Archive for the ‘Morumbi’ Category

Copa do Brasil 2020 – São Paulo 0x0 Grêmio

December 31, 2020

Foto: Diego Souza (Twitter)

O Grêmio teve uma atuação segura. Correu pouquíssimos riscos ao segurar o 0x0 que lhe era favorável. E mesmo com essa postura mais “reativa”, foram do Grêmio as três melhores chances de gol da partida (a bola na trave de Vitor Ferraz, a bicicleta de Diego Souza e o chute de Pepê, todas ainda no primeiro tempo)

As escolhas de Renato se mostraram muito acertadas. Lucas Silva foi o melhor em campo e deu muita segurança para defesa.

Surreais as críticas do São Paulo. Fernando Diniz inventou um número mágico de 12 minutos de acréscimo e Tiago Volpi achou que era papel do árbitro ajudar a um time a “acelerar o jogo“.

Com o que foi possível ver nesses três jogos com o Grêmio em 2020 fica muito difícil de entender a liderança do São Paulo no Brasileirão. Mais difícil ainda é entender todo o “hype” em torno dessa equipe.

 

Foto: Diego Souza (Twitter)

 

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

São Paulo 0x0 Grêmio

SÃO PAULO: Volpi; Juanfran, Bruno Alves (Paulinho Bóia, aos 33/2ºT), Arboleda, Léo (Toró, aos 20/2ºT); Luan (Vitor Bueno, aos 20/2ºT), Tchê Tchê (Hernanes, 33/2ºT), Daniel Alves, Gabriel Sara e Igor Gomes (Tréllez, aos 33/2ºT); Brenner
Técnico: Fernando Diniz

GRÊMIO: Vanderlei; Victor Ferraz (Ferreira, aos 23/2ºT), Rodrigues, Kannemann e Diogo Barbosa; Matheus Henrique e Lucas Silva; Alisson (Thaciano, aos 14/2ºT), Jean Pyerre (Darlan, aos 35/2ºT) e Pepê (Everton, aos 36/2ºT); Diego Souza (Paulo Miranda, aos 35/2ºT)
 Técnico: Renato Portaluppi

Copa do Brasil 2020 – Semifinal – jogo de volta
Data: 30 de dezembro de 2020, quarta-feira, às 21h30min
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo – SP
Árbitro: Bruno Arleu de Araujo (RJ)
Assistentes: Luiz Claudio Regazone e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)
VAR: Rodrigo Dalonso Ferreira (SC)
Cartões amarelos: Juanfran, Bruno Alves, Fernando Diniz e Toró (São Paulo), Matheus Henrique, Thaciano (Grêmio)
Cartões vermelhos: Tréllez (São Paulo)

Copa do Brasil 1998 – São Paulo 2×0 Grêmio

December 29, 2020

Foto: Mauro Vieira (Zero Hora)

O ano de 1998 não foi dos melhores para o Grêmio, mas quando entrou em campo para enfrentar o São Paulo no Morumbi pelas oitavas de final da Copa do Brasil a equipe gremista vivia um momento relativamente tranquilo, sem ainda ter estreado no Campeonato Gaúcho e liderando o seu grupo na Libertadores. De tal modo, a derrota por 2×0 foi um dos primeiros golpes que o time sofreu ao longo da temporada.

Nas matérias abaixo é possível notar que a Placar, Folha de São Paulo e Zero Hora ainda chamavam Ronaldinho de Ronaldo.

Foto: Mauro Vieira (Zero Hora)

 

“GRÊMIO PERDE E DECIDE NO OLÍMPICO
O time não soube segurar a velocidade paulista e agora tentará reverter o resultado em casa, dia 14 de abril

Carlos Miguel cumprimentou antes do jogo cada um dos gremistas em campo. Foi no banco de reservas do adversário, saudou a comissão técnica. Enfim, fez tudo que um mestre de cerimônias faria com elegância. Quando São Paulo e Grêmio começou, porém, a camaradagem terminou. Foi ele o maestro time paulista. Lançou, correu, fez gol e ajudou a construir os 2 a 0 sobre seu ex-time. Agora, resta ao Grêmio devolver as mesuras a Carlos Miguel no Olímpico. Dia 14, o time gaúcho precisa fazer três gols para passar à próxima fase. Se fizer dois, e não sofrer nenhum, terá de decidir nos pênaltis a vaga à Copa do Brasil.

O São Paulo foi um time pretensioso no início. Tocou a bola de um lado para o outro, exagerou na troca de passes pelo centro, tentou um drible a mais, desfilou talento. Só não chutou a gol. Do outro lado, havia a objetividade do Grêmio. E então Guilherme recuperou um rebote, avançou sobre Rogério e só não marcou aos 22 minutos porque o goleiro tocou para escanteio. O São Paulo voltou a dar 10 mil toques na bola, até Ronaldo fugir em contra-ataque e chutar forte, rasteiro, cruzado, mas para fora. Foi a melhor chance de gol no primeiro tempo. E o time de craques teve de se contentar com uma falta isolada cobrada pelo goleiro-goleador Rogério, espalmada por Danrlei.

O técnico Sebastião Lazaroni segurou bem o jogo com as suas anunciadas triangulações. Aílton flutuou pelo lado esquerdo, deu cobertura a Roger, evitou os avanços de Zé Carlos, enfim, fez funcionar o triângulo da esquerda. Mas do outro lado, Itaqui sofreu. O garoto Ronaldo, razoável na frente, não acompanhava Serginho. Assim foi o primeiro tempo. Assim começou o segundo, com uma diferença: o São Paulo partiu resoluto ao ataque. Denílson ainda acertou um chutão no poste. Três minutos depois, Serginho partiu dois quilômetros atrás de Itaqui. Chegou à frente e cruzou numa velocidade meteórica. A bola caiu nos pés de Carlos Miguel, que fez o 1 a 0, aos 14 minutos do segundo tempo.

Lazaroni reagiu de imediato. Retirou Ronaldo e apostou no contra-ataque com Zé Alcino. Mas Denílson apareceu na área gremista, serviu Aristizábal, que deixou França em condições de entrar com bola e tudo. Era o 2 a 0. Então o Grêmio resolveu ser mais parecido com o Grêmio. Goiano cedeu lugar para Otacilio. Fez chuver bolas na área, mas Rogério estava lá. Então, o São Paulo trocou os toques pelos contra-ataques, sempre através de Carlos Miguel. No final, o jogo ficou aberto, emocionante. Denílson perdeu dois gols (e podia ter liquidado o Grêmio). Beto e Itaqui também erraram. E deixaram de amenizar o sofrimento gremista.” Zero Hora, sexta-feira, 20 de março de 1998)

 

“LAZARONI LAMENTA CHANCES PERDIDAS

O abatimento no vestiário gremista depois da partida denunciava a decepção pela derrota. A partida era propicia para o Grêmio garantir a  vantagem para o segundo jogo em Porto Alegre, dia 14 de abril. O São Paulo concedeu generosos espaços no primeiro tempo e permitiu que o Grêmio desperdiçasse duas grandes oportunidades de marcar. “Poderia ter sido a bola do jogo”, lamentou-se o técnico Sebastião Lazaroni, recostado a uma parede do vestiário do Morumbi. Elegantemente vestido e transpirando muito, Lazaroni lamentou a falta de experiência de alguns “Só jogando eles vão adquirir maturidade”, conformou-se.

A decepção do técnico era principalmente pelo panorama em que se apresentou o jogo. A torcida do São Paulo abandonou a equipe e compareceu em número muito reduzido ao Morumbi. Aliás, o futebol não tem sido o melhor programa para os são-paulinos nos últimos tempos. Ontem, além dos últimos decepcionantes resultados e do horário (21h40min), a transmissão do jogo para a capital paulista colaborou para afugentar os torcedores. Pouco mais de 3 mil pessoas compareceram. O reformado e imponente Morumbi ficou atirado às moscas. Alguns setores nem foram abertos.

O estádio estava tão vazio que era possível ouvir os diálogos entre os jogadores nas cabines. Foi um festival de “pega”, “fica” e “sai”. Talvez a técnico Sebastião Lazaroni não necessitasse berrar tanto para passar instruções para a equipe. As suas orientações eram ouvidas pelos torcedores na arquibancada superior localizada no outro lado do gramado. Para completar, os momentos mais empolgantes para os são-paulinos foram escassos e se resumiram a três lances, até o golaço de Carlos Miguel. No mais, se resumiram ao pagode emanado pelas caixas de som antes do jogo e no intervalo. A pasmaceira do time Nelsinho Batista era tamanha que, ao fim do Primeiro tempo, a torcida pediu a entrada de Susi, craque da equipe feminina do clube e da Seleção Brasileira “Se ao menos segurássemos o resultado, eles se perturbariam e abririam mais espaços”, afirmou volante Fabinho.

A mobilização para a partida de volta iniciou antes mesmo de os jogadores entrarem no vestiário. O vice-presidente Dênis Abrahão repetiu a atitude tomada depois da derrota de 2 a O para Portuguesa no Brasileirão e prometeu reação “a cobra vai fumar no Olímpico”, avisou Abrahão.“ (Leonardo Oliveira, Zero Hora, sexta-feira, 20 de março de 1998)

 

“PELO LADO ESQUERDO, SÃO PAULO BATE O GRÊMIO NA COPA DO BRASIL

O São Paulo venceu ontem o Grêmio por 2 a 0, no Morumbi, pela Copa do Brasil, e pode perder por até um gol diferença a segunda partida da série entre os dois times para se classificar para as quartas-de-final da competição.
As duas equipes voltam a jogar no dia 14 de abril, em Porto Alegre. Nas quartas-de-final, o vencedor dessa série vai enfrentar o Vasco da Gama. O primeiro jogo será no Rio de Janeiro.

O São Paulo concentrou suas jogadas pelo lado esquerdo de seu ataque, com o meia Denílson e o lateral Serginho. Com uma marcação forte e abusando das faltas, os gremistas conseguiram barrar a maioria das jogadas.
Os dois atacante dos São Paulo – Aristizábal e Marcelo Sergipano- ficaram isolados, pouco produzindo. A primeira oportunidade da partida foi numa falta batida pelo goleiro são-paulino Rogério. Danrlei defendeu.
O Grêmio respondeu logo depois. O jovem atacante Ronaldo, 17, campeão mundial sub17, avançou sem marcação e cruzou na pequena área do São Paulo. Porém nenhum atleta gaúcho apareceu para completar o passe.
Mesmo dominando a maioria das ações no primeiro tempo, o São Paulo teve outra chance de gol somente aos 34min. Carlos Miguel cruzou e Fabiano cabeceou, rente ao gol gremista.

Para tentar abrir o placar, o técnico Nelsinho, do São Paulo, fez duas alterações na sua equipe no começo do segundo tempo.
Ele tirou Fabiano e Marcelo Sergipano para a entrada de, respectivamente, Gallo e França.
As alterações não mudaram o perfil tático do São Paulo, que continuou concentrando suas jogadas ofensivas pelo lado esquerdo de seu ataque. Dessa maneira, aos 11min, o São Paulo teve sua primeira oportunidade no segundo tempo. Denílson, na entrada da área do rival, chutou na trave.
Mantendo o estilo, o São Paulo abriu o placar aos 13min. Carlos Miguel, que jogou por nove anos na equipe gaúcha, passou para Serginho e avançou para a área do Grêmio. O lateral e cruzou para o meia completar: 1 a 0.

Depois do gol, o técnico Sebastião Lazaroni, do Grêmio, tirou Ronaldo e colocou o atacante Zé Alcino para tentar o empate.
A equipe adiantou sua marcação e passou a pressionar o São Paulo dentro do campo do adversário.
Num bom contra-ataque, novamente pelo lado esquerdo, o São Paulo definiu a partida. Denílson, numa jogada individual, passou para Aristizábal. O atacante cruzou na pequena área para França, que tocou para o gol: 2 a 0.
A desvantagem desnorteou os gremistas, que passaram a atacar o São Paulo sem coordenação.

Aos 40min, a equipe paulista teve a chance de ampliar. Denílson invadiu a área do Grêmio e cruzou. A defesa gaúcha cortou.
Aos 42min, Aristizábal tabelou com Carlos Miguel. Porém o atacante chutou para fora.
Aos 43min, o Grêmio teve a chance de diminuir. Capitão cortou, de cabeça, um cruzamento nos pés do meia Beto. Porém o atleta chutou para fora.” (Folha de São Paulo, 20 de março de 1998)

“GRÊMIO PERDE E SE COMPLICA
São Paulo de Nelsinho fez 2 a 0 e deixou a equipe gaúcha em situação dramática na Copa do Brasil

O Grêmio não resistiu ao habilidoso setor esquerdo do São Paulo e acabou perdendo de 2 a 0, ontem à noite, no Morumbi, pela segunda fase da Copa do Brasil. Um dos principais destaques do jogo, Carlos Miguel, abriu o caminho da vitória sobre seu ex-clube. Dia 14, no Olímpico, o Grêmio precisa vencer por três gols de diferença para seguir na competição e 2 a 0 levam aos pênaltis.

Com um posicionamento correto no setor de marcação, o Grêmio conseguiu controlar o rápido ataque do São Paulo no primeiro tempo. Na direita, Itaqui contou com a ajuda decisiva de Goiano no combate a Denílson. Além disso, Ronaldinho, bisonho ontem com a bola nos pés, foi eficiente no primeiro combate a Serginho.

Os dois times abusaram das faltas. No primeiro tempo, Danrlei fez uma grande defesa na cobrança de falta do goleiro Rogério. No segundo tempo, o time de Nelsinho encontrou mais espaço pelo seu lado esquerdo. Aos 12, Denílson, livre, chutou na trave. Aos 14, Serginho arrancou espetacularmente e cruzou para Carlos Miguel fazer 1 a 0. Aos 28, Aristizabal cruzou para França marcar 2 a 0.” (Correio do Povo, 20 de março de 1998)

 

 

“DESTA VEZ, CARLOS MIGUEL DEIXA O CAMPO COMO CARRASCO DOS GREMISTAS

Com um belo gol aos 14 minutos do segundo tempo, Carlos Miguel foi o carrasco do Grêmio, ontem à noite. Além de marcar o gol que deu tranqüilidade ao São Paulo e fez com que o seu ex-time se abrisse para buscar o empate, Carlos Miguel foi um maestro em campo, tocando a bola com precisão e mostrando a Denílson que não é preciso abusar dos dribles para chegar ao gol. No final, saiu consagrado pela torcida e fez questão de destacar seu carinho pelo clube que o projetou. “Vibrei no gol como sempre faço, ainda mais num jogo difícil. Não teria por que sentir um gostinho especial, porque nada tenho contra o Grêmio. Pelo contrário, só tenho amigos lá.”

Carlos Miguel salientou, ainda, que o objetivo foi alcançado: “A gente sabe como é a Copa do Brasil. Precisávamos vencer por dois gols para jogar com boa chance de classificação em Porto Alegre e conseguimos isso”. No vestiário gremista, o presidente Cacalo lamentou a derrota e considerou o resultado injusto: “O Grêmio não merecia perder, e muito menos por 2 a 0. Mas nada está perdido. No Olímpico, com a ajuda da torcida, vamos buscar a vaga”.”(Correio do Povo, 20 de março de 1998)

 

HILTOR MOMBACH – PELA ESQUERDA
A pedra havia sido cantada. Não apenas por mim, não, mas por quem se dispôs a arriscar opiniões sobre o jogo. Estava claro: o São Paulo forçaria pela esquerda. Ali atuam Denílson, Serginho e Carlos Miguel, todos de estupenda habilidade.

Pois por ali, exatamente por onde se previa, o São Paulo venceu a partida. Numa cruzada precisa de Serginho, Carlos Miguel bateu Danrlei para fazer 1 a 0. Logo Carlos Miguel: o ex-companheiro de conquistas se transformou num vibrante carrasco.

O segundo gol, de França, foi todo ele também construído pela esquerda. Poderá haver o pensamento mágico de que aqui o torcedor resolverá tudo. Este São Paulo precisará de um pouco mais do que o estádio lotado para cair: o Grêmio terá que ousar. Isto significa arriscar numa partida onde levar um gol significa o fim da linha. Antecipa-se um jogo dramático. Bem ao estilo do Grêmio.” (Hiltor Mombach – Correio do Povo, 20 de março de 1998)

 

Foto: Mauro Vieira (Zero Hora)

São Paulo 2×0 Grêmio

SÃO PAULO: Rogério; Zé Carlos, Capitão, Márcio Santos e Serginho; Alexandre (Edmílson), Fabiano (Gallo), Carlos Miguel e Denílson; Marcelo Sergipano (França) e Aristizabal
Técnico: Nelsinho Batista
GRÊMIO: Danrlei; Itaqui, Jorginho, Scheidt e Roger (André Silva); Fabinho, Luiz Carlos Goiano (Otacílio), Aílton e Beto; Ronaldinho (Zé Alcino) e Guilherme
Técnico: Sebastião Lazaroni

Copa do Brasil 1998 – Oitavas de final – Jogo de ida
Data: 19 de março de 1998, quinta-feira, 21h40min 
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo
Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (FIFA/MG)
Auxiliares: Herbert Costa Andrade e Marco Antônio Gomes
Cartões Amarelos: Capitão, Carlos Miguel, Jorginho, Roger e Fabinho
Gols: Carlos Miguel aos 14 do 2º tempo e França aos 28 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2020 – São Paulo 0x0 Grêmio

October 19, 2020

O Grêmio não conseguiu sair do 0x0 com o São Paulo. A equipe gremista teve uma atuação razoável, mas ficou evidente que a ausência de Diego Souza no comando do ataque foi sentida. Mas a história do jogo poderia ter sido outro se a arbitragem tivesse sido minimamente decente.

O conjunto de árbitros deixou de dar um pênalti para o Grêmio e de expulsar dois atletas do São Paulo. É razoável imaginar que a má-arbitragem tenha alguma relação com a inaceitável mudança do responsável pelo VAR a pedido do São Paulo.

Na manhã de domingo o Presidente Romildo Bolzan afirmou que irá pedir a anulação da partida. Não sei se é a medida mais eficaz, mas o clube certamente não poderia deixar de se posicionar.

De forma alguma acho que a reclamação após o jogo é inválida, mas será que o Grêmio não deveria ter se posicionado assim que soube da mudança na escala do VAR?

A ida dos diretores do SPFC a CBF e foi noticiada na quinta. Nas mais de 48 horas até o jogo ninguém do Grêmio se manifestou publicamente sobre o acontecido.

No domingo, Salvio Spinola (comentarista de arbitragem na transmissão da Rede Globo) disse que a a foi pênalti para o Grêmio contra o Santos. Contudo, o presidente da comissão de arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba afirmou que 100% dos comentaristas concordaram com a arbitragem.  Ninguém do Grêmio retrucou. Ficou por isso mesmo.

Acho que o clube deveria ser um pouco mais pró-ativo nessas questões envolvendo a arbitragem.

 

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

 

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Daniel Alves, Diego Costa, Bruno Alves e Reinaldo; Luan Silva, Tchê Tchê, Gabriel Sara (Toró, aos 33’/2ºT) , Luciano (Tréllez, aos 42’/2ºT) e Igor Gomes (Vitor Bueno, aos 19’/2ºT); Brenner (Paulinho Bóia, aos 33’/2ºT)
Técnico: Fernando Diniz

GRÊMIO: Vanderlei; Orejuela, Geromel, Kannemann e Cortez; Maicon (Lucas Silva, aos 26’/2ºT), Matheus Henrique, Alisson (Thaciano, aos 13’/2ºT), Isaque (Jean Pyerre, aos 26’/2ºT) e Pepê; Luiz Fernando (Ferreira, aos 21’/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

17ª Rodada – Brasileirão 2020
Data: 17 de outubro de 2020, sábado, 21h00min
Local: Morumbi, em São Paulo-SP
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Assistentes: Henrique Neu Ribeiro e Helton Nunes (ambos de SC)
VAR: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Cartões amarelos: Daniel Alves, Luan, Igor Gomes e Vitor Bueno. Geromel e Kannemann

Brasileirão 1973 – São Paulo 1×0 Grêmio

October 17, 2020

Foto: Correio do Povo

O isolamento imposto pela pandemia me forçado a fazer um exercício de tentar postar material inédito sem retornar aos museus.

Esse jogo do post foi a primeira derrota do Grêmio para o São Paulo em uma competição oficial. Era partida válida pela segunda fase do Brasileirão de 1973 (que foi disputado até fevereiro de 1974).

É interessante notar que a Folha de São Paulo considerou o desempenho do juiz Arnaldo Cezar Coelho como “fraco”, enquanto no Jornal do Brasil considerou sua atuação como “excelente”.

Ancheta é um dos jogadores gremista que eu mais lamento não poder ter visto jogar. Aqui ele foi novamente muito elogiado, mesmo tendo feito um gol contra (vale lembrar que ele recebeu a “Bola de Ouro” da Placar como melhor jogador daquela edição do Brasileirão).

O GRÊMIO PERDEU NO PRIMEIRO TEMPO

O Grêmio precisava pelo menos empatar com o São Pauto, no Morumbi, pala garantir, assim, uma campanha razoável no Campeonato Nacional de Clubes, fase semifinal. Mas o São Paulo começou melhor, mais organizado, um time disposto, que foi escalado minutos antes do jogo sem o seu principal jogador — Pedro Rocha —, vetado pelo departamento médico, e ganhou de 1 o 0.

O técnico Poy foi obrigado a recuar Zé Carlos e deu chance para o ex-juvenil Silva ser o terceiro homem de meio-campo. O Grêmio começou a partida mostrando claramente que pretendia empatar o jogo, na verdade um bom resultado. Notava-se nos primeiros movimentos que seria difícil conter o São Paulo, um time com ímpeto e decisão em todas as jogadas, principalmente pela ponta esquerda, onde seu garoto de 19 anos — Zé Roberto — crescia a cada lance, a ponto de terminar como o melhor atacante sampaulino, superando até Mirandinha, cotado para a seleção. Zé Roberto, embora bom jogador, mostrou-se extremamente violento, chegando a tirar de campo o lateral direito Cláudio, com suspeita de fratura.

O GOLO
A saída de Cláudio obrigou Froner a tirar Beto do banco de reservas (ele acabaria sendo no final o melhor da defesa) para coloca-lo no lugar de Renato, deslocando este para a lateral direita. Nos primeiros movimentos Renato teve dificuldade de adaptação e enquanto ele procurava se entrosar melhor na posição surgiu o golo da vitória. Zé Carlos serviu a Gilberto, lateral esquerdo, que se soltou para o ataque e na altura da meia-esquerda, com Carlos Alberto e Renato a marca-lo, saiu o passe para Zé Roberto, livre na ponta esquerda. O jogador recolheu e chutou forte e cruzado na direção do golo. O goleiro Picasso saiu certo mas Ancheta, tentando defender de cabeça, desviou a trajetória do chute, tendo a bola parado no fundo da rede. Daí em diante o Grêmio começou a crescer e terminou o primeiro tempo melhor que o São Paulo.

SEGUNDO TEMPO
Na etapa complementar o Grêmio poderia ter empatado, e até fez várias jogadas para que seus avantes assinalassem, se o São Paulo conlassem, e o São Paulo continuava se defendendo. Com a tentativa de tornar o time mais ofensivo, Froner lançou Mazinho retirando Paulo Sérgio. A melhor oportunidade surgiu num chute com barreira que Loivo atirou no poste direito com Valdir Perez já batido. Minutos antes Mazinho entrou livre pelo meio e quase marcou num cruzamento de Carlinhos, não fosse a excelente colocação e defesa parcial do goleiro paulista. Faltavam dois minutos quando o Grêmio construiu a última jogada para empatar a partida, através de Tarciso. O ponta de lança recebeu na entrada da área e atirou com o pé esquerdo, rente ao poste. O Grêmio perdeu jogando bem no segundo tempo.” (Correio do Povo, terça-feira, 22 de janeiro de 1974)

S.PAULO DERROTA GRÊMIO MESMO SEM MERECER

São Paulo (Sucursal) — O empate seria o resultado mais justo ontem à tarde, no Morumbi, mas o São Paulo conseguiu vencer o Grêmio por 1 a 0, gol do zagueiro Ancheta, contra, depois de forte chute do ex-juvenil Zé Roberto. O juiz foi Arnaldo César Coelho, com excelente atuação, e a renda somou Cr$ 125 mil 167.

O São Paulo foi melhor no início e quando o Grêmio reagiu, a partir dos 20 minutos, acabou sofrendo o gol contra. A partida foi monótona no primeiro tempo mas na etapa final surgiram as melhores jogadas, que acabaram agradando o público regular que foi ao Morumbi.

O gol contra

A torcida do São Paulo já estava preocupada com a reação do Grêmio, que iniciou a partida sem muita organização. Após uma investida sem objetividade, o time paulista marcou o gol, com um chute de Zé Roberto, desviado por Beto. Picasso não teve condições de defesa.

No segundo tempo o São Paulo procurou manter o resultado e o Grêmio deixou de jogar na retranca, organizando melhor seu ataque, embora sem sorte nas finalizações. A equipe gaúcha passou a comandar as ações mas o goleiro Valdir não se descuidou. Carlos Froner reforçou o time, substituindo Paulo Sérgio por Mazinho. Tarciso, um bom jogador, ganhou um companheiro mais eficiente, e a defesa adversaria foi pressionada até o final. Aos 41 minutos Loivo perdeu a melhor oportunidade de empate, chutando na trave.” (Jornal do Brasil, Segunda, feira, 21 de janeiro de 1974)

São Paulo 1×0 Grêmio

SÃO PAULO: Valdir Perez; Pablo Forlan, Paranhos, Arlindo e Gilberto; Chicão, Zé Carlos e Silva (Jesum): Piau, Mirandinha e Zé Roberto
Técnico: Poy

GRÊMIO: Picasso; Cláudio (Beto Bacamarte), Ancheta, Renato Cogo e J.Tabajara: Carlos Alberto, Paulo Sérgio (Mazinho) e Humberto Ramos; Carlinhos, Tarciso e Loivo
Técnico: Carlos Froner

Brasileirão 1973 – Segunda Fase – 3ª Rodada
Data: 20 de janeiro de 1974, domingo
Local: Morumbi, em São Paulo-SP
Público: 14.025 pagantes
Renda: Cr$ 125.167,00
Árbitro: Arnaldo Cezar Coelho
Auxiliares: Moacir Miguel dos Santos e Wanderley Moreira Ferreira
Gol: Ancheta (contra), aos 20 minutos do primeiro tempo

Brasileirão 2019 – São Paulo 0x0 Grêmio

September 2, 2019

48654823387_4ee82c26e5_o

Esse empate, consideradas as circunstâncias (Grêmio com time reserva e São Paulo vindo de uma sequência de vitórias, foi um resultado bem aceitável.

Acho que Renato faz bem em “iniciar” um “debate” sobre quem joga o melhor futebol no Brasil.

Últimos 10 jogos entre São Paulo x Grêmio pelo Brasileirão no Morumbi (4D, 4E, 2V). Média de público nessas dez partidas: 26.191 pagantes.

48654823097_e4748e419f_oFotos: Leo Pinheiro (Grêmio.net)

São Paulo 0x0 Grêmio

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Juanfran (Igor Vinícius, 18/2ºT), Bruno Alves, Anderson Martins, Reinaldo; Tchê Tchê, Liziero (Igor Gomes, 31/2ºT); Antony, Daniel Alves, Everton; Vitor Bueno (Helinho, 26/2ºT)
Técnico: Cuca

GRÊMIO:Julio César; Rafael Galhardo, Paulo Miranda, David Braz e Juninho Capixaba; Thaciano, Michel; Luciano (Pepê, 21/2ºT), Luan (Darlan, 21/2ºT) e Everton; Diego Tardelli (Patrick, 40/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

17ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2019
Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 31 de agosto de 2019, sábado, às 11h00min
Público: 46.997 pagantes
Renda: R$ 2.948.464,00
Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (RN)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Fabiano da Silva Ramires (ES)
VAR: Emerson de Almeida Ferreira (MG)
Assistentes do VAR: Pablo Ramon Goncalves Pinheiro (RN) e Flavio Gomes Barroca (RN)
Cartões Amarelos: Luciano e Antony
Cartão Vermelho: Antony (41/2ºT)

Confrontos São Paulo X Grêmio pelo Brasileirão no Morumbi

November 15, 2018

IMG_5867IMG_5901

Hoje o Grêmio enfrenta o São Paulo no Morumbi pelo Brasileirão. Acho que essa é uma desculpa forte suficiente para lembrar, entre tantos confrontos tricolores naquele estádio, da final do Campeonato Brasileiro de 1981.

Nas imagens acima, temos o poster, publicado na Zero Hora, do time do Grêmio que iniciou aquela partida. Na sequência, uma ilustração do gol publicada na Folha da Tarde.

Abaixo, na primeira imagem, o anúncio publicado pela direção do Grêmio após o título, brincando com falado favoritismo do São Paulo (que possuía vários jogadores da Seleção Brasileira) na decisão. Na sequência, matérias do Correio do Povo, Folha da Tarde e Zero Hora sobre a conquista gremista.
IMG_5843IMG_5899IMG_5900IMG_5915IMG_5924IMG_5824IMG_5823IMG_5961IMG_5964

Brasileirão 2017 – São Paulo 1×1 Grêmio

July 26, 2017

sergio barzaghi gazeta press1581_crop_galeria

Um empate contra o São Paulo no Morumbi dificilmente poderá não ser considerado um bom resultado, mas dessa vez o torcedor gremista tem vários razões para lamentar esse empate: 1) O Grêmio saiu na frente (em uma bela arrancada de Pedro Rocha) ; 2) O Grêmio jogou bem,  controlando o meio de campo e criando mais chances de gol; 3) A situação dos times no campeonato.

Porém não dá pra se falar em injustiça nesse empate (ou não dá pra se falar em justiça em matéria de futebol). O São Paulo aproveitou uma (na boa combinação de Cueva e Edmar pela ponta esquerda) de suas poucas oportunidades de gol e o Grêmio igualmente só aproveitou uma de suas várias chances.
2047_crop_galeria2050_crop_galeria

Renato repetiu o 4-3-3 (4-1-4-1) usado contra o Vitória, mas dessa vez Ramiro atuou aberto pela direita e Luan atuou como homem mais adiantado do ataque.  Como era de se esperar, esse time dominou as ações do meio de campo (em vários momentos o Grêmio tocou a bola como quis) mas não teve tanta presença na área adversária (teve pouco “punch” no terço final do campo).

Achei que patrocínio do iPlace na manga ficou de bom tom (até contribuiu para diminuir o “marasmo ” da manga toda azul).
sergio barzaghi gazeta press2
Fotos: Sergio Barzaghi (Gazeta Esportiva) e Rubens Chiri (saopaulofc.net)

São Paulo 1×1 Grêmio

SÃO PAULO: Renan Ribeiro; Bruno (Gilberto, aos 21’/2ºT), Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Petros, Jucilei (Cícero, no intervalo) e Jonatan Gómez (Lucas Fernandes, no intervalo); Marcinho, Cueva e Pratto.
Técnico: Dorival Junior

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Cortez; Michel, Maicon, Arthur (Fernandinho, aos 20’/2ºT) e Ramiro; Pedro Rocha (Éverton, aos 33’/2ºT) e Luan.
Técnico: Renato Portaluppi

16ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2017
Data: 24/7/2017, segunda-feira, 20h00min
Local: Morumbi, em São Paulo – SP
Público: 51.511
Renda: R$ 1.367.039,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (FIFA-MG)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (FIFA-MG) e Pablo Almeida da Costa (MG)
Cartões amarelos: Rodrigo Caio, Maicon, Michel e Arthur (GRE)
Gols: Pedro Rocha aos 19 minutos do 1º tempo e Lucas Fernandes aos 18 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2016 – São Paulo 1×1 Grêmio

November 18, 2016

9623_crop_galeria9625_crop_galeria

Apesar do promessa de foco no Campeonato Brasileiro, ficou nítido que o Grêmio entrou em campo no Morumbi sem a mesma intensidade vista na Copa do Brasil. Logo aos 11 minutos o São Paulo saiu na frente, numa jogada iniciada em um bom lançamento de João Schmidt. Wallace Reis não afastou a bola e não travou o avanço de Chavez e Marcelo Grohe saiu do gol precipitadamente, facilitando o trabalho do avante são-paulino, que tocou por cobertura.

O Grêmio tinha mais posse de bola, tentava articular jogadas, mas afunilava demais o jogo. Os jogadores de lado eram pouco acionados (e isso já tinha acontecido no jogo de volta contra o Cruzeiro) . Numa das raras vezes que isso aconteceu, Ramiro entrou em diagonal na área, onde recebeu bom passe de Douglas e empatou o jogo.

9492_crop_galeria
Fotos: Rubens Chiri (São Paulo F.C.)

São Paulo 1×1 Grêmio

SÃO PAULO: Denis; Buffarini, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; Thiago Mendes (Hudson 22′ 2ºT), João Schmidt, David Neres, Cueva e Luiz Araújo (Carlinhos 26′ 2ºT); Chavez
Técnico: Ricardo Gomes

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson (Jailson 31′ 2ºT), Geromel, Wallace Reis e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Ramiro, Douglas e Pedro Rocha (Everton 17′ 2ºT); Luan (Batista 46′ 2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

35ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2016
Data: 17 de novembro de 2016, quinta-feira, 19h30min
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo-SP
Público: 21.933
Renda: R$ 276.590,00
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Alessandro Rocha Matos (BA) e Elicarlos Franco de Oliveira (BA)
Cartões amarelos: Buffarini, Luiz Araújo, Chavez, Walace, Wallace Reis
Gols: Chavez, aos 11 do 1º tempo e Ramiro, aos 21 do 2º tempo)

Brasileirão 2015 – São Paulo 2×0 Grêmio

June 8, 2015

 

 

O Grêmio não conseguiu dar sequência na sua recuperação no Brasileirão, tendo uma atuação muito abaixo do esperado e abaixo do aceitável contra o São Paulo. Os sinais de evolução da equipe que foram vistos nos últimos jogos não se fizeram presentes no Morumbi. O time de Roger não teve a mesma movimentação e intensidade, abrindo mão da posse de bola e  deixando grandes espaços na marcação. Se viam buracos entre os volantes e os zagueiros, e não raro os jogadores de frente deixavam de recuar para trás da linha da bola no momento da recomposição defensiva. Assim, o São Paulo não precisou de muito para conseguir a vitória. Aos 26 minutos do 1º tempo, Rhodolfo cortou mal um cruzamento e a bola acabou indo para nos pés de Luis Fabiano, que com tranquilidade fez o 1×0. A rigor o Grêmio só teve uma chance de empatar, quando Giuliano deu bom passe e Pedro Rocha conseguiu tocar a bola por cima de Rogério Ceni, mas não para dentro do gol.
A situação não mudou muito no segundo tempo. O São Paulo parecia não precisar, mas o juiz inventou um pênalti para o time da casa, que Rogério Ceni converteu. O restante da partida foi constrangedor para o Grêmio, muito mais pela sua inércia do que por uma imposição técnica do adversário.

 

 

 

O brabo é que o São Paulo jogou muito pouco e ainda assim foi claramente superior ao Grêmio.
E novamente os números ajudam a ilustrar a apatia do Grêmio. O São Paulo, mesmo tendo maior posse de bola (60% x 40%), fez um número maior de faltas (19 x 14). A marcação gremista foi muito passiva.
Eu gostaria muito de entender porque o árbitro Pericles Bassols apitou com a gola da camisa levantada. Gostaria de entender porque ele marcou pênalti num toque absolutamente involuntário de Marcelo Oliveira e porque ele não adotou o mesmo critério que usou em lance parecido aos 11 do primeiro tempo.

 

 

 Fotos: Marcos Ribolli (GloboEsporte) e Rubens Chiri (São Paulo F.C.)

São Paulo São Paulo 2×0 Grêmio Grêmio

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Bruno, Rodrigo Caio, Dória, Carlinhos, Denilson (Hudson 21’/2T), Souza (Thiago Mendes 26’/2T), Wesley, Michel Bastos (Reinaldo 33’/2T), Ganso e Luís Fabiano
Técnico: Juan Carlos Osorio
GRÊMIO: Tiago; Fellipe Bastos, Rhodolfo, Pedro Geromel, Marcelo Oliveira, Araújo (Júnior 11’/2T), Maicon, Giuliano, Luan, Pedro Rocha (Vitinho 29’/2T) e Yuri Mamute (Braian Rodríguez 12’/2T)
Técnico: Roger Machado

06ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2015
Data: 06/06, às 22h (de Brasília)
Local: Estádio Morumbi, em São Paulo – SP 
Público: 16.952 pagantes
Renda:  R$ 529.630,00
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (Fifa)
Assistentes: Rodrigo F Henrique Correa (RJ) e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)
Cartões amarelos: Fellipe Bastos, Marcelo Oliveira (GRE), Denilson, Luis Fabiano e Souza (SAO)
Gols: Luís Fabiano aos 26 minutos do 1º tempo e Rogério Ceni (de pênalti) aos 10 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2014 – São Paulo 1×0 Grêmio

May 26, 2014

 

No gramado cheio de sereno do Morumbi, o São Paulo acabou com a sequência de vitórias do Grêmio. O início de partida gremista até que foi promissor. Com 3 volantes o time de Enderson Moreira ocupou o campo de ataque nos 10 primeiros minutos e chegou a criar situações de gol, como na bola que cruzou a pequena área de Rogerio Ceni após uma cobrança de falta. Mas passado esse entusiasmo inicial, o Grêmio foi perdendo o meio de campo e recuando a sua marcação. O São Paulo passou a rondar a área e até chegou a fazer com que Marcelo Grohe trabalhasse, mas em lances mal trabalhados. Apesar desse recuo, a melhor oportunidade do primeiro tempo foi gremista, na bola que Barcos arrancou da intermediária e ficou de frente para o gol, mas o chute saiu pela linha de fundo.
A situação não se alterou muito nos 45 minutos finais. O Grêmio seguiu muito preocupado com as armas ofensivas do São Paulo, que na verdade pouco ameaçaram. Ganso parece ignorar o fato que um jogo de futebol tem 90 minutos. Pato esteve sumido e Luis Fabiano segue preferindo brigar a jogar futebol. O jogo era fraco, o São Paulo não era melhor, o Grêmio não era pior e vice-versa. Mas aos 15 minutos Lucão fez o único gol da partida ao subir mais alto numa falta cobrada por Ganso. O Grêmio teve tempo para buscar o empate, mas Barcos perdeu a melhor chance, numa jogada que ele iniciou bem e terminou mal, no último minuto do jogo.

 

 

Grêmio não esteve numa noite muito inspirada. Ok, em um campeonato com 38 rodadas isso acontece. Mas o que o São Paulo precisou fazer pra levar os 3 pontos?

 

E esse parece ser um problema do time no campeonato. Em nenhuma das vezes que o Grêmio perdeu pontos nesse Brasileirão isso aconteceu propriamente por uma grande atuação do seu oponente, e sim  pela sua própria apatia.

No post do jogo anterior, levantei a dúvida sobre quem seria o substituto de Alan Ruiz como “winger” pela direita (ou meia-direita para os mais tradicionais). Enderson optou por alterar o esquema, voltando para um 4-3-2-1. Não deu tão certo. Rodriguinho, que marcou gols importantes nos últimos jogos, esteve apagadíssimo. Dudu bem que se esforçou,  mas não conseguiu produzir muito. E se via um buraco no lado direito do ataque. Pará, que fez boa partida, avançava bastante, mas nunca encontrava um companheiro para dar sequência nas jogadas por ali.

Houve um toque de mão de Maicon dentro da área do São Paulo aos 44 minutos do segundo tempo. Acho totalmente compreensível interpretar o lance como involuntário, apesar do movimento do braço e do fato de que a mão direita (que tocou na bola) já não estava mais na frente do corpo. Até aí tudo bem, é questão de critério. Só não pra dizer que foi “absolutamente nada” ou “Nada, nada e nada!” é um certo exagero.

Ademais, cada um dos bandeirinhas cometeu um erro grosseiro em impedimentos do ataque gremista. E eu custo a acreditar que o Luis Fabiano não tenha recebido sequer cartão amarelo pela cotovelada que deu em Bressan.

 

Marcelo Grohe salvou o Grêmio contra o Fluminense. Vem fazendo um bom campeonato e estava bem no jogo. Contudo tomou um gol “estranho”, com diversos atenuantes (distância, campo molhado), mas vendo a bola passando por debaixo dele no lance fica muito difícil dizer que não foi frango.

 

Duas rodadas atrás Barcos disse que tinha que “dar explicações ao treinador e aos meus companheiros, não ao torcedor“. Como torcedor eu fico curioso para saber quais são essas explicações. Porque infelizmente ele segue precisando dar explicações. Teve duas boas chances para marcar (três, se considerarmos o lance do impedimento mal marcado no primeiro tempo, o que não é pouco num jogo fora de casa contra o São Paulo) e as desperdiçou. Me parece que o Barcos atua como capitão, líder, porta-voz e tantas outras funções dentro do vestiário que acaba lhe faltando tempo pra ser centroavante.

 

Fotos: Ale Cabral (Lance),  Sergio Barzaghi (Gazeta Press) e Rodrigo Capote (UOL)

São Paulo São Paulo 1×0 Grêmio Grêmio

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Douglas, Antônio Carlos, Lucão e Reinaldo; Souza, Maicon, Ganso; Alexandre Pato (Pabon, aos 30’/2ºT), Osvaldo (Boschilia, aos 25’/2ºT) e Luis Fabiano.
Técnico: Muricy Ramalho
GRÊMIO: Marcelo Grohe, Pará, Wesley, Bressan e Breno (Zé Roberto, aos 22’/2ºT); Ramiro (Maxi Rodriguez, aos 32’/2ºT), Riveros, (Matheus Biteco, aos 2’/2°T) Edinho, Rodriguinho e Dudu; Barcos. Técnico: Enderson Moreira

07ª Rodada  – Campeonato Brasileiro 2014
Data: 24 de maio de 2014, sábado, 21h00min
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Público: 14.992 pagantes
Renda: R$ 210.275,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (FIFA-GO)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva-GO e João Patricio de Araújo-GO
Cartões amarelos: Souza, Ganso, Douglas e Maicon; Ramiro e Breno

Gol: Lucão, aos 15 minutos do segundo tempo