Author Archive

Brasileirão 2018 – Grêmio 2×1 Vasco

November 12, 2018

2018 vasco maxi2018 vasco gol

O Grêmio venceu a segunda partida seguida no Brasileirão após a eliminação da Libertadores e ingressou no G4. Venceu, mas não teve uma grande atuação. Ainda sem Luan e com Everton sem ritmo, o tricolor teve um meio campo de pouca mobilidade com Michel, Maicon e Cícero. O Vasco saiu na frente, com Thiago Galhardo aproveitando uma bela assistência de calcanhar de Maxi Lopez. Jael empatou ainda no primeiro tempo, completando de cabeça a grande jogada feita por Leo Moura na ponta direito. E a virada gremista só saiu graças ao frango de Martin Silva, que se atrapalhou com o chute de fora da área de Matheus Henrique.

Eu gostaria de ter 1/10 da autoestima do Jael.

Gremio x Vasco

– Média de público da Arena na atual temporada:
25.843 (23.699 pagantes)

– Média de público do Grêmio como mandante no Brasileirão 2018:
23.719 (21.761 pagantes)

Gremio x Vasco
Fotos: Rafael Ribeiro (Vasco) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 2×1 Vasco

GRÊMIO: Paulo Victor; Léo Moura (Marinho  33’/2ºT), Paulo Miranda, Pedro Geromel e Bruno Cortez; Michel, Maicon (Matheus Henrique  24’/2ºT) e Cícero; Alisson (Jean Pyerre 13’/2ºT), Jael e Everton
Técnico: Renato Portaluppi

VASCO: Martín Silva, Luiz Gustavo (Lucas Kal 41’/2ºT), Henríquez, Ricardo Graça e Ramon; Willian Maranhão, Andrey, Marrony (Rildo  11’/2ºT) e Thiago Galhardo (Raul  33’/2ºT); Yago Pikachu e Maxi López
Técnico: Alberto Valentim

33ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2018
Data: 11 de novembro de 2018, Domingo, 17h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 22.622 presentes (20,763 pagantes)
Renda: R$ 666.258,00
Árbitro: Raphael Claus (FIFA-SP)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (FIFA-SP) e Rogerio Pablos Zanardo (SP)
Cartões Amarelos: Paulo Miranda, Marinho; Ricardo, Thiago Galhardo, Yago Pikachu, Lucas Kal
Gols:  Thiago Galhardo, aos 12 minutos e Jael, aos 19 minutos do 1º tempo; Matheus Henrique, aos 49 minutos do 2º tempo

Advertisements

Brasileirão 2018 – Atlético Mineiro 0x1 Grêmio

November 4, 2018

2018 JUAREZ RODRIGUES SUPERESPORTES

A vitória foi muito importante. Na semana em que foi eliminado da Libertadores 2018 o Grêmio voltou a vencer no Brasileirão, aumentando consideravelmente suas chances de jogar a Libertadores de 2019.

Geromel foi o personagem do jogo. Fez o gol do Grêmio e salvou, em cima da linha, um chute de Terans que tinha endereço certo.

2018 BRUNO CANTINI ATLETICO MG (1)Fotos: Juarez Rodrigues (Super Esportes) Bruno Cantini (Atlético)

Atlético Mineiro 0x1 Grêmio

ATLÉTICO-MG: Victor; Emerson, Léo Silva, Maidana e Fábio Santos; Adilson, Elias, Galdezani (Denilson, 12’/2º) e Terans (Cazares, 25’/2°); Chara e Ricardo Oliveira (Leandrinho, 25’/2°)
Técnico: Levir Culpi

GRÊMIO: Paulo Victor; Leonardo Gomes, Geromel, Paulo Miranda e Cortez; Michel e Matheus Henrique; Ramiro (Alisson, 15’/2º), Jean Pyerre e Everton (Pepê, 25’/2°); Jael (Thonny Anderson, 37’/2º)
Técnico: Renato Portaluppi

Campeonato Brasileiro 2018 – 32ª Rodada
Data: 3 de novembro de 2018, sábado, às 17h00min
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte-MG
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (FIFA/RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa (FIFA/RJ) e Carlos Henrique Alves de Lima Filho (RJ)
Cartões amarelos: Galdezani, Léo Silva, Elias, Emerson, Matheus Henrique
Gol: Pedro Geromel, aos 2 minutos do 1º tempo

Libertadores 2018 – Grêmio 1×2 River Plate

October 31, 2018

2018 river casa conmebol 2 gol
2018 ricardo giusti cp 2

A prudência recomendaria um pouco mais de espera para ter o devido distanciamento crítico, mas eu já arrisco em afirmar, no calor do momento mesmo, que esse jogo entrou para história como uma das eliminações mais doloridas  do Grêmio. E foi especialmente dolorido porque o tricolor esteve muito perto de chegar a sua sexta final de Libertadores (o que seria sua segunda decisão da competição em sequência).

Foi dolorido mas não foi injusto, porque o confronto foi decidido nos detalhes. Em Buenos Aires os “detalhes” penderam a favor do Grêmio. Em Porto Alegre, os “detalhes” penderam para o River.

O Grêmio mais uma vez adotou uma postura mais reativa, “abrindo mão” da posse de bola. E assim foi resistindo ao River no início do primeiro tempo, conseguindo até ampliar sua vantagem aos 35 minutos, com Leonardo Gomes apanhando um rebote de escanteio (ele praticamente fez o gol que deixou de fazer em Buenos Aires).

Na etapa final, o jogo parecia transcorrer mais ao feitio do tricolor. Everton, que entrara no lugar de Maicon (que esteve fora do seu padrão habitual), teve chance de liquidar a partida, mas o bom goleiro Armani conseguiu travar a conclusão do avante gremista. Quando faltavam menos de dez minutos para  o final, o River empatou o jogo, numa falta cobrada na área que Borré desviou para as redes. E aos 42, o juiz, com auxilio do VAR, marcou um pênalti de Bressan, que Pity Martinez converteu, classificando os visitantes.

Eu não marcaria o pênalti dado pelo árbitro Andrés Cunha. Vale lembrar que o texto da regra fala em “tocar deliberadamente a bola com as mãos“. Não acho que o toque foi deliberado (e me parece que o juiz desconsiderou o critério “a distância entre o jogador e a bola (bola inesperada)“). Mas é preciso reconhecer que a arbitragem mundial (como pode ser visto na Copa do Mundo) vem marcando pênalti em lances parecidos com esse.  O problema maior é a falta de critério, uma vez que, aparentemente, o VAR não foi acionado no toque de braço de Borré no gol de empate do River Plate.

Mas é bom lembrar que o Grêmio chegou bastante enfraquecido nessa semifinal. O time principal foi “preservado” inúmeras vezes ao longo da temporada e mesmo assim o grupo sofreu com lesões no momento decisivo. Luan não participou de nenhum dos jogos contra o River e Everton atuou em pouco mais de 30 minutos dos 180 do confronto. As contratações mais caras da temporada (André e Marinho) não deram nenhuma resposta. A discrepância (não só de qualidade, mas principalmente de característica) entre os zagueiros titulares e reservas do Grêmio era conhecida desde o ano passado e pouco se fez para corrigir isso. Enfim, é possível dizer que o Grêmio da semifinal de 2018 decaiu na comparação com o Grêmio da semifinal de 2017 (enquanto o nível dos adversários, ao menos em tradição, aumentou).

2018 river casa conmebol 1 gol2018 ricardo giusti cp

– Média de público do Grêmio na Libertadores 2018:
38.821 (36.250 pagantes)

– Média de público da Arena na atual temporada:
25.940 (23.788 pagantes)

– Média de público do Grêmio na história da Libertadores (90 jogos em casa):
32.049 torcedores

– Média de público em jogos de semifinal da Libertadores (7 jogos em casa):
41.747 (37.655 pagantes)

– Média de público do Grêmio em partidas de Libertadores na Arena (26 jogos):
37.873 (35.360 pagantes)

– Média de público do Grêmio em partidas de mata-mata pela Libertadores na Arena (11 jogos):
46.051 (43.287 pagantes)

2018 river casa dado moura globoesporte
Gremio vs River 30.10.2018 Foto Maxi FaillaFotos: Conmebol , Ricardo Giusti (Correio do Povo), Maxi Failla Olé e Eduardo Moura (GloboEsporte)

Grêmio 1×2 River Plate

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Leonardo, Geromel, Paulo Miranda (Bressan, 25’/2º) e Bruno Cortez; Michel e Maicon (Everton, 9’/2º); Ramiro, Cícero e Alisson; Jael (Thaciano, 40’/2º).
Técnico: Renato Portaluppi

RIVER PLATE: Armani; Montiel, Maidana, Pinola e Casco; Ponzio (Enzo Pérez, 23’/1º), Palacios, Quintero (Scocco, 17’/2º) e Nacho Fernández (Pity Martínez, int); Borré e Lucas Pratto.
Técnico: Marcelo Gallardo

Libertadores 2018 – Semifinal – jogo de volta
Data: 30 de outubro de 2018, terça-feira, 21h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 53.571 (49.893 pagantes)
Renda: R$ 4.477.119,50
Árbitro: Andrés Cunha (Uruguai)
Asistentes: Nicolás Tarán y Richard Trinidad (Uruguai)
Quarto Árbitro: Jonathan Fuentes (Uruguai)
VAR: Leodan González (Uruguai)
AVAR 1: Esteban Ostojich (Uruguay)
AVAR 2: Mauricio Espinosa (Uruguai)
Cartões amarelos: Enzo Pérez, Pinola, Paulo Miranda, Cortez, Bressan, Cícero
Cartão vermelho: Bressan
Gols: Leonardo, aos 35 minutos do primeiro tempo; Borré, aos 36 e Pity Martínez (de pênalti), aos 49 minutos do segundo tempo.

Confrontos entre Grêmio e River Plate disputados no Brasil

October 30, 2018
2002-volta-roger-ortega-clarin - Copia

Foto: Clarin

 

Segue abaixo uma lista de todos confrontos entre Grêmio e River Plate disputados no Brasil, com links para posts com a ficha de cada um deles:

Taça do Atlântico 1971 – Grêmio 2×0 River Plate
Taça Cidade de Salvador 1972 – Grêmio 1×0 River Plate
Amistoso em 1980 – Grêmio 0x1 River Plate
Supercopa 1988 – Grêmio 1×0 River Plate
Supercopa 1989 – Grêmio 2×1 River Plate
Supercopa 1991 – Grêmio 1×1 River Plate
Supercopa 1995 – Grêmio 2×1 River Plate
Copa Mercosul 1998 – Grêmio 2×3 River Plate
Copa Mercosul 2001 – Grêmio 1×0 River Plate
Libertadores 2002 – Grêmio 4×0 River Plate

Amistoso em 1980 – Grêmio 0x1 River Plate

October 30, 2018

1980 river zh baltazar

Em 1980, o Grêmio recebeu o River Plate, no segundo jogo do festival de reinaguração do estádio Olímpico. Os visitantes ganharam por 1×0 com um gol marcado por Tarantini.

Além do lateral esquerdo autor do gol, o River também contava com Fillol, Ortiz (que jogou no Grêmio em 1976) e Leopoldo Luque. No Grêmio, Valdir Espinosa estava na casamata (na sua primeira passagem como treinador) e Renato fazia sua terceira partida no time principal.

1980 river zh

GRÊMIO PERDEU PARA A VIOLÊNCIA DO RIVER
Mauro, Ortiz, Omar Labruna foram expulsos do jogo

O Grémio não teve multa sorte em sua segunda partida do festival de reinauguração do Estádio Olímpico: o time jogou melhor do que na vitória de sábado sobre o Vasco, mas perdeu por 1 a 0 para o Riverr Plate, gol do lateral esquerdo campeão do mundo, Tarantini, aos 42 minutos do primeiro tempo. A partida teve boa movimentação, apesar do campo enlameado, mas não chegou a entusiasmar os torcedores do Grêmio que, no final, diante da derrota consumada, vaiou a equipe.

No primeiro tempo, o Grémio foi muito melhor do que o River, tomando a iniciativa das jogadas ofensivas. No entanto, o detalhe mais importante da primeira fase foram as expulsões de Ortíz e Mauro, por agressão e revide, respectivamente, aos 31 minutos, e de Labruna, aos 46. Esses incidentes motivaram ainda mais as duas equipes, mas o Grêmio, com Leandro se destacando entre os companheiros, dominava, pressionava e mantinha o controle do jogo.

O grande problema do Grêmio, além da atuação fraca de Kiese — melhor do que sábado, mas ainda abaixo das necessidades da equipe – eram os contra-ataques do River, que sempre chegava a uma boa jogada ofensiva logo depois de recuperar a bola. E esse problema se agravou no segundo tempo, principalmente pelo descuido do próprio Grêmio. O time perdia o jogo para uma equipe que tinha apenas nove jogadores e a vantagem (o Grêmio tinha dez) provocou alguns erros de marcação.

Por isso, não seria injusto se o River tivesse marcado pelo menos mais três gols. Aos 11 minutos, por exemplo, Giudice lançou Diaz, que passou por Vantuir e desviou de Leão, tocando pelo lado direito do gol. Um minuto depois, perdeu outro gol certo na mesma situação. E aos 38, o mesmo Diaz, recebendo de Carrasco, entrou livre na área e tocou pelo lado de Leão: a bola bateu nas duas traves e sobrou para Vantuir. Enquanto isso, o Grêmio limitava-se a forçar as jogadas de ataque, mas cometendo um erro de avaliação do adversário: as jogadas pra preferenciais eram realizadas pelo meio, ficando Jésum, o único ponteiro realmente ofensivo, completamente esquecido na esquerda.

O técnico Angel Labruna, então, tornou a providência correta para reforçar mais ainda sou sistema defensivo: tirou Gonzales, que havia substituído Luque no primeiro tempo, e colocou Pavoni — isto é, trocou um atacante por um jogador de bloqueio no meio-campo, fixando-o na frente dos zagueiros. Assim, o Grêmio só tinha mesmo uma opção desesperada: a bola alta na área do River Plate, chutada de qualquer parte do campo. Com este recurso, a única maneira do marcar seria através de um erro individual de um zagueiro, o que sé aconteceu uma vez e não foi aproveitado pelo Grêmio: aos I8 minutos*, Leandro ficou livre para o chute mas a bola bateu na trave. No rebote, errou da área pequena.” (Zero Hora, 25 de julho de 1980)

 

Existe muita expectativa entre os gaúchos, pela presença de Maradona no novo Olímpico, contra o Grêmio. O Argentinos Juniors é o terceiro colocado no Campeonato Argentino e esse é outro motivo para que a renda seja bem melhor do que aquela da última terça-feira, contra o River Plate, quando atingiu apenas a Cr$ 376 mil, dando prejuízo certo ao clube gaúcho, que pagou Cr$ 3 milhões para trazer o adversário do segundo amistoso” (Jornal dos Sports, 26 de junho de 1980)

Fotos: Luiz Avila e Valério Ayres (Zero Hora)

GRÊMIO: Leão; Mauro, Newmar, Vantuir e Dirceu; Kiese, Flávio e Leandro (Renato Portaluppi); Jurandir, Baltazar e Jésum
Técnico: Valdir Espinosa

RIVER PLATE: Ubaldo Fillol (Luis Landaburu) – Héctor López, Daniel Lonardi, Héctor Rodríguez e Alberto Tarantini (Giudice); Alfredo de los Santos, Omar Labruna e Juan Carrasco; Ramon Diaz, Leopoldo Luque (Pedro González e depois José Pavoni) e Oscar Ortíz
Técnico: Ángel Labruna

Data: 24 de junho de 1980, terça-feira.Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre/RS
Renda: Cr$ 376.000,00
Árbitro: Carlos Martins
Assistentes: João da Silva Mendes e Jorge Silva
Cartões vermelhos: Mauro, Ortíz e Omar Labruna
Gols: Alberto Tarantini, aos 42 minutos do primeiro tempo

Brasileirão 2018 – Grêmio 3×4 Sport Recife

October 28, 2018

Gremio x Sport

Time reserva, com jogadores improvisados em algumas posições. Uniforme reserva, com a meia do ano passado. Gramado em más condições (contrariando promessas). Derrota com placar de pelada. Está bem difícil achar algo de interessante/positivo para falar sobre esse jogo.

Gremio x Sport

– Média de público da Arena na atual temporada:
25.077 (22.972 pagantes)

– Média de público do Grêmio como mandante no Brasileirão 2018:
23.787 (21.823 pagantes)

Gremio x SportFotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 3×4 Sport Recife

GRÊMIO: Paulo Victor; Madson, Bressan, Kannemann e Marcelo Oliveira (Marinho, 23/2ºT); Matheus Henrique e Thaciano (Jean Pyerre, 25’/2ºT); Kaio (Pepê, intervalo), Douglas e Juninho Capixaba; Thonny Anderson
Técnico: Renato Portaluppi

SPORT: Mailson; Cláudio Winck, Adryelson, Ernando e Sander; Marcão, Jair (Nonoca, 34/2ºT) e Michel Bastos; Gabriel, Mateus Gonçalves (Rogério, 15/2ºT) e Hernane (Fellipe Bastos, 24/2°T)
Técnico: Milton Mendes

31ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2018
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre, RS
Público: 13.842 (12.165 pagantes)
Renda: R$ 329.685,00
Árbitro: Dewson Freitas da Silva (PA)
Auxiliares: Danilo Ricardo Manis (SP) e Heronildo Freitas da Silva (PA)
Cartões amarelos: Bressan, Marinho (G), Jair Cláudio Winck (S)
Gols: Jair, aos 7 minutos; Mateus Gonçalves, aos 29 e Matheus Henrique, aos 37 minutos do primeiro tempo; Juninho Capixaba (de pênalti), aos 7 minutos; Gabriel, aos 8; Thonny Anderson , aos 13 e Jair, aos 18 minutos do segundo tempo.

Confrontos entre River Plate e Grêmio em Buenos Aires

October 23, 2018
2002-river-1x2-gremio-fabian-gredillas-gilberto-b

Foto: Fabian Gredillas (O Sul)

Segue abaixo uma lista de todos confrontos entre River Plate e Grêmio em Buenos Aires com links para posts com a ficha de cada um deles:

Supercopa 1988 – River Plate 3×1 Grêmio
Supercopa 1989 – River Plate 2×1 Grêmio
Supercopa 1991 – River Plate 2×2 Grêmio
Supercopa 1995 – River Plate 3×2 Grêmio
Copa Mercosul 1998 – River Plate 3×1 Grêmio
Copa Mercosul 2001 – River Plate 2×4 Grêmio
Libertadores 2002 – River Plate 1×2 Grêmio
Libertadores 2018 – River Plate 0x1 Grêmio

 

Supercopa 1988 – River Plate 3×1 Grêmio

October 23, 2018
1988 arivaldo chavez zh river gremio

Foto: Arivaldo Chaves (Zero Hora)

1988 arivaldo chavez zh river gremio cuca corti

Foto: Arivaldo Chaves (Zero Hora)

1988 arivaldo chavez zh river gremio capa

GRÊMIO NÃO RESISTIU À PRESSÃO ARGENTINA
Pressão foi forte e River chegou ao gol da classificação no último minuto

Apesar de ter Jogado um bom futebol no segundo tempo, o Grêmio foi desclassificado da Supercopa, ao ser derrotado por 3 a 1. O time argentino saiu na frente, com gol contra de Alfinete, mas Lima empatou. O River ver ainda perdeu um pênalti, mas, ao expulsar Cuca e Luis Eduardo, o juiz desfalcou o Grêmio, que não resistiu e nos dez minutos finais perdeu o jogo.” (Zero Hora, 12 de maio de 1988)

INDIGNAÇÃO COM ARBITRAGEM DE LUÍS BARRANCOS
Enquanto os jogadores do River comemoravam a classificação, os gremistas, com Mazaropi alterado, partiram para cima do árbitro Luis Barrancos. Eles estavam inconformados com a expulsão de Luis Eduardo e também a marcação do pênalti (desperdiçado). Mazaropi estava irritado e sentia-se prejudicado:
— Assim nunca haverá um time brasileiro nas finais. O que esse juiz fez foi vergonhoso. Primeiro que aquele pênalti não existiu. Depois, o Luis Eduardo fez uma falta normal e foi expulso. Só assim o River conseguiria ganhar, com 11 contra nove.
O presidente Paulo Odone também estava inconformado com a arbitragem boliviana e disse que o Grêmio ainda é o melhor dos times que disputou a Supercopa:
— Se a arbitragem no Olímpico fosse assim, o River teria dois expulsos lá. Esse descritério nos prejudicou. De qualquer forma, valeu a experiência e na outra Supercopa seremos campeões. Nem o River é melhor que nós.” (Zero Hora, 12 de maio de 1988)

1988 arivaldo chavez zh river gremio GOL CONTRA ALFINETE

Foto: Arivaldo Chaves (Zero Hora)

1988 arivaldo chavez zh river gremio ruggeri lima

Foto: Arivaldo Chaves (Zero Hora)

River Plate 3×1 Grêmio

RIVER PLATE: Nery Pumpido; Jorge Borelli, Nelson Gutiérrez, Oscar Ruggeri e Pablo Erbín (Carlos Enrique 19 do 2ºT); Ernesto Corti, Pedro Troglio e Omar Palma; Jorge Da Silva (Ramón Centurión 5 do 2ºT), Antonio Alzamendi e Claudio Caniggia
Técnico: Carlos Timoteo Griguol

GRÊMIO: Mazaropi; Alfinete, Astengo, Luis Eduardo e Airton Ravagniani; Amaral, Bonamigo, Valdo e Cuca; Jorge Veras (Joao Antonio 20 do 2ºT) e Lima
Técnico: Otacilio Gonçalves

Supercopa 1988
Data: 11 de maio de 1988, quarta-feira
Local: Estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires-ARG
Árbitro: Luis Barrancos (FIFA/BOL)
Auxiliares: Jorge Antequera e Armando Ralaga
Cartões Amarelos: Borelli, Amaral, Airton, Valdo, João Antonio, Mazzaropi e Astengo
Cartões Vermelhos: Cuca e Luis Eduardo
Gols: Alfinete (contra) aos 24 minutos do primeiro; Lima, aos 2 minutos, Centurion aos 38 e Alzamendi aos 44 minutos do segundo tempo

Supercopa 1989 – River Plate 2×1 Grêmio

October 23, 2018
1989 river gremio fernando gomes zh

Foto: Fernando Gomes (Zero Hora)

1989 river gremio fernando gomes zh basualdo assis

Foto: Fernando Gomes (Zero Hora)

GRÊMIO LUTA MUITO, MAS ESTRÉIA COM DERROTA PARA O RIVER PLATE
Uma falha no início e um erro do árbitro definiram o resultado. Grêmio reagiu bem, mas perdeu muitas chances e agora precisa vencer

Mesmo com uma boa atuação, para o número de desfalques (seis, ao todo), o Grêmio não resistiu ao River Plate, ontem à noite, no Monumental de Nudez, em Buenos Aires, e perdeu por 2 a 1, gois marcados por Adilson Heleno, para o Grêmio, Centurion e Borrelli. Com este resultado, seguiu o mesmo destino dos outros clubes brasileiros, que também perderam na estréia da Supercopa. Agora, precisa apenas de uma vitória simples, por diferença dois gols, no jogo de volta, no Olímpico.
O time de Cláudio Duarte começou o jogo como se previa. Esperando o adversário em seu próprio campo e aproveitando para partir nos contra-ataques. Mas uma falha dupla de Trasante e Alfinete permitiu que, aos 16 minutos, o atacante Centurion abrisse o marcador, mudando toda a estratégia do time gaúcho. Aos 23 minutos, já mais ambientado à partida, o Grêmio perdeu sua primeira situação clara de gol, com Nando chutando fraco para a defesa aliviar a escanteio. Mas aos 41 minutos, Adilson Heleno empatava o jogo, concluindo de primeira uma jogada de Hélcio pela esquerda. A alegria brasileira durou pouco. Aos 44 minutos, Borrelli desempatou, em mais uma falha da confusa defesa gremista, que reclamou impedimento de Zamora.
Na segunda etapa, o Grêmio pressionou muito, perdendo algumas boas oportunidades de gol. Aos 22 minutos, Edinho bateu falta frontal a grande área, mas Comizzo defendeu. Mas a melhor situação de gol foi desperdiçada por Alfinete, aos 32 minutos, chutando no travessão, após o escanteio cobrado por Darci. O centroavante Nando também teve chance de empatar, mas chutou sobre o goleiro Comizzo, ficando mesmo no 2 a 1.” (CARLOS ALBERTO FRUET, Enviado a Buenos Aires, Zero Hora 06 de outubro de 1989)

CLÁUDIO DIZ QUE A DEFESA ERROU MAIS NO SEGUNDO GOL
O técnico Cláudio Duarte preferiu analisar mais a falha da defesa do Grêmio do que o erro do juiz no segundo gol do River. Para o treinador, a defesa não poderia ter parado à espera do impedimento:
— Nem quero discutir se havia ou não impedimento. Nós havíamos combinado que não procuraríamos deixar o ataque deles impedido. E paramos naquele lance. Se o rapaz estava ou não impedido é outra história, mas nós não podemos parar nunca.
Apesar disso, Cláudio mostrou-se conformado com o resultado e lamentou apenas as oportunidades perdidas: — Precisamos voltar àquela maré boa das outras competições. Antes, tínhamos duas ou três chances marcávamos. Agora, desperdiçamos inúmeras oportunidades e o adversário, com duas apenas, marcou dois gols. Mas acho que o Grêmio tem condições de recuperar este resultado em casa, no segundo jogo. ” (CARLOS ALBERTO FRUET, Enviado a Buenos Aires, Zero Hora 06 de outubro de 1989)

 

RIVER DERROTA GRÊMIO
Buenos Aires (Sport Press-Especial) — O Grêmio foi o quarto clube brasileiro a perder na primeira rodada da Supercopa. Na noite desta quinta-feira, no estádio Monumental de Nunez, foi derrotado pelo River Plate por 2 a 1, apesar de ter dominado quase toda a partida. Os gols surgiram no primeiro tempo, através de Centurion, aos 2 minutos, fazendo 1 a 0 para o River Plate, Adilson Heleno, aos 41, empatando para o Grêmio, e Borrelli, aos 45, dando a vitória aos argentinos. “(O Liberal – 06 de outubro de 1989)

 

 

RIVER PLATE: Comizzo; Basualdo, Higuain, Corti e Gomez; Batista, Talarico (Medina Bello) e Hernan Diaz; Zamora (Hector Henrique) Borreli e Centurion.
Técnico: Reinaldo “Mostaza” Merlo

GRÊMIO: Gomes; Alfinete, Trasante, Edinho e Hélcio; Jandir, André (Darci), Adilson Heleno e Assis; Sérgio Araújo (Gilson) e Nando.
Técnico: Cláudio Duarte

Supercopa 1989 –
Local: Estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires-ARG
Data: 05 de outubro de 1989
Árbitro: Salvador Imperatore (Chile)
Auxiliares: Hernan Silva e Gaston Castro

Supercopa 1991 – River Plate 2×2 Grêmio

October 22, 2018
1991 ida river folha de hoje roberto santos 1b

Foto: Roberto Santos (Folha de Hoje)

River e Grêmio se enfrentaram em Buenos Aires pelo jogo de ida das oitavas de final da Supercopa de 1991. Era a segunda partida de Renato na sua segunda passagem como jogador no segundo semestre daquela temporada.

Como curiosidade, vale citar que Jorge “Pipa” Higuain que marcou o gol de empate do River é o pai do Gonzalo “Pipita” Higuain.

GRÊMIO FAZ JOGÃO EM BUENOS AIRES
Time gaúcho esteve duas vezes na frente, mas cedeu empate. Caio e Sidmar foram os grandes nomes da noite portenha

o Grêmio surpreendeu ontem à noite em Buenos Aires. O time vinha de duas fracas apresentações no Gauchão, mas superou-se e conseguiu um excelente empate em 2 a 2, contra o River Plate, pela Supercopa dos Campeões. A decisão da vaga para a próxima fase será no Olímpico, no próximo dia 10.

O River Plate queria garantir a vitória em casa para não ter que decidir a vaga em Porto Alegre. Por isso, o time do experiente técnico Daniel Passarela, partiu para o ata-que. Com todos os jogadores recuados, exceção de Renato e Alcindo, o Grêmio procurava explorar os contra-ataques e o fazia muito bem.

Foi num deles, aos 12 minutos, que Renato sofreu uma falta na esquerda. Lira cruzou na área, a zaga tentou fazer a linha de impedimento, mas Higuain permaneceu dando condições a Caio que dominou e mandou urna bomba de perna direi-ta, marcando o primeiro gol gremista.

O tricolor cedeu espaços e o River cresceu no jogo. Aos 21 minutos, Sponton, cobrou uma falta com perfeição e empatou o jogo. O River continuou com mais presença até o fim do primeiro tempo. Na segundo tempo, o River perdeu Berti, lesionado aos 3 minutos. Aos 19, Renato fez excelente jogada e Juninho, depois de Alcindo, chutou sobre o gol. O Grêmio melhorou e aos 27, Polaco cobrou falta da direita, Alcindo antecipou-se ao goleiro e cabeceou marcando o segundo gol do Grêmio. A alegria gaúcha durou pouco. Aos 28 minutos Higuain empatou, também de cabeça, após uma cobrança de escanteio.

Depois disso, os dois times perderam s árias oportunidades de marcar, principalmente o River, mas Sidmar brilhou e impediu a derrota de suas equipes. Melhor para o Grêmio.”(Folha de Hoje, 2 de outubro de 1991)

OS DOIS DESTAQUES
Dois jogadores do Grêmio merecem destaque por suas atuações: Caio e Sidmar. O primeiro pela garra e espírito de luta que mantem cm campo. Ontem, no em-pate contra o River Plate, que agora dá a condição ao Grêmio de disputar a vaga em casa, Caio foi um guerreiro singular. Correu muito, marcou implacavelmente, fez jogadas e tabelas que enlouqueceram os argentinos e ainda fez um golaço. A convicção de Caio nas jogadas contagiou os gremistas. A maioria das emissoras de rádio o escolheu como o melhor jogador em campo. E pelo gol e pela raça, com a maior justiça. Sidmar salvou o Grêmio em quatro oportunidades. Por duas vezes os atacantes argentinos poderiam ter mar-cado, pois estavam livres na área. Entretanto, mesmo tendo se destacado em vários lances, Sidmar merece um pequeno puxão de orelhas, pois teve uma parcela de culpa no primeiro gol do River. Se por um lado o atacante Sponton fez um belo gol, por outro ele armou mal a barreira. De resto, o conjunto gremista merece aplausos.” (Folha de Hoje, 2 de outubro de 1991)

GOLS E EMOÇÃO NO BOM EMPATE DO GRÊMIO CONTRA O RIVER PLATE
Caio abriu o placar e Spontón empatou. Na etapa final, Alcindo fez 2 a1, mas Higuain igualou. Vitória simples garantirá vaga gaúcha

O Grêmio conseguiu um bom resultado ontem à noite em Buenos Aires: empatou com o River Plate em 2 a 2 e agora precisa uma vitória por diferença mínima na quinta-feira, em Porto Alegre, para passar à etapa seguinte da Super. Se houver empate a decisão acontecerá nos pênaltis.

Valdir Espinosa jogou pelo regulamento e escalou o jovem Grotto no lugar de Bizu para fechar o meio-campo. O empate era um bom resultado e o Grêmio começou muito bem. Aos 1, Lira cobrou falta da esquerda, os argentinos tentaram criar o impedimento e a bola sobrou para Caio, que bateu sem chances para o goleiro. Gol legal

Apesar do apoio da torcida, o River não conseguiu progredir porque o Grêmio se organizou bem. Mas aos 20 minutos, Sponton aproveitou um tiro livre direto e bateu muito forte, no canto esquerdo: 1 a 1. Depois seguiu-se um jogo truncado, de muita marcação, com Renato e Ramón Diaz não conseguindo os esperados lances de ataque para seus times.

ATAQUE – No segundo tempo, logo aos nove minutos, Berti foi atingido no tornozelo por Vilson e saiu. Entrou Lavalle. Mas quem atacou com muito perigo — e primeiro – foi o Grêmio. Renato deu o passe para Alcindo, que chutou e Juninho, livre, concluiu por cima. Aos 27 Polaco cobrou falta, Comizzo não segurou a bola e Alcindo, mesmo desiquilibrado, completou. Só que a vitória gremista durou um minuto, pois Higuain empatou, de cabeça, aos 28. Foi um jogo que agradou aos torcedores presentes no estádio pela emoção. Sidmar salvou gol certo de Spontón. E Caio também quase marcou. Foi um resultado justo, pois o goleiro gremista ainda fez mais duas grandes defesas” (Antonio Bavaresco, enviado a Buenos Aires, Zero Hora, 02 de outubro de 1991)

DIÁRIO DE VIAGEM – Uma babel dolarizada
O saguão do hotel era uma confusão de línguas. Aos turistas americanos, sul africanos e escandinavos que já andavam por aqui, juntou-se uma turma barulhenta brasileira, ainda sob o efeito do “pulo” dado pelo dólar no Brasil. Aqui, o efeito da alta foi pequeno. Maior foi a surpresa do atacante Diego Aguirre, agora jogando no Independiente da Argentina, cuja delegação está também hospedada aqui no Continental, quando soube o valor da transação que envolveu o empréstimo do Renato ao Grêmio. Na conversa, declarou-se incrédulo e pediu minha confirmação, diante de seus colegas de clube, que se recusavam a aceitar a informação. Para se ter uma idéia, Ramón Diaz, o argentino mais bem pago ainda em atividade por recebe US$ 100 mil por ano. Para quem não lembra, Renato recebera cerca de US$ 70 mil por mês” (Antônio Bavaresco, de Buenos Aires, Zero Hora, 02 de outubro de 1991)

River Plate 2×2 Grêmio

GRÊMIO: Sidmar; Polaco, João Marcelo, Vílson e Lira; Pino, Grotto, Volnei Caio e Juninho (Bizú 22 do 2ºT); Renato Portaluppi, Alcindo Sartori
Técnico: Valdir Espinosa

RIVER PLATE: Angel Comizzo; Jorge Gordillo, Jorge Higuaín, Guillermo Rivarola eCarlos Enrique; Júlio Toresani, Leonardo Astrada, Juan Borrelli eSérgio Berti (Pablo Lavallén 10 do 2ºT); Cláudio Spontón e Ramón Díaz
Técnico: Daniel Passarela

Supercopa 1988 – Oitvas de final – Jogo de ida
Data: 2 de outubro de 1991
Local: Estádio Monumental de Nuñez, Buenos Aires – ARG
Árbitro: Enrique Marin (Chile)
Auxiliares: Gaston Castro e Ivan Guerrero
Cartões Amarelos: Toresani, João Marcelo, Ramon Diaz a Volnei Caio
Gols: Caio, aos 11 minutos; Spontón aos 20 do 1º tempo; Alcindo Sartori aos 27 minutos e Jorge Higuaín aos 28 do segundo tempo