Archive for the ‘Gauchão 2014’ Category

Gauchão 2014 – Internacional 4×1 Grêmio

April 14, 2014
  

Depois de transcorridos os 180 minutos dos dois jogos finais do Gauchão 2014 não há qualquer sombra de dúvida que o Inter mereceu vencer esta final do campeonato. Ganhar ou perder é do jogo. Não foi e muito provavelmente não será o último troféu estadual que o Grêmio vê terminar nas mãos do seu tradicional adversário. Mas muito mais grave do que ter um título a mais ou a menos na lista de estaduais foi o placar final desse último jogo. Principalmente pela forma que ele foi construído.

Diante do resultado elástico poderíamos e deveríamos nos perguntar: O que o Inter fez de tão extraordinário que justificasse uma vitória de 4 gols sobre seu grande rival? E é muito difícil responder essa questão sem deixar de mencionar o que o Grêmio deixou de fazer. Assim como ocorreu nos 45 minutos finais do jogo de ida, o time de Enderson Moreira marcou muito pouco. Praticamente assistiu o adversário jogar. No começo do jogo o tricolor até teve alguma iniciativa ofensiva, ganhando algumas bolas no ataque, acumulando faltas no lado do campo, rondando a área de Dida e tendo algumas conclusões, ainda que desajeitadas. O problema estava no momento em que o time não tinha bola. Havia um perceptível espaçamento entre o meio de campo e linha de defesa tricolor. Um buraco na frente da área gremista que deixava a zaga totalmente exposta. Todo e qualquer bola do Inter, mesmo as que eram rifadas pela defesa colorada, entravam fácil pelo meio da defesa azul. Quando o 0x0 começou a parecer um placar bom para ser levado ao intervalo o Grêmio sofreu o gol. E sofreu de maneira ridícula, em um balão que picou na intermediária do campo de ataque colorado, e depois disso Werley se atrapalhou e entregou a bola para Rafael Moura. O centroavante colorado aguardou a chegada de D´alessandro, que abriu o placar com um chute rasteiro de pé direito.
Havia ainda tempo para uma recuperação. O time poderia ser ajeitado no intervalo, os problemas do Grêmio pareciam claros. Além do já mencionado buraco na frente dos zagueiros havia o fato de que o time era pouquíssimo combativo na marcação e assim realizava poucos desarmes. Mas o treinador optou por tentar dar mais uma opção ofensiva para seu time, retirando um dos poucos jogadores que poderia ocupar a cabeça de área sem posicionar ninguém no seu lugar. Como era de esperar o retorno do time para o segundo tempo foi patético. Em poucos minutos o Grêmio levou mais um gol que causaria revolta até em time de várzea. O Inter aproveitou o momento e começou a trocar passes no ataque, entrando como bem entendesse na área de Marcelo Grohe, e assim marcou o 3º e 4º gols. A grande prova da total falência da atuação gremista está no fato de que Alex, um jogador de desempenho sofrível desde que retornou a Porto Alegre, foi o grande destaque da jogo, atuando como volante e marcando dois gols. No final o Grêmio até conseguiu marcar um gol, que de forma alguma poderia se chamado de “gol de honra”, uma vez que o time seguiu atuando de forma bisonha.


Podemos analisar a derrota pelo que aconteceu nos 90 (ou 180) minutos da final. Mas o mais correto me parece ser analisar o cenário como um todo. E esse cenário é bem preocupante. O Inter tem o presidente da federação, o narrador, o comentarista e quem mais for preciso ao seu lado. Escolhe o calendário (contra quem, onde e como quer jogar), escolhe o juiz, escolhe a legislação na Assembleia, e escolhe até mesmo a música que o torcida gremista pode ou não cantar. O Grêmio não pode continuar a se preparar somente na véspera para um confronto que ele crê ser igual. Por que ele é já desigual (e por vezes desleal) muito antes da bola rolar.
Márcio Chagas, que virou personagem da semana Gre-Nal pelos motivos errados, foi mal na partida. Falhou no aspecto disciplinar (que ele mesmo considera tão importante),  e teve marcações bem equivocadas. Algumas induzidas pelos seus assistentes (como a bola que não saiu pela linha de fundo logo no começo do jogo, ou a inversão da falta em Wendell na origem do segundo gol colorado) outros todos seus (como o pênalti não marcado para o Grêmio quando o placar já estava 4×1).   Curioso foi ver o ex-juiz comentarista de arbitragem defendendo esses erros mesmo quando a imagem insistia em desmentir sua versão. O bom (ou triste mesmo) é que ainda que levemos em conta todas essas questões somos obrigados s concluir que o resultado não passa nem de longe pela arbitragem.
Agora resta esperar pela reação do Grêmio frente a esse revés. Por que, pela forma pela qual  aconteceu, é impossível que essa derrota não se torne um divisor de águas (para o bem ou para o mal) na temporada 2014 do tricolor.

 Fotos: Marcelo Campos (MC10) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

Internacional  Internacional 4×1 Grêmio Grêmio

 
INTER: Dida; Gilberto, Paulão, Ernando e Fabrício; Willians, Aránguiz, Alex (Juan, 39/2ºT), D’Alessandro (Jorge Henrique, 41/2ºT) e Alan Patrick (Ygor, 24/2°T); Rafael Moura
Técnico: Abel Braga

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Edinho (Maxi Rodríguez, int.), Ramiro, Riveros, Alán Ruiz (Léo Gago, 14/2ºT) e Dudu; Barcos
Técnico: Enderson Moreira

Final – Jogo de volta – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 13 de abril de 2014, domingo, 16h00min
Local: Estádio Centenário, em Caxias do Sul-RS
Público: 17.424 (15.815 pagantes)
Renda: R$ 665.230,00 
Arbitragem:
  Márcio Chagas da Silva
Auxiliares:  Marcelo Barison e Julio Cesar Santos
C. Amarelos: Fabrício, D’Alessandro; Barcos, Edinho, Riveros, Léo Gago
Cartões Vermelhos: Willians e Pará (aos 37 minutos do 2º tempo)

Gols: D’Alessandro, aos 26min do 1° tempo; Alex, aos 4min, Alan Patrick (de pênalti), aos 10min, Alex, aos 12min, e Ernando (contra), aos 21 minutos do 2º tempo

Advertisements

Gauchão 2014 – Grêmio 1×2 Internacional

March 31, 2014

E o Gre-Nal 400 teve um merecido vencedor, e só possível afirmar isso com base com no que aconteceu no segundo tempo. A vitória colorada foi justa pelo que o Inter fez na etapa final e, principalmente, pelo que o Grêmio deixou de fazer desde que voltou do intervalo.
Mas antes disso tudo houve o primeiro tempo, que foi um pouco estranho. No começo o Inter ficou recuo, atraindo o Grêmio para o seu campo. Empurrado pela torcida o tricolor foi ao ataque com entusiasmo, mas quem teve as melhores chances foram os colorados, Marcelo Grohe fez duas boas defesas no chute de Willians e na cabeçada de Alex. Aos poucos o Grêmio passou a controlar efetivamente o jogo, quando Dudu e Luan conseguiam partir dos lados e entrar na diagonal em direção ao centro da defesa colorada. Ali Barcos era acionado para funcionar de pivô do ataque gremista. Aos 14 minutos Pará ergue a bola na área e o Pirata subiu sozinho, na altura da marca do pênalti, cabeceando sem chances para Dida (foto acima).  Com a vantagem no placar o Grêmio se viu momentaneamente melhor na partida e teve chances de ampliar antes de ir para o vestiário. Na melhor delas, Riveros acertou um perigoso voleio após bom passe de Luan (foto abaixo).
Abel Braga mudou o seu time para o segundo tempo. Retirou Juan e colocou Ernando, aumentando a vigilância sobre Barcos e adiantando sua linha de defesa. Recuou Alex, adiantou Aránguiz e substituiu Jorge Henrique (que jogava aberto pela direita) por Alan Patrick (que ficou mais posicionado pela esquerda). O Inter melhorou, e o Grêmio piorou, recuando demais e não sendo mais ameaçador no contra-ataque como foi no final do primeiro tempo. Os atletas colorados se aproveitaram da marcação apática dos tricolores e foram em busca do empate, que aconteceu cedo, logo aos 8 minutos, numa jogada que o Inter entrou tocando passes na área gremista e terminou com o cabeceio de Rafael  Moura no segundo pau. Depois do empate o Grêmio continuou tendo dificuldades para atacar. A bola não chegava em Barcos e Dudu e Luan não conseguiam dar sequência nas jogadas que iniciavam pelos lados do campo. Enderson Moreira percebeu que o Grêmio carecia de alguém pelo meio que fizesse a ligação com o ataque e colocou Alan Ruiz em campo. Mas dois minutos depois saiu o gol da virada colorada. Um gol que um time com pretensões no ano não pode tomar. Porque ele nasceu de um escanteio a favor do Grêmio. Num rebote que o tricolor perdeu e ainda assim teve inúmeras chances de interromper o contra-ataque adversário. Mas isso não aconteceu e a bola foi sendo levada até a ponta esquerda, de onde Fabrício cruzou para Rafael Moura marcar de cabeça o 2×1. Depois disso o Grêmio até que tentou uma reação, mas pareceu muito mais cansado que o adversário, ficando sempre mais próximo de levar o terceiro do que de conseguir o empate.


“Preteou o olho da gateada”, já dizia a faixa premonitória vista ontem na Arena. Nunca é bom perder, mas sabidamente o Gauchão não é prioridade gremista. Agora, mais do que nunca é hora de fazer valer o planejamento e focar na Libertadores, deixando para pensar no que vai ser feito para a partida de volta somente para a véspera da decisão.
Pareceu claro que a equipe tricolor cansou mais do que o adversário no segundo tempo. Enderson Moreira reclamou da sequência de jogos. É a prova que um campeonato não começa a ser vencido (ou perdido) somente na decisão. O Gre-Nal foi a décima partida do Grêmio no mês de março, enquanto para o Inter foi apenas o sétimo compromisso no mesmo período. Creio que tal dado possa explicar a diferença no preparo. Penso que a diretoria do Grêmio deveria levar isso em conta antes de concordar com um calendário tão absurdo, com uma tabela montada para os interesses do co-irmão. Ademais, o desgaste da equipe era um risco que a comissão técnica deveria ter calculado quando optou por usar força máxima em todos os últimos jogos.
Os detalhes fora de campo fazem diferença, assim como os detalhes dentro das 4 linhas. No primeiro tempo Riveros arrancava em velocidade em direção ao ataque quando recebeu dura falta de Willians. O colorado levou o cartão amarelo, mas matou o contra-ataque. O Grêmio poderia ter feito o mesmo na jogada do segundo gol do Inter. Fazer falta pode até ser considerado “feio”, mas definitivamente faz parte do jogo. E pode ser a diferença entre uma classificação e uma eliminação (Lembram da Copa do Brasil de 2012?)
Eu gosto de AC-DC. Acho “Jailbreak” sensacional, mas quando o Grêmio entra em campo a única coisa que eu quero ouvir é o barulho da torcida. Alguns podem achar que é mera perfumaria, mas acho que estas questões do ambiente, da atmosfera do estádio são importantes. E por falar nisso, ver quase 1/3 dos lugares vazios num clássico, numa final de campeonato, não contribui muito para o clima na cancha. Algo precisa ser feito.

Fotos: Ricardo Rimoli (Lance), Mauro Schaefer (Correio do Povo), Lucas Uebel (Grêmio.net), Marcelo Campos (MC10) e André Kruse


Grêmio Grêmio 1×2 Internacional Internacional

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Riveros (Maxi Rodríguez – 33’/2°T), Edinho, Ramiro e Dudu (Alán Ruiz – 25’/2°T); Luan (Jean Deretti – 39’/2°T) e Barcos
Técnico: Enderson Moreira
INTERNACIONAL: Dida; Gilberto, Paulão, Juan (Ernando – intervalo) e Fabrício; Willians, Aránguiz e Alex (Ygor – 35’/2°T); D’Alessandro, Rafael Moura e Jorge Henrique (Alan Patrick – intervalo)
Técnico: Abel Braga

Final – Jogo de Ida – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 30/03/2014, domingo, 16h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 39.874 (37.444 pagantes)
Renda R$ 1.903.957,00
Árbitro: Leandro Vuaden
Auxiliares: José Franco Filho e Rafael Alves
Cartões amarelos: Willians, Paulão, Gilberto (INT) Edinho, Wendell (GRE)
Gols: Barcos, aos 14 minutos do 1° tempo e  Rafael Moura, aos  8 e  aos 27 minutos do 2° tempo

Gauchão 2014 – Grêmio 2×1 Brasil de Pelotas

March 27, 2014
 

 Fotos: Carlos Insaurriaga (G.E.Brasil) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio Grêmio 2×1 Brasil de Pelotas Brasil-RS

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Edinho, Ramiro, Riveros (Alán Ruiz, 20’/2°), Luan (Geromel, 44’/2º) e Dudu (Yuri Mamute, 33’/2º); Barcos
Técnico: Enderson Moreira

BRASIL-PEL: Luiz Müller; Wender, Ricardo Schneider, Fernando Cardozo e Rafael Forster (Raulen, 26’/2º); Leandro Leite, Márcio Hahn, Túlio Souza (Gustavo Papa, 6’/2º) e Washington; Cleiton e Alex Amado (Nena, 31’/2º)
Técnico: Rogério Zimmermann

Semifinal – Campeonato Gaúcho 2014

Data: 26 de março de 2014, quarta-feira, 19h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 22.250 (20.841 pagantes)
Renda: R$ 705.560,00
Arbitragem: Fabrício Corrêa
Auxiliares: José Javel Silveira e José Eduardo Calza.
Cartões amarelos: Wender, Márcio Hahn, Leandro Leite, Cleiton (B), Barcos, Wendell, Pará (G)
Gols: Dudu (G), a 38 minutos do primeiro tempo e e Luan (G), a 4 e Gustavo Papa (B), a 40 do segundo.

Gauchão 2014 – Grêmio 3×0 Juventude

March 24, 2014
 Foi um daqueles jogos que deu tudo certo para o Grêmio, o que já ocorreu antes na Arena nesse Gauchão. O time fez um gol cedo, teve espaço para atacar e conseguiu colocar velocidade no jogo. Um 3×0 ao natural.
Resta saber o quanto isso é bom ou ruim para o restante da temporada. Pode ser que o Grêmio se equivoque com o parâmetro do gauchão, mas também esse tipo de vitória pode ser importante para confiança e consolidação da equipe e auto-estima do torcedor.

Acho que Barcos fez muito bem em consultar os colegas antes de pedir música no Fantástico. Ninguém joga sozinho. Essa a segunda melhor atitude possível em relação a este programa. A primeira foi a que o Herrera teve.
 
  Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

 Grêmio Grêmio 3×0 Juventude Juventude

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell; Edinho, Ramiro, Riveros (Alán Ruiz, 31’/2º), Luan (Jean Deretti, 39′ /2º)e Dudu (Everton, 34’/2º); Barcos
Técnico: Enderson Moreira
JUVENTUDE: Fernando; Juliano (Rodrigo Heffner, 30’/2º), Rafael Pereira, Diogo e Julinho; Vacaria (Ermel 25’/1º), Mika, Jardel e Yann; Douglas e Zulu
Técnico: Roger Machado
Quartas de final – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 23/março/2014, domingo, 16h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 23.718 (22.317 pagantes)
Renda: R$ 773.226,00
Arbitragem: Anderson Daronco
Auxiliares: Alexandre Kleiniche e Maurício Penna
Cartões amarelos: Edinho, Ramiro, Riveros (G), Zulu, Juliano, Mika, Rodrigo Heffne
Gols: Barcos, aos 9 minutos do primeiro tempo, e aos 12 e 27 minutos do segundo tempo

Gauchão 2014 – Grêmio 3×0 Pelotas

March 17, 2014

 Fotos: Diego da Rosa (Correio do Povo) e Ricardo Rimoli (Lance)

Grêmio Grêmio 3×0 Pelotas Pelotas

GRÊMIO: Tiago; Tinga, Bressan, Pedro Geromel e Breno; Léo Gago, Matheus Biteco (Everton, intervalo), Maxi Rodríguez (Jean Deretti, 15″/2°T), Alan Ruiz e Dudu (Yuri Mamute, 34″, 2°T); Everaldo. Técnico: Enderson Moreira
PELOTAS: Diego; Michel, Fred, Pedrão (Micael, 20″/2°T) e Alex; Tiago Gaúcho, Igor, Jefferson Costa e Mithyuê (Wagner Libano, 12″/2°T); Carlos Alberto e Sandro Sotilli (Carlos Gatto, 12″/2°T).
Técnico: Luiz Carlos Barbieri
15ª Rodada – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 16 de março de 2014, domingo, 16h00min
Local: Estádio do Vale, Novo Hamburgo/RS
Público Total: 1.878 (1.617 pagantes)
Renda: R$ 35.342  
Árbitro: Márcio Coruja
Auxiliares:  Rafael Alves e Sedenir Martins.
Cartões amarelos: Pedrão, Sandro Sotilli, Tiago Gaúcho, Micael, Alex (P)
Gols: Jean Deretti (G), aos 16 min e aos 34 min e Everton (G), aos 35 min do 2º tempo.

Gauchão 2014 – Grêmio 3×1 Passo Fundo

March 10, 2014

Depois de uma sequência de três resultados negativos o Grêmio voltou a vencer no Gauchão e ficou muito perto de assegurar a primeira posição do seu grupo. O jogo contra o Passo Fundo teve vários fatores interessantes. O primeiro deles foi o fato dos visitantes terem saído na frente logo aos 2 minutos, o que deu outra dinâmica a partida, ao invés do habitual “time grande tendo paciência para furar a retranca do time pequeno” O tricolor teve que buscar uma reação. E fez isso rapidamente. Barcos, empatou o jogo após o escanteio batido por Zé Roberto, aos 6 minutos. Ainda no primeiro tempo Hyantony assustou Marcelo Grohe com um chute de longe que acertou a trave e Riveros desperdiçou dentro da pequena área a chance da virada.
No segundo tempo Enderson optou por colocar Dudu em campo, mas dessa vez retirou Edinho, ficando com dois volantes de bastante saída pro ataque. Aos 2 minutos Barcos marcou o 2×1 de cabeça, em novo cruzamento de Zé Roberto. É difícil relatar o que aconteceu depois disso, uma vez que o PFC apresentou persistentes problemas técnicos. Dizem que Luan marcou o terceiro do Grêmio aos 24 minutos.

Está na regra 4 do livro de regras: “cada goleiro usará cores que o diferencie dos demais jogadores, do árbitro e dos árbitros assistentes” . Mas me parece que o mais correto seria que o trio de arbitragem verificasse tal situação antes das equipes ingressarem no gramado. Não pode um jogo de futebol profissional ter seu início atrasado por causa disso.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net) e  Mauro Schaefer (Correio do Povo)

Grêmio Grêmio 3×1 Passo Fundo Passo Fundo

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Werley, Rhodolfo e Wendell (Tinga, 17’/2º); Edinho (Dudu, intervalo), Ramiro, Riveros, Zé Roberto e Luan (Alán Ruiz, 30’/2º); Barcos.
Técnico: Enderson Moreira
PASSO FUNDO: Bruno Grassi; Rodrigo Vareta, Ediglê, Gil e Gustavo (Cassiano, 15’/2º); Márcio Reis, Anelka (Vavá, 33’/2º), Lenílson (Felipe, 29’/2º) e Matheus Santana; Hyantony e Bruninho.
Técnico: Luiz Carlos Winck

13ª Rodada – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 9 de fevereiro de 2014, domingo, 18h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 12.461 (com 8.998 pagantes)
Renda: R$ 244.017,00
Árbitro: Francisco Silva Neto
Assistentes: Lúcio Flor e João Monteiro Júnior
Cartões amarelos: Gustavo e Anelka
Gols: Bruninho, aos 2 minutos e Barcos aos 6 minutos do 1º tempo; Barcos , aos 2 minutos e Luan  aos 24 minutos do 2º tempo.

Gauchão 2014 – São Luiz 2×2 Grêmio

March 8, 2014

É surreal que, em pleno 2014, o Grêmio seja obrigado a um enfrentar um calendário como esse do início de março. Não consigo pensar em maior desvalorização do produto do que um jogo oficial totalmente esvaziado e perdido numa sexta-feira. Tendo jogado quarta, e tendo compromisso domingo na Arena, não teria como o Grêmio não se valer da sua equipe reserva para ir até Ijuí para enfrentar o São Luís. Mesmo sem força máxima, o tricolor tinha totais condições de superar o lanterna da competição. Poderia e deveria ter se aproveitado das facilidades que teve na partida, tendo saído na frente logo de cara, conseguido o desempate ainda no primeiro tempo e ter jogado boa parte da segunda etapa com um jogador a mais. Mas o Grêmio foi displicente, demorando a marcar um terceiro tento que resolveria o jogo, e sofreu o empate a dois minutos do fim, num gol contra de Pedro Geromel.

São três jogos seguidos sem vitória no gauchão. A competição costuma ser lembrado pela atrapalhação que causa aos clubes. Mas atrapalha um pouco menos para quem fica em primeiro do seu grupo. Seria interessante que o Grêmio não perdesse essa posição.
É como já é costumeiro, o Grêmio teve um pênalti a seu favor ignorado pela arbitragem. O fato de Mamute ter se atirado com atraso não anula o chute que o zagueiro adversário deu na sua canela (e chute na canela dentro da área é pênalti (Nesse mesmo fim de semana aconteceu um lance parecido na Copa da Inglaterra, no jogo entre Arsenal e Everton, e foi marcado pênalti apesar da queda tardia do atacante). Mas convenhamos que um pênalti não marcado não é nada para uma instituição que está sendo empurrada para o papel de grande vilã do esporte nacional.

Fotos: Eurides Martins (Portal Ijuhy.com)
 
São Luiz São Luiz 2×2 Grêmio Grêmio

SÃO LUIZ: Alê; Júnior Barbosa, Rodolfo, Ben-Hur e Adão; Fabinho, Mateus, Elias (Paraná – intervalo) e Aloísio; Felipe Alves (Adilson Bahia – 13’/2°T) e Gabriel Mattana (Fábio Alemão – 21’/2°T)
Técnico: Alessandro Telles

GRÊMIO: Busatto; Moisés, Saimon, Pedro Geromel e Breno; Adriano, Léo Gago, Everton, Maxi Rodríguez (Guilherme Biteco – 37’/2°T) e Yuri Mamute (Jean Deretti – 21’/2°T); Lucas Coelho (Everaldo – 37’/2°T)
Técnico: Luís Fernando Rosa Flores


14ª Rodada – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 07/03/2014, sexta-feira, 20h00min
Local: Estádio 19 de Outubro, em Ijuí- RS
Árbitro: Vinícius Costa da Costa
Auxiliares: Tatiana de Freitas e Antonio João Albornoz
Cartões amarelos: Júnior Barbosa, Rodolfo,  Adriano, Yuri Mamut
Cartões vermelhos: Júnior Barbosa
Gols: Saimon, aos 2 minutos, Aloísio, aos 10 e Yuri Mamute (G) aos 35  minutos do primeiro tempo; Pedro Geromel (contra)  a 43 minutos do segundo tempo

Gauchão 2014 – Cruzeiro 0x0 Grêmio

March 6, 2014
Enderson Moreira optou por uma escalação mais ofensiva, com Zé Roberto centralizado na meia e Luan e Dudu abertos pelas pontas. Com essa formação o Grêmio teve muita movimentação, controlando as ações e criando oportunidades, apesar da boa atuação dos cruzeiristas. No primeiro tempo o tricolor sentiu falta de um maior ímpeto no momento da conclusão, ainda assim teve sua melhor chance aos 29 minutos, quando Luan fez grande jogada pela direita e cruzou para Dudu, que dentro da pequena área conseguiu carimbar o travessão (foto acima). Nos 45 minutos finais o Grêmio passou a pressionar com maior força, erguendo mais bolas na área e arriscando mais arremates. Contudo o avanço tricolor parou na resistência do Cruzeiro, especialmente nas boas defesas do goleiro Fábio.
Eu achei bem interessante essa formação usada pelo Grêmio ontem. Mas me parece que o time que jogou contra o Novo Hamburgo (também com Luan e Dudu nas pontas) conseguiu colocar um pouco mais de velocidade na partida (o que talvez passe pelo posicionamento do adversário).


Acho mais do que justo que Riveros tenha recebido um descanso. Mas não vejo um onze ideal do Grêmio sem ele incluído. É um jogador que acrescenta “punch” ao time, seja roubando bolas na defesa, seja entrando na área para marcar gols.
Houve um grande fuzuê ontem nas “redes sociais” pelo fato do atacante Paulinho do Cruzeiro estar jogando com uma chuteira com o distintivo do Inter.  Eu não vi nada demais. Fosse eu dirigente cruzeirista eu aconselharia que o jogador a tapar tal símbolo, mas a explicação dada pelo atleta (de ter recebido de presente do atacante Cassiano) só demonstra que a fartura de material esportivo não é uma realidade dos clubes pequenos. Além do mais, essas chuteiras top de linha são bem caras, podendo ser um custo muito alto para o atleta.
Bem interessante essa camisa branca com as três listras brancas. Seria uma ótima ideia para o Santos ou Real Madrid. Para o Cruzeiro fica faltando um pouco de azul, no meu gosto.

Eu achava que essa história de vermos carros estacionados junto ao alambrado do campo era algo da década de 1970. Ledo engano. Nesse aspecto estético, estamos muito longe de poder chamar os estádios do gauchão de “charmosos”. 

 Fotos: André Ávila (Correio do Povo) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

 Cruzeiro-RS Cruzeiro 0x0 Grêmio Grêmio

CRUZEIRO: Fabio; Klaydir, Carlão, Leo Carioca e Jeanderson; Claudinho, Reinaldo, Vanderson e Alexandre (Julio Abu – 15’/2°T); Paulinho (Matheus – 21’/1°T) e Leandro Rodrigues
Técnico: Luis Antonio Zaluar
GRÊMIO: Marcelo Grohe, Pará, Rhodolfo, Werley e Wendell; Edinho (Alán Ruiz – 23’/2°T), Ramiro,  Luan (Everaldo – 40’/2°T), Zé Roberto (Marco Antônio – 36’/2°T) e Dudu; Barcos
Técnico: Enderson Moreira

12ª Rodada – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 5/3/2014, quarta-feira, 22h00min
Local: Estádio Antônio Vieira Ramos (Vieirão), em Gravataí-RS
Público: 2.478 pagantes
Renda: R$ 89.700,00  
Árbitro: Daniel Bins
Auxiliares: José Silveira  e Jorge Bernardi
Cartões amarelos: Edinho (GRE) Vanderson, Leandro, Klaydir (CRU)

Gauchão 2014 – São Paulo 2×1 Grêmio

March 4, 2014

Eu sempre vi nos jogos com estádio acanhado e campo embarrado uma característica histórica, para não dizer folclórica, do futebol gaúcho. Sem saber de maior detalhes fiquei contente em saber que o gramado do Aldo Dapuzzo estava encharcado. Mas hoje em dia deveria existir uma linha que separa o que é tradicional/vintage/rústico do totalmente incompatível com a prática do futebol profissional. Infelizmente sou obrigado a colocar o que vi sábado em Rio Grande (reparem na foto abaixo no desnível na junção da meia lua com a linha da grande área próximo ao pé do Rhodolfo) nesta última categoria.
Diante desse cenário e do fato do Grêmio ter tido um compromisso desgastante no meio de semana, eu me valho da definição do Carta na Manga, que afirmou que a ideia de usar o time titular contra o São Paulo foi um exagero que se revelou um erro. No primeiro tempo a equipe de Enderson Moreira teve algum domínio, mantendo a posse de bola, chegando a ingressar na área adversária, mas não tendo efetivamente grandes oportunidades de marcar. Parece ter faltado um pouco mais de inspiração/transpiração para tanto,  e talvez seja uma demasia exigir a presença destes elementos imediatamente após uma partida de Libertadores. Mas também é preciso fazer a ressalva de que o São Paulo saiu vencedor não só pelo gramado ruim ou pela falta de foco do Grêmio. O time da casa fez uma partida correta, sendo eficiente na sua estratégia, suportando bem os 45 minutos iniciais e crescendo na segunda etapa.

O campeonato gaúcho tem uma série de problemas que por si só nos fazem questionar a competência da federação em organizar a competição. Mas quando vemos que alguns clubes são obrigados a enfrentar mais problemas do que outros podemos questionar outros aspectos além da competência da FGF. Vimos aqui que o Grêmio, historicamente, tem mais partidas como visitante do que o seu principal rival. Logo, tem sempre mais chances de ser obrigado a enfrentar uma fumaceira como a de ontem em Rio Grande. Também se demonstrou que o Grêmio é obrigado a percorrer maiores distâncias do que o co-irmão, logo tem maiores chances de desgastar ao longo da competição. E assim em diante.
O nível de desonestidade no Gauchão é tão grande que se rouba até quando não é necessário. O Inter já estava praticamente garantido como 1° geral. E o São Paulo tinha grandes chances de segurar a vitória sem a ajuda da arbitragem.
Disse aqui que Eleno Todeschini segue a escola gaúcha de arbitragem de fazer cara de mau e procurar confronto com os jogadores. Poderia fazer isso sem rasgar as regras do jogo. Ele acabou marcando um pênalti numa falta cometida fora da área. E fez isso de maneira autossuficiente, sem consultar os seus auxiliares (justamente ele que recebeu reclamações por uma lance parecido poucas rodadas antes).Tão grave quanto isso foi o fato dele ter dado um amarelo para Wendell na falta que culminou com o pênalti e não ter dado cartão para o lateral Nêgo por uma falta muita parecida em Luan em uma jogada ocorrida poucos segundos antes.
Poderia relevar isso tudo se acreditasse que haveria o reconhecimento de tais erros e a partir disso poderíamos ver um processo de aprendizado e melhoria da nossa arbitragem. Mas isso simplesmente não vai acontecer. Não é o que o status quo quer. Tão logo o jogo acabou já tinha jornalista defendo o juiz. O diretor do Grêmio disse que o árbitro ofendeu ele e os seus atletas. E a reação do sindicato dos arbitros foi emitir uma nota ameaçando o dirigente (e todo mundo se pergunta onde estava o mesmo sindicato quando D´alessandro disse que o Inter havia sido “roubado” por Leandro Vuaden no início de fevereiro?)
É uma pena ter que se aproximar da conclusão de que o Grêmio tem que abandonar o campeonato. Jogos como esse de Rio Grande poderiam ser bem legais.

Fotos: Daniel Corrêa (Sport Club São Paulo)

 São Paulo-RS São Paulo 2×1 Grêmio Grêmio

SÃO PAULO: Pablo; Nêgo, Cesinha, Júnior Sergipano e Correia (Wanderley, 39’/2ºT); Guilherme, Balduíno, Murilo e Michel (Nata, 21’/1ºT); Chumbinho (Gilian, 21’/2ºT) e Carlos Alberto 
Técnico: Luis Lombardi. 

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Rhodolfo, Bressan e Wendell; Edinho, Ramiro, Riveros e Zé Roberto (Dudu, Intervalo); Luan (Maxi Rodríguez, 30’/2ºT) e Barcos (Lucas Coelho, Intervalo) Técnico: Enderson Moreira 
12ª Rodada – Campeonato Gaúcho 2014 
Data: 1º de março de 2014, sábado, 16h20min
Local: Estádio Aldo Dapuzzo, Rio Grande.
Público: 8.269 (6.224 pagantes)
Arbitragem: Eleno Gonzalez Todeschini
Auxiliares:  Alduino Mocelin e Vilmar Burini.
Cartões amarelos: Correia, Murilo, Cesinha, Balduíno (S); Ramiro, Riveros, Wendell (G)
Gol: Carlos Alberto, aos 12 minutos, Murilo (de pênalti), aos 22 minutos, e Dudu, aos 41 minutos do segundo tempo.


Gauchão 2014 – Grêmio 3×0 Novo Hamburgo

February 23, 2014

A partida de ontem proporcionou pouquíssimo desafio ao Grêmio. Logo aos 7 minutos o estreante Pedro Geromel sofreu pênalti e Barcos converteu. Na sequência, Edinho apareceu sozinho na cara do goleiro Max, porém errou o chute e aos 10 minutos, Barcos fez o pivô na altura da linha central e acionou Dudu, que arrancou em velocidade pela esquerda e ao ingressar na área se valeu do “biquinho do Romário” (foto acima) para marcar o 2×0.  O Novo Hamburgo se retraiu, se vendo diante da possibilidade de sofrer uma goleada histórica e só foi tentar uma reação no final da primeira etapa, mas aí Marcelo Grohe apareceu bem na partida (fez grande defesa num chute de Jonatas Belusso aos 33 minutos).
Aos 9 do segundo tempo, Luan recebeu de Barcos, driblou o goleiro e devolveu para o Pirata completar para o gol vazio. 3×0 que permaneceu até o apito final.

É claro que temos que fazer a costumeira ressalva do nível do Gauchão e, no caso de ontem, da pequena crise que enfrenta o Novo Hamburgo, mas ainda assim o Grêmio mostrou virtudes interessantes em campo. Num 4-2-3-1 mais genuíno, Barcos cresceu de produção, tendo sempre o assessoramento de Dudu e Luan aparecendo em velocidade pelas pontas.

 Só vi dois jogadores que batiam escanteio com a perna direita E a perna esquerda: Petkovic e Anderson Pico. Dois gênios. Um deles incompreendido.
Achei curioso que Edinho saiu bem mais pro jogo do que o Leo Gago. Pela características desses atletas eu esperava que fosse acontecer justamente o contrário.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio Grêmio 3×0 Novo Hamburgo Novo Hamburgo

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Pará, Pedro Geromel, Bressan e Breno; Edinho (Adriano – 27’/2°T), Léo Gago, Luan (Maxi Rodríguez – 17’/2°T), Alán Ruiz (Jean Deretti – 31’/2°T) e Dudu; Barcos.
Técnico: Enderson Moreira.
NOVO HAMBURGO: Max; Chicão, Fred, Luis Henrique (Sosa – intervalo) e Peixoto; Alberto (Eliomar – 12’/2°T), Magno (Lucas Santos – 31’/2°T), Zé Rafael e Anderson Pico; Jonatas Belusso e Douglas
Técnico: Itamar Schulle
10ª Rodada – Campeonato Gaúcho 2014
Data: 22/02/2014, sábado,  18h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 9.798 (6.971 pagantes)
Renda: R$ 199.796,00
Árbitro: Vinícius Costa da Costa
Auxiliares: Maurício Coelho Penna e Leirson Martins.
Cartões amarelos: Pará, Geromel (G) Luís Henrique, Peixoto, Sosa (NH)
Gols: Barcos, aos 7 (de pênalti), e Dudu, aos 10 minutos do primeiro tempo; Barcos, aos 9 minutos do segundo tempo.