Archive for the ‘Gauchão 1979’ Category

Gauchão 1979 – Octogonal final -Grêmio 1×1 Inter

April 3, 2021

Foto: Correio do Povo

Em 20 de setembro de 1979, o Grêmio fez o último dos 52 jogos da campanha do título estadual daquela temporada. Um Gre-Nal no Olímpico, com praticamente nenhum importância para o desfecho da competição, uma vez que o tricolor já havia conquistado o título três rodadas antes. O empate em 1×1 fez com que o Inter ficasse em 3º lugar, 1 ponto atrás do vice Esportivo e 10 atrás do campeão.

Assim algum eventos extra-campo foram mais marcantes que o clássico:

– A reunião de grandes clubes brasileiros (O Correio do Povo menciona a presença de 21 clubes, a Folha de São Paulo 22 e o Jornal do Brasil 26) em Porto Alegre, onde procuravam dar sequência a um movimento de associação, com intuito de fazer reivindicações em conjunto perante a CBD.

– A presença do General João Figueiredo, à época Presidente da República, na Tribuna de Honra do Estádio Olímpico. Interessante notar a diferença da cobertura do Correio do Povo e Jornal do Brasil sobre este fato.

 

GRE-NAL TEVE VIOLÊNCIA, EXPULSÕES E RESULTADO JUSTO

Setembro, dia 20. Olímpico em festa. Na tribuna principal, o presidente João Figueiredo, ministros, governador Amaral de Souza, secretários estaduais, políticos e presidentes de 21 clubes brasileiros. No campo, o Gre-Nal do tricolor campeão por antecipação, levando dez pontos da vantagem.

No primeiro tempo, o empate em branco. Dois times nervosos. A bola rodando com rapidez. Jogadas vigorosas, algumas marcadas pela violência. No ar, a perspectiva de uma festa que poderia ser inacabada pelo excesso de lances viris. A rigor, 45 minutos de jogo equilibrado.

Aos três minutos, segundo tempo, o golo de Leandro sacudindo a torcida gremista. E a festa esquentou. O presidente Figueiredo também se agitando ria tribuna. Mas, aos 34 minutos, a resposta colorada Jair, goleador do campeonato, de bicicleta, acertou as redes de Manga. No final, 1 x 1. Justo, sem dúvida.  Assim, ontem, no Olímpico, Grêmio encerrou sua campanha vitoriosa, enquanto o Internacional acabou em terceiro lugar nesta temporada.

 

PRIMEIRO TEMPO

Intensa movimentação. Esta é a primeira característica do jogo. Os times decidiram correr o campo todo, buscando uma definição ainda no período de abertura do clássico. Em decorrência, houve muito vigor e até mesmo rispidez nos primeiros 45 minutos.

Até os trinta minutos, todos os lances marcaram pela igualdade, paridade de forças. O Grêmio trabalhava com maior insistência na ofensiva, enquanto o Internacional respondia à altura.

O Gre-Nal teve quatro momentos que quase decidiram na movimentação do escore: aos 2 min. chute de Éder; 13 min. cabeçada de Ancheta, que João Carlos salvou embaixo dos paus; 20 min., Baltazar teve chance e bateu fraco; 38, Chico Espina perdeu golo.

O zero a zero, apesar da insistência ofensiva do Grêmio, foi justo. A partida foi bem disputada, havendo lances violentos. O Internacional fez 14 faltas, enquanto o Grêmio treze, Washington foi caçado pela zaga tricolor, caso exemplo da violência. No futebol, tudo igual nesta fase.

 

SEGUNDO TEMPO

Aos três minutos, a festa tricolor no Olímpico: Jurandir lançou Baltazar que de primeira estendeu a bola na frente para Tarciso. O ponteiro olhou a colocação de Leandro e deu o toque certo. O apoiador bateu forte, Benitez mergulhou atrasado no canto direito. Grêmio 1, Inter 0.

Seguindo atrás no marcador, o Internacional passou a buscar a igualdade na base de intensa movimentação. Aos dez minutos, de novo, Chico Espina prejudicou o colorado num lance, de área. A entrada de Mário, substituindo a Washington, deu maior explosão ao ataque. No Grêmio, Iúra entrou no lugar de Leandro.

Aos 34 minutos, o empate: João Carlos levantou da direita; a bola subiu, bateu num zagueiro e, na sobra, ficou na altura do peito de Jair, que deu a bicicleta mortal. Manga se esticou, mas não conseguiu evitar o golo do Internacional, estabelecendo urna justa igualdade.

A partida começou e terminou com temperatura alta. Por isso, aos 43 minutos, num dos muitos incidentes, M. Sergio e Jurandir foram expulsos. No mais, um Gre-Nal de empenho, muito suor, fibra dos jogadores.” (Correio do Povo, sexta-feira, 21 de setembro de 1979)

 

 

FIGUEIREDO VÊ EMPATE DO GRÊMIO E AMEAÇA REPÓTER

 Porto Alegre — O Presidente João Figueiredo compareceu ontem à noite ao Estádio Olímpico para assistir ao jogo pela rodada final do Campeonato Gaúcho em que o seu clube, o Grêmio, já campeão, empatou com o Internacional por um gol. No intervalo, em meio a homenagens dos dirigentes, perdeu a calma e chegou a ameaçar um repórter, por lhe fazer uma pergunta sobre política.

Com a interferência dos seus assessores, o Presidente da República concordou em dar rápida entrevista à imprensa, desde que o assunto se restringisse ao futebol. Tranqüilo, de início, brincou com os jornalistas:

–  Só não posso falar nada sobre a possível volta de Paulo César Lima à Seleção, porque não sou o técnico da Seleção.

Mas quase a seguir o Presidente irritou-se de forma ostensiva e até ameaçou o repórter Roberto Tomé, da TV Gaúcha, que lhe perguntou sobre a reforma partidária:

— Você não sabia que combinamos falar apenas de futebol? Você não cumpriu seu compromisso. Quando se assume um compromisso, se cumpre até o fim. Não faça mais isso. Cuidado, você poderá se arrepender.

O Presidente João Figueiredo prometeu presenciar o Fla x Flu, domingo, para torcer pela vitória de seu clube no Rio, o Fluminense.

 

REUNIAO DOS CLUBES

Porto Alegre — A novidade da reunião dos 26 maiores clubes brasileiros, realizada na tarde de ontem, nesta Capital, foi a criação de uma comissão, formada por representantes de três clubes cariocas que fará um detalhamento técnico do documento resultante do encontro do: clubes no Rio, no início do mês, para posterior encaminhamento à CBD. CND e ao Ministério da Educação e Cultura.

 — Aquela reunião que realizamos no Rio contou com a presença de 12 grandes clubes e essa, de Porto Alegre, com 26. Assim, o que fizemos foi apresentar a: nossas sugestões aos clubes que não tomaram parte da reunião anterior. O apoio foi total e decidimos marcar outra reunião para o dia 19 de outubro, novamente no Rio, quando discutiremos a redação final do documento”, disse o presidente do Vasco da Gama, Agathyrno Silva Gomes, que foi designado como presidente da comissão. Esta será integrada ainda pelo presidente do conselho deliberativo do Flamengo, Sr. Antônio Augusto Dunshee de Abrantes, pelo procurador do Botafogo, Antonio Meirelles Quintella pelo assessor da presidência do Vasco Ivo Marques, e pelo presidente do América, Álvaro Bragança.

Até o próximo dia 5 de outubro, os clubes deverão enviar à Comissão de Detalhamento Técnico novas sugestões “Carta do Rio”. A Comissão elaborar uma nova redação do documento até dia 12 de outubro, quando será dado conhecimento do texto, a ser novamente discutido na reunião do dia 19, no Rio.”  (Jornal do Brasil, sexta-feira, 21 de setembro de 1979, página 37)

 

Grêmio 1×1 Inter

GRÊMIO: Manga; Vilson, Ancheta, Vantuir e Dirceu; Vítor Hugo, Jurandir e Jorge Leandro (Iúra); Tarciso, Baltazar e Éder
Técnico: Orlando Fantoni

INTER: Benitez; João Carlos, Mauro, Mauro Galvão e Cláudio Mineiro; Batista, Falcão e  Jair e Falcão; Espina, Washington (Mário) e Mário Sérgio
Técnico: Otacílio Gonçalves (Interino)

Gauchão 1979 – Octogonal Final – 14ª Rodada
Data: 20 de setembro de 1979, quinta-feira, 21h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre, RS
Público: 39.179
Renda:  Cr$ 1.539.850,00
Árbitro: Airton Bernardoni
Auxiliares: Jorge Silva e João Mendes,
Cartões Vermelhos: Mário Sérgio e Jurandir, aos 43 do 2ºT
Gols:  Jorge Leandro, aos 4 minutos e Jair, aos 34 minutos do segundo tempoo

Gauchão 1979 – Grêmio 1×1 Inter

March 16, 2019

1979 grenal 1x1 foto correio

No Gauchão de 1979, Grêmio e Inter se enfrentaram no Olímpico na última rodada do segundo turno. O tricolor já havia garantido a primeira posição dessa fase, assim como acontecera no primeiro turno, o que lhe garantia dois pontos extras no octagonal final.

Diante desse cenário, o Inter foi a campo com um time misto. Poucas horas antes da bola rolar, o presidente Marcelo Feijó (tio do atual presidente colorado) anunciou a demissão do técnico Cláudio Duarte e o licenciamento (sabe-se lá o que isso significa) do departamento de futebol comando por Gilberto Medeiros (pai do atual presidente colorado).

O Inter surpreendeu e saiu na frente com um gol de borracha. Éder empatou o jogo no segundo tempo, convertendo pênalti sofrido por Paulo César Caju. Abaixo a crônica do Correio do Povo sobre a partida:

1979 grenal 1x1 guaiba

GRE-NAL NÃO FUGIU À TRADIÇÃO
O Grêmio queria plasmar no Gre-Nal sua superioridade diante do Internacional no atual campeonato. Mas o andamento da partida, mesmo com o Inter jogando sem alguns titulares, mostrou a tradicional igualdade de força durante o clássico do Rio G. do Sul.
Duas horas e meia antes da partida surgiu o anúncio da saída do técnico Cláudio Duarte, do licenciamento de Gilberto Medeiros e seus principais assessores, veio a palavra de Marcelo Feijó, dizendo que ele estava também respondendo pelo futebol do Internacional. Neste clima e ainda sem Valdomiro, Falcão, Mário e Adilson, as chances do Inter, teoricamente, eram menores contra um Grêmio líder e com a massa de torcedores a seu favor.
Os primeiros minutos do Gre-Nal mostraram o Internacional precavido na defesa, com vários jogadores no meio de campo e usando apenas os contra-ataques. O domínio territorial do Grêmio foi notório, mas as conclusões não apareciam. O Inter aos poucos foi dominando o meio de campo onde Batista, Tonho, Borracha e movimentavam-se com autoridade e tranquilidade.
O resultado desse domínio no meio-campo proporcionou excelentes contra-ataques, principalmente quando Chico Espina era lançado e vencia os combates diretos contra Vilson e principalmente contra Ancheta.
Aos 20 minutos o Inter atacou forte e Vitor Hugo tentando defender entregou a bola nos pés de Chico Espina, que passou a Jair. Daí o passe foi rápido para o garoto Borracha que da entrada da área atirou rasante no canto esquerdo de Manga para fazer um a zero. A pequena torcida do Inter comemorou intensamente o golo e a imensa maioria de gremistas se olhavam estupefatos sem saber o que tinha acontecido.
Ainda no primeiro tempo o time de Fantoni passaria por mais três sustos. Logo depois do golo o Inter atacou e, num erro do bandeirinha Erick Fuchs, Borracha ficou cara a cara com Manga e não fosse a providencial salda do goleiro teria feito o segundo. Depois Jair, em duas vezes, quase marcou. O primeiro tempo terminou com justa vitória parcial do Internacional.
O EMPATE
No segundo tempo Tarciso, atingido por Cláudio Mineiro, foi substituído por Jurandir. A troca trouxe vantagens ao Grémio que ao colocar Jurandir na ponta fazendo-o ajudar o meio de campo, equilibrou e partida naquele setor.
O Inter não mudou e confirmou usando o contra-ataque como arma principal. Só que no segundo tempo teve apenas uma chance viva de gol quando Tonho ia chutar e foi atrapalhado por Chico Espina. O Grêmio atacou sempre, mas na maioria das vezes exagerou no chuveirinho.
Aos 27 minutos André foi lançado e conseguiu dar o passe para Paulo César. Batista entrou por trás e derrubou o jogador gremista. Gallas marcou o pênalte que resultou na expulsão de Batista, por reclamação, Eder destacado para cobrar bateu forte e marcou. O Grêmio tentou desempatar com Baltazar já no lugar de Nardela mas a defesa do Inter resistiu o um a um. O técnico Otacilio usou os reservas Toninho e Sílvio e manteve o esquema empregado desde o início do Gre-Nal.” (Correio do Povo, terça-feira, 24 de julho de 1979)

1979 grenal 1x1 anuncio inter

1979 grenal 1x1 guaibab

GRÊMIO: Manga; Vilson, Ancheta, Vantuir, Dirceu; Vitor Hugo, Nardela (Baltazar), Paulo César; Tarciso (Jurandir), André Catimba e Éder Aleixo.
Técnico: Orlando Fantoni

INTER: Benitez; João Carlos, Mauro, Beliato, Cláudio Mineiro; Batista, Tonho, Borracha (Sílvio); Jair, Rogério (Toninho) e Chico Espina.
Técnico: Otacílio Gonçalves (interino)

Gauchão 1979 – 2º Turno – 19ª Rodada
Data: 22 de julho de 1979, domingo, 15h3omin
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre/RS
Público: 47.427
Renda: Cr$ 2.102.500,00
Árbitro: Roque José Gallas
Assistentes: Erick Fuchs e Ricardo Piva
Cartãos vermelho: Batista (27 do 2ºT)
Gols: Borracha, aos 25 do 1º tempo. Éder (de pênalti) aos 27 minutos do segundo tempo