Archive for the ‘pesquisa’ Category

Pesquisa – Top of Mind 2009

April 24, 2009
“Realizado pela Revista AMANHÃ, em parceria com a Segmento Pesquisas, de Porto Alegre, o Top of Mind é pioneiro em pesquisa de marcas do Sul do Brasil. Os resultados completos estão no caderno encartado na edição de abril de AMANHà e, a partir da próxima terça-feira (28), em um hotsite exclusivo no Portal AMANHÔ

Grêmio vence Gauchão das marcas
O tricolor continua líder entre as marcas de time de futebol mais lembradas pelos gaúchos. O Grêmio é invicto há 14 anos na categoria, mas sua invencibilidade pode estar sendo ameaçada. Este ano, o tricolor foi citado por 49,5% dos entrevistados, contra 52,3% registrados no ano passado. Enquanto isso, o rival Inter cresceu para 42,9%, ante os 38,8% alcançados em 2008.” (Site da Revista Amanhã, 23 de abril de 2009)

Segmento:
Time de Futebol

Nome mais lembrado:
GRÊMIO: 49,9%
INTER: 42,9

Classes A/B
GRÊMIO: 54,8%
INTER: 38,0%

Classe C
GRÊMIO: 47,6%
INTER: 45,0%

Classes D/E
GRÊMIO: 47,3%
INTER: 44,6 %

Interior:
GRÊMIO: 49,9%
INTER: 38,0 %
(Grêmio.net, 23.04.2009)

Capital
INTER: 51,6%
GRÊMIO: 46%
(Blog Bola Dividida – Sexta-feira, 24 de abril de 2009)

Advertisements

Pesquisa – Empresários

April 24, 2009
Hiltor Mombach:
“Grêmio é o time preferido dos empresários do Rio Grande do Sul, de acordo com o Top Brand CEO 2009, novidade desta edição do projeto A Voz do Empresário Gaúcho. O estudo, realizado pela QualiData e ESPM, avalia a força das marcas em 20 setores da economia, identificando as Top 5 na memória (mind share) e na hora da escolha (hand share).

No índice de mind share, em que os empresários respondem espontaneamente qual o time de que mais se lembram, o Grêmio aparece com 54,8% das respostas. O Internacional figura em segundo, com 35%.

O Tricolor também fica em primeiro lugar no índice de hand share, que relaciona os times dos quais os empresários são torcedores, com 51,9%. O Colorado também ocupa a segunda posição, com os mesmos 35%.

Foram entrevistados 480 empresários, executivos e profissionais liberais nos 46 maiores municípios. Ranking completo: Top 5 mind share (memória): Grêmio, 54,8%; Internacional, 35%; São Paulo, 1,3%; Juventude, 1% e Palmeiras, 0,8%. Top 5 hand share (escolha): Grêmio, 51,9%; Internacional, 35%; Juventude, 1,5%; Brasil e Caxias, 0,8%.” (Correio do Povo, 24/04/2009)

Mários Marcos de Souza:
Na pesquisa A Voz do Empresariado Gaúcho, pesquisa realizada pela ESPM e QualiData e divulgada nesta quinta-feira, o Grêmio lidera em duas modalidades.

Na modalidade memória, em que o empresário lembra do time da preferência, o Grêmio tem 54,8% contra 35% do Inter.

Na espontânea, a vantagem fica em 51,9% a 35% (o restante se distribui entre os outros clubes daqui e do país).” (Blog Bola Dividida – Sexta-feira, 24 de abril de 2009)

Top of Mind 2008

May 15, 2008


Top of Mind 2008 da Revista Amanhã:


Timemania

May 15, 2008
Saiu no Blog Futebol & Negócio:

“Após 10 concursos, Timemania arrecada apenas 35% do previsto
Como se sabe, a previsão da Caixa Econômica Federal para o primeiro ano da loteria é arrecadar R$ 520 milhões, ou seja, R$ 10 milhões por semana (totalizando 52).

Depois de 10 concursos, no entanto, a média semanal de arrecadação continua bem abaixo da expectativa. Por enquanto as apostas totalizam R$ 3.545.401,60 por semana.

Multiplicando esse valor por 52 semanas, teríamos um total de R$ 184.360.883,20 em 12meses de Timemania, ou apenas 35% da estimativa inicial da CEF. “

Grêmio em 6º na arrecadação, com 3,9%

Pesquisa Pelotas

March 12, 2008
Apesar de levar Porto Alegre no nome, não é segredo para ninguém que o Grêmio extrapola os limites da cidade. A relação do torcedor do interior com o clube sempre me intrigou. Debatendo sobre o tema, Pelotas (mas precisamente o Brasil) surge sempre como exemplo de time com torcida forte no interior. Tendo isso em vista, me surpreendeu a pesquisa feita pelo Instituto Pesquisas de Opinião (IPO), com o senão de terem ouvido somente 402 pessoas (população de Pelotas: 350 mil), e publicada no ClicRBS hoje:

Entre os dias 03 e 05 de março, o Instituto Pesquisas de Opinião (IPO) realizou uma pesquisa por amostragem estratificada no município de Pelotas, para quantificar o tamanho das torcidas dos clubes de futebol. Foram entrevistadas 402 pessoas nas zonas urbana e rural, com representatividade conforme gênero, idade, escolaridade e local de moradia. E o resultado aponta a torcida do Grêmio como a maior em Pelotas.

No total, 28,6% dos pelotenses se declararam gremistas. Em segundo lugar estão empatados o Brasil-Pe e o Inter, com 21,9% cada. O Pelotas aparece em 4º, com 8,2%. O Farroupilha tem 2%, e 16,9% dos entrevistados disseram que não torcem para nenhum time. (…)

(..)Mas há um dado muito interessante. Na última pergunta – qual o seu clube do coração – quem ganha é o Brasil-Pe, com 25,1%. O Grêmio aparece em segundo, com 22,4%, o Inter em terceiro, com 19,7%, e o Pelotas em 4º, com 10,2%. Quem explica a diferença entre os números gerais da pesquisa e o resultado da pergunta sobre o time do coração é a socióloga Elis Radmann, diretora do IPO e coordenadora da pesquisa:

– O resultado geral é mais racional, e geralmente está ligado a questões como modismo, tendência do momento, influência da mídia e imagem pessoal. Esse resultado pode mudar a qualquer momento, ou seja, basta o Grêmio acumular algum insucesso que o número pode cair, ou então aumentar em caso de exposição maior – explica Elis.

Segundo a socióloga, liderar a pesquisa do clube do coração confere ao Brasil-Pe uma base mais sólida:

– A torcida do Brasil-Pe tem dados mais fiéis, maior sustentabilidade. É uma torcida mais fiel em Pelotas. Não vai perder espaço, como pode acontecer com a do Grêmio. (ClicEsportes – 12/08/2008)

A matéria é assinada por Eduardo Cecconi, que em seu blog, tenta acalmar os pelotenses, aponta dados e faz algumas conclusões interessantes:

– Quase a metade dos pelotenses consultados (45,5%) admite que torce para dois times, um Bra-Far-Pel, e outro Gre-Nal. Repito: quase metade;
– Dessa fatia, o Grêmio é o segundo clube da maioria de quem se declara Brasil E mais um time, ou Pelotas E mais um time;
– Por isso a torcida do Grêmio é a maior da cidade, porque a maior parte dos pelotenses têm dois times, e esse segundo time é na maioria o Grêmio;
– Quase metade da cidade – 45,5% – tem dois times, um em Poa, um em Pelotas;
– Menos de 40% de quem se declara Brasil ou Pelotas torce exclusivamente para nossos times. Mais de 60% dos xavantes e dos aureo-cerúleos têm um segundo time em Pelotas. É fato, todo mundo sabe, e eu sempre afirmei isso.
– A maioria absoluta dos jovens se declara Gremista (Blog Cidade do Futebol – 12/03/2008)





Pesquisa – Datafolha Novembro 2007

January 14, 2008

No Rio Grande do Sul: Grêmio 48% x 36% Inter
No Brasil: Grêmio 6ª maior torcida com 4%

Nas dez unidades da República tabuladas pelo Datafolha no assunto, somente no RS a fidelidade aos principais clubes locais é maior do que a registrada no RJ -84% dos gaúchos dizem ser seguidores do Grêmio ou do Internacional, ambos sediados na capital, Porto Alegre.

No Estado do Rio Grande do Sul o Grêmio é líder isolado, com 48%; o Internacional conta com 36% das preferências. Em Porto Alegre, o tricolor gaúcho atinge 48%, apenas cinco pontos percentuais a mais do que o rival colorado, que obtém 43%, e ocorre um empate, em razão da margem de erro, de exatamente cinco pontos, para mais ou para menos.

No Paraná, times paulistas se destacam: entre os que moram no Estado, 15% declaram torcer para o Corinthians e 10% para o Palmeiras. O Atlético fica com 7%, percentual idêntico ao obtido pelo São Paulo, o Coritiba com 6%, mesmo percentual registrado pelo Flamengo e pelo Santos e o Paraná conta com 3% das preferências, a exemplo do que ocorre com o Grêmio. Já entre os que moram em Curitiba, Atlético atinge 22%, Coritiba fica com 17% e Paraná com 10%. Corinthians e Palmeiras atingem, na capital, percentuais que representam um terço do que conquistam no Estado como um todo: 5% no caso do time alvinegro e 3% no que se refere à equipe alviverde, que tem percentual idêntico ao obtido por Flamengo e Grêmio. O São Paulo obtém 4% na capital paranaense.

Entre os moradores de Santa Catarina, Flamengo (16%) e Grêmio (13%) dividem a liderança. Corinthians e o Internacional de Porto Alegre atingem 8%, cada. Avaí e Figueirense atingem 2%, cada, e Criciúma é citado por 1%. Em Florianópolis, Figueirense vai a 16%, Flamengo obtém 12% e Avaí fica com 8%, mesmo percentual obtido pelo tricolor gaúcho. O Criciúma é citado, mas não chega a atingir 1% na capital catarinense. (DataFolha)


Times do RJ conquistam mais espaço fora da sede do que rivais
Rio Grande do Sul é o Estado que mais registra fidelidade com clubes locais

DA REPORTAGEM LOCAL

A pesquisa do Datafolha de novembro último confirma que os grandes clubes cariocas são mais populares do que os paulistas em outros Estados. E revela também que os moradores do RJ são mais fiéis aos clubes da casa do que os de SP.
Entre os entrevistados no RJ, 80% dizem torcer por Flamengo, Vasco, Botafogo ou Fluminense. Em SP, a preferência somada por Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos alcança a marca de 70%.
Nas dez unidades da República tabuladas pelo Datafolha no assunto, somente no RS a fidelidade aos principais clubes locais é maior do que a registrada no RJ –
84% dos gaúchos dizem ser seguidores do Grêmio ou do Internacional, ambos sediados na capital, Porto Alegre.
Em nenhum outro Estado as agremiações locais respondem por mais de 50% das preferências. Em Minas Gerais, 47% dos entrevistados apontaram o Atlético-MG ou o Cruzeiro como time de sua preferência.
No Nordeste, em alguns casos é mínima a participação dos times da casa na popularidade entre os torcedores.
No Ceará, por exemplo, somente 16% dizem torcer por uma das duas potências do Estado (Fortaleza e Ceará).
E, nesses casos, os corações desses brasileiros pendem mais para os clubes cariocas do que para as equipes paulistas.
No Distrito Federal, 48% dos entrevistados indicaram uma agremiação do Rio como a preferida. Os times paulistas ficaram com apenas 19%.

Na Bahia, são 30% os seguidores do quarteto de grandes cariocas -os quatro grandes de SP detêm 18% da preferência.
Vantagem grande a favor dos paulistas somente no vizinho PR, onde o Corinthians é o time mais popular (15%) e os times de São Paulo somam 38% das preferências, contra apenas 7% das agremiações cariocas.
Para os clubes paulistas, serve de cons
olo o fato de que dois representantes do Estado (Corinthians e São Paulo) conseguem, cada um, ostentar 1% da preferência no RJ, enquanto o Flamengo é a única agremiação de lá a atingir a marca em solo paulista. (EO E PC) (Folha de São Paulo)

Paulistano é quem menos vai ao estádio
Pesquisa Datafolha revela que apenas 15% dos torcedores da capital de SP dizem torcer por seu time das arquibancadas
Índice da cidade que abriga Corinthians, São Paulo e Palmeiras fica abaixo da média nacional, de 21%, e distante de Rio e Salvador

EDUARDO OHATA PAULO COBOS DA REPORTAGEM LOCAL Assistir a um jogo de futebol no estádio não é um programa típico do torcedor paulistano. Pesquisa nacional do Datafolha, realizada no final de novembro, mostra os moradores da cidade como os menos dispostos a torcer por seu clube nas arquibancadas. Só 15% dos entrevistados na capital paulista disseram ir aos estádios, mesmo sendo só de vez em quando. Esse número fica razoavelmente abaixo da média nacional (21%) e distante da registrada por cariocas (27%) e soteropolitanos (28%). O Datafolha ouviu 11.786 pessoas em 390 municípios de 25 Estados. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Na questão do hábito dos torcedores de ir ao estádio ou acompanhar os jogos pela TV, uma resposta não exclui a outra. E quem puxa o desprezo dos paulistanos é justamente o corintiano, tido como “o mais fiel dos torcedores”. Só 23% dos seguidores do clube alvinegro afirmam que têm o costume de freqüentar estádios, contra 24% dos são-paulinos, 25% dos palmeirenses e 26% dos santistas. Comparado com o que acontece com grandes de outros Estados, a apatia paulistana pelas arenas de futebol fica ainda mais evidente. No Rio de Janeiro, 30% dos flamenguistas apontam um campo de futebol como programa. No Nordeste, 36% dos seguidores do Bahia expressam a mesma opinião. O resultado da pesquisa encontra respaldo na bilheteria nos Brasileiros do ano passado. Tanto o Flamengo, na primeira divisão do campeonato, como o Bahia, na terceira, registraram média de cerca de 40 mil torcedores por partida. O grande paulistano que mais se aproximou disso foi o São Paulo, com 29 mil pagantes por confronto. O Corinthians computou 20 mil fãs por jogo.

Risco e falta de conforto jogam contra

DA REPORTAGEM LOCAL Polícia Militar, TV, especialista em marketing e dirigente de clube são unânimes ao apontar razões que explicam a ausência do torcedor nos estádios: o desconforto e o risco. “”Pelas nossas observações, quem vai ao estádio, em sua maioria, é o pessoal das classes D e E, que tem no futebol sua diversão e fica na geral e na arquibancada”, afirma o major Armando Tadeu Camargo, 43, comandante do 2º Batalhão de Choque da Polícia Militar, que chefia o policiamento nos estádios. Ele diz ainda que outros fatores afastam o torcedor. “”Aumento no preço do ingresso, aliado à dificuldade de acesso aos estádios, já que muitos moram na zona leste, os desestimula. Há exceções, como os são-paulinos, público de dois tipos de jogos: clássicos e finais. E tem a questão da violência.” Elton Simões, diretor responsável pelos canais “pay-per-view” da Globosat, que exibe torneios nacionais, não crê que o maior número de jogos oferecidos pela TV influa no público nos estádios. “”Nossas pesquisas indicam que a maioria dos assinantes reside a mais de 100 km do local onde as partidas de seu clube são realizadas. Então, o “pay-per-view” serve a uma população que não poderia ir aos estádios”, diz Simões. “”Violência, insegurança e falta de conservação e conforto inibem a ida do torcedor aos locais dos jogos.” Até dirigente de clube concorda que as condições das arenas e os serviços oferecidos nele não são ideais. “É questão de racionalidade [não ir ao estádio]. A pessoa tem o trabalho de comprar o ingresso, deslocar-se ao estádio, passar pela catraca, buscar seu assento. E o que encontra? Banheiros em más condições, perigo de brigas…”, enumera o vice de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg. Se a falta de público é encarada como problema, por uma outra ótica Marco Aurélio Klein, especialista em marketing esportivo e professor da Faculdade Getúlio Vargas, vê um nicho de oportunidades. “”Pelos números do Datafolha, pouca gente vai ao estádio, porém muitos acompanham futebol pela TV. Isso significa que existe demanda reprimida por futebol. Há excelentes oportunidades para o futebol, caso ele se organize e proporcione acessibilidade, qualidade e conforto.” “”O futebol é hoje entretenimento. Se houver conforto, as pessoas irão aos estádios. Veja os cinemas: no passado, tapetes rasgados, iluminação e som ruins afugentavam o público.” (EO E PC) (Folha de São Paulo)

Pesquisa CNT/Sensus – Torcidas

October 18, 2007
Tenho postado quase todas pesquisas de torcidas que são publicadas. Sobre essa tenho pouco a falar, o pessoal do Grêmio Libertador faz um questionamento interessante. No mais essa pesquisa tem resultado com as demais publicadas nas décadas de 90 e 2000.

Os dados foram coletados entre 8 e 12 de outubro em 136 municípios nas cinco regiões brasileiras e foram ouvidas 2.000 pessoas.

O curioso é que, entre todos os entrevistados, 28,4% dizem não torcedor por clube algum. A maioria dos brasileiros (51,9%) diz gostar de futebol; 15,4% gostam “mais ou menos” e 32,0% não gostam.

Apenas 10,6% dos torcedores afirmam que freqüentam os estádios de futebol espalhados pelo país, sendo que 6,2% freqüentemente e 23,1%, apenas às vezes. 67,3% não vão ao campo.

Clube %
Flamengo 14,4
Corinthians 10,5
São Paulo 8,0
Palmeiras 7,2
Vasco 5,0
Grêmio 3,9
Santos 3,7
Cruzeiro 3,3
Internacional 2,1
Botafogo 1,8
Atlético-MG 1,5
Fluminense 1,5
Sport 1,0
Goiás 0,9
Atlético-PR 0,8
América-RN 0,6
Juventude-RS 0,4
Figueirense 0,3
Náutico 0,2
Paraná Clube 0,1

Pesquisa TNS – Torcidas

October 17, 2007
No mínimo estranha essa pesquisa publicada na Revista Placar de outubro. Primeira pesquisa feita pela TNS chegou a números curiosos, muito favoráveis as equipes paulistas. Em todas pesquisas das décadas de 90 e 2000 o Grêmio disputava com o Cruzeiro o posto de 6ª maior torcida do brasil. Nesta pesquisa o imortal tricolor aparece em 11º lugar. No meu olhar leigo o fato da pesquisa só ter feita no interior de Minas, Rio e São Paulo pode muito bem ter provocado uma distorção nos resultados. Para uma crítica um pouco mais avalizada, leia este post no Blog de Jorge Santana.

– O Grêmio aparece em 11º lugar no brasil com 1,19%
– Em Porto Alegre aparece em 2º (!!!) com 48,4%
– Em Florianópolis aparece em 5º com 9,5%
– Em Curitiba aparece em 6º com 3,5%

A pesquisa foi feita pela TNS Sport, empresa inglesa. Para ser entrevistada a pessoa precisava torcer para alguem , a partir dai foram feitas 64 perguntas para elas entre os dias 15 de julho e 15 de agosto em 13 capitais e cidades do interior paulista, carioca e mineiro, num total de 3503 pessoas entrevistadas.


GERAL

Outros: 25,19%
Flamengo: 15,34%
Corinthians: 14,83%
São Paulo: 11,89%
Palmeiras: 8,58%
Vasco: 4,47%
Santos: 3,80%
Cruzeiro: 3,38%
Atlético-MG: 3,04%
Botafogo: 2,12%
Fluminense: 1,66%
Grêmio: 1,19%
Bahia: 0,77%
Sport: 0,70%
Atlético-PR: 0,62%
Vitória: 0,57%
Internacional: 0,55%
Goiás: 0,38%
Coritiba: 0,35%
Santa Cruz: 0,27%
Náutico: 0,22%
Paraná: 0,09%

POR REGIÕES:

SÃO PAULO (ESTADO):
Corinthians: 32,9%
São Paulo: 25,6%
Palmeiras: 15,3%
Santos: 14,5%
Seleção Brasileira: 4%
Outros: 7,8%

SÃO PAULO (CIDADE):
Corinthians: 34,8%
São Paulo: 27,7%
Palmeiras: 17,7%
Santos: 5,7%
Seleção Brasileira: 5,1%
Outros: 9%

RIO DE JANEIRO (ESTADO):
Flamengo: 56,3%
Vasco: 22,9%
Botafogo: 9,7%
Fluminense: 9,7%

RIO DE JANEIRO (CIDADE):
Flamengo: 48,8%
Vasco: 24,1%
Botafogo: 12,2%
Fluminense: 11,9%

PORTO ALEGRE:
Internacional: 49,7%
Grêmio: 48,4%
Outros: 2%

MANAUS:
Flamengo: 32,1%
Seleção Brasileira: 23,2%
Vasco: 16,1%
São Paulo: 10,7%
Botafogo: 7,1%
Outros: 10,7%

BELÉM:
Paysandu 34%
Remo 23%
Flamengo 13%
Corinthians 8%
São Paulo 7%
Outros 15%

FORTALEZA:
Ceará 26.3%
Fortaleza 22.4%
Corinthians 13.2%
São Paulo 11.8%
Flamengo 9.2%
Palmeiras 7.9%
Outros 9.2%

RECIFE:
Sport 43%
Santa Cruz 27.2%
Náutico 19.2%
Outros 10.6%

SALVADOR:
Bahia 38%
Vitória 26.3%
Seleção 8.7%
Flamengo 6%
Corinthians 5.3%
São Paulo 4%
Outros 12.7%

MINAS GERAIS (ESTADO)
Flamengo 19.9%
Cruzeiro 16.6%
Atlético Mineiro 13.5%
Corinthians 13.2%
Palmeiras 10.5%
São Paulo 8.8%
Seleção 5.1%
Vasco 3.7%
Santos 3%
Outros 5.7%

BELO HORIZONTE:
Cruzeiro 42.4%
Atlético Mineiro 38.4%
Outros 19.2%

CURITIBA:
Atlético Paranaense 30.8%
Curitiba 28.7%
Paraná 9.8%
Corinthians 5.6%
São Paulo 5.6%
Grêmio 3.5%
Botafogo 2.8%
Flamengo 2.8%
Santos 2.8%
Outros 8%

GOIÂNIA:
Goiás 23.7%
São Paulo 17.1%
Seleção 17.1%
Palmeiras 10.5%
Corinthians 7.9%
Vila Nova 6.6%
Flamengo 5.3%
Outros 11.8%

BRASÍLIA:
Flamengo 30%
Seleção 24%
Vasco 8%
Atlético Mineiro 7%
São Paulo 7%
Palmeiras 6%
Botafogo 5%
Corinthians 5%
Outros 8%

FLORIANÓPOLIS:
Avaí 19.2%
Figueirense 17.8%
Outros 12.3%
Corinthians 11%
Palmeiras 11%
Grêmio 9.6%
Internacional 9.6%
São Paulo 9.6%

Pesquisa

April 14, 2007

Mais uma pesquisa comprova a superioridade da torcida gremista no RS. Fica até cansativo discutir isso.

“Pesquisa Top of Mind, feita por Segmento Pesquisas e Revista Amanhã, já na 17ª edição”:

Grêmio – 48,3%
Inter – 40,4%

“A pesquisa divulgada ouviu 1,2 mil pessoas entre 16 e 65 anos, de todas as classes sociais no Estado, sendo 51,2% mulheres, com o objetivo de capturar a primeira lembrança do entrevistado. A margem de erro é de três pontos percentuais”

Sinceramente, não sei como ainda tem gente que ainda se presta a contestar a maioria tricolor. veja o que ja foi publicado neste blog sobre esse tipo de pesquisa:

http://gremio1983.blogspot.com/2006/08/maior-torcida.html

http://gremio1983.blogspot.com/2006/11/mais-uma-pesquisa.html