Archive for the ‘Campeonato Brasileiro 1990’ Category

Brasileirão 1990 – Inter 0x1 Grêmio

January 24, 2021

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

Na segunda rodada do Brasileirão de 1990, o Grêmio venceu o Gre-Nal disputado no Beira-Rio

No lado tricolor era possível ver uma transição da equipe que ganhara o hexa gaúcho meses antes para esse time que seria semifinalista do Brasileirão. Uma das principais mudanças foi no gol gremista, que deixou de ser ocupado por Mazaropi. Naquela tarde, Gomes teve atuação destacada, recebendo uma nota 10 da Zero Hora.

Uma curiosidade foi a presença de Paulo Roberto Falcão no estádio, dez dias após ele assumir o comando da seleção brasileira.

Foto: José Doval (Zero Hora)

NO DIA DAS CARAS NOVAS, VANTAGEM DA EXPERIÊNCIA

Análise técnica

Foi a vitória da maior qualidade sobre o esforço. Quem assistiu ao Gre-Nal de ontem viu o melhor futebol do Grêmio pelo menos até fazer seu gol – Nilson, aos 18 minutos – especialmente no meio-campo onde havia uma perfeita sintonia entre Jandir e Donizete, marcadores, liberando Caio para um ataque forte com a entrada do agressivo Maurício, do matador Nilson e do perigoso Egídio. O Inter levou o gol ao natural, sem criatividade alguma no meio-campo, limitando-se a responder através de escanteios e de jogadas isoladas de Edu. Os chutes foram tentados de todas as distâncias mostrando que o goleiro Gomes era sinônimo de insegurança. Mas ele esteve muito vem e acabou com as esperanças coloradas.

O Inter foi melhor no segundo tempo, quando Alberto cresceu muito de produção e fez a ligação defesa-ataque. E ameaçou ainda mais após as entras de Alex e Hamilton. Mas seguia a falta de qualidade dos laterais. Célio e Ricardo, que não apoiavam, além da falta de maior objetividade de Marcelo Prates, que correu muito e produziu pouco.

Na experiência, tranquilidade e ótima atuação de Gomes, o Grêmio garantiu o resultado. E teve, através de Caio, a grande chance de marcar o segundo gol, depois de um contra-ataque iniciado por Nilson.

 

Análise tática

Quem mudaria o esquema era o Grêmio, a partir da entra de Maurício no lugar de Darci e isso, pelo menos teoricamente, poderia beneficiar o Inter. O desentrosado Inter que, por um erro do seu técnico, surpreendentemente, entrou em campo sem Hamilton e com Marcelo Prates, formação nunca testada durantes os treinos da semana.

Isso foi muito bom para o Grêmio que mostrava uma defesa bem protegida por dois centromédios sem ser molestada diante da falta de um ataque adversário, prejudicado pela ausência da qualidade Hamilton, o que poderia desequilibrar num momento de partida que a bola quase não chegava à frente. Taticamente, o Inter tinha quatro marcadores, enquanto o Grêmio atacava com o mesmo número de jogadores e até tirava proveito disso.

No segundo tempo, Bianchini tentou mudar com o ingresso de Alex. Retirou um centromédio marcador (Júlio) apostou num ponta aberto e deslocou Marcelo Prates para o meio. A resposta de Evaristo veio em seguida com as entrada de Vander e Darci, deixando o time mais cauteloso. O Grêmio suportava bem a pressão, os laterais não mais passavam do meio-campo, mas a verdade é que o Grêmio sempre esperou fazer o segundo gol. Por determinação de Evaristo, Paulo Egídio e um atacante, Nilson e depois Vander, ficaram sempre à frente.”

 

PRINCIPAIS LANCES

6 minutos – Nilson, impedido, marca gol. O árbitro anula, acertadamente.

8 minutos – China cobra falta de longe, com força. A bola raspa a trave. 1

8 minutos-  Paulo Egídio cobra escanteio no primeiro pau, a bola raspa na cabeça de Zaballa e Nilson cabeceia no ângulo esquerdo. Grêmio, 1 a 0.

20 minutos – Edu cobra falta da direita, Júlio cabeceia. Gomes faz grande defesa.

30 minutos – Edu chuta de longe, por cima da goleira

36 minutos – Alberto passa para Edu, que chuta. A bola raspa a trave.

40 minutos – Marcelo Pratas cruza, China, de cabeça salva para escanteio

44 minutos – Edu cobra falta. Gomes defende com segurança.

Segundo tempo:

6 minutos -Edu cobra falta, Gomes espalma para escanteio.

12 minutos – Edu cobra escanteio, Márcio Rossini cabeceia raspando.

15 minutos – Nilson cobra falta de longe, com força. Outra defesa de Gomes.

19 minutos – Prates perde a bola para Nilson, que lança Caio, livre, chuta por cima, já dentro da área

32 minutos – Boa conclusão de Hamilton, por cima

39 minutos – Última tentativa do Inter em obter o empate. Edu cruza da esquerda, com força, mas João Marcelo afasta para escanteio.”  (José Evaristo Villalobos, Zero Hora, segunda-feira, 27 de agosto de 1990)

 

Placar – O JOGO: “O Grêmio confirmou o favoritismo, apesar de jogar bem somente nos primeiros minutos e ter sido muito pressionado no final.” (Tabelão Placar/Revista Semana em Ação, 1990)

“VÍTORIA DO GRÊMIO NO SUL
 Nilson marca e o goleiro Gomes garante o resultado

José Mitchell PORTO ALEGRE — Num Grenal emocionante e muito disputado, apesar da tarde cinzenta e dos nove cartões amarelos, o Grêmio derrotou o Internacional por 1 x O, no Beira-rio, com um gol de cabeça de Nilson, ainda no primeiro tempo. Maurício foi o melhor dos nove jogadores dos dois times que estrearam, mas foi o goleiro Gomes quem garantiu a vitória tricolor. Donizete (ex- Fluminense) teve uma atuação discreta e terminou sendo expulso no seu primeiro clássico no sul.

O publico gaúcho voltou a encher o estádio, motivado por tantas estréias, e proporcionou uma renda superior à Cr$ 10 milhões, com 23 mil pagantes. Nem mesmo a chuva no final do jogo estragou a alegria dos torcedores. Enquanto os gremistas comemoravam a vitória, os colorados, amargando um jejum de título de seis anos, aplaudiam o time, considerado o melhor dos últimos tempos.

 A motivação dos torcedores estava centrada nos novos jogadores e o ponteiro Maurício foi o primeiro a empolgar. Antes dos 10 minutos realizou três excelentes ataques pelas pontas e foi o destaque do primeiro tempo Mas tantas estréias mostraram também times desentrosados. E foi o Inter o maior prejudicado. Prova disso, foi o gol do Grêmio. Aos 18 minutos, Nilson marcou de cabeça, aproveitando uma indecisão dos zagueiros Márcio Rossini e Zaballa.

Na segunda etapa, o Internacional pressionou e obrigou o goleiro Gomes a fazer sucessivas defesas. Aos 15 minutos. Márcio Rossini quase empatou, mas foi o Grêmio, aos 25, que perdeu ótima chance, com Caio, após vencer um zagueiro na corrida e chutar por cima do gol de Maizena. O Internacional até merecia o empate pelo domínio no segundo tempo, mas não teve sorte, apesar dos 10 escanteios a seu favor.” (José Mitchell, Jornal do Brasil, segunda-feira, 27 de agosto de 1990)

 

“UM GRE-NAL DE SATISFAÇÕES

Após a vitória do Grêmio no Gre-Nal de ontem, no Estádio Beira-Rio, o clima nos vestiários era de otimismo. No lado tricolor, pelo resultado e pela liderança do grupo, junto com Cruzeiro e Inter de Limeira. No Inter, apesar da derrota, a esperança de um bom time. A prova disso foram os aplausos ao final da partida pela própria torcida.

O goleiro Gomes, do Grêmio, escolhido como o melhor em campo, muito emocionado, era um dos jogadores mais festejados na saída do gramado. O meia Donizete, que estreava, disse que sua expulsão foi justa por já ter recebido o cartão amarelo. O vice de futebol, Rafael Bandeira, estava eufórico com a vitória, mas ao mesmo tempo, criticava a arbitragem, que, na sua opinião, não deveria ser gaúcha.

Pelo lado colorado, mesmo derrotado, o técnico Orlando Bianchini, que fazia sua estréia, adiantou que o resultado mais justo seria o empate. “Nosso rendimento cresceu após as substituições. Tomamos um gol num momento ruim da partida. Falta apenas um elemento que se aproxime do centroavante”, destacou.” (Pioneiro, segunda-feira, 27 de agosto de 1990)

 

Foto: Marconi Mattos (Folha de Hoje)

 

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

https://i.imgur.com/FAyvo5X.png

Inter 0x1 Grêmio

INTERNACIONAL: Maizena; Célio Lino, Zabala, Márcio Rossini e Ricardo Costa; Caçapava, Júlio (Alex Rossi), Marcelo Prates e Alberto Félix; Edu Lima e Nílson Aragão (Hamílton)
Técnico: Orlando Bianchini

GRÊMIO: Gomes; China, Vílson, João Marcelo e Hélcio; Jandir, Volnei Caio (Vânder) e Donizete Oliveira; Maurício (Darci), Nílson e Paulo Egídio
Técnico: Evaristo de Macedo

Brasileirão 1990 – 1º Turno – 2ª Rodada
Data: 26 de agosto de 1990, domingo, 16h00min
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS
Público: 23.022 pagantes
Renda: Cr$ 10.341.000,00
Árbitro: José Mocellin
Auxiliares: Urbano Knorst e César Carrasco
Cartões Amarelos: Caçapava, Júlio, Marcelo Prates; Vílson, João Marcelo, Hélcio, Vânder e Maurício
Cartão Vermelho: Donizete Oliveira (36 do 2ºT).
Gol: Nílson, aos 18 minutos do 1º tempo

1990 – Brasileirão – Grêmio 2×0 Palmeiras

June 21, 2012

1990-palmeiras-volta


“Uma pequena tentativa de reação do adversário parou com a saída de Betinho, machucado, logo aos 27 minutos, quando entrou Mirandinha. O Grêmio por pouco não se complicou, indo muito ao ataque quando o placar de 1 a 0 já era suficiente”
(Correio do Povo – 3 de dezembro de 1990)

1990-palmeiras-volta-joao-marcelo

1990-palmeiras-volta-cp1990-palmeiras-volta-cp2

O gol logo no início destastabilizou o esquema defensivo armado pelo técnico Dudu. Ele não contava com a falha de seus zagueiros na cobrança de uma falta lateral. Vílson subiu sem marcação, aproveitou a hesitação do goleiro Veloso e cabeceou para baixo, aos 8min. O Palmeiras anda teve a chance do empate em seguida, mas Erasmo perdeu.

[…]

O Palmeiras forçou no segundo tempo e foi surpreendido no contra-ataque. Caio deu um “chapéu” em Eduardo e chutou rasteiro. Veloso rebateu e Nílson fez o segundo gol, aos 19min.” (Folha de São Paulo – 2 de dezembro de 1990)

1990-palmeiras-volta-fsp1990-palmeiras-volta-fsp2

“O lateral-direito Odair disse: “Tomamos o gol no momento errado, logo no início. Perdemos para uma grande equipe, a que tem melhor camapnha no campeonato. O Grêmio merece o título”, disse Odair, que não viu falha no gol de Vílson, “Foi mérito dele, que entrou nem e subiu para cabecear” (Folha de São Paulo – 3 de dezembro de 1990)

 

 

E o povo não se arrependeu. Em Porto Alegre viu um Grêmio irresistível, partindo para cima do Palmeiras sem dar a menor chance aos paulistas” (Juca Kfouri)

 

1990-palmeiras-volta-nilson

No intervalo da partida contra o Palmeiras, sábado, o técnico gremista endureceu com o atacante Caio: “Por que você logo cai quando o zagueiro se aproxima?”, prensou para o logo em seguida ordenar: “Nada de chão, tente o drilbe, vá em frente”. Aos 19 minutos do segundo tempo, Caio fugiu das faltas dos adversários e praticamente construiu sozinho o 2×0 de sua equipe. Exemplo de obstinação que, em verdade, parte do zagueiro João Marcelo, e dois meias Jandoir e Donizete. Disciplinados, eles parecem dizer a cada lance aos companheiros: “Dureza neles, pessoal”. (Revista Semana em Ação – 1990)

O JOGO: O Grêmio encurralou o Palmeiras até marcar o primeiro gol. Depois recuou e passou a fustigar o adversário em agudos contragolpes, até fazer o segundo. O verdão lutou muito, mas sem inspiração. (Revista Semana em Ação – 1990)

1990-palmeiras

1990 palmeiras folha de hoje

Fontes: Correio do Povo, Zero Hora, Semana em Ação, Folha de São Paulo, Pioneiro e Folha de Hoje

1990 palmeiras brasileirao casa alfinete marcos fernandes ae 

https://i.imgur.com/FAyvo5X.png

Grêmio 2×0 Palmeiras

GRÊMIO: Sidmar; Alfinete, Vílson, João Marcelo e Hélcio; Jandir (João Antônio), Donizete Oliveira, Caio e Assis;Maurício e Nílson
Técnico: Evaristo de Macedo

PALMEIRAS: Velloso; Odair, Toninho, Eduardo e Abelardo; Júnior, Erasmo (Bandeira) e Ranielli; Jorginho, Careca Bianchesi e Betinho (Mirandinha)
Técnico: Dudu

Campeonato Brasileiro 1990 – Quartas de Final – Jogo de volta
Data: 1º/dezembro/1990
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 41.235 (36.005 pagantes)
Renda: Cr$ 18.486.200,00
Juiz: Joaquim Gregógio dos Santos (CE)
Cartão Amarelo: João Marcel, Mauricio e Abelardo
Gols: Vílson, aos 8 minutos do 1ºT e Nílson aos 19 minutos do 2º tempo

1990 – Brasileirão – Palmeiras 1×0 Grêmio

June 21, 2012


“O certo é que o Grêmio não teve futbeol para superar o Palmeiras. No primeiro tempo o time de Evaristo confundiu apatia com demonstração de tranqüilidade. O meio-campo perdeu todas as divididas. Era tanto medo de sofrer gol, que o Palmeiras foi pra cima e por pouco não fez o seu. Curiosamente, no segundo tempo, quando o Grêmio voltou mais corajoso e aplicado, o Palmeiras fez
o gol da vitória. O Grêmio tinha o controle do jogo, mas ainda estava tímido na frente. Culpa siua e do árbitro Bregalda, que anulou todos os contra-ataques gaúchos. Mas aos 38 minutos veio o pênalti desnecessário de Alfinete. Mal colocado, Bregalda não viu o bandeirinha marcar impedimento no lance. Careca bateu e fez 1 a 0, deixando o Palmeiras em condições de jogar por um empate em Porto Alegre. ” (Correio do Povo -26 de novembro de 1990)

O JOGO: O palmeiras soube superar a truculência do time gremista com um futebol de muita determinação. Amparado pela torcida que lotou o Parque Antártica, buscou o gol desde o começo da partida. O pênalti veio coroar o esforço do time e compensar as falhas na finalização. (Revista Semana em Ação – 1990)


“Tapas e socos

O clima de guerra entre Palmeiras e Grêmio cristalizou-se no primeiro tempo: o palmeirense Careca levou um chute por trás de Maurício, depois de cometer uma falta dura em Nílson. Irritado, partiu para cima do gremista e lhe deu um soco na nuca. De troco, recebeu outro na cara. “Não estamos para brincadeira”, disse Careca. “Quem bater, vai levar.” Maurício também tinha explicações para a briga. “Fase final é assim…Todo mundo quer vencer, mesmo no tapa” (Revista Semana em Ação – 1990)

“Na briga perdi por 2 a 1, mas ganhei dois pontos” Careca Bianchesi


“O Palmeiras sofreu para conseguir os dois pontos comemorados por Careca. O gol da vitória surgiu só aos 39 min do segundo tempo. Deois de receber lançamento de Bandeira, Careca driblou Alfinete e foi derrubado na área. Ele mesmo cobrou e fez o seu décimo gol no campeoanto, igualando-se na artilharia a Caio, do Grêmio, e Charles, do Bahia, que não marcaram na rodada de sábado. O resultado positivo não foi conquistado com maior tranquilidade em razão de dois jogadores canhotos inábeis para chutar com o pé direito: Marcelo e Bandeira, os substituos de Betinho, que não se recuperou da entorese no joelho.”
(Folha de São Paulo – 26 de novembro de 1990)

 


https://i.imgur.com/FAyvo5X.png

Palmeiras 1×0 Grêmio

PALMEIRAS: Velloso; Odair, Toninho, Eduardo e Dida; Júnior, Erasmo e Ranielli; Jorginho, Careca Bianchesi e Marcelo (Bandeira)
Técnico: Dudu

GRÊMIO: Sidmar; Alfinete, Vílson, João Marcelo e Hélcio; Jandir (João Antônio), Donizete Oliveira, Caio e Assis; Maurício e Nílson
Técnico: Evaristo de Macedo

Campeonato Brasileiro 1990 – Quartas de Final – Jogo de ida
Data: 24/novembro/1990
Local: Estádio Palestra Itália, em São Paulo-SP
Público: 22.631 pagantes
Renda: Cr$ 13.806.500,00
Juiz: Pedro Carlos Bregalda
Auxiliares: José Loureiro e Sérgio do Nascimento
Cartão Amarelo: Odair, Dida, Hélcio e Donizete

Gol: Careca Bianchesi (pênalti) aos 39 minutos do 2º tempo