Archive for the ‘Inter’ Category

Gauchão 2001 – Grêmio 4×2 Inter

May 22, 2021

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

 

Dos Gre-Nais que eu vi, esse teve foi um dos placares mais enganosos. Os 2×0 do primeiro tempo saíram muito barato. Ainda não me conformei que o Grêmio deixou o Inter chegar perto do empate quando poderia/deveria ter imposto uma goleada histórica. E gol do Luis Claudio foi um dos mais lamentáveis que o Grêmio já tomou.

É curioso notar que na crônica da Zero Hora, David Coimbra coloca Anderson Polga como volante no Grêmio, enquanto a própria ficha técnica da Zero Hora escala o Grêmio num 3-5-2 com Polga de zagueiro.

Foto: Placar (Agência RBS)

“GRÊMIO GOLEIA E JÁ ESTÁ NA FINAL DO GAUCHÃO
Num dos melhores Gre-Nais dos últimos anos, o time do Olímpico fez 4 a 2 no Inter e levou o primeiro turno por antecipação

Os 4 a 2 que o Grêmio enfiou no Inter, ontem à tarde, no Estádio Olímpico, reafirmam uma verdade que, nos anos 70, era ensinada todos os dias pelo velho técnico Abílio dos Reis, ele com sua inconfundível voz roufenha:
– Quem ganha o meio-campo, ganha o jogo.

Foi assim no belo e trepidante Gre-Nal 348. O meio-campo do Grêmio foi absoluto, o time de Títe venceu até com alguma facilidade e conquistou, com antecipação, o título do primeiro turno do Campeonato Gaúcho.

Anderson Polga, Eduardo Costa, Tinga e Zinho, eis os nomes do jogo. Anderson Polga marcou o perigoso Fábio Pinto e foi perfeito. Passou quase todo o jogo com a ameaça de expulsão pendendo sobre sua cabeça (levou um cartão amarelo aos cinco minutos) e nem assim se perturbou. Fez uma partida sólida como as arquibancadas de pedra do Olímpico.

Eduardo Costa, com a atuação de ontem, tem de pensar em se matricular em um curso de italiano com urgência – um dirigente da Inter, de Milão, estava no estádio para observá-lo. Deve estar boquiaberto até agora. Eduardo Costa teve uma atuação de luxo, no desarme, no passe escorreito, m distribuição do jogo.

Zinho deu o ritmo ao time. Experiente e esperto, comandou seus jovens companheiros e ainda marcou o quarto gol, de pênalti. Finalmente, Tinga. Este merece um ponto de exclamação. Movimentou-se como um volante holandês e ainda arrumou fôlego para fazer dois gols.

O harmônico meio-de-campo do Grêmio contou com o auxílio luxuoso de uma zaga consistente, formada pelo aniversariante Marinho e pelo inteligente Mauro Galvão, além de um ataque sempre perigoso, com Renato Martins, afinal um centroavante ortodoxo, e Rodrigo Mendes.

Já o Inter foi sempre vacilante. Uma defesa insegura, um meio-campo frágil e um ataque que teve alguns lampejos agudos apenas no segundo tempo. No primeiro, o domínio do Grêmio foi irretorquível. O Inter mal entrou na área do excelente Danrlei. Aos 23 minutos aconteceu o previsível: Tinga fez 1 a 0. O Inter só assustava Danrlei com as cobranças de falta de Fábio Rochemback. Aos 42, Tinga, de novo, recebeu um passe notável de Renato Martins e ampliou.

O Inter voltou a campo disposto a atacar, no segundo tempo. E o Grêmio a contra-atacar. Num desses contragolpes, Eduardo Costa fez grande jogada pela direita, entrou na área e atrasou a bola para Rodrigo Mendes marcar 3 a 0. A impressão era de que o Grêmio aplicaria uma goleada devastadora. A torcida gritava olé nas arquibancadas e os jogadores trocavam passes delicados no meio do campo.

Essa desconcentração foi fatal. Aos 23, Rochemback jogou a bola para Luiz Cláudio dentro da área. O centroavante dominou, levantou para ele mesmo e, de bicicleta, assinalou o gol mais plástico da partida. A confiança dos gremistas trincou com o gol surpresa. Dois minutos depois, Luiz Cláudio, outra vez, foi a linha de fundo, cruzou e Fábio Pinto completou para a rede.

O jogo se revestiu de uma urgência e de um nervosismo que eletrizou as arquibancadas. O empate do Inter parecia iminente. Mas, aos 40, Eduardo Costa, mais uma vez, puxou o contra-ataque, passou para linho, que foi derrubado na área por Fernando Cardoso: pênalti. O próprio Zinho cobrou e fechou o placar: 4 a 2. Alivio para os gremistas. E justiça. Venceu quem foi melhor.” (David Coimbra, Zero Hora, segunda-feira, 2 de abril de 2001)

 

MELHORES MOMENTOS
1° TEMPO

♦ 2 minutos – Renato Martins deixa Rodrigo Mendes frente a frente com João Gabriel. O atacante do Grêmio para, pensa e erra.

♦ 14 minutos – Lê cobra falta e Danrlei espalma a escanteio.

♦ 14 minutos – Zinho passa para Rodrigo, que chuta de perna direita. João Gabriel defende.

♦ 17 minutos – Rodrigo chuta de direita e João Gabriel espalma a escanteio. Na cobrança, Galvão cabeceia e Guerreiro salva debaixo das traves.

♦ 23 minutos – Escanteio da esquerda. A bola sobra para Tinga no lado direito da área. Ele chuta forte e alto: gol.

♦ 31 minutos – Rochemback bate falta com violência e efeito. Danrlei tira com os pés.

♦ 42 minutos – Marinho passa para Renato, que, de peto, toca para Tinga fazer 2 a O.

 

2° TEMPO

♦ 8 minutos – Confusão na área do Grêmio. Lê acerta um chute na trave.

♦ 11 minutos – Danrlei faz duas grandes defesas em uma falta de Rochemback e, em seguida, num chute de Gil Baiano.

♦ 16 minutos – Eduardo Costa avança pela direita e passa para Rodrigo marcar 3 a 0.

♦ 23 minutos – Luiz Cláudio domina a bola na área, levanta para ele mesmo e, de bicicleta, desconta: 3 a 1

♦ 25 minutos – Luiz Cláudio corre pela direita, cruza e Fábio Pinto faz 3 a 2.

♦ 27 minutos – Marcelo perde gol na frente de Danrlei.

♦ 34 minutos – Tinga recupera a bola, passa para Rodrigo, que gol.

♦ 40 minutos – Eduardo lança Zinho que é derrubado na área por Cardozo. Pênalti, Zinho cobra e amplia: 4 a 2.” (Zero Hora, segunda-feira, 2 de abril de 2001)

Foto: Edison Vara (Placar) – Fonte: Interpedia

Foto: Edison Vara (Placar)

NÚMEROS DO JOGO (Zero Hora, 2 de abril de 2001)
GRÊMIO INTER
Passes errados 52 54
Faltas cometidas 16 20
Jogadas de linha de fundo 6 4
Finalização corretas 6 7
Finalizações erradas 3 7
Escanteios a favor 4 5
Impedimentos 1 1
Cartões amarelos 5 3

 

Foto: Paulo Franken (Zero Hora)

 “O GRE-NAL DE TITE

Um é elétrico, comanda seu time com rédea curta, invade o campo para vibrar nos gols, esforça-se para interferir no andamento da partida. O outro é pacato, não grita com os jogadores e passa a nítida impressão de estar resignado com tudo o que acontece à sua frente.

A vitória do Grêmio por 4 a 2 no clássico de ontem à tarde foi o triunfo de Tite, o determinado, sobre Zé Mário, o conformado.

Normalmente exaltado, Tite desta vez extrapolou, principalmente no primeiro tempo. Xingou o tempo todo o bandeira José Franco Filho, postado rio lado das sociais, bateu boca várias vezes com o árbitro reserva Ronaldo Silva e por muito pouco não acabou expulso.

— Não dá mais, eu vou embora se você não der cartão para eles — protestou o treinador em um dos momentos de maior exasperação, quase sapateando de raiva.

— Deu, deu, agora chega — gritou o árbitro Fabiano Gonçalves, ameaçando puxar o cartão vermelho.

O fato é que a energia de Tite chegou aos jogadores. Marinho, Polga e Eduardo Costa, normalmente vistos com desconfiança pela torcida, desdobraram-se no combate aos adversários e foram quase perfeitos.

— Os jogadores entenderam que só a capacidade de mobilização poderia superar os problemas decorrentes da falta de entrosamento — afirmou o treinador, dentro de seu estilo didático. — Não se tem padrão de jogo com 15 ou 16 jogos e com um time que é 70% diferente do ano passado.

Também coube a Tite a tarefa de manter o grupo mobilizado mesmo diante dos atrasos salariais. Seu argumento: os objetivos profissionais têm que estar acima de situações momentâneas. E quanto a Zé Mário? No primeiro tempo, quando virou uma presa fácil para o Grêmio, o Inter foi o espelho fiel de seu treinador. Embora tenha ficado o tempo todo à beira do gramado, Zé Mário só se manifestou pela primeira vez aos 25 minutos, reclamando de uma saída errada de Leandro Guerreiro.

Dá para dizer que Zé Mário só acordou após o segundo gol do Inter. Aí, sim, gesticulou um pouco mais e chegou a mostrar-se revoltado com o outro árbitro reserva, Rogério Gonçalves, que permitia a Tite passar instruções quase dentro do campo. Já era tarde. A essa altura, seus gritos eram abafados pelo coro de “burro, burro” da torcida colorada e de ” Zé Mário, Zé Mário”, um deboche dos gremistas.

— Se a diretoria achar que tenho de sair, tudo bem —afirmou após o jogo. — Mas estou certo de que um dia nosso trabalho ainda virá à tona. Futebol não é só Gre-Nal.

Tanto o presidente Fernando Miranda como o vice de futebol, Márcio Abreu, garantiram ontem à noite que nada muda no comando do time. Mas mudanças deverão ocorrer esta semana, quem sabe até na comissão técnica.” (Luis Henrique Benfica, Zero Hora, segunda-feira, 2 de abril de 2001)

 

 

Foto: Mauro Vieira (Zero Hora)

 

 

 

OS ATLETAS DE CRISTO VOLTAM AO OLÍMPICO
GRE-NAL 348 – Jogadores mostram mensagens de louvor nas camisetas

Eles estão de volta. Ressurgiram das cinzas, feito a mitológica Fênix, Rubens Cardoso, Marinho, Itaqui, Anderson Lima e Zinho reeditaram ao final do Gre-Nal o movimento dos atletas de Cristo, expurgado do Olímpico no começo do ano passado sob acusação de provocar passividade em campo.

Por baixo da camiseta tricolor, exibiram com orgulho inscrições de louvor a Deus, atitude parecida com a adotada pelo São Caetano na Copa João Havelange.

O lateral-esquerdo Rubens Cardoso trouxe a frase “Deus é fiel”. Itaqui optou por “100% Jesus”, enquanto o Zagueiro Marinho preferiu mandar um recado sutil à direção que o afastou do grupo depois de algumas más atuações: “Deus exalta o justo”.

Iniciado com o goleiro João Leite e o ex-gremista Baltazar nos anos 80, o movimento ganhou adeptos e virou uma legião. Capitão, Macedo, Murilo, Fabinho, Hernani, todos foram mandados embora. Em um determinado momento, restou apenas Itaqui, ainda por cima renegado a reserva. Agora, de cara nova, os atletas de Cristo mostram sua força

– Fizemos as camisas no mesmo lugar – disse Cardoso.

O clima no vestiário gremista era de festa total. Nem a surpreendente briga entre o goleiro Danrlei e o diretor-executivo Denis Abrahão, na entrada do túnel, atrapalhou a festa. Ao final do jogo, Danrlei, aos gritos, correu em direção à Abrahão.

— Comigo é cara a cara! A vitória é do grupo! – gritou Danrlei, irritado.

Dênis nada respondeu e preferiu não aparecer na sala de conferências para esclarecer o episódio. O repórter Farid Germano Filho, da Rádio Gaúcha, perguntou a Danrlei o motivo da briga, mas ele não quis tocar no assunto ou responder se o motivo eram as críticas feitas ao árbitro Carlos Simon na semana passada, desaprovadas pela direção, O presidente José Alberto Guerreiro falou sobre o episódio:

– Sempre pude haver alguma discussão, é claro.

Hoje, o presidente estará em São Paulo na reunião do Clube dos 13. Além disso, examinará om a ISL como ficará o contrato do clube diante da concordata suíça. Por um lado, é até bom: assim resolvemos esta questão de uma vez por todas – afirmou Guerreiro.” (Diogo Olivier, Zero Hora, segunda-feira, 2 de abril de 2001)

 

Foto: Edison Vara (Placar)

 

Grêmio 4×2 Inter

 

GRÊMIO: Danrlei; Marinho, Mauro Galvão e Ânderson Polga; Ânderson Lima, Eduardo Costa, Tinga, Zinho e Rubens Cardoso; Rodrigo Mendes (Warley) e Renato Martins (Itaqui)
Técnico: Tite

INTER: João Gabriel; Denílson, Espínola, Fernando Cardozo e Marcelo Santos (Marco Aurélio); Leandro Guerreiro (Gil Baiano), Fábio Rochemback, Carlinhos e Lê (Marcelo); Luiz Cláudio e Fábio Pinto
Técnico: Zé Mário

Gauchão 2001 – Octogonal Final – 1º Turno – 6ª Rodada
Data: 1º de abril de 2001, domingo
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre, RS
Público: 29.062 (26.417 pagantes)
Renda: R$ 240.795,00
Juiz: Fabiano Gonçalves
Auxiliares: José Franco Filho e André Veras
Cartões Amarelos: Danrlei, Ânderson Lima, Marinho, Ânderson Polga, Eduardo Costa; Fernando Cardozo, Marcelo Santos, Gil Baiano
Gols: Tinga aos 23 minutos e aos 43 do 1º tempo; Rodrigo Mendes, aos 16 minutos, Luiz Cláudio aos 23; Fábio Pinto aos 24 e Zinho (de pênalti) aos 42 minutos do 2º tempo.

Gauchão 2001 – Inter 0x0 Grêmio

May 16, 2021

Foto: Ricardo Duarte (Zero Hora)

No Gauchão de 2001, o clássico Gre-Nal disputado no Beira-Rio terminou sem movimentação no Placar. Com a vitória do Juventude no clássico Caju disputado na véspera, o Inter já entrou em campo sem chances na competição. O Grêmio, já garantido na final como vencedor do 1º turno, ainda buscava atingir a melhor campanha no geral, para poder fazer o segundo jogo da final contra o Juventude no Olímpico.

Durante a semana o Presidente José Alberto Guerreiro sugeriu que o Grêmio poupasse os titulares pensando no confronto contra o São Paulo pela Copa do Brasil. A sugestão não foi aceita, o tricolor entrou com força máxima e infelizmente Rodrigo Mendes sofreu uma lesão no ligamento do joelho direito ainda no primeiro tempo.

Esse foi  último  Gre-Nal que os dois times jogaram sem patrocínio nas camisas (no clássico anterior o Grêmio ainda estava com a camisa com patrocínio da Chevrolet)

Foto: Edison Vara (Placar)

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

 

 

“GRE-NAL TEVE MUITAS CHANCES DE GOL
As duas equipes se empenharam muito e o empate sem gol não reflete aquilo que se viu em campo

Para um jogo que não valia muita coisa, principalmente depois da vitória do Juventude sobre o Caxias, sábado, até que Gre-Nal, disputado ontem, no Beira-Rio, foi bastante movimentado. O placar em branco não retrata o que as duas equipes mostraram em campo. O resultado acabou com as chances de Grêmio e Inter superar o Juventude na classificação do returno do octogonal final do Campeonato Gaúcho.

A partida começou em alto ritmo. Antes de dois minutos, Grêmio e Inter já havia levado perigo aos goleiros Hiran e Danrlei. Aos 40 segundos, Zinho chutou de fora da área e obrigou Hiran a fazer grande defesa. A resposta colorada veio 30 segundos depois em uma jogada de Fábio Pinto, que Lê concluiu por cima. Aos 26 minutos, Paraíba desperdiçou a melhor chance de gol do primeiro tempo. No final do primeiro tempo, o zagueiro Ronaldo foi cobrar o árbitro Alexandre Barreto: “Tú é responsável pela pancadaria”, acusou o zagueiro.

Na confusão, Hiran empurrou Tite. A segunda etapa foi como a primeira: cheia de opções. Apesar disso, os atacantes nunca conseguiram levar vantagem sobre os defensores, deixando o placar em 0 a 0.” (Correio do Povo, 14 de maio de 2001 – Fonte: Grêmio Dados)

 

Foto: Mauro Vieira (Zero Hora)

INTER: Hiran; Denílson, Ronaldo, Duílio e Dênis (Leandro Guerreiro); Marcelo Rosa, William, Juca e Lê (Gil Baiano); Fábio Pinto e Luiz Cláudio (Marco Aurélio)
Técnico: Cláudio Duarte

GRÊMIO: Danrlei; Mauro Galvão, Marinho e Ânderson Polga; Itaqui, Eduardo Costa, Tinga, Zinho e Rubens Cardoso; Marcelinho Paraíba (Luiz Mário) e Rodrigo Mendes (Warley)
Técnico: Tite

Gauchão 2001 – Octogonal Final – 2º Turno – 7ª Rodada
Data: 13 de maio de 2001, domingo, 16h00min
Local: Beira-Rio, em Porto Alegre, RS
Público: 11.408 (9.520 pagantes)
Renda: R$ 77.595,00
Juiz: Alexandre Barreto
Auxiliares: José Silva Oliveira e José Bittencourt.
Cartões Amarelos: Duílio, Juca, Lê; Marinho, Eduardo Costa, Zinho e Itaqui

Brasileirão 2020 – Inter 2×1 Grêmio

January 25, 2021

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Em algum momento toda essa autossuficiência e arrogância vista Grêmio nos últimos tempos seria punido. Infelizmente esse “castigo” está sendo duríssimo.

 

É impressionante como o Grêmio se preparou mal para esse Brasileirão. E isso ficou muito claro já na segundo rodada da competição, quando diversos atletas foram inexplicavelmente poupados no jogo contra o Ceará.  O mais triste é que o Grêmio se recusou a aprender com o seu erro, e voltou a cometer o mesmo equívoco, novamente usando diversos reservas no jogo em Fortaleza. Ali o cenário que se apresenta hoje já se desenhava com muita clareza. E mesmo assim o Grêmio fez de conta que não tinha nada a ver com isso, tendo adotado uma estratégia muito equivocada para essa reta final do campeonato.

 

Não me parece ser absurdo cogitar que esse desdém convicto do Grêmio com o Brasileirão não tenha algum impacto sobre as decisões da arbitragem.

 

O pênalti em Ferreira ficou claríssimo nos replays. E o suposto toque de mão no pênalti marcado para o Inter é bastante discutível. É um escândalo que o árbitro não tenha ido checar essas jogadas no monitor que lhe é disponibilizado.

 

 

Foto: Ricardo Giusti (Correio do Povo)

Inter 2×1 Grêmio

INTERNACIONAL: Lomba; Rodinei, Lucas Ribeiro, Cuesta e Moisés (Uendel); Rodrigo Dourado Nonato), Peglow (Maurício), Edenilson, Praxedes (Marcos Guilherme) e Patrick (Abel Hernández); Yuri Alberto
Técnico: Abel Braga

GRÊMIO: Vanderlei; Victor Ferraz, Geromel (Rodrigues), Kannemann e Diogo Barbosa; Lucas Silva (Maicon), Alisson (Luiz Fernando), Jean Pyerre (Pinares), Matheus Henrique e Pepê (Ferreira); Diego Souza
Técnico: Renato Portaluppi

32ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2020
Local: estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS
Data: 24 de janeiro de 2021, domingo, 16h00min
Árbitro: Luís Flávio de Oliveira (FIFA-SP)
Assistentes: Danilo Ricardo Manis (FIFA-SP) e Miguel Cataneo da Costa (SP)
VAR: Wagner Reway (PB)
Cartões amarelos: Moisés, Rodinei; Victor Ferraz e Diego Souza
Gol: Jean Pyerre, aos 30 do 2ºT; Abel Hernández, aos 44 do 2ºT, e Edenilson (de pênalti), aos 49 do 2ºT

Gauchão 2018 – Inter 2×0 Grêmio

March 22, 2018

2018 Inter 2x0 Gremio Diego Guichard GloboEsporte2018 Inter 2x0 Gremio Ricardo Giusti Correio do Povo

Não acredito em um “bom momento” para perder um jogo, muito menos para ser derrotado em um clássico. Mas se havia em 2018 um momento que uma vitória colorada não teria maiores consequências para a temporada tricolor, esse momento foi ontem.

O jogo começou muito ruim, com um festival de chutões e divididas. Foi só após a primeira metade do primeiro tempo que o Inter, que precisava de três gols, foi conseguir ter algum tipo de iniciativa mais organizada, se aproximando da área gremista.  Aos 33 minutos, Bressan cometeu pênalti em Rodrigo Moledo. Nico Lopez converteu a cobrança. O Inter obviamente se animou com 1×0, mas não apresentou uma melhora repentina na qualidade do seu jogo. A pressão seguia muito mais na base de força, da vontade, especialmente nas bolas cruzadas na área (27 cruzamentos do Inter contra 7 do tricolor).

O segundo tempo acabou sendo um tanto parecido com o segundo tempo do Grenal de 10 dias atrás, com um Grêmio aparentando cansaço e o Inter buscando ocupar espaços no seu campo de ataque. D´alessandro marcou o segundo, logo aos 2 minutos, cobrando uma falta inexistente (só o bandeirinha viu um contato faltoso de Kannemann em Gabriel Dias). O 2×0 no placar deixou o jogo ainda mais tenso, mas o Inter não articulou nenhuma jogada concreta depois de marcar o segundo gol, apesar de seu treinador ter colocado todo seu time a frente.

Grenal

Arrisco a dizer que desde 2011/2012 (quando o estádio estava em obras) não havia se registrado um público abaixo da casa dos 30 mil em Gre-nais no Beira-Rio.

Entendo que desmerecer a vitória do adversário é inerente ao folclore da rivalidade, mas eu não me filio a esse corrente que considera “gol de bola parada” como algo de menor valor.

Não acho absurda a escolha feita por Renato de começar o jogo com Cícero de titular. A opção por um jogador que auxiliaria bastante na defesa no jogo aéreo fazia muito sentido. O problema é que ele não mostrou bom entrosamento com Jaílson, tanto na hora de sair jogando e especialmente na hora de marcar (era perceptível o distanciamento dos dois, o que deixou a dupla de zaga um tanto exposta).

Grenal
Fotos: Diego Guichard (GloboEsporte.com),  Ricardo Giusti (Correio do Povo) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

Inter 2×0 Grêmio

INTERNACIONAL: Marcelo Lomba; Fabiano (Brenner, aos 5′ do 2°T), Rodrigo Moledo, Cuesta (Camilo, aos 40′ do 2°T) e Iago; Rodrigo Dourado, Edenílson, Gabriel Dias (Wellington Silva, aos 29′ do 2°T), Patrick e D’Alessandro; Nico López.
Técnico: Odair Hellmann

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Léo Moura (Alisson, aos 27′ do 2°T), Bressan, Kannemann e Cortez; Jailso e Cícero; Ramiro, Luan e Everton (Michel, aos 46′ do 2°T); Jael (Arthur, aos 19′ do 2°T).
Técnico: Renato Portaluppi

Gauchão 2018 – Quartas de final – Jogo de volta
Data: 21/3/2017, quarta-feira, 21h45min
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS
Público: 26.219  (23.753 pagantes)
Renda: R$ 961.157,00
Árbitro: Leandro Vuaden
Auxiliares: Rafael da Silva Alves e Lúcio Beiersdorf Flor
Cartões amarelos: Rodrigo Dourado, Nico López, D’Alessandro, Cuesta e Rodrigo Moledo; Bressan, Cortez, Kannemann e Alisson
Gols: Nico López (de pênalti) aos 33 minutos do 1°T e D’Alessandro aos 2º minutos do 2° tempo

Gauchão 2018 – Grêmio 3×0 Inter

March 21, 2018

40176727244_204707594e_k

O Grêmio não fez um bom primeiro tempo. O time parecia num ritmo lento, não conseguia trocar passes com a velocidade habitual e não pressionava a saída de bola do adversário. Havia também alguma confusão no encaixe da marcação dos atletas colorados, que atuavam numa espécie de 4-1-4-1. Apesar de não contar com um centroavante de ofício na sua escalação inicial, mais uma vez o co-irmão forçou bastante o jogo aéreo.  E assim teve suas melhores chances. Marcelo Grohe fez duas boas defesas nas cabeçadas de Rodrigo Dourado e Patrick. Levar o 0x0 para o intervalo parecia bom negócio para o tricolor, mas aos 47 minutos da primeira etapa Everton abriu o marcador, numa jogada de treino, completando para as redes após troca de passes entre Maicon, Luan e Ramiro.

Nos 45 minutos finais o Grêmio dominou completamente a partida, ampliando para 2×0 numa cobrança de falta de Jael e estabelecendo o 3×0 na conclusão de Arthur após assistência de ombro de Jael.

2018 gremio 3x0 inter fabiano do amaral cp

Anderson Daronco ignorou completamente o  que determina Livro de Regras ao não mostrar o segundo amarelo para Cuesta quando este tocou “ a bola com a mão para marcar um gol. Vale lembrar que a regra ainda reforça que  “não é necessário que” o atleta consiga marcar o gol. Mas para o Grêmio isso talvez até tenha sido bom, pois o terceiro gol saiu logo depois e uma expulsão certamente atrasaria a sequência da partida.

40176726954_0d82c9dffc_k
Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net) e Fabiano do Amaral (Correio do Povo)

Grêmio 3×0 Inter

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Léo Moura, Pedro Geromel, Kannemann e Cortez; Jailson e Maicon (Arthur aos 13/2ºT) ; Ramiro, Luan e Everton (Alisson, aos 29/2ºT); Jael.
Técnico: Renato Portaluppi

INTERNACIONAL: Marcelo Lomba; Edenilson, Victor Cuesta, Rodrigo Moledo e Iago; Rodrigo Dourado, Gabriel Dias (Fabiano, aos 22/2ºT), Marcinho (Rossi, aos 17/2ºT),Patrick e D’Alessandro;  Nico López (Roger, aos 34/2ºT)
Técnico: Odair Hellmann

Campeonato Gaúcho 2018 – Quartas de final – Jogo de ida
Data: 18 de março de 2018, domingo, 16h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 44.777 (41.693 pagantes)
Renda: R$ 2.116.074,00
Árbitro: Anderson Daronco
Assistentes: José Eduardo Calza e Leirson Peng Martins
Cartões amarelos: Kannemann, Everton, Cuesta, Gabriel Dias, Edenilson, Rossi e Fabiano
Gols: Everton, aos 47 minutos do primeiro tempo; Jael, aos 17 e Arthur, aos 31 minutos do segundo tempo

Gauchão 2018 – Inter 1×2 Grêmio

March 12, 2018

25883201557_b8aab1869e_k40711346082_a5f757af84_k40754076461_12980b8ee2_k

O Grêmio só precisou de 45 minutos para ganhar o Gre-Nal.

Falando sério, é incontroverso que o clássico de fato teve dois tempos com dinâmicas bem diferentes. Mas não consigo concordar com essa análise desvincula totalmente uma etapa da outra. O segundo tempo é uma consequência do primeiro tempo. E nesse jogo, o Grêmio teve ampla vantagem no primeiro tempo, abrindo 2×0, em dois gols de Luan (o primeiro originado num lançamento de Jailson para Cortez, que cruzou rasteiro para o camisa 7 concluir para as redes. O segundo num pênalti de Cuesta em Everton), e tendo ao menos mais duas chances claras de gol, nas conclusões de Everton e Jael.

O placar de 2×0  empurrava para o Inter a obrigação de mudar o andamento da partida. E em parte os comandados de Odair Hellmann conseguiram fazer isso, descontando 2 minutos após o retorno do intervalo na cabeçada de Rodrigo Dourado após cobrança de escanteio. Depois disso, o Inter permaneceu quase todo o restante da partida dentro do seu campo de ataque, mas apelou demasiadamente para o jogo aéreo. O Grêmio não conseguia segurar a posse de bola e/ou encaixar contra-ataques e perdia a maioria dos rebotes. Além da resposta/melhora colorada, ficou também evidente na segunda etapa a diferença de tempo de preparação das equipes (Inter se reapresentou no dia 2 de janeiro e o Grêmio só no dia 18) e o fato de o Grêmio ter tido compromisso pelo Gauchão no meio de semana que antecedeu o clássico.

26883304158_d0724b6158_k40753971251_df012aa4aa_k

Me parece que o time do Grêmio usou a meia do uniforme  azul de goleiro da temporada passada. Por razões de superstição (no creo en brujas, pero…) prefiro a meia azul em relação a preta nos Gre-Nais como visitante. E não costumo achar legal quando o tom de azul da meia é diferente do tom de azul da camisa, mas essa combinação de ontem lembrou o uniforme do Gre-Nal do gol do Pedro Junior no Gauchão de 2006.

Desde Cruzeiro X Grêmio pela Libertadores de 2009 que eu não vi um juiz ter que ser substituído por lesão. É bem preocupante essa história que o Jean Pierre precisou fazer teste físico para o Brasileirão dois dias antes do clássico.

Assim como aconteceu no Gre-Nal anterior no Beira-Rio (pelo Brasileirão de 2016), a pressão do Inter no segundo tempo passou muita pela insistência em cruzar bolas na área (36 cruzamentos do Inter contra 11 do Grêmio).

galeria_foto_ricardo duarte sci
Fotos
: Lucas Uebel (Grêmio.net) e Ricardo Duarte (S.C. Internacional)

Inter 1×2 Grêmio

INTERNACIONAL: Marcelo Lomba; Dudu (Gabriel Dias, intervalo), Klaus, Victor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado, Edenílson, Patrick (Wellington Silva, aos 43/2º), D’Alessandro e Nico López; Roger (Marcinho, aos 28/2ºT).
Técnico: Odair Hellmann

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Madson (Alisson, aos 17/2ºT), Pedro Geromel, Kannemann e Cortez; Jailson e Maicon; Ramiro, Luan e Everton (Marcelo Oliveira, aos 51/2ºT); Jael (Michel, aos 31/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

06ª Rodada (Rodada atrasada) – Campeonato Gaúcho 2018
Data: 11/3/2018, domingo, 17h00min
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre – RS
Público: 42.327 (38.239 pagantes)
Renda: R$ 1.481.244,00
Árbitros: Jean Pierre (RS) e Jonathan Pinheiro (RS) (entrou aos 24’/2ºT)
Auxiliares: Lúcio Beiersdorf Flor e Rafael da Silva Alves(RS)
Cartões amarelos: Cuesta, D’Alessandro, Edenilson, Gabriel Dias,Kannemnann, Maicon, Geromel
Gols: Luan, aos 23 minutos do primeiro tempo, Luan (de pênalti) aos 27 minutos do primeiro tempo; Rodrigo Dourado, aos 2 minutos do segundo tempo.

Gauchão 2017 – Grêmio 2×2 Inter

March 5, 2017

2017-12017-4

Foi um bom Gre-nal. Disputado, corrido e com alternância no placar. Pelo lado do Grêmio o jogo deixou um sentimento dividido. Por um lado essa foi a atuação mais vibrante do time na temporada e o tricolor dominou seu adversário na maior parte da partida; por outro lado, esse domínio não resultou em vitória e não me parece demasiado achar que essa equipe do Grêmio já deveria ter maturidade suficiente para saber traduzir em gols a superioridade que demonstrou em outros quesitos (posse de bola, finalizações, etc…) durante os 90 minutos.

Não vi o “massacre” mencionado por Renato na coletiva, mas é inegável que o Grêmio assumiu o controle do jogo a partir do pontapé inicial. O Inter não conseguia encaixar a marcação e os avantes gremistas tinham liberdade para jogar no espaço existente entre as linhas da zaga e do meio campo colorado. Aos 21, num rápido contra-ataque, Pedro Rocha deu um belo passe para Bolaños abrir o marcador. Depois disso o tricolor continuou rondando a área adversária, mas não conseguiu chegar ao segundo gol.

Antonio Carlos Zago mexeu no seu time no intervalo, colocando Roberson e Nico Lopez em campo. Com isso, D´Alessandro recuou e acabou tendo liberdade para armar jogadas. O Grêmio ficou excessivamente “espalhado” no campo, dando espaço para o Inter trocar passes. E foi aí que aconteceu a virada, num intervalo de dois  minutos, em dois gols  que os dianteiros colorados entraram tabelando pelo meio da defesa gremista (uma “bobeira” inaceitável para um clássico). Menos mal que o Grêmio conseguiu reagir. Fernandinho marcou o 2×2 com um forte chute cruzado. E já com Barrios e Lincoln em campo o tricolor seguiu buscando o terceiro gol (que não veio) até o apito final.

2017 ricardo duarte inter
2017-ricardo-duarte

Até o gol do Fernandinho  0 jogo estava muito parecido com aquele fatídico primeiro Gre-Nal de 2003.

Com a jogada do gol é de se perguntar se Fernandinho não deveria ser preferencialmente escalado para jogar aberto pelo lado direito, de onde ele pode cortar para dentro e buscar a finalização.

Pedro Rocha não pode ser tido somente como um “assessor de lateral”. O passe com o lado de fora do pé para o gol do Bolaños mostra que ele tem  técnica e visão de jogo.

Bolaños segue bem em 2017. Impressionante a velocidade que ele dominou e concluiu a jogada no 1×0.

Leandro Vuaden deu uma importante contribuição ao futebol brasileiro ao ser um dos percursores de um estilo de arbitragem que privilegia o jogo mais movimentado, deixando de marcar faltas em qualquer jogada com contato. Mas essa maneira de apitar exige bastante da capacidade atlética do juiz. Capacidade que Vuaden parece não ter no momento. Além disso, ele, infelizmente, se mostrou atrapalhado neste Gre-Nal. Exemplo disso foi o lance que ele deixou de dar vantagem em uma jogada em que Bolaños claramente estava levando vantagem (e ainda deu amarelo para o equatoriano). Ademais, deixou de dar um pênalti de Paulão (que deu um carrinho e não tocou na bola) em Pedro Rocha.

2017-32017-2
Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net) e Ricardo Duarte (Inter)

Grêmio 2×2 Inter

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Léo Moura, Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Michel (Fernandinho, 22/2º) e Jailson (Lincoln, 37/2º); Ramiro, Bolaños e Pedro Rocha (Lucas Barrios, 14/2º); Luan
Técnico: Renato Portaluppi

INTER: Danilo Fernandes; William, Léo Ortiz, Paulão e Carlinhos; Dourado, Charles (Roberson,intervalo), Uendel e D´Alessandro; Carlos (Nico López, intervalo) e Brenner (Anselmo, 24/2º)
Técnico: Antônio Carlos Zago

06ª Rodada – 1ª Fase – Campeonato Gaúcho 2017
Data: 04/02/2017, Sábado, 18h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 45.903 (43.032 pagantes)
Renda: R$ 1.909.903,00.
Árbitro: Leandro Vuaden
Auxiliares: Lúcio Beiersdorf Flor e José Eduardo Calza
Cartões amarelos: Michel, Bolaños, Luan e Geromel; Léo Ortiz, Nico López, Anselmo, Paulão e D’Alessandro
Gols: Bolaños, aos 21 minutos do primeiro tempo; Roberson,aos 10 minutos do segundo tempo; Brenner, aos 13 minutos do segundo tempo; Fernandinho,aos 23 minutos do segundo tempo;

Brasileirão 2016 – Inter 0x1 Grêmio

July 4, 2016

2016 luan2016 douglas

O Grêmio começou o clássico melhor (talvez por manter seu esquema e padrão de jogo), saiu na frente aos 19 minutos (numa jogada que começou por Walace puxando contra-ataque, passou por Luan armando, Everton concluindo e Douglas aparecendo na área para pegar o rebote) e teve chances de fazer o segundo antes do intervalo (verdade que também levou alguns sustos nos 15 minutos finais da primeira etapa).

O segundo tempo acabou sendo bem diferente. O Grêmio recuou e “cedeu” espaço. O Inter pressionou (com mais força nos primeiros 15 minutos da etapa final) e manteve a bola constantemente perto da meta defendida por M. Grohe. Mas fez isso muito mais na base da vontade do que na técnica ou em jogadas bem construídas. O Grêmio mostrou dificuldade para sair jogando e para valorizar a posse de bola, mas mesmo assim segurou a vantagem até o final.

O jeito do Inter jogar é muito peculiar. O time de Argel insiste tanto nos cruzamentos e nas jogadas pelo lado do campo que as vezes parece que o único objetivo dos jogadores é chegar a linha de fundo e cavar um escanteio, ao invés de buscar o gol.

img_4207

Faz uma diferença brutal ter o Douglas (sabotador de trator) entrando na área pra concluir. As duas últimas vitórias passaram por isso.

Walace e Jailson  fizeram, mais uma vez, grande partida. O meio de campo do Grêmio fica muito dinâmico com os dois.

Dewson Freitas da Silva só errou depois do apito final, quando resolveu dar cartão amarelo para Edilson, por ter “brincado” com a bandeirinha de escanteio.

O Grêmio vinha tomando muitos gols em jogadas de bola área. Hoje o time garantiu o 1×0 mesmo com os 36 (TRINTA E SEIS!) cruzamentos do Inter.

O público dessa Gre-Nal das 11h da manhã foi bom, superior a média dos últimos 20 anos. E na última vez que se jogou um clássico as 11h (pelo Gauchão de 1987) o público foi de 18.634.

2016 everton2016 luan2
Fotos: Diego Guichard (Globo Esporte) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

Inter 0x1 Grêmio

INTERNACIONAL: Muriel; William, Paulão, Ernando e Artur; Fernando Bob (Gustavo Ferrareis, 29’/1ºT), Rodrigo Dourado, Fabinho e Seijas (Valdívia, 18’/2ºT); Eduardo Sasha (Anderson, 28’/2ºT) e Vitinho
Técnico: Argel Fucks

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson, Rafael Thyere, Fred e Marcelo Oliveira; Walace, Jailson (Ramiro, 33’/2ºT), Giuliano, Douglas (Miller Bolaños, 27’/2ºT) e Everton (Pedro Rocha, 33’/2ºT); Luan
Técnico: Roger Machado

13ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2016
Data: 3/7/2016 , domingo, 11h00min
Local: Beira-Rio, Porto Alegre -RS
Público: 40.686 (36.299 pagantes)
Renda: R$1.726.850,00
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (FIFA-PA)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (FIFA-SP) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (FIFA-SP)
Cartões amarelos: Fernando Bob, Artur, Anderson e Vitinho (INT); Luan, Rafael Thyere, Marcelo Grohe, Ramiro e Edílson (GRE)
Gol: Douglas,  aos 19 minutos  1º tempo

 

Gauchão 2016 – Grêmio 0x0 Inter

March 7, 2016

 

Esse era um Gre-Nal estranho desde antes do seu começo. Valia por duas competições, mas nenhuma delas é a prioridade do Grêmio neste momento. Mesmo assim o tricolor entrou com força máxima e talvez tenha pago um preço alto por isso. Miller Bolaños fraturou a mandíbula logo aos 3 minutos de jogo, após receber uma cotovelada do lateral William. O equatoriano ainda resistiu no primeiro tempo, mas foi substituído no intervalo e deve desfalcar o Grêmio por um bom tempo.
Esse lance e as suas consequências acabaram se sobrepondo sobre o jogo. Por dois motivos: 1) o jogo foi “chato”; 2) mais uma vez a imbecilidade tomou conta das discussões sobre o que aconteceu na jogada.

Me parece ser tarefa bastante complicada medir ou verificar a presença de intenção/maldade na conduta de um atleta. Contudo, fica difícil de isentar William de responsabilidade quando se constata que não foi a primeira vez que o lateral colorado agiu dessa forma.  De maneira cínica o jogador e a sua assessoria resolveram citar o seu histórico para alegar ausência de dolo na jogada.

Com igual desfaçatez se portou o árbitro Anderson Daronco, que diz não precisar se defender ou justificar num lance em que ele ele inverteu a marcação e um jogador saiu com uma dupla fratura na mandíbula.

 

 

O jogo em si não foi muito movimentado. O Inter claramente jogou pelo 0x0, e isso foi perceptível não só pelo posicionamento da equipe, mas especialmente pela indolência dos colorados em cada tiro de meta e lateral que tinham que executar. No primeiro tempo o Grêmio foi claramente superior, ganhando a primeira e a segunda bola e sempre rondando a área colorada. Contudo, faltou um pouco mais de refino para traduzir essa superioridade em gols. Nos 45 minutos finais o Inter conseguiu adiantar sua última linha e afastou a bola de perto do seu gol.

 

Sei bem que os jogos de final de semana costumam levar mais gente ao estádio. Mas ainda assim me surpreendi ao ver um público maior em Gre-Nal de primeira fase do Gauchão do que no jogo de Libertadores. Talvez a diferença no preço dos ingressos explique, mas será que é só por isso?

 

Segundo o FootStats, o Grêmio teve 57,8% de posse de bola. Somente em outros 4 jogos de 2016 o time teve números melhores neste quesito.
O número de 48.204 espectadores foi saudado como recorde da Arena, mas na semana passada foi divulgado que o público da inauguração foi de 51.901 (46.969 pagantes).
Na média da temporada o Grêmio costuma ceder 4,1 escanteios por jogo. Ontem o Inter teve 7 escanteios a seu favor e pouco ameaçou na bola aérea (tida como um dos seus pontos fortes). Interessante notar que o tricolor posicionava os seus 11 atletas dentro da sua área nos escanteios, algo que eu não lembro de ter acontecido antes sob o comando de Roger.

 

. Grêmio Grêmio 0x0 Inter Internacional

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Wesley, Geromel, Fred e Marcelo Oliveira; Edinho, Maicon, Giuliano, Douglas (Everton, 27’/2t) e Luan (Bobô, 45’/2t); Bolaños (Henrique Almeida, int)
Técnico: Roger Machado 
INTER:  Allisson; William, Paulão, Ernando e Artur; Rodrigo Dourado, Fabinho, Anderson (Vitinho, 18’/2t) e Andrigo (Alex, 28’2/t); Aylon (Réver, 45’/2t) e Sasha
Técnico: Argel Fucks 

Gauchão 2016 – 08ª Rodada
Primeira Liga 2016 – Grupo B – 3ª Rodada
Data: 06 de março de 2016, domingo, 18h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre – RS
Público: 48.204 presentes (44.839 pagantes)
Renda: R$ 1.937.749,00
Árbitro: Anderson Daronco
Auxiliares: Rafael da Silva Alves e Júlio Cesar dos Santos
Cartões Amarelos: Geromel, Marcelo Oliveira, Maicon, Henrique Almeida ; Aylon, Andrigo, William
Cartão Vermelho: Paulão, aos 47 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2015 – Inter 1×0 Grêmio

November 23, 2015

Um zagueiro tentando (e não conseguindo) tirar uma bola de letra é bem representativo do estado anímico que o Grêmio entrou em campo nesse Gre-Nal.
É claro que não poderíamos reduzir a explicação do resultado somente pelo maior vontade do Inter, mais me parece que muito da vitória colorada passa por aí, uma  vez que o time de Argel foi sim superior, errou menos e criou mais, mas não teve uma imposição técnica e nem submeteu o time do Grêmio a um nó tático.
Uma pena que o Grêmio tenha decidido abrir mão de suas características justo no clássico. O time de Roger não procurou valorizar a posse de bola, não teve movimentação intensa dos homens de frente e não mostrou compactação entre suas linhas.  Se via um grande espaço entre os meias e os volantes, e nesse espaço o Inter tinha tempo de sobra pra jogar. O tricolor só foi conseguir controlar as ações após tomar o gol, quando o técnico Argel empilhou volantes no seu time, trazendo o Grêmio para perto da sua área.

Uma pena que a passagem de Erazo pelo Grêmio tenha que acabar desse jeito, mas não dá pra aceitar que um defensor ache adequado tentar um desarme de letra quando o jogo está 0x0. É curioso (pra não dizer triste) ver como os erros se repetem no Grêmio. Em 2012 foi o lateral Gabriel que tentou tirar uma bola de dentro da área com o calcanhar em um clássico
Mas não é justo tirar somente um atleta para Cristo quando o time foi mal coletivamente. Foi um pouco irritante notar a diferença da postura de atletas como Luan e Pedro Rocha (que se apresentavam pro jogo) em relação a outros como Giuliano e Douglas (que pareciam mais inertes).
Todo treinador precisa de suporte do seu entorno. Roger, por melhor que seja, não pode fazer tudo sozinho. Hoje no Grêmio ele é a única pessoa que fala sobre futebol (aqui entendido como é que acontece dentro das quatro linhas).
Pelo jeito o roupeiro do Grêmio não leu o meu post de ontem sobre a meia reserva a ser usada no Gre-Nal.
E o público ficou um pouquinho abaixo da média dos últimos 20 Gre-Nais no Beira-Rio pelo Brasileirão

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net), Diego Guichard (Globo Esporte) e Ricardo Duarte (Internacional.com.br)

Inter 1×0 Grêmio

INTERNACIONAL: Alisson; William, Paulão, Ernando e Artur; Rodrigo Dourado, Nico Freitas (Silva, 37’/2ºT), Anderson (Bertotto, 24’/2ºT) e D’Alessandro; Vitinho (Alisson Farias, 34’/2ºT) e Lisandro López
Técnico: Argel Fucks
GRÊMIO: Marcelo Grohe; Galhardo, Geromel, Erazo e Marcelo Oliveira; Walace, Ramiro (Maxi Rodriguez, 34’/2ºT), Giuliano, Douglas (Bobô, 22’/2ºT),e Everton (Pedro Rocha, Intervalo); Luan
Técnico: Roger Machado

36ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2015
Data: 21/11/2015, domingo, 17h00min
Local: Beira-Rio, Porto Alegre – RS
Público: 34.109 (30.692 pagantes)
Renda: R$ 1.081.230,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (FIFA-MG)
Auxiliares: Alessandro A. Rocha de Matos (FIFA-BA) e Dibert Pedrosa Moisés (RJ)
Cartões amarelos: Vitinho, William, Alisson e Silva (INT); Galhardo e Luan (GRE)
Gol: Vitinho, aos 7 minutos do 2º tempo.