Archive for the ‘Libertadores 1990’ Category

Libertadores 1990 – Grêmio 0x0 Cerro Porteño

April 30, 2018

1990 cerro casa libertadores Lemyr Martins Placar

A primeira vez que o Grêmio recebeu o Cerro Porteño em casa foi em 27 de abril de 1990, pela última rodada da fase de grupos da Libertadores daquele ano.

O tricolor, comandado por Evaristo de Macedo, precisava de uma vitória simples para avançar para a próxima fase (3 das 4 equipes de cada grupo passavam para as oitavas de final) mas o time não saiu do 0x0 no Olímpico.

1990 cerro casa JORNAL DO BRASIL

“GRÊMIO É ELIMINADO PELO CERRO

A euforia dos jogadores do Cerro Porteño ao final do 0 a 0 contra o Grêmio, no Estádio Olímpico, mostra bem o que representa, para paraguaios e outros sul-americanos, a Taça Libertadores da América. A garra, o bom senso de marcação e alguma sorte valeram a eles a classificação, em pleno Brasil, para a segunda fase da competição. O Grêmio, que em seis jogos só ganhou um, terminou esta etapa em último lugar, num grupo de quatro equipes, que classificava três, e esta eliminado.

O tricolor gaúcho bem que tentou, muito mais na base do abafa do que na técnica. Teve lá as suas chances. Na fase inicial, Alfinete, Cuca e Nilson perderam gols. O Cerro, com 10 homens na defesa, tratava de tirar o perigo de sua área de qualquer jeito – tarefa facilitada pela irritante insistência do Grêmio em tentar o chuveirinho.

Na fase final, não adiantou nem o apoio da torcida. Aos 22 minutos,  no lance de maior perigo para os paraguaios, Nilson entrou pela direita e chutou na trave. Fora isso, o bom goleiro Roberto Fernandez teve mais trabalho cortando os cruzamentos do que em defesas difíceis. No último minuto, outro exemplo da determinação (premiada) do Cerro: antes da cobrança do córner, os jogadores pediam raça uns aos outros

O Grupo Cinco terminou com o Olimpia, também do Paragauia, em primeiro lugar (sete pontos). O Cerro veio em segundo, com seis, como o Vasco, mas fez mais gols que o time carioca – oito contra cinco. Agora, em agosto, o Vasco pega o Nacional, de Medellin, atual campeão.” 
(Jornal do Brasil – 28 de abril de 1990)

jornal dos sports 1990 abril 28 gremio cerro

GRÊMIO FORA DA COMPETIÇÃO

Incompetência. Assim pode ser explicado o empate em O a O do Grêmio de Porto Alegre, ontem, no Estádio Olímpico, diante do Cerro Porteño, do Paraguai, time que em momento algum demonstrou interesse pelas jogadas eficientes de ataque, senão em míseros contra-ataques propiciados pelo clube gaúcho.

O Grêmio perdeu-se em toques excessivos e jogadas em profundidade que encontravam uma severa retranca paraguaia.

O time paraguaio chegou a Porto Alegre disposto a obter o empate que o classificava na segunda etapa da Taça Libertadores da América e conseguiu. Assim, Sanabria e Palacios ficavam bem abertos pelas extremas e o restante do time atras, esperando a retomada da bola. Esta era feita até com relativa facilidade, pois que os jogadores do Grêmio insistiam em carregar a bola em demasia. Houve momentos em que dois paraguaios cercavam um brasileiro, normalmente Paulo Egídio ou Lino, os donos da bola, além de Alfinete em desastradas subidas ao ataque. Poderiam jogar a noite toda que o gol não sairia.

O Grêmio jogou com Mazaropi; Alfinete, Vilson, Luis Eduardo e Hélcio; João Antonio, Lino e Cuca; Darci (Almir), Nilson e Paulo Egldio. O Cerro Porteño com Fernandes; Barrios, Cristaldo, Rivarola e Jacquet; Garay, Rívero e Sortelo; Battaglia (Struway), Sanabria e Palacio (Peres).

(Jornal dos Sports – 28 de abril de 1990)

—————————-

 

“GRÊMIO ELIMINADO PELOS PARAGUAIOS

Ninguém esperava, mas o Grêmio empatou novamente ontem, no Olímpico, desta vez contra o Cerro, em O a O. O resultado, combinado com a vitória vascaína sobre o Olímpia, eliminou o Grêmio precocemente da Libertadores, numa grande frustração para seus torcedores

Aquilo que parecia uma barbada acabou se transformando numa tragédia, e os mais de 20 mil torcedores que compareceram ao Olímpico no início da noite de ontem deixaram o estádio decepcionados com a apresentação do time de Evaristo de Macedo e a precoce desclassificação do Grêmio da Taça Libertadores, ao empatar com o Cerro, do Paraguai, em O a 0. Numa chave de quatro clubes, onde Três se classificaram, o Grêmio acabou ficando em último lugar.

O time gremista entrou era campo sabendo que precisava vencer a partida, pois, com a vitória do Vasco sobre o Olímpia, por 1 a 0, ocorrida na tarde de ontem, em São Januário, Vasco e Olimpia garantiram classificação para a outra fase da Libertadores. O Grêmio iniciou a partida com quatro pontos, um a menos que o adversário, sabendo que um empate o afastava da competição.

Porém, o time gremista não pensava encontrar um adversário bem postado, tem do no goleiro Fernandes o melhor jogador da partida, ao fazer excelentes defesas. O Grêmio teve uma grande chance de gol no primeiro tempo nos pés de Cuca, aos 36min. Porém, a individualidade do meio-campista determinou que o arqueiro Fernandes fizesse excelente defesa. Nilson, quase no final da etapa inicial, acabou perdendo outra oportunidade.

No segundo tempo, o técnico Evaristo tirou Darci do time c colocou Almir em seu lugar. Mesmo assim, o time continuou errando as jogadas de meio-campo, principalmente na aproximação com o ataque. O Grêmio era um time que não conseguia se encontrar em campo. Aos 32min, o técnico colocou em campo Nando, em substituição a Lino. Com dois centroavantes parecia que o time de Evaristo iria furar o bloqueio do Cerro, mas aconteceu o contrário, pois foi o time do Paraguai que começou ameaçar a meta de Mazaropi.

Muito abatido após a partida, Evaristo inocentou o grupo pela desclassificação. “O nosso time foi brilhante na partida contra o Olímpia. Porém, não conseguimos um melhor resultado naquele jogo. Foi ali que começou a desclassificação do time” afirmou.”

(Pioneiro – 28 de abril de 1990)

1990 cerro casa folha de hoje Paulo Dias folha de hoje
Fotos: Lemyr Martins (Placar) e Paulo Dias (Folha de Hoje)

Grêmio 0x0 Cerro Porteño

GRÊMIO: Mazaropi; Alfinete, Luis Eduardo, Vílson e Hélcio; Lino, João Antônio, Cuca e Darci (Almir 46); Paulo Egídio (Nando 32 do 2º tempo) e Nílson
Técnico: Evaristo de Macedo

CERRO PORTEÑO: Gato Fernandez; Teófilo Barrios, Blás Cristaldo, Catalino Rivarola e Justo Jacquet; Pedro Garay, José Riveros e Juan Battaglia; Gustavo Sotelo, Miguel Sanabria (Estanislao Struway 43 do 2ºT), e Emelio Palácios (Mauricio Pérez 37 do 2ºT).
Técnico: Sérgio Markarián

Copa Libertadores da América 1990 – Grupo 5 – 6ª Rodada
Data: 27 de abril de 1990, sexta-feira, 18h30min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre – RS
Público: 19.659 pagantes
Renda: Cr$ 3.609.540,00
Árbitro: Roberto Otello (URU)
Assistentes: Ernesto Fillipi e José Nieves
Cartões amarelos: Luís Eduardo, João Antonio, Fernandez, Garay, Riveros e Palacios

Advertisements

Libertadores 1990 – Cerro Porteño 3×1 Grêmio

April 17, 2018

1990 Libertadores Cerro Porteno 3x1 Grêmio Cuca Valdir Friolin Zero Hora

O primeiro confronto entre Cerro Porteño e Grêmio pela Libertadores aconteceu em 30 de março de 1990,  no Defensor Del Chaco.

O jogo era válido pela 3ª rodada do Grupo 5. O tricolor estreara com vitória contra o Vasco em casa, mas perdeu para o Olimpia em Assunção na segunda rodada.

O Cerro, que contava com Catalino Rivarola na sua defesa, ganhou de virada, sendo que o placar de 3×1 foi todo construído no segundo tempo. O resultado negativo e o mau futebol apresentando no Paraguai acabou resultando na demissão do técnico Paulo Sérgio Poletto na volta do Grêmio para Porto Alegre.

1990 Libertadores Cerro Porteno 3x1 Grêmio paulo egidio b Valdir Friolin Zero Hora
Fotos: Valdir Friolin (Zero Hora)

“GRÊMIO PERDE QUATRO PONTOS E A VOZ
Cerro virou o placar, 3 a 1, Poletto mexeu errado outra vez e os jogadores recusaram—se a falar no Paraguai. O Olímpico vai ferver
O Grêmio mudou o time, trocou de camisa, entrou em campo cumprindo um ridículo pacto de silêncio contra a imprensa gaúcha (como se fosse ela a culpada pelo mau futebol da equipe), mas nada disso adiantou. Voltou a perder, desta vez para o Cerro Portenho, por 3 a 1, e ficou numa situação ruim no grupo 5 da Libertadores da América, com apenas dois pontos em três jogos. Foi a terceira derrota em nove dias, e o técnico Poletto volta a Porto Alegre ameaçado de perder seu cargo, prova maior da crise que se abateu sobre o clube.
Isso que a disposição do Grêmio contra o Cerro foi bem diferente daquela apresentada contra o Olímpia, na terça-feira. Ontem a equipe estava mais corajosa, mais ofensiva, e através de uma intensa movimentação de Darci e Paulo Egídio, conseguia atacar com frequência. Só não atingia melhores resultados porque Nilson, perdido no comando do ataque, não acompanhava a boa produção dos ponteiros. Neste primeiro período do jogo, a equipe só foi ameaçada pelos paraguaios numa única oportunidade, aos 32 minutos, quando o árbitro não assinalou impedimento de Jacquet e o lateral, na cara de Mazaropi, chutou mal, para fora.
No segundo tempo, um jogador que estivera “apagado” no primeiro, começou a se destacar: Cuca. Ele concluiu com perigo aos 9 minutos, e fez um gol aos 10. Parecia que a vitória se consolidaria com facilidade. Mas o Cerro, com uma disposição que não tivera no início, foi para cima, e aos 22 minutos, através de Sanabria (que substituíra Perez), conseguiu o empate. Torcedores e jogadores paraguaios enlouqueceram, assustaram os gremistas, e um minuto depois Garay conseguia o segundo gol. Virada. Aos 42 minutos Sanabria voltou a marcar, consolidando a vitória. O fracasso gremista no Paraguai foi completo. Ainda pela Libertadores, no Equador o Emelec empatou com o Petrolero em 2 a 2″ (Antonio Celso Sampaio – Enviado ao Paraguai – Zero Hora 31 de março de 2018)

“O Engano de Assunção
Quem leu as livros de Edgar Allan Poe sabe que o escritor norte-americano era mestre em criar histórias de terror, perseguições, de assombrações. Pois parece que os jogadores do Grêmio gostam muito do mestre maldito da literatura universal. Tanto que resolveram entrar para a galeria de seus personagens e encenaram a montagem de uma peça que tem como argumento a perseguição da imprensa ao grupo de atletas. Como nas páginas de Poe, eles vêem fantasmas onde não existem e sombras nascidas de uma única palavra: covardia, que foi usada pelo repórter Sérgio Boaz, da Rádio Gaúcha, no final da partida contra o Olímpia.
Parece que os jogadores não entenderam o contexto em que a palavra foi mencionada e inverteram tudo. Ela não quis caracterizar os atletas como homens acovardados, medrosos, mas pretendeu definir a omissão ofensiva da equipe em campo, a satisfação com o empate num jogo que se tivesse o ritmo forçado poderia ter rendido os dois pontos e a liderança do grupo consolidada. O que se referia ao plano tático foi levado para o lado pessoal. Triste engano.
O resultado foi a indignação e a lei do silêncio os jogadores resolveram não dar mais entrevistas a nenhum jornalista brasileiro em Assunção. Para os repórteres um prejuízo provocado pelo lamentável erro de interpretação acontecido depois de uma derrota dolorosa, no calor dos acontecimentos e mantido do, conto quem insiste em ver fantasmas e terror. Todos querem vitórias gaúchas. Isso traz prestigio para as próprios jogadores. Quem sabe os do Grêmio deixam as assombrações para os livros de Edgar Poe, cerram as cortinas desta peça sem humor e põem os pés no chão? Especificamente no gramado, ali é o lugar de se dar as resposta, com belas jogadas e gritos de gol. E nunca com o silêncio, como em Assunção” (Antonio Celso Sampaio – Enviado ao Paraguai – Zero Hora 31 de março de 2018)

“Gols:  para o Grêmio, 1 a 0 aos 10 minutos do segundo tempo – Paulo Egídio cobrou escanteio, Nilson desviou e Cuca, caindo, chutou para marcar.

Sanabria para o Cerro Portenho, 1 a 1 aos 22 minutos do segundo tempo — O jogador paraguaio, que substituíra Perez, se livrou com facilidade da zaga e chutou forte no canto direito.

Garay para o Cerro  Portenho, 2 a I aos 23 minutos do segundo tempo — Outra falha da confusa zaga gremista. A bola sobra para Garay que chuta sem defesa para Mazaropi.

Sanabria para o Cerro Portenho, 3 a 1 aos 42 minutos do segundo tempo — Após falta, Palacios desviou de cabeça e Sanabria completou para as redes.” (Zero Hora 31 de março de 2018)

1990 Libertadores Cerro Porteno 3x1 Grêmio folha de hoje b

Cerro Porteño 3×1 Grêmio

CERRO PORTEÑO: Roberto Fernandez; Teófilo Barrios, Blás Cristaldo, Catalino Rivarola e Justo Jacquet,; Pedro Garay, José Riveros e Juan Battaglia; Mauricio Pérez (Miguel Sanabria 15 do 2ºT), Emelio Palácios e Ceferino Villagra
Técnico: Sérgio Markarián

GRÊMIO: Mazaropi, Alfinete, Luis Eduardo, Vílson e Hélcio; Jandir, Darci (Assis 23 do 2ºT), Cuca e Geverton (Nando 37 do 2ºT); Paulo Egídio e Nílson.
Técnico: Paulo Sérgio Poletto

Copa Libertadores da América de 1990 – Grupo 5 – 3ª Rodada
Data: 30 de março de 1990, sexta-feira, 21h00min
Local: Estádio Defensores del Chaco, em Assunção, Paraguai
Árbitro: Oscar Ortubé (BOL)
Auxiliares: Jorge Antequera e Mario Prado
Gols: Cuca, aos 10 minutos; Sanabria, aos 22; Garay, aos 23 e Sanabria aos 42 minutos do segundo tempo