Archive for the ‘1986’ Category

Gauchão 1986 – Grêmio 1×0 Inter

July 20, 2021

Fonte: Livro “Gauchão: A História Ilustrada De Uma Tradição

Há exatos 35 anos o Grêmio garantia o título do Gauchão de 1986 ao vencer o Internacional, no Olímpico (1×0 com gol marcado por Osvaldo) na última rodada do quadrangular final.

Foto: Luis Avila (Placar)

Foto:  (Correio do Povo)

Foto: Luis Avila (Placar)

Foto: Luis Avila (Placar)

Foto: Roberto Santos (Correio do Povo)

 

GRÊMIO BATE INTER E CONQUISTA O BI

PORTO ALEGRE – A torcida do Grêmio fez a festa na tarde de ontem no Estádio Olímpico. O Grêmio venceu o Internacional por 1 a 0, gol de Osvaldo aos 9 minutos do segundo tempo, e conquistou o bicampeonato gaúcho. Como já é tradição em todos os Gre-Nais, a decisão foi disputada num clima de muita tensão tanto que, no final do jogo, Marcelo, do Inter, e Luis Eduardo, do Grêmio, trocaram agressões e foram expulsos pelo árbitro Carlos Rosa Martins. A renda, que não superou o recorde, somou Cz$ 730.564,00 e o público foi de 41.295 pagantes.

O Grêmio iniciou a decisão com a vantagem do empate. Entretanto, desde o início jogou em busca da vitória. O Internacional, por sua vez, linha a obrigação de vencer para ficar com o titulo. No primeiro tempo o clássico esteve muito equilibrado com as duas equipes atacando com a mesma disposição sem, no entanto, marcar.

Na fase final, o técnico Valdir Espinoza colocou Osvaldo no lugar de Caio júnior. Esta alteração foi decisiva, já que aos 9 minutos Osvaldo marcou o gol do título após completar um cruzamento de Luís Carlos. A partir daí, o Inter precisava marcar dois gols, pois o empate não servia. Numa tentativa de virar o placar, o técnico Otacílio Gonçalves colocou Tita em lugar de Balalo. Só que a alteração não deu o resultado esperado, embora Tita tivesse se empenhado bastante. Aos 30 minutos a torcida do Inter começou a deixar o Estádio Olímpico, enquanto a do Grêmio já comemorava o bicampeonato.

Aos 42 minutos, visivelmente nervoso, Marcelo empurrou Luís Eduardo, que revidou a agressão. Ambos foram expulsos. Final de jogo, os jogadores do Grêmio comemoraram a conquista dando a volta olímpica com a taça” (Jornal dos Sports, segunda-feira, 21 de julho de 1986)

 

Foto:  (Correio do Povo)

GRÊMIO: Mazaropi; Raul, Baidek, Luis Eduardo e Casemiro; China, Bonamigo e Luis Carlos Martins; Renato, Caio Júnior (Osvaldo) e Valdo
Técnico: Valdir Espinosa

INTER: Taffarel; Luis Carlos Winck, Pinga, Aloisio e Mauro Galvão; Marquinhos, Aírton e Ruben Paz; Robertinho, Marcelo e Balalo (Tita)
Técnico: Otacílio Gonçalves

Gauchão 1986 – Quadrangular Final – 2º Turno – 3ª Rodada
Data: 20 de julho de 1986, domingo, 16h00min
Local: Estádio Olímpico, Porto Alegre, RS
Público: 41.295 (pagantes)
Renda: Cz$ 730.574,00
Árbitro: Carlos Martins
Auxiliares: Adão Alípio Soares e Adílson da Silveira

Brasileirão 1986 – Grêmio 2×1 Atlético Paranaense

August 23, 2019
1986 Gremio 2x1 atletico pr jose ernesto cp b

Foto: José Ernesto (Correio do Povo)

No Brasileirão de 1986 o Grêmio fez sua estréia na competição vencendo o Atlético Paranaense no Olímpico.

Na primeira fase, passavam 8 dos 11 times de cada grupo (Grêmio terminou essa etapa em 5º lugar, um ponto e uma posição atrás do Atlético).

Renato, poucos meses depois de ter sido cortado da Copa de 1986, foi o grande destaque do jogo.

SUFOCO NO OLÍMPICO. MAS DEU GRÊMIO

Foi um verdadeiro sufoco a partida de ontem no Estádio Olímpico, na estréia do Grêmio no Campeonato Nacional. Apesar da vitória de 2 a 1 sobre o Atlético paranaense, o time do Valdir Espinosa teve sérias dificuldades, principalmente na segunda etapa. Renato, o herói do jogo, marcou um e Osvaldo outro.

Se o Grêmio foi absoluto na primeira etapa, isso não se verificou na segunda. Aos nove minutos, Agnaldo aproveitou o descuido da defesa gremista e empatou. Depois disso, o Atlético manteve a pressão. Luís Eduardo foi obrigado a calçar Agnaldo: pênalti. Mas Mazaropi defendeu.

Este fator trouxe novamente as forças ao Grêmio, e a Renato (o melhor da partida). Num escanteio, Osvaldo cabeceou forte no canto do goleiro Marola, registrando a vantagem 2 x 1, aos 25 minutos. No final, depois de garantido o placar favorável e os dois pontos, todos os jogadores do Grêmio se sentiam satisfeitos e apontavam as dificuldades do adversário.

O Grêmio não poderia ter começado melhor os seus primeiros 45 minutos de partida. Mesmo com o gramado molhado, não dando condições aos jogadores desenvolverem o seu melhor futebol, a torcida gremista pode perceber a manutenção da qualidade de sua equipe, que estava ausente há mais de 45 dias de seu estádio. Com alguns problemas de ataque logo nos primeiros 15 minutos, quando havia dificuldades de penetração na defesa do Atlético paranaense, o Grêmio aos poucos foi dominando todos os setores do campo adversário.

Renato, a grande figura desta etapa, propiciou as melhores jogadas. Deti, lateral do Atlético, envolvido pelo ponteiro, várias vezes teve que conter Renato na base da falta. Mas a primeira grande chance surgida para o Grêmio, partiu dos pés de China, que em combinação com Valdo e João Antônio, por pouco não abriu o placar.

Entretanto, aos 38 minutos, num lançamento do meio campo para Osvaldo, este entrou pelo lado esquerdo, passou por Marola e chutou sem ângulo para o gol vazio. Mas a bola encontrou o poste esquerdo. Renato, que acompanhava o lance bem posicionado, teve o trabalho apenas de empurrar a bola para o fundo das redes, estabelecendo o 1 a 0.

Antes disso, o árbitro Arnaldo César Coelho, distribuiu três cartões amarelos (Renato, Aroldo e Horlando) após uma confusão formada na entrada da grande área do Atlético. ” (Correio do Povo, quinta-feira, 4 de setembro de 1986)

cCorreio de Noticias PR 4 setembro 1986

Correio de Notícias, quinta-feira, 4 de setembro de 1986

CORITIBA VENCE INTER, ATLÉTICO DERROTADO

[…]

Mesmo jogando bem, o Atlético acabou sofrendo sua segunda derrota na Copa Brasil, no estádio Olímpico. Aos 38 minutos do primeiro tempo Renato abriu o placar para o Grêmio, após uma confusão na área de Marolla. No 2º tempo, com grande atuação de Agnaldo e Mauro Madureira, o Atlético empatou aos 9 min, com um gol de Agnaldo. Aos 22 Mauro Madureira desperdiçou a grande chance Atleticana chutando um pênalti na mão do goleiro Mazaropi.

Quatro minutos depois, Osvaldo marcou o 2º gol do Grêmio, fechando o placar.” (Correio de Notícias, quinta-feira, 4 de setembro de 1986)

 

GRÊMIO ESTRÉIA COM UMA VITÓRIA DIFÍCIL
Depois de fazer um grande primeiro tempo e sair vencendo por 1×0, o Grêmio caiu de produção na fase final. Aí o Atlético do Paraná chegou ao empate. Mazaropi ainda salvou uma penalidade máxima antes que o Grêmio chegasse á vitória com um gol de Osvaldo.

Em seu primeira jogo na Copa Brasil, o o Grêmio teve dificuldades mas conseguiu uma importante vitória de 2×1 sobre o Atlético Paranaense. A vitória só veio depois que Mazaropi defendeu uma penalidade máxima mal batida por Mauro Mendonça aos 22 minutos do segundo tempo.

Depois de 45 dias sem jogar no Estádio Olímpico, o Grêmio voltou a se apresentar diante de sua torcida, com muita disposição E Renato estava com tanta vontade que foi, disparada-mente, o melhor jogador da partida. Antes de chegar à aber-tura do placar , o Grêmio teve duas chances desperdiçadas por Renato aos 8 e 21 minutos, em jogadas individuais, que terminaram com boas defesas de Marola. João Antônio também teve uma chance de gol, depois de um cruzamento de Raul da direita, mas ele concluiu pela linha de fundo.

Aos 38 minutos, a defesa do Atlético reclamou impedimento, que o árbitro não marcou. Então Osvaldo invadiu a área. driblou Marola e chutou no poste. No rebote, Renato fez o gol sem problemas. Ainda no primeiro tempo, aos 42, numa triangulação perfeita com Valdo e China. João Antônio quase marcou o segundo gol. E o Atlético não teve nenhuma chance nessa etapa.

No segundo tempo, houve uma inversão de papéis, apesar do Grêmio ter criado uma boa situação logo aos cinco minutos, quando Renato tabelou com Osvaldo e cruzou para Caio Júnior cabecear com perigo.

Aí o Atlético passou a tomar conta do jogo. Aos nove minutos após um lançamento de Mauro Madureira, Agnaldo tirou Mazaropi da jogada e fez o gol de empate. Seis minutos depois, Valtair cruzou da direita. Mazaropi salvou e Agnaldo apanhou o rebote e concluiu com perigo , sobre o gol.

Com o Grêmio todo na defesa, o Atlético ainda foi beneficiado com uma penalidade máxima aos 22 minutos, cometida por Luís Eduardo em Agnaldo. Mauro Madureira cobrou, fraco, e Mazaropi fez uma grande defesa.

A penalidade máxima defendida por Mazaropi deu novo ânimo ao time do Grêmio, que passou a ter apoio da torcida. Três minutos depois, Renato cobrou escanteio da esquerda para Os-valdo, de cabeça. fazer um bonito gol e confirmar a vitória do Grêmio. Depois o time de Espinosa ainda teve outra chance com Caio Júnior , mas não saiu o terceiro gol.” (Pioneiro, quinta-feira, 4 de setembro de 1986)

 

Grêmio 2×1 Atlético Paranaense

GRÊMIO: Mazaropi; Raul (Caio), Baidek, Luiz Eduardo e Casemiro; China, João Antônio e Bonamigo; Renato Portaluppi, Osvaldo e Valdo.
Técnico: Valdir Espinosa

ATLÉTICO: MarolLa; Bruno, Orlando Fumaça, Beto e Haroldo: Deti, Roberto e Mauro Madureira; Marquinhos (Gílson Bonfim, Agnaldo e Valtair
Técnico: Levir Culpi

Brasileirão 1986 – 1ª Fase – Grupo B
Data: 03 de setembro de 1986, quarta-feira, 21h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS, BRA
Público: 11.987
Renda: Cz$ 263.995,00
Árbitro: Arnaldo Cezar Coelho
Auxiliares: Aloísio Felisberto e André Campos Silva
Cartões Amarelos: João Antônio, Renato, Orlando Fumaça, Beto e Haroldo
Gols: Renato, aos 38 minutos do 1º tempo; Agnaldo, aos 9 minutos e Osvaldo, aos 25 minutos do 2º tempo

Brasileirão 1986 – Grêmio 1×0 Fluminense

May 5, 2019
1986 gremio fluminense gol lima roberto santos cp1

Foto: Roberto Santos (Correio do Povo)

 

No Brasileirão de 1986, o Grêmio vinha de uma sequência de maus resultados e foi se recuperar justamente contra o Fluminense, no Olímpico, com um gol de Lima em assistência de Renato.

Na época vigorava o costume (ao meu ver mais simpático e lógico) que ser o time da casa o que usava seu uniforme reserva no caso de confusão com o fardamento do visitante (esse costume só foi desaparecer do futebol brasileiro na metade dos anos 1990).

1986 gremio fluminensevaldo roberto santos cp

Foto: Roberto Santos (Correio do Povo)

GRÊMIO QUEBRA JEJUM E DERROTA FLUMINENSE

Finalmente o Grêmio venceu nessa segunda fase do Campeonato Brasileiro. Depois de ficar cinco jogos sem vencer, ontem no Olímpico, ganhou do Fluminense, por 1 a 0, com inteira Justiça. Não foi por parte do time de Espinosa, uma partida excepcional em termos técnicos. Mui-pelo contrário, foi uma vitória da força, da aplicação, a determinação e acima de tudo, da luta em campo durante os 90 minutos.

A palestra do técnico Espinosa na última sexta, em que que pedia mais vontade, aplicação, força e que o time não olhasse o adversário jogar, não foi só aceita pelos jogadores como também executada. Viu-se ontem, um Renato solidário, aplicado e jogando coletivamente. Viu-se, também a meia-cancha construindo e destruindo e zaga atenta dando poucos espaços para o adversário.

No Jogo de ontem aconteceu algo inédito. Durante 42 minutos, nem Grêmio e nem Fluminense, conseguiram chutar uma bola sequer a gol. Somente aos 43, numa bola de rebote, é que o zagueiro Ricardo chutou forte para Mazaropi defender e, na seqüência da jogada, uma bola lançada pela meia-cancha encontrou Renato na meia-direita. Ele dominou a jogada e lançou o centroavante Lima pela direita. Mesmo marcado pelo zagueiro Vica, Lima dominou com a perna direita, deu dois passos e chutou forte na saída do goleiro Paulo Vítor. Era o gol Grêmio, o gol da vitória aos 44 minutos do primeiro tempo. No segundo tempo, o técnico João Lopes tirou Leomirr e João Santos e colocou Paulinho e Delei para dar maior força ofensiva, mas o bom comportamento da defesa do Grêmio não permitiu que o Fluminense empatasse.

Foi o jogo da reabilitação do Grêmio que mesmo jogando um futebol não muito bom tecnicamente, soube com a força, aplicação e solidariedade, vencer o adversário de alta qualificação.” (Correio do Povo, segunda-feira, 27 de outubro de 1986)

1986 gremio fluminense roberto santos cp

Foto: Roberto Santos (Correio do Povo)

“O Fluminense perdeu sua invencibilidade na se-gunda fase do Campeonato Brasileiro, ao ser derrotado ontem, no Estádio Olímpico, por 1 a 0. O gol da equipe gaúcha foi no último minuto do primeiro tempo, quanto o Fluminense perdeu uma bola na progressão ao ataque e Lima acabou se aproveitando para marcar. Com esse gol, o goleiro Paulo Vitor também sua invencibilidade de cinco jogos sem tomar gol , Ficou exatos 515 minutos invicto. O Fluminense jogou uma boa partida e o resultado não fez justiça ao seu domínio, total no primeiro tempo.” (Jornal dos Sports, 27 de outubro de 1986)

1986 gremio fluminense jb

“Jogo fraco

Houve pouca emoção. Durante todo o jogo, o ataque do Fluminense esteve tímido, finalizando muito mal através de Washington e Tato. O primeiro tempo já estava acabando quando João Santos deu o primeiro chute perigoso contra o gol de Mazaropi, numa das raras situações ofensivas criadas pelo time ao longo da partida.

Aos 45 minutos, porém, Renato lançou a bola para Lima, que aproveitou a perturbação de Vica e Ricardo e, pegando Paulo Vítor deslocado, dominou a bola e fez 1 a 0. Foi uma das poucas jogadas bem articuladas de Renato.” (Jornal de Brasil, 27 de outubro de 1986)

1986 gremio fluminense bonamigo roberto santos cp

Foto: Roberto Santos (Correio do Povo)

Grêmio 1×0 Fluminense

GRÊMIO: Mazaropi; Casemiro (Giba) Baidek,Luis Eduardo e Adriano; Bonamigo, China, Osvaldo e Valdo; Renato Portaluppi e Lima
Técnico: Valdir Espinosa

FLUMINENSE: Paulo Vitor; Eduardo, Ricardo Gomes, Vica e Galvão; Jandir, Rene Weber, João Santos (Paulinho Andreolli) e Leomir (Delei); Tato e Washington.
Técnico: Antônio Lopes

Campeonato Brasileiro 1986 – Segunda Fase
Data: 26 de outubro de 1986, domingo, 17h30min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Árbitro: Tito Rodrigues-PR
Assistentes: Afonso de Oliveira e José Carlos Marcondes
Público: 21.547 pagantes
Renda: Cz$ 488.888,00
Cartões amarelos: Washington; Mazaropi e Adriano
Gol:  Lima, aos 45 minutos do primeiro tempo

Gauchão 1986 – Grêmio 1 x 3 Internacional

October 21, 2010

O Vidarte postou em seu blog uma listagem (feita por Fábio Mundstock) dos Grenais que Renato jogou como jogador do Grêmio.
Entre esse clássicos, destaco um de 1986, o primeiro Grenal que Renato disputou após ser cortado por Telê da seleção que disputaria a Copa do México.
O jogo era válido pela nona rodada do segundo turno do Gauchão daquele ano. O placar final foi de 3×1 para o Inter. Renato marcou o gol gremista, mas acabou sendo expulso no início do segundo tempo.

Grêmio 1 x 3 Internacional
GRÊMIO: Mazarópi; Raul, Baidek, Luis Eduardo e Casemiro; Bonamigo, Osvaldo e Luis Carlos; Renato, Albeneir e Caio Junior (Sabella)
Técnico: Valdir Espinosa

INTERNACIONAL: Taffarel; Luis Carlos Winck, Pinga, Aloísio e Mauro Galvão; Marquinhos, Airton e Alcântara; Robertinho, Marcelo e Balalo.
Técnico: Otacílio Gonçalves

Data: 11 de maio de 1986
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre – RS
Público: 46.175 pagantes
Renda: Cz$ 802.694,00
Árbitro: Renato Marsiglia
Auxiliares: Celso Pastro e Carlos Kruse
Cartões Amarelos: Luis Eduardo, Renato, Mazaropi e Balalo
Cartão Vermelho: Renato
Gols: Renato, aos 15; Balalo, aos 20 e Aírton aos 42 minutos do primeiro tempo; Marcelo aos 27 minutos do segundo tempo.

Renato explicou o lance da expulsão e garantiu que o fato não tinha nada a ver com um trauma pós corte. Também comentou o seu duelo particular com Mauro Galvão (que era uma constante nos anos 80). Naquela tarde, Galvão foi deslocado para lateral-esquerda com a tarefa de parar o camisa sete gremista.
Em 2012, o juiz do jogo, Renato Marsiglia falou sobre o cartão vermelho para o jornal Zero Hora:

Você expulsou o Renato no clássico 278, em maio de 1986. Lembra?
Marsiglia – Ele tinha amarelo. Depois, empurrou o Robertinho, atacante do Inter, e o jogou no chão. Vermelho. Foi meu primeiro Gre-Nal e me marcou muito. Acho que os outros jogadores pensaram, “se ele expulsou o Renato, um superstar do futebol brasileiro, imagina a gente”. A repercussão no país foi enorme
.

Valdir Espinosa ocupava a casamata Tricolor, enquanto Otacílio Gonçalves era o treinador colorado.
Outro fato curioso foi a entrada de Alejandro Sabella no time do Grêmio na segunda etapa. O argentino sofria com as lesões e a falta de ritmo.
Mas, no fim das contas, Renato deu a volta por cima e o Grêmio se sagrou campeão gaúcho ao vencer o quadrangular final da competição. Renato aproveitou a ocasião para alfinetar Telê e comemorar o título em grande estilo:

“O ponta-direita, por sinal, ainda não se esqueceu de Telê. Nas comemorações nos vestiários, esperou que os microfones das emissoras de televisão e rádio se aproximassem dele. O discurso estava pronto. “O triunfo foi a prova de que time com ponta é campeão”, afirmava. “Aquele treinador atrasou o futebol brasileiro em mais de uma década e não ganhou nada. Sou profissional há quatro anos e tenho igual número de títulos.”

A bordo de seu Escort XR-3 conversível vermelho, Renato festejou o título estadual percorrendo alguns lugares da noite de Porto Alegre. Ao deixar o apartamento do amigo Moysés e levar para casa Maristela, a noiva e ex-amiga de infância em Bento Gonçalves, entregou-se às delícias da mesa no bem-locatizado e frequentado restaurante Barranco: “Sua carne de ovelha é impecável”, sugere o craque.” (fonte: Arquivo Gremista)

Link