Archive for the ‘Brasileirão 1975’ Category

Brasileirão 1975 – Vasco 2×1 Grêmio

October 30, 2019

1975 vasco fora Ronaldo Theobald JB

No Brasileirão de 1975, Vasco e Grêmio se enfrentaram em São Januário. Vitória dos mandantes por 2×1.

Nesse jogo o Grêmio voltou a usar a camisa tricolor, depois de ter utilizado a camisa celeste nas finais do Gauchão e na estreia daquele campeonato brasileiro contra o CSA em Maceió.

1975 vasco fora gol dinamite js

VASCO MOSTRA ESPÍRITO DE COMPETIÇÃO NA VITÓRIA

Mostrando ser uma equipe competitiva, de muito espirito de luta, além de uma aplicação tática invejável, o Vasco derrotou o Grêmio por 2 a 1, ontem em São Januário, em sua estréia no Campeonato Nacional.

A equipe carioca deixou a forte impressão de que será muito difícil algum adversário derrotá-la em São Januário, onde os jogadores sentem de perto o calor da torcida, que lotou o estádio. Tanto assim que, durante todo o primeiro tempo, número grande de torcedores ainda entrava pelos velhos portões do campo do Vasco.

Quem chegou tarde teve de se contentar em assistir a partida de pé, colado ao alambrado, atrás do gol das piscinas, onde não há arquibancadas. Nas sociais, as dificuldades eram as mesmas, pois lugares não havia mais. Atrás do outro gol, a pequena e barulhenta torcida do Grêmio marcava sua presença com uma buzina que acabou servindo para que os torcedores do Vasco incentivassem o time a cada buzinada.

Até os 15 minutos de partida, a torcida do Vasco esteve com o grito de gol na garganta, porque a equipe já tinha perdido inúmeras oportunidades. Mas foi o Grêmio quem marcou aos f9 minutos, através de Zequinha, que emendou da entrada da área, aproveitando um passe de Nenê depois de um cruzamento do lateral-direito Wilson.

Após a saída, o Vasco perdeu um gol incrível, com Dé finalizando em cima de Picasso dentro da pequena área. Com a vantagem, o Grêmio recuou todo, dando ao adversário o domínio completo do jogo. Depois de várias chances perdidas, o Vasco conseguiu empatar aos 40 minutos, numa cabeçada de Roberto, após cruzamento de Luis Carlos. Picasso falho no lance, saindo mal do gol

OPORTUNISMO DE DÉ

O Vasco iniciou o segundo tempo com a mesma disposição, e até marcar o segundo gol, aos 20 minutos, seus atacantes já tinham desperdiçado várias chances. Dé fez o gol aproveitando uma jogada de Roberto. Depois do gol, o Vasco continuou melhor e se houvesse mais calma nas finalizações a vantagem poderia ter sido aumentada.

O Grêmio só mostrou poder ofensivo nos 10 minutos finais, quando, embora desorganizado, foi todo à frente, perdendo algumas oportunidades para empatar. A essa altura o nervosismo era geral e o time do Vasco procurava gastar o tempo de toda maneira.

Até o preparador físico Hélio Vigio fez cera. Ele, que assistiu a todo o segundo tempo atrás do gol do Vasco, depois de um ataque do Grêmio jogou para longe a bola chutada para fora por um atacante gaúcho. Mas, de qualquer maneira, a vitória do Vasco foi justa, principalmente porque a equipe mostrou uma indiscutível determinação de vitória.

O juiz foi José de Assis Aragão, que deixou de marcar dois pênaltis. Um de René em Cacau e outro de Ancheta em Roberto. Os bandeirinhas foram Wilson Dias Durão e José Valeriano Correia e a renda somou Cr$ 289 mil 220, com 18 mil 237 pagantes.

As equipes formaram assim: Vasco: Mazarópi, Paulo César, Joel, Renê e Alfinete (Celso Alonso); Alcir e Zanata; Jair Pereira, Roberto, Dé e Luís Carlos. Grêmio: Picasso, Wilson, Ancheta, Beto e Sérgio Vieira; Bolívar (Loivo), Cacau (Osmar) e Neca; Zequinha, Tarciso e Nenê.” (Carlos Alberto Rodrigues, Jornal do Brasil, segunda-feira, 25 de agosto de 1975)

—–

1975 vasco fora gol zequinha js

VASCO ENCHE SEU CAMPO E FESTEJA O BOM RESULTADO
Casa cheia, o Vasco provou que foi acertada sua decisão em marcar para São Januário alguns jogos do Campeonato Nacional.
Sem as exorbitantes taxas do Maracanã, o clube teve um bom lucro na renda de mais de Cr$ 280 mil.
E, para alegrar ainda mais, a equipe derrotou o Grêmio por 2 a 1.” (Jornal do Brasil, segunda-feira, 25 de agosto de 1975)

—-

NO CAMPO, TODAS AS FACILIDADES
Os jogos em São Januário podem não ser bons para o adversário, mas para o Vasco é da maior importância. Primeiro, porque alguns dirigentes se aproveitam das facilidades e ficam atrás do gol torcendo entusiasticamente para seus atacantes. Depois, porque o comando técnico pode instruir tranqüilamente seus jogadores em campo, sem se preocupar com o juiz. Ontem, o preparador físico Hélio Vigio, que está suspenso 20 dias pelo TJD da Federação Carioca, ficou junto ao gramado, ajudando ao técnico Mário Travaglini a orientar a equipe. Os jogos em estádios menores mostram muito mais a participação da torcida e dos dirigentes do que quando são realizados no Maracanã, onde a segurança é quase perfeita. O Vasco jogou bem e não teve problemas para derrotar o Grêmio. No entanto, a situação pode ficar ruim no dia em que o Vasco perder o jogo, porque é fácil para torcida invadir o campo .” (Jornal do Brasil, segunda-feira, 25 de agosto de 1975)

1975 vasco fora gol dinamite 2 js

CAMPO NEUTRO – José Inácio Werneck

ESCREVI outro dia que o Campeonato Carioca com jogos de turno e returno nos campos dos clubes, como sugeriu o presidente Francisco Horta, só seria possível com a volta dos bondes. Pensaram tratar-se de piada, mas minha intenção não era apenas a de compor ambiente. Realmente, com as ruas estreitas ao redor de nossos estádios e a massa de automóveis em que hoje se locomovem os torcedores, há uma quase impossibilidade física de realizar-se um jogo importante num campo como o do Vasco.

Acredito que além, lá por Bangu e Campo Grande, ainda haja espaço para se parar. Mas em São Januário, positivamente, não é o caso. Baseado em informações otimistas, dirigi-me confiante ao pretenso estacionamento para a imprensa que, se existe, não vi. O portão estava trancado, não apenas à chave como por uma imensa massa de automóveis largados de qualquer maneira à sua porta. A massa originava-se aliás pouco depois da Quinta da Boa Vista e praticamente não se movia. Carregado em sua lenta fluência, tive que contornar duas vezes o estádio antes de abandonar o carro, também de qualquer jeito, perto da Avenida Brasil. (Com o que, aproveito para agradecer à Dona Orozimba, por ter-me permitido atravancar sua garagem).

Pude assim, já com a partida em andamento, verificar que a fila de torcedores nas apertadas bilheterias era enorme, até que afinal muitos começaram a desistir, pelo fim do primeiro tempo. Quanto o clube perdeu na renda, não sei. Mas com a sangria das arrecadações no Maracanã é possível que, umas coisas pelas outras, tudo tenha dado no mesmo.

NÃO vi, portanto, o tão falado pênalti de René em Cacau, mas o resto da arbitragem do senhor José de Assis Aragão me pareceu bom, com uma exceção. Trago-a não com o sentido de crítica, mas de colaboração com a Comissão Nacional de Arbitragem, cujo diretor anda interessado em padronizar a interpretação das regras.

Seria interessante que essa padronização fosse feita não só em termos nacionais como também internacionais. Diz a regra que o goleiro não pode ser tocado dentro da pequena área, mas nossos juízes (e não só o senhor Aragão) tendem a dilatar este limite. Houve um lance em que Mazzaropi atirou-se ali pela altura da marca do pênalti para defender uma bola aos pés de um atacante gaúcho. Machucou-se, em conseqüência de um choque natural, e ficou no chão. Não vou falar em gol anulado, porque antes de Osmar pegar o rebote na entrada da área, e chutar a bola às redes, o senhor Aragão já marcara falta. Se não houvesse o apito é possível que os jogadores do Vasco bloqueassem a conclusão da jogada, sei lá. Não reclamo em termos de marcador, falo apenas em tese: numa partida internacional, com juiz estrangeiro, o lance teria prosseguido.

TECNICAMENTE, o segundo tempo que eu vi dividiu-se com nitidez em domínio franco do Vasco, quando a defesa do Grêmio andou cometendo tolices seguidas, e reação gaúcha a partir do gol de Dé. Até então o Grêmio andava claramente interessado em garantir seu pontinho do empate e até Zequinha cometia o gesto, para os observadores cariocas inédito, de descer para lutar na defesa.

Dé cavava faltas, falsas e verdadeiras, mas não precisou delas. A zaga gaúcha estava insegura e o goleiro Picasso soltava bolas a toda hora, apesar de suas luvas (ou, quem sabe?, por causa delas). Depois, especialmente nos últimos 10 minutos, veio a reação desesperada do Grêmio. Duas ou três vezes o Vasco salvou-se com sorte e noutra Mazzaropi fez uma excelente defesa com o pé. Mas o Grêmio não merecia o empate, pois cometeu o pecado de tentar defender muito cedo o marcador.” (José Inácio Werneck, Jornal do Brasil, segunda-feira, 25 de agosto de 1975)

—–

1975 vasco fora gol dé js1975 vasco fora gol de Ronaldo Theobald JB

VASCO MOSTRA RAÇA E VIRA O JOGO DE NOVO: 2 A 1

Com uma atuação firme e decidida, o Vasco venceu o Grêmio por 2 a 1, ontem à tarde, em São Januário, confirmando que é forte candidato ao bi-campeonato. Os gols foram marcados por Zequinha e Roberto, no primeiro tempo, e Dé, no segundo. O time carioca podia ter marcado o terceiro gol, mas não contou com a ajuda da sorte, num lance de Jair Pereira, que tentou surpreender Picasso, chutando de longe, mas a bola cobriu o travessão.

Os primeiros cinco minutos foram de estudos. Depois a iniciativa do jogo foi do Vasco, que foi logo à frente numa jogada de contra-ataque, onde Dé e Roberto envolveram a defesa do Grêmio. Depois dos dez minutos o Grêmio passou a marcar sob pressão, para não dar campo para o Vasco armar as jogadas. E foi assim que conseguiu abrir o escore.

O Vasco não se entregou e partiu para o empate. Dos 15 aos 30min, as jogadas de perigo foram todas do time de São Januário. Nos minutos finais do primeiro tempo, o Vasco forçou o jogo e acabou empatando.

O Vasco voltou para o segundo tempo com Celso Alonso em lugar de Alfinete que sentiu dores musculares na coxa esquerda. A alteração não quebrou o ritmo e entrosamento da equipe que passou a dominar o Grêmio até marcar o gol da vitória. O time gaúcho reagiu, mas o Vasco estava bem armado, suportou bem a pressão adversária e continuou jogando como se estivesse decidindo um título. Foi uma vitória justa. O Grêmio teve o mérito de lutar durante os 90min. Os três minutos finais foram todos do time porto-alegrense, mas a defesa do Vasco suportou e garantiu o escore.

OS GOLS

GRÊMIO 1 a O — O Jogo estava muito corrido, com os dois ataques procurando abrir o escore. O Vasco vai à frente, numa boa jogada de Zanata para Roberto, Ancheta cortou e entregou a Bolivar que com um toque rápido, passou para o lateral-dlreito Wilson, já na frente como um ponta-direita. Wilson centrou à meia altura para Zequinha, que emendou de primeira, marcando o primeiro gol, aos 19 minutos.

VASCO 1 a 1 — O Vasco passou cinco minutos praticamente dentro da área do Grêmio, forçando o Jogo pelas pontas. A defesa do Grêmio se defendia bem. Mas aos 42 minutos, Luis Carlos passou por Wilson e centrou, Roberto de lado para o gol, cabeceou com violência, vencendo Picasso, que ainda tentou a defesa.

VASCO 2 a 1 — Domínio total do Vasco, com o Grêmio se defendendo da melhor maneira possível. O meio-decampo do Vasco Jogando dentro do campo adversário. Aos 20 minutos, confusão na área do Grêmio a bola sobrou para Dé, que chutou para desempatar.” (Jornal dos Sports, segunda-feira, 25 de agosto de 1975)

—–

1975 vasco fora dinamite js

GRÊMIO SENTIU A BARRA PESADA NO 1º TEMPO

O Vasco foi bem melhor no primeiro tempo, apesar de o Grêmio fazer vários contra-ataques perigosas. O time gaúcho cuidou mais do seu sistema defensivo, por isso os primeiros minutos foram lentos. Depois o jogo ganhou maior movimentação. Aos 5 minutos, numa tabela, entre Dé e Roberto, quase o Vasco abriu o escore, Picasso agarrou firme a bola chutada por Dé. Mas o Grêmio marcou primeiro, quando o Vasco era melhor.

7 minutos — Dé foi lançado, passou por Wilson, ficou com boa situação para marcar, foi empurrado por Ancheta, mas o juiz mandou seguir o lance. O Vasco continuou dominando e, aos 10 minutos, Luís Carlos centrou para Roberto, que matou a bola no peito, chutou mas Picasso defendeu.

15 minutos — Tarciso foi lançado por Bolivar, passou por Alcir, mas Renê salvou, chutando para a frente.

18 minutos — Boa jogada do ataque do Vasco mas a defesa do Grêmio
defendeu bem, salvando a situação. No minuto seguinte, o Grêmio abriu o escore, num bom chute de Zequinha Aos 23, novo ataque rápido do time gaúcho que Joel salvou chutando a bola para a arquibancada.

33 minutos — Cacau avançou, Renê foi na jogada, se apoiou no adversário e a jogada prosseguiu, com a defesa aliviando.

37 minutos — Falta de Beto em Zanata. O apoiador cobrou por cima, dando a impressão de gol.

40 minutos — Luis Carlos cobrou córner, Picasso falhou na jogada. Tocou mal na bola mas ninguém aproveitou o lance.

44 minutos — Nova falta de Beto. Zanata cobrou e Picasso agarrou firme.

O Vasco conseguiu manter a bola mais tempo em seu poder, criando assim mais jogadas. Seus ataques eram mais rápidos, mas a defesa do time de Porto Alegre tinha sempre em Ancheta um jogador eficiente. Picasso orientou muito sua linha de zagueiros, principalmente quando a bola caía nos pés do atacante Dé. Ele gritava e gesticulava. Roberto também foi sempre uma preocupação para o goleiro, que só deixou passar dois gols, numa tarde em que o Vasco esteve bem

FIRMEZA DE MAZAROPI TRANQÜILIZOU A EQUIPE

Os primeiros minutos mostraram o time do Vasco com mais disposição. Com cinco minutos de jogo, fez dois ataques perigosos. O Grêmio recuou seu meio-campo, para garantir o empate. Só atacou em jogadas isoladas. Mas nos dez minutos finais, o Grêmio tentou o empate no desespero, mas a defesa do Vasco, com Renê em primeiro plano, garantiu a vitória.

Ao primeiro minuto desta fase o Vasco foi à frente. Zanata lançou Dé, que entrou pela área e foi agarrado por Ancheta, chegando a cair, o juiz não marcou o pênalte, com a torcida vaiando. Aos 7 minutos nova tabela entre Dé e Roberto, mas Beto rebateu firme, evitando o perigo.

No minuto seguinte, Jogada sensacional de Jair Pereira, de fora da área, tentando encobrir o goleiro. A bola bateu na rede, junto ao travessão dando a impressão de gol.

Aos 11 minutos, penetração de Cacau, mas Mazaropi numa grande defesa salvou. Nesse lance o goleiro do Vasco deu tranquilidade à sua defesa.

21 minutos — Neca, impedido invalidou uma boa jogada do ataque do Grêmio.

25 minutos — Jair Pereira lançou Dé. Beto salvou colocando a córner.

27 minutos — Vasco perde grande chance de aumentar o escore. Luís Carlos, em boa situação, se atrapalhou na hora de chutar e permitiu que a defesa do Grêmio salvasse.

Mazaropi teve muito trabalho nos minutos finais. O time do Grêmio foi todo à frente, em busca do gol de empate. Tarciso, Loivo, Nenê e Valdir deram chutes perigosos e num deles do lateral-direito, o goleiro do Vasco salvou de pé. Foi um lance de muito perigo. O jogo terminou com a bola no meio-de-campo, com Jair Pereira caído, sofrendo falta de Beto.” (Jornal dos Sports, segunda-feira, 25 de agosto de 1975)

1975 vasco fora guaiba

Fotos: Ronaldo Theobald (Jornal do Brasil) Juscelino Sorrentino e Jair Motta (Jornal dos Sports)

Vasco 2×1 Grêmio

VASCO: Mazarópi; Paulo César, Joel Santana, Renê e Alfinete (Celso Alonso); Alcir, Zanata e Luís Carlos; Jair Pereira, Roberto Dinamite e Dé.
Técnico: Mário Travaglini

GRÊMIO: Picasso, Vilson Cavalo, Ancheta, Beto Bacamarte e Sérgio Vieira; Bolívar (Loivo), Cacau (Osmar) e Neca; Zequinha, Tarciso e Nenê
Técnico: Ênio Andrade

Brasileirão 1975 – Primeira Fase – 2ª Rodada
Data: 25 de agosto de 1975, domingo, 16h00min
Local: São Januário, no Rio de Janeiro – RJ
Público: 18.373 pagantes
Renda: Cr$ 289.220,00
Árbitro: José de Assis Aragão
Auxiliares: Wilson Dias Durão e José Valeriano Correia
Gols: Zequinha, aos 19 minutos e Roberto Dinamite aos 42 minutos do primeiro tempo; Dé, aos 20 minutos do segundo tempo

Brasileirão 1975 – Cruzeiro 3×1 Grêmio

September 7, 2019
1975 cruzeiro 3x1 gremio zh zequinha

Foto: Zero Hora

Em 8 de fevereiro de 1975, Cruzeiro e Grêmio se enfrentaram pela última rodada da segunda fase do Brasileirão. Apesar da derrota, o tricolor conseguiu a classificação para o etapa seguinte.

Interessante notar na foto acima que Zequinha está usando um calção da Adidas, enquanto a camisa da equipe do Grêmio não tinha fornecedor aparente naquela temporada.

1975 cruzeiro 3x1 gremio zh palhinha beto fuscao

Foto: Zero Hora

TIME DE ÊNIO DOMINOU O JOGO. O DE ZEZÉ FEZ GOLS.
O Grêmio encerrou sua participação na fase semifinal da Copa Brasil de forma melancólica. Perdeu para o Cruzeiro ontem de 3 a 1, sendo completamente dominado pelo adversário, que jogou sem quatro titulares. A equipe gaúcha atuou muito lenta e chega hoje a Porto Alegre, dependendo do resultado de outros times para se classificar.

DOIS GOLS

O resultado do jogo entre Fluminense e Remo (2 a 0 para o time carioca), à tarde no Maracanã, trouxe maior tranquilidade aos jogadores do Grêmio para enfrentar o Cruzeiro. Pois a necessidade de vitória já não era tão grande assim. Um empate já era suficiente para o time de Enio Andrade chegar em Porto Alegre classificado.

Assim os jogadores gaúchos começaram tocando a bola, esperando o adversário em sua defesa O Cruzeiro sem quatro titulares, perdendo muito sua força, entrou logo no jogo do Grêmio. A partida ficou -concentrada entre as duas intermediárias com as defesas levando vantagem sobre os ataques. E o meio campo do time mineiro conseguia dominar o do sul, pois Zé Carlos e Eduardo se desmarcavam com facilidade de Neca e lura.

Mas o Grêmio que teve a primeira boa situação de gol do jogo. Aos 17 minutos, Neca cabeceou livre com Raul e o goleiro espalmou a bola para escanteio. E as jogadas pelo alto se tornaram a melhor solução ofensiva para o time gaúcho, principalmente porque a zaga do Cruzeiro não conseguiu pular com o ataque do Grêmio. O gol da equipe de Ênio Andrade acabou acontecendo com uma bela cruzada para a área mineira

Aos 22 minutos, Tarciso disputou uma jogada na ponta direita e sofreu falta. Zequinha bateu alto, Loivo pulou com Darei e a bola sobrou entre Vanderlei e Tarciso. O jogador mineiro errou na cabeçada e o centro-avante deu um bico forte na bola, sem chance para a goleiro adversário. Três minutos depois o Grêmio quase amplia o marcador. Zequinha, cruzou de novo para a área do Cruzeiro e Neca Cabeceou rente a trave de Raul. Essa foi a última boa jogada do time gaúcho. Depois disso, quem passou a dominar foi a equipe mineira.

E o Cruzeiro cercou o Grêmio em sua defesa até conseguir o gol de empate. Feito no primeiro chute que seu ataque concluiu a gol. Aos 37 minutos, Eduardo tentou passar a bola a Palhinha. Dentro de sua área, Wilson dominou a jogada e passou a bola para Eli, ponteiro adversário. Que mesmo surpreso com o verdadeiro presente, ainda teve calma para ajeitar a bola e chutar rasteiro, na saída desesperada de Picasso. O primeiro tempo terminou com o time mineiro tentando fazer seu segundo gol e com os jogadores gaúchos perturbados. Tanto que Iúra levou cartão amarelo, per reclamação.

PALHINHA

O segundo tempo começou com surpresas: o Grêmio jogando com mais velocidade, o Cruzeiro chegando com muita facilidade à área gaúcha. Até os cinco minutos, o ataque concluiu duas vezes com Perigo para o gol de Picasso. Aos sete minutos, fez seu segundo gol. Palhinha tabelou com Evaldo e no meio da confusa defesa do time gaúcho deu a boca para Eli. Que livre e de frente para Picasso, chutou de perna esquerda desempatando o jogo.

Em desvantagem no marcador, os jogadores gaúchos passaram a correr mais do que antes. Conduziam a bola com certa facilidade até a área adversária, mas não conseguiam vencer a defesa mineira. E o Cruzeiro aproveitava os avanços do Grêmio para contra-atacar com perigo. Ênio Andrade resolveu então mexer em seu time. Tirou lura e colocou Luis Carlos. Pouco depois foi a vez de Loivo sair para Nenê entrar.

A equipe gaúcha melhorou um pouco, mas não suficiente para empatar a partida E o Cruzeiro ainda trocou Evaldo e Eduardo por Valdo e Isidoro, reforçando seu sistema defensivo. Que aguentou bem a pressão do Grêmio até o fim. E fazendo seu terceiro gol aos 44 minutos, através de Palhinha, que aproveitou um erro de toda a defesa gaúcha para vencer Picasso.” (Zero Hora, domingo, 9 de novembro de 1975)

“Palhinha preferiu explicar a vitória dos mineiros de uma maneira mais técnica, analisando a maneira do time misto jogar:

— O Cruzeiro venceu porque soube aproveitar praticamente todas as chances de gol que teve durante o jogo. Jogamos certo, pelas pontas e penetrando, fomos felizes e ganhamos. A defesa do Grêmio esteve bem mas, na minha opinião o mérito dos atacantes do Cruzeiro é que deve ser reconhecido.” (Zero Hora, domingo, 9 de novembro de 1975)

1975 cruzeiro 3x1 gremio zh neca raul

Foto: Zero Hora

1975 chamada gaucha

CRUZEIRO: Raul; Dick, Darci Menezes, Morais e Vanderlei; Eduardo Amorim (Isidoro), Eli Mendes e Palhinha; Zé Carlos, Evaldo (Valdo) e Jésum .
Técnico: Zezé Moreira

GRÊMIO: Picasso; Vilson, Ancheta, Beto Fuscão e Bolívar; Osmar, Iura (Luis Carlos) e Neca; Zequinha, Tarciso e Loivo (Nenê)
Técnico: Ênio Andrade

Brasileirão 1975 – 2ª Fase – 10ª Rodada
Data: 8 de novembro de 1975
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte – MG
Público: 10.595
Renda: Cr$ 107.080,00
Árbitro: Arnaldo César Coelho
Auxiliares: Rubens Paulis e Edir Pires Teixeira
Cartões Amarelos: Zé Carlos e Eli
Gols: Tarciso, aos 22 minutos e Eli, aos 38 minutos do primeiro tempo. Eli, aos 7 e Palhinha aos 43 minutos do segundo tempo

Brasileirão 1975 – São Paulo 1×2 Grêmio

August 30, 2019
1975 sao paulo fora brasileirao neca zh b

Foto: Zero Hora

No Brasileirão de 1975, o Grêmio chegou sem chances de classificação para as semifinais na penúltima rodada da terceira fase. O São Paulo ainda tinha remotas chances matemáticas de prosseguir na competição. E os tricolores se enfrentaram no Morumbi, num jogo que serviu como preliminar de Portuguesa x Sport.

O Grêmio, treinado por Ênio Andrade, ganhou por 2×1 com gols de Zequinha e Neca.

Vale apontar para o fato da matéria da Zero Hora considerar Tarciso como grande batedor de pênaltis (dois anos depois ele erraria uma cobrança na final do Gauchão).

1975 sao paulo fora brasileirao d zh c

Foto: Zero Hora

DEPOIS DE PERDER PÊNALTI, NECA GARANTIU A VITÓRIA

Jogando uma partida em que mais uma vez que parecia que ia empatar, o Grêmio conseguiu ontem, depois de nove partidas sem vitórias, ganhar do São Paulo por 2 x 1. Os gols foram de Zequinha, aos 9 minutos, Serginho para o São Paulo aos 44 min e Neca, desempatando aos 40 min da segunda etapa para o Grêmio.

DOIS GOLS

A disposição do Grêmio em fazer uma boa partida começou cedo no jogo de ontem à tarde no Morumbi. A um minuto uma troca de passes entre Neca, Nenê e Claudinho quase termina em gol. E logo o Grêmio iria marcar. Aos 9 minutos, Nenê livrou-se de dois jogadores do São Paulo, deu para Neca, Neca lançou Zequinha a curta distância o chute saiu forte, rasteiro, no canto esquerdo de Valdir Peres. 1×0 para o Grêmio.

O gol talvez tenha vindo mais depressa de, que os paulistas calculassem, pegando o São Paulo de surpresa. Até que o time reagisse, o Grêmio mandou à vontade no jogo. Neca e Nenê tiveram espaços a vontade e foi dali que partiram as melhores jogadas no Grêmio na primeira etapa.

Mas o São Paulo não se acomodou. Pedro Rocha começou a jogar, destruindo as jogadas de meio de campo, anulando a função de Neca, que vinha sendo o melhor jogador do Grêmio até a altura dos 20 minutos. Já aos 13 minutos, Murici, que vinha jogando mal, perdeu um gol certo ao chutar muito mal. Depois desse lance o São Pauto aumenta a pressão que só vai terminar aos 44 minutos com o gol de Serginho. Antes do gol entretanto, o São Paulo andou bem perto do empate. Aos 25 minutos aconteceu uma jogada em que a bola tocou no braço de Beto Fuscão dentro da área. Os jogadores do São Paulo não se manifestaram e o jogo continuou. Aos 43 minutos Wilson foi o protagonista de uma jogada tão engraçada quanto sensacional. Pedro Rocha mandou uma bola para o Serginho entre Beto Fuscão e Ancheta. Ancheta na cobertura se confundiu com Vilson que também vinha na jogada. O lateral, então, na tentativa de aliviar acabou acertando um chute violento na forquilha esquerda do gol de Picasso.

Logoo depois, aos 44 minutos , o gol de empate do São Paulo. Outra jogada de Pedro Rocha, Zequinha estava recuado tentou defender mas cabeceou mal, e a bola caiu atrás com Serginho, que chutou em cima de Picasso. São Paulo 1×1. Foi a terceira oportunidade de Serginho. A segunda, ele tinha perdido numa bola no travessão de Picasso.

O PENALTI

A boa impressão do time do Grêmio no primeiro tempo aos poucos vai desaparecendo com a má finalização dos jogadores de ataque, principalmente Osmar e Claudinho. Beto Fuscão jogando recuado e Wilson dispersivo no ataque não acrescentaram quase nada a equipe. Aos 3 minutos uma bola que estava mais para Neca acabou longo do gol num chute errado de Wilson.

Aos 9 minutos Poy substitui Zé Carlos por Sergio Américo e aos 22 entra Ademir no lugar do lateral direito Osmar. A entrada de Ademir dá mais movimentação ao São Paulo, sempre alimentado por boas jogadas de Pedro Rocha, muito melhor no segundo tempo. Aos 20 minutos Pedro Rocha entrou correndo, largou para Murici, a bola bateu em Picasso e se não fosse Beta Fuscão, aliviando na frente do gol vazio, o São Paulo já teria desempatado. O Grêmio não melhora, Nenê se confunde em jogadas complicadas e aos 28 minutos acontece uma substituição esquisita do Grêmio. Ênio Andrade tira Claudinho, colocando Iúra em seu lugar.

Aos 34 minutos aconteceu o lance do pênalti. Tecão perdeu a bola para Nenê dentro da área e derrubou o ponta esquerda do Grêmio. O juiz marcou pênalti. Neca, ao cobrar, resbalou e a bola foi para fora. Parecia que o Grêmio iria terminar outra partida sem vitória. Mas Neca com um gol que o redimiu completamente depois do gol perdido no pênalti, deu a vitória ao Grêmio, aos 40 minutos depois de nove partidas sem vitória nesta Copa Brasil.

No Grêmio ninguém teve uma grande atuação individual. Neca foi o melhor em campo, mas teve um defeito que poderia comprometê-lo mais ainda: o fato de errar um pênalti. No São Paulo, também nada a destacar: Valdir Perez, Tecão, Pedro Rocha e Serginho os melhores.”  (Zero Hora, domingo, 30 de novembro de 1975)

SÓ TARCISO SABE BATER PÊNALTIS

Um pênalti de Tecão sobre Nenê aos 34 minutos do segundo tempo, bem marcado pelo iuiz Saul Mendes, mostrou mais uma vez que o Grêmio não tem quem chute corretamente este tipo de falta quando o centroavante Tarciso está ausente. Os paulistas que assistiam ao iogo de sábado à tarde no estádio do Morumbi ficaram surpresos pois, apesar da má campanha do Grêmio neste Campeonato Brasileiro, eles lembram que Ênio Andrade, como jogador do Palmeiras, foi um excelente cobrador de pênaltis. Por analogia, deveria ensinar melhor seus jogadores.

Contra o Coritiba, no Olímpico, ainda pela fase semifinal, Tarciso havia sido expulso de campo e o Grêmio, perdendo por 2 a 1, teve um pênalti a seu favor. Zequinha, escolhido para bater, chutou fraco, permitindo que Jairo agarrasse firme. No jogo de sábado contra o São Paulo, Neca foi o escalado e, apesar de Valdir Perez saltar para o lado esquerdo, o meia-cancha do Grêmio chutou fraco e completamente torto, longe da trave direita do São Paulo.

Quem observa atentamente os treinos diários no Olímpico pode ver claramente que só Tarciso chuta bem. Batendo no meio da bola e com muita força, o centroavante evita que a bola vá por cima do gol, ao mesmo tempo que — com a força — tira a possibilidade do goleiro adversário defender instintivamente, no reflexo.

NECA

Na próxima quarta-feira o Grêmio enfrenta o Sport de Recite no estádio Olímpico e encerra sua participação no Campeonato Brasileiro de 1975. Exatamente há nove partidas sem vitória, ninguém mais acreditava que o time dirigido por Ênio Andrade conseguisse ganhar do São Paulo depois que Neca chutou completamente desviado o pênalti de Tecão em Nenê no segundo tempo.

Entretanto, o próprio Neca fez o gol da vitória nos últimos minutos de jogo. Aproveitando outra boa jogada de Nenê pela esquerda, Neca recebeu a bola na entrada da área e chutou forte, de pé esquerdo, no ângulo direito de Valdir Perez. Foi o seu 12° gol neste campeonato, que o coloca entre os principais goleadores do pais, apesar de jogar na meia-cancha de um time que só venceu seis das 27 partidas disputadas. E muito embora esse jogo nada decidisse para o clube, mais uma vez Neca definiu uma partida em favor do Grêmio e deu a seus companheiros uma gratificação que eles não recebiam há quase 50 dias.” (Zero Hora, domingo, 30 de novembro de 1975)

A renda de Cr$ 107.011,00 não diz, nem por acaso, o que era o público presente ao Morumbi ao início do togo entre Grêmio e são Paulo, a preliminar da rodada dupla. Quem chegasse às 16 horas no estádio do São Pauto pensaria que o início do jogo havia sido retardado. Chegava a ser simplesmente ridículo o número de torcedores que estavam se arriscando a “tomar um banho” de chuva para ver uma partida de futebol que não tinha interesse para nenhum dos dois time. E depois do jogo, um torcedor do São Paulo exclamava desanimado, enquanto aguardava o início de Portuguesa e Sport: “Pelo menos a música do alto-falante ajuda a pagar o ingresso” (Zero Hora, domingo, 30 de novembro de 1975)

1975 sao paulo fora brasileirao a zh c

Foto: Zero Hora

GRÊMIO VENCE PELA 1.ª VEZ

São Paulo — O São Paulo, que na fase preliminar do Campeonato Nacional foi uma das equipes mais positivas, deu ontem mais uma demonstração de sua má fase, perdendo para o Grêmio em seu estádio, no Morumbi, por 2 a 1 em partida preliminar de Portuguesa e Esporte.

O Grêmio abriu a contagem no primeiro tempo através de Zequinha, mas cedeu o empate ao São Paulo, este com tini gol marcado por Serginho. No segundo tempo, o Grêmio desperdiçou um pênalti cobrado para fora por Neca, que viria a assinalar o gol da vitória quase ao final do jogo.

A partida, tecnicamente fraca, sofreu seguidas vaias da torcida e teve ainda um pênalti não assinalado pelo Juiz Saul Mendes, a favor do Grêmio e um lance curioso, de Serginho, que defendeu para o adversário uma jogada de Pedro Rocha (gol certo) na linha do travessão.” (Jornal do Brasil, domingo, 30 de novembro de 1975)

 

VITÓRIA DO GRÊMIO, UM JUSTO CASTIGO PARA O SÃO PAULO

O São Paulo perdeu ontem, ao ser derrotado pelo Grêmio, por 2 a 1, no Morumbi, suas últimas esperanças de tornar-se um dos finalistas da Copa Brasil. O resultado bastante justo, pois o Grêmio foi a melhor equipe durante todo o jogo, enquanto o São Paulo não passou de um time lento e desordenado, em todos os setores.

No primeiro tempo, depois de uma ou outra boa jogada no ataque, onde Murici tramava bem com Terto, o São Paulo foi surpreendido por um rápido contra-ataque. Neca lançou Nenê, pela esquerda, este passou bem por Osmar e virou o Jogo completamente para a direita, quando esperava-se que seguiria para a linha de fundo. A bola foi encontrar Zéquinha às costas de Gilberto. O chute enganou Valdir Peres. Era o primeiro gol, aos 8 minutos.

Depois do gol, o Grêmio empolgou-se e o São Paulo recuou. Pedro Rocha, que vinha tendo uma atuação medíocre, resolveu levar o time à frente. Passou a jogar mais adiantado e tramar bem pela direita procurando Terto, trocando de posição com Murici e Serginho pelo meio. Zé Carlos recuou e o São Paulo passou então a ler bons momentos ofensivos. Mas foi por pouco tempo, pois o meio campo do Grêmio passou a mandar no jogo, obrigando o São Paulo a recuar novamente. Aos 44, num contra ataque, Serginho, quase sem ângulo, finalizou bem para empatar.

No segundo tempo, os dois times mostravam-se cansados e o jogo foi se tornando cada vez mais monótono. O Grêmio, mesmo atuando mal, era quem mais atacava, aproveitando-se principalmente das falhas de Osmar e depois de Ademir, para explorar o lado direito. Aos 35 minutos, Nenê foi derrubado por Tecão dentro da área Néca desperdiçou o pênalti, chutando fora. Cinco minutos mais tarde, Neca venceu Paranhos e marcou o gol da vitória.” (Folha de São Paulo, domingo, 30 de novembro de 1975)

1975 sao paulo fora brasileirao chamada gaucha

São Paulo 1×2 Grêmio

SÃO PAULO: Waldir Perez; Osmar (Ademir), Paranhos, Tecão e Gilberto; Chicão, Pedro Rocha e Muricy Ramalho; Terto, Serginho Chulapa e Zé Carlos (Sérgio Américo)
Técnico: José Poy

GRÊMIO: Picasso; Vilson (Beto Bacamarte), Beto Fuscão, Ancheta e Bolivar; Luís Carlos, Osmar, Nenê, Zequinha, Neca e Claudinho (Iura).
Técnico: Enio Andrade

Brasileirão 1975 – Fase Final – Grupo B – 6ª Rodada
Data: 29 de novembro de 1975, sábado, 16h00min
Local: Estádio Morumbi, em São Paulo-SP
Público: 7.084 pagantes
Renda: Cr$ 107.011,00
Árbitro: Saul Mendes
Auxiliares: Edu Monteiro e Bartolomeu Vaz Londello
Cartões amarelos: Bolivar
Gols: Zequinha, aos 09 minutos do 1º tempo. Serginho Chulapa, aos 44 minutos do 1º tempo; Neca, aos 40 minutos do 2º tempo