Archive for the ‘Brasileirão 1987’ Category

Brasileirão 1987 – Grêmio 2×0 Bahia

October 15, 2022
https://64.media.tumblr.com/5ad71eba8e2e1fa713e7cb0aa76669ba/7fa5e15986e74d06-8a/s1280x1920/107d451d8a393d901e7a9bb0a760eb107f6b6bcb.jpg

Foto: Paulo Dias (Zero Hora)

Há 35 anos, o Grêmio venceu o Bahia no Olímpico pelo Brasileirão de 1987. Como se vê nas matérias abaixo, o técnico Felipão, ao sacar o então camisa nove titular Lima, decidiu improvisar Cuca no seu lugar (ao invés de escalar o reserva imediato, o centroavante Gaúcho).

A idéia deu certo e Cuca marcou o segundo gol da vitória por 2 a 0. As matérias transcritas abaixo dão conta que o Grêmio ainda tinha chances se classificar para as semifinais. Quem acabou terminando na primeira posição do grupo A no segundo turno foi o Atlético Mineiro, que também já havia sido o líder do primeiro turno. Curiosamente o regulamento da Copa União previa que nesse caso se classificaria o segundo colocado do grupo no segundo turno (que foi o Flamengo), e não o segundo melhor colocado na soma dos turnos (que acabou sendo o Grêmio).

https://64.media.tumblr.com/f158186512173f98d923005d65146caf/56e111a9477b5329-25/s1280x1920/6b140b3d858fb58803f88d0dbccb1819fb9fda1c.jpg

Foto: Paulo Dias (Zero Hora)

https://64.media.tumblr.com/aa1d7ab936e8f93ecb70a61270169865/56e111a9477b5329-42/s1280x1920/e6f601d056b88513b2a6e066859d055dba81dca9.jpg

Foto: Paulo Dias (Zero Hora)

 

“GRÊMIO DERROTA BAHIA E FICA BEM
O Grêmio venceu o Bahia ontem à tarde no Estádio Olímpico, e melhorou a sua situação no returno do grupo A da Copa União, agora com quatro pontos ganhos, tendo ainda possibilidades de classificação às semifinais.

Aos 12 minutos do primeiro tempo, Fernando cruzou e Amaral completou de cabeça: Grêmio 1 a 0. Aos 32, Cuca chutou e a bola ainda bateu num jogador do Bahia (Sales) antes de entrar: 2 a 0. No segundo tempo, o Grêmio voltou com Henrique na lateral-esquerda (em lugar de Casemiro, lesionado) e China na zaga, voltando ao time.” (Zero Hora, domingo, 08 de novembro de 1987)

 

Image

Foto: Nico Esteves (Placar)

GRÊMIO VENCE BAHIA E SE SENTE LÍDER POR POUCO TEMPO
PORTO ALEGRE— Mesmo sem realizar grande partida, o Grêmio recuperou-se da derrota para o Botafogo e conseguiu sua primeira vitória no segundo turno, ao derrotar o Bahia por 2 a 0 (gols de Amaral e Cuca), no Estádio Olímpico. A vitória levou o Grêmio da penúltima colocação no grupo A para a liderança com quatro pontos ganhos, ao lado de Bahia, Corintians e Atlético Mineiro. No entanto, a liderança do Grêmio não durou mais de poucos minutos. No Maracanã, o Flamengo derrotou o Palmeiras e ficou isolado na frente.

O técnico Paulinho de Almeida deve estar arrependido de ter armado o Bahia sem centroavante e com cinco jogadores no meio-campo. O time demonstrou-se  desentrosado. A defesa, em conseqüência da desorganização do meio-campo, esteve péssima. Disso se aproveitou o Grêmio que, com jogadas pelas pontas, chegou à vitória ainda no primeiro tempo. O primeiro gol surgiu aos 12 minutos: Fernando foi lançado, chegou à linha de fundo e cruzou para Amaral marcar de cabeça. Cuca fez o segundo, aos 32, após falha de Rogério.” (Jornal do Brasil, domingo, 08 de novembro de 1987)

https://64.media.tumblr.com/af72c97d7a7f6cf9aa930c3c95285609/7fa5e15986e74d06-9e/s1280x1920/a5983b4e0e22c387b63269206f635ca64dbf32d3.jpg

GRUPO A – O GRÊMIO DECIDE OUSAR NA LUTA PELA VAGA E BARRA LIMA

[…]

Sábado, o tricolor gaúcho despachou o Bahia com um 2 x O e entrou mais uma vez na briga pela vaga. Para isso, o técnico Luís Felipe foi obrigado a ousar: durante a semana decidiu que o ídolo Lima sairia do time.

Autor de apenas dois gois em onze jogos. Lima iria ficar no banco contra o Bahia. Na véspera, entretanto, sentiu uma contusão. “Não estou aqui para dar cartaz para A ou B”, justificava Luís Felipe, que adiantou o meia Cuca para o comando do ataque e escalou Cristóvão no meio-campo. Deu certo. Cuca marcou um gol e o reabilitado Cristóvão foi escolhido como o melhor em campo.

Movimentando-se sempre com inteligência, Cristóvão desfilou técnica em quase todas as jogadas. “Foi o melhor baiano no gramado”, era uma das brincadeiras que ele ouvia depois. Para completar a alegria do meia, duas mulheres especiais testemunharam sua atuação. Valdelice, a sua mãe, telefonou antes do jogo desde Salvador apostando que ele faria uma grande partida. Conferiu pela televisão o acerto da previsão. E Leninha, sua mulher, estava nas cadeiras do Olímpico aplaudindo-o.

O DESABAFO – Antes de ir à casa do goleiro Mazarópi para comemorar a vitória, Cristóvão aproveitava para desabafar contra alguns jornalistas influentes “que levaram a torcida a ficar com birra comigo, até o ponto de eu ser sacado do time”. Essa fase é coisa do passado. Luís Felipe garantia que o jogador havia ganho a posição. “O Cristóvão estava arrebentando nos treinos”, reconhecia. “Ele aproveitou a chance e vai continuar na equipe.” (Placar, edição n.º 911, 16 de novembro de 1987)

https://64.media.tumblr.com/ae86d08fba0c6969c1451cc609290f9a/7fa5e15986e74d06-ec/s1280x1920/59a832750c56395e35e1b068729130e520ea0923.jpg

https://64.media.tumblr.com/cc2535e7ed4ac1b33c70bb3426bdd595/7fa5e15986e74d06-f8/s1280x1920/63fa1c291149bd1f5b2da4ae701a53f89299c461.jpg

https://i.imgur.com/dnT8Cnk.png

GRÊMIO: Mazaropi; Alfinete, Henrique, Luis Eduardo e Casemiro (China); Amaral, Cristóvão e Bonamigo; Valdo, Cuca e Fernando (Darci).
Técnico: Luis Felipe Scolari

BAHIA: Rogério; Zanata, Edson Mariano (Pereira), Claudir e Edinho; Sales, Serginho (Hélio) e Lulinha; Gil, Bobô e Edu.
Técnico: Paulinho de Almeida

Brasileirão 1987 – Grupo A – 2º Turno – 4ª Rodada
Data: 07 de novembro de 1987, sábado, 16h00min
Local: Estádio Olimpico, em Porto Alegre, RS
Público: 7.828 pagantes
Renda: Cr$ 846.850,00
Árbitro: Arnaldo César Coelho
Auxiliares: Luis Antonio Lima e Jorge Dutra

Brasileirão 1987 – Grêmio 0x0 Cruzeiro

August 19, 2022
https://64.media.tumblr.com/ddda5ef23805b403e40cec78cbdfd999/fd3bf10634894d6c-4e/s1280x1920/325be1cc73b0dc34e7cadd40bc05654c3dce78f6.jpg

Foto: René Cabrales (Diário do Sul)

No Brasileirão de 1987, o Grêmio recebeu o Cruzeiro no Olímpico pela segunda rodada e não conseguiu sair do 0x0. Era o início da Copa União e, nas matérias abaixo, podemos ver o relato de uma confusão em relação ao horário de início das partidas, que era mais um ponto de disputa entre os clubes e a CBF.

Olhando para os uniformes dá pra notar duas coisas. Os dois times ainda estavam sem o patrocínio da Coca-Cola, que só iria aparecer nas camisetas na 7ª rodada. Também vemos o Grêmio jogando com a camisa reserva mesmo sendo o mandante, um costume/orientação que permaneceu vigorando até o Brasileirão de 1995.

Por último, eu lembro bem das fogueiras que eram feitas, com jornais, na social e na arquibancada. Mas na minha memória isso só acontecia no final do jogo. Segundo à reportagem do Jornal do Brasil (transcrita abaixo) nesse dia as fogueiras foram feitas durante a partida.

https://i.imgur.com/ivUN2Th.jpg

GRÊMIO JOGA MAL E PÁRA NA RETRANCA DO CRUZEIRO
Time de Luís Felipe não soube vencer o bloqueio mineiro mas continua líder

Chegar a vitória era secundário. Para o Cruzeiro, o importante ontem era não perder para o Grêmio dentro do Estádio Olímpico, objetivo que foi alcançado graças a um esquema cauteloso e defensivo montado pelo técnico Jair Pereira. No final, um 0 a 0 justo, que não agradou à torcida gremista – as vaias ao final mostraram essa insatisfação – mas que mantém a equipe na liderança do Grupo A da Copa União, com três pontos ganhos, ao lado do Botafogo, Atlético e Palmeiras.

Apesar de sua proposta defensiva, foi a equipe mineira quem primeiro chegou com perigo à área adversária. Foi logo os 6 minutos, quando o habilidoso Cláudio Adão fez a “parede” e possibilitou a Heriberto entrar livre na grande área. Mazaropi salvou. A partir daí, embora sem criar grandes situações de gol, o Grêmio passou a dominar a partida e fazer uma pressão sobre a zaga do Cruzeiro. Neste período em que tentava dar o sufoco no bem fechado time mineiro, a única situação digna de ser registrada foi um chute de Valdo, aos 13, que o goleiro Gomes não segurou, possibilitando novo chute de Lima, este resultando numa lesão leve na mão do goleiro. Foi só, pois depois disso Bonamigo tentou de fora da área três vezes, mas sem assustar.

Como Astengo sentiu a lesão no pé e teve que sair no intervalo, entrou Cuca, ficando o centromédio Amaral como zagueiro. E Cuca deu maior movimentação ao Grêmio, atividade compensada pela entrada, no Cruzeiro, de Eduardo no lugar de Douglas (que jogara fora de sua melhor condição todo o primeiro tempo). Assim, ficou tudo na mesma, com o agravante de que neste segundo tempo nenhuma boa chance de gol foi criada, ao contrário das duas do primeiro. Não podia mesmo sair do 0 a 0 a partida. As defesas anularam completamente os ataques.” (Nico Noronha, Zero Hora, segunda-feira, 21 de setembro de 1987)

https://64.media.tumblr.com/7361b2482225d16ae3e07e4f135db20e/1edd3fcaf145622c-3d/s1280x1920/033ceb734d0065fc717e574eb75d8e1515778329.jpg

Foto: Adolfo Alves (Zero Hora)

POUCO FUTEBOL E MUITA DESORGANIZAÇÃO

A CBF conseguiu tumultuar a Copa União, em sua segunda rodada, ao marcar os jogos para as 18 horas e não para as 17, como estabelece o contrato da rede Globo com o Clube dos 13, para a transmissão das partidas ao vivo. Assim, Grêmio 0 x 0 Cruzeiro teve seu início retardado em uma hora, ontem no estádio Olímpico, o mesmo ocorrendo com os jogos Santa Cruz 0 x 0 Coritiba e Palmeiras 0 x 0 Santos. Respaldados pelos juízes dos jogos, Flamengo 2 x 1 Vasco e Bahia 1 x 1 São Paulo começaram no horário original, desobedecendo à entidade. Hoje, em Belo Horizonte, os dirigentes do Clube dos 13 promovem uma reunião onde pode ser anunciado o rompimento em definitivo com a CBF.

Se isso ocorrer, a Copa União se transformará num torneio independente, de caráter amistoso. Nesta reunião será anunciada também a tabela definitiva da competição e uma estratégia em comum do Clube dos 13 diante da batalha jurídica que a Copa União terá de enfrentar nos próximos dias, com a tentativa da CBF de controlar sua realização. Longe das manobras jurídicas, dentro de campo, os clubes mostraram equilíbrio de forças, pois a segunda rodada foi caracterizada por empates ou vitórias pelo escore mínimo.

Dos gaúchos, o Internacional, ao empatar no sábado com o Atlético Mineiro, em Belo Horizonte (0 a 0), apresentou um futebol defensivo, mas conseguiu o resultado que interessava e a liderança, por saldo de gols, do grupo B. O Grêmio, no entanto, não conseguiu vencer o Cruzeiro e passou para a terceira colocação na chave A, liderada pelo Atlético MG.

Tanto os jogos dos gaúchos quanto os realizados em outras capitais, mostraram um aumento médio de público, em torno de cinco mil pessoas, em relação à primeira rodada. Se os torcedores compareceram em maior número aos estádios, o bom futebol, no entanto, ficou ausente. Os resultados minguados mostraram que as defesas se impuseram aos ataques. No jogo do Inter contra o Atlético, houve poucas chances de gois embora as duas equipes na semana anterior tenham aplicado goleadas em seus adversários.

Já na partida do Grêmio, houve mais futebol, mas o esquema defensivo armado pelo Cruzeiro deu certo, pois o time mineiro veio buscar o empate e a equipe de Luís Felipe não conseguiu vencer o bloqueio adversário. Os dirigentes do clube gaúcho não gostaram do resultado, mas ficaram satisfeitos com o público: 18.004 pessoas pagaram ingresso, gerando a renda de. 1.567.450 cruzados. Quarta-feira, o Grêmio recebe o Vasco, campeão carioca, numa partida que tem tudo para se tornar um grande espetáculo, com excelente público. Se a CBF não parar a Copa União.” (Higino Barros, Diário do Sul, segunda-feira, 21 de setembro de 1987)

https://i.imgur.com/o8E9PTq.jpg

 

NO OLÍMPICO, JOGO TÃO FRIO COMO O TEMPO

PORTO ALEGRE — O começo de noite com temperatura baixa (o jogo foi iniciado às 18 horas) não recomendava a ida ao estádio, de arquibancadas úmidas. Mesmo assim, registrou o Estádio Olímpico a presença de mais de 18 mil pagantes, que resistiram, enquanto puderam, ao monótono toque de bola de Grêmio e Cruzeiro. Pouco antes do fim, os que permaneceram acenderam fogueiras para se aquecer. O placar de 0 a 0 diz o que foi o jogo.

No começo, o jogo foi razoável. O Grêmio pressionou mais, sem encontrar espaços no campo do Cruzeiro. Expunha-se, em contrapartida, a perigosos contra-ataques, principalmente quando Cláudio Adão era lançado.

O segundo tempo não foi diferente. As duas defesas fechadas, os goleiros movimentando-se para se manterem aquecidos e logo nos primeiros minutos já as fogueiras começavam a surgir em diferentes partes das arquibancadas. Nada tinha mudado, nem se modificaria, embora o Grêmio tivesse substituído um zagueiro por um atacante. Permaneceu o 0 a 0.” (Jornal do Brasil, segunda-feira, 21 de setembro de 1987)

https://64.media.tumblr.com/3bec1680ea778b6dbac613e474b30723/tumblr_nqtosx9Asw1unkqbzo1_1280.jpg

Foto: Nico Esteves (Placar)

“A RETRANCA AZUL
O campeão mineiro planta-se na defesa e segura os gaúchos no Olímpico. Insatisfeita, a torcida não perdoa nem o craque Valdo

O centroavante Lima tem cada uma! Ele embalava o fantástico sonho de marcar 28 gols na Copa União. Na estréia, contra o Coritiba, fez um. Domingo, diante do Cruzeiro, a realidade desabou sobre sua cabeça. “É, eu acho que estava exagerando”, reconhecia. “Vou ser o artilheiro, mas com essas retrancas aí o número de gols vai ser muito menor.”

O Grêmio, como conjunto, não havia feito planos tão mirabolantes como os de Lima. Mas a verdade é que o Cruzeiro frustrou suas expectativas. “Sinceramente, não esperava um adversário tão fechado”, lamentava o técnico Luís Filipe em tom de protesto. “Meu time, se fosse enfrentar o Cruzeiro no Mineirão, jogaria tão ofensivamente como o fez hoje.”

O ASTRO VAIADO — Do lado mineiro, o clima era de vitória. “Jogamos como já deveríamos ter feito contra o Palmeiras”, exultava o técnico Jair Pereira. “Avançávamos um pouquinho e recuávamos correndo.” Uma atitude antipática? Não. Antipático, Jair havia sido antes da partida, quando meteu a mão no peito de Valdo e impediu que o craque gremista entrasse no vestiário para cumprimentar o volante Douglas.

No que toca à estratégia, Jair recorreu à que considera a mais prudente no atual momento de sua equipe. “Ainda estamos lançando jogadores e não temos muito entrosamento”, justificava. Dos estreantes, a dupla de zagueiros Juninho e Heraldo esteve perfeita pelo alto. Cláudio Adão ficou isolado na frente e só fez uma boa jogada.

O ambiente gremista só não era pior porque se raciocinava em termos de compensação. “Perdemos um ponto em casa, mas havíamos ganhado dois fora”, lembrava Luís Filipe aos mais aflitos com o resultado e a atuação de Valdo. Parece mentira, mas até uma pequena vaia se ouviu ao maravilhoso negrinho. Muita gente pensa que sua cabeça está na Itália. O preparador físico Celso Roth esclarecia: “Ele voltou dos Jogos Pan-Americanos com os músculos completamente flácidos”. O caso do ponta-de-lança Cuca é diferente. Depois de um mês de prisão na Suíça, ele reapareceu surpreendentemente bem. Mas Valdo em forma é outra coisa — e o Grêmio depende de seu bom desempenho para furar retrancas como a de domingo. NOTA DO JOGO: 6” (Divino Fonseca, Placar, Edição n.º 904, 28 de setembro de 1987)

https://i.imgur.com/dnT8Cnk.png

GRÊMIO: Mazaropi; Alfinete, Astengo (Cuca), Luís Eduardo e Casemiro: Amaral, Cristóvão o Bonamigo; Valdo. Lima e Jorge Veras (Gaúcho)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

CRUZEIRO: Gomes; Balu, Juninho, Heraldo e Genilson: Ademir Kaefer, Douglas e Heriberto; Robson. Cláudio Adão e Edson
Técnico: Jair Pereira

2ª Rodada – 1ª Fase – Brasileirão 1987
Data: 20 de setembro de 1987, domingo, 18h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre, RS
Público: 18.004 pagantes
Renda: Cz$ 1.567.450,00
Juiz: Luís Carlos Félix
Auxiliares: José Carlos Moura e Luis Antônio Lima
Cartões Amarelos: Heraldo e Robson

Brasileirão 1987 – Grêmio 0x0 Atlético Mineiro

January 20, 2021

Foto: José Ernesto (Correio do Povo)

 

No Brasileirão de 1987, o Grêmio não conseguiu sair do 0x0 com o Atlético Mineiro no Olímpico, na primeira rodada do segundo turno. O Galo já tinha garantido vaga nas semifinais ao terminar o primeiro turno na primeira posição (dois pontos a frente do Grêmio) e terminaria na liderança também neste segundo turno.

Essa foi a primeira vez que o Grêmio usou a camisa reserva com o patrocínio da Coca- Cola (na camisa tricolor a marca apareceu duas  rodadas antes, no clássico Gre-Nal).

Foto: José Ernesto (Correio do Povo)

 

 

 

GRÊMIO EMPATA EM JOGO DECEPCIONANTE
Torcida foi ao Olímpico esperando um bom futebol contra o Atlético. No final, deixou o estádio frustrada

Quem foi ao Olímpico, ontem à noite, tinha todas as razões para acreditar que assistiria a um jogo cheio de emoções. Afinal, em campo estariam Grêmio e Atlético, as duas equipes de melhor campanha abrindo o segundo turno da Copa União. Mas o jogo que prometia ser um grande espetáculo acabou sendo uma decepção, terminando num triste 0 a 0. O resultado serviu apenas para o Atlético, que manteve sua invencibilidade e o conceito de melhor equipe da competição. Já o Grêmio só pode lamentar a perda de um precioso ponto, pois num grupo tão difícil é proibido empatar em casa. Agora, o time terá de recuperar esse ponto com uma vitória fora, de preferência Já na próxima rodada, quinta-feira, contra o Flamengo.

O time treinado por Telê Santana jogou mineiramente. Posicionou-se tranqüilo em seu campo e esperou o Grêmio atacar. E, como quem não quer nada, foi, aos poucos, arriscando algumas investidas tentando pegar a defesa desprevenida. Mas a defesa do Grêmio mostrou por que é a melhor da competição, anulando o ataque mais positivo.

O primeiro tempo foi jogado num ritmo arrastado, com as duas equipes chegando pouco na área para concluir. O Grémio até que forçou, mas ai parou no jogo duro do Atlético, favorecido por um árbitro condescendente. No segundo tempo, o Grémio acertou a marcação no meio-campo, controlando o time mineiro. Mas faltou mais força e criatividade no ataque. Lima e Jorge Veras foram inoperantes, facilitando o trabalho dos zagueiros do Atlético e do goleiro João Leite.” (Correio do Povo, 24 de outubro de 1987)

 

TÉCNICO TELÊ SANTANA ASSALTADO

O técnico Telê Santana foi assaltado na manhã de ontem, na esquina das ruas Jerônimo Coelho e Vigário José Inácio. O treinador do Atlético havia saído por volta das 8h, com a intenção de visitar o centro de Porto Alegre. Ao retornar ao Hotel Embaixador, às 9h15min, onde estava hospedado juntamente com os jogadores do time mineiro, foi abordado por um homem branco, cabelos pretos e aparentando 35 anos. Em ação rápida, o marginal enfiou a mão no bolso direito da calça de Telê, roubando-lhe Cz$ 500,00.

De posse do dinheiro, o ladrão correu em direção à Duque de Caxias. Algumas pessoas ainda tentaram segurá-lo. Mas as ameaças de puxar uma faca da cintura frustraram qualquer tentativa. Com o bolso rasgado e refeito do susto, Telê lembrou: “Pensei que fosse brincadeira de algum amigo, tentando me dar um susto”. (Correio do Povo, 24 de outubro de 1987)

 

Wianey Carlet – DECEPÇÃO
Grêmio x Atlético, em matéria de futebol, esteve muito longe da excelente platéia que se fez presente, ontem à noite, ao Olímpico. E futebol sem ataque só pode dar no que deu: um rotundo a O. Para decepção do torcedor gremista que viu seu time se defender bem, mas de uma pobreza ofensiva franciscana. Um início nada animador do Grêmio neste returno.” (Wianey Carlet, Correio do Povo, 24 de outubro de 1987)

GRÊMIO PERDE PONTO CONTRA O ATLÉTICO

Apesar de ter dominado a maior parte do jogo, o Grêmio não teve força ofensiva e ficou no empate sem gols contra o Atlético na abertura do returno da Copa União. A equipe de Telê Santana jogou para garantir o 0 x 0 e conseguiu seu objetivo, sem ameaçar a equipe de Luís Felipe.

O Grêmio passou vários dias dizendo que jogaria no ataque para conseguir vencer o invicto Atlético Mineiro, na abertura do returno da Copa União ontem à noite, no Estádio Olímpico Bem que o time de Luís Felipe tentou pressionar o adversário, mas a equipe de Telê Santana se fechou muito bem e conseguiu segurar o empate sem gols, resultado que agradou aos visitantes. Na verdade, foi um jogo muito disputado no meio-de-campo. com o Atlético procurando parar a partida em todo o instante, ao mesmo tempo em que o Grêmio buscava a iniciativa da partida, pois a vitória era fundamental para começar bem esta fase.

No primeiro tempo a equipe de Luís Felipe criou uma situação clara de gol aos 32 minutos quando Valdo cobrou escanteio da esquerda e Luís Fernando, sozinho, cabeceou com força, mas sobre o travessão. Já o Atlético não levou nenhum perigo ao gol do Grêmio, pois a defesa mostrou deficiências em seu setor ofensivo. O tricolor foi impecável, especialmente com o protetor Amaral e os laterais Alfinete e Casemiro, que não deram nenhuma chance para o ataque do Atlético, que foi impotente diante da forte marcação tricolor.

No segundo tempo, o Grêmio poderia ter aberto o marcador aos cinco minutos quando Bonamigo recebeu de Cuca e chutou sobre o goleiro João Leite, que fez grande defesa. Depois Bonamigo teve outra oportunidade, aos 11 minutos, ao ganhar de Luizinho e bater desviado pela linha de fundo.

O Atlético Mineiro também teve duas boas oportunidades. A primeira aos 22 minutos, quando Paulo Roberto cruzou da esquerda e Sérgio Araújo chegou atrasado para completar Depois o Galo ameaçou novamente aos 33 minutos e Sérgio Araújo conseguiu sua única vantagem sobre Casemiro e cruzou para Renato , de peixinho, concluir sobre o gol de Mazaropi.

O técnico Luís Felipe ainda colocou Cristóvão no lugar de Bonamigo, mas o Grêmio não conseguiu o resultado que desejava, pois o Atlético continuou fechado, e o Grêmio , com Lima e Jorge Veras bem marcados e Cuca muito recuado, mostrou deficiências em seu setor ofensivo. O jogo foi assistido por 32.878 pagantes que proporcionaram uma arrecadação Cz$ 4.070.700,00.” (Pioneiro, 24 de outubro de 1987)

 

https://i.imgur.com/dnT8Cnk.png

Grêmio 0x0 Atlético Mineiro

GRÊMIO: Mazaropi; Alfinete, Henrique, Luis Eduardo e Casemiro; Amaral, Bonamigo (Cristovão) e Cuca; Valdo, Lima e Jorge Veras
Técnico: Luiz Felipe Scolari

ATLÉTICO: João Leite; Chiquinho, Batista, Luisinho e Paulo Roberto; Éder Lopes, Marquinhos (João Luis) e Vânder Luis; Sérgio Araújo, Renato Morungaba e Marquinho Carioca
Técnico: Telê Santana

Brasileirão 1987 – Segundo Turno – 1ª Rodada
Data: 23 de outubro de 1987, sexta-feira, 21h30min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre, RS
Público: 32.888 pagantes
Renda: Cz$ 4.070.700,00
Árbitro: Pedro Carlos Bregalda
Auxiliares: João Loureiro e César Volgueller
Cartões amarelos: Lima, Henrique e Chiquinho

Brasileirão 1987 – Santos 1×0 Grêmio

September 21, 2019
1987 santos arivaldo chaves zero hora

Foto: Arivaldo Chaves (Zero Hora)

No Brasileirão de 1987, Santos e Grêmio se enfrentaram num sábado à noite, no Pacaembu. E os mandantes venceram pelo placar mínimo.

A derrota acabou com uma série de 32 jogos de invencibilidade do tricolor (a derrota anterior havia acontecido jogo contra o Juventude em 26 de maio daquele ano).

1987 santos placar b

Foto: Nelson Coelho (Placar)

No jogo de sábado o Grêmio começou bem, mas sofreu o gol aos 32min e se perturbou. O gol de Edelvan foi marcado depois de falhas sucessivas do time gaúcho, culminando com Mazaropi, que reclamou falta no lance.” (Correio do Povo, 5 de outubro de 1987)

1987 santos placar c

Foto: Nelson Coelho (Placar)

1987 santos correio do povo

Foto: Correio do Povo

SANTOS GANHA SUA PRIMEIRA PARTIDA

O Santos conseguiu sua primeira vitória na Copa União ao derrotar o até então invicto Grêmio, por 1 a 0, sábado à noite, no Pacaembu, região central de São Paulo. O Grêmio não perdia desde maio deste ano e defendia uma invencibilidade de mais de trinta partidas. Com muita aplicação na defesa, a equipe do Santos soube como chegar ao gol e garantir a vitória.

O único gol da partida foi marcado no primeiro tempo pelo ponta esquerda Edelvan, que fazia seu segundo jogo pelo Santos desde que fui emprestado pelo Ipiranga, da Bahi.a Num contra-ataque pela direita, o atacante Osmarzinho cruzou, o centroavante Luiz Carlos dividiu com o goleiro Mazaropi e Edelvan aproveitou a sobra para marcar aos 32 minutos. Os jogadores do Grêmio reclamaram de falta no goleiro, mas o juiz carioca Pedro Carlos Bregalda —muito gordo e apitando sem sair da faixa de meio campo— confirmou o gol.

Jogo disputado

A partida foi bem disputada. O Grêmio esteve mais tempo de posse da bola, especialmente através de Valdo, mas encontrou pela frente uma defesa bem armada, com destaque para o goleiro uruguaio, Rodolfo Rodriguez.

O Santos mostrou-se mais perigoso no ataque, embora com falhas na complementação das jogadas. No segundo tempo, o Grêmio optou pelo jogo ofensivo e por pouco não acabou surpreendido em várias oportunidades por contra-ataques do Santos.

A fraca campanha do Santos e o mau tempo (na noite de sábado a temperatura era de 13 graus) fez com que a partida tenha tido público de apenas 4.936 pagantes.

Depois da partida, o técnico Candinho, do Santos, anunciou que na próxima quarta-feira, no Rio de Janeiro, Carlos Alberto substituirá o centroavante Luis Carlos na partida contra o Botafogo. O centroavante está cumprindo suspensão automática por ter sido expulso de campo anteontem.” (Folha de São Paulo, 05 de outubro de 1987)

1987 gaucha santos1987 guaiba santos

https://i.imgur.com/dnT8Cnk.png

Santos 1 x 0 Grêmio

SANTOS: Rodolfo Rodriguez, Ijuí, Davi, Pedro Paulo e Luisinho, Celso, Glauco Mendonça (Nildo) e Glauco; Luis Carlos, Osmarzinho e Edelvan (César Ferreira).
Técnico: Candinho

GRÊMIO: Mazaropi, Alfinete, Henrique, Luís Eduardo e Casemiro, Amaral, Cristóvão e Bonamigo (Cuca); Valdo, Lima e Jorge Veras (Darci)
Técnico: Luis Felipe Scolari

Brasileirão 1987 – 1ª fase – 5ª rodada
Data: 03 de outubro de 1987, sábado, 21h00min
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 4.916 pagantes
Renda: Cz$ 512.450,00
Árbitro: Pedro Carlos Bregalda (RJ)
Auxiliares: Elson Pessoa e Theodoro de Castro Lino
Cartão amarelo: Luisinho
Cartões vermelhos: Luis Carlos e Amaral
Gol: Edelvan, aos 32 minutos do 2º tempo

Brasileirão 1987 – Grêmio 4×0 Goiás

September 14, 2019
1987 gremio 4x0 goias cuca edison vara zh

Foto: Edison Vara (Zero Hora)

No Brasileirão de 1987, o Grêmio goleou o Goiás por 4×0 no Olímpico. Dois fatos marcaram esse jogo.

– Cuca fez todos os gols da noite. E esse segue sendo até hoje o recorde de gols de um jogador do Grêmio em uma partida de Campeonato Brasileiro. Segundo matéria do UOL, Cuca, notório supersticioso, permaneceu usando a chuteira que calçou nesse jogo por um longo período da sua carreira.

– Foi a última partida do Grêmio antes da estreia do fardamento com patrocínio da Coca-Cola (em um clássico Gre-Nal 4 dias depois).

1987 gremio 4x0 goias cuca paulo nunes cp

Foto: Paulo Nunes (Correio do Povo)

GOLEADA CONSAGRADORA PARA CUCA
Fez quatro gols no Goiás mas o Grêmio não melhorou na tabela, pois o Atlético venceu.

Se a goleada de ontem à noite, no Olímpico, não foi suficiente para deixar o Grêmio em boa situação no grupo A, já que o Atlético também venceu, serviu para a torcida vibrar de novo com o time e, principalmente, conhecer melhor o futebol de Cuca, autor de todos os gols da goleada de 4 a O sobre o Goiás.

O jogador do Juventude – emprestado ao Grêmio com passe fixado em 10.800 OTNs, aproximadamente Cz$ 4,6 milhões* – entusiasmou os torcedores. Mais que isso, ajudou a equipe a recuperar o moral e a confiança para os próximos jogos da Copa União.

Antes de Cuca começar a brilhar, Lima era o grande destaque em campo, ao lado de Darci. Mas, a partir dos 35min, o jogo passou a ser todo de Cuca. Lima bateu falta com um chute forte, a bola encontrou a trave e voltou para Cuca, que empurrou para as redes fazendo 1 a O. Cinco minutos depois, Darci centrou para Cuca, que desviou de cabeça para o canto esquerdo. Cuca correu para abraçar Luís Felipe.

No segundo tempo, aos 17min, Cuca ampliou para 3 a 0. Aos 23min, mais uma vez Cuca fez a torcida vibrar, desviando de cabeça um escanteio batido por Cláudio Freitas, que estreou bem. Cansado, Cuca deixou o campo antes do final, sob os aplausos consagradores da torcida.” (Correio do Povo, Sexta-feira, 9 de outubro de 1987)

* esse valor atualizado para agosto de 2019 corresponderia à um pouco menos de R$ 900.000,00

CUCA: “Os quatro gols foram uma contingência da partida. Importante é estar integrado ao esquema do time. A verdade é que nunca tinha feito quatro gols numa só partida.” (Jornal do Brasil, 12 de outubro de 1987)

1987 gremio 4x0 goias cuca ronaldo bernardi zh

Foto: Ronaldo Bernardi (Zero Hora)

CUCA FAZ QUATRO GOLS E GRÊMIO ARRASA GOIÁS
O meia teve atuação espetacular, mas saiu lesionado no joelho

Parecia que a falta de gols nunca iria acabar. No entanto, Cuca marcou quatro contra o Goiás, que não fez nenhum, e o Grêmio recuperou-se das más atuações anteriores. Agora, o time de Luís Felipe tem oito pontos ganhos na tabela de classificação do Grupo A, mas continua em segundo lugar, atrás do Atlético, que venceu o São Paulo por 1 a 0. Entretanto, a equipe gaúcha enfrentou problemas iniciais para superar o Goiás. Até os 35 minutos do primeiro tempo, o jogo foi ruim, com muitos passes errados e um completo congestionamento no meio-campo.

Faltava entrosamento aos jogadores do Grêmio. A vitória chegou devido ao esforço, à fragilidade do adversário e à grande noite do meia-direita Cuca.

A etapa inicial, até o primeiro gol, foi pobre em termos de jogadas bem elaboradas e lances de gol. O apático Cláudio Freitas chutou uma vez com perigo contra o goleiro Eduardo e Lima, em condições de marcar, experimentou duas vezes, sozinho, mas aconteceu a defesa. Na verdade, o Grêmio não conseguia colocar a bola no chão, trocar passes e pensar a construção de ataques eficientes, até porque o centroavante Lima, mais uma vez, estava abandonado no setor de frente. Somente quando Cuca resolveu subir mais e encostar no centroavante é que houve o crescimento do Grêmio.

Na segunda etapa, çom a expulsão de Jorge Batata logo aos 4 minutos, o trabalho ficou facilitado para os atacantes do Grêmio. Mesmo assim, até os 15 minutos, a pressão foi do Goiás. Porém, como o Grêmio virou em vantagem, com os dois gols de Cuca, aos 35 e aos 40 minutos do período inicial, as preocupações eram menores. Havia mais tranquilidade para estabelecer uma goleada. O que ninguém esperava, certamente, é que Cuca fosse se colocar com um só jogo entre os principais goleadores da competição. Mas foi assim. O meio-campista fez mais dois: aos 16 e aos 23 minutos. Depois saiu lesionado, substituído por Fernando. ” (Juremir Machado da Silva, Zero Hora, Sexta-feira, 9 de outubro de 1987)

 

O PLACAR

CUCA, 1 a 0, para o Grêmio, aos 35 minutos do primeiro tempo. Lima bateu a falta da frente da grande área, a bola bateu no poste direito e voltou: Cuca concluiu de primeira e abriu o marcador.

CUCA, 2 a 0, para o Grêmio, aos 40 minutos do primeiro tempo. Darci levantou e Cuca desviou de cabeça para ampliar.

CUCA. 3 a 0, para o Grêmio, aos 16 minutos do segundo tempo. Darci construiu a jogada e lançou Cuca dentro da área, o meio-campista dominou e bateu com precisão no canto direito.

CUCA, 4 a 0, para o Grêmio, aos 23 minutos do segundo tempo. Valdo cobrou o escanteio e Cuca entrou no primeiro poste para marcar de cabeça e fazer o último gol de seu time na partida.” (Zero Hora, Sexta-feira, 9 de outubro de 1987)

1987 gremio 4x0 goias gaucha

 “FELICIDADE DO MEIA, ANSIOSO PARA JOGAR O PRIMEIRO GRE-NAL

No vestiário, depois de ter marcado quatro gols e deixado o jogo antes do seu final por causa de urna pancada no joelho, Cuca pensava no futuro:

— Quero fazer uma boa campanha para continuar aqui no Grêmio.

Entusiasmado com os gols que marcou, recebendo um rádio de presente da equipe “Anhanguera”, de Goiás, por ter sido escolhido pela emissora como melhor jogador na partida, Cuca, porém não perdeu a humildade:

— Fiz os gols, mas o mérito é de toda a equipe. Se continuar no Gre-Nal, vou fazer força para ajudar o time como neste jogo; se não continuar, vou torcer pelos meus colegas para que sejam bem-sucedidos.

Esta foi a primeira vez que Cuca marcou quatro gols num só jogo. Ele recordou que quando estava no Juventude, chegou a marcar três num jogo do Gauchão, mas quatro é inédito, primeira vez:

— Senti uma felicidade enorme com a sorte de hoje. A felicidade só não é completa, porque o São Paulo não venceu o Atlético. Mas o Atlético será nosso exemplo no segundo turno.” (Zero Hora, Sexta-feira, 9 de outubro de 1987)

1987 gremio 4x0 goias ingressos

Grêmio 4×0 Goiás

GRÊMIO: Mazaropi; Alfinete, Henrique, Luís Eduardo e Casemiro; Bonamigo, Cuca (Fernando) e Cláudio Freitas; Valdo, Lima (Cristovão Borges) e Darci
Técnico: Luis Felipe Scolari

GOIÁS: Eduardo Heuser; Flávio, Gomes, Ronaldo Castro e Jorge Batata; Uidemar, Fagundes e Péricles (Palinha); Formiga, Sabará e Niltinho
Técnico: Zé Mário

Brasileirão 1987 – 1ª Fase – 6ª Rodada
Data: 08 de outubro de 1987, quinta-feira, 21h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 7.934 pagantes
Renda: Cz$ 856.600,00
Árbitro: Hélio Cosso (MG)
Auxiliares: Márcio Freitas e Alahil Bolívar
Cartões Amarelos: Uidemar e Luís Eduardo
Cartão Vermelho: Jorge Batata (4/2ºT)
Gols: Cuca aos 35 e aos 40 minutos do primeiro tempo e aos 16 e 23 minutos do segundo tempo

Brasileirão 1987 – Inter 0x1 Grêmio

July 20, 2019
grenal luciane grabin diario do sul

Foto: Luciane Grabin (Diário do Sul)

Foto: Arivaldo Chaves (Zero Hora)

No Brasileirão de 1987, o Grêmio venceu o clássico Gre-Nal do Brasileirão no Beira-Rio com um gol de Jorge Veras, num frango histórico de Taffarel (o primeiro gol que ele levou naquele campeonato).

Essa partida marcou a estréia do patrocínio da Coca-Cola no fardamento tricolor (no co-irmão a marca americana só foi aparecer no início de 1989).

grenal luciane grabin diario do sul v

Foto: Luciane Grabin (Diário do Sul)

GRÊMIO TRANSFERE A DECISÃO PARA SÁBADO

Incensado como o grande jogador do Internacional na atualidade, considerado o melhor goleiro do Brasil, Cláudio Taffarel acabou se tornando realmente o personagem que todos esperavam que ele fosse no Gre-Nal de ontem pela Copa União. Ele, no entanto, tornou-se a figura da partida pela circunstância que todo goleiro faz questão de evitar, uma falha clamorosa. Pois foi justamente num “frango” do goleiro colorado que o Grêmio venceu de 1 a O, gol de Jorge Veras, aos 20 minutos do segundo tempo, mantendo-se na luta pela vaga do grupo A, com dez pontos, dois a menos que o líder Atlético Mineiro.

E é justamente o jogo do Atlético, no sábado, contra o Fluminense em Belo Horizonte que decide a sorte da dupla Gre-Nal neste turno da Copa União. Pois se houver empate, o Atlético ganha a vaga e facilita a classificação do Inter, que enfrenta no domingo o Corinthians em São Paulo precisando de um empate apenas — em caso de derrota, haverá um jogo extra no Beira-Rio. Se o Fluminense vence, a equipe mineira dá condições do Grêmio lutar por uma vitória contra o São Paulo e se igualar em número de pontos com o Atlético, provocando um jogo extra em Belo Horizonte. E o Inter fica na obrigação de vencer o Corinthians.

A derrota do Inter para o Grêmio só não foi mais catastrófica para a equipe de Ênio Andrade, porque o Fluminense, que tem um ponto a menos que o líder do grupo B, perdeu ontem surpreendentemente no Maracanã para o Bahia por 1 a O. Outro resultado surpresa na rodada foi a vitória do Botafogo por 2 a O no Morumbi, sobre o São Paulo.

O jogo em Porto Alegre teve um grande público, o maior da Copa União até agora: 52.347 pessoas pagaram ingresso, gerando a renda de 6.299.900 cruzados. E a partida foi cheia de circunstâncias próprias do clássico Gre-Nal. Houve “frango” de goleiro, Jorge Veras autor do gol atuou apenas 15 minutos (entrou aos 17 do segundo tempo e saiu aos 32) Lima e Norberto foram expulsos por se envolverem numa discussão infantil e Luis Fernando, uma das grandes expectativas do Inter, teve participação discreta, bem marcado por Amaral, além de, no fim do primeiro tempo, ter saído lesionado com gravidade, sendo dúvida para o próximo jogo.

O gol marcado por Jorge Veras é o quarto do ponteiro esquerdo — atualmente reserva — em Gre-Nal e acabou com a invencibilidade do Inter na Copa União — sobrou apenas o Atlético Mineiro — e quebrou o jejum de 860 minutos de Taffarel sem sofrer gols. O goleiro colorado, ao sair do estádio foi aplaudido pelos torcedores de seu clube, numa demonstração de confiança. Mas os aplausos maiores da noite foram para Jorge Veras, autor do gol, e Mazzaropi, que sem ter o cartaz do goleiro adversário, fez defesas importantes e decisivas, uma atuação digna dos grandes dias de Taffarel.” (Higino Barros, Diário do Sul, 13 de outubro de 1987)

TAFFAREL: “Era uma bola fácil. Tão fácil que pensei em pegar ela e puxar rápido o contra-ataque. Foi excesso de confiança, admito, e acabei tomando um “frango”, prejudicando o time.”

JORGE VERAS: “Eu entrei na área, livrei-me de Luís Carlos e chutei forte no canto. É claro que o Taffarel é um dos melhores goleiro do Brasil, mas não é imbatível. Pena que tenha sido contra ele, mas era necessário. De qualquer forma é mais um aspecto que me entusiasma, pois é maravilhoso marcar gols em grandes equipes e excelentes goleiros.”

TAFFAREL ARIVALDO CHAVES

Foto: Arivaldo Chaves (Zero Hora)

TAFFAREL ARIVALDO CHAVES B

Foto: Arivaldo Chaves (Zero Hora)

GRÊMIO MANDA EM OUTRO CLÁSSICO
Venceu o Inter numa falha incrível de Taffarel e acabou com a invencibilidade colorada na Copa União

E quem manda na aldeia e mesmo o Grêmio Foi o decimo Grenal da temporada e o goleiro Taffarel colaborou decisivamente para a quinta vitoria gremista. Foi aos 18min30s do segundo tempo, quando Jorge Veras cruzou da esquerda. Taffarel tentou repor a bola, rapidamente, em jogo e ela foi parar no fundo das redes.

Incentivado por uma grande torcida, bem que o Inter tentou obter a vitória no primeiro tempo. Afinal, pegou pela frente um adversário com cinco homens no meio-campo — apenas Lima estava na frente – procurando até se defender, mais do que atacar. Gilberto Costa deu vários chutes a gol. Paulo Mattos perdeu grande chance, quando Mazaropi fez a defesa na hora certa e nem o gol do Bahia sobre o Fluminense deu mais força ao Inter. O jogo era ruim, com muitos erros nos passes.

No segundo tempo, o Inter voltou sem Luis Fernando, com lesão muscular, e houve as expulsões de Norberto e Lima. Felipe ousou: escalou Veras no lugar de Darci, deu um atacante para o time e teve sorte. Veras marcou o gol da vitória para o desespero dos colorados. O Inter, então, foi à frente. Mas desorganizadamente, enfrentando a barreira de zaga adversária, especialmente o futebol seguro de Luis Eduardo.

E, no final, em um contra-ataque, por muito pouco Valdo não ampliou a vantagem. O ano termina sem uma vitória, sequer, do Inter sobre o Grêmio no Beira-Rio. E com uma flagrante vantagem dos tricolores nos clássicos locais. Agora, só o Atlético está invicto na Copa União. ” (Correio do Povo, terça-feira, 13 de setembro de 1987)

GRÊMIO DERROTA O INTER EM ERRO DO EX-INVICTO TAFAREL

O Grenal, nervoso, que poderia ter sido decisivo, acabou marcado pela falha do até então invicto goleiro Tafarel. O chute do Jorge Veras, que jogou apenas 15 minutos, sequer foi forte, Tafarel chegou a segurar a bola, mas deixou que ela escapasse e desse a vitória ao Grêmio.

A partida em si foi equilibrada, com raros momentos de brilhantismo. O Grêmio começou melhor, mas o Inter logo reagiu. Tanto que Mazaropi fez as mais difíceis defesas de jogo, principalmente em chutes de Gilberto Costa.

Depois do gol do Grêmio, o nervosismo tomou conta de todos os jogadores. Norberto e Lima discutiram e esboçaram um arremedo de briga. Foram expulsos. Os minutos finais mostraram o Inter, em seu campo, fazendo tudo para conseguir o empate, que lhe daria uma vantagem ainda maior sobre o Fluminense (tem um ponto, o mesmo que já tinha).” (Jornal do Brasil, 13 de outubro de 1987)

TAFAREL FALHA E GRÊMIO VENCE O INTERNACIONAL

PORTO ALEGRE — O Grêmio manteve as suas esperanças de chegar ao título no turno do Campeonato Brasileiro, pelo Grupo A do Módulo Verde da competição, ao vencer ontem à noite o Internacional, no Beira-Rio, pelo placar de 1 a 0, gol de Jorge Veras no segundo tempo. Com esse resultado, o Grêmio passa a somar agora 10 pontos ganhos. Na primeira colocação encontra-se o Atlético Mineiro, com 12.

O Grêmio decidirá a sua classificação na última rodada do turno contra o São Paulo, no Estádio Olímpico, torcendo para uma derrota do Atlético na partida contra o Fluminense, no Mineirão. O clube carioca, aliás, também manteve as suas esperanças de chegar ao título no Grupo B com a vitória do Grêmio. O Flu tem nove pontos ganhos contra 10 do internacional, que na última rodada enfrenta o Corintians no Pacaembu.

A derrota significou para o Inter a perda da sua invencibilidade no Campeonato Brasileiro, que tem agora o Atlético Mineiro como o único invicto na competição. Outro dado da derrota do Colorado: o gol de Jorge Veras representou o fim da invencibilidade do goleiro Tafarel, que ainda não havia tomado gol no campeonato, num total de 605 minutos. E. como manda a tradição, num frangaço do goleiro.

O Inter teve o jogo na mão no primeiro tempo. Entretanto, quando seus atacantes não chutavam para fora surgia o goleiro Mazaropi. O jogador do Grêmio, aliás, foi o grande nome do jogo nesta etapa, com defesas verdadeiramente sensacionais. A melhor oportunidade do Inter neste período foi aos 42 minutos, com Paulo Matos desperdiçando uma ótima oportunidade para marcar. A partida no segundo tempo manteve o panorama, com o Inter pressionando o Grêmio se fechando para sair em contra-ataques. E foi numa descida pela esquerda que o gol da vitória saiu, aos 20 minutos Jorge Veras recebeu a bola pela esquerda e chutou despretensiosamente. O goleiro Tafarel, até então com uma atuação irrepreensível no campeonato, aceitou, engolindo um verdadeiro “peru“. ” (Jornal dos Sports, 13 de outubro de 1987)

 

Foto: Paulo Dias (Zero Hora)

https://i.imgur.com/dnT8Cnk.png

GRÊMIO: Mazaropi; Alfinete, Henrique, Luís Eduardo e Casemiro; Amaral, Bonamigo e Cuca; Valdo, Lima e Darci (Jorge Veras e depois Cristovão Borges)
Técnico: Luis Felipe Scolari

INTERNACIONAL: Taffarel; Luís Carlos Winck, Aloísio, Nenê e Laércio; Norberto, Gilberto Costa  e Luís Fernando (Manu); Heider, Amarildo e Paulo Mattos
Técnico: Ênio Andrade

Brasileirão 1987 – 1ª Fase – 7ª Rodada
Data: 12 de outubro de 1987, segunda-feira, 18h00min
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre-RS
Público: 52.347 pagantes
Renda: Cz$ 6.299.900,00
Árbitro: José Roberto Wright
Assistentes: Aloísio de Oliveira Viug e Everaldo Almeida Silva
Cartões Amarelos: Amaral, Alfinete, Gilberto Costa e Valdo
Cartões Vermelhos: Lima e Norberto
Gol: Jorge Veras, aos 18 minutos do segundo tempo