Archive for the ‘Fluminense’ Category

Brasileirão 2015 – Grêmio 1×0 Fluminense

November 20, 2015

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 1×0 Fluminense

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Galhardo, Geromel,Bressan e Marcelo Oliveira; Walace, Ramiro (Maxi Rodriguez, 45’/2º), Douglas (Edinho, 38’/2º), Giuliano e Everton (Bobô, 32’/2º); Luan.
Técnico: Roger Machado

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Jonathan, Gum, Marlon e Wellington Silva (Welington Paulista, 35’/2º); Pierre, Cícero, Gustavo Scarpa, Marcos Junior e Osvaldo (Gerson, int); Fred (Magno Alves, 24’/2º)
Técnico: Eduardo Baptista

35ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2015
Data: 19 de novembro de 2015, quinta-feira, 19h30min
Público: 15.909 (14.241 pagantes)
Renda: R$ 418.766,00
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Assistentes: Bruno Boschilia (Fifa-PR) e Fábio Rodrigo Rubinho (MT)
Cartões amarelos: Bressan, Walace e Ramiro (Grêmio); Fred, Wellington Silva e Pierre (Fluminense)
Cartão vermelho: Gérson (aos 19 minutos do 2º tempo)
Gol: Luan (de pênalti) aos 14 minutos do segundo tempo

Advertisements

Copa do Brasil 2015 – Grêmio 1×1 Fluminense

October 1, 2015

Não deu. Mais uma vez. Não vai ser em 2015 que o Grêmio vai encerrar o seu jejum.

Ontem se confirmou que o 0x0 fora de casa no primeiro jogo é um resultado bom, mas perigoso (ou que o 0x0 em casa não é de todo ruim). O Fluminense ficou confortável para jogar por “uma bola” e acabou tendo um desempenho superior ao demonstrado no Maracanã. O Grêmio teve mais intensidade do que na primeira partida, procurou controlar mais as ações, mas teve lá suas dificuldades, especialmente em ingressar na área do adversário. Quase no final do primeiro tempo, quando a equipe gremista apressou desnecessariamente uma saída para o campo de ataque, perdendo a bola e dando tempo e espaço de sobra para o Fluminense avançar pelo lado direito, de onde saiu o cruzamento para  Fred abri o placar.
Indo para o vestiário em desvantagem, o Grêmio teria 45 minutos para controlar o nervosismo da torcida e fazer os dois gols que precisava. Roger optou por voltar a campo com Bobô no lugar de Walace. A mexida trouxe certo resultado, uma vez que o time passou a ter a possibilidade de erguer a bola na área. Mas o Grêmio só passou a ter mais volume com a entrada de Fernandinho (que tem o mérito de ser um jogador “vertical”, apesar da movimentação um tanto manjada pela esquerda). O gol de empate saiu aos 29 minutos, quando Edinho levantou na área, Giuliano disputou de cabeça e a bola sobrou para Bobô concluir de primeira. Havia tempo para a virada. O Grêmio seguiu pressionando e chegou a ter uma grande chance em uma cabeçada de Fernandinho aos 37 minutos, mas Cavalieri fez boa defesa e garantiu o empate.

É muito injusto que os atletas do plantel atual (especialmente os mais jovens) sejam obrigados a lidar com todo o peso desses 15 anos sem títulos relevantes. Mas infelizmente não há outra alternativa. Essa carga pode até parecer intangível,  mas é facilmente sentida nesses jogos decisivos em que as coisas não fluem exatamente como esperado desde o primeiro minuto. É preciso que o clube (aqui no seu sentido mais amplo) aprenda a lidar com isso.
Era sabido que essa seria uma temporada de dificuldades. O time do Grêmio, apesar de ter mostrado grande futebol em momentos recentes, ainda é uma equipe em formação. Estamos sob o comando do segundo treinador de 2015, que iniciou seu trabalho no final de Maio. O duro é que fomos eliminados para um time que está já no seu quarto técnico no ano.
Apesar de perceber um certo pernosticismo, achava que as falas do Presidente Romildo Bolzan após os jogos eram bastante ponderadas. Contudo, fiquei bastante preocupado com a coletiva de ontem. Imagino que não seja tarefa simples falar em nome do Grêmio logo após um insucesso que nos afasta das taças por mais um ano. Não deve ser fácil encontrar o tom certo para o momento. Entendo a postura de tentar mostrar convicção no trabalho feito, mas ontem isso por vezes soou como indiferença ao resultado.

É certo que um clube do tamanho do Grêmio depende de uma série de questões que não se restringem as quatro linhas do gramado, mas nunca podemos esquecer que a prioridade e razão de ser do clube é o futebol. Falar em questões do estádio quando se é perguntado sobre os títulos é uma perigosa maneira de desviar o foco. A propósito: Quantas pessoas na diretoria estão envolvidas com a negociação da “compra” da Arena? E quantas estão cuidando do departamento de futebol?

Mas o ponto que mais me incomodou foi a mudança no discurso em relação aos objetivos para essa temporada. No final do ano passado o Presidente garantia que o objetivo para 2015 era “o título gaúcho e um título nacional.“. Ontem, após a eliminação, o objetivo passou a ser objetivo passou a ser buscar vaga na Libertadores. Aí fica complicado.

 Grêmio Grêmio 1×1 Fluminense Fluminense

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Galhardo, Rafael Thyere, Erazo e Marcelo Oliveira; Walace (Bobô – Intervalo), Edinho, Giuliano,Douglas (Fernandinho, 14’/2ºT) e Pedro Rocha (Maxi Rodríguez, 23’/2ºT); Luan. 
Técnico: Roger Machado. 
FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Jean (Higor Leite, 30’/2ºT), Gum, Marlon e Léo Pelé; Pierre, Cícero, Gerson (Douglas, 36’/2ºT) e Gustavo Scarpa; Marcos Junior (Osvaldo, 16’/2ºT) e Fred. 
Técnico: Eduardo Baptista

Copa do Brasil 2015 – Quartas de Final – Jogo de volta

Local: Arena Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Data: 30/09/2015, quarta-feira, 22h00min
Público: 45.751 (43.015 pagantes)
Renda: R$ 1.598.977,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (FIFA-MG)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo (FIFA-MG) e Márcio Eustáquio Santiago
Cartões amarelos: Walace, Galhardo e Giuliano (GRE). Marcos Junior, Gustavo Scarpa, Cícero, Diego Cavalieri e Osvaldo (FLU).
Gols:  Fred , aos 39 minutos do 1º tempo e Bobô, aos 29 minutos do 2º tempo.

Copa do Brasil 2001 – Grêmio 1×0 Fluminense

September 30, 2015

O primeiro encontro entre Grêmio e Fluminense pela Copa do Brasil ocorreu no Estádio Olímpico, em 2 de maio de 2001.

Era a partida de ida das oitavas de final da competição, e, com um gol de Marcelinho Paraíba, a equipe gremista comandada por Tite conseguiu superar o time das Laranjeiras treinado por Valdir Espinosa. 
Um dado que marcou esse jogo foi o retorno de Roger aos gramados após uma lesão que o deixou fora de ação por 9 meses. E tal retorno implicou numa alteração do seu posicionamento, uma vez que dali pra frente Roger deixou a lateral esquerda e passou a atuar como zagueiro.

  


 
Fontes: Correio do Povo, Pioneiro e Zero Hora

Grêmio 1 x 0 Fluminense

GRÊMIO: Danrlei, Itaqui (Emerson 33/2), Marinho, Mauro Galvão, Rubens Cardoso; Anderson Polga; Tinga, Fábio Baiano (Roger 34/2), Zinho, Marcelinho Paraíba (Luís Mário 23/2), Rodrigo Mendes.
Técnico: Tite
FLUMINENSE: Murilo, Flávio, César, Régis, Paulo César, Marcão, Fabinho, Roberto Brum, Ramón, Magno Alves, Agnaldo (Tinoco 43/2).
Técnico: Valdir Espinosa

Data: 2/5/2001, Quarta-feira, 21:45
Local: Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 13.625 (12.045 pagantes)
Renda: R$ 76.220,00
Juiz: Antonio Pereira da Silva (GO)
Auxiliares: Flávio Kanitz (GO) e Geraldo Castro (GO)
Cartões Amarelos: César, Paulo César, Agnaldo
Cartões Vermelhos: Régis 44/2º Tempo
Gols: Marcelinho Paraíba, aos 13 minutos do 1º tempo

Copa do Brasil 2015 – Fluminense 0x0 Grêmio

September 24, 2015

Vivendo melhor fase, o Grêmio conseguiu ser levemente superior ao Fluminense mesmo jogando fora de casa, mas não saiu do 0x0. O empate sem gols no campo do adversário não pode deixar de ser considerado um bom resultado, mas traz consigo uma situação traiçoeira para o segundo confronto.

A partida em si foi muito ruim, de poucas alternativas. O Grêmio não conseguiu aproveitar as raras chances que teve, enquanto Marcelo Grohe não foi muito exigido.

Acho que a escalação pensada por Roger não acabou tendo um desempenho tão bom. Bobô, Luan, Douglas e Giuliano ficaram todos muito centralizados. Faltou “amplitude“.  

 

Essa do Douglas mijar antes do jogo começar só não supera a façanha de Gary Lineker, que defecou DURANTE uma partida da Copa do Mundo de 1990.

Baixo público no Maracanã, porém com um grande percentual de torcedores gremistas.

Muito legal a camisa preta que o Marcelo Grohe usou no jogo. Uma pena que tenha ficado estranha com a combinação com a malha azul marinho.

Frickson Erazo deveria ter cantado I´m too sexy for my shirtquando saiu do campo para trocar a sua camisa que fora rasgada por Fred.

 Fotos: Celso Pupo (Fim de Jogo) e Nelson Perez (Fluminense F.C.)

Fluminense Fluminense 0x0 Grêmio Grêmio

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Wellington Silva (Edson – Intervalo), Gum, Marlon e Léo Pelé; Pierre, Cícero, Gustavo Scarpa (Osvaldo – 35’/2ºT) e Gerson; Marcos Junior (Ronaldinho Gaúcho – 27’/2ºT) e Fred.
Técnico: Eduardo Baptista
GRÊMIO: Marcelo Grohe, Galhardo, Rafahel Thyere, Erazo e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon (Edinho – 37’/2ºT), Giuliano e Douglas (Yuri Mamute – 37’/2ºT); Luan e Bobô (Fernandinho – 19’/2ºT)

Técnico: Roger Machado

Copa do Brasil 2015 – Quartas de Final – Jogo de Ida
Data: 23/09/2015, quarta-feira, 22h00min
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro
Público: 9.637 (8.820 pagantes)
Renda:  R$ 342.440,00 
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (FIFA/SP)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (FIFA/SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (FIFA/SP)
Cartões amarelos: Walace e Erazo (GRE); Fred, Pierre e Edson (FLU)

Taça Brasil 1960 – Fluminense 1×1 Grêmio

September 23, 2015
Clóvis afasta a bola enquanto Pinheiro e Marino observam 
O primeiro confronto entre Fluminense e Grêmio no Maracanã ocorreu no dia 21 de Outubro de 1960, valendo como partida de desempate nas quartas de final da Taça Brasil daquele ano.
No primeiro jogo, no Olímpico, o Grêmio venceu com um gol de Elton. Na partida de volta, o Fluminense venceu por 4×2 nas Laranjeiras, onde, reza a lenda, o gramado teria tido suas dimensões reduzidas por ordem do técnico Zezé Moreira, visando que o melhor preparo físico da equipe gremista não prevalecesse.
O terceiro jogo foi marcado novamente para a Capital Guanabara, restando a dúvida sobre em qual estádio seria disputado. O Fluminense queria utilizar novamente as Laranjeiras, mas o presidente do Grêmio, João Leitão de Abreu, conseguiu que a partida fosse levada para o Maracanã, que foi liberado as pressas, uma vez que passava por reformas.
Jogando de branco, o Fluminense saiu na frente logo aos 4 minutos, com um gol de Jair Francisco. O Grêmio chegou ao empate aos 33 minutos do segundo tempo, em um pênalti sofrido por Milton e convertido por Elton. O jogo foi pra prorrogação, na qual o Fluminense jogava pelo empate em função de ter melhor saldo de gols (na época chamado de goal-average) nos jogos anteriores.
Um fato pitoresco na partida foi a postura de Zezé Moreira,  técnico do Fluminense. Ao final dos 90 minutos ele invadiu o gramado para ofender e agredir (deu um pontapé nas nádegas” segundo o Jornal do Brasil) o juiz Olten Aires de Abreu. Não fosse isso suficiente, o ex-treinador da seleção brasileira ainda “investiu” contra o fotógrafo do Correio do Povo José Abraham, o Espanhol. O curioso é que a Folha Esportiva de Porto Alegre afirma que Zezé foi autuado em flagrante, tendo que pagar fiança para  ir pra casa enquanto o Jornal do Brasil afirma que o técnico apenas teve que pedir desculpas ao árbitro nos vestiários. Ainda, o jornal gaúcho afirma que o juiz deixou de dar um pênalti para o Grêmio enquanto o periódico carioca nada registrou sobre o tema.
Vieira cercado por Edmilson, Jair Marinho e Pinheiro.
 O técnico Foguinho tentou ingressar no campo para ajudar o fotógrafo José Abraham, mas foi contido por Ortunho e pelo dirigente Hamilton Braga.

1960-foguinho-gremio-revista-do-esporte-maracana

1960 fluminense maracana diario de noticias1960 fluminense maracana diario de noticias 2taça brasil 1960 farroupilha

1960 maracana 1b

Fontes: Folha Esportiva, Jornal do Brasil, Diário de Notícias, Revista do Esporte e Jornalheiros

Fluminense 1×1 Grêmio

FLUMINENSE: Castilho; Jair Marinho, Pinheiro, Clóvis e Altair; Edmílson e Paulinho; Maurinho, Waldo, Jair Francisco e Escurinho.
Técnico: Zezé Moreira

GRÊMIO: Suli; Figueiró, Aírton, Ênio Rodrigues e Ortunho; Élton e Mílton Kuelle; Vieira, Marino, Gessi e Jurandir (Juarez)
Técnico: Foguinho

Taça Brasil 1960, quartas-de-final, decisão da Zona Sul
Data: 21 de outubro de 1960, sexta-feira, 21h30min
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ
Público: 26.631 pagantes
Renda: Cr$ 1.119.961,00.
Árbitro: Olten Aires de Abreu (SP).
Auxiliares: Antônio Viug e Clinamute Vieira França.
Gols: Jair Francisco, aos 4 do primeiro tempo e Élton (de pênalti) aos 33 do segundo tempo.

Brasileirão 2015 – Fluminense 1×0 Grêmio

August 4, 2015

 

O Brasileirão já é um campeonato chato. Aí os caras ainda se esforçam pra que se torne um campeonato chato e desonesto.
 Esse jogo no Maracanã foi um claro exemplo de um juiz que conseguiu estragar um confronto que já era ruim. Os dois times  pareciam sentir os desfalques que tinham. O Fluminense não conseguia corresponder ao entusiasmo da sua torcida e o Grêmio não conseguia valorizar a posse de bola da mesma forma que tinha feito em partidas anteriores. Ainda assim os dois tiveram chances de marcar no primeiro tempo. Aos 19, Henrique subiu sozinho no escanteio e cabeceou pro chão, mas a bola quicou e passou por cima do travessão. Aos 22, Tiago furou em bola ao sair nos pés de Gerson (foto acima) e Marcelo Hermes acabou salvando em cima da linha. Um minuto depois, Douglas soltou um chute forte e Cavalieri espalmou pra linha fundo. Erazo acertou o travessão após a cobrança de escanteio. Aos 46, Douglas deu um drible curto em Marlon e acionou Luan, que por sua vez não conseguiu dar o passe para Pedro Rocha após arrancar pelo lado direito.
Logo aos 4 minutos do segundo tempo o juiz mostrou o segundo cartão amarelo para Walace após uma disputa de bola com Marcos Junior. Roger foi obrigado a recompor o time com Edinho no lugar de William Schuster (de tímida estreia). O lance do gol do Fluminense, que até demorou a acontecer, ilustra bem o desequilíbrio causado pela expulsão. Ronaldinho teve espaço para lançar (espaço que talvez não tivesse no 11 contra 11), Wellington Paulista ganhou no alto e a bola sobrou para Marcos Júnior, que não desperdiçou ao ficar cara a cara com o goleiro. No final, o Grêmio fez o que poderia fazer e passou erguer a bola na área, incomodando até o último segundo, tendo inclusive um pênalti  ao seu favor não marcado, quando Wellington Paulista puxou a camisa de Edinho dentro da área.

 

Os dois cartões recebidos pelo Walace foram bem questionáveis. A existência de falta no lance segundo cartão também é bastante questionável (Walace parece tocar na bola antes do choque com o adversário). É certo que se viu durante a partida entradas mais duras do que essas duas que não foram advertidas da mesma forma (Aqui daria pra citar a falta que Marcelo Hermes fez na bandeirinha de escanteio no final do jogo). O critério do juiz parece ter sido de levar em conta a pressão da torcida, o salto e o berro do jogador que foi ao chão, e não propriamente a gravidade da infração.

 

Essa meia azul é novidade pra mim. Gostei. Mas acho que com essa camisa fica melhor na combinação com a meia preta.

 

Fotos: Bruno Haddad (Fluminense F.C.)

Fluminense Fluminense 1×0 Grêmio Grêmio

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Wellington Silva, Henrique, Marlon e Breno Lopes (Wellington Paulista, 10′/2ºT); Edson, Jean, Gerson (Magno Alves, 22′/2ºT), Marcos Júnior, Osvaldo (Gustavo Scarpa, 38′/1ºT) e Ronaldinho
Técnico: Enderson Moreira
GRÊMIO: Tiago; Galhardo, Pedro Geromel, Erazo e Marcelo Hermes; Walace, Maicon, William Schuster (Edinho, 5′/2ºT), Douglas (Fernandinho, 24′/2ºT) e Pedro Rocha;  Luan (Braian Rodríguez, 33′/2ºT)
Técnico: James Freitas

16ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2015
Data: 1º/08/2015, sábado, 18h30min
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ
Público: 33.288 (27.842 pagantes)
Renda: R$ 1.257.250,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Carlos Berkenbrock (SC)
Cartões amarelos: Henrique, Jean, Ronaldinho, Galhardo e Walace
Cartões vermelhos: Walace, aos 4 minutos do segundo
Gol: Marcos Júnior,  31 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2014 – Fluminense 0x0 Grêmio

September 25, 2014

 

Muitas queixas podem ser feitas em relação a esse time do Grêmio, menos de que não tem um padrão. Diante do Fluminense (adversário direto pelo G4) a atuação da equipe gremista foi muito parecida com a partida contra o Flamengo, no mesmo Maracanã, no início do mês. Novamente os comandados de Felipão adiantaram a linha de marcação e controlaram o setor de meio campo durante todo o primeiro tempo. E dessa vez é importante dizer que esse controle não foi totalmente inofensivo como em outros jogos fora de casa. O Grêmio ameaçou bastante o gol defendido por Diego Cavalieri, especialmente em jogadas criadas pelo lado direito de ataque. Aos 17 Fellipe Bastos acertou a trave em forte chute de fora da área e aos 32 Barcos foi travado com um carrinho por Marlon (que na minha ótica atingiu o joelho do argentino e não chegou perto de tocar na bola) mas Heber Roberto Lopes não marcou o pênalti.
O Grêmio seguiu melhor no início dos segundo tempo. Logo aos 4 minutos Pará fez boa combinação com Ramiro e cruzou para Barcos, que de cabeça mandou a bola no travessão. O Fluminense começou a se ajeitar em campo e finalmente fez com que Marcelo Grohe trabalhasse. Aos 16 e 17 minutos o camisa 1 gremista fez duas grandes defesas, mostrando que o fato do Grêmio ter a defesa menos vazada do campeonato passa muito pelo seu goleiro. Grêmio e Fluminense seguiram buscando abrir o marcador, mas o jogo terminou num 0x0 que teve um gosto muito mais amargo para o tricolor gaúcho.

 

 

A grande novidade dessa partida foi o Grêmio voltando para um 4-2-3-1, com Ramiro atuando aberto pela direita, praticamente na mesma linha de Luan e Dudu. E como já foi dito acima, foi pelo lado direito de ataque que o Grêmio mais criou.
Não dá pra entender como Bressan ficou tanto tempo “arquivado” no Grêmio. Não acho que ele deveria ser um titular absoluto, mas também não pode ser a última opção entre os zagueiros.
Para o Sportv, Barcos sofreu pênalti de Marlon. Para a Zero Hora, Barcos “foi dispersivo e simulou faltas em excesso”. Pra mim o pênalti é claro. O zagueiro do Fluminense deu um carrinho que não acertou a bola e desequilibrou o camisa 9 gremista. E tenho minhas dúvidas se Ramiro não sofreu falta de Carlinhos no lance que terminou com o chute na trave de Fellipe Bastos.
Talvez agora que o Marcelo Grohe está batendo recorde de tempo sem tomar gols seja possível comprar o uniforme dele na GrêmioMania.
Por mais revoltante e incoerente que seja, eu não me surpreendo com essa negativa da CBF de ceder a Granja Comary para o Grêmio. Mas duas lições podem ser extraídas dessa história: 1) o clube não pode contar antecipadamente com a boa vontade da CBF para organizar a sua logística. 2) o clube deve lutar para não ter marcada na tabela uma sequência de dois jogos fora de casa.

 

Fotos: Alexandre Cassiano (O Globo), Cleber Mendes (Lance) e Nelson Perez (Fluminense F.C.)

Fluminense Fluminense 0x0 Grêmio Grêmio

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno, Elivélton, Marlon e Carlinhos (Chiquinho, Intervalo); Rafinha (Gustavo Scarpa, 41’/2ºT), Jean, Cícero e Wágner; Rafael Sobis (Kenedy, 11’/2ºT) e Fred.  
Técnico: Cristovão Borges
 
GRÊMIO: Marcelo Grohe, Pará, Bressan, Rhodolfo e Zé Roberto; Walace (Riveros, 34’/2ºT), Fellipe Bastos e Ramiro; Luan (Fernandinho, 38’/2ºT), Dudu (Lucas Coelho, 43’/2ºT) e Barcos

Técnico: Luiz Felipe Scolari

24ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 24/09/2014, quarta-feira, 22h00min 
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ
Público: 6.840 (6.211 pagantes)
Renda: R$ 166.365,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Assistentes:  Kleber Lucio Gil (SC) e Emerson Augusto de Carvalho (SP)

Brasileirão 2014 – Grêmio 1×0 Fluminense

May 19, 2014

O Grêmio tinha uma missão complicada na Arena hoje. Como mandante, teria que atacar o Fluminense, sem contudo ceder espaço para um contra-ataque armado por Fred, Conca & Cia. Apesar de ocupar o campo de ataque, o tricolor gaúcho tinha dificuldade em criar situações de gol. Rodriguinho, centralizado e mais projetado, até conseguia ser mais incisivo, mas Dudu e Alan Ruiz não iam tão bem ao sair das pontas em direção ao meio. Nos primeiros minutos de jogo Werley tentou três lançamentos em direção ao ataque. Aos 36 minutos, quando o Fluminense já tinha tomado o controle das ações, Werley avançou pelo lado direito do ataque e dessa vez optou por tentar uma enfiada rasteira, acionando Rodriguinho, que por sua vez chutou cruzado e marcou o único gol da partida.
No segundo tempo o Grêmio aparentemente abdicou da posse de bola em troca de tentar liquidar o jogo em contra-ataques. E teve chances para isso, mas esbarrou na ineficiência de Barcos que estava numa tarde pouco inspirada. Marcelo Grohe, por outro lado, esteve numa jornada espetacular, e foi muito por causa dele que o Grêmio conseguiu segurar o Fluminense, que pressionou até o final, mesmo estando com um jogador a menos desde os 24 minutos do segundo tempo.

Marcelo Grohe fez três defesas sensacionais. Foi, indubitavelmente, o grande nome do jogo. Muitas partidas são decididas pelo centroavante. A de hoje foi decidida pelo goleiro.

Werley, que não está no seu melhor semestre com a camisa tricolor, fez uma grande partida. Só não digo que foi impecável porque deixou Fred livre no lance que resultou na defesa “a la Gordon Banks” de Grohe. Mas, com exceção desse lance,  o camisa 9 da seleção foi muito bem marcado pela zaga gremista.

Ramiro, fez um segundo tempo espetacular. Especialmente se considerarmos que ele recebeu cartão amarelo ainda no primeiro tempo e seguiu combatendo e fazendo inúmeros desarmes depois disso.

Custo a acreditar que Sandro Meira Ricci será o representante da arbitragem brasileira na Copa do Mundo. Hoje ele foi muito mal na partida. Foi incoerente em diversas marcações. Teve uma jogada peculiar no primeiro tempo, quando ele marcou uma falta de Diguinho que matou um contra-ataque. O Grêmio tentou cobrar rapidamente, mas Sandro Meira Ricci nao autorizou a cobrança e foi em direção a Diguinho, como se fosse o advertir. Mas na verdade o juiz só aproveitou esse tempo para se reposicionar em campo. Por sorte ele não cometeu um erro mais grosseiro na partida. Contudo a questão dos acréscimos chegou a ser cômica. Num segundo tempo truncando, com expulsão e várias substituições ele sinalizou apenas 3 minutos de acréscimos, e encerrou o jogo aos 47 minutos e 30 segundos. No situação de hoje eu deveria achar bom, mas hipocrisia tem limite.
Apesar dessa sequência de duas vitórias eu sigo achando que o Luan tem lugar nesse time. Nenhum dos meias produziu mais que ele nesse ano.

Esse jogo teve o maior número de não pagantes, tanto em termos absolutos (11.923), como também em percentuais (38,15%) da história da Arena do Grêmio. Quantos desses não pagantes se dispunham a pagar ingressos caso não houvesse a promoção?

Gostei da volta da informação dos resultados dos outros jogos da rodada no telão/placar. Era um elemento que havia sido inexplicavelmente abandonado desde a saída do Olímpico. O que eu não gostei foi de ver portões fechados num jogo com mais de 30 mil pessoas (e ainda se esperava mais gente)

Fotos: André Kruse (Grêmio1983.blogspot.com)

Grêmio Grêmio 1×0 Fluminense Fluminense

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Bressan e Breno; Ramiro, Riveros, Alan Ruiz (Zé Roberto 25/2°T), Rodriguinho (Maxi Rodriguez  33/2°T) e Dudu; Barcos.
Técnico: Enderson Moreira.
FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Bruno, Gum, Elivélton e Carlinhos; Diguinho (Chiquinho  31/2°T), Jean, Wágner e Conca (Biro Biro 31/2° T); Rafael Sobis (Walter 16/2°T) e Fred.

Técnico: Cristovão Borges

05ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 17/5/2014, domingo, 16h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre – RS
Público: 31.251 (19.328 pagantes)
Renda: R$ 734.734,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF)
Auxiliares: Emerson Carvalho (SP) e Marcelo Van Gasse (SP)
Cartões amarelos: Ramiro, Pará, Alán Ruiz (G), Fred, Elivélton (F)
Cartões vermelhos: Fred, aos 24 do 2°T
Gol: Rodriguinho aos 36 minutos do  1° tempo

Brasileirão – Fluminense 1×1 Grêmio

October 14, 2013

 

O Grêmio voltou a apresentar seu futebol de “visitante indigesto”. Travou o Fluminense, criou chances (Souza carimbou o travessão) e saiu na frente aos 37 minutos do primeiro tempo, quando Bressan pegou o rebote da sua própria conclusão de cabeça e mandou, de pé direito, a bola pro fundo das redes. A partir daí o time tratou de se defender (com alguma bravura quando lhe faltava maior organização) e administrar a vantagem conquistada.
O tricolor gaúcho conquistaria mais uma magra, porém importante, vitória não fossem dois “pequenos” detalhes:
Um erro absurdo do Herman Brumel Van, que se equivocou duplamente ao marcar um impedimento inexistente de Kléber (imagem abaixo), pois o avante gremista não só estava atrás da linha do penúltimo defensor como também partiu do seu campo de defesa no momento em que é feito o lançamento.
– Uma senhora bobeada da defesa gremista que permitiu que Rafael Sobis avançasse numa bola inicialmente pouco perigosa, recebida na lateral, aos 45 minutos do segundo tempo. Diversos defensores gremistas optaram por dar chance ao azar. E o azar se aproveitou, fazendo com que a bola desviasse em Rhodolfo e caísse dentro do gol de Marcelo Grohe.

 

 

 

É inadmissível que um bandeirinha do campeonato brasileiro desconheça a regra do impedimento. É triste, mas eu não vejo perspectiva de melhora. Porque inexiste reprimenda a tamanho desconhecimento. Em 2006 um juiz marcou impedimento em lateral, não marcou recuo pro goleiro e ainda assim foi escolhido para ser o representante brasileiro na Copa do Mundo.Mudou alguma coisa no status quo da arbitragem brasileira desde então? Vai mudar daqui pra frente?
O preparador físico do Fluminense deu uma declaração que serve para duas coisas: Provar que o microfone aceita tudo e que não existem limites para quem é cara de pau.
O curioso é que o Sportv só repetiu o lance do impedimento após a reclamação do Kléber na saída de campo.
Grande partida de Marcelo Grohe, fez grandes defesas e transmitiu segurança. Adriano também teve uma atuação bem interessante.
E no final da rodada o Grêmio diminuiu a distância para o líder, mas perdeu uma posição.
Luxemburgo tem todo direito de reclamar se acha que o Grêmio ainda lhe deve algum valor. Mas deve reclamar em local e momento adequados. E a coletiva de um jogo do Fluminense não me parece ser um foro adequado para tanto.
Eu teria mantido o treinador da temporada 2012 para a temporada 2013. Assim não posso dizer que Koff errou ao renovar com Luxemburgo. O que não dá pra aceitar é que o presidente do clube se preste a ficar batendo boca com um ex-funcionário. E é inaceitável que um homem da experiência de Koff afirme que foi “condicionado” a optar por Luxemburgo no início do ano. Não condiz com sua biografia.

 

Fotos: Nelson Perez (Fluminense F.C.) e Alexandre Cassiano (O Globo)

Fluminense Fluminense 1×1 Grêmio Grêmio 

FLUMINENSE: Kléver; Gum, Edinho e Anderson (Felipe – intervalo); Bruno (Ailton – 19′/2ºT), Diguinho, Jean, Wagner (Marcos Junior – 19′/2ºT) e Rafinha; Biro Biro e Rafael Sobis.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
GRÊMIO: Marcelo Grohe; Saimon, Rhodolfo e Bressan; Pará, Souza, Adriano (Matheus Biteco – 28′/2ºT), Ramiro (Elano – 40′/2ºT) e Alex Telles (Wendell – 38′/2ºT); Barcos e Kleber.
Técnico: Renato Portaluppi

28ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2013
Data: 12/10/2013, sábado, 18h30min
Local: Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro-RJ
Público: 13.252 pagantes
Renda: R$ 233.440,00
Árbitro: Alicio Pena Júnior (MG)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Herman Brumel Vani (SP).
Cartões amarelos: Biro Biro, Edinho, Marcos Junior e Diguinho, Ramiro, Kleber e Saimon.
Cartão vermelho: Biro Biro (FLU), aos 28 minutos do 2º tempo
Gol: Bressan, aos 37′/1ºT ; e Rafael Sobis, aos 45′/2ºT

Libertadores – Fluminense 0x3 Grêmio

February 21, 2013

 

Era grande a expectativa para esse confronto com o Fluminense. A derrota para o Huachipato já colocava o Grêmio em situação complicada no grupo. As projeções indicavam que seria preciso recuperar pontos fora de casa e o jogo do Engenhão era, em tese, o mais difícil. Mas talvez fosse justamente o que Grêmio precisava. Sob o comando de Luxemburgo o tricolor gaúcho costuma se portar bem como visitante nos grandes jogos. Sua dificuldade parece ser maior contra equipes retrancadas.
Claro que houve uma grande mudança de postura, de atitude do Grêmio, mas o bom desempenho se explica também pela característica da partida. O Fluminense gosta de um jogo franco, e dessa vez não foi diferente, tendo tentado ir para cima da defesa gremista desde o início do jogo. E o Grêmio, bem posicionado (ocupou a frente da área e ofereceu os lados para o adversário), conseguiu travar o Flu. A bola não chegava em Fred. Logo a superioridade gremista foi aparecendo, uma vez que eram azuis as melhores chances. O gol saiu aos 32 minutos, num escanteio em que o lateral Bruno se preocupou tanto em agarrar Barcos que se esqueceu da bola e marcou contra. 1×0 foi o placar da primeira etapa.
Abel mexeu no seu time no para o segundo tempo. Deco voltou no lugar de Vagner, mas o domínio gremista só aumentou. O Fluminense tentou forçar o jogo aéreo, mas a defesa do Grêmio esteve muito bem, tanto por cima, como também por baixo. Com isso foram surgindo oportunidades de contra-ataque e o Grêmio as soube aproveitar. Barcos e Vargas se entenderam na frente e o placar foi dilatado. André Santos fez o segundo aos nove e Vargas marcou o terceiro aos 24. O Fluminense praticamente não mostrou reação e no final se ouvia a torcida do Grêmio saudando a troca de passes dos seus atletas com o clássico “olé”

 

 

O resultado paralelo foi bom e tudo voltou a estaca zero. As chances de classificação voltam a ser boas e ainda é possível pensar na primeira colocação do grupo. Mas é preciso um pouco de cautlea. hoje o Grêmio pulou da lanterna para o 1º lugar. Não é improvável que o inverso possa acontecer na última rodada.

 

Barcos foi um monstro. Ganhou todas as bolas que disputou. Foi bem na funçao de pivô e soube sair da área para buscar jogo e criar jogadas. Uma atuação impecável.

Fernando foi outro destaque. Marcou, combateu e organizou a saída de jogo do Grêmio. Talvez o desempenho dele nessa partida não sirva para comprovar que Luxemburgo tenha errado na escalação contra o Huachipato, mas é uma boa mostra de que não é tão simples tirar o Fernando do time titular.

O gol foi um detalhe, mas André Santos mostrou significativa melhor em relação ao futebol apresentado na semana passada. Contudo, parece ainda carecer de melhor condição física.

 

A nosso favor é muito bonito, mas o bandeirinha nao pode errar um impedimento como o do lance do segundo gol.

 

Contra o Huachipato, Vargas pouco contribuiu jogando centralizado e mais recuado do que o Elano. Hoje ele se posicionou mais adiantado e aberto pela direita, rendendo bem mais assim.

Pode ser questão de memória afetiva/seletiva, mas esse uniforme com camisa celeste e calções e meias pretas sempre me traz boas recordações

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net), Alexandre Cassiano (O Globo) e Nelson Perez (Fluminense)

Fluminense Fluminense 0x3 Grêmio Grêmio

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Bruno, Leandro Euzébio, Anderson e Carlinhos; Edinho, Jean, e Wágner (Deco – Intervalo); Wellington Nem (Thiago Neves – 17’/2ºT), Fred e Rafael Sobis (Samuel – 18’/2ºT).  
Técnico: Abel Braga
GRÊMIO: Dida; Pará, Werley, Cris e André Santos; Fernando, Souza (Adriano – 35’/2ºT), Elano (Marco Antônio – 33’/2ºT) e Zé Roberto; Vargas (Welliton – 37’/2ºT) e Barcos.  
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

2ª Rodada – Fase de Grupos – Libertadores 2013
Data: 20/02/2013, quarta-feira, 22h00min
Local: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Público: 18.947 pagantes
Renda: R$ 747.550,00
Árbitro: Paulo César de Oliveira (Fifa/SP)
Assistentes: Márcio Santiago (Fifa/MG) e Fabrício Vilarinho (Fifa/GO)
Cartões amarelos: Anderson (FLU); Elano e Zé Roberto (GRE)
Gols: Barcos (32min/1ºT), André Santos (9min/2ºT) e Vargas (24min/2ºT)