Archive for the ‘1985’ Category

Trofeo Ciudad de Valladolid 1985 – Universidad Catolica 2×2 Grêmio (U. Catolica 3×0 nos pênaltis)

September 16, 2020

Foto: Zero Hora

 

O primeiro confronto da história entre Universidad Catolica e Grêmio ocorreu em solo europeu, em 1985. Era oitavo de onze jogos que o tricolor fez na sua excursão ao velho continente naquela temporada. Vale lembrar que o Grêmio havia encerrado sua participação no Brasileirão daquele ano em meados de abril e só iria estrear no Gauchão em setembro.

Sem Renato, com uma lesão muscular, o Grêmio não fez uma grande partida, cedendo o empate nos minutos finais e desperdiçando todas suas cobranças na disputa de pênaltis.

Foto: Zero Hora

GRÊMIO FRACASSA DE NOVO

Torneio de Valladolid – Universidad Católica chegou ao empate no final. Depois venceu nos pênaltis. Equipe de Minelli acabou na última colocação

 

De favorito para ganhar o 13º Torneio Cidade de Valladolld (que conquistou em 1981), o Grêmio terminou como último colocado após a derrota de ontem, na decisão por pênaltis para o Universidad Catolica do Chile, por 3 a 0. No tempo regulamentar o resultado foi de 2 a 2, com o Grêmio cedendo o empate nos últimos cinco minutos do jogo, quando ganhava por 2 a O. Os espanhóis não gostaram da partida e vaiaram as duas equipes. Bonamigo e Lepe foram expulsos.

 

O temor de sofrer gols nos contra-ataques, como ocorrera na estréia, contra o Ujpest, mostrou um Grêmio excessivamente cauteloso no primeiro tempo. Os laterais Raul e Ronaldo ficaram presos na marcação, o meio-de-campo não se organizou e a defesa acabou sobrecarregada, com destaque para Luis Eduardo, que fez uma ótima apresentação. Bonamigo recuado, Osvaldo temeroso e Sabella sem lucidez, formavam um meio-de-campo frágil. Por isso Bira, isolado, só concluiu uma vez a gol, de cabeça. E Valdo e Ademir, em lances individuais, não conseguiram objetividade.

 

Melhor posicionado o time chileno explorou bem os deslocamentos de Neira e Mardonez, para as conclusões de Vargas e até do lateral Espinoza. O Universidad chegou a merecer um gol, pois criou cinco boas chances, algumas defendidas por Mazaropi e outras para fora. A defesa estava firme porque Bira, isolado, pouco trabalho apresentava e assim os laterais foram ao apoio.

 

No segundo tempo o Grêmio voltou modificado, com China no lugar de Sabella, mas jogando como centromédio. Assim, Bonamigo foi liberado para armar jogadas e junto com Osvaldo aproximar-se do centroavante e tabelar com os ponteiros. Caio Jr. substituiu Bira. Minelli queria mais chutes a gol e aos três minutos Osvaldo fez 1 a O em cruzamento de Valdo.

 

Até os 20 minutos o Grêmio foi superior, perdendo algumas chances com Caio Jr., Valdo e Osvaldo. O Universidad, aparentemente cansado, não tinha pressa e aos 32 minutos sofreu o segundo gol, em jogada de China. Mas o técnico Prieto reagiu e colocou Soto, depois Abarca e Lepe em campo, aos 35 minutos buscando a recuperação. E deu certo, pois aos 40 minutos, Baidek fez pênalti em Soto, que Neira converteu. Bonamigo e Lepe se agrediram mutuamente e foram expulsos. Perturbada, a defesa do Grêmio falhou logo a seguir, permitindo o empate, por Diaz, aos 44 minutos. Na decisão por pênaltis, Neira, Espinoza e Oscar Lyn converteram, enquanto Valdo chutou mal e Toledo defendeu, para logo depois Osvaldo cobrar para fora e Caio Jr. também chutar para o goleiro defender.” (João Carlos Belmonte, Enviado Especial, Zero Hora, sexta-feira, 23 de agosto de 1985)

 

 

O placar

– OSVALDO, para o Grêmio, 1 a 0, aos três minutos do segundo tempo — Valdo cruzou da direita e Osvaldo, na área, concluiu de pé direito.

– CHINA, para o Grêmio, 2 a 0, aos 32 minutos do segundo tempo — Bonamigo roubou a bola na intermediária, tabelou com China, que avançou e na saída de Toledo chutou forte de pé esquerdo.

– NEIRA, de pênalti, para o Universidad, 2 a 1, aos 40 minutos do segundo tempo. Baidek fez falta em Soto na grande área, pelo setor esquerdo.  Neira cobrou o pênalti no centro do gol, convertendo.

– DIAZ, para o Universidad, 2 a 2, aos 44 minutos do segundo tempo. Mardonez cobrou o escanteio com rapidez. A defesa do Grêmio ficou parada e Diaz saltou sozinho, concluindo de cabeça.” (Zero Hora, sexta-feira, 23 de agosto de 1985)

 

MINELLI, IRRITADO, CRITICA OS JOGADORES

O técnico Rubens Minelli estava muito irritado após o mau resultado do Grêmio, ontem à tarde, na Espanha. Ele criticou duramente o comportamento dos seus jogadores e usou uma frase forte para caracterizar o momento do Grémio, — Tem gente comendo mortadela e arrotando peru — disse Minelli, após o Grêmio ter terminado o Torneio Cidade de Valladolid em quarto lugar Minelli garantiu que o Grêmio subestimou o adversário, que 24 horas antes havia perdido para o Real Atlético Valladolid por 3 a O: — Tinha gente (jogadores) gozando o Universidad. Mas alerto a todos dizendo que uma partida é diferente da outra e sempre, é necessário respeitar o adversário. Hoje o Grêmio é um time bem diferente daquele que venceu os torneios de Rotterdam e Palma de Mallorca. Mas não posso me queixar. O resultado da partida foi justo, principalmente pelo número de gols que o time chileno perdeu no primeiro tempo. E depois, na cobrança de pênaltis, os jogadores foram simplesmente horríveis — explicou o inconformado Minelli.” (Zero Hora, sexta-feira, 23 de agosto de 1985)

 

 

ESQUEMA, DIFICULDADE PARA BIRA

O jogo contra o Universidad Catolica deveria servir para que Bira fosse observado e, a partir disso, efetivado como titular da equipe. Mas o centroavante foi substituído no intervalo para que Minelil tentasse mudar o jogo com Caio Jr. no comando do ataque. É verdade que Bira não teve urna boa atuação nos primeiros 45 minutos, mas por culpa do esquema de jogo, retraído e cauteloso do Grêmio:

— Só tive chance de cabecear urna bola a gol e dar um chute em condições ruins — justificou o centroavante ao sair de campo.

Bira foi prejudicado porque o Grêmio encontrou dificuldades para organizar as jogadas de ataque, pois Sabella esteve mal, Osvaldo recuado e o centroavante ficou isolado entre os zagueiros. O técnico Rubens Minelli não quis confirmar a equipe que joga em Cádiz, pois estava tão irritado que preferiu deixar a definição para hoje à tarde. Mas é certo que fará mudanças.” (Zero Hora, sexta-feira, 23 de agosto de 1985)

RUY CARLOS OSTERMANN – A DENÚNCIA

Minelli, chateado, lembrou uma tendência do comportamento do jogador brasileiro de futebol. No dia anterior, assistindo ao jogo do Real de Valladolid e do Universidad Católica do Chile, os jogadores se divertiram com os erros, as precariedades gerais com que jogavam. Estavam, por isso, certos de sua irremediável superioridade. Minelli disse ao Belmonte que falou com os jogadores que nem sempre é assim, que o adversário na hora se supera, etc. Enfim, falou que jogo só se ganha no campo, jamais na arquibancada.

O time do Grêmio ontem fracassou diante da Universidad. Terminou o primeiro tempo jogando muito mal e a zero. No intervalo, além da repreensão do vestiário, Minelli tirou Sabella e colocou China, tirou Bira e colocou Caio Jr. Não sei se foi por essas trocas mas a dois minutos do segundo tempo Osvaldo fazia o primeiro gol. Mais tarde, China fazia o segundo. E dali para frente, afundou tudo: houve pênalti de Baidek, gol do Universidad, expulsões de Bonamigo e um chileno, e, no fim do jogo, haveria ainda gol de empate do Universidad. Um desastre só piorado pelas cobranças dos pênaltis que o Grêmio, melancolicamente, não acertou nenhum.

Não poderia ter sido pior. Foi ruim contra o Ujpest, foi pior ontem. Ficam, como lembranças as vitórias contra o Feynoord, Bayern, Gijon e Barcelona. Elas dão razão ao técnico e denunciam os jogadores.

 

Pequena conclusão

O Grêmio tem, agora, o Torneio Ramon Carranza em Cádiz. Joga contra o Sevilha na estréia. Depois desse torneio, terá um amistoso de despedida em Madrid.” (Ruy Carlos Ostermann, Zero Hora, sexta-feira, 23 de agosto de 1985)

PAULO SANT´ANA – TERCEIRA DERROTA

A campanha do Grêmio começa a se tornar perigosamente irregular na Europa. Perdeu três para fraquíssimos adversários: Pádua, Ujpest e Universidad Católica. Nas duas primeiras através de cinco gols de contra-ataques, ridicularizando a tática de impedimento de Minelli, exaltada pelo treinador gremista como fórmula infalível de jogar contra os europeus. Ontem, com falhas horrorosas na defesa, depois de estar ganhando por 2 a 0 e ceder o empate. Mais vexaminoso ainda: dos três pênaltis cobrados pelo Grêmio no desempate, nenhum foi aproveitado. Nem por Osvaldo nem por Valdo nem por Caio Jr. Isto é, enquanto o Minelli não faz o que todo mundo quer (nomear logo o Bira centroavante titular) e não joga o Renato, a defesa é uma peneira e os atacantes parecem que não treinam nem chutes de pênaltis. Que deveriam treinar porque é assim que se decidem os jogos em torneios europeus. Lógico que a volta de Renato e uma providência que talvez tenha que ser até administrativa de fazer o Bira titular melhorarão o time. Mas a defesa do Grêmio não inspira confiança para o Regional. E a excursão, em vez de prometer para o Gauchão, está começando a nos meter medo. “ (Paulo Sant´ana, Zero Hora, sexta-feira, 23 de agosto de 1985)

 

 

 

 

 

 

U. CATOLICA: Toledo; Espinosa, Marchioni, Lihn e Yonma (Abarca); Neira, Mardones e Pérez; Díaz, Vargas (Lepe) e Astudillo (Sotó)
Técnico: Ignacio Prieto

GRÊMIO: Mazaropi; Raul, Baidek, Luis Eduardo, Renaldo; Bonamigo, Osvaldo e Sabella (China); Valdo, Bira (Caio Junior) e Ademir
Técnico: Rubens Minelli

Troféu Ciudad de Valladolid – Decisão 3º Lugar
Data: 22 de agosto de 1985, quinta-feira
Local: Estádio Municipal José Zorrilla, em Valladolid (ESP)
Árbitro: José Enrique Rubio Valdivieso
Auxiliares: Araus Nunez e Hernandez Velasquez
Cartões vermelhos: Bonamigo e Lepe
Gols: Osvaldo aos 3 minutos do 2º tempo, China aos 32, Neira (de pênalti) aos 40 e Diaz aos 44 minutos do 2º tempo