Archive for the ‘1990’ Category

Brasileirão 1990 – Grêmio 1×0 São Paulo

October 2, 2014

Como se avizinha mais um jogo de Grêmio e São Paulo no Brasileirão, acho válido lembrar mais um episódio da história desse confronto. Em 1990, vinte times disputaram o Campeonato Brasileiro. A fórmula da competição, conforme o Bola na Área, era a seguinte: “A fase de classificação é dividida em dois turnos. No primeiro, o Grupo A enfrenta o B. No segundo os jogos são dentro dos próprios grupos. O vencedor de turno em cada grupo e os outros quatro clubes de melhor campanha no geral, seguem para as quartas-de-final.
Pois na primeira fase, o Grêmio não só foi o vencedor do Grupo B no 1º turno como também teve a melhor campanha no geral. Nas quartas de final o time comandado por Evaristo de Macedo passou pelo Palmeiras, em dois jogos bastante tensos, com direito a uma dantesca cena  de um Frei tentando conter a briga entre a Brigada Militar e a torcida Palmeirense na partida de volta no Olímpico.
Todo esse furdunço visto nas partidas contra o Palmeiras serviu como estopim para um guerra de declarações e bastidores para a semifinal entre Grêmio e São Paulo. O encontro de ida, no Morumbi, de fato foi quente, com o São Paulo fazendo 2×0 num jogo em que aconteceu uma batalha campal e com Márcio Rezende de Freitas deixando de dar um pênalti claro para o Grêmio.
Eduardo Farah, presidente da Federação Paulista, disse que a partida de volta  era de “alto risco” e pediu para que a CBF enviasse observadores para Porto Alegre. Evaristo se indignou com uma fala parecida de Telê sobre o tema. Enquanto isso, Rubens Hoffmeister, ignorava tudo o que acontecia, uma vez que estava com relações rompidas com o Grêmio. Pressionada, a CBF tomou a polêmica medida de escalar o juiz Carlos Wilson dos Santos, um carioca filiado à Federação Paulista, para o jogo no Olímpico. O Grêmio se revoltou, não só pela escolha, como também pelo fato de ter sido informado depois do São Paulo sobre o que fora decidido.
Pelos relatos, o jogo não foi tão violento como se previa. O Grêmio conseguiu abrir o marcador aos três minutos do segundo tempo, com Maurício aproveitando bom passe de Darci para driblar Zetti e tocar pro fundo das redes. Contudo o segundo gol, que traria a classificação, não aconteceu. Os jogadores gremistas reclamaram muito de dois pênaltis não marcados, um em Alfinete e outro Maurício (O segundo me pareceu claro). Assim o São Paulo avançou para a final, onde faria um confronto paulista com o Corinthians (para delírio da TV Bandeirantes, que havia comprado os direitos de transmissão daquele torneio com exclusividade)

“O Grêmio enfrentou dois adversários na vitória de 1 a 0 sobre o São Paulo, sábado à tarde, no Olímpico: Seu escasso futebol e a CBF, que indicou o árbitro Wilson Carlos dos Santos, um carioca que trabalha na Federação Paulista de Futebol. Ele deixou de marcar dois pênaltis a favor da equipe gaúcha, sobre Alfinete e Maurício.” (Correio do Povo – 10 de dezembro de 1990)

“O jogo foi tranquilo, sem lances de violência, e os poucos cartões amarelos utilizados pelo juiz Wilson Carlos Santos foram em razão de reclamações e atitudes antidesportivas, negando totalmente as declarações dos paulista, que anteviam muitos problemas” (Jornal do Brasil, 10 de dezembro de 1990)

“O ex-presidente da Cobraf (comissão Brasileira de Arbitragem do Futebol) e indicado como observador pela CBF para a partida, Áulio Nazareno, foi diplomático: “Não posso comentar porque não vi o lance. E se tivesse visto, não poderia comentá-lo por uma questão de ética”. Mas, segundo depoimento do radialista Silvio Almeida, da rádio Gaúcha, no momento do lance Áulio comentou: “Que barbaridade”. (Jornal do Brasil, 10 de dezembro de 1990)

“O diretor de futebol Túlio Macedo também reclamou. “Não tenho nada contra a pessoa do sr. Wilson Carlos dos Santos, mas o fato de ele pertencer à Federação Paulista nos faz pensar”” (Folha de São Paulo, 10 de dezembro de 1990)

Fontes: Bola na Área, Correio do Povo, Folha de Hoje, Folha de São Paulo, Jornal do Brasil, Revista Semana em Ação, Pioneiro e Zero Hora

Grêmio 1×0 São Paulo

GRÊMIO: Sidmar; Alfinete, João Marcelo, Vilson e Hélcio (Biro-Biro); João Antônio, Donizete, Caio e Assis; Maurício e Nilson (Darci)
Técnico: Evaristo de Macedo
SÃO PAULO:  Zetti; Cafu, Antônio Carlos, Ivan e Leonardo; Flávio, Bernardo e Raí; Alcindo (Ronaldo), Eliel e Elivélton
Técnico: Telê Santana
Brasileirão 1990 – Semifinal – Jogo de volta
Data: 8 de dezembro de 1990, Sábado, 18h00min
Local: Estádio Olímpico em Porto Alegre-RS
Público: 40.167 pagantes
Renda: Cr$ 23.227.500,00
Árbitro: Wilson Carlos dos Santos
Cartões Amarelos: Cafu, Alcindo e João Antônio.
Gol: Maurício, aos 3 minutos do segundo tempo

1990 – Brasileirão – Grêmio 2×0 Palmeiras

June 21, 2012

1990-palmeiras-volta


“Uma pequena tentativa de reação do adversário parou com a saída de Betinho, machucado, logo aos 27 minutos, quando entrou Mirandinha. O Grêmio por pouco não se complicou, indo muito ao ataque quando o placar de 1 a 0 já era suficiente”
(Correio do Povo – 3 de dezembro de 1990)

1990-palmeiras-volta-joao-marcelo

1990-palmeiras-volta-cp1990-palmeiras-volta-cp2

O gol logo no início destastabilizou o esquema defensivo armado pelo técnico Dudu. Ele não contava com a falha de seus zagueiros na cobrança de uma falta lateral. Vílson subiu sem marcação, aproveitou a hesitação do goleiro Veloso e cabeceou para baixo, aos 8min. O Palmeiras anda teve a chance do empate em seguida, mas Erasmo perdeu.

[…]

O Palmeiras forçou no segundo tempo e foi surpreendido no contra-ataque. Caio deu um “chapéu” em Eduardo e chutou rasteiro. Veloso rebateu e Nílson fez o segundo gol, aos 19min.” (Folha de São Paulo – 2 de dezembro de 1990)

1990-palmeiras-volta-fsp1990-palmeiras-volta-fsp2

“O lateral-direito Odair disse: “Tomamos o gol no momento errado, logo no início. Perdemos para uma grande equipe, a que tem melhor camapnha no campeonato. O Grêmio merece o título”, disse Odair, que não viu falha no gol de Vílson, “Foi mérito dele, que entrou nem e subiu para cabecear” (Folha de São Paulo – 3 de dezembro de 1990)

 

 

E o povo não se arrependeu. Em Porto Alegre viu um Grêmio irresistível, partindo para cima do Palmeiras sem dar a menor chance aos paulistas” (Juca Kfouri)

 

1990-palmeiras-volta-nilson

No intervalo da partida contra o Palmeiras, sábado, o técnico gremista endureceu com o atacante Caio: “Por que você logo cai quando o zagueiro se aproxima?”, prensou para o logo em seguida ordenar: “Nada de chão, tente o drilbe, vá em frente”. Aos 19 minutos do segundo tempo, Caio fugiu das faltas dos adversários e praticamente construiu sozinho o 2×0 de sua equipe. Exemplo de obstinação que, em verdade, parte do zagueiro João Marcelo, e dois meias Jandoir e Donizete. Disciplinados, eles parecem dizer a cada lance aos companheiros: “Dureza neles, pessoal”. (Revista Semana em Ação – 1990)

O JOGO: O Grêmio encurralou o Palmeiras até marcar o primeiro gol. Depois recuou e passou a fustigar o adversário em agudos contragolpes, até fazer o segundo. O verdão lutou muito, mas sem inspiração. (Revista Semana em Ação – 1990)

1990-palmeiras
Fontes: Correio do Povo, Zero Hora, Semana em Ação, Folha de São Paulo e Pioneiro

 

Grêmio 2×0 Palmeiras

GRÊMIO: Sidmar; Alfinete, Vílson, João Marcelo e Hélcio; Jandir (João Antônio), Donizete Oliveira, Caio e Assis;Maurício e Nílson
Técnico: Evaristo de Macedo

PALMEIRAS: Velloso; Odair, Toninho, Eduardo e Abelardo; Júnior, Erasmo (Bandeira) e Ranielli; Jorginho, Careca Bianchesi e Betinho (Mirandinha)
Técnico: Dudu

Campeonato Brasileiro 1990 – Quartas de Final – Jogo de volta
Data: 1º/dezembro/1990
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 41.235 (36.005 pagantes)
Renda: Cr$ 18.486.200,00
Juiz: Joaquim Gregógio dos Santos (CE)
Cartão Amarelo: João Marcel, Mauricio e Abelardo
Gols: Vílson, aos 8 minutos do 1ºT e Nílson aos 19 minutos do 2º tempo

1990 – Brasileirão – Palmeiras 1×0 Grêmio

June 21, 2012


“O certo é que o Grêmio não teve futbeol para superar o Palmeiras. No primeiro tempo o time de Evaristo confundiu apatia com demonstração de tranqüilidade. O meio-campo perdeu todas as divididas. Era tanto medo de sofrer gol, que o Palmeiras foi pra cima e por pouco não fez o seu. Curiosamente, no segundo tempo, quando o Grêmio voltou mais corajoso e aplicado, o Palmeiras fez
o gol da vitória. O Grêmio tinha o controle do jogo, mas ainda estava tímido na frente. Culpa siua e do árbitro Bregalda, que anulou todos os contra-ataques gaúchos. Mas aos 38 minutos veio o pênalti desnecessário de Alfinete. Mal colocado, Bregalda não viu o bandeirinha marcar impedimento no lance. Careca bateu e fez 1 a 0, deixando o Palmeiras em condições de jogar por um empate em Porto Alegre. ” (Correio do Povo -26 de novembro de 1990)

O JOGO: O palmeiras soube superar a truculência do time gremista com um futebol de muita determinação. Amparado pela torcida que lotou o Parque Antártica, buscou o gol desde o começo da partida. O pênalti veio coroar o esforço do time e compensar as falhas na finalização. (Revista Semana em Ação – 1990)


“Tapas e socos

O clima de guerra entre Palmeiras e Grêmio cristalizou-se no primeiro tempo: o palmeirense Careca levou um chute por trás de Maurício, depois de cometer uma falta dura em Nílson. Irritado, partiu para cima do gremista e lhe deu um soco na nuca. De troco, recebeu outro na cara. “Não estamos para brincadeira”, disse Careca. “Quem bater, vai levar.” Maurício também tinha explicações para a briga. “Fase final é assim…Todo mundo quer vencer, mesmo no tapa” (Revista Semana em Ação – 1990)

“Na briga perdi por 2 a 1, mas ganhei dois pontos” Careca Bianchesi


“O Palmeiras sofreu para conseguir os dois pontos comemorados por Careca. O gol da vitória surgiu só aos 39 min do segundo tempo. Deois de receber lançamento de Bandeira, Careca driblou Alfinete e foi derrubado na área. Ele mesmo cobrou e fez o seu décimo gol no campeoanto, igualando-se na artilharia a Caio, do Grêmio, e Charles, do Bahia, que não marcaram na rodada de sábado. O resultado positivo não foi conquistado com maior tranquilidade em razão de dois jogadores canhotos inábeis para chutar com o pé direito: Marcelo e Bandeira, os substituos de Betinho, que não se recuperou da entorese no joelho.”
(Folha de São Paulo – 26 de novembro de 1990)


Palmeiras 1×0 Grêmio

PALMEIRAS: Velloso; Odair, Toninho, Eduardo e Dida; Júnior, Erasmo e Ranielli; Jorginho, Careca Bianchesi e Marcelo (Bandeira)
Técnico: Dudu

GRÊMIO: Sidmar; Alfinete, Vílson, João Marcelo e Hélcio; Jandir (João Antônio), Donizete Oliveira, Caio e Assis; Maurício e Nílson
Técnico: Evaristo de Macedo

Campeonato Brasileiro 1990 – Quartas de Final – Jogo de ida
Data: 24/novembro/1990
Local: Estádio Palestra Itália, em São Paulo-SP
Público: 22.631 pagantes
Renda: Cr$ 13.806.500,00
Juiz: Pedro Carlos Bregalda
Auxiliares: José Loureiro e Sérgio do Nascimento
Cartão Amarelo: Odair, Dida, Hélcio e Donizete

Gol: Careca Bianchesi (pênalti) aos 39 minutos do 2º tempo