Archive for the ‘Morumbi’ Category

Confrontos São Paulo X Grêmio pelo Brasileirão no Morumbi

November 15, 2018

IMG_5867IMG_5901

Hoje o Grêmio enfrenta o São Paulo no Morumbi pelo Brasileirão. Acho que essa é uma desculpa forte suficiente para lembrar, entre tantos confrontos tricolores naquele estádio, da final do Campeonato Brasileiro de 1981.

Nas imagens acima, temos o poster, publicado na Zero Hora, do time do Grêmio que iniciou aquela partida. Na sequência, uma ilustração do gol publicada na Folha da Tarde.

Abaixo, na primeira imagem, o anúncio publicado pela direção do Grêmio após o título, brincando com falado favoritismo do São Paulo (que possuía vários jogadores da Seleção Brasileira) na decisão. Na sequência, matérias do Correio do Povo, Folha da Tarde e Zero Hora sobre a conquista gremista.
IMG_5843IMG_5899IMG_5900IMG_5915IMG_5924IMG_5824IMG_5823IMG_5961IMG_5964

Advertisements

Brasileirão 2017 – São Paulo 1×1 Grêmio

July 26, 2017

sergio barzaghi gazeta press1581_crop_galeria

Um empate contra o São Paulo no Morumbi dificilmente poderá não ser considerado um bom resultado, mas dessa vez o torcedor gremista tem vários razões para lamentar esse empate: 1) O Grêmio saiu na frente (em uma bela arrancada de Pedro Rocha) ; 2) O Grêmio jogou bem,  controlando o meio de campo e criando mais chances de gol; 3) A situação dos times no campeonato.

Porém não dá pra se falar em injustiça nesse empate (ou não dá pra se falar em justiça em matéria de futebol). O São Paulo aproveitou uma (na boa combinação de Cueva e Edmar pela ponta esquerda) de suas poucas oportunidades de gol e o Grêmio igualmente só aproveitou uma de suas várias chances.
2047_crop_galeria2050_crop_galeria

Renato repetiu o 4-3-3 (4-1-4-1) usado contra o Vitória, mas dessa vez Ramiro atuou aberto pela direita e Luan atuou como homem mais adiantado do ataque.  Como era de se esperar, esse time dominou as ações do meio de campo (em vários momentos o Grêmio tocou a bola como quis) mas não teve tanta presença na área adversária (teve pouco “punch” no terço final do campo).

Achei que patrocínio do iPlace na manga ficou de bom tom (até contribuiu para diminuir o “marasmo ” da manga toda azul).
sergio barzaghi gazeta press2
Fotos: Sergio Barzaghi (Gazeta Esportiva) e Rubens Chiri (saopaulofc.net)

São Paulo 1×1 Grêmio

SÃO PAULO: Renan Ribeiro; Bruno (Gilberto, aos 21’/2ºT), Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Petros, Jucilei (Cícero, no intervalo) e Jonatan Gómez (Lucas Fernandes, no intervalo); Marcinho, Cueva e Pratto.
Técnico: Dorival Junior

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Cortez; Michel, Maicon, Arthur (Fernandinho, aos 20’/2ºT) e Ramiro; Pedro Rocha (Éverton, aos 33’/2ºT) e Luan.
Técnico: Renato Portaluppi

16ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2017
Data: 24/7/2017, segunda-feira, 20h00min
Local: Morumbi, em São Paulo – SP
Público: 51.511
Renda: R$ 1.367.039,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (FIFA-MG)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (FIFA-MG) e Pablo Almeida da Costa (MG)
Cartões amarelos: Rodrigo Caio, Maicon, Michel e Arthur (GRE)
Gols: Pedro Rocha aos 19 minutos do 1º tempo e Lucas Fernandes aos 18 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2016 – São Paulo 1×1 Grêmio

November 18, 2016

9623_crop_galeria9625_crop_galeria

Apesar do promessa de foco no Campeonato Brasileiro, ficou nítido que o Grêmio entrou em campo no Morumbi sem a mesma intensidade vista na Copa do Brasil. Logo aos 11 minutos o São Paulo saiu na frente, numa jogada iniciada em um bom lançamento de João Schmidt. Wallace Reis não afastou a bola e não travou o avanço de Chavez e Marcelo Grohe saiu do gol precipitadamente, facilitando o trabalho do avante são-paulino, que tocou por cobertura.

O Grêmio tinha mais posse de bola, tentava articular jogadas, mas afunilava demais o jogo. Os jogadores de lado eram pouco acionados (e isso já tinha acontecido no jogo de volta contra o Cruzeiro) . Numa das raras vezes que isso aconteceu, Ramiro entrou em diagonal na área, onde recebeu bom passe de Douglas e empatou o jogo.

9492_crop_galeria
Fotos: Rubens Chiri (São Paulo F.C.)

São Paulo 1×1 Grêmio

SÃO PAULO: Denis; Buffarini, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; Thiago Mendes (Hudson 22′ 2ºT), João Schmidt, David Neres, Cueva e Luiz Araújo (Carlinhos 26′ 2ºT); Chavez
Técnico: Ricardo Gomes

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson (Jailson 31′ 2ºT), Geromel, Wallace Reis e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Ramiro, Douglas e Pedro Rocha (Everton 17′ 2ºT); Luan (Batista 46′ 2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

35ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2016
Data: 17 de novembro de 2016, quinta-feira, 19h30min
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo-SP
Público: 21.933
Renda: R$ 276.590,00
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Alessandro Rocha Matos (BA) e Elicarlos Franco de Oliveira (BA)
Cartões amarelos: Buffarini, Luiz Araújo, Chavez, Walace, Wallace Reis
Gols: Chavez, aos 11 do 1º tempo e Ramiro, aos 21 do 2º tempo)

Brasileirão 2015 – São Paulo 2×0 Grêmio

June 8, 2015

 

 

O Grêmio não conseguiu dar sequência na sua recuperação no Brasileirão, tendo uma atuação muito abaixo do esperado e abaixo do aceitável contra o São Paulo. Os sinais de evolução da equipe que foram vistos nos últimos jogos não se fizeram presentes no Morumbi. O time de Roger não teve a mesma movimentação e intensidade, abrindo mão da posse de bola e  deixando grandes espaços na marcação. Se viam buracos entre os volantes e os zagueiros, e não raro os jogadores de frente deixavam de recuar para trás da linha da bola no momento da recomposição defensiva. Assim, o São Paulo não precisou de muito para conseguir a vitória. Aos 26 minutos do 1º tempo, Rhodolfo cortou mal um cruzamento e a bola acabou indo para nos pés de Luis Fabiano, que com tranquilidade fez o 1×0. A rigor o Grêmio só teve uma chance de empatar, quando Giuliano deu bom passe e Pedro Rocha conseguiu tocar a bola por cima de Rogério Ceni, mas não para dentro do gol.
A situação não mudou muito no segundo tempo. O São Paulo parecia não precisar, mas o juiz inventou um pênalti para o time da casa, que Rogério Ceni converteu. O restante da partida foi constrangedor para o Grêmio, muito mais pela sua inércia do que por uma imposição técnica do adversário.

 

 

 

O brabo é que o São Paulo jogou muito pouco e ainda assim foi claramente superior ao Grêmio.
E novamente os números ajudam a ilustrar a apatia do Grêmio. O São Paulo, mesmo tendo maior posse de bola (60% x 40%), fez um número maior de faltas (19 x 14). A marcação gremista foi muito passiva.
Eu gostaria muito de entender porque o árbitro Pericles Bassols apitou com a gola da camisa levantada. Gostaria de entender porque ele marcou pênalti num toque absolutamente involuntário de Marcelo Oliveira e porque ele não adotou o mesmo critério que usou em lance parecido aos 11 do primeiro tempo.

 

 

 Fotos: Marcos Ribolli (GloboEsporte) e Rubens Chiri (São Paulo F.C.)

São Paulo São Paulo 2×0 Grêmio Grêmio

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Bruno, Rodrigo Caio, Dória, Carlinhos, Denilson (Hudson 21’/2T), Souza (Thiago Mendes 26’/2T), Wesley, Michel Bastos (Reinaldo 33’/2T), Ganso e Luís Fabiano
Técnico: Juan Carlos Osorio
GRÊMIO: Tiago; Fellipe Bastos, Rhodolfo, Pedro Geromel, Marcelo Oliveira, Araújo (Júnior 11’/2T), Maicon, Giuliano, Luan, Pedro Rocha (Vitinho 29’/2T) e Yuri Mamute (Braian Rodríguez 12’/2T)
Técnico: Roger Machado

06ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2015
Data: 06/06, às 22h (de Brasília)
Local: Estádio Morumbi, em São Paulo – SP 
Público: 16.952 pagantes
Renda:  R$ 529.630,00
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (Fifa)
Assistentes: Rodrigo F Henrique Correa (RJ) e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)
Cartões amarelos: Fellipe Bastos, Marcelo Oliveira (GRE), Denilson, Luis Fabiano e Souza (SAO)
Gols: Luís Fabiano aos 26 minutos do 1º tempo e Rogério Ceni (de pênalti) aos 10 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2014 – São Paulo 1×0 Grêmio

May 26, 2014

 

No gramado cheio de sereno do Morumbi, o São Paulo acabou com a sequência de vitórias do Grêmio. O início de partida gremista até que foi promissor. Com 3 volantes o time de Enderson Moreira ocupou o campo de ataque nos 10 primeiros minutos e chegou a criar situações de gol, como na bola que cruzou a pequena área de Rogerio Ceni após uma cobrança de falta. Mas passado esse entusiasmo inicial, o Grêmio foi perdendo o meio de campo e recuando a sua marcação. O São Paulo passou a rondar a área e até chegou a fazer com que Marcelo Grohe trabalhasse, mas em lances mal trabalhados. Apesar desse recuo, a melhor oportunidade do primeiro tempo foi gremista, na bola que Barcos arrancou da intermediária e ficou de frente para o gol, mas o chute saiu pela linha de fundo.
A situação não se alterou muito nos 45 minutos finais. O Grêmio seguiu muito preocupado com as armas ofensivas do São Paulo, que na verdade pouco ameaçaram. Ganso parece ignorar o fato que um jogo de futebol tem 90 minutos. Pato esteve sumido e Luis Fabiano segue preferindo brigar a jogar futebol. O jogo era fraco, o São Paulo não era melhor, o Grêmio não era pior e vice-versa. Mas aos 15 minutos Lucão fez o único gol da partida ao subir mais alto numa falta cobrada por Ganso. O Grêmio teve tempo para buscar o empate, mas Barcos perdeu a melhor chance, numa jogada que ele iniciou bem e terminou mal, no último minuto do jogo.

 

 

Grêmio não esteve numa noite muito inspirada. Ok, em um campeonato com 38 rodadas isso acontece. Mas o que o São Paulo precisou fazer pra levar os 3 pontos?

 

E esse parece ser um problema do time no campeonato. Em nenhuma das vezes que o Grêmio perdeu pontos nesse Brasileirão isso aconteceu propriamente por uma grande atuação do seu oponente, e sim  pela sua própria apatia.

No post do jogo anterior, levantei a dúvida sobre quem seria o substituto de Alan Ruiz como “winger” pela direita (ou meia-direita para os mais tradicionais). Enderson optou por alterar o esquema, voltando para um 4-3-2-1. Não deu tão certo. Rodriguinho, que marcou gols importantes nos últimos jogos, esteve apagadíssimo. Dudu bem que se esforçou,  mas não conseguiu produzir muito. E se via um buraco no lado direito do ataque. Pará, que fez boa partida, avançava bastante, mas nunca encontrava um companheiro para dar sequência nas jogadas por ali.

Houve um toque de mão de Maicon dentro da área do São Paulo aos 44 minutos do segundo tempo. Acho totalmente compreensível interpretar o lance como involuntário, apesar do movimento do braço e do fato de que a mão direita (que tocou na bola) já não estava mais na frente do corpo. Até aí tudo bem, é questão de critério. Só não pra dizer que foi “absolutamente nada” ou “Nada, nada e nada!” é um certo exagero.

Ademais, cada um dos bandeirinhas cometeu um erro grosseiro em impedimentos do ataque gremista. E eu custo a acreditar que o Luis Fabiano não tenha recebido sequer cartão amarelo pela cotovelada que deu em Bressan.

 

Marcelo Grohe salvou o Grêmio contra o Fluminense. Vem fazendo um bom campeonato e estava bem no jogo. Contudo tomou um gol “estranho”, com diversos atenuantes (distância, campo molhado), mas vendo a bola passando por debaixo dele no lance fica muito difícil dizer que não foi frango.

 

Duas rodadas atrás Barcos disse que tinha que “dar explicações ao treinador e aos meus companheiros, não ao torcedor“. Como torcedor eu fico curioso para saber quais são essas explicações. Porque infelizmente ele segue precisando dar explicações. Teve duas boas chances para marcar (três, se considerarmos o lance do impedimento mal marcado no primeiro tempo, o que não é pouco num jogo fora de casa contra o São Paulo) e as desperdiçou. Me parece que o Barcos atua como capitão, líder, porta-voz e tantas outras funções dentro do vestiário que acaba lhe faltando tempo pra ser centroavante.

 

Fotos: Ale Cabral (Lance),  Sergio Barzaghi (Gazeta Press) e Rodrigo Capote (UOL)

São Paulo São Paulo 1×0 Grêmio Grêmio

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Douglas, Antônio Carlos, Lucão e Reinaldo; Souza, Maicon, Ganso; Alexandre Pato (Pabon, aos 30’/2ºT), Osvaldo (Boschilia, aos 25’/2ºT) e Luis Fabiano.
Técnico: Muricy Ramalho
GRÊMIO: Marcelo Grohe, Pará, Wesley, Bressan e Breno (Zé Roberto, aos 22’/2ºT); Ramiro (Maxi Rodriguez, aos 32’/2ºT), Riveros, (Matheus Biteco, aos 2’/2°T) Edinho, Rodriguinho e Dudu; Barcos. Técnico: Enderson Moreira

07ª Rodada  – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 24 de maio de 2014, sábado, 21h00min
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Público: 14.992 pagantes
Renda: R$ 210.275,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (FIFA-GO)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva-GO e João Patricio de Araújo-GO
Cartões amarelos: Souza, Ganso, Douglas e Maicon; Ramiro e Breno

Gol: Lucão, aos 15 minutos do segundo tempo

Brasileirão – São Paulo 0x1 Grêmio

September 30, 2013

 

O Grêmio repetiu ontem no Morumbi mesmo esquema (4-3-3) e a mesma estratégia que adotou no Pacaembu na quarta-feira, quando se resguardou no campo de defesa a tratou de especular em contra-ataques. No começo de jogo o São Paulo até consegui empolgar a sua torcida, pois trocava passes curtos com velocidade, mostrando boa movimentação e aproximação dos seus atletas. Na comparação com a partida anterior o Grêmio estava um pouco mais vulneravel na defesa, mas em compensação tinha mais saída para o ataque. Aos 11 minutos Vargas arrancou pela esquerda, passou em velocidade por Paulo Mirando, mas não conseguiu concluir quando já se encontrava na frente do gol. E aos 42, Kleber chutou forte do bico da área,  mas a bola passou por cima do travessão. Apesar de ter sido ameaçado nessas duas ocasiões, o time da casa foi superior em todo o primeiro tempo, controlando a posse de bola e ficando perto de abrir o marcador. Aos 3 e aos 38 minutos Dida fez duas boas defesas em arremates de Luis Fabiano, e aos 43 Bressan deu um carrinho providencial, impedindo que a bela arrancada de Wellington terminasse com a bola dentro do gol.
No segundo tempo o ritmo diminuiu um pouco. Dida voltou a fazer boas intervenções (a melhor delas numa saída corajosa nos pés de Douglas), mas o São Paulo parecia ter mais posse de bola do que propriamente presença dentro da área. Aos 24 o Grêmio aproveitou uma das suas raras chances, numa jogada que passou por Kléber e Barcos, onde Alex Telles foi literalmente a linha de fundo e de lá deu um belo cruzamento para Vargas cabecear para baixo, sem chances ao arqueiro adversário.

 

 

Gostei muito da forma que o Grêmio atuou nessa partida, apesar de considerar que Dida foi o melhor jogador em campo. Gosto muito de ver um time baseando seu jogo num forte trabalho defensivo para depois explorar os possíveis contra-ataques. Creio que é característica histórica das grandes equipes gremistas.

 

Eu não marcaria o pênalti de Kléber (aos 23 minutos do 2ºt) protestado pelo São Paulo. Acho razoável interpretar que o avante gremista realmente estava se protegendo. Aquele posicionamento do braço não é tão inusual para jogadores que se posicionam na barreira. Mais o lance é bem discutível, só não gostei da argumentação tacanha de Rogério Ceni, ao afirmar que:A bola não mata ninguém, pode tirar de cabeça“. Pode até não matar, mas machuca bastante. Basta lembrar do exemplo do Dr. Tostão.

E ainda que tenha sido pênalti, eu acho bastante curioso como que alguns lances “repercutem” bem mais do que outros. Não vi tamanho espaço para as reclamações do pênalti sobre Zé Roberto no confronto do primeiro turno.

É impressionante como Bressan cresce de rendimento quando o time joga numa linha de 4 na defesa.

Tem algum lateral esquerdo jogando mais do que o Alex Telles nesse Brasileirão?

Fotos: Tom Dib (Lance), Rubens Cavallari (Folha de São Paulo) Márcio Fernandes (Estadão) e Rodrigo Capote (UOL)

São Paulo São Paulo 0x1 Grêmio Grêmio

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Paulo Miranda, Rafael Toloi (Douglas 30’/1ºT), Antônio Carlos e Reinaldo; Rodrigo Caio, Wellington, Jadson (Aloisio 29’/2ºT) e Ganso; Osvaldo e Luis Fabiano.  
Técnico: Muricy Ramalho
GRÊMIO: Dida, Pará, Saimon, Bressan e Alex Telles; Souza, Ramiro e Riveros; Vargas (Paulinho 46’/2ºT), Barcos (Wendell 39’/2ºT) e Kleber.  
Técnico: Renato Portaluppi
24ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2013
Data: 29/09/2013, domingo, 16h00min
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo-SP
Público: 41.201 pagantes
Renda: R$ 502.961,00
Árbitro: Héber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Alessandro A. Rocha de Matos (Fifa-BA) e João Patrício de Araújo (GO)
Cartões amarelos: Antônio Carlos, Luis Fabiano e Rogério Ceni (SP); Kleber, Saimon e Bressan (G)

Gol: Vargas aos 24 minutos do 2º tempo

Brasileirão – São Paulo 1×2 Grêmio

August 13, 2012


Esse era um jogo de grande importância no campeonato. Perdendo, o Grêmio veria os líderes desgarrando e o São Paulo chegando no seu encalço. Mas o time se portou bem, conquistou a vitória e voltou de dois jogos fora de casa com quatro pontos na bagagem. Parece haver um consenso de que o Grêmio esteve melhor na partida. Mas isso não signfica que o jogo foi fácil. O São Paulo criou dificuldades. O Grêmio conseguia, por méritos, chegar bem no ataque. Seja com Elano pela direita, seja pela esquerda com Kléber ou M. Moreno ou mesmo em bolas paradas. Mas Rogério Ceni só trabalhou no primeiro tempo em uma conclusão de Elano. E embora não fosse tão brilhante, o São Paulo concluiu mais, e abriu o placar aos 39 com Cícero. A partir daí o Grêmio viveu seu pior momento na partida e só não levou o segundo gol em função de uma grande defesa de Marcelo Grohe.

O Grêmio não se abalou e tratou de mostrar que o resultado do primeiro tempo era injusto. O time seguiu colocando a bola no chão e conseguiu bloquear melhor os avanços São-paulinos. Luxemburgo viu que havia espaço para seu time jogar e colocou Marquinhos no lugar de Fernando. E foi o meia que cobrou um escanteio aos 21, que Werley desviou de cabeça, empatando o jogo. A partida seguiu franca, o São Paulo se abriu, o Grêmio teve ao contra-ataque e aos 46, Werley arrancou do campo de defesa carregando a bola ao ataque. Zé Roberto foi acionado e cruzou para Kléber, que por sua vez serviu André Lima, que de carrinho estabeleceu o 2×1 final.

Eu não achei tão ruim assistir o jogo no Morumbi. Pelo que lia e ouvia, imaginava que fosse maior a distância da arquibancada até o campo. Outras coisas incomodam mais, como a ausência de qualquer tipo de cobertura e o sol castigando a tarde inteira.

Marquinhos entrou bem mais uma vez. Em poucos dias deixou de ser imprestável e passou a ser útil no conceito de alguns. Um pouco mais de calma nas análises e nas sentenças definitivas faria bem a todos.

 

Me pareceu que o Grêmio marcou pouco na frente. Achei que os volantes do São Paulo tiveram muito liberdade para jogar.

Ainda vou entender para o que serve o quinto árbitro. No Morumbi, Rogério Ceni foi cobrar uma falta e o gandula por duas vezes tentou esconder a bola que fica ao lado do gol, sem ser advertido pela arbitragem.

Fotos: Dorival Rosa (Vipcomm)

São Paulo 1×2 Grêmio

SÃO PAULO: Rogério Ceni; João Filipe, Casemiro (Willian José – 36’/2ºT) e Rhodolfo; Douglas, Denilson, Maicon, Jadson e Cortez; Ademilson e Cícero.
Técnico: Ney Franco.

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edilson, Werley, Gilberto Silva e Pará; Fernando (Marquinhos – 18’/2ºT), Souza, Elano (Léo Gago – 43’/2ºT) e Zé Robeto; Kleber e Marcelo Moreno (André Lima – 33’/2ºT).

Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

16ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2012
Data: 12/8/2012, domingo,16h00min
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Público: 15.386 (14.490 pagantes)
Renda: R$ 326.142,00
Árbitro: Elmo Resende Cunha (GO)

Assistentes: Alessandro Rocha de Matos (FIFA/BA) e Kleber Gil (SC)
Cartões Amarelos: Denilson, Douglas, Cortez, João Filipe (SPO) Kleber, Werley, Marcelo Moreno (GRE)
Gols: Cícero, aos 39 minutos do primeiro tempo (SPO); Werley, aos 21 minutos do segundo tempo (GRE) e André Lima, aos 46 minutos do segundo tempo (GRE)

 

Brasileirão – São Paulo 3 x 1 Grêmio

June 12, 2011

Os primeiros dez minutos do Grêmio no Morumbi foram desastrosos, com os jogadores desacostumados com o novo esquema (4-4-1-1) e perdidos com a rapidez dos avantes adversários. Quando parecia que o time passaria incólume a pressão inicial veio o azar do desvio e o gol de Casemiro (aos 13 minutos). A perspectiva do time se achar em campo foi para o espaço. A idéia de preencher o meio de campo e valorizar a posse de bola não foi colocada em prática, o Grêmio tinha imensa dificuldade em sair jogando e ultrapassar o meio de campo . O São Paulo só não ampliou o placar porque era um muito mais um time de movimentação/transpiração do que uma equipe de criação/inspiração.

Gabriel e Lúcio pouco contribuíram no meio campo, seja na criação, seja na marcação. O time melhorou um pouco com a entrada de Lins (até mesmo porque seria difícil piorar). A segundo tempo iniciou com o Grêmio jogando um pouco mais perto da meta defendida por Ceni, e o empate saiu no gol contra de Casemiro, numa falta cruzada para dentro da área. A possibilidade de almejar algo melhor parecia real, mas o bom momento gremista durou pouco. Aos 16, numa saída para contra-ataque, Douglas erra o passe e Marlos é lançado. Nem ele e nem Victor pegaram bem na bola, mas o resultado foi segundo gol sãopaulino. Não houve reação gremista e o domínio paulista foi tão claro que a arbitragem se sentiu no direito de presentear o anfitrião com um gol, de Jean, em clamoroso impedimento (facilmente identificado por quem estava na arquibancada, inclusive pelos colorados)

 

O que mais me incomoda é que o São Paulo precisou jogar muito pouco para vencer o Grêmio.

Não gostei da atuação, dos passe errados e das declarações do Douglas. Mas acho que há um exagero na crítica feita. Não é certo reduzir o jogo ao lance do segundo gol do São Paulo.

Lúcio ainda não teve uma atuação consistente no Brasileirão. Uma pena. O time perde muito com a sua queda de produção.

Todo chefe/comandante/treinador tem seus homens de confiança. Tendo em vista a imensa qualidade de Gabriel, a preferência de Renato é plenamente justificável. Contudo, é preciso dizer que o filho do Wladimir contribuiu muito pouco no meio campo até agora.

Independente do esquema, o Grêmio apresenta um defeito recorrente: a falta de “combate” no meio do campo. Raros são os ataques do adversários interrompidos, poucas são as roubadas de bola.

O Grêmio poderia e deveria ter forçado o jogo em cima da zaga adversária. Nas poucas vezes em que fez isso (nas bolas paradas) levou grande perigo.

Com a bola que o Grêmio jogou seria difícil postular algo melhor, mas isso não deveria legitimar erros de arbitragem. O estranho é que o trio vinha bem na partida (a ausência de um cartão para Jean era a maior falha), mas no final do jogo, quando o resultado já estava encaminhado, aconteceram marcações inexplicáveis. O impedimento de Jean no terceiro gol é de concurso. Qualquer árbitro de várzea marcaria. Rafael Marques não tocou em Dagoberto e foi expulso. E o mesmo bandeirinha que validou o terceiro gol, inverteu uma marcação de escanteio numa bola chutada na sua frente. O clima de 2006/2008 parece voltar. O juiz rouba para o SPFC mesmo quando não é necessário.

Eu sei que não é essa a interpretação corrente, mas na minha opinião o Dagoberto (impedido) participou do lance do segundo gol do SPFC.

E segue a falta de padrão no patrocínio da Unimed. A maioria dos jogadores estampava a marca em branco, mas a fonte era preta nas camisas de Fernando e Lúcio.

Fotos: Almeida Rocha (Folha de São Paulo), Ivan Pacheco (Terra) e Wander Roberto (Vipcomm)

São Paulo 3 x 1 Grêmio
Casemiro 13′
Casemiro (contra) 52′
Marlos 61′
Jean 84′

 

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Jean, Xandão, Luiz Eduardo e Juan (Bruno Uvini 35’/2ºT); Rodrigo Souto, Wellington, Casemiro (Carlinhos Paraíba 40’/2ºT) e Marlos (Ilsinho 35’/2ºT); Lucas e Dagoberto.
Técnico: Paulo César Carpegiani

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes, Saimon, Rafael Marques e Neuton (Lins, intervalo); Fábio Rochemback, Fernando, Lúcio e Gabriel (Marquinhos 27’/2ºT); Douglas e Júnior Viçosa (Roberson 27’/2ºT).
Técnico: Renato Portaluppi

4ª rodada – Campeonato Brasileiro 2011
Data: 11 de junho de 2011, sábado, 18h30min
Local: Estádio Morumbi, São Paulo – SP
Público: 14.671 pagantes
Renda: R$ 372.089,00
Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra
Auxiliares : Carlos Brekenbrock e Marco Antônio Martins
Cartões amarelos: Rodrigo Souto, Jean, Dagoberto (SPO); Lúcio, Fábio Rochemback, Rafael Marques (GRE)
Cartão vermelho : Rafael Marques, 46’/2ºT (GRE)
Gols: Casemiro, aos 13 minutos do primeiro tempo; Casemiro (contra), aos 7, Marlos, aos 16, e Jean, aos 39 minutos do segundo tempo.

1971 – São Paulo 0 x 3 Grêmio – Scotta – 1º gol do Brasileirão

June 10, 2011

1971 São Paulo Gremio ZH

 

Enquanto aguardamos pela solução do impasse causado pelas cinzas do vulcão chileno penso que é válido lembrar um pouco de a história dos confrontos entre Grêmio e São Paulo disputados no Morumbi.

– Em 2001 tivemos um vitória gremista 4×3 pela Copa do Brasil de 2001
– Em 1991 o São Paulo aplicou 2×0 em jogo disputado pelo Brasileirão.
– Em 1981 o inesqucível golaço de Baltazar na finalssíma da taça de ouro.
– Em 1971 um 3×0 gaúcho no Brasileirão.

O jogo de 40 anos atrás foi o primeiro confronto entre os tricolores num campeonato Brasileiro. Justamente na primeira rodada da primeira edição do torneio e o fato marcante do jogo aconteceu logo aos 10 minutos de partida, quando o argentino Scotta marcou o primeiro gol da história da competição.

Abaixo seguem os relatos da Folha de São Paulo, do Jornal do Brasil, da Placar e da Rádio Jovem Pan.

“O Grêmio, ao contrário, mostrava um futebol perigoso, baseado num sistema tático que não vivia apenas da rígida retranca defensiva. Quando o Grêmio recuperava a bola, seus homens de meio de campo faziam rápidos lançamentos para Flecha e Scotta, nas costas dos zagueiros sãopaulinos, em jogadas que sempre deixavam em pânico a defesa adversária. Foi com essas jogadas que chegou aos três gols.

O primeiro foi logo aos 10 minutos de jogo. Torino fez um lançamento em profundidade, num contra-ataque inesperado; Edson tentou segurar Scotta, mas não conseguiu. O centro-avante argentino (mais rápido, avançou até a entrada da área e chutoi forte, no canto, sem chance de defesa para Sérgio, que no fim, apesar dos três gols) acabou sendo o melhor jogador do São Paulo.”


Narração da Rádio Jovem Pan


“O Grêmio estreou no Campeonato Nacional vencendo o São Paulo por 3 a 0, ontem à tarde no Morumbi com dois gols de Scotta e um de Flexa, numa partida em que teve sempre amplo domínio, aproveitando-se do avanço excessivo do adversário e da velocidade de seus pontas

Desde o início da partida, o time do Grêmio recuava propositalmente, dando ao São Paulo uma falsa impressão de domínio, para contra-atacar rapidamente pelas pontas. Desta forma, Scotta marcou dois gols em jogadas de Flexa – aos 15 minutos do primeiro tempo e aos 36 do segundo – e o próprio Flexa, sempre recebendo bolas longas, aumentou o placar aos 40 minutos do segundo tempo.”

1971 - sao paulo 0x3 grêmio placar1971 - sao paulo 0x3 grêmio

Brasileirão – São Paulo 3 x 1 Grêmio

June 6, 2010

Com vários desfalques, Silas parece ter optado pela tática do “já que tá no inferno, abraça o capeta“. Há alguns jogos o Grêmio vinha carecendo de maior poder de marcação. O técnico ignorou isso, e, levando em conta o meio campo igualmente faceiro do São Paulo, escalou somente um volante, colocando o time num 4-1-3-2. É preciso dizer que a postura kamikaze teve relativo sucesso. O Grêmio iniciou o jogo muito bem, tocando a bola no campo de ataque, criando oportunidades e abrindo o placar logo aos 7 minutos: Cruzamento de Collaço, insistência de Roberson e oportunismo de Hugo, que, de virada, marcou o 1×0. Quatro minutos mais tarde, era possível ver um dos problemas dessa formação ousada. Marlos foi lançado, completamente livre, e tentou por cobertura, por cima de Victor. Aos 17, Rodrigo teria neutralizado ataque do São Paulo ao se antecipar a Marlos, mas o zagueiro gremista resolveu brincar na frente do adversário e acabou perdendo a bola. O meia são paulino aproveitou o presente, cruzou para área, a bola passou por Fernandão e Ozeia e terminou nos pés de Dagoberto, que empatou o jogo. Aos 25, nova bobeira de Rodrigo, que se esqueceu que não é zagueiro do Santos e ficou agarrado na camisa de Alex Silva. Gutemberg de Paula Fonseca marcou e Rogérico Ceni desperdiçou o pênalti, batendo no travessão. O guarda-metas são-paulino começou a se redimir segundos depois, quando fez boa defesa no chute de William. Ceni ainda faria mais duas grande defesas, ainda no primeiro tempo, no chute de Hugo, aos 35, e na cabeçada de Douglas (foto abaixo), aos 41. O Grêmio ainda teve outra boa chance de ampliar aos 31, quando foi marcado um pé alto dentro da área do São Paulo. Mas, como sói acontecer, o árbitro recuou o lugar da cobrança, permitiu o adiantamento da barreira e o atletas gremistas desperdiçaram o chute.
O segundo tempo também começou com superioridade gremista. Aos 2 minutos, Douglas recebeu na área, cortou a zaga e chutou por cima. A bola rondava a área são paulina. Aos 12, Maylson recebeu de Roberson e chutou forte, para mais uma boa defesa de Ceni. Era de se lamentar as chances perdidas e o “quem não faz leva” mais uma vez se fez presente. Hernanes tentou o passe pelo alto, a bola bateu em Collaço e sobrou para Dagoberto chutar com a parte de fora do pé, virando o jogo aos 21 da segunda etapa. Três minutos mais tarde a fatura foi liquidada quando Marlos arrancou do meio do campo, passou por Rodrigo, chutou na trave e Dagoberto apanhou o rebote, anotando o 3×1 final. A partir daí tudo ficou fácil para o São Paulo e difícil para o Grêmio, que ainda tentou diminuir. O mais perto que chegou foi em novo chute de Maylson, que mandou a bola no ângulo, para Rogério Ceni fazer sua melhor defesa no jogo.

Mencionei no post do último jogo que um dos fatores determinantes para a vitória tinha sido o fato de ter errado menos do que o Atlético. Hoje, indubitavelmente, o Grêmio errou mais que o São Paulo, e passa muito por aí a explicação para a derrota.
Uma das maiores virtudes que Rodrigo mostrou com a camisa do Grêmio foi a de jogar com muita seriedade. O fatídico lance de hoje não condiz com seu futebol.
8 pontos em 7 jogos. A campanha segue sendo de zona de rebaixamento.
Algumas coisas seguem sem explicação. O descritério no apito é uma delas. Ozeia botou a mão na bola e levou amarelo. Rodrigo Souto fez a mesma coisa e saiu impune.
Por falar em descritério, acho que hoje era um bom dia para reclamar (com veemência) dos desmandos do STJD.

Fotos: Bruno Miani (VIPCOMM), Robson Ventura (Folhapress), Nelson Almeida (UOL) e Ricardo Matsukawa (Terra)

São Paulo 3 x 1 Grêmio

Hugo 7′
Dagoberto 17′
Dagoberto 66′
Dagoberto 69′

 

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Xandão, Alex Silva e Richarlyson; Cicinho (Wellington), Rodrigo Souto, Hernanes, Marlos (Marcelinho Paraíba) e Junior Cesar; Dagoberto e Fernandão (Fernandinho)
Técnico: Ricardo Gomes

GRÊMIO: Victor; Edílson, Ozeia (Rafael Marques), Rodrigo e Bruno Collaço; Fábio Rochemback, Maylson, Douglas e Hugo; Roberson (Fernando) e William
Técnico: Silas

7ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2010
Data: 6/6/2010, domingo, 16h00min
Local: estádio do Morumbi, em São Paulo – SP
Público: 14.408 pagantes
Renda: R$ 309.541,87
Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (RJ)
Assistentes: Hilton Moutinho Rodrigues (FifaRJ) e Lilian da Silva Fernandes (RJ)
Cartões amarelos: Alex Silva, Richarlyson (SP); Ozeia, Rodrigo, Edílson (G)
Gols: Hugo (G), aos 7 min, Dagoberto, aos 17 min do primeiro tempo; Dagoberto, aos 21 min e aos 24 min do segundo tempo