Archive for the ‘Atlético Paranaense’ Category

Brasileirão 2021 – Grêmio 0x1 Athlético Paranaense

June 14, 2021

O Grêmio poderá fazer no máximo 3 pontos na três primeiras rodadas desse Brasileirão. Somente em 5 das 18 edições de Brasileirão por pontos corridos já realizadas o campeão fez 3 ou menos pontos nos seus três primeiros jogos.

Contudo, muito mais que a pontuação/aproveitamento, o que preocupa é a performance do time. Ontem o Grêmio praticamente não causou trabalho para o goleiro adversário.

Na transmissão o replay do lance do gol com as linhas de impedimento foi mostrado muito brevemente. Pra mim não ficou suficientemente demonstrado que o bandeirinha cometeu um “erro claro” ao marcar o impedimento.


Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 0x1 Athlético Paranaense

GRÊMIO: Brenno; Rafinha (Vanderson, 27’/2ºT), Geromel, Kannemann e Cortez; Thiago Santos (Ricardinho, 27’/2ºT) e Matheus Henrique (Jean Pyerre, 38’/2ºT); Luiz Fernando (Maicon, 15’/2ºT), Jhonata Robert (Léo Chú, 38’/2ºT) e Ferreira; Diego Souza.
Técnico: Tiago Nunes

ATHLETICO-PR: Santos; José Ivaldo, Pedro Henrique e Thiago Heleno; Marcinho (Khellven, 34’/2ºT), Richard, Christian (Léo Cittadini, intervalo) e Abner Vinicius; Nikão (Terans, 20’2ºT), Matheus Babi (Renato Kayzer, 34’/2ºT) e Vitinho (Carlos Eduardo, 30’/2ºT).
Técnico: Antônio Oliveira

03ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2021
Data: 13 de junho de 2021, domingo, 16h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre, RS
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Assistentes: Celso Luiz da Silva e Leonardo Henrique Pereira (ambos de MG)
VAR: Emerson de Almeida Ferreira (MG)
Cartões amarelos: Matheus Henrique, Thiago Santos, Rafinha e Maicon ; Christian, Matheus Babi e Richard
Gol: Matheus Babi, aos 43 minutos do 1º tempo

Brasileirão 1974 – Grêmio 2×0 Atlético Paranaense

February 20, 2021

Foto: Correio do Povo

 

É bem curiosa essa escalação do Grêmio contra o Atlético Paranaense no Brasileirão de 1974.  Bolívar (com a camisa 11 na foto acima) atuou como ponta-esquerda, enquanto Everaldo jogou de lateral-direito (posição na qual ele fez sua estreia na Seleção Brasileira, na Copa Rio Branco de 1967)

 

GRÊMIO 2 X 0, AO NATURAL

Com golos de Bolívar e Carlos Alberto, um em cada etapa, e um futebol eficiente no 1.º tempo mas que depois perdeu qualidade, o Grêmio bateu o Atlético do Paraná por 2 x 0, placar que justificou plenamente e até com certa facilidade, já que os paranaenses não tiveram chances ante a tranqüila superioridade do adversário. Com arbitragem de Carlos Costa, renda de Cr$ 74.504 no Olímpico, o Grêmio venceu utilizando Picasso; Everaldo, Ancheta, Beto Fuscão e Tabajara: C. Alberto. H. Ramos e Torino: Carlinhos, Tarciso e Bolívar (Loivo). O Atlético teve Altevir; Cláudio, Almeida, Alfredo e Ladinho: Toquinho, Caio e Sicupira (Taquito), Milton Batata, Liminha (Nilson) e Didi Pedalada.

O JOGO

A equipe gremista iniciou a partida em ritmo forte e eficiente não dando chance alguma para o elenco paranaense, que só foi arrematar contra o reduto defendido por Picasso com 26 minutos de ações (um chute de Caio). Antes disso, mais precisamente até os 30 minutos, quem jogou foi praticamente o Grêmio, que na base de trocas de passes rápidos, envolveu o adversário e passou a procurar a marcação de golos.

Era tão claro o domínio tricolor e a pressão que sofria a defensiva do Atlético, que a inauguração do marcador aos 9 minutos foi acontecimento completamente natural. Tabajara serviu a Tarciso, que penetrou velozmente, houve a tabelada com Bolívar e o chute indefensável do ponteiro-esquerdo, que aparecia com destaque num todo sem pecados, como era o time gremista. Já com apenas 2 min. Bolívar não marcou por centímetros. Explica-se: ele não subiu o suficiente numa cruzada de Carlinhos e perdeu o golo. Mas isso foi apenas um acidente, pois Bolívar depois, marcou em belo estilo e continuou saliente na posição, até que lesionou-se e foi obrigado a sair de campo, entrando Loivo, o titular que ele substituía. Transcorriam 25 minutos de jogo. Ainda com Bolívar em campo. Tarciso acertou o poste de Altevir (12 min) e o próprio Bolívar, quase em seguida, levantou o público com lance sensacional, que merecia outro tento.

Uma pausa na presença ofensiva gremista ocorreu com 15 minutos, quando Sicupira, numa indecisão de Ancheta, chegou a invadir a área com pretensões, mas houve a recuperação do zagueiro e a bola terminou nas mãos de Picasso. Aos 17min, foi a vez de Torino desperdiçar uma boa chance para o arremate fatal e aos 30 o mesmo aconteceu com Loivo, após uma confusão na área paranaense. Humberto Ramos de cabeça, aos 44min, perdeu a última oportunidade de marcar 2×0 no 1.º tempo, o que, certamente, situaria melhor o predomínio gremista.

Mas veio o segundo tempo e logo no minuto inicial o Grêmio fez 2 x 0. Foi uma saída fulminante, que levou Carlinhos a exigir defesa parcial de Altevir, no rebote Tarciso, mesmo caído, carimbou o poste, para finalmente surgir Carlos Alberto e acertar as redes. O mesmo Carlos Alberto, quase em seguida, fez Altevir brilhar.

Entretanto, apesar de tudo — a marcação do 2.º golo no 1.º minuto e o terceiro que pintou nos pés do próprio Carlos Alberto — o Grêmio já não era o mesmo time, caindo muito de ritmo. Só com isso é que o Atlético conseguiu aparecer um pouco mais, sem que isso representasse qualquer predomínio. E aos 20min, Liminha, numa sobra de bola que bateu em Ancheta, teve tudo para marcar e não o fez. O jogo,  o Grêmio perdendo novas mais parelho,  ainda apresentou chances, mesmo caindo de produção, como reconheceu o próprio Sérgio Moacir, no final.” (Correio do Povo, 14 de março de 1974)

 

 

 

 

“GRÊMIO 2×0 ATLÉTICO (PR)

Porto Alegre (Sucursal) O Grêmio repetiu a sua boa atuação da estréia e ganhou facilmente do Atlético Paranaense por 2 a 0, ontem á noite no Estádio Olímpico, numa partida em que teve total domínio, inclusive com duas bolas chutadas por Tarciso na trave. Os gols foram marca- dos por Bolívar, aos nove mimitos do primeiro tempo, e Carlos Alberto, no primeiro minuto do segundo tempo” (Jornal do Brasil, quinta-feira, 14 de março de 1974)

 

Grêmio 2×0 Atlético Paranaense

GRÊMIO: Picasso; Everaldo, Ancheta, Beto Fuscão e Jorge Tabajara: Carlos Alberto, Humberto Ramos e Torino: Carlinhos, Tarciso e Bolívar (Loivo)
Técnico: Sérgio Moacir Torres

ATLÉTICO-PR: Altevir; Cláudio, Almeida, Alfredo e Ladinho: Toquinho, Caio e Sicupira (Taquito), Milton Batata, Liminha (Nilson) e Didi Pedalada
Técnico: Valdemar Carabina

Brasileirão 1974 – 1ª Fase – 2ª Rodada
Data: 13 de março de 1974, quarta-feira, 21h00min
Local: Estádio Olímpico, Porto Alegre, RS
Público: 9.890
Renda: Cr$ 74.724,00
Árbitro: Carlos Costa
Auxiliares: Airton Bernardoni e Carlos Martins
Gol: Bolívar, aos 9 minutos do primeiro tempo e Carlos Alberto, aos 20 segundos do segundo tempo

Brasileirão 2020 – Athlético Paranaense 1×2 Grêmio

October 26, 2020

 

Se a memória não me trai, a última vez que um jogo oficial do Grêmio não teve qualquer tipo de transmissão “oficial” pela TV foi na partida de volta contra o Jaciara pela Copa do Brasil de 2008. Naquela época não havia essa possibilidade de se assistir por um streaming pirata na internet.

Gostaria de ver o Grêmio usando a camisa celeste em jogos como esse de ontem.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Athlético Paranaense 1×2 Grêmio

ATHLETICO-PR: Santos; Erick, Pedro Henrique (Lucas Halter, 34/2ºT), Thiago Heleno e Abner; Wellington (Richard, 34/2ºT), Christian e Lucho (Jorginho, 21/2ºT); Nikão, Carlos Eduardo (Fabinho, 21/2ºT) e Renato Kayzer (Walter (40/2ºT).
Técnico: Bernardo Franco (interino)

GRÊMIO: Paulo Victor; Orejuela, Rodrigues, David Braz e Cortez; Lucas Silva (D. Barbosa, 38/2ºT) e Darlan; Luis Fernando (Ferreira, 28/2ºT), Thaciano e Everton (Pepê, intervalo); Isaque (Ruan, 46/2ºT).
Técnico: Renato Portaluppi

Brasileirão 2020 – 18ª Rodada
Data: 25 de outubro de 2020, domingo, 18h15min
Local: Arena da Baixada, em Curitiba (PA)
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Daniel Paulo Ziolli (SP)
VAR: Marcio Henrique de Gois (SP)
Cartões amarelos: Nikão, Christian, Abner (Athletico); Everton (Grêmio)
Gols: Carlos Eduardo, aos43 minutos do 1º tempo; Thiago Heleno (contra) aos 11 minutos do 2º tempo e Ferreira aos 41 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2019 – Athlético-PR 2×0 Grêmio

November 29, 2019

Gremio x Athletico-PR
Eu tinha alguma esperança que os atletas do Grêmio entrariam em campo tentando demonstrar que a eliminação para esse Athlético na Copa do Brasil foi injusta. Mas, infelizmente, mais uma vez o tricolor acabou sendo dominado pelo Furacão.

Nikão estava distribuindo ponta-pés desde o início do jogo. Diego Tardelli é um atleta com experiência suficiente para não se abalar com isso e/ou saber a forma e momento certo de dar o troco. Mas a expulsão dele foi inaceitável até mesmo para um juvenil.

Gremio x Athletico-PRFoto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Athlético-PR 2×0 Grêmio

ATHLETICO-PR: Santos; Jonathan (Adriano, 11/2ºT), Thiago Heleno, Léo Pereira e Márcio Azevedo; Wellington, Camacho (Erick, 33/2ºT) e Lucho González (Léo Cittadini, 23/2ºT); Nikão, Marcelo Cirino e Rony
Técnico: Eduardo Barros

GRÊMIO: Paulo Victor; Galhardo, Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Michel e Matheus Henrique; Alisson (Darlan, 37/2ºT), Diego Tardelli e Everton; Luciano (Pepê, 23/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

35ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2019
Data: 27 de novembro de 2019, quarta-feira, 21h30min
Local: Arena da Baixada, em Curitiba (PR)
Público:  21.709
Renda: 572.985,00
Arbitragem: Bruno Arleu de Araujo (RJ)
Auxiliares: Luiz Claudio Regazone (RJ) e Michael Correia (RJ)
VAR: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ)
Cartões amarelos: Wellington, Camacho e Nikão (Athletico-PR); Kannemann, Bruno Cortez, Michel e Matheus Henrique (Grêmio)
Cartões vermelhos: Diego Tardelli (Grêmio)
Gols: Márcio Azevedo, aos 32 do 1º tempo e Nikão (de pênalti) aos 18 minutos do 2º tempo

Brasileirão 1973 – Atlético Paranaense 2×0 Grêmio

November 26, 2019
1973 athletico pr fora placar sergio lopes

Foto: Placar

 

No Brasileirão de 1973, Atlético Paranaense e Grêmio se enfrentaram no Couto Pereira. Vitória dos mandantes por 2×0.

Mesmo com o revés, o Grêmio permaneceu na segunda posição geral da primeira fase (tendo encerrado essa etapa três pontos atrás do líder Palmeiras).

 

1973 athletico pr fora diario da tarde caio primeiro gol

Foto: Diário da Tarde

FOI A 2.ª DERROTA DO GRÊMIO

Curitiba — O Grêmio perdeu para o Atlético Paranaense por 2 a 0, no Estádio Belfot Duarte e ao final o técnico Carlos Froner disse que não poderia falar apenas na ausência de Mazinho, Tarciso e Humberto Ramos “porque um time que creditar’ a derrota à falta de três dos seus jogadores não pode entrar no Campeonato Nacional”. Isso só seria um exagero se os três jogadores ausentes fossem simples peças de um time não as peças mais importantes de um esquema, como são Mazinho, Humberto Ramos e Tarciso. Sem eles o Grêmio abriu o seu meio-campo, desprotegeu a sua defesa e teve enorme dificuldade quando com a bola dominada de passar ao ataque, A falta de Mazinho deixou Carlos Alberto sobrecarregado na marcação, perturbou a defesa e Ancheta teve que cobrir todas as posições porque Beto, com uma fita apache encobrindo um curativo na testa não podia cabecear e isso preocupou desde o início.

E o Atlético, bem armado, ia à frente com força e desde o início criou jogadas perigosas, principalmente através de Lourival, Caio e Sicupira, seus principais jogadores. A falha de marcação na defesa era explorada com tabelas rápidas, e para superar o meio-campo do Grêmio, o Atlético usava quatro jogadores de bom toque de bola à exceção de Sergio Lopes, mais plantado, de extrema movimentação. Logo aos 6 minutos, depois de boa jogada de Caio e Sicupira, Didi Duarte quase marcou. E aos 12 minutos, depois de saída errada da defesa do Grêmio, Cláudio perdeu para Didi Duarte, este tabelou com Caio, foi derrubado e na cobrança da falta com barreira, Caio chutou muito bem, com efeito, vencendo a Picasso e marcando 1 a 0.

Até os 35 minutos o Grêmio não acertou nenhum chute no golo de Nascimento, e só o Atlético jogava na frente, sempre disposto e criando mais oportunidades. Quase no fim do primeiro tempo, Sicupira foi à linha de fundo e cruzou. Caio esperou a queda da bola, cabeceou no travessão e na volta Sidnei chegou atrasado, quase embaixo do golo, perdendo a chance de fazer o segundo. O Grêmio, pouco antes, teve uma bola chutada contra o travessão do golo de Nascimento, com Carlos Alberto tentando de fora da área.

MUDANÇA — A entrada de Lairton aos 8 minutos do segundo tempo, em lugar de Iura, parecia resolver o problema do Grêmio. Em poucos minutos ele já tinha conseguido duas jogadas de multo perigo em um chute certo no golo, que Nascimento evitou fazendo boa defesa. Paulo Sérgio já estava bem colocado. Oberti voltava um pouco para ajudar na preparação e o placar poderia mudar a qualquer momento. Mas o Atlético, que se jogava na defesa, teve acima tudo sorte — na base de um contra-ataque, Caio cabeceou para trás, a bola caiu entre os zagueiros e Sicupira, passando na corrida, tomou a frente na jogada, avançou um pouco e chutou fazendo 2 a 0, aos 13 minutos. A partir daí o jogo ficou resolvido. O Grêmio continuou todo no ataque, às vezes desordenadamente (depois Froner tirou Paulo Sergio e colocou Bolivar), o goleiro Nascimento fez defesas excelentes mas no todo o Atlético estava bem colocado e garantiu a vitória por 2 a 0, ganhando melhores condições para disputar uma vaga entre os 20 classificados para as semi-finais.” (Edegar Schmidt, Correio do Povo, 27 de novembro de 1973)

1973 athletico pr fora correio do povo caio beto

Foto: Correio do Povo

 

“Sempre bato faltas desta maneira. Tinha eu , o Sicupira e o Sidney, mas achei que a distância e a colocação eram para mim. Acertei e partimos na frente do Grêmio. No Grêmio eu não batia faltas, porque o Flecha era o principal cobrador, por isso a surpresa deles”, comentava Caio, autor do primeiro gol atleticano na vitória de domingo, frente ao seu ex-clube, o Grêmio. No Atlético tudo e alegria e fé na classificação, que agora já ficou mais perto. “Com esta vitória frente ao Grêmio, tudo melhorou, passamos para o 22º lugar, está bem melhor, né?” dizia Didi Duarte.” (Diário do Paraná, terça-feira, 27 de novembro de 1973)

1973 athletico pr fora diario da tarde 01

Foto: Diário da Tarde

A ÚNICA COISA RUIM DESSE JOGO: A RENDA

Esse jogo de ontem em Belfort Duarte foi assim: de um lado, um time jogando para o gol – jogando certo, com poucas falhas, quase perfeito:: do outro um time se defendendo muito, indo de vez em quando ao ataque. Resultado, teria que ganhar o tine de futebol certo, que procurava o gol e, esse foi o Atlético Paranaense, que derrotou o Grêmio Portoalegrense por dois gols a zero, num jogo de técnica e velocidade e, que teve como única coisa ruim a arrecadação (Cr$ 78.317,00), que trouxe novos prejuízos para o rubro-negro […]” (Diário da Tarde, segunda-feira, 26 de novembro de 1973)

1973 athletico pr fora diario da tarde ladinho

Foto: Diário da Tarde

Atlético Paranaense 2×0 Grêmio

ATLÉTICO-PR: Nascimento; Julio, Di, Alfredo e Ladinho; Lourival e Sergio Lopes; Sidnei, Sicupira (Bene). Caio e Didi Duarte (Renatinho).
Técnico: Lanzoninho

GRÊMIO: Picasso; Claudio, Ancheta, Beto Bacamarte e Jorge Tabajara; Carlos Alberto e Paulo Sergio (Bolivar); Carlinhos, Iura (Lairton), Oberti e Loivo.
Técnico: Carlos Froner

Brasileirão 1973 – Primeira fase – Returno – 4ª Rodada
Data: 25 de novembro de 1973, domingo, 16h00min
Local: Estádio Couto Pereira, em Curitiba-PR
Publico: 8.751
Renda: Cr$ 78.317,00
Juiz: Luis Carlos Felix – RJ
Auxiliares: Joaquim Gonçalves e Josias Paulino
Gols: Caio, aos 12 minutos do 1º tempo e Sicupira, aos 13 minutos do 2º tempo

Copa do Brasil 2019 – Athlético Paranaense 2×0 Grêmio (5×4 nos pênaltis)

September 5, 2019

lg-noticias-com-um-jogador-a-menos-e-nos-pa-naltis--gra-mio-a--superado-pelo-athletico-pr-na-semifinal-da-copa-do-brasil-24467Gremio x Athletico-PR

Foi impressionante a queda de rendimento do futebol apresentado pelo time do Grêmio ontem na comparação com o jogo de ida (ou mesmo com o jogo do Palmeiras na semana passada). A bem da verdade essa foi uma das atuações mais apáticas do tricolor nos últimos anos. Nem “cera” o time conseguiu fazer direito. Enquanto isso o Athlético correu muito, brigou muito e conseguiu devolver os 2×0 da partida de ida.

Um sinal de que as coisas não andaram bem pro Grêmio reside no fato de que as duas melhores chances do tricolor no segundo tempo passaram por jogadas em que David Braz apareceu na área adversária.

Eu acho que o Thaciano faz um boa temporada, mas não consigo entender que ele seja o escolhido para tentar alterar o jogo enquanto Diego Tardelli (principal contratação do ano) e Luan (melhor jogador de 2017) ficam no banco.

Eu não teria marcado o pênalti de Wellington após a cabeçada de Geromel. Acho que o jogador do Athlético não tocou “deliberadamente a bola com a mão”. Contudo, essa não é a interpretação majoritária vigente.  Em julho desse ano o São Paulo teve um pênalti marcado a seu favor em um jogada muito parecida. E o pênalti marcado para a França na final da Copa de 2018 também guarda certa semelhança com essa jogada.

CAPxGRE-5 2019 site oficial NIKAO
SantosSemifinal-1600
Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net) e Miguel Locatelli (athletico.com.br)

Athlético Paranaense 2×0 Grêmio
(Athlético 5×4 nos pênaltis)

ATHLETICO-PR: Santos; Khellven, Robson Bambu, Lucas Halter e Márcio Azevedo; Wellington (Marcelo Cirino, 28/2ºt), Bruno Guimarães; Nikão, Léo Cittadini (Lucho González, 40/2º), Rony (Vitinho, 28/2ºt); Marco Ruben
Técnico: Tiago Nunes

GRÊMIO: Paulo Victor; Leonardo Gomes (Rafael Galhardo, 18/1ºt), Geromel, Kannemann e Cortez; Rômulo, Matheus Henrique,Alisson, Jean Pyerre (Thaciano, 33/2ºt) e Pepê; André (David Braz, 17/2ºt)
Técnico: Renato Portaluppi

Copa do Brasil 2019 – Semifinal – jogo de volta
Data: 04/09/2019, quarta-feira, às 19h00min
Local: Arena da Baixada, em Curitiba – PR
Público: 28.841 (26.978 pagantes)
Renda: R$ 1.370.315,00
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (FIFA/RJ)
Assistentes: Kleber Lucio Gil (FIFA/SC) e Bruno Raphael Pires (FIFA/GO)
Árbitro de vídeo: Bráulio da Silva Machado (FIFA/SC)
AVAR1: Carlos Eduardo Nunes Braga (RJ)
AVAR2: Leone Carvalho Rocha (GO)
Cartões amarelos: Lucas Halter, Marco Ruben, Marcelo Cirino, Bruno Guimarães, Tiago Nunes; Rômulo
Cartão vermelho: Kannemann (15/2ºT)
Gols: Nikão, aos 16 minutos do primeiro tempo; Marco Ruben, aos 3 minutos do segundo tempo
PÊNALTIS: Bruno Guimarães bateu no meio e marcou; Rafael Galhardo bateu no canto esquerdo e marcou; Lucho González bateu forte, no canto direito, e marcou; David Braz bateu no canto esquerdo e fez; Nikão deslocou Paulo Victor, colocando com categoria no lado direito; Alisson cobrou forte e anotou; Marcelo cobrou no alto, no ângulo, para marcar; Matheus Henrique cobrou no canto direito e Santos quase pegou; Marco Ruben cobrou no meio e guardou o quinto pênalti; Pepê bateu no canto esquerdo e o goleiro Santos defendeu

Confrontos contra o Atlético Paranaense na Copa do Brasil em Curitiba

September 4, 2019
1996 atlético pr 1x1 gremio zh

Andrei Vs. Jardel na Copa do Brasil de 1996 (Foto: Zero Hora)

Como já deve ser do conhecimento de todos, o Grêmio já enfrentou o Atlético em 4 edições da Copa do Brasil, tendo superado o adversário em 3 ocasiões. Nos jogos em Curitiba foram 2 vitórias, 1 empate e uma derrota, com média de público de 15.210 (13.650 pagantes).

Abaixo a relação desses jogos do tricolor como mandante, com links para fichas e fotos de cada partida.

Copa do Brasil 1996 – Oitavas – ida – Atlético-PR 1×1 Grêmio
Copa do Brasil 2013 – Semifinal – ida – Atlético-PR 1×0 Grêmio
Copa do Brasil 2016 – Oitavas – ida – Atlético-PR 0×1 Grêmio
Copa do Brasil 2017 – Quartas – Volta – Atlético-PR 2×3 Grêmio

Além desses jogos, o Grêmio também encarou o Atlético em outros dois torneios com mata-mata. Na Taça Brasil de 1959, quando venceu na Vila Capanema por 1×0 e na Copa Sul-Minas de 2002, quando empatou em 1×1 na Arena da Baixada, após perder por 5×1 no Olímpico na partida de ida da semifinal.

 

Taça Brasil 1959 – Atlético Paranaense 0x1 Grêmio

September 3, 2019

a hora 1959

Foto: A Hora


Na Taça Brasil de 1959 o Grêmio repetiu o placar da ida e venceu o Atlético em Curitiba por 1 a 0, gol marcado por Gessy.

O jogo foi disputado na Vila Capanema, que na época era casa do Ferroviário, e não no Joaquim Américo (estádio que deu lugar a atual Arena da Baixada)

cp 1959 entrando em campo

Foto: Correio do Povo

GRÊMIO SUOU MAS VENCEU: 1X0 SÔBRE O ATLÉTICO PARANAENSE

CURITIBA, 28 (Meridional) — Repetindo o escore infligido no embate efetuado em Pôrto Alegre, dia 13 do corrente, a equipe do Grêmio classificou-se para as semi-finais da “Taça Brasil”, ao abater na tarde de ontem, no Estádio Durival de Brito, em Curitiba, ao Atlético Paranaense. Em peleja acidentada, da qual resultaram lesionados com gravidade os atletas Milton e Elton, do Grêmio e o paranaense Izabelino, os gaúchos venceram a primeira etapa do certame nacional, estando aptos, agora, para enfrentar o Atlético Mineiro, na última série eliminatória da “Taça Brasil”.

Grêmio Sai Bem

Os primeiros instantes da peleia foram francamente favoráveis aos gaúchos que pressionaram com Insistência ante o último reduto curitibano. A ausência do zagueiro central Lindomar foi a causa primeira da insegurança da defensiva atleticana, pois Borracha esteve longe de cumprir as atuações do jogador que substituiu. Havia um enorme claro no centro da área rubro-negra por onde Gessy e Juarez penetravam seguidamente. Tocafundo, sem seu companheiro, viu-se sôbre-carregado nas funçõs, de vigiar a área penal de sua equipe. As constantes deslocações do quinteto avançado gremista causaram momentos de sério perigo para a meta do Atlético. E os tentos não se apresentavam devido já pela falta de pontaria nos arremessos dos gremistas, já pela atuação soberba do arqueiro William.

Predomínio Total
Durante o primeiro tempo todo, os gaúchos predominaram na cancha. Sérgio cumpria trabalho excepcional na meia-cancha, alimentando ininterruptamente o ataque; a linha de frente tinha em Gessy um elemento que representava constante aprêmio para os defensores do Atlético, ora por suas penetrações fulminantes, ora pela colocação para receber o passe. Se tivesse sido lançado mais vêzes, por certo os tricolores teriam marcado golos na primeira etapa. A extrema defensiva gaúcha, nesta fase, não foi exigida.

Substituições

Nos minutos finais do primeiro tempo, a peleja descambou para o terreno do jôgo brusco. Milton foi obrigado a abandonar o prélio, contundido na perna direita, sendo substituído por Rudimar. No Atlético, Tião e Izabelino estiveram fora de campo por algum tempo, sendo que o último não mais retornou ao gramado, entrando em seu lugar Tiquinho.

Afinal, o Tento

No primeiro quarto de jôgo do segundo tempo, prosseguiu o domínio territorial do Grêmio. Continuavam, as características do primeiro: William se desdobrando no arco e os atacantes tricolores falhando nas conclusões. Finalmente. Juarez, após passar por três adversários, lançou Gessy dentro da pequena área, em situação privilegiada. O ponta-de-lança atirou forte, vencendo a perícia do guarda-vala adversário e assinalando o tento que daria, ao final, a vitória aos gaúchos.

Ações Emparelhadas

Após a conquista do ponto tricolor, o Atlético ensaiou uma reação. Efêmera, porém, pois a retaguarda gremista, de pronto, aparou tôdas as investidas aos rubro-negros. Não se via mais, porém, o absoluto predomínio dos visitantes, e sim, ações emparelhadas no campo. Prosseguiu o cotejo sendo disputado com excesso de virilidade, havendo os jogadores abusado do jôgo brusco e perigoso. Num dêsses lances deploráveis, Elton lesionou-se, passando a fazer número na ponta direita. Sérgio, diante da detecção de Elton, teve que abandonar a meia cancha— onde vinha registrando soberba atuação — a fim de cobrir o setor direito da retaguarda gremista. Vieira passou a formar a dupla do meia-cancha com Rudimar.

Pressiona o Atlético
Atuando, praticamente, com um homem a menos, o Grêmio sofreu duro assédio no quarto final do embate. Nessa oportunidade, pôde o esquadrão do Olímpico, mais uma vez, amparar-se em sua defensiva. Brilharam Henrique e Airton e o escore pôde ser mantido. Difíceis foram, para os gaúchos, os minutos finais da partida. Precisava, porém, o Atlético assinalar dois tentos, pois o empate seria-lhe fatal, também. Entretanto, não conseguiu vasar a meta dos rio-grandenses, defendida com invulgar disposição pelos seus zagueiros. Com êsse triunfo, os tricolores saltaram o primeiro obstáculo na “Taça Brasil” credenciando-se para as semifinais do certame.” (A Hora, segunda-feira, 29 de setembro de 1959)

1959 parana esportivo

 

GRÊMIO RATIFICOU SUPERIORIDADE
Bisada a contagem de 1×0 — Gessi no segundo tempo marcou o tento da vitória — Futebol ruim e espetáculo pouco agradável para um público que estabeleceu renda de Cr$ 478.410,00 — Fraca também a arbitragem do Sr. Aparicio Viana e Silva — Detalhes complementares da peleja

A decepção não foi apenas o Grêmio… e nem só o Atlético. Foi o próprio espetáculo, foi a condição das equipes, tudo, tudo, que possa se prender a esta despedida do Atlético Paranaense da TAÇA BRASIL.

Nem a arbitragem conseguiu agradar ao bom público que foi a Durival de Brito e Silva. E o prélio, assim, foi melancólico com o placard de 1×0, pobre como a contagem mínima a favor dos gaúchos.

A torcida, assim, sentiu esta decepção em todo o transcorrer do match, que foi um jogo de predominância de sistemas, defensivos já que os ataques nunca foram vanguardas de campeões. Fracos, inconsistentes, infantis. Errando e errando bastante, errando em massa, na sequência pavorosa da deturpação de jogadas, da efetuação de passes errados e da complementação de tiros tortos e defeituosos. Francamente foi uma decepção inteira. E a palavra precisa ser repetida, porque o público foi para ver futebol, e tomou literalmente o Estádio Dorival de Brito v Silva para assistir aquilo que assjstiu. O Grêmio jogando mal. Com a defesa firme, é certo, mas jamais se preocupando com o ataque do Atlético que foi de uma neutralidade pasmante. E o Atlético, além de apresentar os desníveis de seu de ataque, ainda sem meia cancha e com a defesa apresentando falhas gritantes que apenas não eram transformadas em gola porque o ataque do Grêmio é outro atentado a tudo que há de bom dentro do futebol.

[…]

No mais lances sem importância, alguns tiros de longe dos dois ataques defendidos pelos arqueiros e o goal do Grêmio, marcado quando tínhamos decorridos 17 minutos do período complementar.

Juarez realizou grande jogada, dominando dois adversários no sentido do goal e atrapalhou- se sobrando a bola para Gessy que dominou e mandou a pelota para o funda das redes de William.” (Paraná Esportivo, 28 de setembro de 1959)

 

cp 1959 vesperacp 1959 dia

ATLÉTICO PARANAENSE: William; Belfare, Borracha e Salvador; Sano e Tocafundo; Izabelino (Tiquinho), Gaivota, Taíco, Jerônimo e Tião
Técnico: Motorzinho

GRÊMIO: Henrique; Elton, Airton, Calvet e Ortunho; Sergio e Milton Kuelle (Rudimar); Vieria, Gessi, Juarez e Cláudio
Técnico: Osvaldo Rolla

Taça Brasil 1959 – Oitavas de final – jogo de volta
Data: 27 de setembro de 1959, domingo,
Local: Estádio Durival Briyto, em Curitiba-PR
Renda: Cr$ 478.410,00
Árbitro: Aparicio Vianna e Silva
Auxiliares: Tuffi Issler e Julio Salsamendi
Gol: Gessi, aos 17 minutos do segundo tempo

Brasileirão 2019 – Grêmio 2×1 Athlético-PR

August 26, 2019

Gremio x Athletico-PR

– Média de Público do Grêmio no Brasileirão 2019:
17.131 (15.386 pagantes)

– Média de público do Grêmio na Arena na atual temporada:
24.400 (22.774 pagantes)

– Média de público do Grêmio como mandante em 2019:
23.618 (21.534 pagantes)

Gremio x Athletico-PR

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 2×1 Athlético-PR

GRÊMIO: Júlio Cesar; Rafael Galhardo, Paulo Miranda, David Braz e Juninho Capixaba; Romulo, Thaciano e Luan (Darlan, aos 46/2ºT); Luciano (Patrick, aos 24/2ºT), Diego Tardelli (Michel, aos 36/2ºT) e Pepê
Técnico: Renato Portaluppi

ATHLETICO: Santos; Khellven, Lucas Halter, Léo Pereira e Márcio Azevedo (Abner, aos 40/2ºT); Wellington (Tomás Andrade, aos 23/2ºT), Bruno Guimarães e Léo Cittadini; Vitinho (Braian Romero, aos 31/2ºT), Cirino e Rony
Técnico: Tiago Nunes.

Data: 24/8/2019, sábado, 17h00min
Local: Arena do Grêmio, Porto Alegre – RS
Público: 12.748 (10.788 pagantes)
Renda: R$ 355.594,00
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (RJ) e Carlos Henrique Alves de Lima Filho (RJ)
VAR: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Cartões amarelos: Romulo, Luciano, Juninho Capixaba, Léo Pereira
Gols: Luan, aos 3 minutos do primeiro tempo; Rony, aos 2 minutos e Thaciano, aos 6 minutos do segundo tempo

 

Brasileirão 1986 – Grêmio 2×1 Atlético Paranaense

August 23, 2019
1986 Gremio 2x1 atletico pr jose ernesto cp b

Foto: José Ernesto (Correio do Povo)

No Brasileirão de 1986 o Grêmio fez sua estréia na competição vencendo o Atlético Paranaense no Olímpico.

Na primeira fase, passavam 8 dos 11 times de cada grupo (Grêmio terminou essa etapa em 5º lugar, um ponto e uma posição atrás do Atlético).

Renato, poucos meses depois de ter sido cortado da Copa de 1986, foi o grande destaque do jogo.

SUFOCO NO OLÍMPICO. MAS DEU GRÊMIO

Foi um verdadeiro sufoco a partida de ontem no Estádio Olímpico, na estréia do Grêmio no Campeonato Nacional. Apesar da vitória de 2 a 1 sobre o Atlético paranaense, o time do Valdir Espinosa teve sérias dificuldades, principalmente na segunda etapa. Renato, o herói do jogo, marcou um e Osvaldo outro.

Se o Grêmio foi absoluto na primeira etapa, isso não se verificou na segunda. Aos nove minutos, Agnaldo aproveitou o descuido da defesa gremista e empatou. Depois disso, o Atlético manteve a pressão. Luís Eduardo foi obrigado a calçar Agnaldo: pênalti. Mas Mazaropi defendeu.

Este fator trouxe novamente as forças ao Grêmio, e a Renato (o melhor da partida). Num escanteio, Osvaldo cabeceou forte no canto do goleiro Marola, registrando a vantagem 2 x 1, aos 25 minutos. No final, depois de garantido o placar favorável e os dois pontos, todos os jogadores do Grêmio se sentiam satisfeitos e apontavam as dificuldades do adversário.

O Grêmio não poderia ter começado melhor os seus primeiros 45 minutos de partida. Mesmo com o gramado molhado, não dando condições aos jogadores desenvolverem o seu melhor futebol, a torcida gremista pode perceber a manutenção da qualidade de sua equipe, que estava ausente há mais de 45 dias de seu estádio. Com alguns problemas de ataque logo nos primeiros 15 minutos, quando havia dificuldades de penetração na defesa do Atlético paranaense, o Grêmio aos poucos foi dominando todos os setores do campo adversário.

Renato, a grande figura desta etapa, propiciou as melhores jogadas. Deti, lateral do Atlético, envolvido pelo ponteiro, várias vezes teve que conter Renato na base da falta. Mas a primeira grande chance surgida para o Grêmio, partiu dos pés de China, que em combinação com Valdo e João Antônio, por pouco não abriu o placar.

Entretanto, aos 38 minutos, num lançamento do meio campo para Osvaldo, este entrou pelo lado esquerdo, passou por Marola e chutou sem ângulo para o gol vazio. Mas a bola encontrou o poste esquerdo. Renato, que acompanhava o lance bem posicionado, teve o trabalho apenas de empurrar a bola para o fundo das redes, estabelecendo o 1 a 0.

Antes disso, o árbitro Arnaldo César Coelho, distribuiu três cartões amarelos (Renato, Aroldo e Horlando) após uma confusão formada na entrada da grande área do Atlético. ” (Correio do Povo, quinta-feira, 4 de setembro de 1986)

cCorreio de Noticias PR 4 setembro 1986

Correio de Notícias, quinta-feira, 4 de setembro de 1986

CORITIBA VENCE INTER, ATLÉTICO DERROTADO

[…]

Mesmo jogando bem, o Atlético acabou sofrendo sua segunda derrota na Copa Brasil, no estádio Olímpico. Aos 38 minutos do primeiro tempo Renato abriu o placar para o Grêmio, após uma confusão na área de Marolla. No 2º tempo, com grande atuação de Agnaldo e Mauro Madureira, o Atlético empatou aos 9 min, com um gol de Agnaldo. Aos 22 Mauro Madureira desperdiçou a grande chance Atleticana chutando um pênalti na mão do goleiro Mazaropi.

Quatro minutos depois, Osvaldo marcou o 2º gol do Grêmio, fechando o placar.” (Correio de Notícias, quinta-feira, 4 de setembro de 1986)

 

GRÊMIO ESTRÉIA COM UMA VITÓRIA DIFÍCIL
Depois de fazer um grande primeiro tempo e sair vencendo por 1×0, o Grêmio caiu de produção na fase final. Aí o Atlético do Paraná chegou ao empate. Mazaropi ainda salvou uma penalidade máxima antes que o Grêmio chegasse á vitória com um gol de Osvaldo.

Em seu primeira jogo na Copa Brasil, o o Grêmio teve dificuldades mas conseguiu uma importante vitória de 2×1 sobre o Atlético Paranaense. A vitória só veio depois que Mazaropi defendeu uma penalidade máxima mal batida por Mauro Mendonça aos 22 minutos do segundo tempo.

Depois de 45 dias sem jogar no Estádio Olímpico, o Grêmio voltou a se apresentar diante de sua torcida, com muita disposição E Renato estava com tanta vontade que foi, disparada-mente, o melhor jogador da partida. Antes de chegar à aber-tura do placar , o Grêmio teve duas chances desperdiçadas por Renato aos 8 e 21 minutos, em jogadas individuais, que terminaram com boas defesas de Marola. João Antônio também teve uma chance de gol, depois de um cruzamento de Raul da direita, mas ele concluiu pela linha de fundo.

Aos 38 minutos, a defesa do Atlético reclamou impedimento, que o árbitro não marcou. Então Osvaldo invadiu a área. driblou Marola e chutou no poste. No rebote, Renato fez o gol sem problemas. Ainda no primeiro tempo, aos 42, numa triangulação perfeita com Valdo e China. João Antônio quase marcou o segundo gol. E o Atlético não teve nenhuma chance nessa etapa.

No segundo tempo, houve uma inversão de papéis, apesar do Grêmio ter criado uma boa situação logo aos cinco minutos, quando Renato tabelou com Osvaldo e cruzou para Caio Júnior cabecear com perigo.

Aí o Atlético passou a tomar conta do jogo. Aos nove minutos após um lançamento de Mauro Madureira, Agnaldo tirou Mazaropi da jogada e fez o gol de empate. Seis minutos depois, Valtair cruzou da direita. Mazaropi salvou e Agnaldo apanhou o rebote e concluiu com perigo , sobre o gol.

Com o Grêmio todo na defesa, o Atlético ainda foi beneficiado com uma penalidade máxima aos 22 minutos, cometida por Luís Eduardo em Agnaldo. Mauro Madureira cobrou, fraco, e Mazaropi fez uma grande defesa.

A penalidade máxima defendida por Mazaropi deu novo ânimo ao time do Grêmio, que passou a ter apoio da torcida. Três minutos depois, Renato cobrou escanteio da esquerda para Os-valdo, de cabeça. fazer um bonito gol e confirmar a vitória do Grêmio. Depois o time de Espinosa ainda teve outra chance com Caio Júnior , mas não saiu o terceiro gol.” (Pioneiro, quinta-feira, 4 de setembro de 1986)

 

Grêmio 2×1 Atlético Paranaense

GRÊMIO: Mazaropi; Raul (Caio), Baidek, Luiz Eduardo e Casemiro; China, João Antônio e Bonamigo; Renato Portaluppi, Osvaldo e Valdo.
Técnico: Valdir Espinosa

ATLÉTICO: MarolLa; Bruno, Orlando Fumaça, Beto e Haroldo: Deti, Roberto e Mauro Madureira; Marquinhos (Gílson Bonfim, Agnaldo e Valtair
Técnico: Levir Culpi

Brasileirão 1986 – 1ª Fase – Grupo B
Data: 03 de setembro de 1986, quarta-feira, 21h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS, BRA
Público: 11.987
Renda: Cz$ 263.995,00
Árbitro: Arnaldo Cezar Coelho
Auxiliares: Aloísio Felisberto e André Campos Silva
Cartões Amarelos: João Antônio, Renato, Orlando Fumaça, Beto e Haroldo
Gols: Renato, aos 38 minutos do 1º tempo; Agnaldo, aos 9 minutos e Osvaldo, aos 25 minutos do 2º tempo