jogadores de lado de campo ou volantes com bom passe. Faltam meias que joguem por dentro e se aproximem da área adversária.

Entendo que a Federação queira fazer ações para valorizar a final do campeonato, mas colocar um escudo do Inter na camisa do Grêmio (e vice-versa) passa de todos os limites. Os times não deveriam ter aceitado isso.

Foto: Ricardo Duarte (Inter)

 

Foto: Ricardo Duarte (Inter)

 

Foto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Foto: Richard Dücker (@Ducker_Gremio)

Inter 1×2 Grêmio

INTER: Marcelo Lomba; Rodinei, Zé Gabriel (Lucas Ribeiro, 40’/2ºT), Víctor Cuesta e Moisés; Rodrigo Dourado, Edenilson, Nonato (Marcos Guilherme, 40’/2ºT); Mauricio (Caio Vidal, 22’/2ºT), Palacios (Yuri Alberto, 14’/2ºT) e Thiago Galhardo (Praxedes, 22’/2ºT)
Técnico: Miguel Ángel Ramírez

GRÊMIO: Brenno; Rafinha, Geromel, Ruan e Diogo Barbosa; Lucas Silva (Fernando Henrique, 35’/2ºT), Luiz Fernando (Léo Pereira, 17’/1ºT), Maicon (Darlan, 19’/2ºT), Matheus Henrique e Ferreira; Diego Souza (Ricardinho, 35’/2ºT)
Técnico: Tiago Nunes

Gauchão 2021 – Final – Jogo de Ida
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS
Data: 16 de maio de 2021, domingo, 16h00min
Árbitro: Anderson Daronco
Assistentes: Lúcio Flor e André Bittencourt
VAR: Adriano Milczvski (PR)
Cartões amarelos: Rodrigo Dourado; Léo Pereira, Rafinha, Ruan e Maicon
Gols: Thiago Galhardo, aos 26 minutos do 1º tempo, Diego Souza, aos 12min e Ricardinho, aos 42min do 2ºT

Gauchão 2001 – Inter 0x0 Grêmio

May 16, 2021

Foto: Ricardo Duarte (Zero Hora)

No Gauchão de 2001, o clássico Gre-Nal disputado no Beira-Rio terminou sem movimentação no Placar. Com a vitória do Juventude no clássico Caju disputado na véspera, o Inter já entrou em campo sem chances na competição. O Grêmio, já garantido na final como vencedor do 1º turno, ainda buscava atingir a melhor campanha no geral, para poder fazer o segundo jogo da final contra o Juventude no Olímpico.

Durante a semana o Presidente José Alberto Guerreiro sugeriu que o Grêmio poupasse os titulares pensando no confronto contra o São Paulo pela Copa do Brasil. A sugestão não foi aceita, o tricolor entrou com força máxima e infelizmente Rodrigo Mendes sofreu uma lesão no ligamento do joelho direito ainda no primeiro tempo.

Esse foi  último  Gre-Nal que os dois times jogaram sem patrocínio nas camisas (no clássico anterior o Grêmio ainda estava com a camisa com patrocínio da Chevrolet)

Foto: Edison Vara (Placar)

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

 

 

“GRE-NAL TEVE MUITAS CHANCES DE GOL
As duas equipes se empenharam muito e o empate sem gol não reflete aquilo que se viu em campo

Para um jogo que não valia muita coisa, principalmente depois da vitória do Juventude sobre o Caxias, sábado, até que Gre-Nal, disputado ontem, no Beira-Rio, foi bastante movimentado. O placar em branco não retrata o que as duas equipes mostraram em campo. O resultado acabou com as chances de Grêmio e Inter superar o Juventude na classificação do returno do octogonal final do Campeonato Gaúcho.

A partida começou em alto ritmo. Antes de dois minutos, Grêmio e Inter já havia levado perigo aos goleiros Hiran e Danrlei. Aos 40 segundos, Zinho chutou de fora da área e obrigou Hiran a fazer grande defesa. A resposta colorada veio 30 segundos depois em uma jogada de Fábio Pinto, que Lê concluiu por cima. Aos 26 minutos, Paraíba desperdiçou a melhor chance de gol do primeiro tempo. No final do primeiro tempo, o zagueiro Ronaldo foi cobrar o árbitro Alexandre Barreto: “Tú é responsável pela pancadaria”, acusou o zagueiro.

Na confusão, Hiran empurrou Tite. A segunda etapa foi como a primeira: cheia de opções. Apesar disso, os atacantes nunca conseguiram levar vantagem sobre os defensores, deixando o placar em 0 a 0.” (Correio do Povo, 14 de maio de 2001 – Fonte: Grêmio Dados)

 

Foto: Mauro Vieira (Zero Hora)

INTER: Hiran; Denílson, Ronaldo, Duílio e Dênis (Leandro Guerreiro); Marcelo Rosa, William, Juca e Lê (Gil Baiano); Fábio Pinto e Luiz Cláudio (Marco Aurélio)
Técnico: Cláudio Duarte

GRÊMIO: Danrlei; Mauro Galvão, Marinho e Ânderson Polga; Itaqui, Eduardo Costa, Tinga, Zinho e Rubens Cardoso; Marcelinho Paraíba (Luiz Mário) e Rodrigo Mendes (Warley)
Técnico: Tite

Gauchão 2001 – Octogonal Final – 2º Turno – 7ª Rodada
Data: 13 de maio de 2001, domingo, 16h00min
Local: Beira-Rio, em Porto Alegre, RS
Público: 11.408 (9.520 pagantes)
Renda: R$ 77.595,00
Juiz: Alexandre Barreto
Auxiliares: José Silva Oliveira e José Bittencourt.
Cartões Amarelos: Duílio, Juca, Lê; Marinho, Eduardo Costa, Zinho e Itaqui

Copa do Brasil 2001 – Quartas de Final – Jogo de Ida – Grêmio 2 x 1 São Paulo

May 16, 2021

Foto: Edison Vara (Placar)

 

Há exatos 20 anos o Grêmio Grêmio venceu o São Paulo por 2×1 no Olímpico, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil de 2001

Foi uma mostra de força gremista, que buscou a vitória mesmo com os importantes desfalques de Anderson Lima, Rodrigo Mendes e Marcelinho Paraíba

 

Foto: Paulo Franken (Zero Hora)

 

“SÃO PAULO SOFRE PRIMEIRA DERROTA NA COPA DO BRASIL
Equipe paulista perde por 2 a 1 e precisa de vitória por 1 a 0 no Morumbi

O São Paulo perdeu ontem a sua invencibilidade na Copa do Brasil ao ser derrotado pelo Grêmio por 2 a 1, no estádio Olímpico, em Porto Alegre. A equipe do técnico Oswaldo Alvarez havia vencido as suas cinco partidas anteriores na competição e precisa de uma vitória por 1 a 0, no Morumbi, quarta-feira, para ir às semifinais. Alvarez, que estava hospitalizado e teve alta ontem pela manhã, comandou o time de uma cabine, enquanto o auxiliar Ivo Secchi ficou no banco de reservas. A equipe da casa foi mais ofensiva desde o início, sem se descuidar na marcação. Os meias e atacantes souberam marcar os defensores adversários, o que deixou os são-paulinos com dificuldades para armar as suas jogadas. Aos 9min, o Grêmio abriu o placar com Warley, ex-jogador do São Paulo. Sem marcação, ele rebateu a bola após Rogério tentar defender cobrança de falta feita pelo meia Zinho. Os gaúchos tentaram seguir no ataque, mas o São Paulo não demorou para empatar. Reginaldo Araújo cruzou para França, dentro da área, chutar e marcar, aos 15min do primeiro tempo. Foi o sexto gol do artilheiro são-paulino na competição. O Grêmio continuou com a posse de bola por mais tempo até o final da primeira etapa. No começo do segundo tempo, o clube de Porto Alegre conseguiu ser ainda mais ofensivo do que nos primeiros 45 minutos. Aos 2min, a equipe já havia desperdiçado duas chances para marcar. Mas os gaúchos não mantiveram esse ritmo por muito tempo. Como o rival já não fazia uma marcação eficiente, o São Paulo passou a ser mais ofensivo. Mas os atacantes França e Ilan, que aos 30min saiu para a entrada de Fabiano Souza, não conseguiram finalizar as jogadas. Ao contrário da etapa anterior, foram os gaúchos que passaram a optar pelos contra-ataques. Mesmo sem corrigir as suas falhas, o Grêmio chegou ao segundo gol, aos 38min. Após cobrança de escanteio, Eduardo Costa chutou da entrada da área, a defesa tentou tirar a bola, mas ela sobrou para Marinho, que desempatou. O goleiro Rogério reclamou de impedimento do autor do gol.” (Folha de São Paulo, quinta-feira, 17 de maio de 2001)

 

Foto: Paulo Franken (Zero Hora)

GRÊMIO DERROTA O SÃO PAULO NO OLÍMPICO PELA COPA DO BRASIL
O Grêmio derrotou o São Paulo por 2 a 1, ontem à noite, em Porto Alegre, no jogo de ida das quartas-de-final da Copa do Brasil 2001. Agora, na partida de volta, na próxima semana, em São Paulo, o tricolor porto-alegrense precisará do empate ou de derrotas por diferença de um gol a partir de 2 a 3. Se o São Paulo devolver o 2 a 1 a vaga será decidida nos pênaltis. E se ganhar por 1 a 0 passará às semifinais. No primeiro tempo de ontem o Grêmio foi arrasador, lembrando o time com alma castelhana dos tempos de Felipão em 94 e 95. E largou na frente com um gol de Warley aos 9 minutos, aproveitando um rebote do goleiro Rogério Ceni após cobrança de falta de Zinho. Mas cinco minutos depois, aos 14, o goleador França empatou num vacilo da zaga gremista. Na segunda parte, o tricolor gaúcho diminuiu o ritmo e o tricolor paulista equilibrou. Mas as chances de gol foram do Grêmio, que pararam nas mãos do ótimo goleiro Rogério Ceni. Aos 39 ele não pode evitar que Marinho, embaixo da meta, marcasse o gol da vitória. Ele aproveitou-se de uma bola chutada por Eduardo Costa que bateu em Fábio Simplício.” (Diário Popular17/05/2001)

Foto: Ricardo Giusti (Correio do Povo)

“GRÊMIO GANHA COM GARRA INCOMUM
Time faz 2 a 1 no São Paulo mostrando muita determinação. Precisa de um empate para estar na semifinal da Copa do Brasil

O Grêmio venceu o São Paulo por 2 a 1, ontem, no Olímpico. Agora, a equipe de Tite precisa de apenas um empate contra os paulistas, no Morumbi, para garantir a vaga à semifinal da Copa do Brasil. Derrota a partir de 3 a 2 também classificará o Grêmio. Para o São Paulo a vitória de 1 a 0 já é suficiente. Uma derrota gremista por 2 a 1 levará a decisão para os pênaltis.

Jogando com uma vontade incomum, o Grêmio atacou desde o início. Depois de intensa pressão, Warley fez 1 a 0, aos 9 minutos. Luiz Mário sofreu falta na entrada da área. Zinho cobrou e Rogério Ceni espalmou para a frente. A bola bateu no peito de Warley e entrou. A resposta paulista veio logo em seguida. Aos 14, Souza se aproveitou de um erro da defesa, invadiu a área e passou para França empatar. O Grêmio não se abalou e voltou a atacar. Apesar da vontade, o ritmo já não era o mesmo. Aos 33, porém, Tinga deixou Warley na frente do goleiro, que fez grande defesa.

No 2º tempo, o Grêmio voltou revigorado ao ataque. A 1 minuto, Zinho bateu e Ceni espalmou. Na seqüência, cruzamento de Itaqui, a defesa afastou e Tinga bateu a gol, mas Wilson salvou. No rebote, novo cruzamento; a bola sobrou para Zinho, que chutou para fora.

Depois do susto inicial, o São Paulo equilibrou o jogo. Aos 27, Warley foi substituído por Cláudio. “Não entendi nada”, protestou ele ao deixar o campo. Aos 38, o gol da vitória. Zinho cobrou escanteio, a defesa afastou e Eduardo Costa, no rebote, bateu a gol. Simplício salvou com o peito e Marinho, ao lado da trave esquerda, esticou a perna e empurrou a bola para o gol.” (Correio do Povo, quinta-feira, 17 de maio de 2001)

“PELO EMPATE NO MORUMBI

É ruim levar gol em casa, mas não é nada desesperador. Importante mesmo é vencer.

Especialmente para o novo Grêmio do técnico Tite: agressivo, ousado, que não escolhe lugar nem hora para ir ao ataque com energia. Os 2 a 1 de ontem, contra o São Paulo, darão  vaga com qualquer empate ou derrota partir de 3 a 2 (2 a 1 dá pênaltis). Vitória de 1 a 0 ou por mais de um gol de diferença classifica o São Paulo.

Mas convém tirar lições da merecida e justa vitória de ontem.

Uma deles é que o Grêmio torou-se um tanto óbvio sem os deslocamentos rápidos de Marcelinho e Rodrigo Mendes. As jogadas de ataque da dupla ofensiva reserva se resumi-quase que exclusivamente a disparadas e cruzamentos de Luiz Mário pelo lado direito. Warley fez o gol, meio sem querer, embora estivesse ali, acima do lance, depois da falta batida por Zinho e da ótima defesa parcial de Rogério Ceni, aos nove minutos. Com nitidez , apareceu a falta de centroavante de oficio, o chamado camisa 9 de “referência”, como dizem os especialistas.

 Só para se ter uma idéia: com dois minutos do primeiro tempo, o Grêmio já tinha erguido cinco bolas para a área, todas da linha de fundo, sempre pelo lado direito. Todas terminaram nas mãos de Rogério ou foram tiradas pelos fracos zagueiros Jean e Wilson. A crena se repetiu o jogo todo, com pequenas variações. E o Grêmio não conseguiu encontrar alternativas ofensivas para o problema. Energia e disposição sobraram, registre-se. Bem como disciplina tática. Só que o São Paulo, ao contrário do Fluminense, é bem mais veloz, organizado. Sem falar na qualidade técnica. É mais difícil marcar Carlos Miguel do que Ramon, assim como França é infinitamente mais matador na estocada final e inteligente com a bola nos pés do que Marco Brito.

Tanto que o gol de empate do São Paulo foi dele, França, após bobeira da zaga. O arremesso lateral foi cobrado para Reginaldo Araújo, livre de marcação. Ele cruzou para trás e o artilheiro não perdoou.

No segundo tempo, o Grêmio voltou fulminante. Perdeu três gols incríveis em 2min20s. Zinho chutou forte e Rogério Ceni, o melhor em campo do São Paulo, fez grande defesa, fechando o ângulo. Itaqui cabeceou fraco, sem goleiro, e Wilson tirou de cima da linha. Zinho, também sem goleiro, errou o alvo logo em seguida. Depois, o ânimo arrefeceu. Mas Tite mexeu certo no time.

Fábio Baiano entrou no lugar de Itaqui e Cláudio no de Luiz Mário. Aos 38 do segundo tempo, Eduardo Costa chutou de dentro da área. A bola bateu no braço de Wilson e ficou picando em cima da linha, rente ao poste direito. Marinho, o melhor do Grêmio, empurrou para dentro. Outra vez a estrela de Tite, que segurou Eduardo e liberou Marinho, convertido em atacante várias vezes.

A nota negativa foi o público escasso: 16, 4 mil pessoas. Pouco para um jogo tão importante — mesmo descontados o frio, o horário e o dinheiro escasso. Quem foi estádio, porém, empurrou o time até o fim. A partida de volta será na próxima quarta-feira.” (Diogo Olivier, Zero Hora, quinta-feira, 17 de maio de 2001)

“O GOL COMO PRÊMIO AO FUTEBOL DE MARINHO
Copa do Brasil –  Zagueiro mostra recuperação depois de atuações ruins e deixa o gamado como o maior destaque do Grêmio

Se restava ainda alguma dúvida quanto a total recuperação de Marinho depois da crise técnica que levou a diretoria a tentar negociá-lo, ela desapareceu por completo ontem à noite. Melhor jogador em campo, o zagueiro teve sua atuação coroada com a marcação do segundo gol.

Execrado no começo do ano, em conseqüência das sucessivas falhas, o zagueiro teve seu nome gritado em coro pela torcida após a partida.

— Jogador tem que ter personalidade. E eu tenho — desabafou Marinho.

Humilde, ele preferiu valorizar o esquema montado pelo técnico Tite, que permite suas chegadas freqüentes ao ataque. Na sua avaliação, cada um dos jogadores do Grêmio merecia ter deixado o gramado com um troféu de destaque da partida nas mãos.

O presidente José Alberto Guerreiro voltou a elogiar o esquema tático montado por Tite, enfatizando que todos os jogadores têm a mesma capacidade de doação.

 — Encaixotamos o adversário com a nossa marcação. Tite soube dar esse espírito ao grupo — disse Guerreiro.

O capitão Zinho também saudou a recuperação do companheiro, dizendo que a fé do zagueiro em Deus ajudou na sua recuperação.” (Zero Hora, quinta-feira, 17 de maio de 2001)

 

Foto: Paulo Franken (Zero Hora)

Grêmio 2×1 São Paulo

GRÊMIO: Danrlei, Marinho, Mauro Galvão e Anderson Polga; Itaqui (Fábio Baiano 28 do 2ºT), Tinga, Eduardo Costa, Zinho e Rubens Cardoso; Luís Mário (Roger 42 do 2ºT) e Warley (Cláudio Pitbull 29 do 2ºT).
Técnico: Tite

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Reginaldo Araújo, Jean, Wilson e Gustavo Nery; Alexandre (Kaká), Fábio Simplício, Carlos Miguel e Souza (Júlio Baptista); França e Ilan (Fabiano Souza)
Técnico: Ivo Cecchi (auxiliar)

Copa do Brasil 2001 – Quartas de Final – Jogo de Ida
Data: 16 de maio de 2001, Quarta-feira, 21h45min
Local: Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 16.450 (15.082 pagantes)
Renda: R$ 95.254,00
Juiz: Luciano Augusto Teotonio Almeida (FIFA-DF)
Auxiliares: Jorge Paulo Gomes e Nilson Alves Carrijo
Cartões Amarelos: Rogério Ceni, Jean, Gustavo Nery, Alexandre, Souza, Fabiano Souza
Gols: Warley, aos 9 minutos do 1º tempo; França aos 14 minutos do 1º tempo e Marinho aos 36 minutos do 2º tempo