A camisa “Negresco” era mesmo azarada? Quem desenhou ela?

by

 

https://i.imgur.com/zcJ8C86.jpg

 

 

Há exatos 25 anos o Grêmio fazia sua estreia na edição de 1996 da Supercopa. E também estreava seu novo fardamento, com a famigerada camisa “Negresco” (que ganhou essa alcunha pela semelhança com a antiga embalagem da bolacha da Nestlé, imagem abaixo). Nessa partida de estreia o Grêmio empatou, no Olímpico, em 3×3 com o Velez Sarsfield, após estar vencendo por 3×1.

https://i.imgur.com/ApT4F3Q.jpg

Muito em função disso, essa camisa costuma ser citada em listas de fardamentos considerados como “azarados” pelos torcedores. Eu sempre achei essa fama um tanto injusta. Porque o empate com o Velez foi um resultado ruim, mas absolutamente normal. Os Argentinos foram campeões do mundo em 1994, do Torneo Apertura 1995, do Clausura 1996 e acabaram conquistando aquela edição da Supercopa. Assim, fui pesquisar se havia mais alguma coisa que confirmasse esse suposto azar da camisa.

A Zero Hora, já no final de setembro daquele ano, publicou uma notinha fazendo uma relação entre o uso do uniforme nos seus dois primeiros jogos e os resultados negativos naqueles compromissos (em uma imagem mais abaixo dá pra notar que o jornal também repetiu a informação INCORRETA de que o Inter teria aposentado seu uniforme todo vermelho após o Gre-Nal do Brasileirão de 1977, mas falaremos disso em um outro post). A revista Placar, em dezembro de 1996, foi mais enfática ao usar os termos “uniforme azarado”, “camisa maldita” e “tremendo pé-frio”, após o terceiro jogo e a terceira derrota com o novo fardamento.

 

https://i.imgur.com/uPCfYbj.jpg

https://i1.wp.com/bp2.blogger.com/_tX4OHogPG3o/R4eNirdPVlI/AAAAAAAABZ4/5DWp9RJfQ3M/s400/1996_quarta_maldita.jpg?zoom=2

 

Curiosamente depois desses três primeiros jogos o Grêmio não mais usou o calções (pretos, usados contra o Velez, e azuis contra Botafogo e Sport) e meias (preta e branca, usada contra Velez e Botafogo e azuis contra o Sport) que faziam parte do conjunto. Em 1997 e 1998 o Grêmio usou essa camisa em, pelo menos, outras 11 ocasiões, mas jogando com os calção todo preto ou todo branco e as meias branca ou celeste. Com essa alteração no fardamento,  o retrospecto da camiseta negresco melhorou bastante.

Nos 14 jogos (sendo o último um amistoso com o Guarani de Venâncio em janeiro de 1998) em que ela foi utilizada  o Grêmio teve 6 vitórias (42,8%), 5 empates (35,7%) e 3 derrotas (21,5%). No período entre o “debut” e a “aposentadoria” da camisa, o Grêmio fez um total de 114 jogos, com 50 vitórias (43,9%), 35 empates (30,7%) e 29 derrotas (25,4%).  Destes 114 jogos eu não consegui identificar o fardamento que o Grêmio utilizou nas seguintes três partidas: Grêmio 3×1 Caxias em 7 de junho de 1997, Santa Cruz 1×1 Grêmio em 11 de junho de 1997 e Santos 3×1 Grêmio em 26 de junho de 1997.

Vale lembrar que a partir da derrota em casa para o Brasil de Pelotas no Gauchão de 1997, o Grêmio passou a utilizar essa camisa com a marca Ironcryl na frente.

 

As matérias do Correio do Povo e da Zero Hora publicadas abaixo informam que o fardamento foi lançado numa terça-feira, véspera do jogo contra o Velez. Mas na minha memória eu tenho que ele foi revelado pelo conselheiro Zelio Hocsman, numa segunda-feira, no antigo Cadeira Cativa da finada TV Guaíba.

Lembro de ter gostado muito do fardamento na época do lançamento. Hoje eu não me atrevo a dizer que a camisa é bonita, mas sigo achando que o conjunto todo (especialmente nas múltiplas possibilidades com os calções e meias) é interessante. Para o bem ou para o mal acaba sendo uma epítome dos exageros dos anos 1990. E a marca d´água que apareceu pela primeira vez nessa camisa foi repetida em todas as camisas titulares até 1999.

https://i.imgur.com/OcnZKD7.jpg

 

O logo da Conmebol já havia aparecido na camisa branca lançada em fevereiro de 1996. Mas eu nunca entendi muito bem porque ele apareceu nessa camisa também, visto que em setembro de 1996 o Grêmio já não era mais o “detentor” do título mais recente da Libertadores. De qualquer forma esse logo foi repetido nas camisas tricolores de 98 e 99.

Em um post de 2008, eu havia me referido a essa camisa como a “quarta” de 1996. Hoje eu acredito que o mais correto seja se referir a ela como a terceira camisa, uma vez que esse lançamento significou o fim (temporário, do uso da camisa celeste (que havia sido retomado em agosto de 1994). O Grêmio só voltou a utilizar uma camisa predominantemente azul com a chegada dos novos fardamentos de 1998 (mais precisamente no empate com o Santa Cruz nos Plátanos pelo Gauchão daquele ano).

As marcas da Penalty e da Renner passaram a ser aplicadas num material aveludado enquanto o distintivo do clube voltou a ser sublimado

 

 

E o mapa-mundi do distintivo do mundial foi usado em uma das estampas da camisa e dos calções.

No seu Trabalho de Conclusão de Curso publicado em 2005, Frederico Guaragna transcreve a informação dada por Wesley Cardia (vice-presidente de marketing do Grêmio em 1996) de que esse fardamento foi uma “iniciativa exclusiva do departamento de marketing do Grêmio.” Contudo, na última terça-feira, meu amigo Snel questionou o Eugênio Lumertz , no Twitter, sobre o envolvimento da agência de publicidade SL&M na criação deste uniforme, e ele contou que a “agência pediu pra fazer a 3ª camisa” e que Luciano Leonardo foi o Diretor de Arte responsável pela criação do modelo.

 

 

 

https://i.imgur.com/u9Yg7x1.jpg

https://i.imgur.com/0XU8Yt8.jpg

 

 

 

https://i.imgur.com/rlsL76Q.jpg

 

 

 

 

“O caso do Grêmio e Penalty, em 1996 é um exemplo da necessidade e o sucesso das iniciativas de novos lançamentos. Apesar do seu ótimo momento futebolístico, com grandes conquistas, a direção do clube temia pela redução do volume de vendas das camisetas oficiais após a saturação do mercado. Então, por uma iniciativa exclusiva do departamento de marketing do Grêmio, foi lançado um modelo inédito em que as combinações entre calção e camiseta formavam ondulações. A então fornecedora aprovou o modelo e a média de vendas diária nos primeiros meses de lançamento surpreendeu: 5 mil unidades, o equivalente às médias mensais dos grandes clubes do futebol do país.(A gestão do marketing esportivo no futebol : caso Grêmio Foot-Ball Porto-Alegrense. Frederico Mandelli Guaragna)

https://i.imgur.com/eVIbN5o.jpg

https://i.imgur.com/4rZK5Al.jpg

 

“VÉLEZ SIEMPRE SALE ADELANTE

PORTO ALEGRE.- Habrá que rescatar el resultado. Y punto. Vélez empató 3 a 3 con Gremio, luego de ir perdiendo por 3 a 1, y festejó en la noche brasileña. Estuvo cerca de la goleada, sufrió la expulsión de Pellegrino (a los gaúchos le echaron a Adilson) y pudo haber regresado con una catástrofe a cuestas. Pero se recuperó con más suerte que otra cosa y se llevó a Buenos Aires mucho más de lo que pensó en algún momento. De arranque, por una cuestión de localía -casi como una obligación en esto de los torneos internacionales-, el que salió a buscar el partido resultó Gremio. Y la verdad es que no le fue demasiado bien al principio. No por que jugara mal, sino porque el que se puso en ventaja fue Vélez. Una injusticia, pero también una realidad inapelable.

Habían transcurrido 21 minutos de la primera etapa y, mientras Gremio manejaba la pelota sin crear peligro, un perfecto contraataque vía Cardozo-Pandolfi-Camps terminó con un golazo de éste, a través de un remate desde fuera del área.

El árbol, esta vez, no impidió ver el bosque. Dicho con otras palabras, el fantástico tanto de Camps no escondió el gran problema que tenía Vélez: sólo con disparos desde bien lejos podía llegar hasta los dominios de Danrlei.

Pandolfi y Posse estaban demasiado solos, como para que todos recordaran a Asad, aún en vías de recuperación. (Dicho sea de paso, Palmeiras se preocupó por la rehabilitación del delantero y pidió una cotización oficial).

Igual, los de Piazza no se retrasaron tanto en el campo. Esperaron a Gremio en la media cancha y desde allí planificaron sus contraofensivas.

Claro que no contaban con que, pocos minutos después, Chilavert reaccionara tarde en un centro de Carlos Miguel y Saulo marcara el empate de cabeza. Ni con que Arce desnivelara a un minuto del final del primer tiempo con un magnífico tiro libre que lo hizo acreedor al duelo de paraguayos. Ni mucho menos con que Ailton pusiera el 3 a 1 a los dos minutos del segundo tiempo con un cabezazo que parecía inofensivo.

Gremio se agrandó. Carlos Miguel se erigía en manija, Paulo Nunes volaba por su lateral, Saulo hacía olvidar a Jardel y Vélez tambaleaba por su lateral derecho. Para colmo, Pellegrino se tuvo que ir expulsado junto con Adilson y hasta se pensó que la firmeza defensiva quedaba a un paso del derrumbe.

Se produce el milagro

Pero no. Este Vélez está hecho a prueba de derrumbes; tiene todo para perder y no pierde. Apenas quince minutos después, Danrlei le regaló el descuento a Morigi y, cuando todavía se pensaba en que el 2-3 era un buen resultado, Mauro Galvao se llevó por delante la pelota y decretó el 3-3. Una perfecta carambola que, dadas las circunstancias, le daba muchísimo a Vélez y nada de nada a Gremio. Entre tantos desperfectos defensivos, el partido resultaba emocionante. Y aún quedaban 25 minutos. Pero Gremio se desanimó, Vélez levantó más la guardia y el tiempo sobró.

Al final, Piazza y los suyos festejaron un resultado muy bueno; más si se pone sobre la balanza el juego de ambos equipos.

Y ya es casi una costumbre. Cuando juega bien o cuando lo hace mal, cuando lo merece y cuando no, y hasta cuando ni sus hombres creen en cambiar la historia, Vélez siempre sale adelante. Como anoche.

Los equipos

Dirigió el uruguayo Julio Matto (regular) y los equipos formaron así:

Gremio: Danrlei (4); Arce (6), Rivarola (5), Galvao (5) y Roger (5); Dinho (5), Adilson (capitán, 4), Ailton (4; 23 del ST, Joao Antonio) y Carlos Miguel (7), Paulo Nunes (6) y Saulo (6). Director técnico: Luiz Scolari.

Vélez: Chilavert (5); Méndez (4), Sotomayor (5), Pellegrino (capitán, 4) y Cardozo (5); Herrera (4), Gómez (5), Morigi (7) y Camps (5; 30 del ST, Domínguez); Posse (4; 41 del ST, Cordone) y Pandolfi (5; 21 del ST, Husain). Director técnico: Osvaldo Piazza.

Primer tiempo: 21, Camps (V); 30, Saulo (G), y 44, Arce (G).

Segundo tiempo: 2, Ailton (G); 17, Morigi (V), y 20, Galvao (G), en contra. A los 11 minutos fueron expulsados Adilson (G) y Pellegrino (V)” (La Nacion)

 

https://i.imgur.com/aNKehjZ.jpg

Grêmio 3 x 3 Velez Sarsfield

GRÊMIO: Danrlei; Marco Antônio, Rivarola, Mauro Galvão e Roger; Adílson, Dinho (Émerson), Aílton (João Antônio) e Carlos Miguel; Paulo Nunes e Saulo.
Técnico: Luiz Felipe Scolari

VELEZ SARSFIELD: Chilavert; Mendes, Sotomayor, Pelegrino e Cardoso. Herrera, Gomez, Morigi e Camps (Dominguez); Póssi (Cordoni) e Pandolfi (Moussain)
Técnico: Osvaldo Piazza

Data: 18 de setembro de 1996, quarta-feira, 21h30min
Local: Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 22.903 (17.597 pagantes)
Renda: R$ 111.887,00
Juiz: Júlio Matto (Uruguai)
Cartões Amarelos: Paulo Nunes, Dinho, Mendes e Sotomayor
Cartões Vermelhos: Adílson e Pellegrino
Gols: Camps aos 20, Saulo aos 30 e Arce aos 44 do 1º; Aílton aos 2, Moriggi aos 16 e Mauro Galvão (contra) aos 20 do 2ºtempo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.


%d bloggers like this: