Author Archive

Brasileirão 2019 – Grêmio 1×0 Fortaleza

June 11, 2019

Gremio x Fortaleza

O Grêmio precisava ganhar. Ganhou. Com um gol “no apagar das luzes”, depois de noventa minutos de uma atuação pouco inspirada.

Eu achei questionável a expulsão do Osvaldo. Me pareceu ser lance de cartão amarelo (embora o vermelho não seja de todo descabido). Sei que o protocolo permite o uso do VAR para “agravamento de punição”, mas não parece ter sido um “erro claro e óbvio” do árbitro.

De 2010 para cá o Grêmio fez sete jogos como mandante fora de Porto Alegre. A média de público nessas partidas é de 8.848 (7.519 pagantes).

Desses sete, cinco foram pelo Brasileirão (os cinco em Caxias do Sul). Média das cinco partidas de Brasileirão disputadas em Caxias é de 11.786 (10.011). O público de sábado foi bem fraco, quase a metade do segundo pior, que foi registrado contra o Botafogo em 2014, numa quarta-feira, as 22 horas.

– Média de público do Grêmio na Arena na atual temporada:
23.255 (21.196 pagantes)

– Média de público do Grêmio como mandante em 2019:
22.173 (20.171 pagantes)

– Média de Público do Grêmio no Brasileirão 2019:
20.769 (19.071 pagantes)

Gremio x FortalezaFotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 1×0 Fortaleza

GRÊMIO: Paulo Victor; Léo Moura, Pedro Geromel, Rodriguez e Leonardo Gomes;  Thaciano (André, aos 29/2ºT), Maicon, Alisson, Jean Pyerre  e Diego Tardelli (Patrick, aos 40/2ºT); Felipe Vizeu (Pepê, aos 9/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

FORTALEZA: Felipe Alves; Tinga, Quintero, Roger Carvalho (Natan, aos 30/1ºT) e Carlinhos; Felipe, Juninho, Marlon (Gabriel Dias, aos 31/2ºT), Romarinho e Osvaldo; Kieza (André Luis, aos 16/2ºT)
Técnico: Rogério Ceni

8ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2019
Data: 08/6/2019, sábado, 19h00min
Local: Estádio Centenário, em Caxias do Sul – RS
Público: 4.865 (3.761 pagantes)
Renda: R$ 153.420,00
Árbitro: Sávio Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: Bruno Boschilla (PR) e José Reinaldo Nascimento Júnior (DF)
VAR: José Claudio Roca Filho (SP)
Cartões amarelos: Alisson, Felipe, Marcelo Boeck, Felipe Alves, Carlinhos
Cartão vermelho: Osvaldo
Gol: Pepê, aos 44 minutos do 2º tempo

Advertisements

Brasileirão 1981 – Grêmio 2×0 Fortaleza

June 8, 2019

1981 zh fortaleza casa newmar

O primeiro jogo entre Grêmio e Fortaleza em solo gaúcho aconteceu justamente no ano do primeiro título nacional do tricolor.

O confronto foi válido pela segunda rodada da segunda fase do Brasileirão de 1981. Na partida anterior, o Grêmio foi duramente derrotado pelo São Paulo no Morumbi, o que fez com que o técnico Ênio Andrade começasse a promover alterações na equipe. Casemiro fez seu primeiro jogo oficial como titular (ainda como lateral direito) na temporada e Newmar fez sua estreia na competição.

Newmar marcou o primeiro gol do jogo e (o então muito questionado) Baltazar fechou o placar no segundo tempo.

1981 zh fortaleza casa baltazar ado

GRÊMIO SUPERA O FORTALEZA MAS A TORCIDA NÃO GOSTA
Apesar da vitória, o time do Olímpico, nervoso, mostrou muitos erros

O Grêmio venceu ao Fortaleza sem entusiasmar sua torcida no Estádio Olímpico. Com um gol de Newmar no primeiro tempo e Baltazar no início do segundo, o time de Ênio Andrade conseguiu assim assumir a vice-liderança do Grupo. Está ao lado do Internacional de Limeira contra quem joga domingo próximo, mas ganha o confronto por ter uma vitória enquanto o time paulista tem dois empates. O 2 a 0 não satisfez os torcedores e alguns jogadores inclusive reclamaram.

A vitória do Grêmio satisfez os otimistas e pessimistas. Os otimistas porque somente uma equipe teve iniciativa, apresentou um trabalho coletivo aceitável e construiu excelentes oportunidades de gol. Os pessimistas porque foi o Grêmio também que continuou mostrando problemas individuais ¡á conhecidos como a pouca objetividade de Odair e Renato Sá — sem falar em suas dificuldades para concluir com perigo — e a má fase de Baltazar que chegou a irritar a torcida com seus impedimentos sucessivos e gols perdidos.

Por isso junto com os aplausos ao final do primeiro tempo podiam ser ouvidas vaias que voltaram durante o segundo tempo ¡unto com os pedidos de alguns torcedores por Heber. Mas foi Baltazar o primeiro a levantar a torcida quando fez um gol, anulado, aos 10 minutos de jogo por causa de uma falta no goleiro. Não demorou muito para Newmar fazer o seu e tranqüilizar mais a torcida. Mas quem não mostrou tranqüilidade foi o time do Grêmio.

Mesmo enfrentando uma equipe fraca, com preparo físico deficiente e praticamente sem ataque — o Fortaleza só teve mesmo o ponteiro Mazola a tentar algo — o Grêmio mostrou muito nervosismo nas conclusões perdendo grandes situações de gol. Aos 27 por exemplo Baltazar perdeu de cima ao chutar no travessão uma cruzada de Tarciso. Na seqüência Renato Sá chutou para fora.

O segundo tempo iniciou bem, com um gol de Baltazar, logo a três minutos e o Grêmio seguiu dominando, criando boas situações de gol mas a repetição dos erros nas conclusões fez com que o resultado permanecesse o mesmo. Baltazar foi substituído por Heber e saiu bastante vaiado. Odair saiu para a entrada Vilson Tadei. Casemiro e Newmar, as novidades, saíram-se bem especialmente o primeiro que foi importante na ligação da defesa com o ataque.
Depois de De León obrigar Ado a fazer mais uma boa defesa tentando aumentar o resultado, foi a vez de Paulo Isidoro ter excelente chance. Nos últimos minutos Heber marcou mas o juiz não validou: o centroavante concluiu e Marcão tirou de dentro. Tanto o árbitro como o bandeirinha estavam mal colocados e não deram o gol.

O Placar

1 x 0 — Newmar para o Grêmio aos 13 min. do primeiro tempo. Odair cobrou o escanteio e o zagueiro de cabeça acertou o canto esquerdo do goleiro Ado que falhou, a bola veio de longe.

2 x 0 — Baltazar para o Grêmio aos 3 min. do segundo tempo. A jogada começou com um cruzamento de Casemiro pelo lado direito. Baltazar acertou o travessão do Fortaleza e no rebote, o centroavante marcos o segundo gol gaúcho.” (Zero Hora, sexta-feira, 13 de março de 1981)

“Jogo ruim onde o Grêmio chutou 27 bolas a gol marcou só duas vezes, prova da fragilidade do Fortaleza e da inoperância do ataque gremista” (Emanuel Mattos, Revista Placar, Edição n.º 566 – 20 de março de 1981)

1981 zh fortaleza casa baltazar1981 chamada gaucha gremio fortaleza

TARCISO E ISIDORO PEDEM MAIS APOIO

O jogo recém havia terminado e foi o ponteiro Tarciso o primeiro a fazer críticas ao comportamento da torcida do Grémio durante o jogo contra o Fortaleza. “É uma pena a torcida não ter compreendido e não nos aplaudir nesta vitória muito importante” disse ele. Logo depois foi a vez de Paulo Isidoro desabafar:

— Acho que é bobagem ficar se preocupando com isto. Mas se a torcida não está satisfeita que entre ela em campo e faça o que nós estamos fazendo!

Todos os jogadores sem exceção estranharam as atitudes da torcida impaciente em muitos momentos e inclusive vaiando a alguns jogadores especialmente a Baltazar. Tadei chegou a fazer um apelo dizendo que “este e o início de urna nova etapa onde todos precisam se unir para ajudar o clube”. E o zagueiro Newmar, tentou dar uma pista para o problema: “creio que é uma consequência dos erros nas conclusões” (Zero Hora, sexta-feira, 13 de março de 1981)

ÊNIO VAI MANTER TADEI NA EQUIPE

Com o resultado de 2 a 0 definido desde o início do segundo tempo, o técnico Ênio Andrade tratou de aproveitar os 21 minutos finais para testar aquela que deverá ser a formação da equipe no jogo contra o Internacional: com Vilson Tadei na meia cancha e Renato Sá na ponta esquerda, saindo Odair.

— O Tadei e um jogador de habilidade e como o Renato faz um trabalho Importante na ligação do ataque com a meia cancha, tornando a equipe menos vulnerável, poderei escalar os dois neste jogo em Limeira.

Enio Andrade diz que estranhou o comportamento da torcida vaiando alguns jogadores em determinados momentos, elogiou o trabalho de Casemiro, e Newmar na primeira partida de ambos na equipe explicando que eles poderão continuar, o mesmo acontecendo com Vilson Tadei. “Com o jogo definido tratei de já ir testando esta nova formação”, disse ele. ” (Zero Hora, sexta-feira, 13 de março de 1981)

1981 classificaççao
Fotos: Zero Hora

GRÊMIO: Leão; Casemiro, Newmar, De León e Dirceu; China, Paulo Isidoro e Renato Sá; Tarciso, Baltazar (Eber) e Odair (Vilson Tadei)
Técnico: Ênio Andrade

FORTALEZA: Ado; Roberto, Marcão, Totó e Roner; Chinesinho, Odilan (Bosco) e Dudé; Mazola, Chico Explosão (Rogério) e Tiquinho.
Técnico: César Morais

Brasileirão 1981 – 2ª Fase – Grupo I – 2ª Rodada
Data: 12 de março de 1981, quinta-feira, 21h00min
Local: Estádio Olímpico- Porto Alegre
Público: 16.044 (14.947 pagantes)
Renda: Cr$ 1.691.630,00
Árbitro: Eraldo Palmerini (PR)
Auxiliares: Iolando Rodrigues e Alvir Renzi (SC)
Gols: Newmar aos 13 minutos do 1º tempo e Baltazar aos 3 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2019 – Grêmio 1×0 Atlético-MG

May 27, 2019

Gremio x Atletico-MG

E o Grêmio finalmente venceu um jogo no Brasileirão 2019. Uma vitória magra, mas justa, visto que foi claramente superior ao Atlético ao longo dos 90 minutos.

Eu não entendi bem o que aconteceu no lance que resultou no pênalti desperdiçado (mais um!) por André. O que o juiz marcou quando apitou antes de Geromel marcar o gol? Vale lembrar que existe sim vantagem em lances de pênalti.

PORTO ALEGRE / RIO GRANDE DO SUL / BRASIL - 25.05.2019 Jogo entre GRÊMIO x ATLÉTICO no Estádio Arena do Grêmio pelo Campeonato Brasileiro 2019 - Foto: Bruno Cantini / Atlético

– Média de público do Grêmio na Arena na atual temporada:
23.362 (21.305 pagantes)

– Média de Público do Grêmio no Brasileirão 2019:
26.071 (24.174 pagantes)
PORTO ALEGRE / RIO GRANDE DO SUL / BRASIL - 25.05.2019 Jogo entre GRÊMIO x ATLÉTICO no Estádio Arena do Grêmio pelo Campeonato Brasileiro 2019 - Foto: Bruno Cantini / AtléticoFotos: Lucas Uebel (Grêmio.net) e Bruno Cantini (Atlético Mineiro)

Grêmio 1×0 Atlético-MG

GRÊMIO: Paulo Victor; Leonardo Gomes, Geromel, Rodriguez e Juninho Capixaba; Michel, Maicon; Alisson (Tardelli, intervalo), Jean Pyerre (Thaciano, 33/2ºT) e Everton; André (Felipe Vizeu, intervalo)
Técnico: Renato Portaluppi

ATLÉTICO-MG: Victor; Patric, Léo Silva, Igor Rabello e Fábio Santos; Zé Welison (Nathan, 38/2ºT), Jair; Cazares (Geuvânio, 18/2ºT) , Chará, Luan (Bruninho, 24/2ºT); Ricardo Oliveira
Técnico: Rodrigo Santana

6ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2019
Data: 25/05/2019, Sábado, às 19h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre -RS
Público: 15.450 (13.714 pagantes)
Renda: R$ 444.432,00
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC) e Carlos Berkenbrock (SC)
VAR: Heber Roberto Lopes (SC)
Cartões amarelos: Maicon; Luan, Zé Welisson, Patric, Geuvânio
Gol: Felipe Vizeu, aos 2 minutos do segundo tempo

Brasileirão 1972 – Grêmio 1×0 Atlético Mineiro

May 24, 2019
1972 gremio atletico cp ancheta numero 3

Foto: Correio do Povo

 

No Brasileirão de 1972, o Grêmio recebeu o Atlético Mineiro pela segunda rodada da competição. O Galo, treinado por Telê Santana, era o campeão do ano anterior, e contava com Mazurkiewicz, Humberto Ramos e Dadá Maravilha.  Já o tricolor (que venceu o jogo graças ao gol de Carlinhos) contava com uma sólida defesa liderada por Ancheta e Everaldo.

GRÊMIO DERROTOU O ATLÉTICO COM GOLAÇO DO PONTEIRO CARLINHOS
O Grêmio, com um gol sensacional de Carlinhos, no primeiro tempo, ganhou do Atlético por 1 a 0 ontem à noite, mantendo a liderança da chave na segunda rodada, sem tomar nenhum golo e mais uma vez convencendo a sua torcida nesse começo do Campeonato Nacional.

1.º TEMPO — O bom ataque, com Loivo levantando para a área e criando uma situação de perigo que o zagueiro Raul Fernandes tirou de cabeça numa disputa com Lairton, foi um dos poucos que o Grêmio conseguiu no começo da, partida. Em seguida, ficou claro que havia alguns problemas no time de Daltro Menezes (Jadir não tinha o mesmo rendimento de domingo passado, Oberti e Lairton tinham dificuldades de conseguir espaços) e que o adversário, o Atlético Mineiro, tinha defesa melhor armada do que o São Paulo, que na primeira rodada deixou muitos espaços para o time gaúcho atacar.

Mas o futebol do Atlético, melhor dentro da partida, só apareceu bem, da defesa para a frente, a partir dos 10 minutos, quando Oldair e Humberto Ramos acertaram bem no meio-campo. Toninho, à frente dos zagueiros, marcava o início das jogadas do Grêmio. O domínio do Atlético, entretanto, caiu em seguida, com Oldair e Humberto Ramos parando, e dando chance ao Grêmio reagir, liderado por Negreiros que aos 28 minutos criou a jogada que Carlinhos transformou em golo. Depois de trocar passes com Oberti — uma jogada, marcante dentro da partida — Negreiros lançou Carlinhos, na frente. Correndo da direita para o meio, chutando com o pé esquerdo, Carlinhos acertou o golo, na saída de Mazurkievcs, marcando 1 a O para o Grêmio.

A partir daí, o Grêmio melhorou um pouco, segurando o Atlético em seu campo e, às vezes atacando, em boas jogadas de Carlinhos e de Oberti.

2.º TEMPO — O Atlético voltou para o segundo tempo com Guerino em lugar de Paulinho, um, ponteiro muito fraco, que no primeiro tempo só atrapalhou o trabalho que tentava fazer Dario. O Grêmio esperou até os 15 minutos para fazer a sua primeira alteração: Carlos Alberto em lugar de Loivo. Daltro, com a colocação de Carlos Alberto, pretendia centralizar o trabalho de meio-campo, para dar anais consistência ao time, na tentativa de garantir o placar e solidificar a vitória parcial conseguida com o gol de Carlinhos. O jogo continuou com poucas jogadas de área até os 20 minutos, mas aos 25 o Atlético teve uma boa oportunidade com uma falta que Romeu, chutando contra uma barreira de sete jogadores, perdeu. No rebote, Ancheta, que fizera a falta em Dario, chutou de qualquer maneira para a lateral, para aliviar a situação de perigo. E depois disso, o Atlético, aproveitando que o Grêmio se acomodava um pouco, tomava a iniciativa em todas as jogadas, tentando o golo de empate, inclusive retirando Toninho, que ficava à frente dos zagueiros, para colocar Serginho, um jogador mais ofensivo. Daltro Menezes respondeu a esta alteração proposta pelo técnico Telê, colocando o juvenil Iúra (em lugar de Carlinhos) mas em seguida o Atlético teve excelente chance, numa jogada confusa, de chutes de todos os lados, que Everaldo, em última, instância, salvou para escanteio.

E assim, se defendendo porque o Atlético tentava o empate no desespero, o Grêmio levou o jogo até o fim, às vezes tentando marcar mais um. Não conseguiu — venceu só de 1 — mas venceu bem.” (Correio do Povo, quinta-feira, 14 de setembro de 1972)

1972 gremio atletico cp ancheta numero 3b

Foto: Correio do Povo

GELATINA DO GRÊMIO E O DESASTRE
Ruy Carlos Ostermann

Desta vez não foi Negreiros, não foi Oberti e nem foi Loivo ou Jadir quem garantiu a vitória do Grêmio. Desta vez a diferença que o Atlético Mineiro propôs no campo obrigou a eleição de outros jogadores, e, entre estes, especialmente, o zagueiro Ancheta e seu companheiro de área, Beto. O Grêmio foi menos time do que contra o São Paulo . Explica-se de uma forma: o Atlético teve mais consistência e maior movimentação do que o São Paulo, e teve três jogadores sempre no meio campo — Toninho, Oldair e Humberto Ramos. E se apenas Humberto Ramos lembrou o grande Atlético do ano passado, impondo um ritmo vibrante ao serviço da bola de armação, Toninho apertou Oberti e Oldair jogou fora do lugar de Loivo. E isso desequilibrou muito o Grêmio. Tanto que, no segundo tempo, foi preciso tirar Loivo e colocar Carlos Alberto para que o time se corrigisse no combate às jogadas do Atlético, todas marcadas pela preocupação em localizar Dario, e feitas pelo meio.

Mas o Grêmio era diferente do domingo. Correu no primeiro tempo, explorando alguns vazios que a falta de ritmo do campeão mineiro abria. E parou no segundo. Por isso, o jogo foi passando para a área do Grêmio e dali foi se levantando a preservação do gol de Carlinhos no primeiro tempo: o grande trabalho de Ancheta e Beto, ou seja, a morte de Dario. A torcida saiu guardando este resultado como uma gelatina: ela tremia, parecia desbordar, mas acabou ficando dentro do pires. Uma sobremesa rala e difícil, mas doce assim mesmo.
(Ruy Carlos Ostermann, Correio do Povo, quinta-feira, 14 de setembro de 1972)

1972 gremio atletico guaiba

GRÊMIO CONSEGUE SUA SEGUNDA BOA VITÓRIA

Porto Alegre (Sucursal). O Grêmio manteve-se na liderança no grupo D do Campeonato Nacional vencendo o Atlético por 1×0, ontem à noite no Estádio Olímpico numa partida bastante disputada e com muitos lances ríspidos O único gol da partida foi marcado aos 28 minutos do primeiro tempo pelo ponta-direita Carlinhos, que aproveitou um excelente lançamento de Negreiros, o melhor jogador em campo.

VENTO – O forte vendo que havia no Estádio Olímpico, quando começou a partida, dava a impressão de que o Atlético teria grande vantagem no início com o vento a seu favor. Foi o time mineiro quem teve a primeira grande chance de marcar aos 18 minutos, quando o zagueiro Beto perdeu infantilmente um lance dividido para Dario. O centro-avante entrou sozinho na área, driblou o goleiro Jair mas demorou a chutar. Quando chutou, Ancheta estava dentro do gol para salvar

Mas foi exatamente por confiar demais no vento que o Atlético levou o gol. Mazurkiewlcz foi recolocar a bola em jogo depois de um ataque do Grêmio e chutou fraco demais. Negreiros dominou no meio-de-campo e devolveu rápido para a corrida de Carlinhos, que chutou de pé esquerdo, sem dar tempo para o goleiro do Atlético se recuperar.

Telê Santana disse que o Atlético perdeu o Campeonato Mineiro e o primeiro jogo do Nacional porque faltava um líder no time. Por isso ele escalou Oldair ontem, contando com sua experiência para vencer o Grêmio.

Mas só a experiência de Oldair não bastou. O meio-campo do Grêmio jogou tão bem como contra o São Paulo na estreia, com Negreiros se destacando e anulando completamente o esforço de Oldair. Por isso, o Atlético não pôde aproveitar algumas vantagens que teve no primeiro tempo quando o vento lhe era favorável. No segundo tempo, o Grêmio apenas garantiu o resultado e revidou as jogadas violentas do Atlético.” (Jornal do Brasil, quinta-feira, 14 de setembro de 1972)

1972 gremio atletico ingressos

Grêmio 1×0 Atlético Mineiro

GRÊMIO: Jair; Valdir Espinosa, Ancheta, Beto Bacamarte e Everaldo; Jadir e Negreiros; Carlinhos (Iura), Lairton, Oberti e Loivo (Carlos Alberto)
Técnico: Daltro Menezes

ATLÉTICO: Mazurkiewicz; Raul Fernandez, Vantuir, Cláudio e Cincunegui; Toninho  (Serginho), Oldair e Humberto Ramos; Paulinho (Guerino), Dario e Romeu
Técnico: Telê Santana

Brasileirão 1972 – Primeira Fase – Segunda Rodada
Data: 13 de setembro de 1972 quarta-feira, 21h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Renda: Cr$ 114.033,00
Árbitro: Romualdo Arppi Filho
Auxiliares: Irandi Paiva e Carlos Martins
Gol: Carlinhos, aos 28 minutos do primeiro tempo

Copa do Brasil 2019 – Juventude 0x0 Grêmio

May 24, 2019

Juventude matheus henrique

Eu tinha a esperança que o início de uma competição de mata-mata poderia fazer com que o Grêmio voltasse a ter uma atuação mais “intensa”, mas esse jogo no Jaconi foi tão enfadonho quanto os últimos que o tricolor fez  fora de casa pelo Brasileirão.

O time voltou a usar o calção preto com escudo monocromático (enquanto o vendido na GrêmioMania tem o escudo colorido).
Juventude evertonJuventude maiconFoto: Arthur Dallegrave (E.C.Juventude)

Juventude 0x0 Grêmio

JUVENTUDE: Marcelo Carné; Vidal, Genílson, Sidimar e Eltinho; João Paulo; John Lennon (Dalberto, 29/1ºT), Aprile, Denner e Bruno Alves (Breno, 15/2ºT); Braian Rodríguez (Paulo Sérgio, 39/2ºT)
Técnico: Marquinhos Santos

GRÊMIO: Paulo Victor; Léo Moura, Pedro Geromel, Michel e Juninho Capixaba; Matheus Henrique e Maicon; Alisson (Pepê, 31/2ºT), Jean Pyerre (Thaciano, 19/2ºT) e Everton; André (Felipe Vizeu, 39/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

Copa do Brasil 2019 – Oitavas de final – Jogo de Ida
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul-RS
Público: 10.040 (8.757 pagantes)
Renda: R$ 249.400,00
Arbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Auxiliares: Eduardo Gonçalves da Cruz (MS) e Sidmar dos Santos Meurer (MG)
VAR: Igor Júnio Benevenuto (MG)
Cartões Amarelos: João Paulo, Aprile, Paulo Sérgio; Alisson, Everton

Brasileirão 1973 – Ceará 0x0 Grêmio

May 19, 2019
ceara01 damiao ribas cp

Foto: Damião Ribas (Correio do Povo)

Em 1º de novembro de 1973 o Grêmio enfrentou pela primeira vez o Ceará em Fortaleza pelo Brasileirão. Ao que tudo indica foi um enfadonho 0x0.

Um dado curioso é que na delegação do Grêmio estava Luiz Watanabe, campeão do mundial de Karatê em 1972. O karateca fora convidado pelo preparador físico Coronel Mário Doernt para auxiliar a resolver problemas de distensões nos atletas gremistas.

ceara02 damiao ribas cp

Foto: Damião Ribas (Correio do Povo)

EMPATE FOI BOM PARA O GRÊMIO

[…]
1.º TEMPO

No começo, o Grêmio tinha a intenção de segurar o jogo, esperando que o Ceará, muito entusiasmado e correndo muito, diminuísse o ritmo. Mas o Grêmio não conseguia por causa de um erro de marcação, especialmente de Mazinho, que reclamando muito de uma dor no joelho não acompanhava a correria de Edmar, jogador mais atrasado do meio-campo do Ceará mas o mais perigoso, porque partia de trás, livre, criando boas jogadas.

Por isso, o Grêmio tinha problemas para controlar o trabalho do Ceará, e se prejudicava no ataque — Marinho, com muita lentidão, demorava a dar continuidade às jogadas, e Tarciso, bem à frente, nunca conseguia vantagens sobre a defesa adversária, só perturbada em duas ocasiões, por dois chutes de Tarciso que, entretanto, nem chegaram a atingir o golo. Hélio, o goleiro do Ceará, no primeiro tempo fez apenas uma intervenção, pelo alto, sofrendo falta, o que invalidou lance.

2.° TEMPO

Para o tempo final, era normal que o Grêmio tomasse maiores precauções com seu meio-campo, procurando acertar melhor a sua movimentação. E parcialmente isso foi conseguido — o Grêmio apurou o ritmo, passou a jogar com mais velocidade. E encontrando o Ceará um pouco desordenado, m resultados pareciam que seriam bons, com o Grêmio assumindo o controle da partida, e até criando jogadas de ataque, com Jorge Tabajara, aproveitando a falta de um ponteiro-direito, subindo para o apoio e ajudando Loivo, que assessorado, cuidou mais do meio, apoiando Tarciso e lura que entrou em lugar de Mazinho.

Mas dois lances perigosíssimos contra o golo de Picasso, por volta dos 15 minutos, mudaram a fisionomia da partida — no primeiro, os irmãos Da Costa ensaiaram a cobrança de uma falta, Da Costa chutou, Picasso pegou com enorme dificuldade. E em seguida, Erandi, com tudo para marcar, só não conseguiu pela extraordinária participação de Picasso que mesmo não segurando firme, evitou o golo tocando para fora.

O Ceará melhorou, mas o Grêmio, mais acertado no meio-campo continuou um pouco melhor, com lura criando jogadas menor organizadas. O Grêmio até conseguiu duas chances excelentes através de lura, muito bom jogador, tocando a bola com objetividade, e numa delas Tarciso foi deslocado, na hora do chute, de onde surgiu a maior reclamação do Grêmio, a de que houve pênalte neste lance era que Tarciso, depois de combinar com lura, estava pronto para o chute. Dimas, na hora da conclusão, chutou o pé de apoio, Tarciso chutou uma perna na outra e caiu, perdendo o golo. O juiz, entretanto, não marcou nada.

O jogo acabou terminando em zero a zero, e mesmo que o Grêmio reclamasse, foi um bom resultado, porque o time, apesar das mudanças, não chegou a um rendimento satisfatório no meio de campo e no ataque.” (Correio do Povo, sexta-feira, 2 de novembro de 1973)

ceara jorge tabajara damiao ribas cp

Foto: Damião Ribas (Correio do Povo)

watanabe cp
ceara guaiba

CEARÁ: Hélio; Marinho, Artur, Dimas e Carlindo; Edmar e Serginho; Antônio Carlos (Erandi), Samuel, Jorge Costa e Da Costa.
Técnico: William Pontes

GRÊMIO: Picasso; Cláudio, Ancheta, Beto Bacamarte e Jorge Tabajara; Carlos Alberto, Paulo Sérgio e Mazinho (Iura); Carlinhos, Tarciso e Loivo.
Técnico: Carlos Froner

Campeonato Brasileiro de 1973
Data: 1º de novembro de 1973, quinta-feira, 21h00min
Local: Estádio Presidente Vargas, em Fortaleza-CE
Renda: Cr$ 70.577,00
Árbitro: Oscar Scolfaro
Auxiliares: Ovidio Silva e Edson Carneiro

Copa Mercosul 1998 – Grêmio 5×1 Universidad Católica

May 8, 2019

Em 1998, o Grêmio recebeu a Universidad Católica pela segunda rodada da Copa Mercosul.

O 5×1 marcou a primeira de Celso Roth comandando o tricolor (ele fora contratado para o lugar de Edinho pouco menos de um mês antes).

1998 gremio universidad catolica scheidt b

Grêmio goleia, faz festa e anuncia atacante uruguaio “El loco” Abreu

O presidente Luís Carlos Silveira Martins confirmou ontem, antes da goleada reabilitadora sobre o Universidad Católica, do Chile, que o Grêmio está contratando o centroavante uruguaio Sebastian Abreu (21 anos, 1,91m), emprestado pelo La Coru”a.

Conhecido por “El Loco” Abreu, o atacante jogou na seleção sub-17 do Uruguai. Destacou-se depois no San Lorenzo, da Argentina. Em 97, saiu por US$ 7 milhões para atuar na Espanha. O jornalista Alvaro Levrero, do El País, disse que o jogador, além de ‘ótimo cabeceador, chuta bem com os dois pés, se movimenta muito e é habilidoso.’

Além da boa notícia do reforço, a torcida lavou a alma com os 5 a 1 sobre os chilenos. Foi a primeira vitória do Grêmio depois de um jejum de 14 jogos. A goleada começou com Itaqui, de cabeça, aos 21min, no cruzamento de Zé Alcino. Aos 26, Zé Alcino ampliou. Scheidt, aos 29, de cabeça, fez 3 a 0. Aos 43, Ronaldinho, cobrando pênalti, marcou. No 2O tempo, Cornejo, aos 18, descontou. Aos 20, Itaqui (destaque ao lado de Zé Afonso e Zé Alcino) fez 5 a 1.” (Correio do Povo, 2 de setembro de 1998)

1998 zh

1998 gremio universidad catolica scheidt valdir friolin zh

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

ingressos 1998 catolica1998 catolica gaucha

GRÊMIO: Danrlei; Walmir, Rodrigo Costa, Scheidt (Éder) e Roger; Djair, Goiano, Itaqui e Ronaldinho; Zé Alcino (Rodrigo Mendes) e Zé Afonso (Clóvis)
Técnico: Celso Roth

U.CATÓLICA: Tapia; Cornejo, Ramirez, Poli e Garrido; Ormozabal, Parraguez (Pizarro) Mirosevic (Lepe), Edu Manga; Perez e Osorio (Diaz)
Técnico: Fernando Carvallo

Copa Mercosul 1998 – Grupo E – Segunda Rodada
Data: 1º de setembro de 1998, terça-feira, 21h40min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 4.235 (3.223 pagantes)
Renda: R$ 16.058,00
Árbitro: Gustavo Gallesio-URU
Auxiliares: Olivier Vieira e Carlos Lopez
Cartões Amarelos: Djair, Walmi e Ramirez

Brasileirão 2019 – Grêmio 4×5 Fluminense

May 8, 2019

correio do povo flu 2019

Não há nada que se justifique o fato do Grêmio ter levado cinco gols em casa desse Fluminense depois de ter feito 3×0 com 20 e poucos minutos de jogo.

– Média de público do Grêmio na Arena na atual temporada:
23.138 (21.081 pagantes)

– Média de Público do Grêmio no Brasileirão 2019:
22.013 (20.354 pagantes)

Fluminense x Grêmio - 05/05/2019Foto: Lucas Merçon (Fluminense F.C.), Correio do Povo

GRÊMIO: Julio César; Léo Moura, Michel, Kannemann e Cortez; Matheus Henrique e Maicon (Felipe Vizeu, 35’/2ºT) ; Alisson (Marinho, 17’/2ºT), Jean Pyerre (Luan, 15’/2ºT) e Everton; André
Técnico: Renato Portaluppi

FLUMINENSE: Rodolfo; Gilberto, Matheus Ferraz, Nino e Caio Henrique; Airton (Danielzinho, int.) e Bruno Silva; Allan, Guilherme (Pedro, 20’/2ºT) e Yony González; Luciano (Igor Julião, 35’/2ºT)
Técnico: Fernando Diniz

Data: 05 de maio de 2019, domingo, 19h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 9.734 (8.390 pagantes)
Renda: R$ 266.323,00
Árbitro: Raphael Claus (FIFA-SP)
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis (FIFA-SP) e Neuza Inês Back (FIFA-SP)
VAR: Thiago Duarte Peixoto (SP) auxiliado por Rodrigo Batista Raposo (DF) e Emerson Augusto de Carvalho (FIFA-SP)
Cartões amarelos: Kannemann e Matheus Henrique; Guilherme
Gols: André aos 6 minutos, Everton aos 12, Jean Pyerre aos 21, Yoni González  aos 38, Luciano aos 40 minutos do primeiro tempo. Matheus Ferraz, aos 9 minutos, Pedro (de pênalti), aos 26 , Kannemann, aos 38 e Yoni González  aos 46 minutos do segundo tempo.

Brasileirão 1986 – Grêmio 1×0 Fluminense

May 5, 2019
1986 gremio fluminense gol lima roberto santos cp1

Foto: Roberto Santos (Correio do Povo)

 

No Brasileirão de 1986, o Grêmio vinha de uma sequência de maus resultados e foi se recuperar justamente contra o Fluminense, no Olímpico, com um gol de Lima em assistência de Renato.

Na época vigorava o costume (ao meu ver mais simpático e lógico) que ser o time da casa o que usava seu uniforme reserva no caso de confusão com o fardamento do visitante (esse costume só foi desaparecer do futebol brasileiro na metade dos anos 1990).

1986 gremio fluminensevaldo roberto santos cp

Foto: Roberto Santos (Correio do Povo)

GRÊMIO QUEBRA JEJUM E DERROTA FLUMINENSE

Finalmente o Grêmio venceu nessa segunda fase do Campeonato Brasileiro. Depois de ficar cinco jogos sem vencer, ontem no Olímpico, ganhou do Fluminense, por 1 a 0, com inteira Justiça. Não foi por parte do time de Espinosa, uma partida excepcional em termos técnicos. Mui-pelo contrário, foi uma vitória da força, da aplicação, a determinação e acima de tudo, da luta em campo durante os 90 minutos.

A palestra do técnico Espinosa na última sexta, em que que pedia mais vontade, aplicação, força e que o time não olhasse o adversário jogar, não foi só aceita pelos jogadores como também executada. Viu-se ontem, um Renato solidário, aplicado e jogando coletivamente. Viu-se, também a meia-cancha construindo e destruindo e zaga atenta dando poucos espaços para o adversário.

No Jogo de ontem aconteceu algo inédito. Durante 42 minutos, nem Grêmio e nem Fluminense, conseguiram chutar uma bola sequer a gol. Somente aos 43, numa bola de rebote, é que o zagueiro Ricardo chutou forte para Mazaropi defender e, na seqüência da jogada, uma bola lançada pela meia-cancha encontrou Renato na meia-direita. Ele dominou a jogada e lançou o centroavante Lima pela direita. Mesmo marcado pelo zagueiro Vica, Lima dominou com a perna direita, deu dois passos e chutou forte na saída do goleiro Paulo Vítor. Era o gol Grêmio, o gol da vitória aos 44 minutos do primeiro tempo. No segundo tempo, o técnico João Lopes tirou Leomirr e João Santos e colocou Paulinho e Delei para dar maior força ofensiva, mas o bom comportamento da defesa do Grêmio não permitiu que o Fluminense empatasse.

Foi o jogo da reabilitação do Grêmio que mesmo jogando um futebol não muito bom tecnicamente, soube com a força, aplicação e solidariedade, vencer o adversário de alta qualificação.” (Correio do Povo, segunda-feira, 27 de outubro de 1986)

1986 gremio fluminense roberto santos cp

Foto: Roberto Santos (Correio do Povo)

“O Fluminense perdeu sua invencibilidade na se-gunda fase do Campeonato Brasileiro, ao ser derrotado ontem, no Estádio Olímpico, por 1 a 0. O gol da equipe gaúcha foi no último minuto do primeiro tempo, quanto o Fluminense perdeu uma bola na progressão ao ataque e Lima acabou se aproveitando para marcar. Com esse gol, o goleiro Paulo Vitor também sua invencibilidade de cinco jogos sem tomar gol , Ficou exatos 515 minutos invicto. O Fluminense jogou uma boa partida e o resultado não fez justiça ao seu domínio, total no primeiro tempo.” (Jornal dos Sports, 27 de outubro de 1986)

1986 gremio fluminense jb

“Jogo fraco

Houve pouca emoção. Durante todo o jogo, o ataque do Fluminense esteve tímido, finalizando muito mal através de Washington e Tato. O primeiro tempo já estava acabando quando João Santos deu o primeiro chute perigoso contra o gol de Mazaropi, numa das raras situações ofensivas criadas pelo time ao longo da partida.

Aos 45 minutos, porém, Renato lançou a bola para Lima, que aproveitou a perturbação de Vica e Ricardo e, pegando Paulo Vítor deslocado, dominou a bola e fez 1 a 0. Foi uma das poucas jogadas bem articuladas de Renato.” (Jornal de Brasil, 27 de outubro de 1986)

1986 gremio fluminense bonamigo roberto santos cp

Foto: Roberto Santos (Correio do Povo)

Grêmio 1×0 Fluminense

GRÊMIO: Mazaropi; Casemiro (Giba) Baidek,Luis Eduardo e Adriano; Bonamigo, China, Osvaldo e Valdo; Renato Portaluppi e Lima
Técnico: Valdir Espinosa

FLUMINENSE: Paulo Vitor; Eduardo, Ricardo Gomes, Vica e Galvão; Jandir, Rene Weber, João Santos (Paulinho Andreolli) e Leomir (Delei); Tato e Washington.
Técnico: Antônio Lopes

Campeonato Brasileiro 1986 – Segunda Fase
Data: 26 de outubro de 1986, domingo, 17h30min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Árbitro: Tito Rodrigues-PR
Assistentes: Afonso de Oliveira e José Carlos Marcondes
Público: 21.547 pagantes
Renda: Cz$ 488.888,00
Cartões amarelos: Washington; Mazaropi e Adriano
Gol:  Lima, aos 45 minutos do primeiro tempo

Brasileirão 1974 – Avaí 0x1 Grêmio

May 1, 2019
1974 avai gremio humberto ramos carlos alberto cp v

Foto: Correio do Povo

O primeiro confronto entre Avaí e Grêmio pelo Campeonato Brasileiro aconteceu em 1974, numa vitória tricolor por 1×0 no Orlando Scarpelli.

É interessante apontar que em 20 de março daquele ano o Grêmio já estava jogando pela 4ª rodada do Brasileirão de 1974, sendo que o Brasileirão de 1973 só encerrou em 20 de fevereiro de 1974 (o último compromisso do Grêmio havia sido em 09 de fevereiro)

avai zh

Foto: Zero Hora

“O GRÊMIO FICOU NO 1X0

FLORIANÓPOLIS — Desta feita, o Grêmio se deu mal com a chuva, pois esteve bem longe da média de suas atuações — especialmente a do Curitiba, onde nem mau tempo foi empecilho para um comportamento elogiável da equipe —, passando enorme trabalho para manter sua invencibilidade e liderança no grupo A, através de um minguado 1×0 sobre o Avaí, marcador estabelecido através de golo contra, em lance infeliz do zagueiro Ari Prudente. Um tento isolado e que disse, na verdade, o labor pouco convincente do elenco tricolor diante do representante catarinense, que jamais chegou a ser envolvido na partida, duelando de igual com o adversário e, inclusive, desfrutando de excelentes oportunidades para fugir da derrota.

O Grêmio teve um início fraco na noite do jogo com chuva no “Orlando Scarpelli”, sua meia cancha mostrava problemas e o Avaí tomou a iniciativa dos ataques. Aos 4 minutos, após jogada do ponteiro João Carlos, Balduíno levou perigo até Picasso. Aos 13, era a, vez de Toninho tumultuar a retaguarda tricolor, depois de Beto Fuscão ser envolvido. O Grêmio só conseguiu atacar com pretensões pela primeira vez aos 15min. Tarciso invadiu, chutou para Rubens defender parcialmente e Loivo desperdiçar o rebote, alvejando por cima. Aos 28 min, uma outra oportunidade ofensiva do Grêmio. Novamente Tarciso infiltrou-se, ficou com apenas o goleiro pela frente mas perdeu a calma e chance, atirando desviado.

O Avaí respondeu dois minutos depois, com bom lance patrocinado por João Carlos, que arrematou nas costas de Ancheta, ficando tudo em escanteio. A resposta tricolor veio com Humberto Ramos, que adiantou demais a bola ao penetrar na área. A última chance gremista ocorreu nos 33 min. E foi a melhor do período inicial, já que Everaldo arrematou certo com Rubens fora da meta, a bola tinha endereço fatal, quando surgiu Souza e salvou, de cabeça, de cima da risca fatal.

Foi logo no reinicio de par- tida que o Grêmio ficou em vantagem no marcador. Carlinhos fugiu pela direita e fez cruzamento. Acossado por Tarciso, Ari Prudente, na tentativa de aliviar, colocou a bola fora do alcance de Rubens. Mesmo com 1×0, o Grêmio não chegou a se encontrar em campo e teve enormes dificuldades para conter ímpeto do Avaí, que passou decisivamente à ofensiva em busca da igualdade no marcador’. E não foram poucos os momentos de aperto que rondaram a defensiva tricolor e o arqueiro Picasso.” (Correio do Povo, quinta-feira, 21 de março de 1974)

Fonte: Acervo Histórico do Grêmio

 

chamada guaiba

Avaí 0x1 Grêmio

AVAÍ: Rubens; Souza, Vilela, Orivaldo e Ari Prudente; Veneza, Zenon e Balduíno; Martoni (Lourival), Toninho e João Carlos
Técnico: Jorge Ferreira

GRÊMIO: Picasso; Everaldo, Ancheta, Beto Fuscão e Jorge Tabajara; Carlos Alberto, Humberto Ramos (Mazinho) e Torino; Carlinhos, Tarciso e Loivo.
Técnico: Sérgio Moacir Torres

Data: 20 de março de 1974, quarta-feira, 21h00min
Local: Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis-SC
Renda: Cr$ 75.624,00
Árbitro: Eraldo Palmerini
Assistentes: José C. Bezerra e Alvir Renzi
Gol: Ari Prudente (contra)