Archive for the ‘juventude’ Category

Brasileirão 2021 – Grêmio 3×2 Juventude

October 20, 2021
https://i.imgur.com/Q9Wli1L.jpg

Foto: Fabiano do Amaral (Correio do Povo)

O Grêmio mostrou um pouco mais das virtudes que já haviam aparecido em 2021 e um pouco menos dos defeitos. Sair na frente do placar acaba fazendo uma grande diferença.

https://pbs.twimg.com/media/FB7uBO-WYAAt9Bx?format=jpg&name=4096x4096

Foto: Everton Pereira (Brasileirão Assaí)

Esse foi o 10º confronto de Campeonato Brasileiro entre Grêmio e Juventude disputado em Porto Alegre (6 vitórias, 2 empates e 2 derrotas). Média de público de 11.807 pagantes.

E foi o 11º jogo entre Grêmio e Juventude na Arena (8 vitórias e 3 empates). Média de público de 18.075 (16.350 pagantes).

Média de público do Grêmio no Brasileirão 2021: 9.069 (8.703 pagantes).

https://i.imgur.com/6NJHz0U.jpg

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

https://i.imgur.com/Ak0TNRd.jpg

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 3×2 Juventude

GRÊMIO: Brenno; Vanderson (Cortez, 36’/2ºT), Paulo Miranda, Kannemann (Rodrigues, intervalo) e Rafinha; Thiago Santos (Lucas Silva, 29’/2ºT) e Villasanti; Douglas Costa, Jean Pyerre (Ferreira, 21’/2ºT) e Alisson; Diego Souza (Elias, 29’/2ºT)
Técnico: Vagner Mancini

JUVENTUDE: Douglas Friedrich; Michel Macedo, Vitor Mendes, Rafael Forster e Guilherme Santos; Jadson, Dawhan (Fernando Pacheco, 43’/2ºT); Sorriso (Bruninho, 21’/2ºT), Guilherme Castillo (Chico, 15’/2ºT) e Capixaba (Roberson, intervalo); Paulinho Bóia (Wesley, 15’/2ºT)
Técnico: Marquinhos Santos

27ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2021
Data: 15 de outubro de 2021. domingo, 18h15min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 15.129 (14.776 pagantes)
Renda: R$ 695.527,00
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Eduardo Gonçalves da Cruz (MS) e Márcia Bezerra Lopes Caetano (RO)
VAR: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ)
Cartões amarelos: Lucas Silva; Guilherme Santos, Guilherme Castilho e Roberson
Gols: Douglas Costa, aos 22′, Diego Souza, aos 23′ do 1ºT, e Villasanti, aos 10′ do 2º; Sorriso, aos 13′, e Roberson, aos 48′ do 2ºT

Confrontos Grêmio Vs. Juventude pelo Brasileirão

October 17, 2021
https://64.media.tumblr.com/bc98cea8658018570cd91935087a39f6/2a3637ee2c07c429-b0/s1280x1920/c81e05d95c34858f305eb902d25272e23e79776c.jpg

Foto: Wilson Lima (Manchete Esportiva)

Até hoje, o Grêmio recebeu o Juventude em nove ocasiões por jogos válidos pelo Campeonato Brasileiro. No total são 5 vitórias, 2 empates e 2 derrotas. A média de público nesses 9 jogos é de 11.477 pagantes.

Acima temos uma foto do primeiro desses 9 jogos, na vitória de 2×0 pelo Brasileirão de 1977.

Abaixo foto da vitória por 1×0 na campanha do título do Brasileirão de 1996.

https://64.media.tumblr.com/12e9e81311c96687848894b70c9561af/9259ddc85283947e-f2/s1280x1920/7240d0f035d2c4042fd7d5e9d1eafd5fba2b3cdf.jpg

Foto: José Ernesto (Revista Nação Tricolor nº 3)

https://64.media.tumblr.com/368b6c7dfb09d238e0d7816289f5b4b2/51d4a07a0e294e2a-60/s1280x1920/8c7ab0d7aec6b358adcc998448ed4806c62cbe6f.jpg

Foto: Jefferson Botega (Pioneiro)

Acima Geufer e Roger no jogo de ida das quartas de final do Brasileirão de 2002.

e abaixo Diego Souza marcando de pênalti no 3×1 em 2007, último confronto com mando do Grêmio pelo Brasileirão.

[Gre_juv3.jpg]

Foto: José Doval (Grêmio.net)

 

Brasileirão 2021 – Juventude 2×0 Grêmio

July 2, 2021

 

O Grêmio apresentou muito pouco nesse jogo contra o Juventude. O goleiro Marcelo Carné praticamente não foi exigido. Douglas Costa foi o jogador com maior lucidez nas poucas jogadas ofensivas do Grêmio mas ele aparenta ainda estar longe da sua melhor condição física/ritmo (está “sem embocadura”, como diriam os mais antigos).

Acho pouco coerente o Presidente do clube publicar um vídeo pedindo união para poucas horas depois um de seus vices se valer da expressão “torcedor comum” para justificar uma suposta incompreensão do trabalho apresentado pelo treinador. Essa expressão é, na melhor das hipóteses, desagregadora (não é necessário fazer uma interpretação “maldosa” para considerar esse termo como “pejorativo”).

No dia 22 de abril a temperatura em Porto Alegre nunca esteve abaixo dos 20º C durante o jogo Grêmio x La Equidad. Jean Pyerre atuou naquela partida com uma malha de manga longa por baixo da camisa de manga curta. No Jaconi, com a temperatura se aproximando do 0ºC, ele atuou de manga curta, sem malha. Dificil de entender, por mais que se considere que a sensação de frio varia de pessoa pra pessoa, dia pra dia.

Fotos: Arthur Dallegrave (E.C.Juventude)

Juventude 2×0 Grêmio

JUVENTUDE: Marcelo Carné; Michel, Vitor Mendes, Rafael Forster e William Matheus; Elton (Cleberson, 31’/2ºT); Wescley (Fernando Pacheco, 31’/2ºT), Guilherme Castilho, Matheus Jesus (Marcos Vinicos, 21’/2ºT) e Paulinho Boia (Chico, 21’/2ºT); Matheus Peixoto (Didi, 44’/2ºT)
Técnico: Marquinhos Santos

GRÊMIO: Gabriel Chapecó; Rafinha (Vanderson, 32’/2ºT), Paulo Miranda, Geromel e Diogo Barbosa (Léo Pereira, 40’2ºT); Victor Bobsin; Douglas Costa, Darlan (Jean Pyerre, intervalo), Matheus Henrique (Luiz Fernando, 32’/2ºT) e Ferreira; Diego Souza (Ricardinho, intervalo)
Técnico: Tiago Nunes

Brasileirão 2021 – 8ª Rodada
Data: 30 de junho de 2021, quarta-feira, 21h30min
Local: Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, RS
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araújo (SP)
Assistentes: Luiz Alberto Andrini Nogueira (SP) e Evandro Melo de Lima (SP)
VAR: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Cartões amarelos: Elton, Chico e Vitor Mendes(Juventude)
Gols: Paulinho Bóia, aos 27 minutos do 1º tempo; Matheus Peixoto, aos 37 minutos do 2º tempo

Brasileirão 1997 – Juventude 0x1 Grêmio

June 30, 2021

Foto: Sílvio Ávila (Zero Hora)

 

No Brasileirão de 1997 o Grêmio foi a Caxias enfrentar o Juventude pelo Brasileirão numa situação muito parecida com a que se encontra hoje. Naquela edição o tricolor tinha somado apenas 3 pontos nas seis primeiras partidas e estava numa sequência de 14 jogos sem vitórias.

Um gol marcado por Luis Carlos Goiano no final do primeiro tempo foi o suficiente para garantir os três pontos para a equipe comandada por Helio dos Anjos (que havia assumido a equipe no início da semana. Evaristo de Macedo fora demitido após a derrota para Portuguesa na 4ª rodada)

Sempre que lembro desse período da história do Grêmio fico com a sensação de que o clube tomou uma série de decisões precipitados neste processo de desmonte/transição da equipe vencedora de 94-97.

 

Foto: Sílvio Ávila (Zero Hora)

GRÊMIO ROMPE A MÁ FASE E VENCE O JUVENTUDE
A equipe ainda não teve a atuação exigida por Hélio dos Anjos, mas já mostrou um esboço da velha garra e agora aposta em contratações de Ricardo Rocha e de Giovanni

Acabou o jejum. Depois de 14 jogos sem vitória, finalmente o Grêmio conseguiu comemorar um resultado positivo, ontem, no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, contra o Juventude. O campeão brasileiro venceu por 1 a 0, alcançou seis pontos na tabela e recuperou, pelo menos por enquanto, a tranqüilidade para continuar reagindo no certame em busca de um lugar entre os oito melhores nesta primeira fase. A conquista, no entanto, teve ingredientes de heroísmo. A equipe do técnico Hélio dos Anjos não jogou uma boa partida. Errou muitos passes, criou raras oportunidades de gol, mas soube conter o adversário, mesmo com 10 jogadores na maior parte do segundo tempo.

A obrigatoriedade de vencer parece afetar o desempenho dos jogadores do Grêmio. Ninguém arrisca jogada individual, a bola quase não para nos pés dos articulado as e as melhores oportunidades quase sempre acontecem através de lance com bola parada. Com muitos cuidados na marcação, o Grêmio começou o jogo sem ambição de atacar e só conseguiu ameaçar o inimigo aos 10 minutos, quando Arce bateu falta e a bola passou perto do gol de Márcio. Nem este lance mexeu com os caxienses. Eles continuaram acanhados em campo. E o jogo ficou sem graça.

Aos 23 minutos, o Grêmio perdeu uma grande chance. De bola parada, Sérgio Manoel quase marcou um gol olímpico, terceira chance, também foi decorrente de um escanteio. Arce levantou e Rivarola ganhou dos adversários na cabeça, mandando a bola na trave. Quando os dois times já pareciam satisfeitos com o empate na primeira etapa, o Grêmio marcou. De escanteio. Sérgio Manoel cobrou na primeira trave e Goiano surgiu livre, desajeitado e, de cabeça mandou para as redes.

Na volta para o segundo tempo, quando parecia que o Juventude seria ofensivo, cheio de iniciativas e capaz de chegar ao gol de Danrlei, nada disso aconteceu. Nem mesmo depois da expulsão de Otacilío, logo aos 8 minutos, por jogada violenta. O time de Gilson Nunes abusou dos passes laterais. E somente chegava à área gremista com levantamentos, que eram facilmente aliviados pela dupla Rivarola e Luciano. Chance mesmo, o Juventude teve apenas uma, Itaqui bateu falta e Alexandre, sem marcação, cabeceou no canto. Danrlei estava atento e salvou o gol. Mesmo inferiorizado, a melhor oportunidade ficou para Sérgio Manoel, no finalzinho. Ele penetrou pelo lado direito e concluiu forte, de pé esquerdo, quase ampliando o marcador.” (Adroaldo Guerra Filho, Zero Hora, segunda-feira, 29 de julho de 1997)

 

“GRÊMIO QUEBRA TABU E FAZ CARNAVAL
Time de Hélio dos Anjos derrota Juventude por 1 a 0 e espanta crise. Torcedor vibra como se fosse a conquista de um título

Acabou a agonia. Depois de 14 jogos, o Grêmio quebrou ontem um tabu quase insuportável e obteve sua 1ª vitória no Campeonato Brasileiro. A vítima foi o Juventude, um velho freguês. O resultado de 1 a 0 para o Grêmio provocou um verdadeiro carnaval nas arquibancadas do estádio Alfredo Jaconi logo após o apito final do árbitro. Não faltou o tradicional ‘ah, eu sou gaúcho’, grito utilizado pelos torcedores em circunstâncias bem mais nobres. ‘Cheguei a ter vontade de chorar’, confessou o meia Sérgio Manoel.

O gol da vitória surgiu aos 46 minutos do 1º tempo. Sérgio Manoel cobrou escanteio, o goleiro Márcio cometeu uma de suas várias falhas e Luiz Carlos Goiano completou para a rede. Foi a melhor coisa registrada numa fase muito ruim da partida. No 2º tempo, o Grêmio provou que, pelo menos, passou a ser um time mais humilde sob o comando de Hélio dos Anjos.

A expulsão de Otacílio, logo aos 8 minutos, fez com que a equipe se postasse atrás, esperando que o adversário se abrisse para tentar os contra-ataques com Zé Alcino. Paulo César Tinga, que recebia sua 1ª oportunidade, mostrava ser um jogador atrevido, mas acabou sacrificado. Foi ele quem saiu para a entrada de Djair, que reforçou a marcação no meio de campo.

Nem precisava. O Juventude mostrou ser um time improdutivo ofensivamente. Maurílio e Alexandre pouco criaram. O Grêmio acabaria a partida com Rodrigo Gral sendo sua única opção ofensiva, já que Zé Alcino saiu para a entrada de André Santos. ‘O importante era garantir o resultado’, desabafou o técnico Hélio dos Anjos.” (Correio do Povo, segunda-feira, 29 de julho de 1997 – Fonte: Grêmio Dados)

 

Foto: Porthus Junior (Pioneiro)

 

JUVENTUDE RECUPERA O GRÊMIO
Sem criatividade, alviverde não aproveitou vantagem de um atleta a mais no segundo tempo e foi derrotado 1 a 0

Caxias do Sul – o Juventude nunca enfrentou o Grêmio nos últimos anos respaldado por um favoritismo tão grande, mas voltou a amarelar para o tricolor, ontem à tarde, no Estádio Alfredo Jaconi, e perdeu por 1 a 0 o clássico gaúcho válido pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. O único gol da partida, disputada diante de mais de 16 mil pessoas, foi anotado por Goiano, no final do primeiro tempo, e interrompeu a recorde seqüência negativa do Grêmio, que não vencia há 14 partidas.

Diante da forte marcação aplicada pelo Grêmio, que resultou algumas vezes em excesso de faltas, o Juventude, ao invés de tentar as jogadas pelos flancos, insistiu na triangulação pelo meio e pouco concluiu a gol. A estratégia facilitou o bloqueio armado pelo técnico Hélio dos Anjos.

No primeiro tempo, o lance de maior perigo do Juventude foi aos 24 minutos, quando Maurilio escapou em velocidade pela direita e tocou para Alexandre dentro da área. Ele girou o corpo e chutou em Luciano. Antes, a meta de Danrlei fora ameaçada aos oito minutos, num cruzamento de Alexandre que a defesa afastou, e aos 14, num chute de Maurilio sobre o travessão.

O Grêmio chegou com força aos 10 minutos. Arce cobrou falta e Rodrigo Gral quase alcançou de cabeça. Aos 31, Márcio salvou o gol em cabeceio de Rivarola. O gol surgiu num escanteio de Sérgio Manoel, aos 46 minutos. Goiano cabeceou. Márcio tentou a defesa, mas a bola entrou mansamente.

Na segunda etapa, Gilson Nunes procurou aumentar de forma gradativa o poderio ofensivo da equipe colocando atacantes. Mas nem a expulsão de Otacílio, por falta em Maurilio aos oito minutos, foi suficiente para o Juventude ao menos empatar. O Grêmio se fechou mais para suportar a pressão e garantir o resultado. A equipe caxiense esteve muito próxima do gol aos nove minutos. Itaqui cobrou falta, Alexandre cabeceou e Danrlei mandou a escanteio. E foi só. Com um jogador a menos, o Grêmio desistiu do ataque e só tentou contragolpes. Os chutes de fora da área de Arce, aos 16 e 33 minutos, e Zé Alcino, aos 32, foram defendidos sem problemas por Márcio.” (Pioneiro, segunda-feira, 29 de julho de 1997)

 

“JUVENTUDE

Márcio – Bem. Sem culpa no gol.

Itaqui – Não repetiu atuações anteriores.

Adilson – O melhor da defesa. Demonstrou tranqüilidade.

Baggio – Nervoso, limitou-se a dar chutões.

Lino – Sentiu a falta de ritmo de jogo, mas tem qualidades.

Flávio – Apesar de sobrecarregado na marcação, foi um dos melhores.

Serginho – Parecia perdido em campo.

Sandro – Enquanto esteve na partida, organizou boas jogadas.

Maurilio – Bem no primeiro tempo.

Macalé – Sofreu com a forte marcação.

Alexandre – O mais lúcido do time.

Edson – Deu movimentação ao time.

Adriano – Entrou no lugar de Serginho e mostrou muito esforço apenas.

Pontes – Entrou no compromisso e pouco pôde render.

 

GRÊMIO

Danrlei – Firme quando exigido.

Arce – Preocupado em marcar Alexandre, quase não apoiou.

Rivarola – Ajudou a anular Macalé.

Luciano – Bem no desarme.

André Silva – No primeiro tempo, muito bom no apoio. Depois, decaiu.

Otacílio – Até ser expulso (justamente), combateu com eficiência.

Goiano – O melhor do jogo.

Tinga – De muita movimentação e rapidez, é atleta de futuro promissor.

Sérgio Manoel – É a cabeça pensante do meio-campo gremista.

Zé Alcino – Isolado, pouco participou.

Rodrigo Gral – Teve dificuldades para se adaptar como atacante.

Djair – Recompôs a marcação.

André Santos – Entrou quase no final e pouco acrescentou.” (Pioneiro, segunda-feira, 29 de julho de 1997)

 

JOGO APRESENTA POUCOS DESTAQUES
Ponteiro Alexandre, meia Flávio e zagueiro Adilson tiveram atuação um pouco acima da média no Ju

Caxias do Sul – Poucos Jogadores se destacaram no fraco futebol apresentado por Juventude e Grêmio no Estádio Alfredo Jaconi, ontem à tarde. No lado alviverde, o que mais despontou foi o ponteiro-esquerdo Alexandre, bastante acionado em função da sua velocidade. Converteu-se no mais perigoso atacante do time caxiense, embora tenha abusado da individualidade em alguns momentos.

O gol de empate esteve à sua feição aos nove minutos do segundo tempo, quando, com uma cabeçada, obrigou Danrlei a espalmar para escanteio, numa defesa difícil. Além de Alexandre, mereceram elogios as atuações do zagueiro Adilson, com a serenidade de sempre no sistema defensivo, e do volante Flávio, um dos jogadores mais regulares durante a partida.

No Grêmio, o maior nome foi o meia Goiano. Além do gol, importante para acabar com a série de 14 jogos sem vitória da equipe, comandou o forte bloqueio armado por Hélio dos Anjos para segurar o Juventude.

Incansável na marcação, ainda conseguiu chegar com força na área para fazer de cabeça o único gol da partida, aos 46 minutos do primeiro tempo, aproveitando a bola vinda da cobrança de escanteio do lado direito do ataque.

Outro jogador que recebeu muitos votos de melhor em campo por jornalistas foi Sérgio Manoel. Experiente, o meia protegeu a bola com facilidade e contribuiu para a criação de jogadas. Foi de sua autoria o cruzamento no escanteio que resultou no gol gremista. André Silva, destaque no primeiro tempo com o apoio qualificado ao ataque, decaiu de produção na segunda etapa. “ (MARCELO BORELLI E CRISTIANO RIGO DALCIN, Pioneiro, segunda-feira, 29 de julho de 1997)

 

 

“GILSON LAMENTA AUSÊNCIAS E ELOGIA ATLETAS ADVERSÁRIOS

“Perdemos para um grande clube, num momento de injustiça, mas o campeonato é assim”, justificou o técnico Gilson Nunes, que estava tranqüilo, porém chateado com o resultado. De acordo com o técnico, a equipe sentiu a saída do meia Sandro, que teve um problema no músculo adutor da coxa e foi substituído por Edson. “Ele está mais acostumado e, somado aos três desfalques, fez uma falta danada”.

Com a força coletiva ausente, Gilson Nunes procurou destacar a qualidade individual dos jogadores gremistas, que barraram as iniciativas do Juventude com faltas e muita catimba. “O Grêmio tem jogadores experientes. Arce, Rivarola, o próprio Luciano, o Goiano e o Otacílio, que demorou quatro minutos para sair de campo na expulsão”, comentou. Na opinião de Gilson Nunes, o resultado mais justo da partida seria o empate.

Para o volante Flávio, a maturidade da equipe do Grêmio pesou. “Eles deixavam a gente jogar até a intermediária e na entrada da área faziam as faltas.” Para o atacante Maurilio, o que mais chateou a equipe foi o fato de ter levado um gol com origem de bola parada. “Toda a preleção foi sobre isso. É a única jogada do Grêmio.”

A direção do Juventude pretende anunciar hoje a contratação do novo centroavante. O jogador pretendido disputou a Série A-2 paulista e virá por empréstimo. Especula-se o nome de Silva, canhoto, que trabalhou com Gilson Nunes no São José, de São Paulo.” (MARCELO BORELLI E CRISTIANO RIGO DALCIN, Pioneiro, segunda-feira, 29 de julho de 1997)

 

Foto: Porthus Junior (Pioneiro)

 

Placar:O JOGO: O Grêmio quebrou a sequencia de catorze jogos sem vitória com uma
forte marcação no meio-campo, contendo as jogadas ofensivas do Juventude” (Tabelão Placar 1997, n.º7,  página 165)

“GRÊMIO CONQUISTA VITÓRIA APÓS 14 JOGOS

O campeão do Brasileiro de 1996 e da Copa do Brasil, o Grêmio, quebrou neste domingo um jejum de 14 jogos sem vitória (seis deles no atual campeonato), vencendo o Juventude por 1 a 0.

A partida, muito disputada, foi no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul. Foi um jogo típico do campeonato gaúcho, em que a garra superou a técnica.

No primeiro tempo, o Grêmio levou vantagem nas jogadas de ataque, mas só conseguiu marcar seu gol aos 46min e 30seg, em uma jogada de bola parada. Luis Carlos Goiano aparou de cabeça um escanteio bem cobrado por Sérgio Manoel.

O Juventude voltou modificado para o segundo tempo, ampliando seu poder de ataque com o ingresso de Édson.

O Grêmio procurou se fechar e reforçou a defesa com a expulsão do volante Otacílio, aos 9min do segundo tempo.

O técnico gremista, Hélio dos Anjos, sacrificou o jovem estreante Paulo César Tinga (dos juniores), colocando mais um volante, Djair.

O sistema de marcação gremista foi reforçado com o ingresso de André Santos no lugar de Zé Alcino.

Gílson Nunes, técnico do Juventude, ainda fez mais duas substituições para reforçar o ataque, mas a defesa do Grêmio resistiu à pressão.” ( Folha Online – 27/07/97 – 19h31min)

JUVENTUDE: Márcio; Itaqui, Adílson, Baggio e Lino; Flávio, Serginho (Adriano, 13 do 2ºT), Sandro Fonseca (Édson, intervalo) e Maurílio; Macalé (Pontes, 32 do 2ºT) e Alexandre.
Técnico: Gílson Nunes

GRÊMIO: Danrlei; Arce, Rivarola, Luciano e André Silva; Otacílio, Luís Carlos Goiano, Paulo César Tinga (Djair 13 do 2ºT) e Sérgio Manoel; Zé Alcino (André Santos 41 do 2ºT) e Rodrigo Gral.
Técnico: Hélio dos Anjos

Brasileirão 1997 – 1ª Fase – 7ª Rodada
Data: 27 de julho de 1997, domingo, 16h00min
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, RS
Juiz: Fabiano Gonçalves
Auxiliares: Altemir Hausen e Marcos Ibañez
Público: 16 mil (12.533 pagantes)
Renda: R$ 98.955,00
Cartões amarelos: Sérgio Manoel e Paulo César Tinga, Luciano, Luís Carlos Goiano, Rodrigo Gral e André Silva, Adílson, Macalé, Flávio e Alexandre
Cartão vermelho: Otacílio (14 do 2ºT)
Gol: Luis Carlos Goiano, aos 46min do primeiro tempo

Gauchão 2021 – Juventude 2×1 Grêmio

March 26, 2021

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Achei que esse time reserva do Grêmio esteve um pouco abaixo do que apresentou nas rodadas anteriores. Pareceu um pouco disperso. Obviamente não se pode deixar de considerar a maior qualidade do adversário, que está se preparando para jogar a primeira divisão do Brasileirão em 2021.

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

 

Foto: Fernando Alves (E.C.Juventude)

Juventude 2×1 Grêmio

JUVENTUDE: Marcelo Carné; Paulo Henrique, Cleberson, Vitor Mendes  e Eltinho; João Paulo e Elton (Alisson, 39’/2ºT); Capixaba, Guilherme Castilho (Gustavo Bochecha, 35’/2ºT) e Marcos Vinicios; Matheus Peixoto (Júnior Todinho, 30’/2ºT)
Técnico: Marquinhos Santos.

GRÊMIO: Brenno; Vanderson, Ruan, Rodrigues e Cortez; Lucas Araújo (Fernando Henrique, 21’/2ºT) e Darlan (Thayllon, 35’/2ºT); Léo Pereira, Pedro Lucas (Victor Bobsin, 21’/2ºT) e Ferreira; Ricardinho
Técnico: Alexandre Mendes (auxiliar)

6ª rodada – Primeira Fase – Gauchão 2021
Data: 25 de março, quinta-feira, 21h30min
Local: Estádio Montanha dos Vinhedos, em Bento Gonçalves – RS
Árbitro: Vinicius Gomes do Amaral
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi e Juarez de Mello Júnior
Cartões amarelos: Eltinho
Gols: Ricardinho, aos 46 minutos do 1º tempo; Matheus Peixoto, aos 17 minutos e Eltinho (de pênalti), aos 21 minutos do segundo tempo

Gauchão 2001 – Juventude 1×0 Grêmio

March 25, 2021

Foto: Jeferson Botega (Zero Hora)

Na primeira rodada do segundo turno do Octogonal do Gauchão de 2001 o Grêmio foi derrotado pelo Juventude, no Alfredo Jaconi, por 1×0 (gol de Dauri, convertendo um pênalti cometido por Anderson Polga).

Por falar em Polga, nas fichas técnicas do Correio do Povo, Placar, Pioneiro e Zero Hora ele é escalado no meio de campo, deixando o Grêmio um 4-4-2. Mas se a memória não me falha, nesta altura da temporada o tricolor já estava atuando num 3-5-2 e Polga era zagueiro (stopper) pela esquerda.

“VITÓRIA DO JUVENTUDE DÁ NOVO ÂNIMO NA LARGADA DO RETURNO
Dirigentes sugerem que árbitro Carlos Simon não seja mais escalado nas partidas do Grêmio Vitória do juventude dá novo ânimo na largada do returno

O resultado da partida da tarde de sábado, no Alfredo Jaconi, foi péssimo para o Grêmio, que perdeu a invencibilidade no Gauchão, mas motiva o campeonato.

A vitória do Juventude por 1 a 0, gol de Dauri, de pênalti, aos 28 minutos do segundo tempo, deixa o Grêmio – campeão do primeiro turno do octogonal e já garantido na finalíssima – atrás na largada, e dá ânimo ao time de Caxias do Sul na briga pela conquista do returno, que lidera ao lado do Caxias, o outro vencedor na rodada.

Anderson Polga tocou claramente na bola com a mão direita dentro da área do Grêmio após uma cobrança de escanteio do Juventude pelo lado esquerdo. Mesmo assim, dirigentes e jogadores do Grêmio viram excesso no pênalti assinalado por Simon, que deu origem ao gol do jogo. Deixaram o Jaconi reclamando do juiz.

– Ele descobriu um pênalti – queixou-se Mauro Gaivão, fazendo coro ao presidente José Alberto Guerreiro e ao vice José Otávio Germano. Germano chegou a dizer que o Grêmio vem sendo “reiteradamente” prejudicado por Carlos Simon nos últimos jogos, enquanto Guerreiro afirmou que a arbitragem foi “péssima- não só pelo pênalti, mas também pela falta de rigor no aspecto disciplinar. Sugeriram que o departamento de árbitros não o escale mais nos jogos do Grêmio, repetindo a atitude do Inter com relação a Leonardo Gaciba.

– Isso faz parte da cultura do Gauchão, é assim mesmo -disse Simon, sem expressar preocupação.

No primeiro tempo, o Juventude chegou a ter um gol de Dauri corretamente anulado pelo auxiliar Sérgio Cordeiro. O atacante estava impedido. O Juventude começou mais insinuante, criou boas chances com Michel, aos 20 e 32 minutos, e Dauri, aos 30 minutos. O Grêmio especulou em contra-ataques, principalmente com Marcelinho, que acertou o travessão aos 44 minutos do primeiro tempo. Simon distribuiu 10 cartões amare-los (sete na etapa inicial), seis para o Grêmio, e também foi criticado pelo Juventude, principalmente pelo gol anulado de Dauri.

Ao final da partida, o Juventude fez o discurso da humildade, dizendo que foi apenas uma vitória e que restam mais seis jogos a serem superados. Mas muitos também não esconderam que acreditam sim em lutar pela vaga na decisão.

-Foi a vitória da equipe que acreditou e teve a atitude para fazer do sonho uma realidade – elogiou o treinador Hélio dos Anjos. — Não podemos pensar apenas no que fizemos, mas no que vem pela frente.

– O Juventude tem um sonho, e hoje demos um grande passo muito grande para realizá-lo – acrescentou Dauri.” (Zero Hora, segunda-feira, 9 de abril de 2001)

Foto: Roni Rigon (Pioneiro)

“O Grêmio foi derrotado pelo Juventude por 1 a 0, no sábado, em Caxias do Sul. Jogando contra o seu mais difícil adversário no Gauchão, a equipe de Tite perdeu a invencibilidade na competição. Logo a 7 minutos, Dauri marcou para o Juventude, mas, impedido, teve o gol anulado, o que deixou o clima do jogo ainda mais tenso. Aos 32, Michel desviou de Danrlei, mas a bola bateu na trave.

Acuado, o Grêmio buscou os contra-ataques e, aos 44, Marcelinho invadiu a área e acertou o travessão. Na segunda etapa, muita marcação e poucas chances de gol. Aos 29, quando o Juventude era melhor em campo, após uma cobrança de escanteio, Polga colocou a mão na bola dentro da área. Dauri cobrou e fez 1 a 0” (Correio do Povo, segunda-feira, 9 de abril de 2001 – Fonte: Grêmio Dados)

Juventude 1×0 Grêmio

JUVENTUDE Dieqo: Ivo (Marinho), Fernandão, Luiz Oscar e João Marcelo; Fernando, Ivair, Sidnei e Michel (Lau); Lucia­no Fonseca (Pontes) e Dauri
Técnico: Hélio dos Anjos

GRÊMIO Danrlei; , Alex Xavier (Marinho), Mauro Galvão e Anderson Polga; Anderson Lima, Eduardo Costa, Tinqa, Zinho (Rodrigo Mendes) e Rubens Cardoso; Renato Martins (Luís Mário) e Marcelinho Paraíba
Técnico: Tite

Gauchão 2001 – Segundo Turno – 1ª Rodada
Data: 07 de abril de 2001, sábado
Local: Estádio Alfredo Jaconi
Público: 12.567
Renda: R$ 60.104,00
Arbitragem: Carlos Simon
Auxiliares: Sérgio Cordeiro e Silvio Rogerio Silva
Cartões amarelos: Ivo, Fernando, Ivair, Michel  Alex Xavier, Rubens Cardo­so, Eduardo Costa, Anderson Polga, Rodrigo Mendes e Luís Mário
Gol: Dauri (de pênalti), aos 28minutos, do segundo tempo.

Copa do Brasil 2020 – Juventude 0x1 Grêmio

November 6, 2020

 

 

A classificação obtida com duas vitórias pode passar uma ideia de facilidade para o lado tricolor, o que de forma alguma existiu. Essa foi mais uma partida que o Grêmio teve um bom resultado, sem necessariamente ter tido um bom desempenho. A equipe gremista só foi ter superioridade na segunda metade do segundo tempo. Antes disso permitiu que um desfalcado Juventude controlasse as ações.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Juventude 0x1 Grêmio

JUVENTUDE: Marcelo Carné; Igor, Wellington, Nery Bareiro e Eltinho; João Paulo (Jonatas Belusso, 27/2ºT), Bochecha (Gabriel Bispo, 33/2ºT); Dalberto (Marciel, 21/2ºT), Neto e Breno; Rafael Silva (Carlos Eduardo, 33/2ºT);
Técnico: Pintado

GRÊMIO: Vanderlei; Victor Ferraz, Geromel, Kannemann e Cortez; Matheus Henrique (Everton, 40’/2T), Maicon (Lucas Silva, 39/1ºT); Ferreira (Jean Pyerre, 22/2ºT), Isaque (Thaciano, intervalo) e Pepê; Diego Souza (Churín, 40/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

Copa do Brasil 2020 – Oitavas de final – jogo de volta
Data: 5 de novembro de 2020, quinta-feira, 21h30min
Local: Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul – RS
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Michael Correia e Luiz Claudio Regazone (ambos do RJ)
VAR: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Cartões Amarelos: Dalberto ; Isaque
Gol: Thaciano, aos 24 minutos do 2º tempo

Copa do Brasil 2020 – Grêmio 1×0 Juventude

October 30, 2020

 

O resultado foi positivo, mas confesso que esperava uma exibição um pouco melhor do Grêmio, especialmente considerando que o foco do clube está, assumidamente, nas copas. O desempenho tricolor ontem não foi tão diferente do visto em partidas do Brasileirão, competição em que não há a menor hesitação em poupar jogadores.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio FBPA) e Arthur Dallegrave (EC Juventude)

 

GRÊMIO: Vanderlei; Victor Ferraz, Geromel, Kannemann e Diogo Barbosa; Matheus Henrique, Lucas Silva (Everton), Ferreira (Thaciano), Isaque (Jean Pyerre) e Pepê; Diego Souza.
Técnico: Renato Portaluppi

JUVENTUDE: Marcelo Carné; Igor, Wellington, Genilson, Nery Bareiro e Eltinho; João Paulo, Gustavo Bochecha (Marciel); Capixaba (Wagner), Renato Cajá (Rafael Silva) e Breno Lopes e Dalberto (Gabriel Bispo).
Técnico: Pintado

Copa do Brasil 2020 – Oitavas de Final – Jogo de ida
Data: 29 de outubro de 2020, quinta-feira, 21h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Árbitro: Anderson Daronco (RS)
Assistentes: Rafael da Silva Alves (RS) e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP)
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)
Cartões amarelos: Pepê (Grêmio); João Paulo (Juventude)
Gol: Isaque, aos 8 minutos do 1º tempo

Gauchão 1990 – Juventude 3×3 Grêmio

July 25, 2020

Foto: Antonio C. Galvão (Pioneiro)

Em 25 de julho de 1990, o Grêmio enfrentou o Juventude no Alfredo Jaconi pelo Gauchão daquele ano. O tricolor fez um grande primeiro tempo, abrindo 3×0, e ia conquistando o título com uma rodada de antecipação. Porém, sofreu dois gols no início da segunda etapa e teve sua volta olímpica adiada para o clássico da rodada final quando Simão empatou, estabelecendo o 3×3 final, aos 45 minutos do segundo tempo

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

“JUVENTUDE ADIA DECISÃO DO CAMPEONATO
Foi uma partida cheia de alternativas e no final o resultado que transferiu tudo para os dois clássicos do próximo domingo

O Grêmio esteve a segundos de comemorar, ontem à noite, o segundo hexacampeonato de sua história Num jogo emocionante, disputado em Caxias do Sul, empatou com o Juventude em 3 a 3, e adiou a decisão para o final de semana, rodada final da competição. O último gol do Juventude, o que determinou o empate, só foi marcado no último minuto da partida.

Os primeiros 45 minutos do Grêmio na partida foram de excelente qualidade. Assis conseguia superar o péssimo estado do gramada, a marcação adversária, e dava início às principais jogadas do time. No mesmo nível técnico, apenas o centroavante Nílson, que se deslocava com inteligência para as duas pontas, e confundia a zaga do Juventude. A superioridade era enorme e os gols saíram ao natural, através de Cuca após escanteio; com Nilson depois de ótima jogada de Darci; e novamente com Nílson, de sem pulo (o gol mais bonito), em cruzamento de Paulo Egidio. O desnorteado Juventude sequer ameaçava Mazaropí.

Mas após o intervalo o time de Caxias voltou com dois novos jogadores — Baiano e Nelsinho nos lugares de Gilmar e Dido — e, mais importante, voltou com novo ânimo, disposto a virar o jogo com muita bravura. A nova disposição assustou o Grêmio, pois em quatro minutos Pichetti fez dois gols. A partir daí a partida ficou dramática. Era preciso segurar tamanho ímpeto 9 para garantir o título. Então Tarantini cruzou, Simão fez o gol e o campeonato não acabou.” (Renato Bertuol Barros, Zero Hora, quinta-feira, 26 de julho de 1990)

 “COTAÇÃO

JUVENTUDE
BETO — Podia ter saído de baixo do travessão para dificultar o ataque. Nota 4
TARANTINI — Marcou bem a Paulo Egidio e conseguiu ajudar o ataque. Nota 6
AMARILDO — Um início confuso No segundo tempo não teve trabalho. Nota 5
DOROTÉO SILVA — Parado em campo. Marcou mal e saiu pouco. Nota 3
GILMAR — Jogou lamentáveis 45 minutos e acabo substituído. Nota 2
SIMÃO — Garra e disposição premiadas com um gol no último minuto. Nota 7
NENI — No início, muito afoito, prejudicou o sistema de marcação. Nota 5
PEDRO HAROLDO — Boas jogadas individuais. Errou nas conclusões. Nota 7
DIDO — Jogou só o primeiro tempo. Ou melhor, não jogou. Nota 1
FERREIRA — Um segundo tempo de muita luta. Decisivo para virar o jogo. Nota 7
PICHETTI — Um discreto começo. Depois saiu da ponta e se constituiu no melhor do time. Nota 8
BAIANO — Substituiu Gilmar e foi um marcador bem mais eficiente. Nota 6
NELSINHO — Mais atrevido e mais decidido que Dido. Melhorou o time. Nota 6

GRÊMIO
MAZAROPI — Não teve culpa nos gols sofridos. Era muita confusão na área. Nota 6
ION — Jogou só 15 minutos, período em que usou de muita violência. Nota 3
JOÃO MARCELO — Muito entusiasmo. Faltou um pouco mais de tranqüilidade. Nota 6
LUÍS EDUARDO — Perdido em campo nos últimos 45 minutos. Nota 4
HÉLCIO — Discreto na marcação e sem presença ofensiva. Nota 4
JOÃO ANTÔNIO — Alternou bons e maus momentos no jogo. Irregular. Nota 5
CUCA — Fez o primeiro gol e brigou até o último minuto. Nota 7
ASSIS — Excelente primeiro tempo. Caiu de produção no segundo. Nota 8
DARCI — Bem utilizado no início. A marcação forte o anulou no segundo. Nota 5
NÍLSON — Inteligente, oportunista. Fez dois gols, o segundo muito bonito. Nota 8
PAULO EGÍDIO — Participou de dois gols. Mas não fez muito mais. Nota 5
GEVERTON — Substituiu Ion, marcou com força, mas nada criou. Nota 5” (Zero Hora, quinta-feira, 26 de julho de 1990)

MAZAROPI ASSUME ERROS: ‘NOSSO TIME VACILOU”

O clima era de velório no vestiário do Grêmio, depois do incrível empate de ontem, no Alfredo Jaconi. O primeiro tempo terminou em 3 a O para o Grêmio, mas em quatro minutos o time de Hélio dos Anjos reagiu, fez dois gols e empatou aos 45 minutos, após lima cobrança de falta. Ninguém conseguia esconder a decepção e o desespero que tomou conta do time. O zagueiro João Marcelo saiu de campo chorando e nem quis dar entrevistas. Os dirigentes pareciam não acreditar no que acontecia e entreolhavam-se perplexos.

O presidente Paulo Odone lembrou os momentos difíceis que clube já enfrentou no passado:

— É sempre assim. Antes de uma grande conquista, temos que sofrer demais.

Mas o goleiro Mazaropi procurava ser mais realista:

— Nós estávamos com a partida na mão e vacilamos. Paciência, agora é pensar em garantir o título no domingo. Temos que assumir os erros e tentar dar a volta por cima.

João Antônio, como é de sua característica, também procurava racionalizar:

— Não tem nada, não. Vamos decidir tudo no Gre-Nal de domingo. Não podemos nos abater.” (Renato Bertuol Barros, Zero Hora, quinta-feira, 26 de julho de 1990)

EVARISTO RECONHECE QUE FALTOU LIDERANÇA

O técnico Evaristo de Macedo ficou muito irritado com a falha da defesa do Grêmio, no gol de empate do Juventude, E credita o resultado à falta de uma liderança mais forte, no momento decisivo:

— Não podia acontecer. É uma jogada que nós treinamos em todos os coletivos. Quando a falta é frontal à grande área, a orientação é para que todos saiam e deixem o ataque adversário em posição de impedimento. Mas justamente na hora mais decisiva, mais importante, eles simplesmente esqueceram. Acho que faltou uma liderança naquele momento.

Mesmo assim, Evaristo procurou manter a serenidade e analisar o empate em 3 a 3 com urna certa friesa:

— Eles também tiveram sorte, ao marcarem dois gols, logo no início do segundo tempo, graças à raça. O último gol é que não poderíamos ter levado. Nós já tínhamos o jogo sob controle.

O vice, Rafael Bandeira dos Santos, estava arrasado:

— Não há explicação. O primeiro tempo foi excelente. O segundo foi péssimo. Então, não há como explicar. Só mesmo pelo futebol.” (Renato Bertuol Barros, Zero Hora, quinta-feira, 26 de julho de 1990)

BIAZUS ANUNCIA QUE VENCE O RIVAL
Já o astral entre os jogadores e dirigentes do Juventude era totalmente inverso. Muita festa pelo resultado inusitado e incrível, que reverteu toda a história do campeonato. E a alegria de quem recebeu bicho-extra para não perder. O vice, Biazus, fez questão de dar sua resposta às provocações feitas pelos dirigentes do Caxias:

— Isso é para que o Costamilan saiba com quem está tratando. Ele insinuou que nós iríamos entregar alguma coisa. Agora, nós vamos lá dentro do Centenário e ganharemos do Caxias. Não vai ter moleza.

Mas o grande herói do jogo foi mesmo o volante Simão, autor do gol de empate, aos 45 minutos do segundo tempo:

— É claro que estou muito feliz. O jogo estava difícil. Nós bobeamos, principalmente no primeiro tempo, mas nós conseguimos reagir e chegar ao empate. E isso foi bom também porque garantiu um bichinho para a gente. Simão deverá ser jogador do Internacional depois do Gauchão, segundo admitiu o próprio presidente José Asmuz, ontem após o jogo.” (Zero Hora, quinta-feira, 26 de julho de 1990)

Foto: Antonio C. Galvão (Pioneiro)

Foto: Luiz Chaves (Folha de Hoje)

JUVENTUDE: Beto; Tarantini, Amarildo, Dorotéo Silva e Gilmar (Baiano); Simão, Neni e Pedro Haroldo; Dido (Nelsinho), Ferreira e Pichetti
Técnico: Hélio dos Anjos

GRÊMIO: Mazaropi; Ion (Geverton), João Marcelo, Luis Eduardo e Hélcio; João Antônio, Cuca e Assis; Darci, Nilson e Paulo Egidio
Técnico: Evaristo de Macedo

Gauchão 1990 – Quadrangular Final – 5ª Rodada
Data: 25 de julho de 1990, quarta-feira, 20h00min
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul
Público: 6.403 pagantes
Renda: Cr$ 2.410.000,00
Arbitragem: Carlos Martins
Auxiliares: Valdir Cardia e Paulo Felipe
Cartões amarelos: Gilmar, Pichetti, Ion e João Marcelo
Gols: Cuca, aos 8 minutos do primeiro tempo. Nilson, aos 27 minutos do primeiro tempo. Nilson, aos 44 minutos do primeiro tempo. Pichetti, aos 2 minutos do segundo tempo. Pichetti, aos 4 minutos do segundo tempo. Simão, aos 45 minutos do segundo tempo.

Gauchão 1995 – Juventude 2×1 Grêmio

July 22, 2020

Foto: Porthus Junior (Pioneiro)

 

Em 22 de de julho de 1995, o Grêmio perdeu para o Juventude por 2×1, no Alfredo Jaconi, no jogo de ida da semifinal do Gauchão daquela temporada.

O confronto contra o Palmeiras pela Libertadores estava marcado para o dia 26, então o Grêmio utilizou apenas 4 titulares em Caxias do Sul.  O detalhe é que Arílson atuou como lateral esquerdo, enquanto Carlos Miguel permaneceu na meia, opção que havia sido descartada por Felipão na final da Copa do Brasil, disputada um mês antes.

Antes da bola rolar na Serra, o Presidente Koff declarou que preferia “ficar em segundo lugar na Copa Libertadores do que ser campeão gaúcho“.

Gauchão 1995 - Juventude 2x1 Grêmio - Cuca Vs. Rivarolafonte: Zero Hora

Foto: Zero Hora

 

“JUVENTUDE ESTÁ A UM EMPATE DA FINAL
Vitória de 2 a 1 sobre o Grêmio deixou alviverde em vantagem para o jogo do Estádio Olímpico

Caxias do Sul – O Juventude deu um importante passo rumo às finais do Campeonato Gaúcho ao vencer o Grêmio, sábado, no Estádio Alfredo Jaconi, por 2 a 1. Com o resultado, a equipe caxiense precisa de um empate, no próximo final de semana, no Estádio Olímpico, para disputar o título de campeão estadual desta temporada. Cuca e Jean Carlo marcaram para o alviverde, enquanto que Carlos Miguel descontou. O árbitro Fabiano Gonçalves expulsou Cuca e Nildo por troca de agressões.

Até os 20 minutos, a iniciativa foi da equipe do técnico Heron Ferreira. Depois o Grêmio dominou, até o Ju retomar o controle nos dez minutos finais. Aos 6min, o atacante Mário chutou de fora da área com perigo para o gol defendido por Sílvio. O tricolor respondeu com Carlos Miguel, numa cobrança de falta defendida com tranqüilidade por Isoton. Aos 23min, depois da jogada pela esquerda de Paulo Sérgio, Jean Cario pegou a sobra e chutou para fora. Aos 40min o Juventude abriu o marcador. Mário recebeu a bola e encontrou Itaqui desmarcado. O lateral improvisado entregou para Cuca. Com consciência, ele tocou na saída do goleiro Sílvio para determinar a vantagem alviverde.

Na primeira oportunidade que teve no 2° tempo o Juventude ampliou para 2 a 0. A jogada nasceu com Galeano, que foi derrubado próximo a risca da grande área por Marco Antônio. Jean Carlo cobrou com perfeição no canto esquerdo de Sílvio, que não teve chances de defesa. O Grêmio respondeu em seguida. Aos 6min, o lateral Marco Antônio avançou pela direita e entregou para o ponta Márcio. Ele cruzou certo para Carlos Miguel, de cabeça, fazer 2 a 1.

O Juventude não chegou a se retrair em seu campo, uma vez que a equipe gremista atacava mas não levava perigo ao goleiro Isoton. Aos 28min, o centroavante Nildo fez falta violenta em Cuca, o jogador do Juventude reagiu e os dois acabaram expulsos. O Grêmio seguiu pressionando, mas sem nenhuma objetividade.”

LATERAIS SÃO DÚVIDAS NO TIME

Principal destaque na vitória de 2 a 1 do Juventude sobre o Grêmio, o meio-campista Cuca era uma mistura de alegria e desolação ao final do jogo. Com a expulsão ele não poderá disputar uma das mais importantes partidas do clube nesta temporada.”Eu não merecia ser expulso, dei o carrinho na bola. A gente trabalha sério O ano todo e agora fica de fora da semifinal em Porto Alegre”, lamentou.

Os laterais Odair e Paulo Sérgio têm a semana para se recuperarem de lesões musculares. O médico do Juventude, Iran Cercatto, preferiu não fazer previsões em relação ao aproveitamento dos jogadores para a segunda partida. “A recuperação depende muito da constituição física de cada atleta. O Paulo Sérgio fez um leste antes do jogo e nada sentiu. Foi sentir somente durante o jogo”, explicou.

O técnico Heron Ricardo espera o decorrer da semana para definir os substitutos dos laterais, caso os dois não tenham condições. Outra posição a ser alterada será o meio-campo. Recuperado de lesão muscular, Julinho é o mais cotado para voltar ao time. Outro jogador que pode ser escalado no setor é Itaqui.

“Não é porque temos a vantagem do empate que vamos a nossa maneira de atuar. No Estádio Olímpico vamos jogar para a frente buscando a vitória”, garantiu o treinador, que tenta levar o Ju a segunda final – a primeira foi na Série B, em 1994.

 

MEIA ITAQUI É O NOVO ´CORINGA´
O jogador Itaqui pode ser considerado como o ‘coringa’ do time do Juventude. Oriundo das categorias de base do clube, a sua posição original é o meio-campo, mas ele tem sido utilizado pelo técnico Heron Ricardo Ferreira em outras posições.

Para a partida contra o Grêmio, ele recebeu a missão de substituir Odair. Ao final do jogo, recebeu o reconhecimento do treinador por sua atuação e pela passe que deu para Cuca marcar o primeiro gol.

“O mais importante não foi a minha atuação e sim a vitória que nós conseguimos, pois ela nos dá a vantagem do empate para a segunda partida em Porto Alegre”, analisou o jogador.

Para o atleta, o técnico Heron é uma pessoa muito importante dentro do grupo alviverde, principalmente pela confiança depositada no seu futebol. “Sempre que eu entro dentro de campo procuro dar o melhor para ajudar os companheiros. Graças a Deus o treinador confia em mim para jogar em tantas posições, com isso tento corresponder ao máximo. Mesmo que eu não vá bem ele me apoia”, disse.”

 

COTAÇÕES
JUVENTUDE
5 Isoton — Uma boa defesa no 1° tempo. Se complicou nas bolas aéreas
7 Itaqui — Bem na marcação, com apoios eficientes. Deu a ‘assistência’ para o gol de Cuca
6 Sandro — Dificuldades com a bola área. De resto esteve bem
6 João Batista — Boa atuação, ajudando a neutralizar Nildo
5 Paulo Sérgio — Não comprometeu até sair. Paulo Marcelo – Entrou bem. Nota 6
8 Galeano — Ótimo na marcação. Criou a jogada do 2° gol
6 Lauro — Bem na marcação, ao lado de Galeano
8 Cuca — Deu mais movimentação ao time e fez o primeiro gol
7 Jean Cario — Um pouco apático no 1° tempo. Melhorou após o gol
6 Mario — Muito isolado, com participação decisiva no 1° gol.
4 Edson — Perdeu a bola no lance que terminou com o gol gremista. Junior — Melhorou o toque de bola e quebrou a pressão gremista. Nota 6.

GRÊMIO
5 Sílvio — Sem culpa nos dois gois
6 Março Antônio — Anulou o ponteiro Edson.
6 Rivarola — Forte na marcação, buscou o apoio. Concluiu três bolas, todas erradas
5 Scheidt — Mais discreto que Rivarola, mas sem comprometer
5 Arilson — Marcou com violência (5 faltas). Apoiou, mas sem criar chances. Jacques • Entrou no final, mas pouco fez. Sem nota
5 Adilson— Fez uma marcação forte no meio-de-campo.
5 Gélson — Também priorizou a marcação, como Adilson
5 Mancini — Buscou abrir espaços. Fez duas conclusões, uma certa
5 Márcio — Também priorizou a marcação. Uma conclusão, certa
4 Nildo – Não fez nada, até ser expulso, levando junto Cuca
6 Carlos Miguel — Ajudou na marcação e fez o gol. Alexandre — Não conseguiu fazer nada nos minutos que jogou. Sem nota.”

 

GRÊMIO CULPA A ARBITRAGEM
O Grêmio culpou, sem citar o nome do juiz Fabiano Gonçalves, a arbitragem pela derrota de 2 a 1 para o Juventude, sábado, no estádio Alfredo Jaconi. Tanto para o técnico Luiz Felipe como para a direção, não houve falta de Marco Antônio em Galeano, no lance que originou o segundo gol do alviverde, marcado pelo meio-campista Jean Cario.

“Não houve falta do segundo gol do Ju, no máximo uma obstrução. Nesse caso ele teria que ter marcado dois toques”, afirmou Luiz Felipe. Para o presidente Fábio Koff, não houve falia e o resultado mais justo “teria sido o empate”.

Felipe, em sua análise, dividiu o jogo em dois momentos distintos. “No primeiro tempo, o Juventude foi melhor e mereceu a vantagem. Na etapa final, o Grêmio esteve melhor, mas não conseguiu chances claras, fora em um ou dois lances”, disse o treinador.

Koff viu o tricolor superior. “O Grêmio, quando se dispôs a sair para o jogo, dominou”, declarou o presidente. Ele acha “lógico” conseguir duas vitórias — no tempo normal e na prorrogação ou pênaltis – sobre o Ju, no próximo final de semana.

O atacante Nildo, que ‘pisou’ no meio-campista Cuca em um lance que determinou a expulsão dos dois jogadores, foi pedir desculpas ao jogador após a partida. “Eu levantei o pé um pouco demais, mas foi sem querer”, afirmou. (Luiz Carlos Erbes)”

 

FELIPE DEFENDE EQUIPE MISTA
O técnico do Grêmio, Luiz Felipe, rebateu críticas por ter escalado uma equipe mista contra o Juventude, sábado à tarde, no primeiro jogo das semifinais do Gauchão. “Não temos como jogar sem termos que correr riscos”, disse, referindo-se ao falo de ter deixado oito titulares em Porto Alegre. Ele temia que algum titular se lesionasse.

Perguntado porque não escalou os titulares, a exemplo do Palmeiras – jogou a semifinal do Campeonato Paulista com todos os titulares também no sábado contra o Mogi Mirim -, ele respondeu: “É um problema deles. Eles tem um grupo grande de jogadores, nós só temos 18.”

Luiz Felipe não definiu qual equipe enfrentará o Ju no jogo de volta, no Estádio Olímpico. “Vamos estudar”, disse apenas. A definição pode depender da partida de quarta-feira, contra o Palmeiras, pela Taça Libertadores da América.

Felipe definiu sábado o time que receberá o Verdão, em Porto Alegre. A equipe terá Danrlei; Arce, Luciano, Adílson e Roger; Dinho, Goiano, Carlos Miguel e Arílson; Paulo Nunes e Jardel.” (Milton Simas Junior, PIONEIRO, Segunda-feira, 24 de julho de 1995)

95ZH 151

JUVENTUDE GANHA E FICA PERTO DA VAGA NA FINAL

O time caxiense venceu o Grêmio por 2 a 1 no sábado e basta empatar no Olímpico para tentar um título inédito

O Grêmio não resistiu à força do Juventude em Caxias do Sul e perdeu por 2 a 1 a primeira das duas partidas pelas semifinais do Gauchão. O resultado dá vantagem ao Juventude no segundo jogo – a partida pode ser antecipada de domingo para o próximo sábado -, no Estádio Olímpico. Com um empate, o time de Heron Ferreira passa as finais, tirando o Grêmio da competição. O risco de perder o título gaúcho foi calculado pela diretoria gremista, que prefere abrir mão da disputa do regional para se dedicar à Libertadores. Tanto que o técnico Luiz Felipe não escalou o time titular contra o Juventude, poupando jogadores para a partida de quarta-feira contra o Palmeiras, em Porto Alegre. O Presidente Fábio Koff foi enfático antes do jogo em Caxias do Sul. “Eu prefiro ficar em segundo lugar na Copa Libertadores do que ser campeão gaúcho” […] “(Juan Domingues, Zero Hora, Segunda-feira, 24 de julho de 1995)

1995 juventude 2x1 gremio - pioneiro c

Foto: Porthus Junior (Pioneiro)

GRÊMIO ESTÁ PRONTO E ESPERA PELA TORCIDA

A declaração do presidente do Grêmio Fábio Koff de que prefere ser vice-campeão da Copa Libertadores a conquistar o título do Gauchão de 1995 demonstra a mobilização da diretoria e da comissão técnica gremistas. A batalha para avançar na Libertadores recomeça na quarta-feira à noite contra o Palmeiras, em Porto Alegre, mas todos estão empenhados em vencer o primeiro jogo. Os jogadores, que treinaram ontem pela manhã, já estão concentrados e esperam pela torcida. “Vamos lotar o Estádio Olímpico”, apela o presidente Koff. Conforme o experiente e vitorioso dirigente. “Se o Grêmio passar pelo Palmeiras será bicampeão da Libertadores”, prevê Koff, projetando um faturamento de US$ 1 milhão na próxima fase da competição, entre arrecadação e direitos de transmissão.

Luiz Felipe está tranquilo quanto ao time que vai colocar em campo. Da equipe titular apenas Arce está com uma leve lesão no joelho direito. O lateral paraguaio, porém, faz tratamento diferenciado de recuperação e garante que estará em campo. O goleiro titular Danrlei retorna da Seleção Brasileira e é um grande reforço para a partida decisiva. O otimismo de Fábio Koff com relação ao futuro do Grêmio na Libertadores se justifica pelos cruzamentos. Se o forte Palmeiras não resistir ao time de Luiz Felipe, o Grêmio enfrentará o Emelec, do Equador, ou o Sporting Cristal, do Peru — dois times sem tradição campeonato, nas semifinais. “Temos todas as condições de chegar às finais”, acredita Koff.” (Zero Hora, Segunda-feira, 24 de julho de 1995)

 

1995 juventude 2x1 gremio - pioneiro b

Foto: Porthus Junior (Pioneiro)

1995 juventude 2x1 gremio - pioneiro

Foto: Porthus Junior (Pioneiro)

 
Juventude 2×1 Grêmio

JUVENTUDE: Isoton; Itaqui, Sandro, João Batista e Paulo Sérgio (Paulo Marcelo); Galeano, Lauro, Jean Carlo e Cuca; Mário e Edson (Dorival Júnior).
Técnico: Heron Ferreira

GRÊMIO: Sílvio; Marco Antônio, Rivarola, Scheidt e Arílson (Jacques); Adílson, Gélson, Vagner Mancini; Márcio e Nildo
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Gauchão 1995 – Semifinal – Jogo de ida
Data: 22 de julho de 1995, sábado, 16h05min
Local: Estádio Alfredo Jaconi
Público: 6.318 pagantes
Renda: R$ 38.358,00
Árbitro: Fabiano Gonçalves
Auxiliares: Cesar Arruda e Luiz Carlos Mendonça
Cartões Amarelos: Gelson, Scheidt, Rivarola, Lauro, Galeano e Sandro
Cartões Vermelhos: Cuca e Nildo
Gols: Cuca, aos 40 mintos do 1 ° tempo: Jean Carlo, aos 3 min, e Carlos Miguel, aos 6 minutos do 2° tempo